Arquivo do dia: 15/02/2010

MADONNA SAPUC’AQUI

Têm sido mesmo proveitosos os passeios de Madonna para o Brasil. Nos últimos três meses, a popstar levantou nada menos que US$ 12 milhões para sua ONG, Success For Kids – US$ 10 milhões em novembro, US$ 2 milhões na semana passada.

Querem saber quais as fontes da grana? Uma é a Brahma, que doou US$ 1 milhão sob duas condições: de que ela fosse dar pinta no camarote da cervejaria e de que investisse o montante integralmente em ações no Rio. Um dos diretores da Inbev, inclusive, já é mecenas do projeto há muito tempo. E, além da ação que a ONG tem na Ladeira dos Tabajaras, a SFK acaba de ganhar um braço na Vila Cruzeiro…

O outro milhão veio quarta-feira do bolso do banqueiro Luis Octávio Índio da Costa, que, no almoço que ofereceu à popstar, chamou-a num cantinho e fez a doação que prometera em novembro. Os empresários brasileiros renderam-se de fato ao magnetismo de ter a maior estrela da música mundial suplicando-lhe ajuda…

Ela também fez parada estratégica numa mansão do chiquérrimo Jardim Pernambuco — mas de lá não se sabe se levou outra grana preta ou se foi
Madonna passou o sábado em Angra, na casa de Germana Gerdau e Lourenço Nabuco. Saiu de barco, passeou em Amendoeira, onde deu um show de ioga, com as posições mais difíceis. À noite, jantou no Gero e ontem foi à Sapucai — até na Brahma.

* Informações de Bruno Astuto

FILME de ESMIR FILHO Bem Recebido em Berlim

“Os Famosos e os Duendes da Morte” teve a primeira sessão agora há pouco no segmento Generation 14 Plus, recorte paralelo à competição oficial da Berlinale. O belo cinema art-déco Babylon, fora do circuito principal do festival, estava com seus quinhentos lugares ocupados eminentemente por jovens, público que por certo melhor sintoniza com o longa-metragem de estréia de Esmir Filho.

Ainda foram necessárias cadeiras extras para acolher espectadores. A recepção ao final foi calorosa nas palmas e boa parte da sala permaneceu para uma rápida conversa com o diretor, acompanhado de Ismael Caneppele, ator e autor do livro no qual o filme se baseia, da produtora Sara Silveira e do protagonista Henrique Larré.

“Para mim é muito importante e emocionante essa presença significativa de vocês”, disse Esmir para o público. “Berlim é o melhor lugar para exibir meu filme, porque como vocês viram há uma relação forte com a Alemanha, dos imigrantes que se instalaram no sul do Brasil, nessa comunidade onde a história se passa; pude perceber que vocês entenderam isso quando riram nas passagens dos diálogos em alemão.”

Esmir se referia aos momentos em que o personagem de Larré, fanático por Bob Dylan e que se autodenomina Mr. Tambourine Man em seu blog, conversa com seus avós alemães. A trama ocorre em torno desse adolescente, órfão de pai e um tanto solitário que procura viver à margem do cotidiano aborrecido do vilarejo da Pomerania, região colonizada por alemães.

A internet é seu meio de contato com o mundo, onde escreve uma espécie de diário sentimental e guarda lembranças de uma menina já morta. O suicídio é um ato recorrente na cidade e a melancolia do protagonista é ressaltada por essa condição. Haverá outra questão em jogo também, relacionada a sexualidade.

É portanto do universo das descobertas naturais da idade de que fala a obra autobiográfica de Caneppele, que interpreta um colono local de influência na vida do garoto. “Foi difícil para mim viver isso na tela, pois olhava para o Larré lembrando como eu era há dez anos e como foi duro aquela época perder amigos e conhecidos; os suicídios relamente aconteciam naquela ponte que está no filme”, disse o ator e autor.

Muito tímido e calado no início da conversa, Larré por fim deu seu depoimento e impressionou a platéia. “Foi estranho, mas depois que comecei a fazer o filme também soube de suicídios de jovens na cidade em que nasci, que não é a do filme”.

Para Esmir, o fundamental no projeto foi trabalhar com atores ainda novatos do Rio Grande do Sul e figurantes locais. “Mesmo o material dos garotos que se vê na internet são reais e pertencem aos jovens moradores da cidade; pedi para que me enviassem e assim usar no filme”. O filme tem previsão de estréia para o final de março, quando também deve ser mostrado pela primeira vez à população da pequena cidade-cenário. “Estou animado para saber a reação deles”.

UNIDOS DA TIJUCA ARRASA

Terceira a entrar na avenida, Unidos da Tijuca vem com o enredo “É Segredo!”, tratando da busca pelos mistérios através dos tempos. Adriane Galisteu é rainha da bateria


“Desvendar esse mistério
é caso sério, quem se arrisca a procurar
o desconhecido, no tempo perdido
aquele pergaminho milenar
são cinzas na poeira da memória
e brincam com a imaginação”

Com seis carros e 3,2 mil integrantes, a escola é a terceira a passar pelo sambódromo neste domingo. A escola ficou em nono lugar no ano passado e não vence o campeonato do samba desde 1936.

O carnavalesco Paulo Barreto mostra ousadia, talento e inovação através da estupenda comissão de frente usando truques de ilusionismo pra balançar as arquibancadas e nunca mis sair da memória da Sapucaí: bailarinas trocam de roupa 6 vezes em plena avenida, a cada vez um novo vestido e ninguém sabe como. SARAVÁAAAAAAAA !!!

A Unidos da Tijuca foi fundada em 31 de dezembro de 1931, pelas famílias Moraes, Chagas, Santos e Vasconcelos.  A escola de samba, que é a terceira mais antiga do Brasil, nasceu com o objetivo de defender as raízes tradicionais do folclore brasileiro e também lutar pelas causas populares.

BUENOS AIRES: INOLVIDÁVEL & CALIENTE

Impetuosa , bela e incoerente, Buenos Aires é uma cidade que, acima de tudo, desdenha a mediocridade. Primando no contraste entre a prosperidade e a falência, a cidade é tão exagerada, que machuca. Nelas está o tangível  _ótimos hotéis em diferentes faixas de preço, um florescente cenário de restaurantes_ como também o intangível – a cordialidade e o bom humor de sua gente extrovertida

* O texto não é meu, mas traduz sentimento comum

Scorsese mobiliza imprensa em Berlim

O cineasta Martin Scorsese causou a primeira grande onda de flashes no Festival Internacional de Cinema de Berlim com o filme Ilha do medo, uma história que começa como thriller e acaba como imersão na loucura, escorado na atuação de Leonardo DiCaprio. A película promoveu o primeiro grande assédio da imprensa em Berlim, em meio à plateia lotada para a estreia do tormentoso filme de Scorsese