Arquivo do dia: 05/04/2010

APCA Premia RÁDIO

 
O livro Ninguém Faz Sucesso Sozinho (2a edição, Escrituras Editora), de Antônio Augusto Amaral de Carvalho, o “Seu Tuta”, levou o Grande Prêmio da Crítica de rádio da Associação Paulista de Críticos de Arte. O prefácio da obra é de José Bonifácio de Oliveira Sobrinho (Boni), com organização e coordenação editorial do jornalista José Nêumanne Pinto.
 
A obra foi lançada em 21 de setembro passado, em evento que contou com mais de 2000 convidados durante oito horas de autógrafos, transformando-a rapidamente em sucesso editorial. Leitura obrigatória sobre os anos de ouro da Jovem Pan e TV Record, com seus programas memoráveis, o livro tem importância documental, apresentando depoimento autobiográfico de um pioneiro da história do rádio brasileiro.
 
Tuta inicia a narrativa contando seu primeiro contato com a então Rádio Panamericana, em 1949, e segue num depoimento apaixonante até os dias de hoje. Aos 78 anos de idade, Tuta continua à frente da Rádio Jovem Pan de São Paulo, uma das mais importantes do Brasil e do mundo, com mais de 140 emissoras afiliadas, que chegam a 1500 municípios brasileiros, atingindo 25 milhões de ouvintes. Na Jovem Pan, Tuta foi responsável por iniciativas pioneiras do rádio brasileiro, como a Jovem Pan online, o rádio com imagem.
A festa de premiação da APCA é amanhã, terça, às 20h, no Teatro Sesc Pinheiros (Sala Paulo Autran), em São Paulo, reunindo as maiores personalidades das artes do país.
 
 
Ninguém faz sucesso sozinho
A. A. A. de Carvalho – TUTA
2a edição
 
O livro Ninguém faz sucesso sozinho (Escrituras Editora) traz a  trajetória de vida do jornalista Antonio Augusto Amaral de Carvalho,o Tuta, um inovador e um dos nomes mais importantes da história da rádio e da televisão do Brasil.
 
O início da trajetória do jornalista Antonio Augusto Amaral de Carvalho, o Tuta, 78 anos, deixando sua marca na história da radiodifusão brasileira, ocorreu em 1949, como auxiliar na então Rádio Panamericana, que era, na época, a “Emissora dos Esportes”.
 
Em 1952, Tuta assumiu a direção-geral da Panamericana. Tinha, então, 21 anos de idade. Em 1953, Tuta deixou a Panamericana para trabalhar TV Record, que iniciava suas transmissões. Na TV Record, criou e dirigiu programas históricos da televisão brasileira, como “O Fino da Bossa”, “Bossaudade”, “Família Trapo”, “Hebe”, “Show do dia 7” e muitos outros que marcaram época.
 
Por seu trabalho na TV Record, da qual se desligou em 1973, Tuta recebeu por dez anos consecutivos, a partir de 1955, o Prêmio Roquete Pinto, que era a maior distinção da televisão brasileira na época. Em 1958, recebeu o Tupiniquim, da TV Tupi, e mais outro se seguiu. Em 1966 e 1969 foi agraciado com o Prêmio Governador do Estado.
 
Embora pertencendo aos quadros da TV Record, Tuta assumiu novamente a direção da Rádio Panamericana em 1964. O nome Jovem Pan, substituindo Panamericana, surgiu em 1965, dado pelo doutor Paulo Machado de Carvalho, o Marechal da Vitória. Em 1966, Tuta começou a grande transformação da emissora que, mais tarde, se tornaria em uma referência do rádio brasileiro.
 
Já com o nome de Jovem Pan, Tuta iniciou vários programas com ídolos da MPB que, na época, faziam grande sucesso na TV Record. Em 1970, começou a criar na Jovem Pan os primeiros programas jornalísticos e de prestação de serviços que transformaram o rádio do Brasil, fazendo escola, especialmente a “Equipe Sete e Trinta”, que depois se tornaria no “Jornal da Manhã”, que é o mais ouvido no país até hoje.
 
Em 1976, implantou a Jovem Pan-2, FM, designando Antonio Augusto Amaral de Carvalho Filho, para sua direção, cargo que ocupa até hoje. Foi outra iniciativa que mudou tudo nas FMs do país.
 
Em 1993, Tuta iniciou o Projeto Jovem Pan-SAT, implantado em 1994, transmitindo via satélite para todo o país, com sinal de áudio totalmente digital. Sob a direção de Marcelo Carvalho, hoje a Rede Jovem Pan-SAT, uma das maiores do mundo, conta com mais de 130 emissoras que transmitem para mais de 1500 municípios do país, incluindo 17 capitais, atingindo um contingente de 25 milhões de ouvintes.
 
Em 1997, Tuta criou o site da Jovem Pan na Internet, que se transformou, também, numa referência no que diz respeito à informação em tempo real.
 
Em 2007, implantou a Jovem Pan Online, o rádio com imagem, com uma programação que funciona dia e noite, abrangendo todos os setores, como Política, Economia, Esportes, Internacional, Cultura, Ciências e Comportamento. Dirigida por Sílvia Carvalho, a Jovem Pan Online representa outra iniciativa pioneira do jornalista Antonio Augusto Amaral de Carvalho que, com os olhos sempre voltados para o futuro, transformou a radiodifusão do Brasil, sempre com uma tecnologia e equipamentos de ponta, dos mais modernos do mundo, além de profissionais da mais alta qualidade, que fizeram a Jovem Pan ser chamada de “A Rádio do Brasil”.
 
José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, resume essa história com essas palavras que escreveu no livro: “Quando todos os profissionais de rádio achavam que nada mais havia para ser feito nesse veículo, Tuta apareceu com a inovadora Jovem Pan, diferente de todos os modelos existentes no rádio de todo mundo (…) Na televisão, Tuta foi responsável por inovações no esporte e no entretenimento que entraram para a história do veículo. Com a experiência da televisão, quando liderou a equipe A, produzindo as mais importantes atrações da TV Record, ele usou o rádio para fazer aquilo que a televisão sonhava fazer, mas não conseguia realizar (…) Reconheço e respeito Tuta, saudando-o por todo o seu magnífico trabalho na televisão e no rádio. E por este livro, que registra sua indiscutível competência e seu espírito renovador”.
 
José Nêumanne Pinto foi responsável pela organização, coordenação editorial, coleta de depoimentos e texto final do livro. Nêumanne é jornalista, poeta, escritor, editorialista do Jornal da Tarde e comentarista da Rádio Jovem Pan e do Sistema Brasileiro de Televisão (SBT).

Título: Ninguém faz sucesso sozinho (2a edição)
Autor:  A. A. A. de Carvalho – TUTA
Organização e coordenação editorial: José Nêumanne Pinto
Prefácio: José Bonifácio de Oliveira Sobrinho (Boni)
Colaboração especial: José Carlos Pereira
Foto capa: Fernando Gardinali
Gênero: Biografia/Literatura brasileira
ISBN: 978-85-7531-344-2
Formato: capa dura com sobrecapa, 21,5 X 27 cm
Páginas: 432
Peso: 2,070 kg
Preço: R$ 90,00
Escrituras Editora
 
Conheça todos os ganhadores do APCA 2009 em http://apca.org.br/OS_MELHORES_DA_APCA_EM_2009.pdf.

Domingos Volta ao Teatro com Texto de Estréia

Domingos Oliveira admite estar vivendo uma das experiências mais pitorescas de sua longa trajetória nos palcos. É que em Do fundo do lago escuro, que estreia depois de amanhã no Teatro das Artes do Shopping da Gávea, e fica em cartaz até 27 de maio, o dramaturgo interpreta uma personagem inspirada em alguém com quem conviveu de perto: a própria avó.

De peruca, maquiagem e enchimentos, ele se transforma na severa Dona Mocinha, uma velha matriarca que se esforça para manter o controle e preservar a moral de uma típica família burguesa carioca da década de 50.

Em um dos ensaios, fui para o camarim de calção e coloquei aquele sutiã de peitos grandes. Quando me olhei no espelho, tomei um susto. Pensei: “Sou uma hermafrodita!”. Não está sendo nada fácil – brinca Domingos.

Escrita há mais de três décadas, a obra narra um dia na vida da família do autor e tem como matéria-prima as memórias afetivas de sua infância.

É a famosa história da família brasileira que dilapida uma fortuna em uma única geração – afirma o diretor. O pano de fundo da trama é a tensão dos últimos momentos da Era Vargas, com Dona Mocinha esperando ansiosamente por um discurso de Carlos Lacerda.

DOMINGOS OLIVEIRA é um dos PATRIMÔNIOS do TEATRO BRASILEIRO. Estando no Rio, conferir seus espetáculos é um prazer e uma feliz obrigação.

VIVA  DOMINGOS !!!

* Confira matéria na integra acessando www.jb.com.br