Arquivo do dia: 27/04/2010

INTERCOM do Nordeste em Campina Grande

XII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Nordeste

Tema: Comunicação, Cultura e Juventude


De 10 a 12 de junho

INSCRIÇÕES de Trabalhos até 7 de maio

Universidade Estadual da Paraíba – Campina Grande – PB

Os trabalhos serão apresentados em sessões correspondentes  de acordo com sub-áreas temáticas  que agrupam os diversos campos comunicacionais na área científica da Intercom. Para melhor compreensão de onde apresentar o trabalho consulte as ementas das sub-áreas das Divisões Tematicas. São elas:

DT 1 – Jornalismo
DT 2 – Publicidade e Propaganda
DT 3 – Relações Públicas e Comunicação Organizacional
DT 4 – Comunicação Audiovisual
DT 5 – Multimídia
DT 6 – Interfaces Comunicacionais
DT 7 – Comunicação, Espaço e Cidadania
DT 8 – Estudos Interdisciplinares

FILME CULTURA HOJE no RIO

É hoje à noite o lançamento da revista Filme Cultura – referência de leitura sobre cinema no Brasil entre 1966 e 1988 -, volta a ser publicada a partir deste mês, com o lançamento da edição nº 50, entre 18h30 e 21h30, na Casa de Rui Barbosa, em Botafogo. 

O novo projeto Filme Cultura consiste, além da revista, no lançamento do website: www.filmecultura.org.br e da coleção histórica em versões fac-símile e microfilmes, esta em convênio com a Biblioteca Nacional.

A Filme Cultura 50 traz um núcleo temático intitulado Cinema Brasileiro Agora, com artigos e mesa-redonda sobre o estado atual do cinema na Bahia, Ceará, Minas Gerais, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e São Paulo, pois como afirma no editorial  Gustavo Dahl, diretor da publicação, ‘Viajar de Norte a Sul pelos ambientes de produção audiovisual que estão gerando novos olhares é uma opção que se impôs, como recomeço de conversa’.

João Gilberto e o Facebook

João Gilberto está bravo. Até aí, a frase não soa como novidade para ninguém que já tenha ouvido falar em algumas das muitas polêmicas em que o recluso – e por muitas vezes mal humorado – cantor se envolveu. O motivo talvez seja inusitado: o gênio da Bossa Nova não gostou de ter seu perfil no Facebook divulgado para os leitores do jornal O GLOBO em matéria do repórter Leonardo Lichote, publicada no Segundo Caderno deste domingo. Se a reportagem levantava a dúvida sobre a veracidade da página, o João Gilberto virtual fez questão de responder como o cantor faria na vida real. O recado, ele mandou através da própria rede. “Não estou a um clique de ninguém. Não vou mais adicionar ninguém. Quando a gente descobre um passatempo, tudo vira escarcéu. Uma pena. Uma pena”, escreveu em sua página.

Na sequência, João Gilberto Prado Pereira, como assina sua persona “internética”, fez uma ameaça. “Estou pensando em pedir aos meninos para deletar ainda hoje isso aqui”, disse, se referindo a Hugo Grimaldi Filho e Chris Lessa, que administram o perfil do músico no site de relacionamentos. Os fãs e amigos fizeram coro e pediram para ele ficar.

Mas, mesmo que a página continue firme e forte (até a noite de domingo), João Gilberto publicou um vídeo de Adeus, batucada, imortalizada por Carmen Miranda, interpretada por Celso Fonseca. A letra? “Vou-me embora chorando / Com meu coração sorrindo / E vou deixar todo mundo / Valorizando a batucada”. Junto, mais um aviso: “Adeus ao GLOBO, adeus”.

Mesmo tendo prometido não fazer mais nenhum amigo virtual, João se contradisse e continuou adicionando mais pessoas à sua página – muitos deles ilustres desconhecidos. Se até o fechamento da famigerada edição do Segundo Caderno ele tinha “apenas” dois mil amigos, o número pulou para quase 2.700 em poucas horas. “É um privilégio incrível, mesmo à distância virtual, poder partilhar a música, as opiniões, a sensibilidade, a genialidade, a arte em letra maiúscula, tudo que representa no mundo essa força da natureza que é João Gilberto”, derreteu-se Renata Frade.

A internauta Rosa Filgueira e Silva não ficou atrás. “Acho que a delícia de curtirmos aqui com você é o que vale. Me trouxe muita alegria e emoção”, escreveu. A algumas mensagens, João Gilberto respondeu carinhosamente, agradecendo as palavras de apoio. Porém, além da esperada legião de fãs, o destaque na publicação atraiu detratores. O usuário identificado como Jorde Andrade Souza criou um perfil apenas para xingar o cantor. “Crucifiquem o João Gilberto e sejam felizes!”, apelou, dizendo que João Gilberto é “neurótico e ultrapassado”.

A ele, João Gilberto não dignou nem uma palavra sequer.

* Texto de Lívia Brandão

MARADONA Lança Livro sobre a COPA

Obra será utilizada por professores argentinos durante a Copa do Mundo Foto: AP

Obra será utilizada por professores durante Copa do Mundo
Foto: AP

Diego Armando Maradona, técnico da seleção argentina, lançou ontem em Buenos Aires um livro educacional. A publicação, batizada de Os meios de comunicação e a Copa do Mundo da África do Sul 2010 será utilizado por professores, em aulas que serão dadas no país durante o próximo Mundial.

O evento contou ainda com Julio Grondona, presidente da Associação de Futebol Argentino (AFA), e com Alberto Sileoni, Ministro da Educação do país. Ainda durante a apresentação, Maradona conversou com a imprensa e deu autógrafos a alguns dos que conseguiram se aproximar dele.

Em sua entrevista após a apresentação, Maradona fez uma série de elogios à sua seleção. “Confio nos homens que vou levar. Serão os que sabem o que representa a camiseta argentina”, disse o ex-craque, pedindo também que os alunos possam assistir aos jogos nas escolas durante a Copa. “As crianças merecem”, completou, bastante aplaudido.

Time Argentino é Forte

“Maradona vai calar a boca de vários”

Em artigo publicado pelo jornal “Olé”, o ex-craque búlgaro afirma que seleção argentina não será batida facilmente no Mundial

O búlgaro Hristo Stoichkov, que fez história com a camisa do Barcelona e da seleção de seu país, afirmou em artigo publicado no jornal argentino Olé que Diego Maradona irá “calar a boca de vários” no Mundial da África do Sul.

Stoichkov disse que a população argentina “deve estar orgulhosa de ter a pessoa mais famosa do planeta como treinador” da seleção do país. Para o búlgaro, a equipe de Maradona será muito difícil de ser batida na Copa do Mundo.

O ex–jogador também reclama das comparações feitas entre Maradona e Lionel Messi. Para ele, “comparação é coisa de quem não sabe viver a vida”.

Segundo Stoichkov, há muita pressão em cima de Messi atualmente. “E se a Argentina não ganhar o Mundial ? Maradona já ganhou um Mundial e, se sua equipe não vencer na África do Sul, Diego continuará sendo o melhor. Então, por que pressionam o Messi?”, disse.

Quanto mais surgem novas mídias, mais é preciso reafirmar a importância dos intermediários e de seu profissionalismo.

Dominique Wolton Desconstrói Utopias Digitais

A internet é mesmo a grande revolução prevista por certos teóricos? Em seu novo livro, Informar não Comunicar, o sociólogo francês Dominique Wolton joga um balde de água fria nas utopias digitais, que cravaram que as novas tecnologias iriam resolver todos os problemas da comunicação. Para o prestigiado pesquisador do CNRS (Centro Nacional de Pesquisas Científicas, na sigla em português), fundador e diretor da revista Hermès, confundiu-se os – indiscutíveis – avanços técnicos de transmissão da informação com a nossa capacidade de absorvê-los e nos adaptarmos às mudanças.

O resultado é paradoxal: mais rápido avançam as tecnologias, mais lento é o nosso progresso na comunicação. Wolton não nega a importância das novas ferramentas, mas desconstrói a ilusão de que a internet possibilitará um conhecimento sem intermediários. Ao contrário do espaço de integração e pluralidade idealizado por alguns, vê um sério risco de segmentação: usuários isolados em suas ilhas, ou limitados a seus grupos de afinidades, incapazes de dialogar com valores diferentes dos seus.

Antes que o acusem de conservadorismo, vale lembrar que o pensador defende, na verdade, uma visão mais humanista da comunicação, que coloque o indivíduo acima das tecnologias. Pede com urgência que a comunicação seja vista como um projeto político e cultural, para que possa enfim produzir um melhor entendimento entre os homens num mundo cada vez mais multipolar.

Os avanços da comunicação deflagraram a nossa dificuldade de se comunicar?

Há um descompasso entre a velocidade e o volume de informações aos quais temos acesso todos os dias e nossa capacidade de se comunicar. As informações avançam rápido, já a comunicação, muito devagar. Identificamos erroneamente as técnicas de comunicação ao progresso, e esquecemos da complexidade do homem. A comunicação é uma das apostas científicas do século 21: precisamos gerar nossas diferenças, coabitar, muito mais do que dividir o que temos em comum. O desafio é tomar consciência que a comunicação deve conviver pacificamente com as novas tecnologias da mesma maneira que a ecologia. O mundo finalmente deu atenção à ecologia, agora é preciso também ficar atento às ciências sociais da comunicação.

Quais são os maiores perigos da visão tecnicista da comunicação?

É uma visão que contém riscos porque cria uma confusão entre o que é informação e o que é comunicação. Não apenas releva a capacidade crítica do receptor exposto à mensagem, mas também a sua resistência a uma visão diferente do mundo. É preciso aceitar a idéia de que a comunicação também possui uma dimensão política e cultural. Se aceitamos que a ecologia deve ser um assunto político, por que não a comunicação?

Os ideólogos da revolução digital defendem que a internet pode produzir uma democracia mais direta, emancipada das instituições, e que se autorregulamentaria sem a necessidade de intermediários. É uma ideia populista?

É uma ideia democrática apenas na aparência. A internet ressuscitou a utopia da democracia direta. É ingênuo, porque se você não tem intermediários, é o dinheiro e as minorias que dominam. Não existe democracia sem intermediários: políticos, jornalistas, professores, médicos… A televisão comunitária existe há pelo menos 20 anos e não resultou na democracia direta. A mídia está cada vez mais interativa, mas não melhorou em nada. Para que haja democracia, é preciso haver eleições. Aliás, eleições servem para eliminar aquilo com o que não concordamos.

A internet é defendida como um agente do pluralismo. Mas o senhor vê um risco de conformismo, submissão ao receptor e às modas. Até agora, o digital contribuiu mais para uma homogeneização da mídia?

A internet pode se transformar em um espaço onde todo mundo pensa a mesma coisa, pois cada um se fecha em sua comunidade. Mas se for regulamentada, poderá refletir o pluralismo da sociedade. Aconteceu o mesmo na história da política, da ciência ou da arte. A comunicação é um projeto político. Com a internet, corremos o risco de entrar no comunitarismo: as comunidades se prendem em suas próprias afinidades, sem dar atenção a outras possibilidades. A comunicação é uma ida e volta, é preciso negociar as diferenças.

Em resposta à utopia de integração, o senhor aponta as “solidões interativas”…

Não podemos negar que a internet trouxe uma abertura formidável. Mas depois de um tempo, pode virar prisões individuais: as pessoas se trancam e não se comunicam com valores diferentes dos seus. A web é um sistema de informação baseado na demanda, enquanto as mídias clássicas se baseiam na oferta. A web não ultrapassa a demanda, e com isso produz uma segmentação. Por outro lado, as mídias clássicas enriquecem a demanda com a oferta.

Qual foi a verdadeira influência da internet nas últimas eleições presidenciais americanas?

Já se disse muita besteira sobre a campanha de Obama. Na verdade, ele percebeu a importância das redes sociais e se serviu delas. Mas era algo que já existia muito antes, pelos meios clássicos. Não foi a internet que deu a largada para o militantismo, ela simplesmente acelerou um sentimento que já existia na população.

O senhor afirma que o jornalismo é uma profissão, exige formação. Como vê a decisão da Justiça brasileira de anular a necessidade de diploma para praticar o jornalismo no país?

O jornalismo é uma profissão que exige responsabilidade, uma maneira de ver o mundo. É importante que ela mantenha as portas abertas para os mais jovens. Mas acreditar que ela pode acolher todo mundo, mesmo aqueles que não conhecem as dificuldades do métier, é uma visão demagógica, que pode vulgarizar o ofício. Quanto mais surgem novas mídias, mais é preciso reafirmar a importância dos intermediários e de seu profissionalismo.

Os jornalismo impresso vai acabar?

Cada um tem seu lugar. A internet tem como aspecto positivo a sua capacidade de ser um instrumento de contrapoder e, como negativo, a sua segmentação. Já as mídias clássicas são positivas por se abrir a todos, mas negativas por serem generalistas demais. Precisamos de cada um dos dois em suas visões positivas. Cada mídia tem sua cultura e competência.

* Texto de Bolívar Torres, do JB

Caxias do Sul Sediará INTERCOM Nacional

    INTERCOM 2010

XXXIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação

UCS – Caxias do Sul/RS – 2 a 6 de setembro


1. Calendário Topo

1.1. Inscrição de trabalhos

Prazo inicial para inscrição de trabalhos 7 de abril


Prazo máximo para inscrição de trabalhos

30 de junho

Os interessados em submeter trabalhos devem
efetuar o pagamento da taxa de inscrição até o dia

28 de junho
Data final para comunicação dos aceites dos trabalhos

Atenção: após a submissão do trabalho, verifique periodicamente o status da avaliação em sua área reservada, para o caso de alterações solicitadas

15 de julho

 

1.2. Inscrição no congresso

Taxa de inscrição – 2010¹

Categoria De 5 de abril
a 28 de junho
De 29 de junho
a 20 de julho

De 21 de julho
a 10 de agosto


Não Sócio

R$ 260,00 R$ 320,00 R$ 400,00

Sócio da Intercom²

R$ 130,00 R$ 160,00 R$ 200,00

Estudante de graduação³
Recém Graduado (2009/2010)*

R$ 100,00
R$ 120,00
R$ 140,00

¹ A inscrição no congresso será aceita até o limite da capacidade de acomodação dos participantes nos locais do congresso. Recomenda-se a inscrição antecipada, sobretudo para os que pretendem apresentar trabalhos.

² Sócios que quitaram a anuidade 2010.

³ No ato da inscrição, o estudante deve informar o número de sua matrícula na instituição em que estuda.

* Os inscritos nessa categoria somente poderão enviar trabalhos para o Intercom JúniorObs 1: Não serão realizadas inscrições no local. Não haverá restituição da taxa de inscrição.

Obs 2: Os certificados de participação e apresentação de trabalhos serão online. Após o evento e a comprovação da presença do participante, o certificado será liberado na área reservada do inscrito para impressão.

 

2. Chamada de Trabalhos Topo

1.1. Quem e onde apresentar trabalhos

 1.1.1. Doutores, Doutorandos, Mestres, Mestrandos

GPs e NPs -Intercom
IX Encontro dos Grupos/Núcleos de Pesquisa da Intercom

Colóquio Binacional
Colóquio Brasil-França de Ciências da Comunicação

Publicom
Encontro com Autores–Editores de Publicações Recentes em Comunicação

1.1.2. Estudantes de graduação e recém-graduados (graduados em 2009 ou no decorrer de 2010)

Intercom Júnior
Jornada de Iniciação Científica em Comunicação

Expocom
Simpósio da Pesquisa Experimental em Comunicação

Obs. Somente os trabalhos classificados na Expocom Regional, realizada nos Congressos Regionais da Intercom no primeiro semestre do ano, poderão ser inscritos na Expocom Nacional.

 1.1.3. Professores, Pesquisadores, Profissionais Graduados, Especialistas

Publicom
Encontro com Autores–Editores de Publicações Recentes em Comunicação

5.1. GPs Intercom – X Encontro dos Grupos de Pesquisa em Comunicação

5.1.1. Para saber qual Grupo de Pesquisa poderá apreciar e acolher o seu paper consulte as palavras-chave e as ementas dos Grupos de Pesquisa e envie, na forma indicada, seu trabalho à Coordenação que contemple pelo menos uma das palavras-chave do seu paper. Caso não encontre nenhuma das palavras-chave de seu trabalho na lista, consulte também as respectivas seções temáticas, procurando um tema ou área do campo da Comunicação desenvolvidas em algum dos GP, com a qual seu trabalho se possa identificar.

Os Grupos de Pesquisa (GP), agrupados por grandes áreas (Divisões Temáticas), são os seguintes:

DT 1 – Jornalismo
GP Gêneros Jornalísticos
GP História do Jornalismo
GP Jornalismo Impresso
GP Teoria do Jornalismo
GP Telejornalismo

DT 2 – Publicidade e Propaganda
GP Publicidade – Epistemologia e Linguagem
GP Publicidade – Marcas e Estratégias
GP Publicidade – Propaganda política

DT 3 – Relações Públicas e Comunicação Organizacional
GP RP e Comunicação Organizacional

DT 4 – Comunicação Audiovisual
GP Cinema
GP Ficção Seriada
GP Fotografia
GP Rádio e Mídia Sonora
GP Televisão e Vídeo

DT 5 – Multimídia
GP Cibercultura
GP Conteúdos Digitais e Convergências Tecnológicas

DT 6 – Interfaces Comunicacionais
GP Comunicação e Culturas Urbanas
GP Comunicação e Educação
GP Comunicação e Esporte
GP Comunicação, Ciência, Meio Ambiente e Sociedade
GP Produção Editorial

DT 7 – Comunicação, Espaço e Cidadania
GP Comunicação e Desenvolvimento Regional e Local
GP Comunicação para a Cidadania
GP Geografias da Comunicação
GP Mídia, Cultura e Tecnologias Digitais na América Latina

DT 8 – Estudos Interdisciplinares
GP Economia Política da Informação, Comunicação e Cultura
GP Políticas e Estratégias de Comunicação
GP Folkcomunicação
GP Semiótica da Comunicação
GP Comunicação, Turismo e Hospitalidade
GP Teorias da Comunicação

5.1.2. Cada pesquisador só poderá encaminhar um trabalho de sua autoria para o X Encontro dos Grupos de Pesquisa. São admitidas exceções no caso de co-autoria, quando podem ser submetidos até dois trabalhos do mesmo autor, desde que um deles seja de autoria única e outro não ou que, sendo ambos em co-autoria, o sejam com co-autores diferentes. O pesquisador que for selecionado para apresentar trabalho nos Grupos de Pesquisa se compromete a participar de todas as sessões do referido GP e não apenas àquela em que o seu trabalho está incluído. A presença do pesquisador em todos os dois dias de apresentações de trabalho nos grupos é obrigatória.

5.4.3 Nos trabalhos em co-autoria é possível submeter à apreciação um trabalho feito em parceria com autor(es) sem a qualificação acadêmica exigida nos grupos, mas, se for selecionado, o trabalho só poderá ser apresentado no GP pelo autor com a qualificação exigida. O trabalho, em qualquer hipótese, só poderá ser apresentado na sessão de trabalho do grupo pelo autor qualificado para participar das reuniões do GP como expositor.

Coordenadora: Profa. Dra. Sonia Virgínia Moreira (Uerj)

Site oficial: http://www.ucs.br/ucs/eventos/intercom/apresentacao

Sede: Universidade de Caxias do Sul – Centro de Ciências da Comunicação – CECC
Rua Francisco Getúlio Vargas, 1130 – Bloco T
CEP 95070-560 – Caxias do Sul – RS – Brasil
intercom@ucs.br
Telefones: +55 (54) 3218 2611 e 3218 2587

Coordenação Geral Local: Profa. Marliva Vanti Gonçalves