Arquivo do dia: 29/07/2010

Walter Firmo em Campinas para Mês da Fotografia

Na próxima segunda, 5 de agosto, às 19h30, ocorre o lançamento oficial do Festival Hercule Florence e do Mês de Fotografia de Campinas.  O lançamento contará com palestra sobre a obra do fotógrafo carioca Walter Firmo, além de uma apresentação musical e da exibição de um curta-metragem produzido em parceria pelos estúdios Ateliê da Imagem e Art Salon. O evento será no CPFL Cultura (Rua João Figueiredo Correa, 1632, bairro Chácara das Flores). 

Entre as atividades que compõem o Mês da Fotografia de Campinas, está a quarta edição do Seminário Imagem e Atualidade, promovido pela PUC-Campinas, de 17 a 20 de agosto. A atividade faz parte do Festival Hercule Florence e do Mês de Fotografia, de 2 a 31 de agosto, que entre as atividades terá palestras, oficinas e exposições espalhadas por diversos pontos de Campinas. 

O objetivo do Seminário é debater o cenário da atividade fotográfica, estimulando a reflexão dos profissionais de fotografia, mas também de estudantes e interessados na área. A programação completa será disponibilizada, em breve, no Portal PUC-Campinas. 

Sobre Walter Firmo 

Fotógrafo carioca formado no fotojornalismo, Walter Firmo faz parte da historia da fotografia brasileira. Estreou no jornal Última Hora em 1957 e desde então esteve nos mais importantes veículos de imprensa brasileira: Jornal do Brasil, revistas Realidade, Manchete, Veja e Istoé. Em 1986 fundou e dirigiu o Instituto Nacional de Fotografia da FUNARTE e desde 1992 distribui seu conhecimento fotográfico em cursos por todo o país.

Expõe suas fotos nos principais centros culturais do país e do exterior. Recebeu diversos prêmios e homenagens, como o Prêmio Esso de Jornalismo pela reportagem Cem dias na Amazônia de Ninguém, uma série de cinco reportagens (texto e fotos) publicadas no Jornal do Brasil em 1963, o Golfinho de Ouro, concedido pelo governo do Estado do Rio de Janeiro em 1985, e nove vezes o Prêmio Internacional de Fotografia Nikon.

A qualidade do trabalho de Walter Firmo pode ser notada nos livros: “alter Firmo. Antologia Fotográfica, Paris parada sobre imagens e Rio de Janeiro cores e sentimento, além de diversas participações em livros de fotografia e exposições coletivas. Recebe o reconhecimento internacional quando citado no verbete “fotografia” da Enciclopédia Britânica, em 1971. O acervo de FIRMO cobre fatos relacionados a uma temática social e bem brasileira, registrando nosso folclore, nossa cultura e personagens típicos, de norte a sul do país, além de célebres figuras da cultura brasileira.

 SERVIÇO:

Lançamento do Festival Hercule Florence e do Mês de Fotografia de Campinas

Data: 5 de agosto

Horário: 19h30

Local: CPFL Cultura (Rua João Figueiredo Correa, 1632, bairro Chácara das Flores)

Entrada gratuita

Em Veneza, O Mundo é Belo

Curta brasileiro será exibido no Festival de Veneza

O Mundo É Belo, filme do “quase” cearense Luiz Pretti (cineasta residente em Fortaleza há alguns anos), é uma das sete produções latino-americanas que irão participar da mostra Horizontes, dentro da categoria de média e curta-metragem, no 67o Festival de Veneza, que começa dia primeiro de setembro. Há ainda produções da República Dominicana, México, Argentina, Brasil e Equador.

A organização do festival italiano, que apresenta amanhã em Roma a programação do evento, antecipou os nomes dos filmes que participarão da mostra Horizontes, que conta com seus próprios prêmios.

Na categoria de média ou curta-metragem, também competem o argentino “En el Futuro”, de Mauro Andrizzi; “El Pozo”, de Guillermo Arriaga; e “Man in a Room”, de Rafael Palacio Illingworth; “Indefatigable’, de Ruth Jarman e Joe Gerhardt (Equador/Reino Unido).

Os longas espanhóis “Caracremada”, de Lluís Galter, e o documentário “Guest”, de José Luis Guerín, também participam da mostra “Horizontes”, que é dedicada às novas correntes cinematográficas, sem distinção de gênero ou duração.

Nesta edição, o júri dessa mostra será presidido pela cineasta iraniana Shirin Neshat, ganhadora do Leão de Prata na última edição do festival com o filme Zanan Bedoone Mardan. Também integram o júri tunisiana Raja Amari, o filipino Lav Diaz e o italiano Pietro Marcello, assim como o crítico austríaco Alexander Howarth.

Em comunicado, o presidente da Bienal de Veneza, Paolo Baratta, explicou que, neste ano, a mostra Horizontes, criada em 2004, se abre a todas as obras consideradas “fora de formato”, com um “olhar mais amplo e dinâmico para os novos caminhos das linguagens que confluem para o cinema”

Mais da BOSSA NOVA na Tela


Em fase de finalização, longa com o baterista Argus Montenegro, veterano da Bossa Nova – considerado pela crítica,  músicos e público especializado um dos mais virtuosos bateristas do mundo 

  Baixe Argus Mon...jpg 

  

Baixe Argus Mon...jpg

 

A trajetória profissional, as experiências de vida e visões sobre a música de um dos bateristas mais talentosos do Brasil e do mundo estão documentadas no longa-metragem Argus Montenegro & a instabilidade do tempo forte

Dirigido por Pedro Lucas e produzido por Aletéia Selonk, numa realização da Artéria Filmes e Okna Produções, o documentário está em fase de finalização e tem lançamento previsto para o primeiro semestre de 2011. O projeto é patrocinado pela NET e Intral, através da Lei de Incentivo à Cultura do Estado do Rio Grande do Sul (LIC/RS) e recebeu recursos do Fundo Municipal de Apoio à Produção Artística e Cultural de Porto Alegre (Fumproarte). 

O filme acompanha o convalescimento desse artista, que não aceitou as transformações do mercado musical nas últimas décadas e se recusou a deixar de tocar por falta de espaço para o estilo de música que praticava: Bossa Nova, Jazz e Música Centro-Americana. Em uma pequena casa, no bairro Glória, em Porto Alegre, Argus Montenegro se recuperava de um acidente que o afastou das apresentações em público havia cinco anos. Possuidor de um talento natural para contar histórias, ele narra a sua trajetória e a da música no Brasil dos últimos cinqüenta anos, apresenta suas composições e demonstra porque a música brasileira possui soberania inquebrantável.

 

No início dos anos 60, Argus Montenegro participou das noites musicais no Beco das Garrafas, tocando com grandes nomes da música brasileira e do jazz mundial, tais como Sérgio Mendes, Tom Jobim, Carlos Lira e Antônio Solero. Como músico de orquestra, conheceu os ritmos afro-caribenhos da América Central e, tocando para estrangeiros, descobriu a singularidade da música brasileira. Embora tenha vivido no ostracismo em sua própria cidade natal, Porto Alegre, Argus gozou de reconhecimento internacional, principalmente nos Estados Unidos, onde foi convidado a morar, tocar e ensinar música.

 

O documentário resgata a importância de Argus Montenegro e oferece ao grande público o melhor da música brasileira, a partir da sabedoria de quem já tocou com grandes músicos e participou de eventos internacionais como o FREE JAZZ FESTIVAL. É também a oportunidade de reafirmar as raízes do instrumento bateria, suas possibilidades rítmicas, sua poética e sua contribuição à cultura musical brasileira e internacional.

QUEM SÃO 

DIRETOR
Pedro Isaías Lucas Ferreira: Bacharel em Direção de atores pelo Departamento de Arte Dramática do Instituto de Artes da UFRGS. Atuou nos seguintes filmes: roteiro e codireção do curta-metragem A Sétima Arte (1999, 16mm, ficção: exibido na mostra paralela do Festival de Gramado 2000); Roteiro e direção o documentário Africanos, sobre estudantes africanos em universidades de Porto Alegre (em fase de produção); Roteiro e assistência de direção do documentário Caminhos de Pedra – Tempo e Memória na Linha Palmeiro (direção de Pedro Zimmermann, 2008, HD); Roteiro do documentário Arte, Ordem e Caos, sobre arte e cultura no evento Fronteiras do Pensamento 2007 (direção de Pedro Zimmermann, 2008, HD).

EMPRESAS PRODUTORAS: 

 

   

Artéria Filmes: Há seis anos atuando na produção audiovisual de Porto Alegre, a Artéria Filmes tem em seu currículo principal documentários e vídeos institucionais, entre eles: Os Novos Rumos da Agroecologia, vídeo digital Institucional financiado pela Comunidade Européia para o CETAP-Centro de Tecnologias Alternativas e Populares (21 min, junho/julho 2005); MTV-Unisinos Experience- ID’s de animação para o projeto MTV-Unisinos Experience, e entrevistas com professores, alunos e personalidades da cidade (evento realizado em 2005 em escolas de segundo grau de Porto Alegre); Documentário Fórum Social Mundial 2005, projeto longa metragem em vídeo digital em fase de pós-produção, direção de Ivanir Migotto; Mau Hábito, documentário média-metragem, vídeo digital, direção de Rafael Gue Martini.

 

Okna Produções: é um bureau de produção audiovisual criado em 2006, com sede em Porto Alegre. Atualmente, realiza vários projetos audiovisuais para cinema e televisão, entre documentários e filmes de ficção, de curta, média e longa-metragem. Promove, ainda, eventos ligados ao audiovisual, a fim de fomentar a formação de público para a produção independente. Entre seus principais trabalhos destacam-se os longas A Última Estrada da Praia (2010) e Walachai (2009); os médias-metragens Um Animal Menor (2010) e Caminhos de pedra (2008); e os curtas Enciclopédia (2009), Livros no Quintal (2009), Hóspedes (2008) e Um dia como hoje (2007).