Cinema no Moreira Salles

Durante este outubro, o Instituto Moreira Salles, no Rio, acolhe a mostra Cinema e Arte, exibindo filmes e documentários sobre arte e realizando mesas-redondas para o debate do tema. Amanhã, 12, terça-feira, é a pré-estréia do filme Cildo, dirigido por Gustavo Rosa de Moura sobre o artista plástico Cildo Meireles.

O artista plástico Cildo Meireles: agora, no cinema

Entre os filmes com exibição confirmada, Um retrato de Diego, de Gabriel Figueroa Flores e Diego López; Gilbert & George – artista duplo, de Julian Cole; Downtown 81, de Edo Bertoglio; David Hockney: um grande mergulho, de Jack Hazan; O enigma de um dia e O Pintor, de Joel Pizzini

A curadoria é de José Carlos Avellar.

Programação completa: www.ims.uol.com.br

Mesas-redondas – Programação

Crítica como criação – 16/10 – 17h30 – sábado

Exibição do filme Formas do Afeto – um filme sobre Mário Pedrosa de Nina Galanternick (Brasil, 2010. 35’)

Participações: Frederico Morais, Fernando Cocchiarale e José Carlos Avellar

Há algum tempo que o papel da crítica, seja de artes visuais em particular seja das artes em geral, é posto em xeque tanto por artistas quanto pelo público. Se nas décadas de 50 e 60 a crítica foi um dos motores da criação estética através de parcerias, de cumplicidades e do rigor em suas colocações, hoje em dia ela é vista como espécie de espaço neutro, cuja ressonância criativa é mínima e restrita a pequenos círculos de iniciados. Partindo dessa premissa negativa, a mesa irá expandir o debate sobre esse papel criativo da crítica e sobre sua escassa presença no cotidiano das artes. Se a crítica contemporânea ainda tem o que dizer e colaborar, quais são as novas formas de se posicionar criticamente frente à arte brasileira? Como construir um novo caminho conjunto entre crítica e criação no meio cultural brasileiro?

Após o debate será exibido o filme 5+5+.

Arte, política e nacionalismo – 23/10 – 17h30 – sábado

Participações: Moacir dos Anjos, Cildo Meireles e Carlos Vergara

Tema amplo e multifacetado, as relações entre arte e política são cada vez mais atuais no debate cultural contemporâneo. Em uma época sem inimigos públicos ou ditaduras, a relação de artistas e intelectuais com a ação política torna-se difusa, porém permanece poderosa. Qual o papel do artista frente os novos temas e atores sociais que se afirmaram na última década do país? Como agregar coletividades ao redor da cultura? A mesa debaterá o tema a partir das diversas transformações que essas duas categorias – arte e política – passaram em nossa história recente.

Antes da mesa-redonda será exibidoSe meu pai fosse de pedra, de Maria Camargo

Arte e espaço público – 30/10 – 17h30 – sábado

Participações: Pedro Rivera e Marcos Chaves.

Hoje em dia, talvez mais do que nunca, as cidades e seus espaços públicos tornaram-se laboratórios criativos para projetos e intervenções. Arquitetos e artistas articulam cada vez mais saberes e fazeres em prol de novas demandas e usos do meio urbano por parte de governos e da população. A mesa apresentará o diálogo produtivo entre a arquitetura e a arte contemporânea, explorando um histórico de eventos públicos e propondo outros percursos criativos possíveis nas artes visuais e na construção do espaço público no Brasil.

Antes da mesa-redonda será exibido O cão louco Mario Pedrosa, de Roberto Moreira (Brasil 1993)

Durante a mostra Cinema e Arte será lançado um pack especial do projeto Retratos Contemporâneos da Arte, reunindo o filmes Fernando Lemos: Atrás da imagem (direção de Guilherme Coelho), 5+5+ (direção de Rodrigo Lamounier) e o próprio Cildo. Todos os filmes foram produzidos pela Matizar Filmes.

Retratos Contemporâneos da Arte

5+5+

Direção: Rodrigo Lamounier

Por onde anda uma obra de arte? Quais são os caminhos que um trabalho – ou uma série de trabalhos – pode seguir ao longo da vida de quem o adquiriu? O documentário 5+5+ mostra o percurso que cinco serigrafias de Carlos Vergara fizeram desde o momento de sua aquisição até a atualidade. O filme aponta o que as obras representam para os seus donos, um deles o cineasta e colecionador Ivan Cardoso. “A primeira serigrafia que eu comprei foi a do Vergara e custou 15 cruzeiros. Foi engraçado porque eu paguei para adquirir o Vergara e não a obra dele. Paguei em cinco vezes para ser seu amigo… e realmente depois disso nunca mais nos separamos”, lembra Ivan.

Cildo

Direção: Gustavo Rosa de Moura

O documentário Cildo foca na obra e no pensamento do artista plástico Cildo Meireles – figura central na arte contemporânea brasileira. Fruto de quatro anos de filmagens, o documentário teve pré-estréia mundial nos dias 09 e 11 de janeiro de 2009, na sala de cinema da Tate Modern, em Londres, durante o último final de semana da grande retrospectiva do artista neste prestigioso espaço.

Artista conceitual que se destacou no final dos anos 60, Cildo Meireles trabalha principalmente com instalações de grandes dimensões. O filme se torna um importante meio de compreensão de seu trabalho, na medida em que reúne várias de suas obras, espalhadas por diversas exposições. E possibilita ainda que o público brasileiro compartilhe desse momento histórico, que é sua retrospectiva na Tate. “Através do audiovisual, procuramos oferecer uma imersão nas obras do Cildo, para que o público possa experimentar uma outra forma de contato com seus trabalhos”, ressalta Gustavo Rosa de Moura.

Fernando Lemos: Atrás da imagem

Direção: Guilherme Coelho

Um encontro com a vida e a obra de Fernando Lemos – fotógrafo, pintor, desenhista, artista gráfico e poeta português radicado há 50 anos no Brasil, para onde veio fugindo da ditadura de Salazar. O filme explora sua história pessoal e política, as influências, sua visão artística e seu acervo pessoal de obras de arte.

Programação de filmes

Sexta-feira – 8 de outubro
14h – A obra de arte – de Marcos Ribeiro (Brasil 2010)
15h30 – O mistério Picasso (Le mystère Picasso) – de Henri Georges Clouzot (França 1956)
17H – Luz Negra – de Nuno Ramos e Eduardo Climachauska (Brasil 2002)
Yves Klein, a revolução azul (Yves Klein, la révolution bleu) – de François Levy Kuentz (França 2006)
18h30 – 5+5+ – de Rodrigo Lamounier (Brasil 2010)
20H – David Hockney: um grande mergulho (A bigger splash) – de Jack Hazan (Inglaterra 1973)

Sábado – 9 de outubro
14h – Guernica (Guernica) – de Robert Hessens e Alain Resnais (França 1950)
Fernando Lemos, atrás da imagem – de Guilherme Coelho (Brasil 2006)
15h30 – Downtown 81 (Downtown 81) – de Edo Bertoglio (EUA 2001)
17h – Krajberg, o poeta dos vestígios – de Walter Salles (Brasil 1987)
18h30 – 5+5+ – de Rodrigo Lamounier (Brasil 2010)
20h – O decamerão (Il decamerone) – de Pier Paolo Pasolini (Itália 1971)

Domingo – 10 de outubro
14h – Goya (Goya em Burdeos) – de Carlos Saura (Espanha 1999)
16h – A barriga do arquiteto (The belly of the architect) – de Peter Greenaway (Inglaterra 1986)
18h – El pintor tira el cine a la basura (Brasil 2008)
Concerto para clorofila (Brasil 2004)
Word World (Brasil 2001)
Da janela do meu quarto (Brasil 2004)
Otto – eu sou um outro (Brasil 1998)
Between – inventário de pequenas mortes (Brasil 2000)
Mestre da Gambiarra (Brasil 2008)
Todos os filmes são de Cao Guimarães
20h – A obra de arte – de Marcos Ribeiro (Brasil 2010)

Terça-feira – 12 de outubro
14h – Fernando Lemos, atrás da imagem – de Guilherme Coelho (Brasil 2006)
Cildo Meireles: gramática do objeto – de Luiz Felipe Sá (Brasil 2000)
Iole de Freitas: ar ativado – de Luiz Felipe de Sá (Brasil 2000)
16h – 5+5+ – de Rodrigo Lamounier (Brasil 2010)
O pintor – de Joel Pizzini (Brasil 1995)
18h – Quimera – de Tunga e Eryk Rocha (Brasil 2004)
Downtown 81 (Downtown 81) – de Edo Bertoglio (EUA 2001)
20h – Cildo – de Gustavo Moura (Brasil 2009)

Quarta-feira – 13 de outubro
14h – Rastros, pegadas de mulher (Traces, empreintes de femmes) – de Katy Ndiaye (França/Bélgica/Burkina Faso/Senegal 2003)
As estátuas também morrem (Les staues meurent aussi) – de Chris Marker e Alain Resnais (França 1953)
16h – 5+5+ – de Rodrigo Lamounier (Brasil 2010)
O enigma de um dia – de Joel Pizzini (Brasil 1996)
O Pintor (Brasil 1995)
19h – Terra deu terra come – de Rodrigo Siqueira (Brasil 2010)
Sessão realizada em parceria com a Abraci – Associação Brasileira de Cineastas e seguida de debate com o realizador

Quinta-feira – 14 de outubro
14h – Obra de arte – de Marcos Ribeiro (Brasil 2010)
15h30 – O mistério Picasso (Le mystère Picasso) – de Henri Georges Clouzot (França 1956)
17h30 – O enigma de um dia – de Joel Pizzini (Brasil 1996)
Eduardo Kac: oito diálogos – de Bruno Viana (Brasil 2000)
Nuno Ramos: acidente geográfico – de Eder Santos (Brasil 2000)
Ernesto Neto: Nós pescando o tempo – de Karen Harley (Brasil 2000)
20h – Fernando Lemos, atrás da imagem – de Guilherme Coelho (Brasil 2006)
Sessão seguida de debate com Fernando Lemos

Sexta-feira – 15 de outubro
14h – Cildo – de Gustavo Moura (Brasil 2009)
15h30 – O pintor – de Joel Pizzini (Brasil 1995)
16h30 – Cildo – de Gustavo Moura (Brasil 2009)
18h – Rastros, pegadas de mulher (Traces, empreintes de femmes) – de Katy Ndiaye (França/Bélgica/Burkina Faso/Senegal 2003)
As estátuas também morrem (Les staues meurent aussi) – de Chris Marker e Alain Resnais (França 1953)
20h – Cildo – de Gustavo Moura (Brasil 2009)

Sábado – 16 de outubro
14h – Cildo – de Gustavo Moura (Brasil 2009)
15h30 – El pintor tira el cine a la basura (Brasil 2008)
Concerto para clorofila (Brasil 2004)
Word World (Brasil 2001)
Da janela do meu quarto (Brasil 2004)
Otto – eu sou um outro (Brasil 1998)
Between – inventário de pequenas mortes (Brasil 2000)
Mestre da Gambiarra (Brasil 2008)
Todos os filmes são de Cao Guimarães
17h30 – Formas do afeto: um filme de Mario Pedrosa – de Nina Galanternick (Brasil 2010) – Sessão seguida de mesa redonda
20h – Cildo – de Gustavo Moura (Brasil 2009)

Domingo – 17 de outubro
14h – Cildo – de Gustavo Moura (Brasil 2009)
15h30 – Ferreira Gullar: a necessidade da arte – de Zelito Viana (Brasil 2009)
16h30 – Cildo – de Gustavo Moura (Brasil 2009)
18h – O contrato do desenhista (The draughtsman´s contract) – de Peter Greenway (Inglaterra 1982) – cópia com legenda em espanhol
20h – Cildo – de Gustavo Moura (Brasil 2009)

Quarta-feira – 20 de outubro
14h – Cildo – de Gustavo Moura (Brasil 2009)
15h30 – Luz Negra – de Nuno Ramos e Eduardo Climachauska (Brasil 2002)
Yves Klein, a revolução azul (Yves Klein, la révolution bleu) – de François Levy Kuetz (França 2006)

Quinta-feira – 21 de outubro
14h – Cildo – de Gustavo Moura (Brasil 2009)
15h30 – Fernando Lemos, atrás da imagem – de Guilherme Coelho (Brasil 2006)
17h – Sessão dupla
The Killer, o matador (The Killer) – De John Woo (EUA 1989)
Cães de alugel (Reservoir dog) – de Quentin Tarantino (EUA 1992)
Exibição seguida debate

Sexta-feira – 22 de outubro
14h – Cildo – de Gustavo Moura (Brasil 2009)
15h30 – Goya (Goya em Burdeos) – de Carlos Saura (Espanha 1999)
17h30 – Rastros, pegadas de mulher (Traces, empreintes de femmes) – de Katy Ndiaye (França/Bélgica/Burkina Faso/Senegal 2003)
18h30 – Cildo – de Gustavo Moura (Brasil 2009)
20h – Um retrato de Diego (Um retrato de Diego) – de Gabriel Figueroa Flores e Diego López Rivera (México 2007)

Sábado – 23 de outubro
14h – O decamerão (Il decamerone) – de Pier Paolo Pasolini (Itália 1971)
16h – Cildo – de Gustavo Moura (Brasil 2009)
17h30 – Se meu pai fosse de pedra – de Maria Camargo (Brasil 2009)
Sessão seguida de mesa-redonda
20h – David Hockney: um grande mergulho (A bigger splash) – de Jack Hazan (Inglaterra 1973)

Domingo – 24 de outubro
14h – Cildo – de Gustavo Moura (Brasil 2009)
15h30 – Gilbert e George (Gilbert & George( – de Julian Cole (Inglaterra 2007)
18h – Formas de afeto: um filme sobre Mario Pedrosa – de Nina Galanternick (Brasil 2010)
Carlos Fadon Vicente – de Luiz Duva (Brasil 2000)
Carmela Gross (Brasil 2000)
20h – Um retrato de Diego (um retrato de Diego) – de Gabriel Figueroa Flores e Diego Lopez Rivera (México 2007)

Terça-feira – 26 de outubro
14h – Cildo – de Gustavo Moura (Brasil 2009)
Luz Negra – de Nuno Ramos e Eduardo Climachauska (Brasil 2002)
16h – 5+5+ – de Rodrigo Lamounier (Brasil 2010)
O enigma de um dia – de Joel Pizzini (Brasil 1996)
18h – Cildo – de Gustavo Moura (Brasil 2009)
Luz Negra – de Nuno Ramos e Eduardo Climachauska (Brasil 2002)
20h – Gilette azul – de Miriam Chnaiderman (Brasil 2002)
5+5+ = de Rodrigo Lamounier (Brasil 2010)

Quarta-feira – 27 de outubro
14h – Cildo – de Gustavo Moura (Brasil 2009)
Guernica (Guernica) – de Robert Hessens e Alain Resnais (França 1950)
16h – Rastros, pegadas de mulher (Traces, empreintes de femmes) – de Katy Ndiaye (França/Bélgica/Burkina Faso/Senegal 2003)
As estátuas também morrem (Les staues meurent aussi) – de Chris Marker e Alain Resnais (França 1953)
18h – Cildo – de Gustavo Moura (Brasil 2009)
Guernica (Guernica) – de Robert Hessens e Alain Resnais (França 1950)
20h – Goya (Goya em Burdeos) – de Carlos saura (Espanha 1999)

Quinta-feira – 28 de outubro
14h – Cildo – de Gustavo Moura (Brasil 2009)
15h30 – A barriga do arquiteto (the belly of the architect) – de Peter Greenaway (Inglaterra 1986)
17h30 – Cildo – de Gustavo Moura (Brasil 2009)
20h – O contrato do desenhista (The draughtsman´s contract) cópia com legenda em espanhol

Sexta-feira – 29 de outubro
14h – Cildo – de Gustavo Moura (Brasil 2009)
16h – Gilette azul – de Miriam Chnaiderman (Brasil 2002)
5+5+ = de Rodrigo Lamounier (Brasil 2010)
18h – Formas de afeto: um filme sobre Mario Pedrosa – de Nina Galanternick (Brasil 2010)
Ferreira Gullar: a necessidade da arte – de Zelito Viana (Brasil 2009)
20h – Se meu pai fosse de pedra – de Maria Camargo (Brasil 2009)
Krajcberg, o poeta dos vestígios – de Walter Salles (Brasil 1987)
As estátuas também morrem (Les staues meurent aussi) – de Chris Maker e Alains Resnais (França 1953)

Sábado – 30 de outubro
14h – Cildo – de Gustavo Moura (Brasil 2009)
15h30 – Gilbert & George (Gilbert & George) – de Julian Cole (Inglaterra 2007)
17h30 – O cão louco Mario Pedrosa – de Roberto Moreira (Brasil 1993)

Sessão seguida de mesa-redonda
20h – A crítica como criação: Frederico Moraes – de Guilherme Coelho (Brasil 2010)

Domingo – 31 de outubro
14h – Cildo – de Gustavo Moura (Brasil 2009)
15h30 – Se meu pai fosse de pedra – de Maria Camargo (Brasil 2009)
Krajcberg, o poeta dos vestígios – de Walter Salles (Brasil 1987)
As estátuas também morrem (Les staues meurent aussi) – de Chris Maker e Alains Resnais (França 1953)
17h30 – A barriga do arquiteto (the belly of the architect) – de Peter Greenaway (Inglaterra 1986)
20h – Cildo – de Gustavo Moura (Brasil 2009)

Terça-feira – 2 de novembro
14h – O decamerão (Il decamerone) – de Pier Paolo Pasolini (Itália 1971)
16h – Gilbert & George (Gilbert & George) – de Julian Cole (Inglaterra 2007)
18h – Cildo – de Gustavo Moura (Brasil 2009)
20h – David Hockney: um grande mergulho (A bigger splash) – de Jack Hazan (Inglaterra 1973)

Quarta-feira – 3 de novembro
14h – Downtown 81 (Downtown 81) – de Edo Bertoglio (EUA 2001)
16h – O contrato do desenhista (The draughtsman´s contract) cópia com legenda em espanhol
18h – O decamerão (Il decamerone) – de Pier Paolo Pasolini (Itália 1971)
20h – A crítica como criação: Frederico Moraes – de Guilherme Coelho (Brasil 2010)

Instituto Moreira Salles
Rua Marquês de São Vicente 476 – Gávea
Tel: 21. 3284-7400 http://www.ims.uol.com.br
Ingressos Mostra Cinema e Arte: R$ 10,00
Participação mesas redonda: entrada franca
Coordenação do IMS-RJ: Elizabeth Pessoa.
Assessoria de coordenação: Bárbara Alves Rangel.
Curador da programação do cinema: José Carlos Avellar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s