Arquivo do mês: março 2011

Cristo Redentor Pode Ajudar Quiropraxia

Congresso busca regulamentação da profissão e conscientização da importância da Quiropraxia no Brasil

 

“Redefinindo a Quiropraxia no Mundo”  é o tema do 11º Congresso Mundial de Quiropraxia Bienal da Federação Mundial

 

Pequena parcela da população brasileira tem conhecimento que quiropraxia é uma profissão mas ainda passa por um processo de regulamentação.

O 11º Congresso Mundial de Quiropraxia tem como objetivo principal, através dos quiropraxistas e alunos dos cursos de quiropraxia das universidades, a busca pela regulamentação da profissão no Brasil e mostrar à população a importância do tratamento. O Brasil conta com duas universidades com curso de Bacharel em quiropraxia: Universidade Anhembi Morumbi – SP e Universidade Feevale em Novo Hamburgo – RS.

Durante o congresso, os alunos do curso de quiropraxia planejam visita ao Cristo Redentor a fim de regularizarem a profissão no Brasil e obterem merecido reconhecimento.

QuiropraxiaLida com o diagnóstico, tratamento e prevenção das desordens do sistema neuro-músculo-esquelético. Estuda o Sistema Nervoso Central e a sua correlação com as demais partes do corpo por meio da coluna vertebral. Pode atuar de forma segura em qualquer fase da vida, de gestantes a recém-nascidos, de crianças a adultos, idosos, podendo atuar também, de forma mais específica, por meio das especializações em esporte, pediatria, veterinária e neurologia.

A Quiropraxia não é simplesmente uma modalidade técnica, mas uma ciência da saúde de formação universitária que estuda o sistema nervoso e a sua correlação com as demais partes do corpo por meio da coluna vertebral. Busca remover qualquer bloqueio ou interferência biomecânica que possa dificultar essa comunicação. Muitas dessas interferências ocorrem em algum segmento articular da coluna que se encontra com restrições de movimentos, resultando assim em dores reflexas que se manifestam na musculatura esquelética e podem interferir no funcionamento de órgãos e sistemas.

Sem o uso de medicamentos ou cirurgias, o Quiropraxista dedica-se por meio técnicos científicos, a localizar essas interferências que estão dificultando a comunicação do cérebro com as demais partes do corpo. Essas interferências são denominadas de Complexo de Subluxação Vertebral – CSV-, descrito no código internacional de doenças.

Para mais informações, http://www.quiropraxia.org.br/congresso2011/index.php

Serviço:

11º Congresso Mundial de Quiropraxia Bienal da Federação Mundial

Dias: 6 ,7, 8 e 9 de abril de 2011

Local: Hotel Intercontinental Rio

Endereço: Avenida Aquarela do Brasil, 75 – São Conrado / Rio de Janeiro

Os Diretores do Programa são Scott Haldemann, DC, MD, PhD, de Los Angeles e Eduardo Bracher, DC, MD, PhD, de São Paulo e os seguintes conferencistas:

 

Tarcísio de Barros Filho, MD, PhD, Ortopedista, Professor de Ortopedia da Universidade de São Paulo, falará sobre as indicações cirúrgicas da coluna cervical, em uma sessão que inclui o Dr. Haldemann, sobre abordagem não-cirúrgica, e o Dr. Donald Murphy, sobre abordagem quiroprática na radiculopatia cervical. 

 

Wagner Castropil, MD, PhD, Ortopedista, Pentacampeão brasileiro e campeão pan-americano de judô, agora médico-chefe da Seleção Brasileira de Judô, falará sobre os papéis dos médicos e quiropraxistas na equipe médica esportista. Outros palestrantes desta sua sessão incluem Michael Reed, DC, Diretor Médico, Divisão de Desempenho Esportivo, Serviço de Quiropraxia do Comitê Olímpico Americano (USOC) e Greg Kawchuk, DC, PhD da Universidade de Alberta, Edmonton, Canadá. Dr. Kawchuk, o maior especialista em seu campo e um palestrante de alto nível que falará sobre os mecanismos biomecânicos e efeitos da manipulação articular.   

    

Mariano Rocabado, Fisioterapeuta, PhD, Decano da Faculdade de Ciências da Reabilitação na Universidade Andrés Bello, em Santiago, Chile, falará sobre a condição da terapia manipulativa vertebral, educação e prática na profissão da fisioterapia.  

 

Marcos Musafir, MD, MSc, ortopedista nascido no Rio de Janeiro, pós-graduado em medicina esportiva, ortopedia e traumatologia, representa o Brasil no Comitê de Coordenação Internacional da Década dos Ossos e Articulações (Bone and Joint Decade – BJD). Dr. Musafir será o palestrante no Banquete de Gala de sábado à noite, falando sobre a BJD, a significância dos transtornos músculo-esquelético e a importância da colaboração entre as profissões da quiropraxia e médica, neste campo de grande incapacidade e sofrimento.   

 

As primeiras indicações são as de que o Congresso do Rio de Janeiro será um dos maiores até agora – três meses antes, havia mais de 400 inscrições e a competição de pesquisa original, uma das líderes na profissão, com prêmios de 30 mil dólares do NCMIC e do IBCE, atraiu 220 inscrições. Houve 32 pedidos submetidos que foram aceitos para apresentação dentro do Congresso – há outros 90 aceitos para apresentação em posters – incluindo 9 novos estudos randomizados controlados de abordagem quiroprática em variadas condições, desde dores nas costas a dor no peito, disfunção temporo-mandibular, hipertensão e condições pediátricas, como cólica infantil e Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH).         

David Chapman-Smith- organizador do evento LLB (Hons), FICC, formou-se Bacharel em Direito (Honours) da Universidade de Auckland, na Nova Zelândia em 1969. Prêmios na escola de direito incluiu o Prêmio Gary Davies, o primeiro prêmio na Faculdade de Direito Mooting Concorrência (1968). Após a formatura praticou litigância civil e comercial a partir de 1978 como um parceiro na Holmden, Horrocks & Co em Auckland. 

Sua introdução para a profissão de quiropraxia foi como advogado da Associação de Quiropráticos Nova Zelândia. Foi também membro da Comissão de inquérito sobre a Quiropraxia em 1978-79. Em 1982 ele tirou licença de dois anos de sua parceria lei para servir como consultor jurídico da Associação de Quiropraxia Ontário, no Canadá, durante uma revisão aprofundada da legislação profissões da saúde. Posteriormente, permaneceu em Toronto, Ontário, Canadá, atuando como consultor para organizações internacionais de Quiropraxia.

 

MIRAGEM Prorroga Inscrições

Sexta edição será na cidade de Miracema do Tocantins e também em Palmas, Tocantínia, Miranorte, Guaraí, Araguaína, Paraíso, Divinópolis, Pium, Gurupi e Cristalândia

As inscrições à 6ª Mostra de Cinema e Vídeo de Miracema – MIRAGEM 2011 foram prorrogadas até 30 de junho. http://mostramiragem.blogsopot.com.

A 6a Miragem será realizada de 10 a 13 de agosto na cidade de Miracema do Tocantins e em mais dez cidades do Tocantins: Palmas, Tocantínia, Miranorte, Guaraí, Araguaína, Paraíso, Divinópolis, Pium, Gurupi e Cristalândia. A mostra é competitiva para curtas-metragens produzidos em todo o País, finalizados a partir de 1º de janeiro de 2010, com duração máxima de até 25 minutos (incluindo créditos), nas categorias Ficção, Documentário, Animação e Experimental. Curtas produzidos em aparelhos celulares – Pocket Movie – deverão ter duração máxima de até 5 minutos.

 

É importante destacar : a mostra Miragem é cadastrada no Guia Kinoforum, o mais completo anuário sobre os festivais brasileiros de cinema e vídeo (http://www.kinoforum.org.br/guia/2011).

 

A 6ª Mostra de Cinema e Vídeo de Miracema MIRAGEM 2011 é uma realização da Inusitada Produções em parceria com o GT de Cultura da UFT de Miracema, ASSAMAR – Associação Amigos da Arte, Oficina Geral – Cultura e Cidadania, Movimento Cultural Fora do Mapa, Clube de Vídeo Super 8,  Centro Educacional Fé e Alegria Frei Antônio, ITPAC – Araguaína, FAPAF – Pium, Sec. da Juventude e Cultura de Guaraí, Sec. de Educação e Cultura de Divinópolis, Cineclube Bandeirantes e Cineclube Miragem. (da assessoria de comunicação).

Abril tem Festival SESC Melhores Filmes

SESC São Paulo realiza 37ª edição do Festival 
 
Festival acontece no CineSesc e se estende a 16 cidades simultaneamente, constituindo-se num dos maiores festivais em alcance do país
 
O SESC realiza a abertura oficial do Festival SESC Melhores Filmes 2011 no próximo dia 6,  a partir das 19h30. A cerimônia inclui a apresentação tradicional de um filme inédito após o anúncio e premiação dos filmes vencedores nas categorias de melhor filme, documentário, ator, atriz, direção, roteiro e fotografia para os filmes nacionais e melhor filme, direção, ator e atriz para os filmes estrangeiros. O filme a ser exibido desta vez é RISCADO, de Gustavo Pizzi.
 
Dos filmes lançados no Brasil em 2010, 42 deles fazem parte da programação pois concorrem nas diversas categorias. A votação foi feita por consulta aberta ao público pela Internet e no CineSesc, e por consulta direta à crítica especializada.
 
A noite da premiação será transmitida ao vivo pelo Portal SESCSP (www.sescsp.org.br), a partir das 19h30. Com exclusividade para o público web, Cunha Jr e Miguel Barbieri Jr fazem um balanço da produção cinematográfica de 2010. Os comentários do cinéfilo e os do apresentador serão intercalados com entrevistas dos artistas brasileiros que concorrem aos prêmios da noite. Após a premiação, a grade de programação do Festival estará disponível nas unidades do SESC e no  www.sescsp.org.br/melhoresfilmes.
 
O Circuito
 
A circulação do Festival SESC Melhores Filmes começou em 2009, quando parte de sua programação foi estendida para cinco cidades do Estado de São Paulo, após o encerramento na capital. Em 2010, a itinerância alcançou 8 cidades e se amplia neste ano para outras 15 cidades, nas quais as exibições gratuitas ocorrem simultaneamente com as de São Paulo. Integram o CIRCUITO do Festival SESC Melhores Filmes 2011 as cidades de Araraquara, Bauru, Bertioga, Campinas, Catanduva, Diadema, Ilha Solteira, Osasco, Ribeirão Preto, Santo André, Santos, São Carlos, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Paulo (CineSESC e Sesc Interlagos) e Sorocaba. Mais informações: www.sescsp.org.br
 
O Festival SESC Melhores Filmes
 
Criado em 1974, é o mais antigo festival de cinema da cidade de São Paulo e oferece ao público a oportunidade de ver ou rever o que passou de mais significativo nas telas da cidade no ano anterior ao evento. Os filmes que participaram da votação este ano são os lançados nas salas de cinema de Sampa em 2010.
 
Durante 36 anos, a mostra do CineSESC já exibiu centenas de longas em sua programação anual, escolhidos democraticamente por meio de votação de público e crítica. Na edição 2010, o festival inovou ao ser o primeiro evento do gênero a disponibilizar sua programação com serviços que possibilitam o acesso a deficientes visuais (pela audiodescrição) e auditivos (legendagem open caption), recursos que serão oferecidos em todos os filmes da grade deste ano.
 
Sobre o filme de abertura – RISCADO
 
SINOPSE: Qual a importância da sorte na vida? Quanto esforço e talento são necessários para garantir uma carreira sólida? A sorte é parte do riscado ? Bianca (interpretada por Karine Teles) é excelente atriz, mas sua carreira ainda não deslanchou. Como ganha-pão, ela imita divas do cinema e trabalha divulgando eventos. Após fazer um teste para uma grande produção internacional, Bianca finalmente ganha o papel. Inspirado pela personalidade e o trabalho dela, o diretor do filme transforma a personagem do seu roteiro numa versão da própria Bianca, que será uma das protagonistas.
 
Atividades paralelas
 
Entre as atividades paralelas à exibição dos 42 filmes, o Festival SESC Melhores Filmes realiza uma série de encontros e debates com personalidades da cinematografia brasileira e renomados críticos. A participação nos encontros é gratuita e interessados devem retirar ingressos 1h antes:
 
Cinema da Vela:
Cunha Jr. (Mediação):
13/04 – Carlos Reichenbach
19/04 – Sara Silveira
20/04 – Sérgio Bianchi
26/04 – Bráulio Mantovani
27/04 – Tony Berchmans e Antonio Pinto
 
Encontros sobre Cinema e Crítica:
Dia 07/04
Ana Paula Sousa – Folha de São Paulo (SP), André Miranda – O Globo (RJ), Marcelo Miranda – O Tempo (MG), Miguel Barbieri – Veja São Paulo e Veja Rio (SP/RJ) e Maria do Rosário Caetano – Revista de Cinema (Mediação)
 
Dia 08/04
João Sampaio – A Tarde (BA), Luiz Joaquim – Folha de Pernambuco (PE), Luiz Zanin Oricchio – O Estado de São Paulo (SP), Neusa Barbosa – Cineweb/Reuters/UOL/Bravo (SP) e Maria do Rosário Caetano- Revista de Cinema (Mediação)
 
Serviço:
Festival SESC Melhores Filmes 2011
Exibição dos filmes vencedores pela votação de crítica e público
De 6 a 28 de abril de 2011
CineSesc
Rua Augusta, 2075
Tel: 11 3087-0500
Transmissão da cerimônia de premiação pelo Portal SESCSP: www.sescsp.org.br a partir das 19h30 do dia 6 de abril
Programação – filmes, sessões, preços e classificação indicativa – disponível a partir de 6 de abril
 

Mais 21 Títulos Dignos de APLAUSO

A Cinemateca rasileira foi cenário esta noite do primeiro lançamento coletivo deste ano da Coleção Aplauso, editada pela Imprensa oficial do Estado de São Paulo, na gestão do professor Marcos Monteiro, no comando da instituição desde janeiro.

Para esse lançamento, foram selecionados 21 títulos,  sendo nove da série Perfil, oito da série Cinema Brasil e quatro da série Especial.

O total de títulos lançados da Coleção Aplauso, desde a sua criação em 2004, é de 260. Com os novos lançamentos esse número salta para 277. São livros que traçam o perfil de dramaturgos, atores, atrizes e diretores de teatro, cinema e televisão. A Coleção Aplauso também publica peças de teatro, críticas de cinema e roteiros cinematográficos e foi idealizada pelo crítico Rubens Ewald Filho, coordenador da meritória coleção.

Tânia Alves, uma das biografadas, e Rubens Ewald Filho, um querido

Série Cinema Brasil

As Melhores Coisas do Mundo”, roteiro de Luiz Bolognesi, para filme de Laís Bodanzky.

Carro de Paulista: Dos Palcos ao Cinema na TV”, texto teatral de Mário Viana e Alessandro Marson; roteiro de Dagomir Marquezi e Ricardo Pinto e Silva.

Dores e Amores”, roteiro de Patrícial Müller, Dagomir Marquezi e Ricardo Pinto e Silva.

Olhos Azuis”, roteiro de Paulo Halm, Melanie Dimantas e Jorge Duran; filme de José Joffily.

Os Famosos e os Duendes da Morte, roteiro de Esmir Filho e Ismael Caneppele; filme de Esmir Filho.

Jorge Ileli: O Suspense de Viver”, de Ely Azeredo.

Marco Altberg: Muitos Cinemas”, de Roberta Canuto.

Zelito Viana: Histórias e Causos do Cinema Brasileiro”, de Betse de Paula.

Série Especial

Dicionário de Fotógrafos do Cinema Brasileiro”, de Antonio Leão da Silva Neto.

Márcio Aurélio: O Que Estava Atrás da Cortina?”, de Aguinaldo Cristofani Ribeiro da Cunha.

TV Tupi do Rio de Janeiro: Uma Viagem Afetiva”, de Luís Sérgio Lima e Silva.

Ziembinski: Mestre do Palco”, de Antônio Gilberto.

Série Perfil

Bráulio Pedroso: Audácia Inovadora”, de Renato Sérgio.

Carlos Alberto Soffredini: Serragem nas Veias”, de Renata Soffredini.

Dina Lisboa: Moldando EmoçõesA Vida me Fez AssimAtriz, Mulher de Teatro”, de Maria Aparecida Lisboa.

Fúlvio Stefanini: Abrindo as Gavetas”, de Nilu Lebert.

Geraldo Vietri: Disciplina é Liberdade”, de Vilmar Ledesma.

Imara Reis: Van Filosofia” de Thiago Sogayar Bechara.

José Marinho: Luzes do Sertão, Luzes da Cidade”, de José Marinho, José Carlos Monteiro, Tunico Amâncio e Juliana Corrêa.

Lauro César MunizSolta o Verbo”, de Hersch W. Basbaum.

Rubens Corrêa: Um Salto para Dentro da Luz”, de Sérgio Fonta.

Coleção AplausoEditora: Imprensa Oficial do estado de São Paulo Quanto: R$ 15 (pockets) e R$ 30 (Série Especial).

A Profissão de Ator como um rito…

Matheus Nachtergaele De Volta à TV …

Rodrigo FonsecaMatheus Nachtergaele / Foto Leonardo Aversa

Mantenha os ouvidos atentos às palavras de Matheus Nachtergaele. A partir do dia 11 de abril, quando estrear “Cordel encantado”, a próxima novela das seis da Rede Globo, profecias hão de brotar de seus lábios. Por vezes, ele vai falar de fé:

Tenho a sensação de que me comporto diante da beleza que são os rituais religiosos como um antropólogo capaz de ver inclusive a profissão de ator como um rito. Um rito com uma forte função social. Ser ator no Brasil é acreditar que você pode fazer o seu próprio povo se ver e se descobrir – diz o paulistano de 42 anos, escalado para o elenco do folhetim das 18h no papel de Miguézim, profeta fundador da fictícia cidade de Vila da Cruz.

Outras vezes, a porção profética de Nachtergaele vai falar de política:

Miguézim vive na fissura provocada pelo dom de iluminar os outros: é capaz de se divertir com o que conhece, ao mesmo tempo em que sofre com a dor de saber. Já eu… eu me alegro com a sensação de que, politicamente, o Brasil está caminhando para uma boa direção. Mas sofro com a impressão de que muita coisa de base deixou de ser feita.

Já sobre a arte, Matheus Nachtergaele, dentro ou fora das novelas, sempre há de falar. Segundo seus colegas, ele sequer tem a escolha de não falar dela.

– Para Matheus, ser artista não é profissão. É doutrina – diz a atriz Dira Paes. – Tive a honra de atuar no primeiro trabalho dele como diretor, o filme “A festa da menina morta”, e pude vê-lo exercendo todas as suas potencialidades artísticas, que não são poucas.

Pela barba grossa que Matheus vem ostentando, Miguézim já deu seus primeiros sinais de vida, transformando as feições do ator e cineasta. Há 14 anos na TV, ele emplacou pelo menos quatro personagens marcantes: o travesti Cintura Fina de “Hilda Furacão” (1998); o herói pícaro João Grilo em “O auto da Compadecida” (1999); o vidente Helinho de “Da cor do pecado” (2004); e o peão Carreirinha de “América” (2005).

Atuar não é um ofício fácil. Com o tempo, você percebe que as pessoas, suas espectadoras, o conhecem mais do que você a elas. Você sai de casa para tomar um chope e nota que todo mundo te olha. Os personagens te deixam exposto, nu. Às vezes, você se pergunta: “Será que eu quero isso para mim?”. Outras vezes, você adora. Fazendo novela, o que muda é o fato de que você nunca sabe a trajetória completa que seu personagem pode ter. Em “Cordel encantado”, já me contaram que Miguézim guarda um mistério. Mas ninguém me contou qual – diz Matheus, cuja trajetória se mistura com a evolução do cinema brasileiro desde a Retomada.

Xuxa e a “peleja” com Walter Hugo Khouri…

* Confira o instigante artigo do professor e documentarista paraibano Lúcio Villar, idealizador e presidente do Festival ARUANDA de Documentários…

 
Contra o cinema

Nunca simpatizei a suposta “rainha dos baixinhos”,
ícone-mor do consumismo em escala industrial, responsável
por “n” disfunções no imaginário e formação das
crianças nas décadas de 80 e 90 no Brasil. Melhor sorte
tiveram os nascidos neste século; sem a mesma força
do apelo de mídia daqueles anos, estes prescindem dos
caprichos mercadológicos da balzaquiana que ainda força
a mão, prorrogando uma plastificada postura infantil que
está mais para simulacro dela mesma no pesado jogo das
indústrias do entretenimento.
O ponto em questão, entretanto, não é este, até
porque o tema foi amplamente abordado na academia. A
apresentadora está, mais uma vez, encarando o fantasma
do filme Amor, Estranho Amor (1982), onde aparece em
cena de sexo com um garoto de 12 anos.
Para quem não sabe, basta resumir que a fita está fora
do mercado há duas décadas por decisão judicial, atendendo
a recurso da própria atriz que tomou a decisão de
‘abafar’ a película após se consagrar na TV na condição de
apresentadora. Ação policial apreendeu as cópias originais
do vídeo nas locadoras do país.
Trata-se de filme do diretor Walter Hugo Khouri que
morreu angustiado com o esdrúxulo desfecho. Mas, nem
tudo foram flores para a loira que não conseguiu evitar a
circulação de cópias piratas e pode ser baixado na web.
Nos EUA foi lançado em DVD e pode ser importado; ela
também entrou com ação por lá, mas perdeu.
Agora, o produtor do longa-metragem pode ter de
volta o direito de comercialização, uma vez que o trato
estabelecido sobre a não circulação do longa foi quebrado.
Quanto ao imbróglio jurídico, este segue sob questionamento
em todas as esferas.


Afinal, foi a primeira vez que uma atriz interditou
uma obra de arte que, em última instância, só a figura do
produtor ou do diretor deveria ter poder para tanto. Caso
único em que a perversa ‘bipolaridade’ de uma apresentadora
negou a atriz que um dia ela foi…

Natal Impulsiona Cinema & Educação

 

A Pró-Reitoria de Extensão da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (PROEX/UFRN), em parceria com o Centro de Ciências Sociais Aplicadas (CCSA/UFRN) e o Departamento de Educação (DEPED/UFRN) promovem, gratuitamente, o curso Cinema & Educação – Um Olhar Pós-estruturalista.

O projeto prevê a realização de 10 encontros, com exibição de filmes e diálogos orientados, objetivando utilizar o audiovisual como campo de experimentação do pensamento, a partir de discussões de questões da contemporaneidade em suas relações com os processos educativos.

As atividades serão realizadas em Abril, Maio e Junho. As inscrições acontecem estasemana, das 9h às 12h, e das 14h às 17h, na sala 5, da ala nova do Departamento de Educação do CCSA. A oferta é de 35 vagas

 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO
CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS
DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO
Projeto de Extensão
CINEMA & EDUCAÇÃO:
UM OLHAR PÓS-ESTRUTURALISTA
Descrição
Utilizaremos o cinema como campo de experimentação do pensamento, tendo por objetivo problematizar questões da contemporaneidade em suas relações com os processos educativos entendidos de forma ampla. Pretendemos produzir diálogos e encontros entre alguns filmes que serão exibidos ao longo do curso e conceitos que serão abordados numa perspectiva pós-estruturalista a partir das contribuições de Gilles Deleuze, Michel Foucault, Zygmunt Bauman, Gilles Lipovetsky, entre outros.
Público-alvo
Alunos, professores e funcionários da UFRN e comunidade não-UFRN.
Início/término
Serão 10 encontros, às quintas-feiras, das 19 às 22h, nos meses de Abril (dias 07, 14 e 28), Maio (dias 05, 12, 19 e 26) e Junho (dias 02, 09 e 16).
Inscrições/seleção

 
Interessados deverão entregar no ato da inscrição:

1) mini-currículo (máximo de 10 linhas); 2) justificativa do interesse pela proposta do curso (máximo de 10 linhas); 3) ficha de inscrição devidamente preenchida. Período e local de inscrições: de 21 a 25 de março de 2011, das 09 às 12h e das 14 às 17h, na sala 05 da ala nova do prédio do CCSA (Departamento de Educação), no Campus Central da UFRN. 

A inscrição e o curso são gratuitos. Os resultados da seleção serão divulgados dia 31 de março. Os selecionados serão comunicados por e-mail.

Mais informações: (84) 3215-3657.
Coordenadores do Projeto
Prof. Dr. Alexander de Freitas, Prof.ª Dr.ª Karyne Dias Coutinho e Prof.ª Dr.ª Mariangela Momo, vinculados ao DEPED/CCSA/UFRN.

Wagner Moura: Cada Vez Mais, de Cinema

 

Wagner Moura na pré-estreia de VIPS em Sampa, nesta segunda-feira

A maturidade do cinema brasileiro contemporâneo passa pelo nome de Wagner Moura. Selton Mello divide as atenções, mas Moura tem o amparo do público e das bilheterias: desde 2007, quando estreou o primeiro Tropa de Elite, seus filmes foram vistos por cerca de 14 milhões de espectadores e faturaram por volta de R$ 125 milhões. Nenhum outro artista nos últimos anos, nem mesmo favoritos das telas como Xuxa ou Renato Aragão, pode se gabar disso.

Em entrevista para divulgar “Vips”, que estreia na próxima sexta, Wagner Moura,  disse não ter nenhum problema com o sucesso, pelo contrário: quer ser visto. E não só pelos brasileiros, já que a partir de julho estará filmando em Hollywood, ao lado de Matt Damon e Jodie Foster.

“Sou um artista que quer se comunicar com as pessoas”, disse o ator. “Meu trabalho foi feito para as pessoas assistirem, sem que isso seja um demérito, sem que eu tivesse que abaixar meu senso de qualidade, meu senso estético. Shakespeare existiu como um dos maiores artistas de todos os tempos, mas popular em sua essência.”

A partir disso, seria fácil imaginar o ator na televisão, mas seu último papel foi na novela Paraíso Tropical, há quatro anos, justamente quando “Tropa” entrou em cartaz, e ele não mostra qualquer disposição de voltar aos folhetins tão cedo. “A novela é uma coisa de tempo, você precisa passar um ano inteiro fazendo, tem que estar com muita disposição. Além disso, o cinema brasileiro está vivendo um momento muito bom. Acho que VIPS’ se insere num contexto extraordinário, que é de filmes de qualidade, com bons roteiros, bem produzidos, com bons atores e que querem ganhar público, achar um lugar no mercado.”

 

Wagner Moura em VIPS, que estreia nesta sexta

“Tenho muito bode desse negócio de que filme bom precisa ser um negócio cabeçudo para 17 pessoas assistirem, e que filme pra agradar o público precisa ser uma droga, ser um filme bobo”, continuou o ator. “Acho significativo o ‘Tropa de Elite 2’ ser o maior sucesso da história do cinema nacional porque ele se enquadra nisso, reúne uma dimensão política enorme, tem substância e as pessoas mesmo assim foram lá e assistiram. O espectador não é um idiota, que só quer ver porcaria, e nem o crítico só vai respeitar um negócio porque é hermético. Talvez o Brasil, por ter uma herança do Cinema Novo, do cinema político, tenha deixado essa sensação de que filme bom tem de ser difícil, não pode se comunicar. Digo isso não em oposição ao cinema de experimentação, que acho ótimo e precisa ser feito. Mas acho que não é só ele que merece ser aplaudido pela crítica e pelo público.”

Moura também disse se sentir confortável com o fato de, sozinho, já conseguir atrair público para o cinema, responsabilidade geralmente exclusiva a galãs ou astros infantis. “Acho bom existirem atores que chamem o público para o cinema. Eu vou ver os filmes que o Selton faz, por exemplo, porque gosto do trabalho dele. A mesma coisa com Sean Penn, Al Pacino. Isso faz parte. O fato de ter um ator que leve o público também é significativo desse momento do cinema brasileiro.”

O convite para o primeiro trabalho de destaque em Hollywood, segundo Moura, foi consequência de sua exposição nas telas do país. “Estou indo fazer esse trabalho por causa do ‘Tropa de Elite’, principalmente, mas também pela história que tenho aqui.”

O filme em questão se chama Elysium e tem direção do sul-africano Neill Blomkamp, o mesmo de Distrito 9, indicado ao Oscar no ano passado. O ator comentou que “Tropa” e “Distrito” são esteticamente parecidos, pelo “viés político”, e que aceitou o papel de um vilão pela qualidade do roteiro, que se passa 100 anos no futuro. “É um personagem muito bom, que eu aceitaria se fosse feito aqui ou em qualquer lugar. É muito legal mesmo.”

Ao lembrar do passado, Wagner Moura contou ter saudade de um certo sentimento “selvagem” da juventude, mas não troca isso pela experiência. “Entendi melhor como funciona o mecanismo do cinema, jogo melhor com a parafernália toda. Me tornei um ator rodado, tanto que já me deu vontade de dirigir um filme.”

 

Vanessa da Mata e Wagner Moura no set do videoclipe dirigido pelo ator

A estreia atrás das câmeras acontece com o clipe de Te Amo, de Vanessa da Mata, que será veiculado em breve. Rodado em 35mm, o vídeo é protagonizado pela bailarina Marilena Ansaldi, tem figurino do estilista Ronaldo Fraga, fotografia de Lula Carvalho (“Tropa 2″, Budapeste”) e montagem de Daniel Rezende (“Cidade de Deus”). “O que me dá tesão de dirigir é poder reunir vários profissionais legais e deixar eles trabalharem. Estou feliz.”

São dois os projetos como diretor de longa-metragem, a exemplo, mais uma vez, de Selton Mello (que dirigiu Feliz Natal e finaliza O Palhaço). O primeiro, segundo ele, “muito pessoal, como geralmente são os primeiros filmes”, ainda ganha forma e está apenas em um caderno, escrito a mão, com caneta esferográfica. O outro é a adaptação de um livro, não-revelado, através de Rodrigo Teixeira, da RT Features, produtor famoso por ter comprado os direitos de sucessos recentes como as biografias de Tim Maia e de Lobão.

Enquanto as ideias não se concretizam, Wagner Moura continua a toda como ator. No segundo semestre, estreia O Homem do Futuro, de Cláudio Torres, mistura de comédia e ficção científica. Nesta semana, ele começa as filmagens de A Cadeira do Pai. Primeiro longa do diretor Luciano Moura, o filme conta a história de um casal de médicos que está se separando e precisa lidar com o sumiço do filho de 13 anos, que foge de casa. Ainda no elenco, estão Mariana Lima (“A Suprema Felicidade”) e Lima Duarte.

Além disso, tem ao menos mais dois projetos encaminhados: a superprodução Serra Pelada, de Heitor Dhalia, diretor que está atualmente em Hollywood filmando com Amanda Seyfried; e a adaptação do livro Viúvas da Terra, sobre política agrária no Brasil, com direção de Henrique Goldman (“Jean Charles”). Isso sem contar as novas propostas que recebe semanalmente. A televisão, realmente, ficou para trás.

* Por Marco Tomazzoni

Hoje, Noite é de CINEMA em Anápolis

praças bonitas, anapolis-go praças

Terceiro maior município em população do Estado de Goiás, ANÁPOLIS  é considerado o município mais competitivo, rico e desenvolvido do interior do Centro-Oeste Brasileiro. Fica a 48 km da bela capital goiana e a 139 km de Brasília. Junto com essas cidades, faz do eixo Goiânia-Anápolis-Brasília, a região mais desenvolvida do Centro-Oeste.

Pois é lá, neste bem aquilatado município, que o Cinema será recebido em bela festa esta noite, quando acontee o lançamento do I Festival de Cinema de Anápolis, idealizado e coordenado pela cineasta e produtora cultural Débora Torres.

O Festival, que vem firmar Goiás como um dos estados que mais fomenta e incentiva o Cinema Brasileiro, terá mostra competitiva de longas-metragens denominada ADHEMAR GONZAGA, um dos pioneiros da atividade no país, e também vai homenagear a figura ímpar de cinéfilo e cineclubista do saudoso Beto Leão. Tudo isso na semana de realização do festival, que será de 12 a 18 de abril.

O jornalista, ator, roteirista, crítico, homem de Cinema/Teatro e Televisão, Rubens Ewald Filho é o curador da mostra de longas-metragens

período de inscrições para o festival será de 4 a 6 de abril pelo site: www.anapolis.go.gov.br/anapolisfestivaldecinema. Na inscrição, os interessados deverão, obrigatoriamente, apresentar a ficha devidamente preenchida com sinopse, ficha técnica e artística, fotos do filme e cópia em DVD.

 

 

 

 
Vista do bairro Jundiaí, um dos mais  movimentados devido ao seu planejamento e  infra-estrutura.
 
Praça Americano do Brasil, onde se vê um caça Mirage F-103, aposentado da Base Aérea de Anápolis e exposto desde 2004.
 
Ingra Liberato é uma das Homenageadas do Festival de Anápolis, onde deve distribuir autógrafos e a natural simpatia

Escritor e poeta Miguel Jorge, curador da Mostra de Curtas-Metragens

Débora Torres, Sirmar Antunes, Aurora Miranda Leão e Maurício Cruz em Gramado 

Especialmente, na noite de hoje, Débora Torres e sua valorosa equipe, recepcionam imprensa, cinéfilos, cineclubistas, artistas e convidados na noite festiva de lançamento do Festival de Anápolis, sem dúvida, mais um que entrará para o calendário dos grandes festivais de cinema do país.
 
 
Alice Gonzaga recebe homenagem pela CINÉDIA

 

… fundada por seu pai, o jornalista Adhemar Gonzaga
 
 

 
O Aurora de Cinema estará em Anápolis pra conferir o festival e postar notícias quentinhas pra você, leitor amigo, que nos fortalece com sua leitura e visita. Até logo mais !

Cinema Jovem Vence Estética Central

Jovens sem nenhuma experiência com cinema vencem Festival Estética Central

Uma câmera de celular na mão, a vontade de ser cineasta e muitas ideias na cabeça para retratar o dia-a-dia de forma bem criativa. Com esses incentivos, os jovens Igor Melo, 18 anos, Paulo Vinícius de Souza Santos, 22, e Nei Júnior, 25, moradores de Cidade de Deus, Cavalcanti e Cabo Frio, respectivamente, tiveram a oportunidade de flertar com o audiovisual e serem os vencedores do 2º Festival Estética Central, promovido pelo Oi Futuro. Detalhe: nenhum deles tinha experiência com cinema.

O grande vencedor, Igor Melo, e Paulo Vinícius, que ficou em segundo: jovens incentivados a investir em arte | Foto: Deisi Rezende/ Agência O Dia

“Como eu fazia curso de audiovisual no Espaço Cultural Cidade de Deus, uns colegas que têm grupo de rap me pediram para gravar um videoclipe. Em troca, peguei algumas das cenas para reeditar no formato do festival e usei a música deles como trilha, para retratar a vida de um menino na comunidade. Essa experiência incrível só despertou a vontade de investir na área”, conta Igor Melo, que é ator e tirou o primeiro lugar com o vídeo Alegria de Criança, ganhando um laptop.

“Agora quero seguir na área da arte, que abrange tantas coisas que gosto, como vídeo, fotos, artes plásticas”, diz o grafiteiro Paulo Vinícius, que tirou segundo lugar com Scratch Book NexTwo. Nei Junior ficou em terceiro com Antes que o Céu Desabe. Já o Prêmio Especial da Curadoria foi para  Dias Nublados, de Valdilia de Oliveira, Fernanda Andrade, Daniel Cruz e Renan Pontes, moradores da Rocinha.

Este ano, o festival contou com um Núcleo Móvel — kombi equipada com ilhas de edição e celulares —, que percorreu diversos bairros, possibilitando aos passantes filmarem e finalizarem vídeos de até um minuto com ajuda de editores. Os vencedores e outros 135 trabalhos produzidos por pessoas de diferentes idades e classes sociais serão exibidos até 24 de abril no Oi Futuro.

Patrocínio
O Programa Oi de Patrocínios Culturais Incentivados vai contemplar 187 projetos nos 12 estados brasileiros que dispõem e utilizam leis de incentivo à cultura. Entre os selecionados, há peças de teatro, mostras de cinema e artes visuais, shows de música, festivais de dança, novas tecnologias, cultura popular, literatura e patrimônio. A lista está disponível : oifuturo.org.br/cultura/patrocinios/resultado.

* GISLANDIA GOVERNO