Março Tem MOSTRA DO FILME LIVRE

Logo após o carnaval, começa a MOSTRA DO FILME LIVRE. um dos eventos audiovisuais mais democráticos do Brasil.

A parttir de 10 de março, o CCBB RIO vai abrigar a 10ª edição da Mostra, a qual, pela primeira vez, terá espaço também no CCBB de São Paulo, apresentando um grande painel da atual produção independente nacional e ampla retrospectiva das edições anteriores.

Ao longo desses 10 anos, já foram homenageados na MFL cineastas e produtoras de extrema importancia para o cinema nacional. Destaque para Fernando Spencer (PE), Eliseu Visconti, Luiz Rosemberg Filho, Andrea Tonacci (SP), Helena Ignez, Joel Pizzini e Sergio Ricardo, Paulo Halm, Godot Quincas, Philippe Barcinski (SP), Eduardo Nunes, Camilo Cavalcante (PE) e Nilson Primitivo, além de uma sessão especial do documentarista holandês Johan Van Der Kueken, em 2005.

As produtoras, ações e/ou coletivos/movimentos já destacados foram: Mosquito (MG), Pepa Filmes, RAÇA Filmes, A Organização, Canibal Filmes (do diretor Petter Baiestorf, SC), Angu TV, Curta o Curta, Nem só o que anda é móvel (MG), A produtora (MG), Tv Morrinho, Plus Ultra, Cavídeo, CTAV, Projeto Cérbero.

Abaixo alguns destaques da MFL 2011 que se debruça sobre o atual cenário de renovação do cinema brasileiro, com destaque para filmes de diretores jovens, de baixo orçamento, que vem ganhando destaque nos festivais internacionais:

Dia 11 de março, às 19h30m, exibição no Brasil, da versão de 63 min (nova)., do filme “Desassossego”, recém-exibida no Festival de Roterdã. Projeto coordenado por Felipe Bragança e Marina Meliande, que reuniu 14 diretores que responderam “audiovisualmente” a uma carta enviada com fragmentos de filmes. 

Dia 12 de março, às 19h30m, “O céu sobre os ombros”, de Sérgio Borges, vencedor dos prêmios de Melhor Filme e Direção no Festival de Brasília 2010 e, concorrente ao Tiger Award no Festival de Roterdã 2011. 

Dia 13 de março, às 16h, debate sobre “A nova cena. O jovem cinema contemporâneo brasileiro”, com a presença de Felipe Bragança e Marina Meliande (diretores cariocas de “Desassossego”), Sérgio Borges (da produtora Teia, de MG) e Luiz e Ricardo Pretti, Guto Parente e Pedro Diógenes (da Alumbramento, do CE). Após o debate Marcelo Ikeda e Dellani Lima lançam “Cinema de garagem”, um inventário afetivo do jovem cinema contemporâneo brasileiro, durante a primeira década do século 21.

Dia 14 de março, às 19h30m, pré-estréia de “Os monstros”, nova produção do Alumbramento, produtora cearense que vem se destacando pela produção de filmes de baixo orçamento. Este novo longa-metragem é da mesma trupe de “Estrada para Ythaka”, projeto coletivo dos mesmos quatro diretores (Luiz e Ricardo Pretti, Guto Parente e Pedro Diógenes).

Dia 15 de março, as 17h30, estréia de “Legião estrangeira” primeiro longa-metragem do crítico Luiz Alberto Rocha Melo, da revista eletrônica Contracampo.

Dia 19 de março, estréia de Estado de sítio, projeto coletivo dirigido por oito diretores mineiros, entre os quais os críticos da revista Filmes Polvo, e diretores de diversos curtas metragens, como “Contagem”, vencedor do prêmio de melhor direção curta 35mm no Festival de Brasília 2010. 

Dia 19 de março às 15h30, debate ABDeC: “O cinema e o público na era digital”, com Ana Paula Santana (SAV), Marcio do Val (ECAD), Bruno Vianna e Dario Gularte. 

Dia 22 de março, às 16h, sessão LIBRAS, especial para deficientes auditivos.

Dia 26 de março às 20h, lançamento de quatro curtas inéditos do cineasta Luiz Rosemberg Filho, diretor de “Crônica de um Industrial” (que participou do Festival de Cannes em 1976) e “A$$untina das Amérikas”, ambos clássicos do período conhecido como “Cinema Marginal”. Bate papo com o diretor após a sessão. 

Dia 27 de março às 20h, exibição de “Luz nas trevas”, seqüência do clássico “O bandido da luz vermelha” dirigido por Helena Ignez. Ela estará presente para um bate-papo com o público após a sessão.

Dia 29 de março, às 20h, lançamento de “Filme livre! curando, mostrando e pensando filmes livres”, coletânea de textos inéditos e publicado nos catálogos da MFL, com reflexões sobre o cinema independente no Brasil nos últimos 10 anos e textos críticos sobre os curtas exibidos e sobre os principais homenageados. Organização de Marcelo Ikeda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s