Arquivo do dia: 05/05/2011

BEATLES em Documentário Inédito…

Primeira visita do Quarteto aos EUA

Nunca lançado comercialmente, filme dos irmãos Albert e David Maysles ganha exibição em São Paulo

Os Beatles desembarcam em Nova York, em fevereiro de 1964: três mil pessoas no aeroporto

Beatles desembarcam em Nova York, fevereiro de 1964: três mil pessoas no aeroporto

Não é por acaso que o diretor norte-americano Albert Maysles, 84 anos, é um dos homenageados do In-Edit Brasil, festival dedicado exclusivamente a documentários musicais. Ao lado de David, irmão e parceiro morto em 1987, o cineasta flagrou dois momentos cruciais da cultura pop no mundo. Em 1964, na primeira visita dos Beatles aos Estados Unidos, a dupla registrou o nascimento do rock como fenômeno de massa em “What’s Happening!”, que permanece praticamente inédito até hoje.

Cinco anos depois, quando acompanhavam uma turnê dos Rolling Stones, filmaram em “Gimme Shelter” o assassinato de um fã dos Rolling Stones pelos motoqueiros do Hell’s Angels, que faziam a segurança de um show gratuito na rodovia de Altamont, na Califórnia. Era o fim do sonho hippie e a morte simbólica dos anos 1960. Os dois filmes serão exibidos na sequência nesta quinta-feira (5) no Cinesesc, em São Paulo, na presença de Maysles, que também está no Brasil para ministrar palestra.

Restaurado no início da década passada, “Gimme Shelter” chega ao festival acompanhado por “Get Yer Ya-Ya’s Out!”, média-metragem do show que a banda fez no Madison Square Garden, em Nova York, em novembro de 1969 e deu origem ao álbum ao vivo de mesmo nome. Parte das imagens haviam sido utilizadas em “Gimme Shelter”, mas o material na íntegra só veio a público em 2009.

A grande novidade no Brasil, no entanto, é “What’s Happening! The Beatles in USA!”. David e Albert receberam carta branca para seguir John, Paul, George e Ringo na viagem do quarteto pela América do Norte no auge da beatlemania. Aeroporto, quartos de hotel, boates, estações de TV, shows, bastidores, tudo serviu de fonte para o filme, que nunca foi lançado comercialmente. Em 1994, a Apple Corps, proprietária dos direitos autorais, reeditou o material e lançou “The First U.S. Visit”, desprezando o original. Por conta disso, a exibição de “What’s Happening!” só pode ser feita na presença do diretor, o que acontecerá às 21h, no Cinesesc. 

Paul, George, John e Ringo durante entrevista em Nova York: mania na Inglaterra e nos EUA (Foto: Getty Images)

Conheça abaixo curiosidades das duas semanas que os Beatles passaram nos Estados Unidos:

– Os Beatles desembarcaram no aeroporto internacional Idlewild (pouco depois rebatizado como John F. Kennedy), em Nova York, em 7 de fevereiro de 1964. Saíram de Londres perseguidos por 4 mil fãs e encontraram uma multidão de 3 mil nos EUA. A banda foi assediada por jornalistas, concedeu uma coletiva de imprensa e depois seguiu para o Plaza Hotel, já cercada por fanáticos.

– Embora já fossem um sucesso na Grã-Bretanha no início de 1963, demorou quase um ano para que a Capitol Records lançasse os discos dos Beatles em território norte-americano. O selo deve ter se arrependido do atraso. Verdadeira febre no país, o compacto de “I Want to Hold Your Hand” vendeu 2,6 milhões de cópias nos EUA nas duas semanas anteriores à chegada do grupo. As rádios chegavam a tocar a música mais de uma vez por hora.

Imprensa e fãs recebem a banda no desembarque do trem em Washington

– Dois dias depois de chegarem ao país, os Beatles se apresentaram no “Ed Sullivan Show”, um dos programas de TV mais populares dos Estados Unidos. A banda mostrou quatro músicas – “All My Loving”, “Till There Was You”, “She Loves You”, “I Want to Hold Your Hand” – e foi assistida por 74 milhões de espectadores, quase metade do total da população norte-americana. O sucesso foi tanto que na semana seguinte os quatro tocaram ao vivo da Flórida e, dias depois, o programa mostrou outras duas músicas gravadas (“Twist and Shout”, “Please Please Me”) e um reprise do hit “I Want to Hold Your Hand”.

– O “Ed Sullivan Show”, porém, não foi a estreia do grupo na televisão dos EUA. Em janeiro, o programa jornalístico “The CBS Evening News with Walter Cronkite” exibiu um especial sobre a beatlemania na Grã-Bretanha, com imagens filmadas em Londres e em outras cidades britânicas. A matéria teve impacto imediato nas vendas da banda nos EUA.

– Os Beatles lançaram o estilo de cabelo conhecido como “moptop” (“mop” é esfregão em inglês), que intensificou o burburinho em torno da banda. Enquanto os fãs copiavam o corte, as classes conservadoras dos Estados Unidos achavam tudo aquilo muito estranho – pais ficavam com medo dos filhos e os jornalistas não conseguiam distinguir um beatle do outro.

– “What’s Happening!” funciona, de certa forma, como um antecessor de “Os Reis do Iê Iê Iê”, primeiro filme de ficção estrelado pelos Beatles, lançado em julho de 1964. O documentário registra a beatlemania nos Estados Unidos, enquanto “A Hard Day’s Night” – nome original do longa – encena a perseguição da banda pelas ruas de Londres.

– Quando os Beatles deixaram os Estados Unidos no final de fevereiro, cerca de 60% dos discos vendidos no país eram da banda. Em março, as cinco primeiras posições nas paradas da Billboard eram músicas dos Beatles.

Paul e Ringo no quarto do hotel em New York: sucesso estrondoso começava ali

– Na época, os shows do grupo não passam de meia hora. A primeira apresentação ao vivo nos Estados Unidos aconteceu em 11 de fevereiro de 1964, no Washington Coliseum. No dia seguinte, o quarteto voltou para Nova York e tocou no Carnegie Hall, mais uma vez com ingressos esgotados. No próximo ano, a banda seria a primeira a se apresentar num estádio – o Shea Stadium, em Nova York.

Expoentes do documentário

Mas não foi só pelos filmes musicais – outros dois longas foram selecionados para o In-Edit, veja aqui – que os irmãos Maysleys são conhecidos. Os dois são responsáveis por introduzir o “cinéma vérité”, ou cinema verdade, nos Estados Unidos. Em vez de simular a ausência da câmera, os trabalhos da dupla fazem questão de deixar claro para o espectador a presença de uma equipe perante os entrevistados e usar o poder das lentes para extrair a verdade. Acaba-se com o jogo cena que reinava até então e surge um novo gênero, que combina a objetividade do jornalismo com a estética cinematográfica.

Quarteto genial em tempo de brincadeira, lado de fora do teatro, antes da apresentação

O primeiro grande filme dos Maysleys nesse sentido foi “Caixeiro-Viajante”, de 1968. Gravado em preto e branco, mostra a rotina de quatro homens tentando vender exemplares caros da bíblia em bairros pobres dos Estados Unidos e a dificuldade em atingir suas metas de venda. Na trilha sonora, inclusive, há uma música dos Beatles. Em 1976, os diretores concluíram outro longa considerado clássico: “Grey Gardens”. O filme segue as Beale, mãe e filha, primas de Jacqueline Kennedy Onassis, que moravam numa mansão imunda em East Hampton, balneário de alto padrão em Nova York.

As duas foram ameaçadas de despejo pela prefeitura por ameaça sanitária – elas viviam sem água e luz, em meio a lixo, gatos, guaxinins e uma infestação de pulgas. No momento em os Maysleys chegaram à casa, a situação já não era tão precária, mas “Grey Gardens” flagra a tensa relação entre mãe e filha – marcada por culpa e dependência psicológica – e identifica a falência da aristocracia norte-americana, que ainda sofria os efeitos da Grande Depressão.

John Lennon na porta do avião, seguindo pra Miami: carreira inesquecível…

Ícone pop, o documentário ganhou uma sequência em 2006, “The Beales of Grey Gardens”, com imagens nunca utilizadas pelos diretores, e deu origem, em 2009, a um filme de ficção homônimo feito para a TV, estrelado por Drew Barrymore e Jessica Lange, premiado no Emmy e Globo de Ouro.

Serviço – Albert Maysles no In-Edit Brasil 2011

“Gimme Shelter”
Cinesesc, São Paulo
Quinta-feira, 05, às 19h
O diretor vai encerrar a sessão

“What’s Happening! The Beatles in USA!”
Cinesesc, São Paulo
Quinta-feira, 05, às 21h
O diretor abrir a sessão

Masterclass em São Paulo
Museu da Imagem e do Som (MIS), sexta-feira (06), às 15h
Vagas esgotadas

*Marco Tomazzoni, do iG São Paulo

Para Brindar com Cavi Borges e Sabrina

“Vamos fazer um brinde”, longa de Sabrina Rosa e Cavi Borges, teve uma caudalosa recepção popular, pontuado por risos e olhares perplexos de identificação por parte de uma plateia que reagia com ardor ao encontro de seis amigas e um amigo gay numa festa de ano novo.

Com uma engenharia de som impecável de Marcito Vianna, o filme mostra a sobriedade de Sabrina e Cavi na direção, mesmo sendo atropelado por passagens esquemáticas de roteiro. Alguns personagens não passam de um esboço. Do elenco, Ana Miranda se habilita a um prêmio de melhor coadjuvante.

* O texto é do colega RODRIGO FONSECA – leia outros comentários de cinema no blog do Bonequinho, no Globo – http://oglobo.globo.com/blogs/cinema/

Para saber mais sobre o filme, acesse vamosfazerumbrinde.blogspot.com e confira o teaser/trailer no youtube: http://www.youtube.com/watch?v=9p4g-L0j-nw