Arquivo do mês: outubro 2011

Tv Unesp estreia em Bauru em sinal aberto e na internet

Televisão universitária da Unesp também retransmitirá programação do Canal Futura em UHF e pode ser acessada via web 

A Televisão Universitária Unesp entra no ar, em caráter experimental, próximo dia 4, às 20 horas. A transmissão, inicialmente analógica, será em sinal aberto e poderá ser captada em Bauru pelo canal 45 UHF*. Em breve, a emissora passará a transmitir em sinal digital, com som e imagem em alta definição. Na internet, já pode ser acessada no site www.tv.unesp.br

A primeira transmissão oficial da TV Unesp terá uma hora de duração e será uma amostra dos programas que a emissora vai levar ao ar. Entre eles está o “Fórum”, programa de entrevistas interativo. Por meio das redes sociais na internet e um chat disponível no site da TV Unesp, o público envia perguntas, comentários e responde a enquetes. A primeira entrevista exibida será com o Reitor em exercício da Unesp, Julio Cezar Durigan. 

Outras estreias ao longo da semana são os programas Artefato, que discute cultura, tecnologia, literatura, arte e entretenimento, aproximando-os do cotidiano; e o Som e Prosa, que divulga o trabalho de bandas e músicos da região, além de discutir temas contemporâneos do cenário musical. Exibidos semanalmente, esses programas têm reapresentações em horários alternativos (confira abaixo). Boletins diários também trazem notícias, informações de interesse público e a previsão do tempo em parceria com o Instituto de Meteorologia da Unesp, o IPMet.

A TV Unesp chega com a proposta de ser uma emissora multimídia, sintonizada com as tecnologias convergentes. Assim, o público poderá assistir à programação não apenas na tela da televisão, mas também via internet, seja pelo computador, celular ou tablets, simultaneamente à transmissão aberta. O conteúdo também poderá ser acessado a qualquer hora, sob demanda do usuário, no site da emissora.

Nas redes sociais (http://www.facebook.com/tvunesp; http://twitter.com/tvunesp; http://www.youtube.com/user/tvunesp), o público pode opinar, sugerir e participar das pautas dos programas. 

Além dos conteúdos próprios produzidos em Bauru, a TV Unesp retransmitirá a Bauru a programação do Canal Futura, um dos mais prestigiados canais educativos da televisão brasileira. A emissora bauruense faz parte da rede de 30 universidades parceiras do Futura e vai colaborar com conteúdos a serem exibidos também nacionalmente. 

Fora das telas, a TV Unesp cumpre sua função de ser uma televisão universitária, colaborando com projetos de ensino, pesquisa e extensão da Universidade. Dessa maneira, o canal se mostra um campo fértil para pesquisas, experimentação, formação profissional e prestação de serviços à comunidade.       

(*) Para assistir à programação da TV Unesp no televisor, é necessário instalar antena UHF. O sinal é sintonizado no canal 45. Também é possível ver o conteúdo pelo site: http://www.tv.unesp.br.  

* Esta nova emissora bem podia se chamar TV MAURO RASI, numa justa homenagem a um dos mais brilhantes dramaturgos deste país, o saudoso e queridíssimo MAURO RASI, criador da peça Pérola e de outras tantas iguarias dramatúrgicas de mesmo quilate, as quais o público pôde assistir e os atores tiveram a honra de encenar.

Saudades infindas de Mauro Rasi !

Italo Rossi e Fernanda Montenegro com Mauro Rasi: ensaios da peça Alta Sociedade

Serviço

Início das transmissões da TV Unesp em Bauru

Dia: 4 de novembro

Horário: 20h

Canal 45 UHF ou www.tv.unesp.br

 

Programação TV Unesp  

 

inédito

reapresentação

Fórum

Terça-feira: 22h30 Sábado: 19h30

 

 

Segunda-feira: 14h

Artefato

Quarta-feira: 22h30 Sábado: 16h

 

 

Domingo: 9h

Som e Prosa

Sábado: 18h30 Domingo: 14h30

 

 

Quarta-feira: 20h30

 

CINÉDIA convoca para O Cinema e os Espaços Urbanos

O Cinema entre Nós – Rua, Salas e a Ocupação dos Espaços Urbanos” é o nome de dois encontros que vão acontecer no Espaço Cultural CINÉDIA, em Santa Tereza, no Rio, semana que vem.
 
Em dois encontros, a jornalista Talitha Ferraz abordará a importância das salas de cinema de rua para a cidade, com foco em casos de bairros como Tijuca, Botafogo, Centro e subúrbios.
 
Os cinemas ajudaram a elaborar maneiras diferenciadas de fazer circular pessoas na cidade, promovendo determinados tipos de acesso ao audiovisual, diz Talitha.
 
Os encontros são GRATUITOS e acontecerão dias 8 e 10 de novembro, a partir das 19h.
 
O Cinema entre Nós – Rua, Salas e a Ocupação dos Espaços Urbanos
terça, 8 de Novembro às 19:00
Local: Cinédia Cena Criativa

Sanfoneira será Irmã Dulce no Cinema

A personagem central do documentário sobre o Anjo bom da Bahia, como era chamada a Irmã Dulce, será interpretada pela sanfoneira Adriana Sanchez, da banda paulista Barra da Saia – formada só por mulheres e há 12 anos na estrada, fazendo um som que mistura rock e sertanejo.

No DVD Doce Dulce, que pontuará os fatos marcantes da vida da santa brasileira, a musicista da Barra da Saia retratará a Irmã tocando acordeom para alegrar crianças e presos. “Serei a Irmã Dulce em uma fase, isso é mágico. Fiquei honrada por ter sido a escolhida para atuar neste filme e ainda com o papel principal. Será um desafio. Vou me dedicar de corpo e alma”, celebra Adriana. 

cid:image006.jpg@01CC77BF.37D2EA10DSC00486.JPG

A sanfoneira, que também participará do clipe da música-tema Doce Irmã, gravará suas cenas no convento das “Irmãs Filhas de Maria Servas dos Pequeninos”, que fica em Jacareí (SP). 

O filme, sem data de lançamento definida, será dirigido por Adriana Araújo e Lucas Bueno, e produzido pela TV Século 21 em parceria com as Obras do Novo Caminho, do Padre Antônio Maria. O documentário terá venda revertida na construção de um orfanato na cidade de Extrema (MG).

Festival de Bagé: inscrições terminam HOJE

ATENÇÃO REALIZADORES:

A terceira edição do FEstival Cinema da Fronteira, que vai acontecer de 10 a 17 e dezembro na cidade gaúcha que faz fronteira com o Uruguai, tem inscrições que se encerram HOJE, à meia-noite.

O Festival foi idealizado pelo ator/cantor/cineasta ZECA BRITO e já tem confirmada oficina com o conceituado crítico e roteirista Jean-Claude Bernadet.

Confiram o link no YouTube:

http://www.youtube.com/watch?v=D9Ly_cOLF-Y

Cinema Baiano é destaque em Recife

Programação acontece às 12:30h e tem entrada franca 

Em 2010, comemoraram-se 100 anos do cinema baiano através do lançamento de uma caixa com 12 DVDs, Bahia 100 Anos de Cinema, composta por 30 títulos.
 
A partir da próxima quinta, boa parte dessas produções será exibida no programa Curta Doze e Meia, realizado em Recife, iniciando a temática do mês de novembro – Bahia.
 
Dia 3, a programação é composta pelos vídeos “10 centavos”, “A Morte das Velas do Recôncavo”, “Um dia na rampa” e “O Pátio”. Após a exibição, bate papo com o público. As sessões ocorrem todas as quintas no auditório do Centro Cultural Correios – CCC Recife, sempre às 12h30, com entrada gratuita.

O Curta Doze e Meia tem patrocínio dos Correios e apoio do Coletivo NegoBom e da Regional Nordeste do Ministério da Cultura. A realização é da Casa de Produção, Centro Cultural Correios e Governo Federal. Este mês, conta também com apoio do Cineclube Macaíba.

Vídeos a serem exibidos:

10 centavos

Diretor: Cesar Fernando de Oliveira
Fic, 19min, 2007

Um dia na vida de um garoto que mora no subúrbio ferroviário de Salvador e trabalha como guardador de carros no centro histórico.

A Morte das Velas do Recôncavo
Direção: Guido Araújo
Doc, 23min, 1976

O filme documenta o desaparecimento do saveiro, a mais típica embarcação à vela da Bahia de Todos os Santos, que, durante séculos, constituiu destacado componente plástico ou estético do paisagismo baiano, além de desempenhar uma importante função econômica.

Um dia na rampa
Direção: Luiz Paulino dos Santos
Doc, 09min, 1957

Um dia na rampa do mercado modelo de Salvador, onde chegavam os saveiros voltando do recôncavo trazendo produtos para comércio na capital. Tradição da capoeira, do candomblé e outros costumes são apresentados no decorrer do filme, rodado em 1955.

O Pátio
Direção: Glauber Rocha
Exp, 11min, 1959

Duas figuras humanas jogadas sobre um pátio em preto e branco, compondo um jogo de metamorfoses, símbolos e montagens dialéticas.

Serviço:

Cineclube Curta Doze e Meia
BAHIA
Dias 03, 10, 17 e 24 de novembro de  2011
Todas as quintas-feiras do mês, às 12h30
ENTRADA GRATUITA

Auditório do Centro Cultural Correios – CCC Recife
Av. Marquês de Olinda, 262 – Bairro do Recife

Informações: (81) 9223-2182 (Ruth Pinho),  9950-0166 (Amanda Ramos)
curtadozemeia@gmail.com
http://curtadozemeia.blogspot.com  

Sílvio Tendler leva Tancredo Neves às telas

Trajetória do Presidente da República que nunca assumiu chega ao Cinema pelo olhar do laborioso documentarista

Há tempos que os documentários de Sílvio Tendler deixaram de ser assunto para as editorias de cinema. “Em Utopia, coloquei uma fala da Dilma (Roussef), gravada bem antes que ela fosse candidata. E fui acusado de estar atrelando meu filme à sua campanha. Agora, dizem que estou fazendo a campanha do Aécio (Neves).”

O novo documentário de Tendler chama-se Tancredo – A Travessia. Mostra como Tancredo Neves construiu a arquitetura política que derrubou a ditadura militar no próprio colégio eleitoral que ela criou, o das eleições indiretas. Tancredo era avô de Aécio Neves – logicamente Tendler está atrelando seu filme à campanha de Aécio para ser presidente.

 

Documentarista com vigorosos trabalhos na área política, Sílvio Tendler aborda agora a trajetória do líder mineiro Tancredo Neves…

Dilma, Aécio. Personalidades diferentes, ligadas a partidos diferentes. “O que essa gente pensa que sou?” Tendler está louco para voltar a fazer filmes que interessem aos críticos – e às editorias de lazer e cultura. Tancredo – A Travessia começou a nascer há 26 anos, quando Tendler foi autorizado a documentar a posse de Tancredo Neves como presidente do Brasil. A posse não houve porque, a poucas horas da cerimônia, o Brasil estarrecido descobriu que o presidente eleito não tinha condições de assumir. “Ele virou personagem de uma tragédia grega”, sentencia Tendler.

 

Há dois anos, o projeto sobre Tancredo voltou a sua vida. Fecha o que não deixa de ser uma trilogia, iniciada por Os Anos JK, sobre a presidência de Juscelino Kubistchek, e Jango, sobre João Goulart, que virou estandarte da campanha pelas Diretas. Os Anos JK fez 800 mil espectadores, Jango passou de um milhão. Tendler foi ainda mais longe e seu documentário sobre Os Trapalhões fez estratosféricos 1,7 milhão de espectadores. Esses números superlativos pertencem a outa era. Se Tancredo fizer 100 mil espectadores, Tendler já se dará por feliz. “É a nova realidade do documentário e do mercado”, avalia. 

Juntando material filmado e de arquivo, Tendler reuniu cerca de 40 horas sobre Tancredo Neves. Não foi um filme difícil de montar, pelo contrário. Durante todo o tempo, Tendler pensava em fazer justiça ao político, mas também ao homem. “Tancredo foi um grande estrategista político. Viveu vinte anos à sombra da ditadura. Tinha fama de conservador. Mas foi ele quem construiu a travessia da ditadura para a redemocratização. Tancredo garantiu a transição pacífica. E ele era um homem engraçado. Tanto quanto o político, queria servir ao homem.”

Durante as sessões do filme no Festival Internacional de Documentários É Tudo Verdade, o público não resistia. Ria e chegou a aplaudir uma declaração de Tancredo – “Mineiro que é radical pode até ter nascido em Minas, mas não é mineiro”. Seu nome virou sinônimo de negociador, e nunca foi associado a denúncias de corrupção, esse flagelo que hoje, mais que nunca, assola a política, e não apenas a brasileira. Tendler conta porque isso é tão importante no momento atual. “Há uma descrença dos jovens na política e nos políticos. Mas quando eles negam sua participação política, seu engajamento, na verdade estão fazendo uma política perigosa. Tancredo é uma boa ferramenta para o jovem descobrir a arte e a esperteza, a astúcia da política.”

Osmar Prado revive Tancredo no longa de Sílvio Tendler… 

Tendler tem feito um trabalho de formiguinha. Ele levou o filme aos mais distantes rincões do Brasil. Só esta semana esteve em São Paulo, Ribeirão Preto, Campinas e Brasília. Os campinenses estão assistindo a uma retrospectiva de sua obra. Tendler tem muito orgulho de O Veneno Está na Sua Mesa, um documentário de 40 minutos sobre os agrotóxicos que disponibilizou na internet. “É só entrar no YouTube, digitar o título que o filme vai aparecer, com a recomendação de que sejam feitas cópias para ajudar na circulação das informações.” Tendler está envolvido em dois ou três projetos neste momento, entre eles, um filme longo sobre o Poema Sujo de Ferreira Gullar e outro sobre a luta dos advogados contra a ditadura militar.

 

Palavras como humanidade e conscientização não perderam o sentido para esse veterano batalhador. Ele sabe que, à margem das telas, Tancredo – A Travessia conta com as redes sociais para tentar criar um bochicho. Talvez, fora das vias tradicionais, Tancredo termine fazendo um milhão de espectadores – Veneno já fez 100 mil na rede. Tendler põe fé no filme. Muita gente já lhe disse que é seu documentário mais emocionante. Vai ser difícil ficar indiferente diante da integridade do dr. Tancredo, que recorreu à figura mítica de Tiradentes em sua campanha presidencial. Como o inconfidente, o negociador, mineiro até a medula, também era “enlouquecido por liberdade”.

* Por Luiz Carlos Merten

Sobre SILVIO TENDLER

Nascido no Rio de Janeiro, Sílvio Tendler é licenciado em História pela Universidade de Paris, e mestre em Cinema e História pela École des Hautes-Études/Sorbonne. Fez especialização em Cinema Documental Aplicado às Ciências Sociais no Musée Guimet/Sorbonne.

É membro-fundador da Fundação Novo Cine Latino-Americano e do Comitê de Cineastas da América Latina, e a seguir presidente da Federação de Cineclubes do Rio de Janeiro e da Associação Brasileira de Cineastas, tornando-se, em 1979, professor do Departamento de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ).

Em 1997, assumiu a Coordenação de Audiovisual para o Brasil e o Mercosul da Unesco, organismo vinculado às Nações Unidas voltado para a Educação e Cultura, onde permaneceu até 2000 como consultor da área.

Para saber mais, acesse http://www.caliban.com.br/

É Tudo Verdade: prosseguem inscrições pro mais importante Festival de Docs…

Prosseguem até 17 de dezembro as inscrições para documentários brasileiros e internacionais para a décima-sétima edição do É Tudo Verdade 2012 – Festival Internacional de Documentários.

Fundado e dirigido pelo crítico Amir Labaki, o mais importante evento dedicado exclusivamente à produção não-ficcional na América do Sul, será realizado entre 23 e 31 de março, simultaneamente, em São Paulo e no Rio de Janeiro, com circuito de itinerâncias a divulgar.

É exigido ineditismo absoluto para os longas e médias-metragens documentais, candidatos a disputar a mostra competitiva nacional, cujo prêmio, no valor de R$ 110.000, é a maior premiação para documentários brasileiros, independentemente de compromissos com distribuição em salas ou veiculação televisiva.

Não há exigência de ineditismo para a competição de curtas-metragens brasileiros, mas a seleção dará preferência a produções inéditas. O mesmo critério vale para a seleção de títulos nacionais para as mostras informativas do festival (O Estado das Coisas, Foco Latino-Americano).

Amir Labaki, idealizou (junto com Carlos Alberto Mattos) e coordena o É Tudo Verdade, o mais importante painel de documentários do país…

O festival tem entrada gratuita em todas as sessões.

Regulamento e ficha de inscrição: www.etudoverdade.com.br.

Pausa para ler e apreciar a poesia de Jorge Salomão

O poeta baiano acaba de lançar dois novos livros…
 
 
A Estrada do Pensamento |Ficção
Quantas estradas deve um homem percorrer…? Toca Dylan. Jorge Salomão sopra: “ainda não inventaram círculos que me prendam” – e voa. A estrada do pensamento, seu livro mais recente, convida a uma jornada ao fundo do mundo por meio de um roteiro não linear. Nessa experiência propõe-se ao interlocutor penetrar o sujeito das ações: olhar pelos seus olhos e visitar seus conflitos e reflexões. Seria esse um livro de ficção? Imagine.
 
 
Conversa de Mosquitos |Poesia/Filosofia
Políptico, sísmico, conciso – explosivo. Enigmático? Pelo contrário. Claro. Conversa de Mosquitos, o mais recente livro de poesia de Jorge Salomão, é brisa num mundo em erupção. É jorro onde reina o “bom-senso”. É sim. E não. Sensível às transformações da era elétrica Jorge responde às aflições de viver hoje – entre os impasses milenares que perduram e as possibilidades abertas pelos meios de comunicação – reposicionando as conquistas da nossa época na direção do homem. Trata-se de um livro pra se ler, se ver e, sobretudo, se dizer em voz alta. A oralidade, nesse sentido, [re]estabelece a dimensão concreta do homem – voz, tom, corpo, melodia – ao mesmo tempo em que apresenta um desafio ao leitor: existir. Ou desistir.
 
 
Jorge Salomão e Maitê Proença: curtição na noite carioca…
 
Marcella Aquila | arquiteta, jornalista e amadora nos campos da linguagem
 
Capa e projeto gráfico | Bob Siqueira (Quadri)
Fotos | Andre Gomes de Melo e Ricardo Poock    
Jacaré Produções | Luiz Guimarães e Alexia Namur
 

Clássico da Cinédia em exibição especial no Teatro Amazonas

Um dos mais mportantes filmes do Cinema Brasileiro, GANGA BRUTA, com direção de Humberto Mauro, será exibido em sessão especial durante o Amazonas Film Festival, próximo domingo, às 11h.

 
O clássico Ganga Bruta, produzido pela Cinédia em 1933, será apresentado com acompanhamento da Amazonas Filarmônica.

O espetáculo terá como cenário o imponente Teatro Amazonas, em Manaus, com regência do Maestro Federico Victor Sardella.

GANGA BRUTA, dirigido por Humberto Mauro, vem cumprindo desde 1994 uma intensa carreira de apresentações com música ao vivo, com passagens por São Paulo, Brasília, Belo Horizonte e Cataguases, entre outras cidades brasileiras.

A seleção musical de Radamés Gnatalli provou ser uma das mais inspiradas já associadas a um filme nacional e encanta pela diversidade, jovialidade e beleza.

Prestes a completar 80 anos , Ganga Bruta, considerado um dos melhores filmes brasileiros de todos os tempos, ganha uma exibição de gala, no mais luxuoso e belo de nossos teatros, em plena Floresta Amazônica.

Alice Gonzaga, Primeira Dama do Cinema Brasileiro, estará em Manaus, recebendo a justa homenagem a Ganga Bruta, produção de seu pai, o pioneiro Adhemar Gonzaga. E o Aurora de Cinema vai conferir

Produtor americano vai produzir roteiro brasileiro

Produtor dos filmes “Menina de Ouro” (2004) e “Crash – no Limite” (2004), que lhe rendeu um Oscar, Bob Moresco vai agora produzir um roteiro brasileiro.

O curta-metragem Pedaço de Papel, do diretor mineiro Cesar Raphael, dará origem ao longa “The Traveler”, disse Moresco à Folha de Los Angeles, onde mora.

“É um ótimo roteiro e pode ser filmado com uns US$ 6 milhões, que é a verba de um filme quase independente, bem no estilo de ‘Crash'”, disse o produtor.

O financiamento da produção será por empréstimo, diz a produtora Lumiart, que cuida da captação.

A filha de Moresco, Jessica, vai coescrever o roteiro do longa com o brasileiro Raphael. As filmagens serão feitas na Califórnia, onde o diretor brasileiro está radicado há quase um ano.

“Estamos agora procurando atores. A maior parte deles vai ser americana, mas queremos um nome do Brasil”, afirma Raphael. O diretor diz estar em contato com globais, mas não dá nomes.

  Julian Marques/Folhapress  
O cineasta mineiro Cesar Raphael
O cineasta mineiro Cesar Raphael, que vai ter filme rodado na Califórnia…