Arquivo do dia: 04/11/2011

XINGU: Cao Hamburguer, Fernando Meirelles, Felipe Camargo e João Camargo acendem alerta para Brasil que estamos construindo

Coletiva de XINGU lota sala e elogios são unânimes

Fernando Meireles, Andrea Barata Ribeiro, Felipe Camargo, Cao Hambúrguer e João Miguel compuseram a mesa para o debate sobre a estreia nacional de XINGU. A conversa com a imprensa foi longa e transcorreu num clima de perfeita sintonia: os valores defendidos pelos envolvidos com o filme e os temas de profundos e pungentes questionamentos quanto ao tipo de progresso pelo qual o país está enveredando encontraram eco fácil e pulsante por entre a plateia vasta e atenta que lotou a sala do Caesar Business nesta manhã ensolarada em Manaus de muito cinema e oportuna discussão sobre o progresso (?) para o qual caminha a nação brasileira.

Poucas vezes, vi debate tão concorrido e com pessoas valendo-se tanto de tantos e tão parecidos elogios. Nisso também está de parabéns a organização do festival, por ter conseguido atrair a imensa maioria dos jornalistas participantes do evento, propiciando todas as condições para facilitar o trabalho da imprensa. Celso Sabadin, com a elegância de sempre, fazia a ponte entre os ‘sabatinados’ e a audiência.

A mais recente produção da O2 Filmes é de fato uma produção arrebatadora, apta a nos fazer conhecer e refletir sobre homens e fatos cruciais deste país, a maioria deles desconhecidos de todos nós, ou, pelo menos, conhecidos de forma superficial ou deficiente.

Produção orçada em 15 milhões, segundo a produtora Andrea Barata Ribeiro, tudo começou com insistentes pedidos do filho de Orlando Villas-Boas (vivido na tela com maestria por Felipe Camargo), o Noel, para que Fernando filmasse a história do pai. Foram tantos os pedidos que o produtor acabou ‘cedendo’. E convidou Cao Hambúrguer para assumir a tarefa da direção.

Uma “dobradinha” mais que perfeita, conforme atesta a receptividade ao filme.

Foram dez semanas de filmagens, as quais, inicialmente, aconteceriam apenas     em algum município no interior do Rio de Janeiro. Até que a NATURA EKOS resolveu entrar no projeto e assumiu-o quase em sua totalidade.  Portanto, deve-se a esta importante e conhecida marca de cosméticos o grande aporte financeiro que tornou possível a realização de XINGU, novo longa de Cao Hamburguer, que Manaus teve o privilégio de ver primeiro, aplaudir e se emocionar em grande estilo, de forma inaugural.

Foi esta obra – densa, reflexiva, relevante, pungente e necessária – que fez o Theatro Amazonas emudecer ontem à noite, quando da estréia da oitava edição do Amazonas Film Festival.

Entre perguntas que vinham dos mais diferentes jornalistas, do Brasil e do exterior, Fernando Meirelles fez questão de ressaltar sua preocupação com os rumos do progresso devastador que o país vem tomando (em termos de comprometimento com a qualidade de vida e as questões ecológicas); Cao Hamburguer disse ainda precisar de tempo para avaliar com precisão o que o convívio com as muitas etnias indígenas provocou nele; João Miguel contou de um presente que ganhou de um índio – e que o faz até hoje ficar completamente tocado emocionalmente – e Felipe Camargo disse a frase mais tocante/sincera e eloquente do dia:

” O PIOR CRIME  É A INDIFERENÇA. A indiferença de todo mundo, de todos nós, diante das queimadas e dos desmatamentos que acontecem todos os dias e ninguém faz nada diante disso. O silêncio é estarrecedor”.

AMAZONAS FILM FESTIVAL começa em grande estilo

Uma noite de brilho, festa, cinema, muita luz, e astros e estrelas encantando e posando para fotos com fãs de todas as idades.

O belíssimo Theatro Amazonas (construção datada de 1896) foi pequeno para tantos quanto acorreram às suas dependências na noite dessa quinta para conferir a abertura solene da oitava edição do super bem organizado Amazonas Film Festival.

Fernando Meireles é o grande homenageado. Está em Manaus com a esposa e o herdeiro, que é a cara do pai. É dele a produção do filme XINGU, novo longa de Cao Hamburguer, grande atração da noite de abertura.

Simpático e acessível, Fernando é um dos super procurados por fãs e imprensa.

Representando o filme de Cao, estão na cidade os atores João Miguel e Felipe Camargo, ambos em grande momento de atuação em XINGU.

Outros que também foram super assediados: Max Fercondini,  Felipe Camargo, João Miguel, Tiago Martins, Paloma Bernardi,Tonico Pereira, e a sempre encantadora INGRA LIBERATO.

INGRA LIBERATO, figurinha carimbada em festivais, mais uma vez esbanjou charme e simpatia…

Max Fercondini: este não conseguiu parar um minuto sem ter de sorrir e dar autógrafos…

Tiago Martins e Paloma Bernardi também iluminaram a noite de abertura da oitava edição do Amazonas Film Festival

Alice Gonzaga, emblema da alegria, acompamhada pela simpatia de Tettê Mattos e Antônio Leal…

O belo Alfonso Herrera, o mais assediado de todos: encantado com o carinho recebido…

Aurora Miranda Leão, Arnaldo Galvão e Beatriz Lindenberg chegam ao ‘tapete vermelho’ do Theatro Amazonas

Secretário de Cultura do Amazonas, Robério Braga, faz o discurso em homenagem ao cineasta Fernando Meirelles…

Fernando Meirelles agradece a homenagem recebida…

 

Fernando Meirelles ganha uma rede de tucunaré, feita por uma das etnias do Amazonas…

Integrantes das comissões julgadoras fazem foto oficial com Fernando Meirelles, presidente de Honra desta edição…

Cao Hamburguer e a equipe de seu novo filme, XINGU, lançado no Amazonas Film Festival. Segundo o diretor, “os deuses da Amazônia deram sorte ao O Ano em que meus pais saíram de férias” – e ele acredita que desta vez será o mesmo.

De fato, XINGU empolgou a platéia, e a sessão terminou com casa cheia aplaudindo de pé. Era visível nos olhos do público uma sintonia com o filme de Cao.

O cantor e ator mexicano Alfonso Herrera, ele mesmo sem entender o motivo de tanto assédio…

Aguardem mais em novo post amanhã porque agora é hora de embarcar nos braços da madruga… logo mais é dia de muitos filmes e reunião de jurados…

* Todas as fotos são de Wesley Andrade, gentilmente cedidas ao Aurora de Cinema.