Documentário brasileiro é destaque na Holanda

Em novos rumos para a história, o Brasil invade a Holanda. Se, no século 17, pintores como Frans Post vieram retratar a paisagem nacional, nesta semana é a vez de os documentaristas brasileiros aportarem em Amsterdã.

Eduardo Coutinho, Marcelo Masagão e João Moreira Salles, entre outros, desembarcam por lá para mostrar as possíveis novas caras do país, os novos olhares.

O cinema documental brasileiro feito nos últimos dez anos é o centro de uma mostra temática do IDFA (International Documentary Film Festival Amsterdam), que inaugurou anteontem sua 24ª edição. Até 27 de novembro, serão exibidos 13 longas e seis curtas na seção intitulada  Paradocs do Brasil.

A seleção inclui “Uma Noite em 67”, de Ricardo Calil e Renato Terra, que obteve bom público por aqui ao lembrar a final do Festival de Música Popular Brasileira da Record.

Cena do documentário " As Canções ", de Eduardo Coutinho (na cena, à dir.). CRÉDITO: Zeca Guimarães/Divulgação ***DIREITOS RESERVADOS. NÃO PUBLICAR SEM AUTORIZAÇÃO DO DETENTOR DOS DIREITOS AUTORAIS E DE IMAGEM***
Cena de As Canções, de Eduardo Coutinho, que está na competição do IDFA, em Amsterdã (foto Zeca Guimarães)

Exibe também o emblemático Ônibus 174, de José Padilha -o diretor não estará presente, ocupado com a estreia de “Tropa de Elite 2” nos EUA e com a produção do novo Robocop, mas fala com o público via Skype.

“O Brasil se tornou um centro de produção relevante, com uma linguagem própria e estimulante”, sugere Ally Derks, diretora do festival, em entrevista por telefone.

A partir de um interesse pela diversidade do que é produzido, ela programou debates, convidou brasileiros para o júri e montou uma retrospectiva de filmes de Eduardo Coutinho, com “Santo Forte”, “Edifício Master”, “Peões” e “Jogo de Cena”.

O recente As Canções está na mostra competitiva, com “Into the Abyss” (para dentro do abismo), de Werner Herzog, e “Letters from Iran” (cartas do Irã), de Manon Loizeau, entre outros.

INTERCÂMBIOS

O contato entre o festival e o Brasil é antigo. Faz mais de dez anos que Derks frequenta o É Tudo Verdade a fim de se aproximar da produção brasileira e latino-americana.

Na mão inversa, Amir Labaki, diretor da mostra brasileira, vai desde 1996 a Amsterdã. Foi jurado em diversas edições e atua agora como consultor internacional.

“O cinema de Coutinho é baseado no diálogo, no falar brasileiro. É um cinema difícil de traduzir, de legendar, o que explica que tenha demorado mais para ser descoberto lá fora”, sugere Labaki.

Eduardo Coutinho e João Moreira Salles, expoentes do Documentário Brasileiro, participam de evento na Holanda.

O ciclo acontece com um evento maior intitulado Brasil Festival Amsterdam. Ao longo de outubro e novembro, uma mostra brasileira –patrocinada por empresas privadas– reúne exposições e atrações musicais, como Egberto Gismonti.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s