Arquivo do dia: 05/12/2011

A IMAGEM DO CINEMA DA FRONTEIRA

Festival em Bagé tem caráter internacional, ancorado no melhor da tradição artística do município gaúcho

A gravura que ilustra o cartaz e demais peças de divulgação do III FESTIVAL CINEMA DA FRONTEIRA é uma criação do saudoso e festejado artista GLAUCO RODRIGUES.

Natural de Bagé, expoente da arte da gravura, com seu traço original, GLAUCO RODRIGUES, ainda nos anos 50, através da nova figuração, colocou o município gaúcho no mapa das artes plásticas brasileiras.

Posteriormente, através da investigação da cor e luminosidade nacional, e profundamente influenciado pelo viés tropicalista, Glauco se pôs a decodificar o Brasil e sua carnavalização antropofágica. Foi através da imagem de São Sebastião, padroeiro de Bagé e do Rio de Janeiro, que o artista pôde exercer sua maior obsessão: realizou em vida mais de 100 imagens retratando o santo padroeiro.

Em 2011, após 5 anos de seu falecimento, a viúva Norma Rodrigues cede ao III Festival Cinema da Fronteira, a imagem de São Sebastião decapitado, criação exponencial de Glauco.

A ideia da Curadoria, embutida neste referencial artístico de GLAUCO RODRIGUES, encaminha para a possibilidade de viabilização de uma transfiguração de parâmetros culturais entre os bageenses e demais participantes, imbuída da intenção de tornar o festival um espaço livre para a confluência de idéias e sensorialidades, preenchendo vazios, e disseminando Arte, Cultura, Tradição, respeito à diversidade, transgressão e liberdade de expressão através da pluralidade do pensamento.

UM POUCO MAIS SOBRE GLAUCO RODRIGUES

Glauco Otávio Castilhos Rodrigues, nascido em Bagé em 1929 – e falecido no Rio em 2004 – era pintor, desenhista, gravador, ilustrador, cenógrafo.

Começou a pintar, como autodidata, em 1945. Em 1949, recebe bolsa de estudos da Prefeitura de Bagé e freqüenta, por três meses, a Escola Nacional de Belas Artes – Enba, no Rio de Janeiro. Em 1951, funda o Clube de Gravura de Bagé, com Glênio Bianchetti (1928) e Danúbio Gonçalves (1925). Fixa-se em Porto Alegre e participa do Clube de Gravura de Porto Alegre, fundado por Carlos Scliar (1920 – 2001) e Vasco Prado (1914 – 1998). Em 1958, muda-se para o Rio de Janeiro e integra a primeira equipe da revista Senhor. Reside em Roma entre 1962 e 1965. Ao retornar ao Brasil, participa de importantes exposições, como Opinião 66, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro – MAM/RJ. No fim da década de 1950, sua produção se aproxima da abstração. Volta à figuração no início dos anos 1960, e produz obras sob o impacto da arte pop, tratando, com humor, de temas nacionais como a imagem do índio, o carnaval, o futebol, a natureza tropical e a história do Brasil, que inspiram séries como Terra Brasilis, 1970, Carta de Pero Vaz de Caminha, 1971, No País do Carnaval, 1982 ou Sete Vícios Capitais, 1985. Na década de 1980, recebe o Prêmio Golfinho de Ouro Artes Plásticas do Governo do Estado do Rio de Janeiro e publica o livro Glauco Rodrigues, que reúne toda sua obra. Em 1999, recebe o Prêmio Ministério da Cultura Candido Portinari – Artes Plásticas.


Um dos mais festejados artistas plásticos do país, Glauco Rodrigues é bajeense. Ele é o autor da gravura que ilustra as peças publicitárias do III Festival de Cinema da Fronteira

Um minuto na tela…

São os seguintes os curtas vencedores do Festival do Minuto:

PREGUIÇA, MELANCOLIA, NANO MINUTO, TEMA LIVRE e AUTOBIOGRAFIA.

Alem disso, já estao abertos novos concursos: ANIMAÇÃO e MINUTO HUMOR, com inscrições até 30 de junho, TEMA LIVRE, com inscriçoes até 31 de março.

Minute Festival 

VENCEDORES:

PREGUIÇA
vencedor: OCIO
http://www.minutefestival.com/festivaldominuto/index.php?page=videos&section=view&vid_id=24273

mençao honrosa: TRILOGIA X-TREME
http://www.minutefestival.com/festivaldominuto/index.php?page=videos&section=view&vid_id=25954
http://www.minutefestival.com/festivaldominuto/index.php?page=videos&section=view&vid_id=25955
http://www.minutefestival.com/festivaldominuto/index.php?page=videos&section=view&vid_id=25956

MELANCOLIA
vencedor: MELANCOLIA
http://www.minutefestival.com/festivaldominuto/index.php?page=videos&section=view&vid_id=25942

mençao honrosa: EAT ACID SEE GOD
http://www.minutefestival.com/festivaldominuto/index.php?page=videos&section=view&vid_id=26057

LA LUNA DE MI VENTANA
http://www.minutefestival.com/festivaldominuto/index.php?page=videos&section=view&vid_id=25437

NANO MINUTO
vencedor: REMINISCENCIAS
http://www.minutefestival.com/festivaldominuto/index.php?page=videos&section=view&vid_id=24119

mençao honrosa: GULA
http://www.minutefestival.com/festivaldominuto/index.php?page=videos&section=view&vid_id=25950

A BREVE AÇAO
http://www.minutefestival.com/festivaldominuto/index.php?page=videos&section=view&vid_id=23223

AUTOBIOGRAFIA
vencedor: SEE WALLS
http://www.minutefestival.com/festivaldominuto/index.php?page=videos&section=view&vid_id=25844

mençao honrosa: SEARCHING FINDING
http://www.minutefestival.com/festivaldominuto/index.php?page=videos&section=view&vid_id=25588

TEMA LIVRE
Vencedor: LA LUNA DE MI VENTANA
http://www.minutefestival.com/festivaldominuto/index.php?page=videos&section=view&vid_id=25437

mençao honrosa: HAPPINESS
http://www.minutefestival.com/festivaldominuto/index.php?page=videos&section=view&vid_id=24778

Os vencedores do Primeiro Plano Festival


 

A décima edição do Primeiro Plano Festival de Cinema de Juiz de Fora e Mercocidades teve como grandes vencedores os curtas Braxília, de Danyella Proença, na categoria Nacional, e Sobre cinema e diálogos, de Yuri Westermann, na regional. As produções fizeram parte da seleção de 48 curtas, exibidos ao longo de toda a semana no Espaço Alameda de Cinema, nas mostras competitivas.

 

Cerca de 600 pessoas passaram todos os dias pelo festival, lotaando as sessões. Entre as exibições mais concorridas, a estreia do longa Ibitipoca – Droba pra lá, do juiz-forano Felipe Scaldini, acontecida no último dia do evento. Na sexta, a estreia do filme argentino “Las Acacias”, de Pablo Giorgelli, também fez sucesso entre o público.   

Para o coordenador-geral do evento, Aleques Eiterer, o Primeiro Plano 2011 teve entre os destaques o fato de ter sido marcado pela pluralidade de conteúdo. “A edição deste ano configurou uma das melhores seleções que já fizemos. Exibimos filmes de todas as partes do Brasil, com abordagens das mais variadas temáticas.” 

OS PREMIADOS

Mostra Competitiva Nacional 

Melhor filme

“Braxília”, de Danyella Proença

 

Melhor direção

Rafaela Camelo, por “A arte de andar pelas ruas de Brasília”

 

Melhor roteiro

Abel Roland e Emiliano Cunha, por “O cão” 

Melhor atriz

Amélia Bittencourt, por “Qual queijo você quer?” 

Melhor ator

Henrique César, por “Qual queijo você quer?”

 

Melhor direção de arte

Mayra Sergio, por “Lápis de cor”

 

Melhor concepção fotográfica

Vínicios Brum, por “Entre muros”

 

Melhor concepção sonora

Gabriel Motta, por “O cão”

 

Melhor trilha sonora

Mateus Mira, por “Qual queijo você quer?”

 

Melhor montagem

Bruno Lasevicius, por “Cine Camelô”

 

Melhor primeiro lano

“Metafísica”, de Eduardo Gomes

 

Menção honrosa 1

“Metafísica”, de Eduardo Gomes

 

Menção honrosa 2

“Cine Camelô”, de Clarissa Knoll

 

Menção honrosa 3

“Monja”, de Breno Baptista

 

Júri jovem

“Cine Camelô”, de Clarissa Knoll

 

Júri Popular

“Cine Camelô”, de Clarissa Knoll

 

Júri Popular Infantil:

“Lápis de cor”, de Alice Gomes

 

Prêmio Porta Curtas

“Qual queijo você quer?”, de Cíntia Domit Bittar

 

Mostra Competitiva Regional 

Incentivo Primeiro Plano

“Sobre cinema e diálogos”, de Yuri Westermann

 

Júri Popular

“Sobre cinema e diálogos”, de Yuri Westermann

 

Prêmio Zé Sette

“Veredas Santeiro”, de Leandro Domith

 

O Primeiro Plano – Festival de Cinema de Juiz de Fora e Mercocidades foi aprovado pelas leis Estadual e Federal de Incentivo à Cultura. A edição 2011 do festival tem patrocínio do Fundo Nacional de Cultura e da Prefeitura de Juiz de Fora e é uma realização do Luzes da Cidade – Grupo de Cinéfilos e Produtores Culturais, da Universidade Federal de Juiz de Fora e da Secretaria do Audiovisual/Ministério da Cultura.

Curta Canoa começa hoje e promete cinema com lua cheia…

Festival em Canoa Quebrada exibirá vários filmes…

Seis mostras vão compor a programação do 7º Curta Canoa – Festival Latino-Americano de Cinema de Canoa Quebrada, que será aberto esta noite na praia de Canoa Quebrada, litoral leste do Ceará.

Com toda a programação gratuita, o festival terá exibições sempre a partir das 19 horas no Pólo de Lazer. Em Aracati, as projeções acontecerão no Casarão Cultural Dr. Valdir Menezes e no Auditório da Biblioteca da Prefeitura Municipal. Além de exibições, o Curta Canoa terá ainda oficinas, e outras atividades.

O Curta Canoa é uma realização da J.A.Lima Produções, com patrocínio da PETROBRAS e do BNB. Apoio Cultural: COELCE, Centro Técnico Audiovisual (CTAV), Sebrae/CE e Instituto Social de Arte e Cultura do Ceará (ISACC). Apoio do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria de Cultura (Secult) / Lei Estadual Nº 13.811, e do Governo Federal, via Lei Federal de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet). Parceria: Associação dos Empreendedores de Canoa Quebrada (ASDECQ).

MOSTRA COMPETITIVA

Na Mostra Competitiva 19 filmes e 57 vídeos disputam o troféu Lua Estrela em diversas categorias, somando 76 produções. Na Mostra Competitiva de Filmes em Película 35mm, será premiado o melhor nas categorias: Filme, Direção, Roteiro, Fotografia, Trilha Original, Direção de Arte, Ator, Atriz e Melhor Som. Na Mostra Competitiva de Vídeo, o troféu Lua Estrela será concedido ao melhor nas categorias: Vídeo, Direção, Roteiro, Fotografia, Trilha Original, Direção de Arte e Melhor Som.

Foram selecionados trabalhos das cinco regiões brasileiras. Norte: AM (01 vídeo); Nordeste: BA (01 vídeo), CE (01 filme e 08 vídeos), MA (01 vídeo), PB (04 vídeos) e PE (05 vídeos); Centro-Oeste: DF (01 filme e 03 vídeos) e GO (01 vídeo); Sudeste: ES (02 filmes), MG (04 filmes e 01 vídeo), RJ (04 filmes e 12 vídeos) e SP (07 filmes e 15 vídeos); Sul: PR (01 vídeo) RS (03 vídeos), e SC (01 vídeo).

OUTRAS MOSTRAS

O 7º Curta Canoa terá ainda a Mostra Latino-Americana de Curta, que é de caráter não competitivo, composta de onze curtas da Argentina, Paraguai, Bolívia e Venezuela; Mostra do Minuto, realizada em parceria com a Faculdade Católica do Ceará, com produções de alunos, tendo como temática “Praias, usos e abusos”; Mostra Infantil, organizada por Mallú Moraes e Adriano Lima; e as mostras locais Canoa Faz Cinema, realizada pelo Instituto Cultural de Juventude e Capacitação (ICJC) e Associação de Esportes Radicais do Aracati (AERA), através do Departamento de Cultura e Audiovisual, e Majorlândia Faz Cinema, também realizada pela AERA. Ambas são compostas de dez curtas produzidos, respectivamente, por jovens de Canoa Quebrada e Majorlândia, sob a coordenação do cineasta Rodrigo Tasso.

OFICINAS

Na parte formativa, serão realizadas oficinas em Canoa Quebrada e Aracati, parte destas ministradas por professores da Faculdade Católica do Ceará: Oficina de Fotografia, com Chico Gomes, fotógrafo do Núcleo de Prdução Audiovisual (NUPA), da Católica; Pensamento Criativo, com o professor Cláudio Sena; Câmera, com o professor Fernando Maia; e Som de Animação, ministrada por Alexandre Jardim, do Centro Técnico Audiovisual (CTAV), em parceria com Joaquim Eufrazino (Babá). As oficinas têm como foco, em especial, a defesa ao meio ambiente.

PROGRAMAÇÃO EM ARACATI

Diariamente, haverá também programação na cidade de Aracati. O Casarão Cultural Dr. Valdir Menezes vai sediar a Mostra Infantil, de 6 a 9 (terça a sexta-feira) pela manhã, a partir das 8h30. Também no Casarão, serão realizadas as oficinas Som de Animação e Pensamento Criativo.

 No Auditório da Biblioteca da Prefeitura Municipal, o público de Aracati poderá conferir os curtas da Mostra Competitiva a partir de amanhã, às 19 horas. A cada dia, serão exibidos os curtas da noite anterior, vistos em Canoa Quebrada.

MOSTRA COMPETITIVA de FILMES

CE: Doce de Coco (CE. Dir: Alan Deberton);

DF: Ratão (DF. Dir: Santiago Dellape);

ES: 2 e Meio (ES. Dir: Alexandre Serafini) e Ilhas Cayman (ES. Dir: Gabriel Perrone);

Lápis de Cor é um dos fortes concorrentes…

MG: Marambé (MG. Dir: Fernanda Salgado), O Céu No Andar de Baixo (MG. Dir: Leonardo Cata Preta), Sobre O Resto dos Dias (MG. Dir: Alexandre Baxter e Luis Felipe Fernandes) e Taba (MG. Dir: Marcos Pimentel);

RJ: A Casa das Horas (RJ. Dir: Heraldo Cavalcanti), Entre Muros (RJ. Dir: Adriana Tenório), Lápis de Cor (RJ. Dir: Alice Gomes), Uma Noite (RJ. Dir: Daniela Santos);

SP: Boa Noite (SP. Dir: Bel Bechara e Sandro Serra), Cores e Botas (SP. Dir: Juliana Vicente), Fábula das Três Avós (SP. Dir: Daniel Turini), Naiá e a Lua (SP. Dir: Leandro Tadashi), O Último Dia (SP. Dir: Elder Fraga), Pimenta (SP. Dir: Eduardo Mattos) e Pinball (SP. Dir: Ruy Veridiano).

MOSTRA COMPETITIVA de VÍDEOS

AM: Tribos Urbanas (AM. Dir: Dj Mellody);

BA: O Samba: Na Ilha, da Ilha (BA. Dir: Naíra Soares e Quercia Oliveira);

Carlos Normando é o diretor do super popular Babauparatodos, com personagem-ícone do Ceará…

CE: A Bola (CE. Dir: Diego Akel), Água Pra Que Te Quero! (CE. Dir: Nívia Uchôa), BABAUPARATODOS (CE. Dir: Carlos Normando), Comunicando (CE. Dir: Telmo Carvalho), Interurbanos (CE. Dir: Amanda Katiele), 8 Estações (CE. Dir: Célia Gurgel, Cássio Araújo e Karine Egypto), Sucata de Plástico (CE. Dir: Yargo Sousa Gurjão) e Ponto de Parada (CE. Dir: Tiago Pedro de Araújo Pereira);

MA: O Samba dos Bambas (MA. Dir:  Nayra Albuquerque);

Dcumentário do paraibano Leandro Alves também está na programação…

PB: Hoje Tem Espetáculo? (PB. Dir: Leandro Alves), Irmãs (PB. Dir: Gian Orsini), Metafísica (PB. Dir: Eduardo Gomes) e Raízes do Sertão (PB. Dir: Deleon Souto);

PE: A Arte do Barro (PE. Dir: Roberto Belo), Curica (PE. Dir: Hanna Godoy e Márcia Mansur), O Mar de Lia (PE. Dir: Hanna Godoy), Rosário do Sertão (PE. Dir: Hanna Godoy e Márcia Mansur) e Uma Noite Em 68 (PE. Dir: Ionaldo Araújo);

DF: Enfim Sós! (DF. Dir: Rafael de Andrade), I-Juca Pirama (DF. Dir: Elvis Kleber e ítalo Cajueiro) e Imperfeito (DF. Dir: Gui Campos);

GO: Julie, Agosto, Setembro (GO. Dir: Jarleo Barbosa);

MG: (MG. Dir: Elder Barbosa);

RJ: A Dama do Peixoto (RJ. Dir: Douglas Soares e Allan Ribeiro), Afetos (RJ. Dir: Renata Than), A Melhor Idade (RJ. Dir: Angelo Defanti), A Revolução de Trinta (RJ. Dir: Julio Bezerra e Jaiê Saavedra), Laura (RJ. Dir: Thiago Valente), Liberdade em Neves (RJ. Dir: Rodolfo Florentino Vaz), Obsoleto (RJ. Dir: Victor Mendonça dos Santos, Heitor Mendonça dos Santos e Leandro de Souza Henriques), O Diário da Terra (RJ. Dir: Diogo Viegas), O Vermelho de Selarón (RJ. Dir: Rafael Bacelar e Rodolfo Gomes), Revendo o Passado (RJ. Dir: Breno Montenegro), Sofro, Logo Existo (RJ. Dir: Vinicius Melich) e Tentáculos (RJ. Dir: Vinicius Lewer, Beth Soares e Álvaro Victorio);

SP: A Escola de Bambu (SP. Dir: Vinicius Zanotti), Amor de Thanatos (SP. Dir: Helena Guerra), A Passagem (SP. Dir: Marc Dourdin), Aperreio (SP. Dir: Doty Luz e Humberto Capucci), A Saga de Maria Antônia (SP. Dir: Alexandre Estevanato), Com A Mosca Azul (SP. Dir: Cesar Netto), Distantes (SP. Dir: Bruno Peres), D.O.R. (SP. Dir: Leandro Goddinho), É Muita Areia Pro Meu Caminhãozinho (SP. Dir: Ana Paula Guimarães e Eduvier Fuentes Fernandes), Gogó da Ema Futebol Clube (SP. Dir: Caio Vecchio), O Trabalho Final (SP. Dir: Felipe Mendonça), Ponto G – Amor à Flor da Pele (SP. Dir: Marcelo Vogelaar), Rái Sossaith (SP. Dir: Thomate), Tempestade (SP. Dir: Cesar Cabral) e MPB – A História que o Brasil Não Conhece (SP. Dir: André Moraes);

PR: Naquela Noite Ele Sonhou Com Um Mar Azul (PR. Dir: Aristeu Araújo);

Premiado DOC de Felipe Matzembacher, ROCCO está na programação do Curta CANOA…

RS: Dormentes do Tempo (RS. Dir: Boca Migotto), Rocco (RS. Dir: Filipe Matzembacher) e Trocam-se Bolinhos Por Histórias de Vida (RS. Dir: Denise Marchi);

SC: Mais ou Menos (SC. Dir: Alexander Antunes Siqueira). 

MOSTRA LATINO-AMERICANA DE CURTA 

Arbol (Ficção. Argentina. 2010. Dir: Lucas Adrian Schiaroli)

Calle Última (Ficção. Paraguai. 2010. Dir: Marcelo Martinessi)

Karai Norte (Ficção. Paraguai. 2009. Dir: Marcelo Martinessi)

KinOpoÉticaS – Katari Kamina (Documentário. Bolívia/Brasil. 2011. Dir: Pedro Dantas)

Muraña (Ficção. Argentina. 2010. Dir: Sebastian Palacio)

Regreso (Ficção. Peru. 2011. Jano Burmester)

El Silencio de los sapos (Ficção. Venezuela. 2007. Dir: Claudia Pinto Emperator)

Katuche (Venezuela. 2008. Dir Andrea Rios)

Libre (Ficção. Venezuela. 2007. Dir: Gustavo Rondón Córdova)

Titire-we (Venezuela. 2007. Dir: Baiz Juliac Viveca Rose)

Tres hijos y um vestido (Venezuela. 2007. Dir: Ada Hernández Domínguez)

 MOSTRA CANOA FAZ CINEMA

Gazeando Aula – A Última Chance de Júnior (Direção: Lisa de Felice e Italo Alisson), O Meu Ídolo (Rot e Dir: Iara Bartolocci e Gilson M. da Silva), Viagem ao Além (Rot e Dir: Marianna Ariu), Meninos de Rua (Dir: Iara Bartolocci. Rot: Iara Bartolocci, Gilson M. da Silva, Luciana Pinto da Silva e Jéssica dos Santos da Silva), Infância Feliz (Dir: Mirian Pereira. Rot: Mirian Pereira e Mauro Ocean’s), Jura de Canoa (Rot e Dir: Alunos da 1ª Oficina de Documentário Audiovisual Comunitário realizada pelo projeto Canoa Faz Cinema), Minha Nova Vida (Rot e Dir: Kaka Carneiro), Duvidu (Rot e Dir: Gilvan Pereira e Mauro Ocean´s), O Menino Catavento (Rot e Dir: Mauro Ocean´s) e Qual é a Saída (Rot e Dir: Aurivânia Duarte).

MOSTRA MAJORLÂNDIA FAZ CINEMA

Minha Mãe Viu… (Roteiro e Direção: Ariel Santos), O Vencedor (Rot. e Dir: Geovana Roberta), O Grande Sonho (Rot. e Dir: Rabele Andrade), A Vitória (Rot: Ariel Santos. Dir: Edjackson Andrade), A Disputa (Rot: Ariel Santos. Dir: Delmira Lucas), Em Busca de Uma Vida Melhor (Rot: Fenícia Ferreira. Dir: Ariel Santos), A Menina Boazinha (Rot. e Dir: Maria Liciana), A Nossa Areia (Rot. e Dir: Djalma Fonseca, Paulo Roberto e Yago Valente), Mãos que Contam Nossas Histórias (Rot. e Dir: Projeto Majorlândia Faz Cinema) e O Menino Órfão (Rot. e Dir: Joice Oliveira). 

Boca Juniors faz Bombonera vibrar…

O tima do Aurora de Cinema, o exponencial Boca Juniors (de Maradona, Tevéz e Veron, para citar apenas alguns craques) conquistou o Campeonato Argentino neste domingo após vitória sobre o Banfield, por 3 a 0, no estádio La Bombonera, em Buenos Aires.

A conquista do torneio Apertura –há também o chamado Clausura, no primeiro semestre– acontece três anos após o último título nacional do Boca.

Com a conquista invicta, o Boca também volta à Libertadores ano que vem. Os argentinos estão no Grupo 5, ao lado do Fluminense, clube que o eliminou da última participação, em 2008.

  Eduardo Di Baia/Associated Press  
Torcida do Boca Juniors festeja título no estádio La Bombonera
Vitória do Boca Juniors garante título e leva torcida ao delírio

Grande rival do Boca e maior campeão nacional, o River Plate disputa atualmente a segunda divisão no país.

Os gols do título neste domingo foram marcados por Darío Cvitanich (dois) e Diego Rivero.

A duas rodadas do fim do campeonato, o Racing é o vice-líder, o Tigre, terceiro, e o Atlético Rafaela é o quarto colocado. O Banfield está na lanterna