O Amor, a morte e as paixões, temas de Cinema…

Mostra de Cinema

60 filmes, inéditos no circuito goianiense, estão na mostra.

A mostra de cinema O Amor, a Morte e as Paixões começou dia 26 e prossegue até dia 9 de fevereiro no Cine Lumière Bougainville, em Goiânia. Foram selecionados 60 filmes inéditos no circuito goianiense, muitos deles com premiações no Globo de Ouro e nos festivais de Cannes e Veneza.

Entre os destaques da programação está o iraniano A Separação, de Asghar Farhadi, que ganhou o Globo de Ouro de melhor filme em língua estrangeira deste ano e é um dos favoritos ao Oscar. Também estão na seleção da mostra os filmes Tetro, de Francis Ford Copolla, J. Edgar, de Clint Eastwood, As Canções, de Eduardo Coutinho, e Quebrando Tabu, de Fernando Grostein Andrande, neste último o ex-presidente Fernando Henrique discute a liberalização da maconha.

A atriz e diretora Helena Ignez é uma das presenças confirmadas com a exibição de seu premiado Luz nas Trevas – A Volta do Bandido da Luz Vermelha… 

Para escolher os filmes, o professor e crítico de cinema Lisandro Nogueira conta que baseou-se no que viu nas mostras internacionais de São Paulo, em outubro do ano passado, e do Rio de Janeiro, em setembro. “O Brasil agora é privilegiado: recebe os lançamentos da Europa e Ásia com certa antecedência. Também recebo sugestões”, conta. “O fato é que temos filmes que ganharam e participaram de festivais como Cannes, Veneza, Berlim, Sundance (EUA), Rio, São Paulo. Filmes americanos também fazem parte da mostra. Procuramos oferecer filmes para todos os gostos”, afirma. 

Lisandro Nogueira explica: a mostra O Amor, a Morte e as Paixões foi suspensa em 2005 por conta de “pequenos erros de projeção sobre o futuro” da iniciativa. Ele lembra que em 2002, ano da estreia, 7 mil pessoas compraram os bilhetes. Na última edição, em 2005, o número subiu para 21 mil. Agora ele revela que os mesmos parceiros daquela época voltaram a atuar juntos e que não haverá interrupção. “Ela entra definitivamente no calendário da cidade”, garante.

Filme de Beto Brant e Renato Ciasca também está na programação… 

O curador acredita que a grande procura do público ocorre por vários fatores. Entre eles, o fato de os filmes serem inéditos e de a mostra permitir a socialização. “As pessoas gostam muito da mostra por causa dos encontros: elas são ávidas por programas coletivos, cafés, olhares de cumplicidade pela vida. O fato de ver um filme, encontrar amigos, ter tempo para discuti-los, pensar na vida e ainda tomar um café ou chope,  isso não tem preço”, avalia. 

Ao todo serão 300 sessões exibidas, com horários entre 13 horas e meia-noite.

Os ingressos também terão preços diferenciados para a mostra. O bilhete inteiro fica por R$ 14 e, para estudantes, R$ 7. Quem tiver o cartão do assinante do POPULAR ou do Sindicato dos Docentes da UFG (Adufg) paga R$ 6. Também é possível comprar com antecedência no supermercado Bretas, por R$ 7. Aqueles que possuem cartão VIP do cinema Lumière poderão entrar em qualquer filme da mostra.

Riscado, de Gustavo Pizzi, com premiada produção de Cavi Borges, é uma das atrações

FILMES 

  • Riscado, de Gustavo Pizzi (Brasil)
  • Amor Chega Tarde, de Jan Schütte (Alemanha)
  • Que mais Posso Querer, de Silvio Soldini (Itália)
  • Saturno em Oposição, de Ferzan Ozpetek (Turquia)
  • L’Apollonide – Os Amores da Casa de Tolerância, de Bertrand Bonello (França)
  • Eslovênia Girl, de Damjuam Kozole (Eslovênia)
  • Inquietos, de Gus Van Sant (EUA)
  • Último Dançarino de Mao, de Bruce Beresford (Austrália)
  • As Flores de Kirkuk, de Fariborz Kamkari (Itália)
  • As Idades do Amor, de Giovanni Veronesi (Itália)
  • A Árvore, Julie Bertucelli (França)
  • Não Se Pode Viver Sem Amor, de Jorge Durán (Brasil)
  • Luzes na Escuridão, de Aki Kaurismäki (Finlândia)
  • Estranhos Normais, de Gabriele Salvatore (Itália)
  • Aproximação, de Amos Gitai (Alemanha)
  • O Homem que Não Dormia, de Edgar Navarro (Brasil)
  • Tomboy, de Céline Sciamma (França)
  • Triângulo Amoroso, de Tom Tykwer (Alemanha)
  • Submarino, de Thomas Vinterberg (Dinamarca)
  • Tudo Ficará Bem, de Christoffer Boe (Dinamarca)
  • Lola, de Brillante Ma. Mendoza (França)
  • Caminho para o Nada Auwe, de Monte Hellman (EUA)
  • O Vendedor, de Sébastien Pilote (Canadá)
  • Hiroshima – Um Musical Silencioso, de Pablo Stoll (Uruguai)
  • A Separação, de AsgharFarhadi (Irã)
  • Tetro, de Francis Ford Copolla (Itália)
  • Turnê, de Mathieu Amalric (França)
  • As Neves de Kilimanjaro, de Robert Guédiguian (França)
  • O Porto, de de Aki Kaurismäki (Finlândia)
  • Caro Francis, de Nelson Hoineff (Brasil)
  • O Homem que Amava as Mulheres, de Joann Sfar (França)
  • A Guerra Está Declarada, de Valérie Donzelli (França)
  • Poesia, de Chang-dong Lee (Coreia do Sul)
  • Adeus Primeiro Amor, de Mia Hansen-Love (França)
  • Românticos Anônimos, de Jean-Pierre Améris (França)
  • Isto Não é um Filme, de Jafar Panahi e Mojtaba Mirtahmasb (Irã)
  • A Chave de Sarah, de Mojtaba Mirtahmasb (Irã)
  • Dawson Ilha 10 – A Verdade sobre a Ilha de Pinochet, de Gilles Paquet-Brenner (França)
  • O Espião que Sabia Demais, de Tomas Alfredson (França)
  • O Conto Chinês, de Sebastián Borensztein (Argentina)
  • Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas, de Apichatpong Weerasethakul (Tailândia)
  • Deixa Ela Entrar, de Tomas Alfredson (Suécia )
  • J. Edgar, de Clint Eastwood (EUA)
  • Cartas do Kuluene, de Pedro Novaes (Brasil)
  • Eu Receberia as Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios, de Beto Brant (Brasil)
  • Reis e Ratos, de Mauro Lima (Brasil)
  • O Carteiro, de Reginaldo Faria (Brasil)
  • Casaelétrica.Doc, de Gustavo Fogaça (Brasil)
  • Simples Mortais, de Mauro Giuntini (Brasil)
  • Quebrando o Tabu, de Fernando Grostein Andrade (Brasil)
  • Mãe e Filha, de Petrus Cariry (Brasil)
  • Histórias Cruzadas, de Tate Taylor (EUA)
  • Réus, de Pablo Fernández (Brasil)
  • A Alegria, de Felipe Bragança e Marina Meliande (Brasil)
  • As Canções, de Eduardo Coutinho (Brasil)
  • As Mulheres do 6º Andar, de Philippe Le Guay (França)
  • Habemus Papam, de Nanni Moretti (Itália)
  • Beleza Adormecida, de Julia Leigh (Austrália)
  • Transeunte, de Eryk Rocha (Brasil)
  • Fausto, de Alexander Sokurov (Rússia) 

A programação completa está na página do curador da Mostra, professor Lisandro Nogueira.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s