O Cinema de Invenção de Jairo Ferreira no CCBB de Sampa

 
 Cena do filme O Vampiro da Cinemateca (1977), de Jairo Ferreira
  • Cena do filme “O Vampiro da Cinemateca” (1977), de Jairo Ferreira

O Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) de São Paulo está exibindo a mostra Jairo Ferreira – Cinema de Invenção, dedicada ao cineasta paulistano que também foi um dos maiores críticos de cinema que o Brasil já teve (e que raramente é visto como tal).

Serão exibidos todos os filmes que Jairo realizou (dois longas, um média e seis curtas), produções que exemplificam com imagens o que o crítico explicou em seu livro clássico Cinema de Invenção, espécie de Bíblia para jovens que procuram o caminho da autoria em cinema.

Era difícil não gostar de Jairo Ferreira. Quem o conheceu, o admirava por sua paixão, pela clareza com que desenvolvia pensamentos complexos, pela imensa generosidade com que acolhia interessados em sua obra, ou mesmo em conversas sobre artes e cinema.

Nos últimos anos de vida, desprezado pela grande imprensa, difundia seus conhecimentos para grupos de cinéfilos em mostras estratégicas, das quais a de Cinema Marginal, organizada por Eugenio Puppo no CCBB-SP em 2001, foi a mais importante. E defendia suas paixões: cinema japonês, Raul Seixas e sessões de magia.

“O GURU E OS GURIS” (1973), CURTA DE JAIRO FERREIRA

Assim, após a exibição do longa “Perdidos e Malditos” (1970), de Geraldo Velloso, em tal mostra, saiu comentando que “a cena de magia é muito bem realizada”. De outro modo, após a exibição de “Copacabana Mon Amour”, de Rogério Sganzerla (cineasta que ele admirava muito, e que como crítico tinha grandes paralelos com sua produção), disse para os mais próximos: “Não é dos que mais gosto do Rogério. Aquela cena de magia é ruim”.

Adorava o cinema de Kenji Mizoguchi (“O Intendente Sansho” e “Contos da Lua Vaga”) e Shohei Imamura (seu preferido era “Todos Porcos”), e frequentemente dizia maravilhas de algum outro filme japonês descoberto ao longo dos anos.

Jairo Ferreira foi colaborador da Folha de S.Paulo nos anos 1980, e antes, do jornal São Paulo Shinbum, dedicado à comunidade nipônica, mas disputado por cinéfilos que nada tinham de japonês, ávidos pelo contato com seus escritos (e os de Carlos Reichenbach).

Além de toda a produção de Jairo Ferreira no cinema, a mostra exibe também alguns filmes em que ele participa como ator ou roteirista, e outros sobre os quais escreveu como crítico.

A ausência de filmes japoneses é um equívoco. Poderiam ter colocado também “Suspiria”, de Dário Argento, ou “Dillinger Está Morto”, de Marco Ferreri, filmes que inspiraram críticas essenciais do autor. Existem muitos outros que não fariam mal ao seu panorama na crítica de cinema. Optou-se por privilegiar o cinema brasileiro, o que não é negativo a priori, mas pode dar uma ideia imprecisa de sua produção crítica.

Apesar das ausências (inevitáveis, dado o pequeno tamanho da mostra), a seleção de filmes garante uma série de sessões imperdíveis no pequeno cinema do centro de São Paulo.

Veja alguns dos destaques da Mostra:

Divulgação

 

A Mulher de Todos (1969), de Rogério Sganzerla, estrelado pela musa Helena Ignez

Divulgação

Nem Verdade Nem Mentira (1979), de Jairo Ferreira

Divulgação

Ritual dos Sádicos (1969), de José Mojica Marins

5 FILMES DIRIGIDOS POR JAIRO FERREIRA:

“O Guru e os Guris” (1972)
Curta-metragem. Encontro inspirado com Maurice Legeard, fundador da Cinemateca de Santos.

“O Ataque das Araras” (1975)
Curta-metragem. Filme Herzoguiano que mostra uma trupe teatral no Amazonas.

“O Vampiro da Cinemateca” (1977)
Não apenas uma homenagem e um retrato da cinefilia brasileira, mas um dos maiores filmes realizados no Brasil. Se você só puder ver um filme na mostra, que seja este.

“Horror Palace Hotel” (1978)
Média metragem em que Jairo Ferreira registra encontros impagáveis durante o Festival de Cinema de Brasília.

“Nem Verdade Nem Mentira” (1979)
Curta-metragem em que Jairo pensa o jornalismo, com Patrícia Scalvi.

5 FILMES DE OUTROS DIRETORES:

“Limite” (1931), de Mário Peixoto
Obra-prima do cinema experimental brasileiro. É figura fácil em mostras, mas deve ser sempre revisto, como parte de um aprendizado.

“A Mulher de Todos” (1969), de Rogério Sganzerla
Talvez este seja o filme que melhor exemplifique o chamado “Cinema Marginal”.

“Ritual dos Sádicos” (1969), de José Mojica Marins
Também conhecido como “O Despertar da Besta”, é a obra-prima de Mojica.

“A Herança” (1970), de Ozualdo Candeias
Hamlet, se Shakespeare, no sertão paulista. A genialidade de Candeias em cena.

“Crônica de um Industrial” (1978), de Luiz Rosemberg Filho
Existem outros filmes dignos de destaque na mostra, mas nenhum deles é tão injustiçado quanto este longa especial de Rosemberg.

* Por Sérgio Alpendre
Do UOL, em São Paulo


JAIRO FERREIRA – CINEMA DE INVENÇÃO
Quando:
até 12 de fevereiro
Onde: Centro Cultural Banco do Brasil – Cinema (r. Álvares Penteado, 112, Centro, tel. 0/xx/11/3113-3651); 70 lugares
Quanto: R$ 4
Site oficial: bb.com.br/cultura

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s