Selton Mello faz Poesia no Cinema e lota sessão em Anápolis

AURORA DE CINEMA no II FESTIVAL DE CINEMA DE ANÁPOLIS:

O Palhaço, segundo longa do ator, encanta plateia e dignifica todos os prêmios

Selton Mello é um ‘palhaço’ cheio de emoção em seu segundo longa como diretor

Uma das alegrias deste Aurora de Cinema é quando constatamos o reconhecimento ao trabalho de um Artista, e o respeito e APLAUSO devido a quem faz de sua sensibilidade instrumento de transformação de almas e consciências, e joga luzes sobre novas possibilidades de construção do humano. Quem lida com a emoção e transforma a Arte em ferramenta de reflexão e viés de refinamento da sensibilidade é alguém especialmente dotado e necessário, sobretudo quando isso serve ao propósito de tentar decifrar o Mistério que nos envolve/comove/abastece a todos, em maior ou menor escala.

Essa constatação vem a propósito do filme O Palhaço, deste magnânimo Artista que atende por Selton Mello. É uma imensa alegria perceber o quanto Selton vem ganhando, cada vez mais, a consagração popular e o respeito artístico que tanto merece. Anunciar um filme dele ou a sua presença em algum lugar é certeza de aglomeração e casa cheia.

 

Foi assim, apinhado de gente, que ficou o Teatro Municipal de Anápolis ontem à noite, dia agendado para a exibição de O Palhaço.

Selton viria a Anápolis mas compromissos profissionais o impediram de estar aqui. Mas como o coração do ator pulsa onde sua arte acontece, ele telefonou à atriz Giselle Motta – beleza e simpatia que conquistaram a todos por aqui – pedindo a ela, mais uma vez, que transmitisse à organização do festival, aos convidados e a todo o público seu abraço mais fraterno. Eu estava do lado de Giselle, na van rumo ao festejado almoço no ótimo El Hajj, quando ouvi a atriz falar com ele.

Giselle Motta, atriz aprovada em teste para O Palhaço, esbanja beleza, ao vivo e na tela.

O filme de Selton Mello é absolutamente tocante. Impossível assistir a este O Palhaço do ator e não ficar completamente encantado diante da reluzente sensibilidade de Selton, cercado de atores que compõem tipos emblemáticos (como Teuda Barros, do grupo Galpão, e Renato Macedo, uma grata surpresa !) e contribuem para o brilho de um roteiro imerso em poesia e belas imagens, além do invejável apuro técnico e do esmero na produção.

 

Sobre o filme, volto a comentar em outro post. Por enquanto, fica apenas o registro de que assistimos ontem a um dos fortes concorrentes na mostra competitiva Adhemar Gonzaga de longas brasileiros, e da presença auspiciosa em Anápolis das belezas branca e índia de Bruna Chiradia e Giselle Motta, que representam o filme na cidade ao lado do ator Erom Cordeiro.

Numa das mais belas cenas do filme, Selton e Paulo José levam o espectador às lágrimas…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s