Arquivo do dia: 11/06/2012

Doc sobre cancioneiro brega ganha Festival In-Edit Brasil

Vou Rifar Meu Coração, filme de Ana Rieper, é o grande vencedor da Competição Brasileira do festival IN-EDIT BRASIL 20124o Festival Internacional de Documentário Musical.

 O filme, que entrará no circuito In-Edit de festivais, conta a história da vida de quem faz e quem ouve Música Romântica no Brasil. Odair José, Amado Baptista, Lindomar Castilho, Nelson Ned, Wando, e muitos outros, são ídolos dentro deste universo e fazem música para os personagens reais deste documentário. Para esses músicos, o amor não vê cor, classe, opção sexual nem diploma universitário. Milhares de brasileiros amam e choram desamores ouvindo suas canções em botecos, inferninhos e quartos escuros de todo o país.

O filme capta histórias de amor reais na intimidade de seus protagonistas, derruba estereótipos sobre traição, homossexualismo, prostituição e trata o Brega como expressão do imaginário popular brasileiro. 

George Harrison: um beatle em Living in the Material World, de Martin Scorsese, um dos grandes trunfos do Festival In-Edit…

Com patrocínio da Petrobras, co-patrocínio da Prefeitura de São Paulo /Secretaria Municipal de Cultural, apoio do Governo do Estado de São Paulo – Programa de Ação Cultural da Secretaria da Cultura, o encerramento do festival In-Edit aconteceu ontem, domingo 10 de junho, na Cinemateca Brasileira, em São Paulo.

  

Serviço

IN-EDIT Brasil – 4º Festival Internacional do Documentário Musical

1 a 10 de junho em São Paulo

14 a 21 de junho em Salvador

www.in-edit-brasil.com.br

Os vencedores do XXII CineCE

Termina 22° Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema (Foto: Divulgação)
Theatro José de Alencar: palco do CineCE – Festival Ibero-americano de Cinema
 
Após uma semana de debates, mesas-redondas, palestras, oficinas e muitas exibições gratuitas de filmes, chegou ao fim o 22° Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema. O longa “Violeta foi para o Céu”, do chileno Andrés Wood, e o curta-metragem “Os lados da rua”, do capixaba Diego Zon, foram premiados com o Troféu Mucuripe e  US$ 10 mil.

Criado este ano, o Prêmio Banco do Nordeste do Brasil (BNB) – melhor filme de temática nordestina – premiou com R$ 10 mil o longa “Rania” da diretora cearense Roberta Marques. Os outros prêmios foram distribuídos em áreas técnicas das produções.

OS VENCEDORES do CINE CEARÁ 2012:

Fiorella Mattheis na entrega do premio de melhor filme para "Violeta Foi Para o Ceu" (Foto: Divulgação)
Fiorella Mattheis entregou prêmio de Melhor
Filme para “Violeta Foi Para o Ceu”
 
Mostra Competitiva Ibero-Americana de Longa-Metragem
Melhor Direção: Cláudio Assis (PE), por “Febre do Rato”;
Melhor Fotografia: Gaizka Bourgeaud, por “Bertsolari” (de Asier Altuna-ESP);
Melhor Roteiro: Eliseo Altunaga, Rodrigo Bazaes, Guillermo Calderón e Andrés Wood
por “Violeta foi para o Céu” (de Andrés Wood-CHI);
Melhor Som: Nerio Barberis e Santiago Arroyo, no filme “Prazo de validade” (de Kenya Márquez-MEX);
Melhor Trilha Sonora Original: Jorge Du Peixe, por “Febre do Rato” (de Cláudio Assis-PE);
Melhor Direção de Arte: Juan Carlos Azevedo, por “Em nome da filha” (deTania Hermida-EQU);
Melhor Ator: Luis Ziembrowski, por “Um amor” (de Paula Hernández-ARG);
Melhor Atriz: Graziela Felix, por “Rânia” (de Roberta Marques-BRA);
Prêmio do Júri Oficial: “Prazo de validade”, de Kenya Márquez-MEX);
Prêmio Edição: Andrea Chignoli, por ‘Violeta foi para o Céu’, de (Andrés Wood-CHI);
Prêmio da Crítica Internacional: “Um Amor”, (de Paula Hernández-ARG).

Prêmio da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine)
“Prazo de Validade”, longa de Kenya Márquez (México): pelo roteiro engenhoso, pela evolução do arco dramático e pelo homogêneo trio de protagonistas;
“Dia estrelado”, curta de Nara Normande (PE): pela combinação rigorosa entre técnica e discurso, pelo diálogo feliz da fotografia com as artes plásticas.

Troféu Oscarito (Prêmio da Câmara Municipal de Fortaleza)
Longa de Claudio Assis (PE) por “Febre do Rato”

Prêmio da Crítica Internacional
Longa “Um Amor”, de Paula Hernández (Argentina)

Mostra Competitiva Brasileira de Curta-Metragem
Melhor Curta: “Os lados da rua”, de Diego Zon;
Melhor Direção: Roberval Duarte por “Santas” (RJ);
Melhor Roteiro: Luiza Favale, Marcus Vinicius Vasconcelos, Nádia Mangolini e Vanessa Reis por “Realejo” de Marcus Vinícius Vasconcelos;
Melhor Produção Cearense: “Querença” de Iziane Filgueiras Mascarenhas

Breno Silveira faz filme sobre o Rei do Baião

Sanfoneiro de forró será protagonista em novo longa de Breno Silveira 

 Mais de 5.000 candidatos disputaram o papel principal do filme Gonzaga — de Pai para Filho, novo longa de Breno Silveira. Mas foi o quase desconhecido Nivaldo Carvalho, paulistano de 31 anos, que já tinha encarnado Luiz Gonzaga no teatro, quem ganhou o papel: “É minha primeira experiência como ator. No início, tive dificuldade, devido à minha timidez, mas a música me ajudou muito, pois também exige tempo e sensibilidade. A minha aparência e o timbre de voz ajudaram igualmente”, diz Nivaldo.

A entrada dele no filme tem um fato curioso: no último dia de inscrições para os testes, a mulher dele, Daniela, enviou para a produção uma foto da capa de um CD e um vídeo, nos quais Nivaldo aparecia com trajes à la Gonzagão. Poucas horas depois, ele recebeu um telefonema, convocando-o para um teste no dia seguinte.

Nivaldo em cena no filme ‘Gonzaga — de Pai para Filho’ | Foto: Divulgação

Nivaldo em cena no filme ‘Gonzaga — de Pai para Filho’ | Foto: Divulgação

“Aluguei um carro e fui para o Rio. Chegando no teste, me caracterizei, toquei uma música e li alguns textos. Eles gostaram, mas disseram que eu não sabia nada de atuação”, diverte-se Nivaldo. “O processo de seleção durou meses. Àquela altura, eu já acreditava que conseguiria o papel”, conta o sanfoneiro-ator.

Com estreia prevista para outubro, o filme aborda a relação de Gonzagão com o filho Gonzaguinha, sendo que 3 atores vão interpretar o Rei do Baião: Nivaldo será o velho Lua, dos 30 aos 50 anos, auge da carreira do artista.

Filme vai homenagear dois dos maiores compositores do Brasil | Foto: Divulgação

Filme vai homenagear dois dos maiores compositores do Brasil | Foto: Divulgação

Assim como o Rei do Baião, Nivaldo veio de uma família de músicos. Já gravou com a lendária Banda de Pífanos de Caruaru e, desde 2007, investe na carreira solo. Nasceu e vive em São Paulo, mas tem raízes nordestinas: seus pais e avós são de Jaicós, no Piauí, onde ele morou por anos.

Milagre no mausoléu do Rei do Baião

Ainda no período de testes, Nivaldo foi visitar a cidade natal de Luiz Gonzaga, Exu (PE). Visitou o museu do Rei do Baião e foi fazer uma oração no túmulo do Gonzagão. “No momento em que entrei no mausoléu, a produção ligou novamente, dessa vez me convocando para conhecer o Breno Silveira. Foi uma choradeira só da minha família”, diz o ator.

Já escolhido como um dos atores principais do longa, ele fez um laboratório digno de sanfoneiros antigos: tocou em locais curiosos, como estações de trem, tudo isso para entender as dificuldades pelas quais esses músicos passavam.

Além de toda a pesquisa, Nivaldo chegou a perder nove quilos para se encaixar no personagem: “O Breno me auxiliou a entrar no personagem, ele acreditou em mim, disse que eu vivi as coisas que o Gonzagão viveu”, afirma um emocionado Nivaldo.

No Passo do Birim evidencia cultura popular nordestina

Novo Documentário Aurora de Cinema mostra grupo de coco do interior do Ceará em projeto aprovado no edital BNB – BNDES…

No Passo do Birim é o novo curta-metragem da jornalista, atriz e produtora audiovisual, Aurora Miranda Leão – fruto de projeto aprovado no edital Cultura da Gente (parceria BNB-BNDES).

O curta-metragem tem formato digital, com 15m, e marca os 30 anos de atuação ininterrupta do Coco das Mulheres da Batateiras, grupo de cultura popular formado por mulheres, e atuante no interior do Estado do Ceará.

NO PASSO DO BIRIM está sendo lançado em instigante volume, reunindo um CD e um DVD, a partir de trabalho conjunto do selo Equatorial Produções e da produtora Aurora de Cinema (com finalização da Cabeça de Cuia Filmes) – com produção do músico e pesquisador cearense Calé Alencar e Aurora Miranda Leão, no qual é evidenciada a cultura popular nordestina através do grupo Coco das Mulheres da Batateiras.

Brincantes do folguedo no município do Crato (CE), as mulheres que integram o Coco das Mulheres da Batateiras estão no CD-DVD NO PASSO DO BIRIM em voz, ritmo e imagens.

A caixa conjunta reúne um CD com canções gravadas pelo Coco das Mulheres da Batateiras, e um DVD, contendo 5 trabalhos audiovisuais realizados por Aurora Miranda Leão, a saber, os curtas SantAlegria, A Casca Avoa e o Miolo Fica, Resta Um, No Passo do Birim e o videoclip Batuques & Bantos (sobre música homônima do compositor cearense Calé Alencar).

Por enquanto, ainda não há lançamento oficial agendado mas o Aurora de Cinema está organizando uma ida ao Crato para exibir o documentário para suas protagonistas, além de estar recebendo convites para lançar o trabalho em alguns festivais de cinema…