Arquivo do dia: 19/07/2012

Brasília anuncia selecionados e mais de 600 mil em prêmios

Anunciando que a próxima edição fará uma homenagem especial ao crítico Paulo Emílio Salles Gomes – criador da Semana do Cinema Brasileiro, que deu origem ao Festival -, o Secretário Hamilton Pereira abriu a coletiva marcada para divulgar os selecionados às Mostras Competitivas da 45ª edição do Festival de Cinema de Brasília.

A homenagem contará com lançamento do livro que recupera a trajetória de Paulo Emílio e do próprio Festival, com artigos assinados por nomes como Ismail Xavier, Carlos Augusto Calil, Adilson Mendes, Pablo Gonçalo e depoimentos colhidos entre realizadores como Cacá Diegues, André Klotzel e Sérgio Moriconi.

Os 45 anos do Festival de Brasília também serão celebrados com a publicação de Memória Crítica, com 90 textos críticos que analisam 45 filmes premiados ao longo dos anos no festival – duas críticas diferentes para cada filme. Hamilton Pereira também ressaltou a intenção da Secretaria de Cultura de ampliar cada vez mais o alcance do festival. Taguatinga, Ceilândia, Sobradinho e Gama receberão o festival com exibições simultâneas das mostras competitivas. O Cinema Voador, de José Damata, ficará responsável por exibir cinema brasileiro nas cidades satélites.

Além das publicações, o 45º Festival de Brasília mantém a tradição de oferecer atividades formativas, com oficinas, palestras, seminários e debates dos filmes das mostras competitivas no dia seguinte à sua exibição.

Outra novidade para este ano será a 17ª edição do Troféu Câmara Legislativa do Distrito Federal, o qual, pela primeira vez, terá comissão de seleção, como explicou Marco Túlio de Alencar, coordenador do grupo de trabalho criado para regulamentar o troféu. “Ouvimos todas as associações e entidades organizadas para que a resolução refletisse o desejo da classe cinematográfica”, avisou. Segundo ele, com a chegada do cinema digital, aumentou muito o número de filmes inscritos para a Mostra Brasília e estava ficando difícil ver todo o conjunto. Por isso, optou-se pela criação de uma comissão de seleção, integrada por cinco membros, a quem caberá assistir a todo o material e eleger os selecionados.

A Mostra Brasília será exibida em quatro sessões, no sábado, dia 22, e domingo, dia 23 de setembro, provavelmente às 14h00 e às 16h00, na Sala Martins Penna do Teatro Nacional. Um júri de três pessoas, incluindo convidados de fora de Brasília (reivindicação da classe), escolherá os vencedores. O Troféu distribuirá R$ 200 mil em prêmios e contemplará, além de Melhor Filme e Melhor Direção, dez categorias técnicas, além do prêmio do Júri Popular.

O longa-metragem A Última Estação, do diretor Márcio Curi, foi escolhido para exibição na noite de abertura. No total, foram inscritos 580 filmes para concorrer às várias categorias do Troféu Candango. Destes, 51 eram longas de ficção; 75 eram documentários; 123 curtas documentários; 296 filmes concorrendo como curtas de ficção; e 35 curtas de animação. Destes, 103 eram filmes produzidos em Brasília. Foram selecionados seis títulos de cada categoria para as Mostras Competitivas.

OS SELECIONADOS

Filmes de longa-metragem ficção:

  1. A memória que me contam, de Lucia Murat, 95min, RJ
  2. Boa sorte, meu amor, de Daniel Aragão, 95min, PE
  3. Eles voltam, de Marcelo Lordello, 100min, PE
  4. Era uma vez eu, Verônica, de Marcelo Gomes, 90min, PE
  5. Esse amor que nos consome, de Allan Ribeiro, 80min, RJ
  6. Noites de Reis, de Vinicius Reis, 93min, RJ

Comissão de seleção: Cibele Amaral -diretora, atriz, roteirista e produtora. José Geraldo Couto -Jornalista, crítico de cinema e tradutor. Márcio Curi – cineasta e produtor de cinema. Pedro Butcher – jornalista e crítico de cinema e editor do site Filme B. Sérgio Borges – cineasta.

Longas-metragens documentários:

  1. Doméstica, de Gabriel Mascaro, 85min, PE
  2. Elena, de Petra Costa, 82min, SP
  3. Kátia, de Karla Holanda, 74min, PI
  4. Olho nu, de Joel Pizzini, 101min, RJ/MT
  5. Otto, de Cao Guimarães, 70min, MG
  6. Um filme para Dirceu, de Ana Johann, 80min, PR

Comissão de seleção: Ana Paula Sousa – jornalista especializada em cultura e crítica de cinema. André Luiz Oliveira – cineasta e músico. Guto Pasko – cineasta e roteirista de cinema e TV. João Jardim – cineasta. Leonardo Sette – cineasta.

Curtas-metragens de Ficção

  • A Mão que afaga, de Gabriela Amaral Almeida, 19min, SP
  • Canção para minha irmã, de Pedro Severien, 18min, PE
  • Eu nunca deveria ter voltado, de Eduardo Morotó, Marcelo Martins Santiago e Renan Brandão, 15min, RJ
  • Menino peixe, de Eva Randolph, 17min, RJ
  • Vereda, de Diego Florentino, 20min, PR
  • Vestido de Laerte, de Claudia Priscilla e Pedro Marques, 13min, SP

Comissão de seleção: Felipe Joffily – cineasta. Fernando Mourão Gutiérrez – diretor de filmes de animação e professor do IESB. Marcya Reis – jornalista, roteirista e documentarista na TV Câmara. Rafael Urban – cineasta, roteirista e produtor. Thomas Larson – chargista e ilustrador e diretor de desenho animado.

Curtas-metragens documentários :

  1. A cidade, de Liliana Sulzbach, 15min, RS
  2. A ditadura da especulação, de Zé furtado, 10min20, DF
  3. A guerra dos gibis, de Thiago Brandimarte Mendonça e Rafael Terpins, 19min30, SP
  4. A onda traz, o vento leva, de Gabriel Mascaro, 24min47, PE
  5. Câmara escura, de Marcelo Pedroso, 25min, PE
  6. Empurrando o dia, de Felipe Chimicatti, Pedro Carvalho e Rafael Bottaro, 25min, MG

Comissão de seleção: Beth Formaggini – documentarista, pesquisadora e produtora audiovisual. Caio Cavechini – jornalista e documentarista. Ciro Inácio Marcondes – crítico e professor de cinema.

Filmes de curtas – ANIMAÇÃO :

  1. Destimação, de Ricardo de Podestá, 13min, GO
  2. Linear, de Amir Admoni, 6min, SP
  3. Mais Valia, de Marco Túlio Ramos Vieira, 4min22, MG
  4. O Gigante, de Luís da Matta Almeida, 10min35, SC
  5. Phantasma, de Alessandro Corrêa, 10min20, SP
  6. Valquíria, de Luiz Henrique Marques, 8min32, MG

Comissão de seleção: Felipe Joffily – cineasta. Fernando Mourão Gutiérrez – diretor de filmes de animação e professor do IESB. Marcya Reis – jornalista, roteirista e documentarista na TV Câmara. Rafael Urban – cineasta, roteirista e produtor. Thomas Larson – chargista e ilustrador e diretor de desenho animado.

O festival concederá aos ganhadores o Troféu Candango e R$ 635.000,00 em dinheiro.

Filme de longa-metragem de ficção:

Melhor filme – R$ 250.000,00
Melhor direção – R$ 20.000,00
Melhor ator – R$ 5.000,00
Melhor atriz – R$ 5.000,00
Melhor ator coadjuvante – R$ 3.000,00
Melhor atriz coadjuvante – R$ 3.000,00
Melhor roteiro – R$ 5.000,00
Melhor fotografia – R$ 5.000,00
Melhor direção de arte – R$ 5.000,00
Melhor trilha sonora – R$ 5.000,00
Melhor som – R$ 5.000,00
Melhor montagem – R$ 5.000,00

Filme de longa-metragem documentário:

Melhor filme de longa-metragem de documentário – R$100.000,00
Melhor direção – R$ 20.000,00
Melhor fotografia – R$ 5.000,00
Melhor direção de arte – R$ 5.000,00
Melhor trilha sonora – R$ 5.000,00
Melhor som – R$ 5.000,00
Melhor montagem – R$ 5.000,00

Filme de curta-metragem de ficção:

Melhor filme – R$ 20.000,00
Melhor direção – R$ 5.000,00
Melhor ator – R$ 3.000,00
Melhor atriz – R$ 3.000,00
Melhor roteiro – R$ 3.000,00
Melhor fotografia – R$ 3.000,00
Melhor direção de arte – R$ 3.000,00
Melhor trilha sonora – R$ 3.000,00
Melhor som – R$ 3.000,00
Melhor montagem – R$ 3.000,00

Filme de curta-metragem de documentário:

Melhor documentário de curta metragem – R$ 20.000,00
Melhor direção – R$ 5.000,00
Melhor fotografia – R$ 3.000,00
Melhor direção de arte – R$ 3.000,00
Melhor trilha sonora – R$ 3.000,00
Melhor som – R$ 3.000,00
Melhor montagem – R$ 3.000,00

Filme de curta-metragem de animação:

Melhor filme de curta metragem de animação – R$ 20.000,00

Premiação do Júri Popular: total de R$ 65.000,00:

Melhor filme de longa-metragem de ficção- R$ 20.000,00
Melhor filme de longa-metragem documentário – R$ 15.000,00
Melhor filme de curta-metragem de ficção – R$ 10.000,00
Melhor filme de curta-metragem de documentário – R$ 10.000,00
Melhor filme de curta-metragem de animação – R$ 10.000,00

Cerrado terá HELENA IGNEZ em sua primeira Mostra de Cinema

Este é o flyer da primeira edição da Mostra de Cinema do Cerrado, que começa na próxima quarta, 25, na cidade mineira de Araguari, e prossegue até dia 31. 

A MOSTRA DE CINEMA DO CERRADO é uma realização de Sílvio Aguiar com apoio da Fundação Araguarina de Educação e Cultura ( FAEC) e parceiros.

 A intenção é provocar o estudo e a reflexão sobre a memória e a produção audiovisual brasileira contemporânea; a hegemonia de uma cultura universal de massas, e suas relações com o mercado e o Estado.

Djin Sganzerla e André Guerreiro Lopes estão em Luz nas trevas

Diz o material da Mostra: “Enquanto sujeitos culturais, temos a responsabilidade de romper paradigmas de mercado, e de políticas públicas de cultura, combinar ações e interações com órgãos públicos gestores de cultura para atender às demandas crescentes dos municípios, com um nível cada vez mais elevado de participação e controle social, consolidar uma produção cultural diversificada em um país plural, democratizando o acesso aos bens culturais”.

Filme de João Batista de Andrade está na programação…

A Mostra de Cinema do Cerrado será também uma oportunidade para divulgar o trabalho de estudantes de Cinema e Comunicação Social, que desenvolvem suas ideias sem recursos financeiros.  As apresentações prometem ainda movimentar o cenário cultural araguarino com palestras e oficinas de renomados cineastas brasileiros como João Batista de Andrade, Carlos Ebert,  João Rocha, Marina Person, Leopoldo Nunes e Sara Rocha.

Helena Ignez e esta Aurora de Cinema: sintonia de muitos afetos…

Entre as muitas atividades, um workshop com a premiada atriz e cineasta HELENA IGNÊZ (a eterna ‘mulher do Bandido’ e ‘moça do Padre’), que leva para o cerrado mineiro um pouco de sua múltipla experiência em Teatro, TV, Cinema, Artes Plásticas, Dança, energias orientais, e tudo o mais que envolva sensibilização e movimentos libertários.

Soube que já há mais de 200 pessoas inscritas para esta oficina com Helena Ignez. Prova de que, em Araguari, há uma gente ávida por novos conhecimentos na seara da Arte. Que maravilha ! E este contato com pessoas jovens de todas as idades, interessadas em conhecer Arte e apreender Cultura, é tudo que Helena Ignez mais aprecia. Portanto, a presença desta Mulher singular do nosso CINEMA em Araguari será um momento único de especial encontro com uma grande cineasta e atriz que marcou uma época de suma importância para a Cultura Brasileira.

E na grade de filmes convidados, filmes emblemáticos e raridades:

A Miss e o Dinossauro, de Helena Ignez
Anabazys, de Paloma Rocha e Joel Pizzini
Canção de Baal, de Helena Ignez
Helena Zero, de Joel Pizzini
Luz nas Trevas, de Helena Ignez
O Bandido da Luz Vermelha, de Rogério Sganzerla
O País dos Tenentes, de João Batista de Andrade
O Tronco, de João Batista de Andrade
Profana, de João Rocha