Arquivo do dia: 22/07/2012

Reta final de inscrições à Mostra de Londrina

Abertas até dia 28 as inscrições à 14ª Edição da Mostra Londrina de Cinema. Todo filme poderá ser inscrito, capturado em qualquer suporte, contanto que possua no máximo 24 minutos e 59 segundos, incluindo os créditos. Os filmes candidatos tem de ter sido finalizados a partir de janeiro de 2011 e não podem ter sido exibidos em edições anteriores da Mostra.

Haverá 3 sessões competitivas de curtas: Nacional, Paranaense e Londrinense. Na Competitiva Nacional, os filmes irão disputar 7 Troféus Udihara: Melhor Filme (Júri Oficial), Melhor Filme (Júri Popular), Direção, Roteiro, Fotografia, Direção de Arte e Montagem.

Na Competitiva Paranaense os filmes irão disputar 5 Troféus Udihara: Melhor Filme (Júri Oficial), Melhor Filme (Júri Popular), Direção, Roteiro e Fotografia. Na Competitiva Londrinense, os filmes irão disputar 2 Troféus Udihara: Melhor Filme (Júri Oficial) e Melhor Filme (Júri Popular).

A Revista Taturana, publicação sobre cinema editada pela Kinoarte, também irá conceder um Troféu Udihara ao Filme entre todas as competições com o Melhor Projeto Gráfico. O Melhor Curta Paranaense irá receber Prêmio de Aquisição de R$ 10 mil da RPC(Rede Paranaense de Comuicação).

O festival é o mais antigo do Paraná e um dos que mais privilegiam a produção independente contemporânea. Há também espaço para filmes raros e clássicos não disponíveis no mercado de home vídeo. A edição deste ano vai acontecer de 7 a 13 de setembro.

A lista com os filmes selecionados será divulgada a 7 de agosto em http://www.mostralondrina.com.br/

Contatos: 43 3026 6932 | 43 9902 2669 | 43 9118 5475 | 41 9119 0601 | 11 8216 6644
email: mostralondrinadecinema@gmail.com

Inscrições de documentários para Globale Bogotá

El festival de video documental Globale Bogotá realizará su segunda versión en la Cinemateca Distrital del 19 al 24 de octubre. La convocatoria está abierta para aquellos trabajos audiovisuales que aborden tópicos tanto locales como globales desde una perspectiva crítica en uno de los tres temas fijados para este año.

1- Feminismo: Crítico y anti hegemónico

2- Territorio: Expropiación y extracción:

3- Procesos colectivos: Autogestión y autonomía:

FECHA CIERRE DE CONVOCATORIA
31 de Julio de 2012

INSCRIÇÃO e mais info em: http://globalebogota.wordpress.com/

Diálogos primorosos, suspense a todo vapor e show de ADRIANA ESTEVES

Vivendo a malvada Carminha, Atriz exacerba no direito de brilhar

Foi assim o capítulo de AVENIDA BRASIL deste sábado. João Emanuel Carneiro, o autor, e seus colaboradores – que turma supimpa ! – vem tecendo uma trama que mais parece uma rica renda de filé, produzida pelas soberbas rendeiras do Nordeste.

Desde o início, a história é forte, os ganchos se sucedem com extrema maestria – daí o autor ser chamado na Tv Globo de ‘Capitão Gancho’; cenário/figurinos/direção de arte são sublimes; direção/fotografia/edição são um espetáculo à parte; a narrativa tem picos de excelência constante através de diálogos extremamente bem construídos; e o elenco é soberbo.

Mas, neste sábado quase findo, é preciso fazer um registroespecial sobre a riqueza de textos da personagem Carminha. E ADRIANA ESTEVES, mais uma vez, roubou a cena, ratificando sua competêmncia exacerbada e a feliz escolha de seu nome para viver a personagem principal.


           A Carmem Lúcia, personagem de grande envergadura e cheia de labirintos emocionais, ou Carminha como é popularmente chamada, foi um prato cheio dado por João Emanuel Carneiro para uma grande Atriz. E nós, público telespectador, que costumávamos ver Adriana Esteves apenas em papéis cômicos, ou sofridos, ou sóbrios, ficamos positivamente surpresos com a revelação do estupendo TALENTO e Capacidade Interpretativa desta Atriz magistral que é Adriana Esteves. É de lavar a alma vê-la em cena, num papel em telenovela – gênero ainda tão menosprezado por parte da crítica e do público.

Que profundezas abissais tem  composição que Adriana deu à sua Carminha, que sutilezas sensórias consegue passar num arcabouço sensório admirável só capaz ao ator que faz do seu ofício um espaço sagrado para promover a reflexão, o encantamento, a adesão ou rejeição do público.


No caso específico de Avenida Brasil, a personagem Carminha é um ser humano abjeto, deplorável, horrendo. Mas é com tal maestria que Adriana Esteves vive essa mulher pútrida, entregando-se à sua criação com o mais profundo de sua alma e a verdade inteira de seu ser entregue a ujm persomnagem que lhe vai nas vísceras, quje é impossível não ficar completamente abismado ante tamanha dedicação ao ofício, tamanha competência, e tão vocacionada entrega ao ofício.

Se pouco falamos neste post em Débora Falabella é que desta Atriz, Magnífica em qualquer papel, nós muito já conhecemos e aplaudimos, seja no teatro, no cinema ou na telinha – nos três veículos, Débora Falabella tem sempre uma atuação esplendorosa. Não é diferente com a Rita/Nina que a atriz defende em Avenida Brasil – mas este talento exacerbado nós já conhecíamos.

Deborah Falabella em duelo de gigantes com Adriana Esteves…

Porém, o de ADRIANA ESTEVES não tinha as mesmas luzes. Embora a atriz tenha ganho em 98 quatro importantes prêmios por sua atuação como a provocante ‘Sandrinha” de Torre de Babel (Sílvio de Abreu), em geral sempre fez mais comédia e personagens sofridas; algumas vilãs não tiveram o mesmo impacto desta Carminha – além de malvada, tem rasgos de sagacidade que tornam a personagem jocosa e ‘malandra’, eainda não tive a chance de vê-la no teatro. No cinema, preciso revê-la, embora saiba que já fez algumas peças e esteve em 4 longas (estreou na telona em 95 no filme “As Meninas”, baseado no romance homônimo de Lygia Fagundes Telles).

Como Olímpia na comédia Trair e Coçar, filme baseado em famosa peça de Marcos Caruso…

Por esse pequeno histórico da atuação de Adriana, é que vê-la ‘roubando’ todas as cenas de AVENIDA BRASIL e sendo a grande motriz da trama principal, é que nos causa intensa e fervorosa alegria vê-la em cena, esta ATRIZ que um dia algum incauto disse que não era lá essas coisas…

No filme As Meninas (1995), de Emiliano Ribeiro, Adriana Esteves ao lado de Drica Moraes e Claudia Liz…

Ao lado de Murilo Benício, Adriana Esteves esbanja charme e competência em Avenida Brasil

 Esperamos que a reciclagem ‘tão famosa hoje em dia’ – como disse muito  bem a ‘genial Carminha’ hoje – já tenha chegado para este precipitado, desatento, desavisado, confuso, e/ou preconceituoso analista (?) de telenovelas.


Para Adriana Esteves e toda a equipe que faz AVENIDA BRASIL, o mais efusivo PARABÉNS deste AURORA DE CINEMA !