Arquivo do mês: setembro 2012

Inscrições ao Curta Canoa…

Abertas até o próximo dia 15 as inscrições à oitava edição do Curta Canoa, que será realizado de 27 de novembro a 1ª de dezembro na praia de Canoa Quebrada, Aracati, Ceará.

Realizadores de todo o país podem inscrever filmes e vídeos de documentário, ficção, animação ou experimental, com duração máxima de 20 minutos, concluídos a partir de julho de 2010, versando sobre qualquer tema.

Para inscrever-se, o interessado deve preencher e enviar a ficha de inscrição disponível no site: http://www.jalimaproducoes.com.br . A ficha preenchida deverá ser enviada via e-mail e o original deve ser impresso, assinado e remetido, em anexo, junto com o DVD da obra pelos Correios para:

Rua João Cordeiro, 2391 – A – Altos – Bairro Joaquim Távora – Fortaleza, Ceará CEP: 60.110-301. A inscrição é gratuita.

A seleção será feita por uma comissão integrada por três pessoas, nomeadas pela diretoria do festival. As obras selecionadas serão divulgadas a partir de 10 de novembro.

As categorias a serem agraciadas com o Troféu Lua e Estrela são asseguintes:

Filmes – Melhor Filme, Direção, Roteiro, Fotografia, Trilha Original, Direção de Arte, Melhor Ator, Atriz e Som. Na Categoria Vídeo, Melhor Vídeo, Direção, Roteiro, Fotografia, Trilha Original, Direção de Arte e Som.

Além das mostras competitivas de filmes e vídeos brasileiros de curta metragem, o Curta Canoa 2012 conta ainda com a Mostra Latino-Americana de Curta Metragem, de caráter não competitivo, composta por vídeos e filmes convidados pela direção do festival. A programação terá também oficinas e seminários, além de encontros com especialistas e personalidades do segmento audiovisual.

O VIII Curta Canoa é uma realização da J.A.Lima Produções, com apoio da Secretaria de Cultura do Estado do Ceará – Lei Estadual Nº 13.811, e Lei Federal de Incentivo à Cultura – Lei Rouanet.

SERVIÇO

Curta Canoa 2012 – Inscrições abertas até 15 de outubro

Regulamento e ficha de inscrição: www.jalimaproducoes.com.br .

Info: 85-3251.1105 / 85-9635.3880 / 85-3226.0751. E-mail: adrianolima@jalimaproducoes.com.br e curtacanoa@jalimaproducoes.com.br

Cinema Brasileiro em Revista…

Querido amigo Carlos Alberto Mattos, o editor, convida para o lançamento do novo número da revista do CTAV na programação do Festival do Rio …

Revista traz sempre bom conteúdo e discussões inteligentes sobre a Sétima Arte…

PANORÂMICARAXÁ 2: novas imagens do Araxá Cine Festival…

AURORA DE CINEMA na cobertura do Araxá Cine Festival

Festa no belo Salão Ouro Preto dá início à Semana de Cinema em Araxá…

Jui Huang, Germano Pereira, Berenice Lamônica: papo de cinema no Salão Ouro Preto…

Pedro Pinheiro, Coordenador das Mostras Paralelas, e a bela Patrícia Naves

CINEMANDO: Débora Torres, Alberto Araújo e Patrícia Naves…

Débora Torres, Walter Webb e Aurora Miranda Leão festejam Cinema em Araxá…

Rosamaria Murtinho ministra oficina sobre Interpretação…

Público participativo em todas as oficinas e workshops do Araxá Cine

Aurora de Cinema, Walter Webb e Rosamaria Murtinho: reencontro no Grande Hotel…

Rosamaria Murtinho entrega Troféu Araxá Terra do Sol ao cineasta Guilherme de Almeida Prado…

David Cardoso, super querido por onde passa, apresenta seu curta MARIA FUMAÇA, CHUVA E CINEMA…

Leonardo Cata Preta fala sobre animação O céu no andar de baixo

Alice Gonzaga atravessa Tapete Vermelho do Araxá Cine Festival

Alex Moletta chega para o lançamento de seu livro sobre vídeos digitais…

Alex Moletta autografa livro Criação de Curta-metragem em Vídeo Digital

Alice Gonzaga, baluarte do Cinema Brasileiro, vai ao palco receber Homenagem…

Cinema em Araxá: Edvaldo Cajazeiras, Débora Torres e Laura Pires…

A  Primeira Dama, Elba Barbosa Moreira, e amigas chegam ao Cine Teatro Tiradentes

Alex Moletta e Aurora Miranda Leão brindam sucesso do Araxá Cine Festival

Aurora Miranda Leão, responsável pela Assessoria de Imprensa, acompanha entrevistas e reportagens do Araxá Cine Festival

* Todas as fotos são de Alex Silva…

Primeira PANORÂMICARAXÁ: Imagens do Araxá Cine Festival …

AURORA DE CINEMA direto do Araxá Cine Festival

De 10 a 16 de setembro, a adorável cidade mineira de Araxá – terra da lendária Dona Beja e das festejadas Termas de Araxá – transformou-se na CAPITAL DO CINEMA BRASILEIRO…

Veja em algumas fotos um pouco do que aconteceu no Festival :

Tauá Grande Hotel & Termas: sede do I Araxá Cine Festival… foto AML

Entrada principal do Cine Teatro Tiradentes, onde ocorreram as principais exibições…

Casa cheia todas as noites para ver CINEMA BRASILEIRO

Música tornou as noites mais bonitas, recepcionando com harmonia os convidados e participantes do I Araxá Cine Festival

O ator e escritor Germano Pereira foi o apresentador oficial de toda noite…

Débora Torres, idealizadora e Coordenadora-Geral, faz a saudação inaugural…

Jeremias Moreira, Ricardo Pinto e Silva, e Mallu Moraes: integrantes do júri se apresentam…

Produtora Simone Magalhães e diretor Helvécio Ratton apresentam o documentário O Mineiro e o Queijo, filme que abriu o I Araxá Cine Festival

Ao lado da produtora executiva Débora Torres; da atriz Patrícia Naves; e de seu padrinho Timotheo, Alberto Araújo fala sobre Vazio Coração

No coquetel inaugural, Germano Pereira, Jui Huang, e equipe do filme Vazio Coração: Patrícia Naves, Débora Torres, Alberto Araújo e Murilo Rosa…

* Fotos de Alex Silva

Em coletiva, autoridades fazem balanço do 1º Araxá Cine Festival e anunciam filme sobre “Dona Beja”

Saldo do Festival idealizado pela cineasta e produtora Débora Torres é auspicioso e araxaenses estão empolgados

Coletiva de imprensa realizada ontem (26 de setembro) em Araxá reuniu autoridades e jornalistas no Museu Dona Beja: a cineasta Débora Torres; a secretária municipal de Desenvolvimento Econômico, Turismo e Parcerias, Alda Sandra Barbosa Marques; a diretora da Escola de Música Elias Porfírio de Azevedo e presidente da Fundação Cultural Calmon Barreto, Débora Arantes Afonso Francisco; e a diretora do Museu Dona Beja, Nádia Maria Pereira Feres. Na coletiva, foi  feito um balanço do 1º Araxá Cine Festival e anunciadas as novidades para a segunda edição, grifada para o próximo ano. Também foi anunciado o projeto cinematográfico a ser filmado em Araxá: “Beja”-o filme sobre a história real de Dona Beja.

Museu Dona Beja, onde aconteceu a Coletiva sobre o Araxá Cine Festival…

Sobre o 1º Araxá Cine Festival, a produtora executiva e idealizadora do festival, Débora Torres disse que todos os objetivos foram alcançados: “Realizamos o festival este ano no segundo semestre para que pudéssemos implantá-lo. Sabíamos das dificuldades, quanto à captação do valor total. Mas precisávamos implantar o festival, a fim de que tivéssemos um produto concreto para buscarmos patrocínios e um apoio maior para o próximo ano. Conseguimos realizá-lo com louvor”, declarou a cineasta.

Oficinas e workshops do Araxá Cine Festival estiveram sempre lotadas…

O Araxá Cine Festival reuniu em todas as suas diversas atividades cerca de oito mil pessoas, e Débora Torres fez questão de destacar a participação da população nas oficinas e workshops: “Todas as pessoas que aqui estiveram ficaram encantadas. Os artistas também adoraram participar e conhecer Araxá. Alguns já conheciam a cidade e o Grande Hotel e adoraram rever tudo de novo.  Adoraram participar do festival, amaram a cidade…o teatro novo. O festival causou um forte impacto nacional, revertendo numa imagem muito positiva para Araxá”, disse a cineasta, concluindo: “Implantamos e agora entramos no calendário dos festivais brasileiros de cinema. O objetivo do Festival é fomentar o turismo na cidade. O I ARAXÁ CINE FESTIVAL  nasceu como um evento de prestígio nacional e bastante respeitado”.

Débora Torres, Alda Sandra e Débora Arantes: resultado do Festival superou as expectativas…

A secretária municipal de Desenvolvimento Econômico, Turismo e Parcerias, Alda Sandra Barbosa Marques, disse estar realizada com o 1º Araxá Cine Festival: “O festival foi muito satisfatório. A gente viu o retorno das pessoas, a satisfação dos artistas e cineastas que estiveram em Araxá. Isso tudo é muito gratificante… Como conseguimos realizar o primeiro, fica mais fácil realizar os próximos. Porque agora é realidade, antes era só uma idéia, um projeto. Realizamos bem dentro do que tínhamos e a visibilidade dada à Araxá foi grandiosa.”

A diretora da Escola de Música Elias Porfírio de Azevedo e presidente da Fundação Cultural Calmon Barreto, Débora Arantes Afonso Francisco, também destacou pontos positivos: “As expectativas foram superadas em todas as áreas. Encerrar o Festival no Teatro Municipal foi maravilhoso, grandioso. A participação dos grupos musicais enriqueceu muito o festival, todos os alunos e professores ficaram muito motivados. O festival é mais uma iniciativa na área cultural importantíssima para a cidade. Temos de avançar em todas as áreas e essa é uma área inovadora para Araxá. Foi gratificante detectar a quantidade de artistas que nós temos”.

Débora Torres, Helvécio Ratton e Odair Fialho na bela noite de abertura do Araxá Cine Festival…

A segunda edição do Festival está prevista para o início de junho, no intuito de distanciá-lo das datas de outros grandes festivais e aproveitar a agenda dos cineastas e artistas. O 2º Araxá Cine Festival terá mais dias de programação e será realizado totalmente no Teatro Municipal de Araxá, com projeção digital e não mais em 35mm, como na edição de estreia. A programação continuará com  reexibições de filmes nas praças, o “Festivalzinho” para as crianças, workshops e oficinas, objetivando capacitar tecnicamente os profissionais locais e leigos interessados no fazer cinematográfico, além das mostras competitivas de curtas-metragens araxaenses, mineiros e longas-metragens nacionais.

As apresentações musicais deram um tom todo especial ao Araxá Cine…

Dentre as novidades elencadas para a segunda edição do Araxá Cine Festival, estão mostras paralelas com grandes cineastas brasileiros como Zózimo Bulbul, dono da Afro Carioca de Cinema,  e João Batista de Andrade com a Mostra Ciclo da ditadura militar X Abertura democrática, além de uma mostra de filmes internacionais dos países de Língua Portuguesa com curadoria do Embaixador Lauro Moreira, que também fará apresentações musicais com o grupo Solo Brasil.  A pedido de vários cineastas regionais interessados em participar do festival, foi criada uma mostra competitiva de filmes da região. Além disso, haverá a premiação de júri popular para todas as categorias.

 “BEJA-o filme”

Na coletiva de imprensa, também foi anunciado o novo projeto cinematográfico da cineasta Débora Torres: o filme “Beja”, com roteiro e direção assinados por ela.  A produção contará a história de uma das mais ilustres figuras da cidade: Dona Beja, papel que caberá a atriz Thaís Pacholek, conhecida por sua participação no Programa Sílvio Santos” (Jogo dos Pontinhos) e novelas como “Amor e Revolução” (SBT), “Vende-se um véu de noiva” (SBT), “Amigas e Rivais” (SBT), e, mais recentemente, em “Balacobaco” (TV Record), além de contar com a participação de grande elenco global, num total de 52 atores conhecidos nacionalmente.

A bela Thaís Pacholek será Dona Beja no cinema…

O roteiro será desenvolvido pela cineasta junto com a jornalista, produtora, pesquisadora, escritora e roteirista Lúcia Abreu, que tem mais de 25 trabalhos na Rede Globo e foi a pesquisadora de texto da autora Glória Perez durante seis anos. O roteiro de “Dona Beja” será realizado seguindo pesquisas históricas, tendo como pano de fundo o cenário político, social e econômico da época e contará também com a colaboração de diversos especialistas e historiadores nacionais e araxaenses, como a escritora Neli Alves de Ávila, autora do livro “Segredos de Beja” e da radionovela “Dona Beja”, e a escritora Lourdes Zema, do livro “As águas de Araxá”, e que também vai lançar um livro sobre Dona Beja, até o final do ano. Para quem não se lembra, Lourdes Zema foi consultora da novela Dona Beja, exibida na extinta TV Manchete.

É Débora Torres quem conta: “Desde que estive em Araxá pela primeira vez, senti vontade de fazer um filme sobre a história de Dona Beja, uma biografia mesmo. Uma ficção baseada em fatos reais. Acho que devemos isto à Dona Beja, porque muitos acontecimentos em sua vida foram deturpados ou viraram lenda. A partir do momento em que conseguimos rodar “Vazio Coração” e implantamos o Araxá Cine Festival, eu e a secretária Alda Sandra começamos a falar a respeito de eu dirigir um filme sobre Dona Beja. Vou escrever o roteiro em parceria com a Lúcia Abreu, da TV Globo. Teremos alguns colaboradores no roteiro, como a Lourdes Zema e Néli Ávila, de Araxá”.

Débora Torres: depois do filme Vazio Coração e do Araxá Cine Festival, aguerrida produtora e cineasta parte para filme sobre Dona Beja

Sobre o contexto do filme, Débora Torres adianta: “Queremos retratar a Dona Beja em um contexto histórico. Como é um épico, o roteiro será desenvolvido em cima de pesquisas históricas e de obras literárias que retratem o panorama político mineiro no século XIX. O filme enfocará uma nova visão sobre Beja, não apenas àquela da bela cortesã, mas da mulher forte, corajosa e ousada, engajada politicamente, que influenciou a política mineira”.

Thaís Pacholek: atriz vai emprestar beleza para interpretar a lendária Dona Beja…

Segundo Débora, a fase atual do projeto é de pesquisa profunda e detalhada, que ditará os caminhos do roteiro (que deve estar pronto até o final do ano) e posteriormente a captação dos recursos, paralela à escolha das locações e seleção de todo o elenco. A cineasta pretende contar com nomes como Lima Duarte, Tuca Andrada, Zezé Motta, Nelson Xavier, Angelo Antônio, Luigi Baricelli, entre outros: “Para mim, o importante neste trabalho é mostrar  o olhar feminino sobre a história de Dona Beja. Não me interessa explorar apenas a sensualidade do personagem ou o seu poder de sedução, mas principalmente retratar a mulher corajosa e determinada, que inspirava e influenciava a sociedade da época”, destaca a cineasta. Que tem em seu curriculum curtas metragens premiados e longas documentários.

Na coletiva desta semana em Araxá: cinema une mulheres poderosas que querem evidenciar história e belezas do município mineiro…

No encontro, a escritora Neli Alves de Ávila também fez uma breve explanação sobre a história de Dona Beja, destacando a importância do projeto para a cidade: “Quero agradecer a oportunidade de falar de Beja. Isso não é comum em Araxá, infelizmente. Pela importância e pela grandiosidade do nome de Beja em Araxá, no Brasil e no mundo; ela é muito pouco valorizada em Araxá. Em 2003, escrevi a radionovela “Dona Beja” e fazia 20 anos que ninguém escrevia uma obra sobre Beja. A história de Beja não é somente a história de Beja, é a história dos índios Arachás, de Minas Gerais… A Beja é a mulher de hoje em dia, extremamente sedutora, extremamente inteligente, tanto no meio político, quanto no meio social. A história de Beja é um legado e deve ser contada sim”, destacou a escritora.

Já a diretora do Museu Dona Beja, Nádia Maria Pereira Feres, finalizou o encontro destacando: “Essa é uma oportunidade única e especial de colocarmos o nome de Beja para fora, para o mundo. É importantíssimo para alavancar o turismo e divulgar a história de Araxá. Temos uma população que gosta de história, ama a cultura e agora chegou a hora de abraçarmos este projeto. Queremos preservar a cultura araxaense”.

O Grande Hotel de Araxá e os mistérios de ‘Dona Beja’: matérias de Cinema…

“Estamos indo numa curva ascendente. Começamos com o filme “Vazio Coração”, depois o festival de cinema e agora o filme “Beja”. Os cineastas araxaenses estão bastante motivados com a criação de um polo de produção na cidade. No filme BEJA, aproveitaremos muito a mão de obra local com grandes participações no elenco de apoio e figuração. Nomes como Odair Fialho, Pedro Elói, Orquestra de Violeiros de Araxá, Paulinho Tôrres e Gabi Luthay já tem participação confirmada no longa-metragem”, disse Débora Torres.

A previsão de início das filmagens de “Beja” é o segundo semestre de 2013.

Novo filme de Philippe Barcinski abre Première Brasil do Festival do Rio

Festival começa sexta e ENTRE VALES vai concorrer ao Troféu Redentor

Ângelo Antônio é o protagonista em filme com participação especial do uruguaio Daniel Hendler.  

Entre Vales é uma coprodução do Brasil, Uruguai e Alemanha e foi rodado em Paulínia e cooperativas de reciclagem e aterros sanitários de S. Paulo e Rio de Janeiro.  

Entre Vales narra a história de Vicente, um economista pai de Caio e marido de Marina, uma dedicada dentista. Ele tem uma vida comum em casa e no trabalho até que uma perda seguida de outra o levam a uma jornada de desapego. Uma história que aborda a fragilidade do homem e sua capacidade de se recriar. 

Ângelo Antônio, Melissa Vettore, Inês Peixoto, Daniel Hendler e Matheus Restiffe formam o elenco do longa, que tem fotografia de Walter Carvalho e estréia prevista para abril de 2013. 

Ambientado em lixões, aterros sanitários e cooperativas de reciclagem, e amparado em extensa pesquisa, Entre Vales percorre o complexo universo do lixo e das perdas, algumas das principais preocupações da contemporaneidade e apresenta, através de uma história envolvente, atual e necessária, uma metáfora do lixo e da reciclagem, numa abordagem artística a partir de camadas humanas, (des)cobrindo as emoções enterradas e escondidas na vida das grandes metrópoles urbanas. 

Melissa Vettore integra o elenco do aguardado ‘Entre Vales’…

Entre Vales é produzido pela Polo de Imagem, Aurora Filmes e Degrau Filmes, com patrocínio do Santander, Sabesp, Petra Energia, Fundo Setorial do Audiovisual / ANCINE, Polo Cinematográfico de Paulínia, Secretaria de Cultura da Cidade de S.Paulo (Fomento) e da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo (Fomento ao Cinema Paulista). O longa-metragem conta ainda com parceiros internacionais: Programa Ibermedia, Hubert Bals Fund (Holanda) e Film und Medien Stiftung NRW.
Philippe Barcinski

Philippe Barcinski recebeu mais de 60 prêmios por seus trabalhos com os curtas A EscadaPalíndromo e A Janela Aberta e com o longa-metragem Não Por Acaso, que tem Rodrigo Santoro e Leonardo Medeiros no elenco. Participou dos principais festivais internacionais, como Cannes, Berlim e Rotterdam, e teve seus trabalhos exibidos em TVs como Sundance Channel, Channel Four e Chanel Plus. Dirigiu ainda programas e séries para TV Globo, MTV, TV Cultura e ARTE.  www.barcinski.com.br 

Ângelo Antônio

Ângelo Antônio é o protagonista de Entre Vales. Nascido em Curvelo, Minas Gerais, o ator estudou no CPT (Centro de Pesquisa Teatral), coordenado pelo diretor Antunes Filho, e formou-se na Escola de Arte Dramática da Universidade de São Paulo – EAD/USP. Seu primeiro trabalho no teatro foi na peça Aurora da minha vida, de Naum Alves de Souza. Na televisão estreou na novela Pantanal e fez ainda, entre outros trabalhos, O dono do mundoSuave veneno e Alma gêmea. Sua estreia no cinema foi em Sombras de julho (1996), de Marco Altberg. Em sua filmografia constam Bella Donna (1997), de Fabio Barreto; No Coração dos Deuses, de Geraldo Moraes; O Tronco, de João Batista de Andrade; Dois Filhos de Francisco (2005) e À Beira do Caminho(2011), ambos de Breno SilveiraChico Xavier (2010), de Daniel Filho e Amor? (2011), de João Jardim, entre outros títulos. 

Inês Peixoto também está no novo longa de Barcinski…

Ficha Técnica

Brasil/Uruguai/Alemanha, 2012, 80 min, cor. 

Direção: Philippe Barcinski

Roteiro: Fabiana Werneck Barcinski e Philippe Barcinski    
Empresas produtoras: Polo de Imagem, Aurora Filmes e Degrau Filmes

Empresas coprodutoras: Cordón Films (Uruguai) e Augenschein Filmproduktion (Alemanha)

Produção: Malu Viana Batista, André Montenegro, Rui Pires e Philippe Barcinski

Produção Executiva: André Montenegro e Malu Viana Batista

Coprodutores: Micaela Solé (Uruguai), Luciana Dolabella (Alemanha), Jonas Katzenstein (Alemanha), Maximilian Leo (Alemanha) e Ângelo Antônio.

Fotografia: Walter Carvalho, abc

Direção de Arte: Marcos Pedroso 

Montagem: Leopoldo Joe Nakata

Distribuição: Imovision

Febre do Rato, Meia Noite, La Mirada Perdida e A Fábrica vencem Curta-SE

Atriz Letícia Spiller foi a grande atração do festival sergipano…

Encerrada na noite de sábado a 12a edição do Festival Iberoamericano de Cinema de Sergipe (Curta-SE).

O Teatro Atheneu foi o palco da solenidade pilotada pelo ator sergipano Flávio Bauraqui, sendo que a revelação dos vencedores e entrega dos troféus foi antecedida pela peça A Farsa dos Opostos, apresentada pelo Grupo Imbuaça, que entra em seus 35 anos de atuação.

Dentre os longas-metragens, o pernambucano Febre do Rato, de Cláudio Assis, saiu-se como o grande vencedor da noite, levando os prêmios de Melhor Longa-Metragem pelo Júri Oficial e pelo Júri Popular, Melhor Atriz pelo Júri Oficial (Mariana Nunes) e Melhor Fotografia (Walter Carvalho).

Os demais concorrentes em longa, ganharam um troféu do Júri Oficial cada. ‘Girimunho’, de Clarissa Campolina e Helvécio Marins levou o troféu de Melhor Direção; ‘Eu Receberia As Piores Notícias dos seus Lindos Lábios’ ficou com o Melhor Ator (Gustavo Machado); enquanto que ‘Paraíso Aqui Vou Eu’, de Cavi Borges e Walter Daguerre, ganhou Menção Honrosa pela incrível trilha sonora de Plínio Profeta.

Curtas 35 mm

Entre os curtas ibero-americanos, rodados em 35mm, destacou-se a performance ‘Casa Afogada’, de Gilson Vargas (RS); ‘Barbeiros’, de Luiz Ferraz e Guilherme Aguillar (SP); e ‘Três Vezes por Semana’, de Cris Reque. Todos levaram dois troféus. O filme de Gilson Vargas ganhou os prêmios de Melhor Curta-Metragem, Melhor Curta-Metragem de Ficção. Já ‘Barbeiros’, levou Melhor Curta-Metragem Documentário e Melhor Direção; enquanto ‘Três Vezes por Semana’ foi premiado com Melhor Atriz (Irene Brietzke) e Menção Honrosa 35mm.

Diretor Luiz Ferraz, de Sampa, levou vários troféus pelo seu ‘Barbeiros’…

Os outros vencedores receberam um prêmio do Júri Oficial. O espanhol ‘Zeinek Gehiago Iraun’, de Gregorio Muro, levou como Melhor Curta-Metragem de Animação; o baiano ‘Premonição’, de Pedro Abib, ficou com Melhor Curta de Temática Nordestina; o fluminense ‘Uma, Duas Semanas’,  de Fernanda Teixeira, foi agraciado com Melhor Ator (Silvio Matos); e o paulista ‘Funeral À Cigana’ , de Fernando Honesko, ganhou Menção Especial.

O primeiro prêmio de Melhor Fotografia em 35mm  pelo Júri Oficial do Curta-SE foi para Quando Morremos À Noite , do pernambucano Eduardo Morotó. Já a escolha do público premiou o paulista ‘Café Turco’, do ator Thiago Luciano, como Melhor Curta-Metragem 35mm pelo Júri Popular.

Iberoamericanos

Entre os vídeos iberoamericanos, o paulista Realejo, de Marcus Vinícius Vasconcelos, ganhou os prêmios de Melhor Vídeo Animação pelo Júri Oficial e Melhor Vídeo Iberoamericano pelo Júri Popular.

O argentino La Mirada Perdida, de Damián Dionísio, levou o troféu de Melhor Vídeo Ibero-americano pelo Júri Oficial. O ótimo O Brasil de Pero Vaz de Caminha, de Bruno Laet, ganhou Melhor Documentário, e o paranaense A Fábrica, de Aly Muritiba, ganhou Melhor Ficção, todos pelo Júri Oficial.

Os jurados também concederam duas menções honrosas aos vídeos iberoamericanos. Uma delas foi para o sergipano Meia Noite, de Samuel Blá, por atestar a evolução da qualidade da produção audiovisual sergipana, sendo bem realizado e de fácil comunicação com o público. Já o paulista A Noite dos Palhaços Mudos, de Juliano Luccas, foi premiado pela soma de diversos elementos que compõem a narrativa cinematográfica com notória qualidade, tais como: fotografia, direção de arte, atuação e efeitos.

Letícia Spiller, em cena de Tudo que Deus criou, mobilizou as atenções nas últimas noites do Curta-SE…

Sergipanos, videoclipes e vídeos de bolso

O júri oficial também premiou Meia Noite como Melhor Vídeo Sergipano. Já Derredor, de André Aragão, foi agraciado como 2º Melhor Vídeo Sergipano e foi eleito Melhor Curta Sergipano pelo Júri Popular. Rezou A Família e Foi Ao Cinema, feito pelos alunos do Núcleo de Produção Digital Orlando Vieira (NPDOV) ficou com o 3º lugar.

Entre os videoclipes, O Deus Que Devasta mas Também Cura, do baiano Lucas Santtana, dirigido por Daniel Lisboa e Matheus Viana, levou troféu do Júri Oficial como Melhor Videoclipe, enquanto Tá Certo, da banda sergipana Ode Ao Canalha, dirigido pelos alunos do NPDOV, foi o favorito do público. Já o sergipano Ao Seu Lado, de André Aragão, foi eleito pelos internautas como Melhor Vídeo de Bolso.

As irmãs Rosângela e Deyse Rocha celebram mais uma edição e agradecem público e patrocinadores…

Terminada a entrega de prêmios, as diretoras executivas do festival, Rosângela e Deyse Rocha, subiram ao palco e agradeceram ao público, convidados e patrocinadores, homenageando a equipe do Curta-SE “que deu o sangue pelo sucesso do Festival”.

A noite de encerramento do Curta-SE 12  foi fechada com noite de muita música e festa no Oceanário de Aracaju, com apresentações musicais da cantora Lena Oliver, do DJ Alemão, e da conhecida banda NaurÊa.

Mesmo sem estar concorrendo, Letícia Spiller foi a grande atração do Curta-SE 12 e conquistou a todos com beleza, elegância e simpatia…

* DETALHE: quem chegou à festa do Oceanário desde as primeiras horas e fez bonito conversando com quem lhe procurava, distribuindo sorrisos, posando para fotos e dançando pra valer ao som da NaurÊa foi a atriz Letícia Spiller, que estava no Curta-SE por conta de sua participação em dois filmes: o curta “Joãozinho de Carne e  Osso” , do ator Paulo Vespúcio; e o longa Tudo que Deus Criou, do cineasta André da Costa Pinto, de Campina Grande, que será lançado em 2013, no qual ela faz com enorme brilhantismo uma cega, sem nenhum glamour…

Paulo Vespúcio, Letícia Spiller e André da Costa Pinto: Tudo que Deus criou

As comissões julgadoras foram compostas pelo jornalista Amilton Pinheiro, as produtoras Carla Osório e Luciana Druzina, Solange Lima, Geraldo Moraes, Itamar Borges, Clarissa Kuschnir, Aurora Miranda Leão, Marcela Lommas, Rafael Cusato, Carla Francine, Cavi Borges, e Isabelle Cabral.

O Curta+SE 12, incentivado pela Lei de Incentivo à Cultura, aconteceu de 17 a 22 de setembro, com patrocínio Petrobras, co-patrocínio Banese, apoio cultural do Banco do Nordeste, Cinemark e Governo do Estado, e apoios da Cia Rio, Canal Brasil, Shopping Jardins, Cinerama Brasilis, Megacolor, Sebrae/SE, APBITV, Pipa Distribuidora, Nova Digital, Tv Sergipe, Estúdios Mega, CBC, FICC, CNC, Revista Preview, Raça Brasil, Canne, Emsetur, Infonet, Fórum dos Festivais, Ativa Impressão Digital, Porta Curtas, Maria Cheirosa, Líder Lab, Curso Mater Day, Restaurante Moinho, Churrascaria Sal e Brasa, Habib’s Aracaju, Projeto Tamar, Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Secretaria de Estado da Cultura, Pontão Digital Avenida Brasil, Ponto de Cultura Figuras em Trânsito, Atração Gravadora, Prefeituras (Aracaju, Estância, Laranjeiras e São Cristóvão), Segrase, SESC SE, Mix /SE e Fest’A Film. O festival é uma realização da Casa Curta-SE e Secretaria do Audiovisual/Ministério da Cultura/Governo Federal.

Aurora Miranda Leão e Letícia Spiller: louras de Cinema curtindo Aracaju…

Vídeo de bolso Ao seu lado- Dir. André Aragão- SE Melhor Vídeo de Bolso, Júri popular -Troféu Ver ou Não Ver

Videoclipe

Melhor Videoclipe, Júri Oficial

O Deus que Devasta mas também cura– Lucas Santtana – Dir. Daniel Lisboa e Matheus Viana- BA -Troféu Ver ou Não Ver

Melhor Videoclipe, Júri popular

Tá certo- Banda Ode ao Canalha- Dir. Núcleo de Produções Digitais Orlando Vieira -Troféu Ver ou Não Ver

Itamar Borges, Aurora de Cinema e Amilton Pinheiro no Oceanário…

Curta 35mm iberoamericano

Melhor curta-metragem em 35mm, Júri oficial

Casa Afogada- Dir. Gilson Vargas- RS -Prêmio Nova Digital (três minutos de trilha sonora original); -Troféu Ver ou Não Ver

Melhor curta-metragem documentário em 35mm, Júri oficial

Barbeiros-Dir. Luiz Ferraz- SP -Prêmio Nova Digital (três minutos de trilha musical original) -Troféu Ver ou Não Ver

Melhor curta-metragem de ficção em 35mm, Júri oficial

Casa Afogada- Dir.Gilson Vargas- RS -Prêmio CiaRio no valor de R$ 5.000 em serviços (locação de equipamentos de iluminação, acessórios e maquinaria); – Troféu Ver ou Não Ver

Melhor curta-metragem de animação em 35mm, Júri oficial

Zeinek Gehiago Iraun- Dir. Gregorio Muro- Espanha -Prêmio Cinecolor – 01 diária de correção de cor de um curta – metragem de até 15 minutos para Projeto captado digital, sonorização e print master. – Prêmio Nova Digital  (três minutos de trilha musical original) – Troféu Ver ou Não Ver

Melhor curta-metragem em 35mm com temática nordestina, Júri oficial

Premonição- Dir. Pedro Abib- BA Troféu BNB e Troféu Ver ou Não Ver

Melhor Ator, Júri oficial

Silvio Matos- Uma, duas semanas- Dir. Fernanda Teixeira -RJ Troféu Ver ou Não Ver

Melhor Atriz: Irene Brietzke por Três vezes por semana– Dir. Cris Reque (RS) Troféu Ver ou Não Ver

Melhor Direção: Luiz Ferraz e Guilherme Aguilar por Barbeiros (SP) – Troféu Ver ou Não Ver

Flávio Bauraqui, apresentador, com realizadores sergipanos JP, Isaac Dourado e André Aragão…

Melhor curta-metragem 35mm, Júri popular

Café Turco, de Thiago Luciano (SP): Prêmio Nova Digital  (três minutos de trilha musical original) Troféu Ver ou Não Ver

Menção Honrosa 35mm: Três vezes por semana, de Cris Reque (RS) – Troféu Ver ou Não Ver

Menção Especial 35mm: Funeral à Cigana, de Fernando Honesko (SP) – Troféu Ver ou Não Ver

Melhor Fotografia 35mm: Marcelo Martins Santiago por Quando morremos à noite, de Eduardo Morotó (PE) – Troféu Ver ou Não Ver

Carla Osório, Aurora Miranda Leão, Carla Francine e Luciana Druzina: juradas…

Longa-metragem

O poético Febre do Rato, de Cláudio Assis (Matheus Nachtergaele e Irandhir Santos em ótimas performances)  foi o grande vencedor na categoria longa-metragem…

Melhor longa, Júri oficial

Febre do Rato, de Cláudio Assis (PE): Prêmio Nova Digital  (cinco minutos de trilha musical original) Troféu BNB e Troféu Ver ou Não Ver

Melhor Ator: Gustavo Machado por Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios – Troféu Ver ou Não Ver

Melhor Atriz: Mariana Nunes por Febre do Rato – Troféu Ver ou Não Ver

Melhor Direção: Clarissa Campolina e Helvécio Martins por Girimunho

Melhor longa, Júri popular: Febre do Rato -Prêmio Nova Digital  (cinco minutos de trilha musical original) Troféu Ver ou Não Ver

Melhor Fotografia: Walter Carvalho por Febre do Rato – Troféu Ver ou não Ver

Menção Honrosa longa, Júri oficial: Plínio Profeta- Trilha sonora de Paraíso aqui vou eu, de Cavi Borges e Walter Daguerre (RJ), Troféu Ver ou Não Ver

Vídeo Sergipano

Melhor curta-metragem Sergipano – 1º lugar, Júri oficial

Meia-noite- Dir. Samuel Blá Prêmio CiaRio no valor de R$ 5.000,00 em serviços (locação de equipamentos de iluminação, acessórios e maquinaria), Prêmio Estúdios Mega no valor de R$ 13.850,00 em serviços (finalização de Imagem de curta-metragem digital captado em resolução HD à 24 FPS com duração de até  20 minutos) Troféu Ver ou Não Ver

Melhor curta-metragem sergipano – 2º lugar, Júri oficial

Derredor- Dir. André Aragão -Prêmio Nova Digital  (três minutos de trilha musical original) Troféu Ver ou Não Ver

Melhor curta-metragem sergipano – 3º lugar, Júri oficial

Rezou à família e foi ao cinema- Dir. Núcleo de Produções digitais Orlando Vieira Troféu Ver ou Não Ver

Melhor curta-metragem sergipano, Júri Popular

Derredor- Dir. André Aragão -Prêmio Nova Digital  (três minutos de trilha musical original) -Prêmio Cinecolor – 01 diária de correção de cor de um curta – metragem de até 15 minutos para Projeto captado digital, sonorização e print master. -Troféu Ver ou Não Ver

Vídeo iberoamericano

La Mirada Perdida : impactante filme argentino vence mais um festival…

Melhor Vídeo Iberoamericano, Júri oficial

La mirada perdida– Dir.Damián Dionisio, Argentina: Prêmio Nova Digital (três minutos de trilha musical original) -Troféu Ver ou Não Ver

Melhor Vídeo documentário, Júri oficial

O Brasil de Pero Vaz de Caminha– Dir.Bruno Laet- RJ -Troféu Ver ou Não Ver

Melhor Vídeo ficção, Júri oficial

A fábrica– Dir. Aly Muritiba- PR -Troféu Ver ou Não Ver

Melhor Vídeo animação, Júri oficial

Realejo– Dir.Marcus Vinicius Vasconcelos- SP -Troféu Ver ou Não Ver

Melhor Vídeo Iberoamericano, Júri Popular

Realejo- Dir. Marcus Vinícius Vasconcelos- SP -Prêmio Nova Digital  (três minutos de trilha musical original) e -Troféu Ver ou Não Ver

Menção honrosa Vídeo Iberoamericano, Júri oficial

Meia noite, direção Samuel Blá (SE) -Troféu Ver ou Não Ver

Justificativa:Um filme que atesta a evolução da qualidade da produção audiovisual sergipana, sendo bem realizado e de fácil comunicação com o público.

Menção honrosa Vídeo Iberoamericano, Júri oficial

A noite dos palhaços mudos – Dir.Juliano Luccas- SP -Troféu Ver ou Não Ver Justificativa: Pela soma de diversos elementos que compõem a narrativa cinematográfica com notória qualidade, tais como: direção de arte, fotografia, atuação e efeitos.

Ecos de Araxá: a beleza das criações Annarrá

AURORA DE CINEMA direto do Araxá Cine Festival

Aurora Miranda Leão, Walter Webb e Rosamaria Murtinho, usando colar criado pela Annarrá…

Os dias de sol, calor, cinema e bons papos no encantador município mineiro de Araxá, ainda ecoam na memória e, por certo, hão de ficar pra sempre no coração.

Colírio ! …. Preciosidades Annarrá

E dentre tantas coisas encantadoras vistas ali, vale registrar a visita à bela loja Annarrá, na avenida principal do centro de Araxá, onde fomos eu e a atriz Rosamaria Murtinho, levadas por Célia Pio (da produção do I Araxá Cine Festival).

Vale salientar: eu e Rosamaria ficamos absolutamente surpresas com a beleza das criações da Annarrá, loja especializada em finas bijuterias, criadas pelas próprias filhas da dona – Anna e Raphaela Aguiar -, a simpática Gláucia, que nos mostrou com satisfação e um belo sorriso as muitas peças de fino bom gosto ali expostas.

Rosamaria Murtinho recebida por Gláucia, mãe das artistas da Annarrá

Sem dúvida, visitar à Annarrá faz bem aos olhos. São lindas, exóticas, e quase exclusivas as peças ali criadas por duas araxaenses que, aos poucos, começam a despertar a atenção de pessoas de gosto refinado, em todo o país.

Além das criações artesanais, a Annarrá também oferece peças de vestuário elegantes e criativas, estilo jovem e super contemporâneo.

Criações ANNARRÁ: pense numa soberba tentação…

O Aurora de Cinema esteve lá, conferiu, comprou e recomenda: se você é de Minas ou for passar por Araxá, ou por alguma cidade ali perto, não deixe de visitar a Annarrá ! Você também vai ficar maravilhada com tanta beleza em forma de artesania, acessórios finos, e semi joias trabalhadas com delicadeza e criatividade.

Rosamaria Murtinho escolhe peças entre as belas criações Annarrá…

Aurora Miranda Leão veste blusa da Annarrá em noite de Araxá Cine Festival

Detalhe: a ANNARRÁ envia para todo o Brasil. É só entrar em contato:
annarraacessorios@gmail.com ou (34)3662.3707.

Letícia Spiller mobiliza todas as atenções do Curta-SE

Atriz participa do festival de cinema em Aracaju e tem atuação elogiada em filme do cineasta André da Costa Pinto, de Campina Grande

Que ela é linda, doce, afetuosa, e boa atriz, sabemos todos ainda que por vê-la apenas pela TV, Teatro e Cinema. Mas Letícia Spiller, ao vivo e a cores, é muito mais do que nos passa a telinha.

A atriz carioca, loura e de lindos olhos verdes, versátil e muito dedicada ao ofício, surpreendeu a todos nesta sua breve passagem por Aracaju, onde não vinha há 10 anos – a última vez veio com uma peça de teatro.

Com o filho Pedro, Letícia Spiller ao lado dos produtores Deyse Rocha e Adriano Lírio…

E o que Letícia foi assediada ontem na capital sergipana, sobretudo no Shopping Jardins – que abriga o Multiplex CINEMARK, onde acontecem as exibições da 12a edição do Curta-SE -, não estava no script, por mais que se saiba o quanto a atriz é querida e admirada em todo o país.

Tive a grata satisfação de acompanhar, de longe, observando detalhes, o quanto a presença de Letícia Spiller mexeu com os participantes do Festival que acontece em Aracaju, e o quanto o seu carisma, beleza e tocante simpatia contagiaram as pessoas que circulavam pelo shopping, e também os muitos funcionários do lugar, que paravam a todo instante para reverenciar a atriz, pedir fotos, autógrafos, ou simplesmente cumprimentá-la.

Sempre com um sorriso no olhar e muito afetuosa com todos, Letícia não se fez de rogada e recebeu a todos com um belo sorriso em seu rosto angelical e uma simpatia de causar ‘inveja’.

Difícil apontar atriz com a projeção de Letícia Spiller e encontrá-la tão solícita, dedicada à divulgação de um novo trabalho, e recebendo com benfazeja delicadeza aos gestos de carinho do público.

Tive a alegria de ouvir várias pessoas elogiarem com gosto este filme ‘Tudo que Deus criou’, do ousado cineasta André da Costa Pinto, e, sobretudo, de ressaltarem o quanto ficaram fortemente impressionadas com a atuação de Letícia.

De fato, Letícia Spiller vive uma cega, engraçada e sofrida, no longa de estreia de André da Costa Pinto. O personagem é totalmente desprovido de glamour e reverte-se num desafio para qualquer atriz. Se essa atriz é bonita por natureza, e assim fomos acostumados a vê-la em tantos trabalhos, o desafio torna-se ainda maior. E fico feliz em verouvir diversos elogios à Letícia, vindos dos mais diferentes perfis de público, sobretudo por saber o quão grande, intenso e profundo é o preconceito com os bonitos, as louras, os que atuam na TV Globo – como se a versatilidade, a competência, e o talento de alguém pudesse ser medido pelo tipo de vínculo empregatício que tem.

Benza Deus ! LETÍCIA SPILLER está tão bem no filme ‘Tudo que Deus criou’ que talvez seja ela a atriz que mais chama a atenção porque a sua personagem escapa a qualquer paradigma anterior em sua carreira, e porque sua interpretação extrapola os padrões do esperado.

Letícia Spiller: surpreendente atuação em Tudo que Deus criou

Simplesmente, LETÍCIA SPILLER dá um Showwwwww em ‘Tudo que Deus criou’ e, com este belo, visceral, humano, e corajoso filme de André da Costa Pinto, simplesmente insere seu nome no panteão das grandes Intérpretes de nossa Cinematografia.

E eu fui testemunha de depoimento da atriz afirmando, aqui em Aracaju, que seu trabalho no filme de André da Costa Pinto é ‘meu melhor trabalho no cinema’.

PARABÉNS, portanto, à bela e doce Letícia Spiller, à UEPB por investir no talento dos Artistas de Campina Grande e por patrocinar integralmente o longa de André da Costa Pinto, e o Aplauso AURORA DE CINEMA para este filme que ainda vai causar muita polêmica e buchicho por onde passar. E que passe muito, em todas as telas do país, porque o Brasil precisa conhecer o Cinema aguerrido que vem chegando com toda força e luz de Campina Grande.

Um beijo carinhoso em Letícia Spiller e nossos votos de vitoriosa carreira para o filme de André da Costa Pinto. Porque Tudo que Deus criou foi pensando nas coisas belas, boas e lindas que os Artistas podem, e devem, criar e espalhar pelos quatro cantos do planeta. Saravá !!!

* Sobre o filme Tudo que Deus criou, você pode ler a crítica AURORA DE CINEMA em https://auroradecinema.wordpress.com/criticas-teatro-cinema-e-musica/tudo-que-deus-criou-um-filme-tao-sincero-como-andre-da-costa-pinto/

Muqui mobilizada em torno do Cinema e TV

De olho numa ampla divulgação para o I Festival de TV e Cinema Independente de Muqui, cidade capixaba, a organização do festival – idealizado pelo ativista cultural Léo Alves – resolveu convocar jovens estudantes de Comunicação para contribuir com a popularização da empreitada. E para tanto, abriu seleção através de concurso.

O I FECIM é um festival que já nasceu com ares de vencedor. Basta conhecer as ideias do jovem Léo Alves e as peças publicitárias do festival para ter esta certeza. Léo é movido pela chama do entusiasmo, apaixonado por Cinema e TV, orgulhoso de sua bela cidade (um dos tesouros capixabas), e aguerrido em prol das coisas nas quais acredita. Assim, com pulso firme, sensibilidade, inteligência, ousadia e disposição está arregimentando apoios e parcerias para fazer do FECIM um festival relevante no cenário cultural e artístico do país.

Léo Alves tem iniciativa saudada em todas as partes de Muqui (aqui com Tânia e Márcia Brasil)…

Desde já, temos certeza que o FECIM terá uma estreia auspiciosa e veio para ficar.

Foram mais de 30 inscrições, oriundas dos mais diversos Estados brasileiros (BA, RJ, ES, MG e GO), de estudantes muito engajados no audiovisual e interessados em participar da assessoria de Comunicação e cobertura do FECIM, o 1º Festival de TV e Cinema Independente de Muqui (ES). Depois da análise das respostas da pergunta “Por que cobrir um Festival de Cinema em Muqui?”, além de análise técnica do currículo, a organização do FECIM divulga os estudantes selecionados, bem como a lista de suplentes.

Pela qualidade das inscrições e valorização dos universitários na primeira edição do festival, a produção do FECIM permitirá a participação dos suplentes na cobertura, desde que as despesas de transporte, hospedagem e alimentação fiquem por conta de cada um.

O 1º FECIM acontecerá de 1 a 4 de novembro, na cidade histórica de Muqui, interior do Espírito Santo, e o AURORA DE CINEMA estará por lá participando da cobertura diária.

Selecionados (por ordem alfabética):

Diego Nunes – UFES – Vitória – ES

Honório Filho – UFES – Vitória – ES

Jéssika Claudino – UFES – Vitória – ES

Karolina Lopes Gonçalves – UFES – Vitória – ES

Lorena Silva – UFOP – MG

Lorrayne Rocha – Estácio de Sá – Vitória – ES

Suplentes (por ordem decrescente):

Flávia Stella – UFOP – Ouro Preto – MG

Matheus Medeiros de Souza – UFGO – GO

Leonardo Ribeiro – UFES – Vila Velha – ES

Mariana Preti – UFES – Vila Velha – ES

Wagner Vieira – Estácio – Estácio de Sá – ES

Gustavo Crispim Cardoso – UFGO – GO

Tatiana Werneck – UFES e CEET – Vitória – ES

Com relação às inscrições, a quantidade de filmes superou todas as expectativas da organização, segundo o idealizador, Léo Alves. Dia 20 de outubro, sai  o resultado dos selecionados.

Confiram um belo teaser sobre o FECIM:

http://www.youtube.com/watch?v=N6FBM-ele1k

MAIS: http://www.fecim.com.br/