Arquivo do mês: julho 2013

Lina Chamie apresenta Os Amigos dia 14, em Gramado

A cineasta paulista e seu elenco de famosos estarão na sessão competitiva

OS AMIGOS, quarto longa da diretora paulista Lina Chamie, vai participar da Mostra Competitiva Nacional do 41º Festival de Gramado.

Rodrigo Lombardi está no elenco da produção paulista Os Amigos

O filme será exibido na quarta, dia 14, às 19h, com a presença da equipe do filme. A história acompanha um dia na vida de Théo, arquiteto de São Paulo que acaba de perder um amigo de infância, Juliano. No funeral, Théo relembra seus amigos e reflete sobre a existência.

Marco Ricca em mais um filme da diretora Lina Chamie…

A atriz Sandra Corveloni também estará em Gramado…

Estão no elenco os atores Marco Ricca, Dira Paes, Sandra Corveloni, Rodrigo Lombardi, Alice Braga, Caio Blat, Fernando Alves Pinto, Otávio Martins e Maria Manoela. O elenco infantil é composto por Gregório Musatti Cesare (Caíto), Julia Weiss Margagini (Manon), Natan Félix Matiusso (Vinícius), Matheus Guimarães (Orácio), Lucas de Oliveira Zamberlan e Davi Butignon Galdeano, que vivem, respectivamente, Théo e Juliano quando crianças.

Alice Braga integra elenco de mais um filme de Lina Chamie…

Os Amigos é da Girafa Filmes e da Dezenove Som e Imagem, de Sara Silveira e Maria Ionescu. A fotografia é de Jacob Solitrenik, a montagem de Karen Harley e a direção de arte de Mara Abreu. Além da direção, Lina Chamie assina também o roteiro. O filme foi rodado ano passado em Sampa.

SINOPSE

Sem amizade não existe o amor. Um dia especial na vida de Théo. Pela manhã, ele vai ao funeral de seu melhor amigo de infância. Durante o dia, as lembranças vêm, levando Théo a olhar a vida de uma outra maneira. É Majú, uma amiga por quem tem grande afeição, que o ajudará a recuperar as esperanças.

LINA CHAMIE

“Santos – 100 Anos de Futebol Arte” (2012) e “São Silvestre” (2013).

Brasil (SP), 2013, 89 min, 12 anos.

Direção/Roteiro: Lina Chamie

Empresa Produtora: Girafa Filmes / Dezenove Som e Imagens

Produção Executiva:Sara Silveria e Maria Ionescu

Diretor Fotografia: Jacob Solitrenick, ABC

Diretora de Arte: Mara Abreu

Trilha Musical: Camille Saint-Saens, Edvard Grieg e Benjamin Britten

Montagem: Karen Harley

Lina Chamie, Aurora Miranda Leão e Rubens Ewald Filho em Curitiba…

* Se você pretende ir a Gramado, escolha o SKY Hotel como hospedagem !

‘Repare Bem’: Maria de Medeiros no Festival de Gramado

 
Novo filme da cineasta portuguesa será exibido dia 13, 19h, no 41º Festival de Gramado
 
 
 
Documentário está na Mostra Competitiva Longa-Metragem Estrangeiro, e tem estreia programada para 23 de agosto 
 

Três gerações de mulheres, uma história de sobrevivência, de coragem e de luta por um mundo mais justo entre o Brasil, o Chile, a Itália e a Holanda. 

O jovem guerrilheiro Eduardo Leite “Bacuri” morre em 1970 nas mãos da ditadura militar brasileira, depois de 109 dias de tortura. Sua companheira Denise Crispim, perseguida e presa durante a sua gravidez, consegue fugir para o Chile depois do nascimento de Eduarda. Lá, encontra seus pais exilados, os quais dedicaram toda a vida à luta pela liberdade. Mas a violência da repressão volta a atingir a família com o golpe de Estado de Augusto Pinochet, obrigando pais e filhos a se dispersar pelo mundo. 

Hoje, depois de quarenta anos vividos entre a Itália e a Holanda, Denise e Eduarda receberam Anistia e Reparação do Brasil. A verdade sobre o passado abre caminho para um futuro mais justo. 

Depois de “Capitães de Abril”, seu filme sobre a Revolução dos Cravos em Portugal, Maria de Medeiros aborda neste documentário a questão do dever de memória através de uma história de amor e transmissão entre pais e filhos. 

Nela se destacam a figura de Encarnación, a avó resistente e autora de um fascinante diário; Denise, a mãe lutadora que defende como uma onça sua filha; e Eduarda, a menina europeia que se reencontra com o Brasil.

  

A diretora

Nascida em Lisboa,Maria de Medeiros é atriz, cantora e diretora de cinema internacional. Foi premiada com a Coppa Volpi de melhor atriz no Festival de Veneza pela sua interpretação no filme “Três irmãos”, de Teresa Villaverde. Seu trabalho tornou-se mundialmente conhecido com o papel de “AnaïsNin” em “Henry and June” de Phil Kaufman e de “Fabienne” em “PulpFiction” de Quentin Tarantino.

Como cantora, Maria de Medeiros tem três CDs de estúdio: A little more blue (2007), Penínsulas & continentes (2010) e Pássaros eternos (2012).

Em 2007, Maria de Medeiros foi nomeada Artista pela Paz da Unesco.

Seu primeiro longa-metragem como diretora, Capitães de Abril, foi selecionado para o Festival de Cannes e obteve vários prémios internacionais, entre os quais o da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

Atualmente, Maria de Medeiros apresenta no Brasil a peça “Aos Nossos Filhos”, de Laura Castro, em cartaz no Sesc Santana, em S.Paulo, após temporadas em Brasília e Rio de Janeiro. 

REPARE BEM

Brasil/Itália/França, 2012, 95 min, 10 anos.

Direção: Maria de Medeiros
Roteiro: Maria de Medeiros, com a colaboração de Ana Petta.

Fotografia: Maria de Medeiros, Daria D’Antonio, Louis Hanon, Bruno Pozzitrev
Montagem: Maria de Medeiros, Manoel de Sousa
Produtor: Maria de Medeiros, Minnie Ferrara, Agustí Camps, Ana Petta
Produção: Projeto Marcas da Memória, Comissão de Anistia e Reparação, Ministério da Justiça do Brasil, Instituto Via BR

Distribuição: Filmes da Mostra

* O blog Aurora de Cinema estará em Gramado com apoio do  SKY Hotel

Pela SBAT: Artistas se unem em defesa da entidade

PAULINHO da VIOLA vai abrir série de shows em defesa da lendária entidade. Zezé Motta, Mariana de Moraes e Soraya Ravenle também vão cantar…

Paulinho show

Movimento nacional em defesa da SOCIEDADE BRASILEIRA DE AUTORES TEATRAIS realiza grande evento artístico-cultural em defesa da sobrevivência da entidade.

Confiram o chamamento para a causa. E a quem estiver no RIO, recomendamos a ida ao grande Show do dia 29.

O movimento em defesa da SBAT tem à frente o diretor, ator, professor e dramaturgo, Aderbal Freire-Filho.

“Ô ABRE ALAS”

A casa construída por Chiquinha Gonzaga, Viriato Correa, João do Rio, que já foi habitada por Joracy Camargo, Rachel de Queiroz, Manuel Bandeira, Nelson Rodrigues, Dias Gomes, Boal, Vianinha, Paulo Pontes, Plinio Marcos, Guarnieri e todos os nossos mestres, está sendo reconstruída para as novas gerações de autores brasileiros. Ela é a sociedade dos poetas de todos os tempos: a Sociedade dos Autores, a Sociedade Brasileira de Artistas. Participe da sua reconstrução.

Aderbal Freire-Filho

Aderbal Freire-Filho: mais uma vez, o grande mestre do Teatro Brasileiro toma a dianteira e reúne seus pares para defender uma entidade centenária…

… Ô ABRE ALAS com PAULINHO DA VIOLA

Paulinho da Viola abrirá a série intitulada “Ô ABRE ALAS”, no show em homenagem e benefício à mais antiga das nossas instituições, a SBAT, às vésperas dos seus 100 anos de existência dedicados à defesa dos direitos dos artistas.

Uma seleção especial de suas eternas composições será interpretada por algumas das melhores vozes do teatro musical brasileiro. Nesta noite estaremos reverenciando Chiquinha Gonzaga, a padroeira da criação e dos criadores, através da música de um dos seus mais prodigiosos e representativos sucessores nos tempos atuais, Paulinho da Viola, ao vivo, a cores e acústico.

O show, dentre as diversas participações, trará Paulinho da Viola acompanhado pela maestria dos músicos: Alfredo Del Penho (Violão de Sete Cordas), João Callado (Cavaquinho), André Vercelino (Percussão) e Fabio De Lelis (Percussão).

Mariana de Moraes, neta do imortal Poeta Vinícius, também vai contribuir com a SBAT levando seu encanto para a noite no Teatro NET RIO…

Letícia Sabatella também estará no show em defesa da SBAT…

Destacam-se entre as atrações, participações especiais da cantora Beatriz Rabello, e o violão solo de João Rabello (filhos do grande músico), além de Alexandre Nero, Flavio Bauraqui, Letícia Sabatella, Marcos Sacramento, Maria Lucia Priolli, Mariana de Moraes, Pedro Miranda, Soraya Ravenle, Zezé Motta.

Zezé Motta também estará no palco em defesa da SBAT…

Local: Teatro NET Rio – Sala Tereza Rachel – Tel: 21 2147 8060 Rua Siqueira Campos, 143.sl. (Shopping Cidade Copacabana), Copacabana, Rio de Janeiro.zZZZZZZZZZZZZzz

Soraya Ravenle também vai abrilhantar a noite…

Data: Segunda, dia 29 de julho de 2013. Horário: 21h Ingressos: – Platéia: R$ 150,00 /=/ – Balcão: R$ 100,00 Duração: 90 min /=/ Classificação 12 anos

Roteiro e Direção Artística – Inez Viana

Direção Técnica – Paulo Cesar Medeiros

Direção Musical – Marcelo Alonso Neves

Divulgação – João Pontes e Stella Stephany

Flávio Bauraqui vai levar toda sua ginga para a noite pró-SBAT…

Produção: SPAÇO NAV – Prod. Art. Ltda. Coordenação Geral – Mariozinho Telles Realização – Movimento SBAT 100 anos / 1917-2017 –

SPAÇO NAV – Prod. Art. Ltda. Mariozinho Telles / Maria Rita Rezende 21 2256-0930, 9877-2916, 9649-7326 mariozinhotelles@hotmail.com

Quando agosto chegar, Gramado vai virar Cinema

A 41a edição do Festival de Cinema de Gramado, que vai acontecer de 9 a 17 de agosto, vai exibir oito longas-metragens brasileiros em competição. Entre filmes de ficção, documentário e animação, os diretores comentam as expectativas para o Festival, bem como experiências passadas no evento e o que esperam da exibição de seus filmes.

“Achamos que nosso filme tem uma voz e que traz algo de novo e original. Ficamos muito felizes com a coragem em selecionar um filme ousado e diferente como o nosso. Estar concorrendo com outros respeitados diretores é gratificante. Esperamos que nosso filme influencie outras pessoas a filmarem e exporem o que têm dentro de si”.

Andradina Azevedo e Dida Andrade, diretores de A Bruta Flor do Querer

“Estar em Gramado vai ser também uma boa oportunidade para lembrar e homenagear o trabalho do Walmor Chagas, que atua ao lado do Vladimir Brichta. Com esse filme, estamos na presença de duas estrelas e de dois grandes atores. Parece-me que o filme passa uma mensagem positiva e necessária para esse clima de transição e dúvidas que vivemos agora”.

Bernard Attal, diretor de A Coleção Invisível

“Ter sido selecionado já é uma tremenda vitória. Se vier alguma premiação, será uma festa! O filme teve quase oito anos de produção e foi feito com muito cuidado e paixão. Tem conflito entre culturas antagônicas e muita música, regados a uma tórrida paixão impossível. É uma temática bastante universal… No mínimo, teremos uma Sbórnia em Gramado este ano!”

Ennio Torresan Jr. e Otto Guerra, diretores de Até Que a Sbórnia nos Separe

Filme Éden, de Bruno Safadi, é um dos concorrentes brasileiros…

Éden é um filme que fala de temas universais e ao mesmo tempo regionais, particulares e extremamente atuais. Fala de gravidez, de feminilidade, de religião, de violência, e tem um trabalho arrojado em linguagem cinematográfica. Foi uma grande alegria saber que vou estar no Festival, que é uma referência no nosso cinema e na cultura brasileira!”

Bruno Safadi, diretor de Éden

“Já participei do Festival de Cinema de Gramado com meus filmes e também como convidada, jurada de curtas e jurada de longas. É importante exibir meu filme num festival tão prestigioso. Será a primeira exibição de Os Amigos, o que já é uma emoção especial. Ele é um filme delicado que pode tocar a todos… É sobre amizade e outros carinhos”.

Lina Chamie, diretora de Os Amigos

Atrizes no novo longa do mestre Domingos Oliveira…

“Meu filme toca quem gosta de gente. Quem gosta de um cinema comunicativo, pessoal, que não pretende mais do que é. Uma comédia ao modo de Altman sobre a inevitabilidade do dia de amanhã. Gosto de Gramado, me sinto jovem lá. Já ganhei muita coisa no Festival… No alto da minha estante da sala tem uma roda de kikitos conversando animadamente”.

Domingos Oliveira, diretor de Primeiro Dia de Um Ano Qualquer

“Frequento o Festival de Gramado há muitos anos. Espero uma boa exibição, que as pessoas gostem do filme e que o debate seja produtivo. Será a primeira exibição pública de Revelando Sebastião Salgado, então, diante disso tudo, estou bastante ansiosa, mas vou para Gramado confiante na força do personagem”.

Betse de Paula, diretora de Revelando Sebastião Salgado

“O olhar do outro é o último estágio na construção de um filme. E é a estreia de Tatuagem. Só isso é o suficiente para deixar a cabeça cheia de expectativas para ver e ouvir o que as pessoas. vão comentar Acredito que temos muito o que discutir sobre o nosso cinema, e Gramado pode – e deve – ser um palco privilegiado para isso”.

Hilton Lacerda, diretor de Tatuagem

Irandhir Santos chega a Gramado como Tatuagem…

TATUAGEM, filme do pernambucano Hilton Lacerda – roteirista de vários títulos dos quais se destacam Amarelo Manga, A Festa da Menina Morta, Árido Movie e Febre do Rato -, foi selecionado para a Mostra Competitiva de longa-metragem nacional do 41º Festival de Gramado, a ser realizado de 9 a 17 de agosto.

Irandhir Santos, magnânimo ator pernambucano, estará na disputa pelo KIKITO…

O filme se passa no ano de 1978, e mostra confrontos e reflexões de uma geração analisados a partir da periferia, ao mesmo tempo em que acompanha o romance entre um soldado de 18 anos e um agitador cultural, dono de um cabaré anarquista.

A história se desenrola no passado e visita questões muito pessoais sobre as quais Hilton Lacerda vem refletindo: o que acontece com as cores que pintamos para o futuro quando o futuro bate à nossa porta?

Tatuagem filme

TATUAGEM é um olhar muito particular para um momento definidor da alma de um povo e dos caminhos de seu cinema, que hoje tem em suas manifestações periféricas seu viés mais excitante. Assim, o filme é a busca da discussão de um tema geral a partir de suas nuances.

Revisitando o Cinema Novo, flertando com o experimentalismo do super-8 da década de setenta no Brasil e dialogando com o cinema contemporâneo, Tatuagem procura jogar luz sobre as várias maneiras que podemos ler e interpretar a história e a cinematografia de um país, devolvendo-lhe texturas e cheiros, e abrir uma brecha para vislumbrar uma das faces mais interessantes e complexas do Brasil: a história que nasce na marginalidade dos acontecimentos.

Outra inspiração para o filme foi o grupo teatral anárquico Vivencial Diversiones, existente no eixo Recife-Olinda, entre 1974 e 1981. Eles viviam em comunidade, numa casa em Olinda, na frente da qual Lacerda passou muitas vezes na infância. “Ficava no caminho da casa da minha avó. Sempre me diziam, ‘olha, aquela é a casa do Vivencial’”, relembra. Embora o grupo seja uma fonte, o diretor ressalta que o filme não é uma biografia nem se prende a personagens do Vivencial.

Lacerda ressalta que esse não é um filme de época, nem se pretende fixo a uma data específica. A proposta é, a partir do passado, discutir o presente. “Os personagens falam muito que, no futuro, tudo vai ser melhor. O preconceito ia acabar, o mundo ia ser melhor… Era a crença da época, a ideia de que o Brasil ia dar certo”, explica o diretor.

Por isso, um dos cenários escolhidos foi a parte histórica de Olinda: “Nosso compromisso não é exatamente com o ano, mas Olinda tem essa neutralidade temporal. Fora isso, os artistas da época gostavam muito daqui da Cidade Alta, tinha tudo a ver”, destaca o produtor João Vieira Júnior.

Hilton Lacerda

Natural de Recife, Hilton Lacerda se destacou pelos roteiros de filmes como AMARELO MANGA (2002, direção de Cláudio Assis), FILMEFOBIA (2008, direção de Kiko Goifman), A FESTA DA MENINA MORTA (2008, direção de Matheus Nastchergale), FEBRE DO RATO (2011, direção de Cláudio Assis), e ÁRIDO MOVIE (2006, direção de Lírio Ferreira), entre outros. Todos exibidos com destaque em festivais nacionais e internacionais de prestígio como Brasília, Gramado, Festival do Rio, Mostra Internacional de São Paulo, Berlim, Locarno, Roterdã, Havana, Bafici, Cannes etc.

Codirigiu o documentário CARTOLA – MÚSICA PARA OS OLHOS (2007, parceria com Lírio Ferreira).  Com TATUAGEM assina sua primeira ficção como diretor.

Sinopse

Brasil, 1978. A ditadura militar, ainda atuante, mostra sinais de esgotamento. Em um teatro/cabaré, localizado na periferia entre duas cidades do Nordeste do Brasil, um  grupo de artistas provoca o poder e a moral estabelecida com seus espetáculos e interferências públicas. Liderado por Clécio Wanderley (Irandhir Santos), a trupe conhecida como Chão de Estrelas, juntamente com intelectuais e artistas, além de seu tradicional público de homossexuais, ensaia resistência política a partir do deboche e da anarquia.

A vida de Clécio muda ao conhecer Fininha (Jesuíta Barbosa), apelido do soldado Arlindo Araújo, 18 anos: um garoto do interior que presta serviço militar na capital. É esse encontro que estabelece a transformação de nosso filme para os dois universos. A aproximação cria uma marca que nos lança no futuro, como TATUAGEM: signo que carregamos junto com nossa história.

Irandhir e eu

Irandhir Santos, que protagoniza ‘Tatuagem’, e Aurora Miranda Leão na edição 2013 do Festival de Cinema de Anápolis…

Ficha Técnica

TATUAGEM

Elenco: Irandhir Santos, Jesuíta Barbosa, Rodrigo García, Sílvio Restiffe, Sylvia Prado Empresa Produtora: REC Produtores Associados Roteiro e Direção: Hilton Lacerda Produção: João Vieira Jr. Produção Executiva: Nara Aragão Direção de Produção: Dedete Parente Costa Direção de Fotografia: Ivo Lopes Araújo Direção de Arte: Renata Belo Pinheiro Trilha Musical: DJ Dolores (Helder Aragão) Montagem: Mair Tavares Figurino: Christiana Garrido Maquiagem: Donna Meirelles Desenho de Som: Waldir Xavier Som Direto: Danilo Carvalho Mixagem: Ricardo Cutz

* Em Gramado, o Blog Aurora de Cinema vai atuar com apoio cultural do SKY Hotel…

Sky

Filme brasileiro na Mostra Latina de Gramado


Pela primeira vez na história da competição, um filme coproduzido pelo Brasil e dirigido por brasileiro, vai competir na Mostra Latina

Com roteiro e direção de Paulo Nascimento (Em Teu Nome), o drama romântico A Oeste do Fim do Mundo é um dos selecionados para o 41o Festival de Cinema de Gramado.

Detalhe: pela primeira vez na história do Festival, um filme coproduzido pelo Brasil e dirigido por um cineasta brasileiro, vai competir na Mostra Latina de Gramado, ao lado de produções da Colômbia, Portugal, Argentina e Uruguai.

A Oeste do Fim do Mundo é uma coprodução da Accorde Filmes (Brasil) e da Bufo Filmes (Argentina), tendo como produtora associada a Panda Filmes (Brasil).

O filme une três personagens solitários na bela e desolada paisagem da Cordilheira dos Andes.

Nélson Diniz e Cesar Troncoso enriquecem elenco de filme que estará na tela de Gramado…

A HISTÓRIA: Ruta 7, Argentina. Um velho posto de gasolina, perdido na imensidão da estrada transcontinental, é o refúgio do introspectivo Leon (César Troncoso). De poucas palavras, poucos gestos e nenhum amigo, sua solidão só é quebrada por um ou outro caminhoneiro eventual que passa por ali para abastecer. Ou pelas visitas sempre bem humoradas do sarcástico Silas (Nelson Diniz), um motociclista com ares de hippie aposentado. Até o dia em que a enigmática e inesperada chegada de Ana (Fernanda Moro) transforma radicalmente o cotidiano de Leon e Silas. Aos pés da imponente Cordilheira dos Andes, segredos que pareciam estar bem enterrados vêm à tona, reabrindo antigas feridas e mudando para sempre a vida dos protagonistas.

“Tudo começou há quatro anos, quando li uma matéria sobre a Guerra das Malvinas, informando que, dos 10 mil soldados que foram enviados para o conflito, cerca de 400 se suicidaram. Fiquei impressionado com este número e comecei a desenvolver esta história sobre perdas e solidão”, afirma o cineasta.

FICHA TÉCNICA 

Cesar Troncoso e Jean Pierre Noher (Foto: Flor do Caribe / TV Globo)

César Troncoso e Jean Pierre Noher no elenco do novo filme de Paulo Nascimento que está na Mostra Latina de Gramado…

Elenco:

· LEON Cesar Troncoso, esteves em O Banheiro do Papa, XXY, Em Teu Nome, Cabeça a Prêmio, Circular, El Viaje Hacia el Mar, Faroeste Caboclo, Hoje e Inocência Clandestina.

· ANA  Fernanda Moro, de Valsa para Bruno Stein, Em Teu Nome, A Casa Verde, e O Tempo e o Vento (versão de 2013).

· SILAS  Nelson Diniz, de O Homem que Copiava, Neto Perde Sua Alma, Neto e o Domador de Cavalos, A Última Estrada da Praia, Sal de Prata, Tolerância.

E MAIS: Jean Pierre Nhoer, Marcos Verza, Clemente Viscaíno, e Nayara  Harris

Clemente Viscaíno e Fernanda Moro contracenam em A Oeste do Fim do Mundo

DIREÇÃO E ROTEIRO

Paulo Nascimento, diretor e roteirista de A Casa Verde, Em Teu Nome, Valsa para Bruno Stein, e Diário de um Novo Mundo.

Direção de Fotografia: Alexandre Berra Direção de Arte: Voltaire Danckwardt

Montagem: Márcio Papel Trilha Sonora: Renato Muller Produção: Paulo Nascimento, Leonardo Machado, Marilaine Castro da Costa Produtores Associados: Beto Rodrigues (Brasil) e Martin Viaggio (Argentina) Coprodução: Bufo Films (Argentina) e Panda Filmes (Brasil)

A Oeste do Fim do Mundo: filme é co-produção Brasil-Argentina…

Distribuição: Espaço Filmes

Sky

Festival de Gramado na LIC

O 41º Festival de Cinema de Gramado já tem registro aprovado pelo Conselho Estadual de Cultura para captação de recursos pela Lei de Incentivo à Cultura (LIC). O projeto encaminhado pela proponente e produtora Um Cultural recebeu parecer favorável e foi aprovado na íntegra. A aprovação deste ano chega bem mais cedo em comparação a 2012, quando a aprovação na LIC só chegou no  final de julho. Portanto, esta edição deve ser ainda melhor que a anterior.

“A cidade e o Festival comemoram a conquista da LIC, especialmente porque o nosso projeto dá continuidade à nova fase do evento que passamos a construir na edição de 2012. Ela é essencial para os investidores gaúchos interessados em participar”, afirma Rosa Helena Volk, secretária de Turismo de Gramado e coordenadora geral do Festival. Junto com a LIC, o Festival também já tem garantida a aprovação para a lei Rouanet.

A 41ª edição do Festival de Cinema de Gramado também já trabalha com vários patrocinadores e apoiadores confirmados, entre eles Oi, Petrobrás, Duocasa – Brinna, AMBEV – Stella Artois, Ocean Air Linhas Aéreas – Avianca, Marcopolo – Volare, Banrisul, Caixa e GetNet.

* O Blog AURORA DE CINEMA estará em Gramado participando da cobertura jornalística do Festival de Cinema de Gramado, com apoio do SKY Hotel, a hospedagem mais carinhosa e aconchegante da serra gaúcha.

Sky

Eriberto Leão em JIM: homenagem ao The Doors no Teatro

“Nada é tão forte como uma idéia quando é chegada a hora dela”
JIM

Ministério da Cultura, Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura e Porto Seguro apresentam:

Eriberto Leão vive a poesia de uma lenda do rock no teatro 

Música, inquietação, poesia, caos, simbologia, teatro. JIM, um espetáculo-show não biográfico inspirado na obra poética de um dos maiores ícones do rock, Jim Morrison.

JIM julho

Idealizado por Eriberto Leão e produzido pela Barata Comunicação, JIM inspira-se no legado poético e simbólico deixado pelo vocalista do The Doors.

Com texto de Walter Daguerre, direção de Paulo de Moraes e interpretação de Eriberto Leão e Renata Guida, acompanhados de 3 músicos tocando ao vivo, o espetáculo mostra um homem que não conheceu Jim Morrison mas que teve sua vida pautada por suas ideias e ideais.

Eriberto e Paulo Moraes

O diretor Paulo Moraes e o ator Eriberto Leão: parceria no musical JIM…

Costurado por 10 canções do The Doors como “Light my fire”, “The End”, “Rides on the storm”, cantadas ao vivo por Eriberto, a trama mostra o conflito interno do personagem em busca de um acerto de contas.

Com texto que perpassa por conceitos de mitos pagãos e arquétipos, além de uma abordagem enfocando o lado poético e simbolista de Morrison, JIM não busca ser um espetáculo biográfico mostrando a vida do cantor ou a figura polêmica do astro de rock. A peça vai além, mostrando referências ideológicas de Morrison por meio de seus versos e percepções, e também através de seus ídolos, grandes nomes da literatura que o influenciaram, como William Blake, Baudellaire, Rimbaud, Nietzsche, entre outros.

Erib é Jim

“Quando comecei a pesquisar, descobri um Jim Morrison que não imaginava e que muita gente não sabe quem é, então vimos que precisávamos trazer uma outra idéia do Jim para o público”, revela Daguerre complementado por Eriberto: “O Jim era acima de tudo um poeta. O rock chegou pra ele através da poesia e do cinema, então o grande objetivo da peça é ser coerente com a obra poética do Jim Morrison, a preocupação é essa”.

JIM estreou na noite de 10 de julho no Teatro Leblon e teve casa lotada, prestigiada pela classe artística e imprensa. O que não faltaram foram aplausos entusiásticos para Eriberto Leão e muita emoção.

Ao longo desta matéria, você confere fotos do espetáculo e da estreia, todas assinadas por CRISTINA GRANATO.

JIM estreia

Malvino Salvador e Sophie Charlotte, Paula Burlamaqui e Reynaldo Giannechini: celebridades na plateia de JIM

Um homem diante do túmulo de Jim Morrison com uma arma em punho. Um homem que não conheceu o vocalista do The Doors pessoalmente mas que sempre buscou ter uma vida como a de Jim, um dos maiores ícones do rock de todos os tempos. Um homem que durante anos acalentou o sonho de seguir os passos de seu ídolo, como artista e como ser humano, mas que acabou percorrendo uma existência trivial. Um homem que chegou aos 40 com o sentimento de que suas idealizações se perderam no tempo. É este homem que está agora em Paris, no cemitério Père-Lachaise com um revólver na mão para acertar as contas com Jim Morrison. Ele tem somente uma bala, uma pequena peça de chumbo com a qual pretende transformar seu destino num jogo de azar. Este seria um acontecimento relativamente simples, não fosse a aparição de uma misteriosa mulher com quem ele trava um decisivo diálogo. E da presença diabólica de JIM.

Eri canta

James “Jim” Douglas Morrison cantor, compositor, poeta e vocalista da banda The Doors. Nascido na Flórida e filho de conservadores militares da marinha americana, Jim seguiu por outro caminho. Influenciado por poetas, filósofos e pensadores. ele começou a escrever na adolescência, estudou temas como filosofia, psicologia de multidão, teatro, e formou-se em cinema pela Universidade da Califórnia. Após a graduação, Jim reencontrou um amigo e daí nasceu a banda The Doors. O nome do grupo foi inspirado no livro “The Doors of Perception”, de Aldous Huxley, que por sua vez o buscou num verso de um poema de William Blake que dizia: “Se as portas da percepção estiverem limpas/ Todas as coisas se apresentarão ao homem como são, infinitas”.

Em 1969, Morrison publicou dois volumes de sua poesia, mas após o aumento da fama do The Doors, a partir de 67, Jim desenvolveu uma grave dependência de drogas e do álcool, que acabou levando-o à morte em 3 de julho de 1971. Conhecido por performances intensas e teatrais, letras recheadas de simbolismo, referências ao xamanismo, e uma personalidade selvagem, Jim Morrison foi classificado na 47° posição na lista da revista Rolling Stone dos “100 Maiores Cantores de Todos os Tempos”.

Celulari e Karin 1

Edson Celulari e Karin Roepke presenças na estreia de JIM…

Ursula e Faustini

Úrsula Corona e Marcelo Faustini entre os muitos na plateia de JIM…

Eriberto Leão, grande fã de Jim Morrison e do The Doors, tem esse projeto desde que conheceu a banda em 1991 e, através deles, descobriu sua vocação como ator: “Conheci-os com 18 anos, vendo o trailer de um filme sobre o The Doors. Depois disso vi 3 sessões seguidas e fiquei alucinado ! Eu sempre soube que iria fazer essa peça. Isso me influenciou muito, inclusive na vontade de ser ator. Na época que descobri a banda, fui trabalhar de contrarregra numa peça produzida pelo meu pai. Busquei ler tudo que influenciou o Jim”, conta o ator,  hoje com quase 20 anos de carreira. Sua primeira atuação no teatro foi no espetáculo Ventania (96), inspirado em Hoje é dia de rock, de Zé Vicente. Dirigido por Gabriel Vilela, Eriberto entrava em cena cantando The End, um clássico do The Doors.

Sophie e Paula

Sophie Charlotte e Paula Burlamaqui foram ver o amigo Eriberto como JIM

ingra e marcela

Ingra Liberato e Marcela Muniz: presenças na noite JIM

Dividindo o palco com Renata Guida, Eriberto canta ao longo do espetáculo 10 músicas do The Doors, acompanhado pelos músicos Zé Luiz Zambianchi no teclado, Rorato na bateria e Felipe Barão na guitarra. No musical, Eriberto interpreta João Mota, e é através do conflito do personagem, fã de Morrison, que o vocalista do The Doors ganha voz:  “Todos tem muitos “eus” que não demonstram. O João expressa os pensamentos, contradições, expondo toda sua fragmentação. Ele gostaria de ter uma vida tão intensa quanto a do Jim e não teve, então ele chega aos 40 anos e tem uma crise, daí toda a angústia e tormento”, explica o autor.  João dialoga todo o tempo com o Jim e com a aparição misteriosa da personagem de Renata, que representa o feminino de diversas formas – Pamela Morrison (mulher de Jim), a esposa de João Mota e ainda a Mãe Terra, conceito arquetípico da força criadora universal do feminino. A presença da personagem pode ser interpretada também como uma consciência intuitiva e profunda de João.

Bianca e Gianne blog

Bianca De Felippes e Reynaldo Giannechini na estreia de JIM

Franç e Ignacio

Françoise Forton e Ignácio Coqueiro, clicados por Cristina Granato…

O cenário, também assinado por Paulo de Moraes, é composto por um piano de cauda/lápide e 6 microfones. Completam a ficha técnica Maneco Quinderé, responsável pela iluminação, Rita Murtinho que assina figurinos, e Ricco Vianna na direção musical.

piano jim

“Esta é minha homenagem ao artista que abriu as portas da minha inquietação, das artes dramáticas, da literatura e da percepção”

SERVIÇO

Local: Teatro Leblon – Sala Tônia Carrero
Endereço: Rua Conde Bernadotte, 26, Leblon
Dias e horários: Terça, Quarta e Quinta 21h.
Preços: Plateia: R$ 70 (ter e qua) e R$ 80 (qui); Balcão: R$ 60 (ter e qua), R$ 70 (qui).
Temporada: Até 25/08

Malvino blog

Malvino Salvador e Sophie Charlotte também estavam na plateia de Eriberto Leão na noite de estreia de JIM 

FICHA TÉCNICA

Texto: Walter Daguerre
Direção: Paulo de Moraes
Elenco: Eriberto Leão e Renata Guida
Músicos: José Luiz Zambianchi (teclado), Felipe Barão (guitarra) e Rorato (bateria)]
Direção musical: Ricco Vianna
Cenografia: Paulo de Moraes
Figurinos: Rita Murtinho
Iluminação: Maneco Quinderé
Programação Visual: Walter Daguerre
Fotografia: Marcelo Faustini
Produção executiva: Carolina Consani e Roberta Marinho
Produção e Assessoria de imprensa: Barata Comunicação
Equipe Barata Comunicação: Produtores: Elaine Moreira e Bruno Luzes
Financeiro: Mádia Barata
Imprensa: Priscilla Santos

Dos mais respeitados no país, o crítico Wilson Cunha também estava na estreia de JIM, e assim descreve o trabalho de Eriberto:

ERIBERTO LEÃO, UM ATOR EM ESTADO DE GRAÇA – o espetáculo é JIM, em cartaz no Teatro Leblon, onde Eriberto Leão presta sua homenagem a Jim Morrison e à atmosfera de um tempo que se supunha passado. Com uma entrega apaixonada, Eriberto revive Morrison, vive um desespero, um conflito que se perpetuam. Pode-se, até, considerar que estamos menos diante de um texto teatral e sim de pretexto para que a liturgia aconteça. Mas a generosidade do trabalho de Eriberto Leão – diabolicamente banhado pela luz de Maneco Quinderé -, ao som de uma ótima banda, supera qualquer pecadillo. A experiência JIM + do que vale a pena”.

Eri no palco

Portanto, vamos ao Teatro !

Você que mora no Rio ou está de passagem pela Cidade Maravilhosa, não deixe de ir ao Teatro Leblon conferir o precioso trabalho de ERIBERTO LEÃO, um ator que a TV apresentou ao Brasil e cujo talento e carisma conquistaram o coração de milhares de fãs em todo o país.

A hora é de conferir o musical JIM com Eriberto Leão no Teatro !

O Blog Aurora de Cinema deseja todo êxito ao espetáculo e parabeniza todos os envolvidos na bem cuidada produção de JIM.

Franc e Barata

Eduardo Barata e Françoise Forton conferindo o sucesso da estreia de JIM…

Cristina Granato, muito além da foto…

Com três décadas na estrada da arte e da cultura, a jornalista e fotógrafa CRISTINA GRANATO agora integra a equipe editorial do blog Aurora de Cinema…

Foto: Cristina Granato.

A Diva Maria Bethânia em registro de Cristina Granato…

Letícia musical OUTSIDE foto CG

Letícia Spiller no musical OUTSIDE, clicada por Cristina Granato…

Organizar um álbum de fotos é tarefa árdua para qualquer mortal. Agora imaginem selecionar, dentre mais de um milhão de imagens, 360 fotos que contassem a história das três últimas décadas da Música Popular Brasileira. Pois Cristina Granato conseguiu ! E o resultado está no precioso livro Cristina Granato – Um Olhar na Música Popular Brasileira.

Jorge Ben Jor e Ivete Sangalo em click de Cristina Granato…

“Minha relação com a MPB veio antes de surgir a paixão pela fotografia. Aos 4 anos, eu aprendi a tocar violão e pude sentir que a música era um segmento com o qual eu me identificava muito. Mas a retrospectiva em fotos surgiu de uma proposta de trabalho feita pelo Canecão, na comemoração dos seus 40 anos”, conta Cristina.

Cristiana Oliveira entre os irmãos Sandy e Júnior…

“O projeto acabou não acontecendo e a Heloisa Buarque me sugeriu montar o livro. O projeto ganhou forma quando me inscrevi e, entre quatro mil candidatos, ganhei o Edital de Publicação e Documentação da Oi”.

Bastidores de show de Lulu Santos nos anos 80: Caetano, Lulu, Paula Lavigne e Malu Mader… foto Cristina Granato


O livro Um olhar na Música Popular Brasileira, lançado pela Editora Aeroplano, reúne o trabalho de mais de 30 anos de estrada de Cristina Granato, tempo no qual a respeitadíssima profissional acumulou fotos e fez amigos. No livro, estão 350 dessas imagens.

Cristina Granato: lentes poderosas…
Segundo Cristina, o resultado agradou-a tanto que ela pretende fazer outras edições, com foco no Teatro e no Cinema: “Afinal, sempre que encontro um artista dos palcos ou telas, eles me perguntam: – Poxa ! E a minha foto?”, diz Cristina.

PJ Dom e Aderb

Paulo José, Domingos Oliveira e Aderbal Freire-filho: homens de Teatro/Cinema/TV em foto de Cristina Granato…

Mas o grande trunfo das fotos de Cristina Granato é a intimidade de que ela desfruta com os artistas que fotografa, coisa de deixar muito tiete com inveja. O leitor logo se pergunta como ela consegue certas imagens – como, por exemplo, a de Cássia Eller num banheiro do Bar da Keka, na Cobal do Humaitá, ou o selinho entre Erasmo Carlos e Maria Bethânia…
Erasmo e Bethânia em click precioso de Cristina Granato…
“Nesses casos, a questão vai além da técnica.  Sempre tive respeito, generosidade e delicadeza no trato com os artistas e, por isso,  ganhei espaço e liberdade na hora de fotografar. Fora que sou da época em que não existia assessor de imprensa barrando fotógrafo. Sendo assim, acabei estreitando relações com os artistas e pude fazer fotos incríveis. Como a da Cássia, que é uma das minhas preferidas”.

Cristina Granato

Cássia Eller no banheiro da Cobal do Humaitá, Rio…

Gil com a filha Nara e a mulher Flora, grávida do filho Bem, na casa deles de Salvador, em 94… foto Cristina Granato

Detentora de uma obra documental de alta relevância para a história cultural brasileira, as imagens do livro de Cristina Granato –  Um olhar na Música Popular Brasileira -, contam a história da música popular brasileira nos palcos do Rio de Janeiro desde 1978.

Em 30 anos de carreira, Cristina Granato acumulou arquivo de 1.058.500 fotos e escolheu 350 delas para ilustrar o livro Um olhar na Música Popular Brasileira, lançado na semana passada pela Editora Aeroplano

Cristina Granato: paixão pela música rendeu fotos maravilhosas dos Artistas da MPB…

Cristina Granato sempre acompanhou de perto os acontecimentos culturais da capital carioca. Esteve presente em muitos dos momentos mais importantes e marcantes – das intimidades dos camarins aos grandes shows – e conquistou confiança e amizade dos seus fotografados.  Assim, o acervo de Cristina abriga mais de 1.058.500 fotos coloridas e P&B, sendo um acervo valoroso dos que atuam na MPB e um testemunho singular de uma época.

Tim Maia em dia de apresentação no programa do Chacrinha…

Sobre o trabalho de Cristina Granato, vejamos o que dizem alguns renomados pesquisadores musicais:

Lucinha Araújo com o filho poeta Cazuza… by Cristina Granato

“É ainda interessante observar que, em seus primeiros tempos de profissão, a artista abre o campo, fotografa mais de longe, ainda que, mesmo nessa época, já possa ser identificado o DNA de seu olhar amoroso. Com o passar do tempo, a distância diminui. As lentes se aproximam, a intimidade se estabelece. Consolida-se o que poderíamos chamar o estilo Cristina Granato.” Heloisa Buarque de Hollanda

Cristina Granato e Cissa Guimarães em noite de lançamento…

“Cristina – talvez sem querer, ela me assegura que é tudo muito espontâneo e não didático (no que creio piamente) – elaborou um trabalho que consolida uma história, a saga das imagens que fizeram/fazem a MPB nesses últimos trinta anos.” Ricardo Cravo Albin

Caetano pelas lentes de Cristina Granato…

“A máxima de que uma imagem vale mais do que mil palavras nunca foi tão verdadeira. Em três décadas, Cristina Granato tem mostrado isso por meio de seu trabalho. E, além do bom olho para enquadramentos, foco, ângulos e demais requisitos de sua profissão/arte, tem o raro dom de conquistar a confiança de seus alvos e, dessa forma, revelar situações raramente documentadas.” Antônio Carlos Miguel

Cristina Granato saudada pela amiga Cissa Guimarães e Erasmo Carlos…

Cristina Granato saudada por Leila Pinheiro: fotógrafa é uma Querida no meio artístico… quem melhor que ela pra firmar com o blog Aurora de Cinema ?

Cristina Granato festejada por artistas: agora, com o blog Aurora de Cinema, uma parceria imageticamente afetiva…

Novo filme de Lina Chamie vai competir em Gramado

OS AMIGOS é o novo longa da cineasta paulista Lina Chamie.

Estão no elenco do longa-metragem os atores Gregório Musatti Cesare (Caíto), Julia Weiss Margagini (Manon), Natan Félix Matiusso (Vinícius), Matheus Guimarães (Orácio), Lucas de Oliveira Zamberlan e Davi Butignon Galdeano, que vivem Théo e Juliano quando crianças.

AMIGOS é da Girafa Filmes e da Dezenove Som e Imagem, de Sara Silveira e Maria Ionescu.  A fotografia é de Jacob Solitrenik, a montagem de Karen Harley e a direção de arte de Mara Abreu.  Além da direção, Lina Chamie assina também o roteiro do filme, que foi rodado ano passado na cidade de S.Paulo.
SINOPSE
Sem amizade não existe o amor. Um dia especial na vida de Théo. Pela manhã, ele vai ao funeral de seu melhor amigo de infância. Durante o dia, as lembranças vêm, levando Théo a olhar a vida de uma outra maneira. É Majú, uma amiga por quem tem grande afeição, que o ajudará a recuperar as esperanças.
AMIGOS
Brasil (SP), 2013, 89 min, 12 anos.
Direção/Roteiro: Lina Chamie
Empresa Produtora: Girafa Filmes / Dezenove Som e Imagens
Produção Executiva:Sara Silveria e Maria Ionescu
Diretor Fotografia: Jacob Solitrenick, ABC
Diretora de Arte: Mara Abreu
Trilha Musical: Camille Saint-Saens, Edvard Grieg e Benjamin Britten
Montagem: Karen Harley
* Blog Aurora de Cinema na cobertura do Festival de Cinema de Gramado
Sky