Arquivo do mês: agosto 2013

Betina Vianny, Eriberto Leão e Ana Kutner em Fortaleza

Atores estreiam hoje espetáculo A Mecânica das Borboletas, de Walter Daguerre com direção de Paulo Moraes…

Em turnê por algumas das principais cidades do país, o espetáculo A Mecânica das Borboletas tem estreia esta noite, às 21h, no Teatro Celina Querioz, da Universidade de Fortaleza. A montagem aborda o conflito frente às escolhas da vida e suas consequentes perdas e ganhos.

A montagem conta a história de um casal e seus filhos gêmeos que moram numa cidade do sul do Brasil. Rômulo (Eriberto Leão), um dos irmãos, decide sair de casa aos 18 anos em busca de desvendar o mundo.

Ana Kutner contracenando com Eriberto Leão, ator protagonista, e Otto Jr.

Após 20 anos sem dar notícia, quando volta, já um escritor conhecido, Rômulo descobre que o pai morreu e encontra o irmão, Remo (Otto Jr.), que manteve o negócio do pai, uma oficina mecânica dentro da residência, prosseguindo no mesmo ofício, no mesmo lugar e casado com sua ex-namorada, Lisa (Ana Kutner). O grande sonho do irmão é construir uma Harley Davidson, mas uma peça desta moto, a borboleta do carburador, nunca chega. Por isso, a mecânica do veículo demora para estar em pleno funcionamento.

Já a mãe (Betina Viany) é uma dona de casa que cultiva a memória do falecido marido. O drama gira em torno do acerto de contas da família, permeada pelo sentimento de culpa, cobranças e perdas. A história se passa na cozinha, na oficina e no jardim. O ator Otto Jr. interpreta Remo, o irmão de Eriberto Leão.

“Sentimentos de perdas prevalecem em quem busca o sonho de desbravar o mundo e em quem escolhe ficar no mesmo lugar, na mesma cidade”, diz o autor Walter Daguerre.

A ideia do texto surgiu após uma viagem do dramaturgo a uma cidade do interior gaúcho, Lavras do Sul. “Observei os hábitos das pessoas do lugar, então comecei a pensar naqueles que saem de suas cidades, e nos que resolvem ficar, como seria a vida deles”, conta.

PRESENÇA DE BETINA VIANNY

Carioca, Betina Vianny nasceu entre livros, músicas e projetos de cinema. Seu pai é o saudoso cineasta Alex Viany, autor do livro seminal Introdução ao Cinema Brasileiro (1959), apontado pelo festejado crítico Paulo Emilio Salles Gomes como a primeira obra de filmografia brasileira. Também escreveu O Processo do Cinema Novo. Alex foi grande amigo de Vinícius de Moraes e com o genial poeta criou o filme Sol sobre a lama, em 1963.

Betina é atriz, diretora, escritora e pesquisadora de escol, atuando na área de Formação Artística do SATED–RJ, onde coordenou por muitos anos a Escola Profissionalizante para Atores. Tem passagens pelo teatro, cinema e televisão e entre os principais trabalhos estão as novelas Sinal de Alerta e Eu Prometo, na TV Globo, além de Kananga do Japão e Ana Raio e Zé Trovão, na TV Manchete. Depois da temporada na Manchete, retornou à Globo e fez as novelas O Dono Do Mundo, Quatro por Quatro, e Malhação, atuando ainda nas minisséries Engraçadinha,Seus Amores e Seus Pecados, O Quinto dos Infernos (2002), Amazônia, de Galvez a Chico Mendes (2007), e “Tudo Novo de Novo” (2009).

Em agosto de 2007, Betina idealiza e inicia o Projeto Memória-Mestres que visa a registrar, em DVD, a trajetória de importantes e renomados artistas e técnicos brasileiros que contribuíram para a história das artes cênicas do País. Bettina é a organizadora de todo o material deixado pelo pai. Este material, que está na Cinemateca do MAM-RJ, constitui-se de milhares de páginas, recortes, cartazes, fotos, ensaios, cartas etc.

O material, de alto valor histórico, porém estava desorganizado e mal arquivado, de modo que era muito difícil fazer qualquer tipo de pesquisa, localizar algum documento. E só em 2006, a atriz pode começar a catalogar todo o acervo de Alex Vianny para disponibilizá-lo à consulta. Hoje, já é possível acessar o site do Projeto Alex Viany (www.alexviany.com.br), o qual disponibiliza gratuitamente o acervo do saudoso cineasta e historiador do cinema. Os arquivos pessoais foram digitalizados e o internauta pode ver os originais.

Nós tivemos a honra de conhecer Betina Vianny ano passado, durante a primeira edição do Festival de Cinema de Anápolis, onde ela fazia o lançamento do livro “Alex Viany – Crítico e Historiador”, de Arthur Autran, ao lado do marido, o jornalista Edward Monteiro.

Agora, Betina nos surpreende com a delicadeza do convite para conferir o espetáculo A Mecânica das Borboletas, e o blog Aurora de Cinema estará lá para conferir !

Bem vinda, Betina Vianny ! Um beijo carinhoso e que a temproada em Fortaleza seja de alegrias e feliz acolhida !

Betina Vianny, atriz sempre envolvida em projetos relevantes, faz temporada de teatro este fim de semana em Fortaleza… na foto, com a jornalista Aurora Miranda Leão durante a primeira edição do Festival de Cinema de Anápolis.

SERVIÇO

A Mecânica das Borboletas

Hoje e sábado, às 21h. Domingo, às 19h, no Teatro Celina Queiroz (Av. Washington Soares, 1321 – Edson Queiroz). Ingressos: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia). (3477.3033)

Mateus Solano dá show como FÉLIX e é já candidato a Melhor Ator

Novela de Walcyr Carrasco tem capítulo marcante com picos de audiência e show de atuação de Mateus Solano e Antônio Fagundes

Ele é um Ator cheio de qualidades e pouco mais de 12 anos de carreira. Estreou na TV na minissérie MAYSA, vivendo o personagem verídico do jornalista Ronaldo Bôscoli, e foi só aparecer em cena pra conquistar nossa adesão imediata. Além de revelar de cara um grande talento, Mateus Solano é, ademais, bonito, charmoso e cheio de empatia. Difícil não sintonizar com ele à primeira vista.

Depois veio a difícil tarefa de assumir os gêmeos Miguel e Jorge na novela Viver a Vida, onde fazia dois personagens bem distintos. Um deles, era namorado da personagem da bela Alinne Moraes, e ambos – de tão talentosos e belos – foram alçados ao topo do pico de interesse da novela de Manoel Carlos. Já ali, Mateus (devidamente emparelhado com Alinne) roubou literalmente a cena.

Depois veio a trama das 19h, Morde & Assopra, de Walcyr Carrasco, em 2011, na qual ele contracenava com a querida Adriana Esteves, e mais uma vez revelava sua extremada capacidade de interpretar, e lapidava seu charme e carisma.

Mateus Solano costuma dizer: “Eu não queria entrar nesse time (dos galãs), porque meu time é o dos atores, no qual jogo no ataque há 12 anos. Sou de um time maior, no qual o galã é apenas uma das infinitas possibilidades”,

Em ótima hora, o ator ganhou do mesmo Walcyr Carrasco o papel de Félix em Amor à Vida, interessante novela das 21h na qual interpreta o filho do casal César e Pilar (vividos por Fagundes e Suzana Vieira), e, desde o início da trama, MATEUS SOLANO vem arrasando na pele de um personagem difícil, de extremas sutilezas de gestos e intenções ‘mascaradas’, um personagem homossexual sem coragem de assumir-se pelas circunstâncias morais e sociais nas quais se acha inserido por conta de seu contexto familiar e profissional.

O personagem Félix anda ‘bombando’ nas redes sociais com página na mais acessada das redes, o Facebook, denomida Félix Bicha Má…E as ‘tiradas’ de Félix são tão sarcasticamente bem humoradas que a adesão às frases criadas – e muitas vezes ditas por Félix na trama – ganham milhares de curtidas e são compartilhadas sucessivamente… um luxo para um personagem alcançar tamanha empatia. Coisas para atores de talentos descomunais, como Mateus Solano e Adriana Esteves, por exemplo (esta ‘bombou’ com sua personagem Carminha, da novela Avenida Brasil), que ganham qualidade 3D com os ótimos textos que triplicam suas virtudes e exacerbam suas capacidades de conquistar o público e a crítica, graças aos antenados e exímios criadores dos textos das novelas globais.

Pois no capítulo desta quinta, a novela deve ter batido recordes de audiência e exigiu de MATEUS SOLANO muito mais do que ele já vinha fazendo até aqui, tal a necessidade de desdobrar-se em filigranas de sensibilidade para alcançar toda a grandeza, intensidade e profundidade das cenas nas quais o casamento de Félix e da mulher Edith (vivida com maestria pela atriz Bárbara Paz) tem seu momento supremo de conflito e contradita. Os dois resolvem se separar não sem antes ‘lavarem muita roupa suja’ e deixarem evidente pra família – reunida em jantar na casa dos pais de Félix e Paloma (personagem da atriz Paola Oliveira) – a condição de traição que abala o casal. Ao mesmo tempo em que Edith descobriu a traição do marido Félix com um antigo caso de amor (com o modelo ‘Anjinho’), ela escancara pro marido que também o traiu, para se vingar, e o traiu na própria cama, até então do casal.

Mateus Solano e Fagundes em momentos cruciais de Amor à Vida

Tudo isso foi revelado – ao público e à família – durante um jantar que se pretendia de feliz convivência entre a família. E os desdobramentos dessas revelações foram verdadeiros achados de defesa da condição de aceitação da homossexualidade, de negação aos preconceitos que cercam à sexualidade, de respeito às diferenças, de afirmação do Amor como um sentimento além, através e independente de qualquer condição adversa.

A novela Amor à Vida foi então, neste capítulo de quinta-feira, 1 de agosto, um verdadeiro show de dramaturgia, de direção competente, e de grandes atores esbanjando talento, verdade, coerência e dedicação compromissada e amorosa aos personagens que assumiram.

Mateus e Bárbara Paz: atores respondem por momentos tensos em Amor à Vida

Assim, o blog Aurora de Cinema tem orgulho de PARABENIZAR a todos os que fazem a trama atual das 21h da TV Globo e, muito especialmente, aos atores principais envolvidos nas cenas do capítulo de hoje nas quais a homossexualidade de Félix foi revelada e ‘dissecada’ através de diversas facetas – na relação dele com a mãe, a avó, com a irmã, o filho, a mulher e a sogra, os funcionários de casa… e com o pai.

Mas nesse ponto o capítulo terminou e o grande encontro entre Félix e o pai – SOLANO e FAGUNDES – ficou pro capítulo desta sexta, quando deverá haver o aguardado embate entre os personagens de dois monstros da nossa Teledramaturgia: Antônio Fagundes e Mateus Solano.

Mateus Solano, Bárbara Paz, Antônio Fagundes, Suzana Vieira e Paolla Oliveira compõem o núcleo central da família-mater de Amor à Vida

Gramado terá Glória, Wagner e Bruta Flor do Querer

Glória Pires e Wagner Moura serão as grandes personalidades homenageadas

Glória Pires receberá o Troféu OSCARITO na noite de abertura…

Wagner Moura receberá o troféu Cidade de Gramado na noite de sábado…

E vamos a mais um filme brasileiro que está na mostra competitiva da 41a edição do Festival de Cinema de Gramado:

A BRUTA FLOR DO QUERER -longa de baixo-orçamento realizado pelos diretores Andradina Azevedo e Dida Andrade, a ser exibido na terça, dia 13, às 21:30h, no Palácio dos Festivais.

A Bruta Flor do Querer conta a história de Diego (Dida Andrade), jovem recém-formado em cinema, que após algumas glórias durante a faculdade, se vê filmando casamentos e fazendo pequenos bicos para sobreviver. Seu sonho de virar um diretor de cinema se torna distante visto sua realidade e um mercado hostil. A decepção com sua vida profissional o faz querer algo especial. Diego se apaixona platonicamente por Diana, uma menina que trabalha num sebo, mas ele não tem coragem de falar com ela. Ao londo do filme, Diego enfrenta uma crise profunda causada pelos fantasmas da sua vida profissional e amorosa, enquanto tenta fazer seu primeiro longa-metragem.

A Bruta Flor do Querer é um projeto independente e de baixíssimo-orçamento, filmado em cerca de dois meses na cidade de São Paulo com recursos de alguns patrocinadores e dos diretores. O filme será lançado nos cinemas em 2014. Andradina e Dida realizaram juntos três curtas. Dois desses já foram exibidos no Festival de Gramado.

Os Diretores:

Andradina Azevedo e Dida Andrade se formaram em cinema pela FAAP em 2009 e juntos produziram e dirigiram três curtas-metragens: PARA QUE ME AMES (2008), que ganhou os prêmios de Melhor Vídeo, Atriz e Curta Universitário no 16° Gramado Cine Vídeo, Melhor Filme e direção no 16° Festival Mix Brasil, e Melhor Filme no 4º Festival da Chapada dos Guimarães; O CAPITÃO CHAMAVA CARLOS(2010), prêmios de Melhor Direção de Fotografia e Direção de Arte no 18° Festival MIX Brasil; Menção Honrosa no FBCU – Festival Brasileiro de Cinema Universitário -; e entrou na seleção oficial do 33° Festival de Havana; A TRISTE HISTÓRIA DE KID-PUNHETINHA (2012), foi selecionado para o 16° Festival Santa Maria de Feira, de Portugal e para o 40° Festival de Cinema de Gramado. Recebeu prêmio de melhor curta universitário no Cinefestivale Jaguaribe.

Alem de cineastas, Andradina é músico e Dida ator e diretor de teatro.

Ficha técnica

Brasil, 16 anos, 76 min

Direção: Andradina Azevedo e Dida Andrade

Empresa Produtora: Filmes da Lata

Produtor Executivo: Andradina Azevedo, Dida Andrade, Bia Vilela

Roteiro: Andradina Azevedo e Dida Andrade

Elenco: Diana Mota, Dida Andrade, Andradina Azevedo, Danilo Grangheia, João Federici, Sue Nhamandu, Daniele Rosa, Nara Lobo, Clara Andrezzo, Arua Maroni e Fernanda Galvão.

Direção de Fotografia: Gallo Rivas

Direção de Arte: Mariana Barauna

Trilha Musical: Marcelo Rivas

Montagem: Pedro Silva

* A noite de abertura do Festival de Cinema de Gramado terá o lançamento oficial no país do filme ‘Flores Raras’, novo longa do diretor Bruno Barreto, protagonziado por Glória Pires e Miranda Otto. O longa de Bruno Barreto conta a história de amor real entre a poetisa norte-americana Elizabeth Bishop (Miranda Otto) e a arquiteta carioca Lota Macedo Soares (Glória Pires).

* Em Gramado, hospede-se no SKY Hotel, que vai hospedar o blog Aurora de Cinema durante a 41a edição do Festival de Cinema de Gramado…