Arquivo do mês: novembro 2013

Forró com Socorro & Mazé é Alegria garantida !

Bandinha pernambucana comandada por mulheres arrasa com ótimo repertório e adentra a madrugada fazendo dançar…

20131109_002656

Socorro & Mazé: 30 anos de estrada tocando e conquistando com o forróEu e MazéA jornalista Aurora Miranda Leão curtindo a noite com a zabumbeira Mazé…

A noite com elas é super animada, dançante, alto astral ! Socorro na sanfona, Mazé na zabumba, e mais outros 3 com elas, e o som faz festa pra gente se espalhar rodando pela pista.

Valter Bahia e euOs atores Aurora Miranda Leão e Valter Bahia curtindo um forró na pista…

Foi assim que esta Aurora de Cinema fez lá em Taquaritinga do Norte na noite em que a arretada bandinha de forró Socorro & Mazé comandou a noite festiva. Era o encerramento da sexta edição do Curta Taquary e nunca pensei fosse passar uma noite tão bacana ao som de forró, que nem é meu ritmo predileto.

20131109_002643O animado casal Prazeres Barbosa e Francisco Torres caiu na pista e mostrou que é bom de forró, filhos de Caruaru que são…

Mas acontece que essas duas danadas nordestinas – Socorro & Mazé – mandam bem à beça e arrastaram Deus e o mundo com seu jeito de tocar e cantar cheio de ginga, balanço e graça, desfilando um repertório supimpa, num verdadeiro convite à alegria ! Porque uma das deficiências mais sentidas na noite é o pequeno ou mau repertório de quem comanda a Música.

Mas no caso de Socorro & Mazé foi justamente diferente: o repertório das duas é bom pra caramba e tudo que pedimos, foi atendido. com louvor !

20131109_001414A linda Bruninha de Taquary: começando a dar show na sanfona…

Com as duas nordestinas, tocam ainda Naldo (baixo), Parrudo (triângulo), Henrique (percussão), e ainda tem uns 2 ou 3 números especiais com a mais jovem e linda sanfoneira do Nordeste: a Bruna de Taquary.

A cantandoAurora Miranda Leão aproveitou o som maneiro da banda Socorro & Mazé e mandou ver com algumas pérolas do forró…

De grandes sucessos de Luiz Gonzaga, passando por clássicos de Gilberto Gil e Dominguinhos, e hits popularizados pelo grande Raimundo Fagner, a bandinha de Socorro & Mazé merece figurar em qualquer grandes festa que se queira fazer com o forró dando as cartas e botando a pista pra ferver. Na verdade, as duas já tem mais de 30 anos de estrada (Mazé canta, além de tocar a zabumba), mas a formação atual tem pouco mais de 10 anos. Henrique, o adolescente que manda ver na percussão, é sobrinho de Socorro, enquanto a pequena Bruna é sobrinha da Mazé.Eu e HenriqueAurora de Cinema e Henrique, percussionista-mirim da banda Socorro  & Mazé…

Ficamos sabendo por outra sobrinha de Mazé, a bela Késsia Wanessa (que espera gêmeos pra 2014) que a banda vai lançar em breve um DVD, chamado 30 anos de Socorro e Mazé (gravado no badaBarreira com David Mickael e Fagner Silvestre), e também que existe um documentário sobre a trajetória delas feito pela própria Mazé.cantandoooAurora Miranda Leão também assumiu o microfone e cantou alguns clássicos do forró…

O melhor é que as duas nasceram mesmo pra tocar e não se fazem de rogadas: sem frescura nem fricote, não alegam falta de ensaio nem que não sabem tal música: tocam tudo que se pede e ainda deixam os que querem dar uma ‘canja’. E foi assim que nós cantamos uma porção de pérolas do nosso cancioneiro, como Qui nem Jiló – a mais linda do conterrâneo Humberto Teixeira; Eu só quero um Xodó, de Dominguinhos e Gil; Riacho do Navio, de Gonzaga e Zé Dantas; e É Proibido Cochilar, de Antônio Barros, conforme aponta a web mas não temos certeza dessa autoria.20131108_235654Prazeres Barbosa: atriz canta e encanta ao som de ‘Num se avexe não’…

O fato é que a noite ao som arretado e gostoso da bandinha Socorro & Mazé foi a melhor dentre tantas que já passamos em festas de encerramento de festivais, e foi um brinde contagiante à Alegria, contando inclusive com uma participação magnífica e super especial da atriz Prazeres Barbosa cantando o clássico ‘A Natureza das Coisas’ (mais conhecida como Num se Avexe, Não), do compositor Accioly Neto, com o qual ela marcou de forma decisivamente linda sua atuação no belo filme A Máquina, do incrível diretor pernambucano João Falcão (!!!).bandinha e noix

Portanto, quando você ouvir falar em ‘Noite de Música com Socorro & Mazé’, se arrume e dê um jeito de chegar lá porque é noite garantida de boa música, belo som e muita alegria !Praz eu e ArlyAurora, Prazeres Barbosa e Arly Arnaud na animação com Socorro & Mazé…Arly e JeanAtriz Arly Arnaud e ensaísta/ator Jean-Claude Bernardet entre os que ‘forrozaram’ a noite toda…20131109_002218A sanfoneira Bruninha saudada pela jornalista Aurora Miranda Leão…20131109_023846Animação: Paula Passos, Aurora Miranda Leão e Pethrus Tibúrcio na curtição…

Carpinejar lança autobiografia não autorizada

Genial Poeta gaúcho exacerba do direito de ser brilhante e convida para o lançamento dos 2 primeiros capítulos de sua autobiografia...

CARPI livros

Programa obrigatório pros que estão em Porto Alegre e livros que, muito em breve, estarão na nossa biblioteca particular !Bio CpE enquanto espero a oportunidade de adquirir meus exemplares da Autobiografia Carpinejariana, vou lendo e relendo as pérolas do escritor e divido com você, leitor amigo, um pouquinho da grandeza de FABRÍCIO CARPINEJAR, extraído duma crônica de 2004:

O QUE NÃO É ESPELHO É ROSTO*

Sempre fiquei intrigado com quem diz, com mais saliva do que dentes: eu não o leio porque não faz meu tipo. Ou eu não gosto dele porque é concretista. Aquele cara não presta porque é conservador, neo-romântico. Não fui com o jeito de pronunciar o efê daquele autor. As aparências enganam, mas a falta de aparência engana mais ainda.

Há centenas de tipos de letras, mas a maioria ainda continua a escolher a times new roman. Porque é a primeira que aparece. Os hábitos provocam o desaparecimento da personalidade, a rotina preserva a não-existência. Fazer tudo da mesma forma é um jeito quase seguro de não aparecer, de ser invisível. Uma das maldições da prosa e poesia contemporânea é a formação de bandos, tribos, seitas, com o dízimo pago pontualmente nas dedicatórias e epígrafes. Como que isso acontece? Quando a saudável influência vira apostolado. A máxima funciona nos extremos: ou se é de algum time ou não se é jogador. Depois da antropofagia, vem a autofagia, que dá no mesmo. Já se parou para pensar que a tradição pode ser mais repetição do que consistência?

A literatura não é uma religião, não há a figura de um padre ou pai-de-santo ou pastor ou rabino a seguir. É uma solidão dentro do nome. Mais desaforo do que elogio. Mais dúvida do que dogma. Estranheza em estado bruto, inadiável, que inverte a ordem do senso comum, cava contradições, fornece velocidade ao idioma, não serve para enrolar, mas para dizer unicamente o necessário. Um bom livro não adormece, instaura a insônia da alegria, a euforia de ter encontrado a palavra certa para o que vivemos ou podemos viver. O poema, por exemplo, tem que ser simples, não simplório; rápido, não fácil; autêntico, não rebuscado.

Está se precipitando uma guerra pouco santa. Encalha-se no narcisismo desde a leitura. A criação apenas a amplifica. Acredito que se desaprendeu a ler para reafirmar a vaidade da autoria. Todo leitor se transforma em um escritor apressado, louco para se enxergar estampado na capa de alguma brochura. Ou seja, o leitor está mais interessado em escrever do que ler. E ler se converteu em escritura anônima. Segue-se uma receita, com a covardia em preparar o almoço de olho e acrescentar novos ingredientes. Nada disso seria problema, mas acaba-se não sabendo ler o que não é espelho, intimidando possibilidades de transgressão e aventuras na linguagem. O que não é espelho é rosto e muitos se apavoram em olhar de frente os olhos abertos que não os seus. Não se lê outros autores porque se está interessado unicamente em reiterar a identidade. Assim, ninguém lê ninguém, o autor somente se procura em cada livro e não valoriza o que difere de sua voz. Ao invés de multiplicar as diferenças, soma-se as subtrações. A megalomania na leitura gera mais crítica dentro da criação do que criação. Os livros passam a ser ensaios de como se escrever mais do que narrativas e poesias versando sobre o cotidiano. O que era para servir para entrar no mundo assumiu o caráter de fuga do mundo. Os escritores lêem escritores para se amar duas vezes, mergulhando em uma metalinguagem sem bilhete de volta. Esquecem que o público não está interessado em manuais de datilografia ou de poemas falando de poemas. Coroa de flores nunca vai cheirar a flor.

Não aprendi muito na literatura, mas algo me previno: eu não leio para repetir o que escrevo. Nem escrevo para repetir o que leio.

* Fabrício Carpinejar

Poeta consegue se superar constantemente e é um rosário de belezas, formatadas em várias versões, múltiplos afetos e sensibilidade jamais vista em intensidade, extensão e volume… Salve, CARPINEJAR !!!

Cinema de LUTO: Brasil perde Walter Webb

Walter Webb deixa lacuna no Cinema e no coração…

Bem humorado, inteligente, boa praça e grande produtor, Walter Webb era um verdadeiro baú da história do Cinema, TV e Teatro brasileiros…

Produtor, cineasta, roteirista, homem de TV, Teatro e Cinema, prosador dos mais convincentes, tremendo boa praça, amizade feita tão logo nos conhecemos. Mais do que tudo quanto realizou nas áreas onde era figura tarimbada e presença constante, Walter Webb era um ser humano de alma especial, com quem era fácil
se encantar e criar sintonias.

Germano Pereira, Aurora Miranda Leão, Webb e Rosamaria Murtinho

Dele, gostaria sempre de falar em boa praça e fartas doses de alegria pois assim ele era. De coração muito triste, escrevo este post agora pra falar da partida de Walter Webb. Embora todos nós, seus fãs e amigos, saibamos o quanto Webb já sofria com sérios abalos na saúde, é sempre triste ter de falar sobre o ‘desaparecimento’ de um amigo e de pessoa que fazia tão bem aos lugares onde ele era sempre bem vindo.

Walter Webb entre as lindas Bruna Chiaradia e Giselle Motta…

Webb esta

Walter recebendo homenagem no Anápolis Festival – foto Wellingta Gouveia

Com Walter, gravei algumas coisas interessantes, relíquias que sempre emoldurei em carinho e respeito. Walter Webb é personagem de dois curtas Aurora de Cinema; ‘O Sumiço de Alice’, que está em nosso canal do Youtube, e de um novo curta, ainda por concluir. Com Walter fomos, eu e uma turma que estava na edição 2012 do Festival de Cinema de Anápolis, à casa da atriz Eliane Lage, em Pirenópolis, e com a Estrela de tantos relevantes filmes do cinema brasileiro, passamos uma tarde agradável de bate papo repleto de lembranças e boas histórias.

Com a atriz Marília Medina no Festival de Cinema de Maracanaú (CE) – click Aurora Miranda Leão

Em todo caso, mesmo nesses dias em que a tristeza vem e estende um véu em tudo que há aqui – como tão bem poetizou o iluminado Herbert Vianna -, quero falar da alegria de ter conhecido Walter Webb e de ter curtido ao lado dele alguns momentos muito especiais em minha trajetória de Cinema. Dele quero guardar a conversa sempre gostosa e bem humorada, o sorriso farto, o apoio constante, o riso constante, a gentileza invejável, a fidalguia tão rara, e o prazer da convivência.

Aurora de Cinema e Débora Torres no dia feliz em que conheci a incrível figura do cineasta e produtor Walter Webb…

Em momento do Festival de Maracanaú, edição 2011…

De Walter Webb agora, muita saudade e boas lembranças.
Porém, mesmo de olhos marejados, o APLAUSO emocionado, comovido e efusivo para a grande personalidade que foi WALTER WEBB, um nome que merece e deve ser homenageado devidamente pelo Cinema Brasileiro.

Amizade preciosa: Aurora Miranda Leão, Walter Webb e Débora Torres

Débora Torres, Murilo Rosa, Walter Webb e Alberto Araújo na noite de abertura do Araxá Cine Festival, em setembro de 2012 (foto Alex Silva)

Vai com Deus ! Descanse em Paz, querido amigo WALTER WEBB !

CATANDUVA: Cidade Feitiço de encantos mis…

Blog AURORA DE CINEMA direto de Catanduva

Cartaz blog

A realização da I Mostra Cinema de Catanduva teve um saldo absolutamente POSITIVO. Tudo confluiu para seu êxito ! As atividades agradaram ao público, a imprensa divulgou e deu destaque cotidianamente, o Secretário de Cultura Nelson Lopes Martins participou de toda a programação e demonstrou entusiasmo, bem como o prefeito Geraldo Vinholi, que em breve e entusiasmada fala na noite inaugural já anunciou uma segunda edição maior, melhor e com mais dias e atrações.

Vale ressaltar ainda o empenho do Secretário de Cultura, Nelson Martins, e sua equipe para realizar a Mostra da forma mais qualificada, colocando toda a infraestrutura à disposição do evento, bem como o apoio e incentivo do empresário Marco Vinholi (presidente do Fundo Social de Solidariedade de Catanduva), grande entusiasta da Sétima Arte !

IMG_4610O verde é parte essencial na paisagem de Catanduva, a Cidade Feitiço

IMG_3414

A Igreja Matriz e edifício moderno bem no centro de Catanduva…

IMG_3663

Prédios históricos de bela arquitetura compõem paisagem de Catanduva…

IMG_3921Em bela noite musical, a OSCA (Orquestra Sinfônica de Catanduva) homenageou o centenário de Vinícius de Moraes…

IMG_4505

Edifício histórico da estação ferroviária, hoje sede da Estação Cultura…

IMG_4006

A Igreja Matriz, no coração de Catanduva, em imagem Aurora de Cinema…

IMG_3753

Coletiva reuniu jornalistas e marcou apoio decisivo da Imprensa para sucesso da Mostra Cinema de Catanduva

IMG_3168Elaine Trevisan, Felipe Brida e Aurora Miranda Leão no estúdio da NovaTV…

IMG_3686Os Curadores com alunos do IMES Catanduva, instituição que apoiou a realização da Mostra…

IMG_3473

Aurora Miranda Leão em entrevista à jornalista Florence Manoel, antes do início da Mostra…

IMG_4132

Primeira noite: Secretário Nelson Martins e o ator/produtor David Cardoso…

IMG_4171Jorge Salomão, prefeito Geraldo Vinholi, e Secretário Nelson Martins na plateia de abertura, que teve casa lotada…

IMG_4237Jorge Salomão concede entrevista para Cíntia Souza…

IMG_4416O trem que passa em Catanduva e empresta um tom poético à cidade…

IMG_3182

A Estação Cultura, que abriga a Secretaria de Cultura e suas muitas ações…

IMG_3185

História preservada: os guichês para compra das passagens de trem…

IMG_4306

Os trilhos que adornam a bela Estação Cultura na Cidade Feitiço

IMG_3986

Aurora Miranda Leão e Jorge Salomão na enorme praça da República…

IMG_3970

Interior da Igreja Matriz, que reúne a maior quantidade de afrescos do artista Benedito Calixto, considerado um dos maiores expoentes da pintura brasileira do início do século XX…

IMG_3612

O belo prédio da Sociedade Italiana, no centro de Catanduva…

IMG_4061

Os convidados e os curadores da Mostra Cinema de Catanduva…

IMG_4129

Cenário externo do Centro Cultural de Catanduva, um dos espaços que abrigou a I Mostra Cinema de Catanduva

IMG_4109

Lígia Rodrigues, cantora e psicóloga, com o poeta Jorge Salomão…

IMG_3989

Chafariz na histórica praça da República: ponto de visitação obrigatória…

IMG_4978

Teatro Municipal Aniz Pachá, palco de grandes espetáculos…

IMG_4373

Jorge Salomão e o Secretário Nelson Martins: admirações recíprocas…

IMG_4297

Jorge Salomão e David Cardoso: encontro de Reis em Catanduva…

IMG_3289

Felipe Brida e Aurora Miranda Leão: Curadores celebram êxito da Mostra Cinema de Catanduva…IMG_4553

O rio embelezando a paisagem central de Catanduva…

IMG_4591

Em papo informal na sede da Prefeitura, o prefeito Geraldo Vinholi, David Cardoso e Marco Vinholi…

IMG_4934

O histórico Castelinho de Catanduva, hoje sede da Pinacoteca…

Sal e Alê

Jorge Salomão e Alessandra, nossa competente condutora em Catanduva…

IMG_4422

Catanduva aprovou Mostra de Cinema: Viva a Cidade Feitiço !

Vinholi e David

Marco Vinholi, criador do projeto Cinema Solidário, e David Cardoso: apostando já na segunda edição da Mostra Cinema de Catanduva !

Catanduva, Cosméticos e Sementes de Felicidade

No ensolarado outubro em Catanduva, a manhã em que o Cinema uniu a Poesia e a Agronomia, e fez o verde projetar FELICIDADE…

IMG_3459

Eles apareceram de mansinho, apenas como quem quer dar um Bom Dia cordial. Era hora do café da manhã e eu conversava com o querido Jorge Salomão. Eles nos olhavam de longe e quando apareceram para nos cumprimentar, o cinema, a música, a poesia, vieram à tona, e então o pai nos disse: ‘Logo vi, pela conversa de vocês, que eram artistas’. E o papo foi fluindo em tom de leveza e clima agradável, e durou horas.

IMG_4488Saló e eles

Foi assim que eu e o poeta Jorge Salomão conhecemos Sérgio Zeferino e Fábio Batista. Pai e filho, um empresário e o outro engenheiro, um poeta e o outro apaixonado por cinema. Os dois, juntos, uma sintonia que resplandece amor, cumplicidade e alegria de caminhar juntos. Ambos tão entrosados quanto encantados com o poder da Arte em transformar o cotidiano, pulsar emoção, construir amizades. Eles são de Araras, mas Sérgio vive caminhando pelo mundo, enquanto Fábio estuda cinema na Universidade de São Carlos.

IMG_3955

Jorge Salomão, Aurora de Cinema, e Sérgio Zeferino em Catanduva…

Sérgio Zeferino atua em diversos setores: criou com os amigos um grupo chamado Pipoca Doce, que se reúne para cantar, trocar ideias. dançar, varar madrugadas, formar parcerias, reunir amigos e celebrar amizades. eles criaram até um hino para o Pipoca Doce, porém falam com tristeza sobre a perda do amigo compositor, falecido há poucos meses. Se a memória não me falha, chamava Manoel, e Sérgio escreveu pra ele versos emocionados que nos mostrou na porta do Reisper Hotel e nos leu em voz alta com os olhos marejados.

Papo vem, conversa vai e se amiúda, e novas histórias vão nos chegando. Então, descobrimos que Sérgio tem uma empresa de cosméticos, que atende por CORROCHÊ, uma linha elegante de cosméticos com produtos para todo o corpo. Dele, eu e Jorge Salomão ganhamos um creme para massagem (Massagex), e o hidratante Mão Perfeita. Sérgio Zeferino é uma simpatia em forma de agrônomo; comanda também a Piraí Sementes, que funciona em Piracicaba, mas ele é de Marília e mora em Araras. E tem raízes no nordeste, e viaja o Brasil inteiro plantando afetos e espalhando simpatias.

Sua melhor tradução é ele mesmo quem anuncia: ‘Eu tenho projetos de Felicidade’.

Saló eu e Sérgio

E assim tivemos, eu e Jorge Salomão, um dos mais felizes e belos encontros que a vida nos concedeu em momentos nos quais estivemos juntos. Dessa vez, o cenário foi Catanduva, a bucólica e adorável cidade paulista, que atende pelo merecido codinome de Cidade Feitiço.

Nós e eles

Naquela manhã de quarta, 23 de outubro – dia inaugural da I Mostra Cinema de Catanduva -, conhecer Sérgio Zeferino e Fábio Batista – emoldurados por uma energia positivamente contagiante -, em pleno horário matinal do café, foi sinal alvissareiro, uma alegria a mais entre as muitas advindas da realização da I Mostra Cinema de Catanduva. Por certo, ela nos fará para sempre lembrar Catanduva como uma cidade onde as coisas acontecem e as pessoas encontram-se em climas tão inusitados e raros quanto benfazejos.

IMG_3553

Viva a Cidade Feitiço ! Salve, Catanduva !

IMG_4731

IMG_3964

E que venha a segunda edição da Mostra Cinema de Catanduva !