Arquivo do mês: outubro 2015

Hoje é dia de celebrar o Poeta Gaúcho do Brasil… PARABÉNS, Carpinejar !

CARPI 229 beleza das PALAVRAS

Porque hoje é festa em Caxias do Sul, em Porto Alegre e em centenas de milhares de admiradores que carregam as palavras do Poeta Carpinejar com estima, cumplicidade, fascínio e aplausos dentro do coração !

Porque hoje o dia amanhece poeticamente saudando e agradecendo…

CARPI 165

Saudando ao Poeta dos Poetas, o mais que querido ourives das palavras, Fabrício Carpi Nejar ! De quem somos leitores de Primeira Hora… mas quem não se encanta completamente com a avassaladora capacidade de emocionar que o Poeta tem ?

Valei-nos, Carpi ! Mais e mais !

CARPI 153

E agradecendo a Deus por ele existir e ser a pessoa especialmente encantadora que é, cujos traços de caráter são tão notórios e belos que seria impossível que eles não inundassem seus versos e transpassassem toda a sua obra magistral !

????????????????????????????????????

PARABÉNS, Poeta Querido !

Q Deus lhe cubra de bênçãos e lhe conceda vida longa com muita Saúde, PAZ, Amor, Prosperidade e essa poderosa Luz que lhe acompanha e nos ilumina a todo instante !

Felicidades mis a você que tanto nos ensina a persegui-la ! FELIZ ANIVERSÁRIO e o mais caloroso ‪#‎AplausoBlogAuroradeCinema‬

Carpi e eu set 14 SP

                                        Saravá, CARPI !

Bom Dia com a Delicadeza de Carpinejar !

CARPI 384

              #AplausoBlogAuroradeCinemaparaopoetaCarpinejar

Filme de David Cardoso vai abrir Festival de Maracanaú

Lu e David

Sem Defesa é o nome do filme de número 80 na carreira do ator, considerado o Rei da Pornochanchada

A 5ª edição do Festival de Cinema Digital e Novas Mídias – FestCine Maracanaú, que será realizado mês que vem na cidade da zona metropolitana de Fortaleza, vai contar com uma sessão especial de pré-lançamento do novo filme do ator David Cardoso.

Trata-se do octogésimo filme de David Cardoso, cuja carreira é recheada de sucessos no cinema e na TV, o que lhe serviu para conquistar uma legião de fãs – de todas as faixas etárias e classes sociais – nos quatro cantos do país.

cartaz SD

O filme #SemDefesa, que tem roteiro, direção, produção e atuação de David Cardoso como protagonista, foca numa questão polêmica: a redução da maioridade penal. De sua fazenda no Mato Grosso do Sul, onde vive com a mulher Rô e o filho Oswaldo (adolescente, e que também atua no filme), David conta:

“Tirei R$ 400 mil do meu bolso para esse projeto. Vendi duas casas das 40 que alugo por aqui para me manter. Quero que seja o filme da minha vida. Mas dinheiro não é problema para mim. Sempre tive a cabeça boa e não saí gastando por aí. Posso comer mortadela todo dia, mas uma vez por ano vou para Nova York. Se eu quiser ter uma Mercedes de R$ 300 mil, na semana seguinte, ela está na minha garagem”.

David e Osw

#SemDefesa: David Cardoso contracena com o caçula Oswaldo Neto… foto AuroradeCinema

Bem humorado e sem papas na língua, o ator e diretor – que foi galã nos filmes de Mazzaropi e tem no vasto currículo amoroso nomes como Vera Fischer -,  tira onda com a fama de galã: “Fui rotulado de garanhão, mas sempre fui ruim de cama. Mantenho minha rotina de exercícios, acordo diariamente às 5 h para correr e praticar boxe, mas sexo só consigo fazer uma vez por semana. Não dá mais. Nem remédio dá jeito”. 

David e Lu

Luziane Baierle e David Cardoso durante filmagens na fazenda Suçuarana em Maracaju (MS), terra natal do artista – foto AuroradeCinema

David Cardoso passou por tantas agruras para realizar #SemDefesa que vive dizendo que este será seu último filme como produtor. Mesmo assim, é difícil crer que essa seja mesmo a intenção do diretor, já que David tem uma paixão pelo fazer cinema e um gosto pela movimentação dos sets que transparece a todo momento. 

Porém, ele assegura que vai preferir ficar apenas fazendo pequenos papéis “porque não tem a canseira, é só a parte que realmente é diversão !”

David confere

David Cardoso conferindo com parte da equipe técnica imagens do filme #SemDefesa em pleno centro de Maracaju… foto AuroradeCinema

Para 2016, David Cardoso já tem agendado o filme “A mulher macaco”, do diretor Paulo Faria, no qual vai dividir o set com a atriz Nicole Puzzi, musa da Pornochanchada.  E ele diz com um sorriso de alegria e orgulho:”Fui eu que descobri a Nicole”.

SEM DEFESA por Graci

Maurílio Azambuja, Aurora Miranda Leão, Leila Azambuja e a filha Amanda, David Cardoso e Luiziane Baierle em dia de filmagens na Fazenda Suçuarana em Maracaju (Mato Grosso do Sul), terra natal de David Cardoso…

Em plena atividade, David Cardoso vive em viagens pelo país, convidado para participar de festivais de cinema, ministrar oficinas, fazer palestras e exibir seus filmes. E revela que adora estar no meio das novas gerações e de pessoas que atuam no meio, mas que dificilmente conheceria se não fosse por conta desses intercâmbios: “Fico impressionado com o interesse das pessoas que estão no meio, que já são da carreira ou querem seguir o caminho da Arte. Elas fazem perguntas sérias, acadêmicas, querem saber histórias antigas do cinema, da TV e do teatro, perguntam sempre como foi começar numa época em que as tecnologias ainda não estavam tão acessíveis. Mas o que sempre vem à tona mesmo é a pergunta daquele que quer saber se comi a Vera Fischer ou se o Mazzaropi me paquerava”. (risos)

advogados

Bastidores das filmagens #SemDefesa em Campo Grande com amigos de David, que terminou tudo em tempo recorde…  foto AuroradeCinema


A saudosa Sandra Brea e David Cardoso em A Noite das Taras, 1980

O FESTCINE MARACANAÚ

O FestCine Maracanaú bateu recorde de inscrições. Segundo seu coordenador-geral, o cineasta Afonso Celso, a organização recebeu 221 curtas e 17 longas, nos mais diversos gêneros e formatos. O Festival foi antecipado e será realizado de 17 a 22 de novembro porque será incluído numa grande semana de atividades alusivas ao aniversário da Fundação de Cultura de Maracanaú.

Toda a programação tem acesso gratuito. Em competição, haverá três categorias competitivas: longa-metragem (com duração acima de 70 minutos), curtas-metragens brasileiros (duração até 20 minutos) e novas mídias (vídeos brasileiros captados em qualquer plataforma, com duração de até 5 minutos), além da mostra Rodolpho Téofilo, dedicada aos realizadores do Ceará.

Seleção e premiação

As obras selecionadas devem ser divulgadas até dia 31 de outubro. Serão entregues troféus e certificados de participação para os premiados nas categorias de longa e curta-metragem, além de subcategorias incluindo melhor roteiro, melhor trilha sonora e melhor diretor.

O troféu representando as ‘maracanãs’ que dão nome à cidade de Maracanaú… foto AuroradeCinema

A premiação em dinheiro será de R$ 5 mil para melhor longa-metragem e R$ 2 mil para melhor curta-metragem. 

Acompanhe aqui no #BlogAuroradeCinema mais informações sobre o Festival de Cinema Digital e Novas Mídias de Maracanaú.

Uma garrafa de Vinho Branco e O Filme

vinho cartaz

Um belo roteiro de Cinema pode virar filme ! Trata-se de uma nova história, criada pela cineasta/roteirista/produtora pernambucana Andréa Cohim, cujo título é Vinho Branco, O Filme.

Para que o sonho possa sair do papel e virar história audiovisual – para ser vista, ouvida, apreciada e discutida -, há uma interessante campanha circulando na web para angariar recursos.

Tudo é muito simples e com benefícios estimulantes, que começam desde ganhar uma garrafa de VINHO BRANCO até presenciar um dia de filmagens. Veja o que diz a idealizadora do projeto, Andréa Cohim:

Apesar de estar aumentando, a representação  LGBT no cinema mundial ainda é muito pequena e no Brasil ainda menor. 

Vinho Branco, O Filme vai contar uma história voltada para todos os públicos e em especial ao público LGBT, que quer se ver representado nas telas de cinema, televisão, na internet, etc., sem nenhum ranço caricatural e sem estar preso a estereótipos comportamentais. 

Nós também esperamos lançar discussões sobre o tema, por que não? Discussões sadias enriquecem as pessoas e o cinema é uma das maneiras mais agradáveis de fazer isso.

As filmagens estão previstas para acontecer a partir de Março e precisamos da sua ajuda para a fase de pré- produção e a produção propriamente dita.

Por que precisamos da sua ajuda ? Porque fazer cinema  ainda é muito caro. Por que além do material (câmera, iluminação, etc), precisamos contratar uma  equipe de profissionais, e dos bons, para com isso garantir que a qualidade do filme será a melhor. 

São muitas as pessoas que trabalham numa equipe de produção de cinema. Só para citar alguns: Produtor, Atores e Atrizes (elenco), Cenotécnico, Diretor de Arte, Diretor de Fotografia, Maquiador, Figurinista, Técnico de Som, Editor, eletricista, motorista e muitos outros. É gente pra caramba !

Sem o apoio de vocês, a história de VINHO BRANCO, O Filme pode não ser contada. Por isso, para termos mais um filme brasileiro feito na garra, raça, com nosso talentos e muita paixão, precisa de sua contribuição. Colabore! 

http://www.kickante.com.br/campanhas/curta-vinho-branco

vinho B

CONTRIBUA PARA A CAMPANHA VINHO BRANCO, O Filme. É simples e fácil! Basta escolher uma recompensa, contribuir e pronto!

A partir de R$20,00, você já começa a receber nossas recompensas. Quanto maior a contribuição, mais recompensas você ganha.

Você pode até participar de UM DIA INTEIRO NO SET. Isso mesmo, acompanhar um dia de filmagem, vendo todo o processo de gravação.

Você pode conferir outros trabalhos de Andréa Cohim pelo site: www.artsonhoproducoes.com.br

A hora é agora! Contribua com
VINHO BRANCO, o filme.

Pernambucano vence Festival do Rio e júri popular escolhe filme de Berliner

Juliano Cazarré protagoniza Boi Neon, vencedor da edição 2015 do FestRIO

O filme Boi Neon, do diretor Gabriel Mascaro, foi o grande vencedor da 17ª edição do Festival do Rio. O longa conquistou ainda os prêmios de Melhor Roteiro, Melhor Fotografia e Melhor Atriz Coadjuvante. A premiação aconteceu na noite desta terça (13) no Espaço BNDES, no Centro do Rio.

Ao todo, 13 filmes concorreram ao principal prêmio do festival. Nise – Coração da Loucura, do diretor Roberto Berliner, foi eleito pelo voto popular como o melhor longa-metragem de ficção.

 

Na Mostra Competitiva de documentário, o premiado pelo Júri Oficial foi “Olmo e a Gaivota”, das diretoras Petra Costa e Lea Glob. Já Betinho – A Esperança Equilibrista, do diretor Victor Lopes, foi eleito pelo voto popular.

Na mostra competitiva de curtas-metragens, o prêmio do júri oficial foi para “Pele de Pássaro”, de Clara Peltier, e o do voto popular para Até a China, de Marão.

Na competição Novos Rumos, que premia a nova geração de diretores, “Beira-Mar”, de Filipe Matzembacher e Marcio Reolon, foi o vencedor na categoria longa-metragem. “Jonas”, de Lô Politi, recebeu o Prêmio Especial do Júri. Na categoria curta-metragem, o prêmio foi para “Outubro Acabou”, dos diretores Karen Akerman e Miguel Seabra Lopes.

Confira a lista completa dos competidores e vencedores

Os atores Zezé Polessa e Otávio Müller foram os apresentadores da noite. O júri principal foi formado pelo presidente Walter Carvalho; Christian Sida-Valenzuela, diretor executivo do Festival de Cinema Latino Americano de Vancouver; Alan Poul, produtor e diretor nos Estados Unidos; Pape Boye e Vivian Ostrovsky.

Os prêmios da categoria Novos Rumos, que premia a nova geração de diretores, foram escolhidos por outro júri, composto pela presidente Rosane Svartman; Diana Almeida, produtora; Karen Sztajnberg, editora e roteirista; e a atriz Natalia Lage.

O Festival do Rio exibiu filmes de 60 países entre 1º e 13 de outubro, na cidade do Rio, divididos em mostras por categoria. Foram selecionados 41 longas e 19 curtas brasileiros na programação da 17ª edição.

Premiados posaram para foto após anúncio de todos os vencedores da 17ª Edição do Festival do Rio (Foto: Marcelo Elizardo / G1)Premiados após anúncio dos vencedores da 17ª Edição do Festival do Rio (Foto: Marcelo Elizardo / G1)

PREMIÉRE BRASIL


MOSTRA COMPETITIVA DE LONGAS-METRAGENS DE FICÇÃO:

“Boi Neon”, de Gabriel Mascaro, 101 min (PE)
Prêmio de Melhor Longa-Metragem de Ficção eleito pelo Júri Oficial
Prêmio de Melhor Roteiro – Gabriel Mascaro
Prêmio de Melhor Fotografia – Diego Garcia
Prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante – Alyne Santa

“Nise – Coração da Loucura”, de Roberto Berliner, 109 min (RJ)
Prêmio e Melhor Longa-metragem de Ficção eleito pelo Voto Popular

“Campo Grande”, de Sandra Kogut, 109 min (RJ)
Prêmio de Melhor Montagem – montador Sérgio Mekler

“Quase Memória”, de Ruy Guerra, 95 min (RJ)
Prêmio Especial do Júri

“Califórnia”, de Marina Person, 85 min (SP)
Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante – Caio Horowicz

“Mate-me Por Favor”, de Anita Rocha da Silveira, 101 min (RJ)
Prêmio de Melhor Atriz – Valentina Herszage
Prêmio de Melhor Direção – Anita Rocha da Silveira

“Aspirantes”, de Ives Rosenfeld, 75 min (RJ)
Prêmio de Melhor Ator – Ariclenes Barroso
Prêmio de Melhor Direção – Ives Rosenfeld
Prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante – Júlia Bernat

Também competiram “A Floresta Que se Move” (RJ), de Vinícius Coimbra; “Beatriz”, de Alberto Graça (RJ); “Introdução à Música do Sangue”, de Luiz Carlos Lacerda (RJ); “Mundo Cão”, de Marcos Jorge (SP); “Órfãos do Eldorado”, de Guilherme Coelho (RJ); “Tudo que Aprendemos Juntos”, de Sérgio Machado (SP).

MOSTRA COMPETITIVA DE LONGAS-METRAGENS DE DOCUMENTÁRIO:

“Olmo e a Gaivota”, de Petra Costa e Lea Glob, 82 min (SP)
Prêmio de Melhor Longa-Metragem de Documentário – eleito pelo Júri Oficial

“Betinho – A Esperança Equilibrista”, de Victor Lopes, 90 min (RJ)
Prêmio de Melhor Longa-Metragem de Documentário – eleito pelo Voto Popular

“Futuro Junho”, de Maria Augusta Ramos, 100 min (RJ)
Prêmio de Melhor Direção

Também competiram “Cordilheiras no Mar: A Fúria do Fogo Bárbaro”, de Geneton Moraes Neto (RJ); “Crônica da Demolição”, de Eduardo Ades (RJ); “Marias”, de Joana Mariani (SP);
“Mario Wallace Simonsen, Entre a Memória e a História”, de Ricardo Pinto e Silva (SP).

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS-METRAGENS:

“Pele de Pássaro”, de Clara Peltier, 15 min (RJ)
Prêmio de Melhor Curta-metragem

“Até a China”, de Marão, 15 min (RJ)
Eleito pelo Voto Popular

Também competiram “Cumieira”, de Diego Benevides (PB); “Fantasia de Papel”, de Tetê Mattos (RJ); “Guida”, de Rosana Urbes (SP); “Mar de Fogo”, de Joel Pizzini (RJ); “Marrocos”, de Andrea Nero e Iajima Silena (SP); “Olho-Urubu”, de André Guerreiro Lopes (SP); “Serra do Caxambu”, de Marcio Brito Neto (RJ); “Som Guia”, de Felipe Rocha, 15 min (RJ).

NOVOS RUMOS – longas-metragens

“Beira-Mar”, de Filipe Matzembacher & Marcio Reolon, 83 min (RS)
Melhor Longa-metragem

“Jonas”, de Lô Politi, 90 min (SP) (recebeu o prêmio especial do júri)
Prêmio Especial do Júri

Também competiram “A Morte de J.P. Cuenca”, de João Paulo Cuenca (RJ); “A Seita”, de André Antônio (PE); “Clarisse ou alguma coisa sobre nós dois”, de Petrus Cariry (CE); “Ralé”, de Helena Ignez (SP).

NOVOS RUMOS – curtas-metragens:

“Outubro Acabou”, de Karen Akerman, Miguel Seabra Lopes, 24 min (RJ)
Melhor Curta-metragem

Também competiram “Escape From My Eyes”, de Felipe Bragança (RJ); “Imóvel”, de Isaac Pipano (RJ); “Tarântula”, de Aly Muritiba e Marja Calafange (PR).

Reportagem de Marcelo Elizardo, Jornal O GLOBO e portal G1

Bruno de Lucca volta às telas como Carlos Imperial

O ator Bruno De Lucca, que estreou na telinha ainda criança atuando em #Malhação, vai voltar a atuar após 10 anos.

O ator fará o lendário e irreverente produtor carioca Carlos Imperial no filme dedicado ao Tremendão Erasmo Carlos e está super contente com a oportunidade.

Bruno
Bruno De Lucca e Fabiano Miranda na primeira temporada de #Malhação, há 20 anos…

Depois de comandar programas de muita audiência como “30 Coisas Para Se Fazer Antes dos 30” e “A Eliminação”, no canal Multishow, Bruno conta: “Fiz as pazes com a profissão. Me reciclei num curso com o Sérgio Penna. Meu último trabalho como ator tinha sido no filme ‘Um Lobisomem na Amazônia’, do Ivan Cardoso”.

No filme, Bruno vai contracenar com Chay Suede, que viverá o Tremendão, e também com Gabriel Leone, que vai interpretar o Rei Roberto Carlos. As filmagens começam mês que vem no Rio.

“Imperial era um sujeito polêmico. Vai ser interessante fazê-lo. Ainda bem que não é na fase em que ele ficou muito gordo”, observa Bruno. O produtor foi o responsável pelo lançamento da carreira de Roberto e Erasmo nos anos 60, além de ter lançado diversos outros artistas.

Também famoso por comandar festas que já deram o que falar com vizinhos, Bruno De Lucca garante nunca ter perturbado o ídolo Erasmo Carlos, que é seu vizinho: “Tinham falado que ele reclamou de mim, mas descobri que não era verdade. Ele, inclusive, tocou numa festa lá em casa. Sou muito fã desse cara, faço visitas.”

Erasmo Carlos e Bruno de Lucca…

Os vencedores do X Curta Canoa

barro assinado

O Curta Canoa é um dos festivais de cinema que mais atrai a atenção de realizadores de todo o pais. Afinal ,trata-se de festival anual de curtas-metragens, realizado numa das mais belas praias do Brasil e com exibições de cinema ao ar livre.

Isso faz com que, a cada ano, a atenção para o festival aumente e o afluxo de inscrições seja enorme. Este ano, mais de 200 curtas-metragens foram inscritos, sendo 47 filmes selecionados para a Mostra Competitiva, a qual contou ainda com a exibição de 7 trabalhos estrangeiros.

O filme vencedor desta décima edição do Curta Canoa foi Sonetos do Sertão, do diretor Márcio Del Picchia, que morou bastante tempo no Ceará e se considera “um paulista com coração cearense”. O Curta Canoa entregou 10 Troféus Lua Estrela, e ofertou duas menções honrosas, conforme votação do júri oficial, composto por Thiago Terrian, a realizadora venezuelana Desirée, e pela produtora e atriz Malu Torres.

Sonetos do Sertão foca numa família pobre do sertão cearense, que enfrenta grandes dificuldades para sobreviver frente à seca. Tendo a poesia abraçada à esperança, traduzida pelo olhar de uma criança, o filme faz também referência  a uma fase da vida do saudoso poeta Patativa do Assaré, que perdeu uma filha vítima da fome.

Curta 'Sonetos do Sertão' é um dos selecionados para o Curta Canoa (Foto: Divulgação)

O diretor Márcio Del Picchia disse lamentar o pouco espaço dedicado à exibição de curtas-metragens no país: “Participar de um festival é sempre uma grande oportunidade. Principalmente no caso deste festival, em especial, que é feito ao ar livre, com toda uma estética e sensação especial”.

Sonetos faturou mais dois troféus: o de Melhor Ator, para o ator Marcos Amaral, falecido no início do ano, e o de Melhor Atriz, para Anastásia Custódio, brasiliense com 25 anos de carreira e atuação em mais de 18 peças teatrais e novelas.

O idealizador do festival, Adriano Lima comenta a premiação. “Desde a seleção, feita pela curadoria da Unifor, o filme tirou nota máxima. Sonetos tem a cara desse festival e a energia do Ceará”.

CC 15

CATEGORIAS PREMIADAS 

O troféu de Melhor Roteiro ficou com O Clube, filme do cineasta Allan Ribeiro, que conta a história da Turma OK, grupo de transformistas do Rio de Janeiro com 53 anos de funcionamento. Os membros do grupo interpretam a si mesmos, criando uma narrativa híbrida na qual o real e a ficção se misturam. Allan Ribeiro é um dos mais premiados curta-metragistas do país com mais de 70 prêmios no currículo.

À noite de premiação trouxe um troféu para o Ceará. Na categoria Melhor Fotografia ganhou Longitudes, da cineasta cearense Amanda Pontes, cujo cenário é a cidade de Aracati e a famosa praia de Canoa Quebrada.

O curta Retirantes, da gaúcha Maíra Coelho, venceu na categoria Melhor Direção de Arte e Trilha Sonora Original. No filme, os personagens são bonecos em animação de fantasia e mistério, ambientados no agreste e inspirados na pintura de Cândido Portinari.

A película Sempre Partir, produzida pelo cineasta Leonardo Remor, do Rio Grande do Sul, levou o troféu de Melhor Som. A história acompanha a rotina de um circo pelo olhar de Rose, uma trapezista que vê na vida dos outros a possibilidade de uma nova história.

Troféu CC 15

O júri ainda fez duas menções honrosas nas categorias de animação: o filme Guida, da diretora paulista Rosana Urbes, pela delicadeza do uso das técnicas e transformações dos traços; e o documentário Nau Insensata, do também paulista Cristiano Sidoti, pela importância e relevância do fato no contexto político.

Na Mostra Unifor, o filme escolhido Canabrava foi produzido pelo jovem realizador Maurício Macedo do Curso de Cinema e Novas Mídias.

Adriano e noix

Adriano Lima e Aurora de Cinema no encerramento do Curta Canoa 2015….