Preconceito e Identidade são temas de “Áurea, a Lei da Velha Senhora”

Áurea cartaz

Peça estreia dia 5 no Banquete Cultural, na Lapa… Vamos ao TEATRO !

Com Dja Marthins e José Araújo em papéis de destaque, Áurea, a lei da velha senhora é a aguardada estreia do próximo dia 5 em palco carioca. Com texto e direção de Jean Mendonça, a dramaturgia foca nos reflexos da escravidão no Brasil e na consequente luta contra o racismo, visando à impulsionar a conscientização sobre a importância dos negros na formação da identidade brasileira e na quebra dos abomináveis preconceitos derivados do racismo.

Afinal, sabemos todos: mesmo com a vigência de políticas públicas que trabalham em prol do fim da desigualdade racial no Brasil, o racismo persiste e dele temos vexatórios exemplos cotidianos. No mercado de trabalho, nas universidades, nas delegacias e no discurso dos formadores de opinião não é raro identificar sintomas desse preconceito. Alguns extrapolam e não escondem suas opiniões e sentimentos torpes, como aconteceu recentemente nos casos com a jornalista Maju Coutinho e a atriz Taís Araújo. Imaginem o que deve acontecer diariamente com pessoas anônimas mas que sofrem iguais injúrias e merecem o mesmo Respeito e Aceitação.

Zé peça

José Araújo, notável ator e cantor, é presença importante na trama de Áurea…

A constante afirmação de estereótipos na produção cultural brasileira “mainstream” e nos meios de comunicação hegemônicos colabora para reforçar o sentimento de autodesvalorização dos negros e o desinteresse pelo debate aprofundado sobre causas do racismo e ações para sua mitigação.

Dja cartaz

Escravidão e Racismo são temas de Áurea, a Lei da Velha Senhora

Áurea, a lei da velha senhora surge para expor essa realidade deplorável e fazer o espectador refletir. O fim do preconceito racial passa pelo reconhecimento da existência do racismo, mas principalmente pela compreensão da contribuição do negro para a identidade cultural brasileira.

Zé de Preto

José Araújo integra elenco de Áurea, a lei da velha senhora…

A trama da peça acontece nos dias atuais: num casarão abandonado no centro de uma grande cidade a qual, em tempos remotos, abrigou uma família de posses e seus escravos. Curiosamente, nesse lugar, a escravidão ainda não foi abolida e os negros vivem em condições precárias, sob a dominação de sua Velha Senhora Áurea.

Dja velha Senhora

Dja Marthins empresta sua força interpretativa ao texto de Áurea…

Tudo corria como sempre, até que surge Senhorinha, uma jovem justiceira que descobre o casarão em meio à morte inesperada da matriarca e instaura forçosamente a liberdade dos negros, abolindo a Lei da Velha Senhora e ajudando-os a conviver harmoniosamente com a democracia vigente, ou o que se fez dela.

A partir do espetáculo teatral, nasceu o curta-metragem Negrinho, que terá exibição diária antes do espetáculo. Negrinho é um personagem importante: o curta foca a vida de um menino negro de cinco anos numa comunidade quilombola com sua mãe e sua bisavó. Pouco se sabe de seu passado porém muito se descobre através de seus olhos sobre os moradores do local e suas raízes. Negrinho é um filósofo contemporâneo, um anjo de asa negra, que questiona a diferença de cor e desbrava um mundo ainda regido pelo preconceito, mesmo que velado. Seu pai é o autor do texto da peça e roteiro do filme.

Áurea, a lei da Vela de Senhora é um projeto que deu certo antes mesmo de sua estreia. Todos da equipe foram transformados pelo seu processo e vários desdobramentos culturais foram alcançados, como o filme Negrinho, a trilogia A Saga dos Homens Pretos – ambos com estreia simultânea com o espetáculo -, e os encontros de sábado na Cia Banquete Cultural voltados à cultura negra (aulas abertas de dança de matriz africana, oficinas de percussão e de capoeira Angola), realizados desde novembro de 2014, quando tudo efetivamente começou.

A semente da consciência está lançada, mais uma vez, através da arte de essência.

Áurea, a lei da velha senhora  é uma realização do Ministério da Cultura pela contemplação do Prêmio FUNARTE de Teatro Myriam Muniz, 2014.

Zé cartaz 

SERVIÇO

TEATRO ÁUREA, A LEI DA VELHA SENHORA
Texto e direção JEAN MENDONÇA

Estreia dia 5 de novembro, 19:30h

Onde: Cia Banquete Cultural

Rua da Lapa n243, Glória, Rio de Janeiro.
R$20 inteira e R$10 meia entrada

Com Dja Marthins e José Araújo

Reservas e informações:
contato@banquetecultural.com
(21) 96918-8999

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s