A antropofagia imagética de Gui Castor em diálogo com mestres da Fotografia

Resultado de imagem para FOTOS gui castor

GUI CASTOR começa o mundo em Vitória…

Homem do espaço6

Daqui começo o mundo este é o título da instigante exposição do artista, fotógrafo e cineasta GUI CASTOR em cartaz na Galeria Homero Massena em Vitória, capital do Espírito Santo.

O mundo de Gui Castor começa sempre com um farto sorriso e é isso que convoca imediata empatia com o artista. Na sequência, a sensibilidade de GUI promove conexões com uma benfazeja capacidade de descobrir porções do inusitado que ele sai recolhendo por onde passa e oferece em porções imagéticas através de belas fotografias e inusitados vídeos e filmes.

A trajetória de GUI CASTOR é pontilhada de participações em eventos internacionais, exposições coletivas, festivais de cinema, oficinas, e coisas afim. Agora, o jovem capixaba juntou as paixões – fotografia e cinema – e reúne alguns de seus principais takes e olhares no livro Daqui começo o mundo.

Na obra atual de GUI Castor há um diálogo evidente com a exposição “Moderna Para sempre – Fotografia Modernista Brasileira na Coleção Itaú”, em cartaz no Palácio Anchieta na capital do Espírito Santo, que reúne um dos mais importantes e significativos conjuntos dos primórdios da fotografia artística no Brasil.

Resultado de imagem para FOTOS gui castor DAQUI COMEÇO O MUNDO

A galeria Humberto Massena abriga a exposição com obras de GUI Castor…

Como parte integrante desta programação dedicada aos temas da fotografia no campo da arte, a Galeria Homero Massena recebe o trabalho fotográfico e em vídeo do artista capixaba Gui Castor. A intenção dos organizadores foi criar uma exposição com referência histórica e consolidada no campo da fotografia, ao mesmo tempo em que um jovem artista elabora trabalhos que podem ser interpretados como respostas contemporâneas a questões semelhantes às desenvolvidas pelos grandes fotógrafos brasileiros dos anos 1940 a 1970, apresentados pela mostra do Instituto Itaú Cultural.

Assim, as duas exposições apresentam complementaridade em suas abordagens. O visitante que vai ao Palácio Anchieta e tem contato com uma produção das mais importantes do Brasil, poderá também ter contato intenso com a produção atual, a partir do olhar inspirado de GUI CASTOR, jovem artista capixaba.

Resultado de imagem para exposição gui castor DAQUI COMEÇO O MUNDO

Gui Castor é também o idealizador do popular festival de cinema Cine Rua 7

O título Daqui começo o mundo é inspirado em pintura do renomado Cícero Dias, na qual há uma valorização do local para a interpretação do mundo. O artista escreve em sua tela uma das jóias do modernismo pernambucano/brasileiro: “Eu vi o mundo, ele começava no Recife”. Esta é uma frase que faz com que a herança européia e as referências dominantes da arte sejam metabolizadas e reinterpretadas segundo um sotaque local.

Nesse sentido, há um trânsito que incorpora aspectos da alteridade, ao mesmo tempo em que constrói a própria identidade, um contato com o outro mas com constante referências ao local. Segundo o curador da mostra, o mineiro Júlio Martins,“Gui Castor é um artista que possui muitas obras em solo estrangeiro, mas ele estabelece contatos e firma seu local de fala a partir de um sotaque próprio, um sotaque capixaba.”

Resultado de imagem para exposição gui castor DAQUI COMEÇO O MUNDO

Gui Castor finalizando a montagem da exposição…

As várias linguagens presentes na mostra contribuem com a politização do discurso do modernismo brasileiro que hoje, na contemporaneidade, é matéria para o trabalho de muitos artistas, que pesquisam, problematizam e desdobram as heranças da estética moderna. Novamente, segundo Martins, “a produção de Gui Castor é interessante pois traça uma voz que foi esquecida pelo discurso dominante da modernidade e que ressurge na modernidade como problematização”.

Por exemplo, foram construídas, sob a mesma lógica moderna, cidades para abrigar e excluir os leprosos do convívio social, e Gui Castor passou dois anos investigando como esta cidade hoje, no interior do Espírito Santo, bastante à margem portanto, lida com os dilemas de consciência em relação à doença ter se modificado enquanto que o preconceito continua o mesmo.

De certa maneira a leitura do modernismo é muito formal, somente interessado nas formas, nos jogos de percepção, deixando de lado o contexto social e político. Os trabalhos de Gui Castor lidam com a herança moderna mas realizam uma contra leitura, uma leitura crítica e atual dos temas. É um convite aos contrapontos.

O título da exposição de GUI CASTOR é inspirado na tela do pintor modernista pernambucano Cícero Dias: a obra “Eu vi o mundo, ele começava no Recife” é uma afirmação muito forte e no melhor espírito da antropofagia brasileira. A frase é uma afirmação antropofágica e de autoestima. Desenha a possibilidade de se apropriar de diversas influências, de vários lugares, como a dita alta cultura européia, numa mistura própria. Para o curador, “a antropofagia constitui uma das matrizes mais poderosas da formação da nossa cultura brasileira. O sentido da frase que batiza a exposição Daqui começo o mundo diz respeito a esta habilidade em receber a cultura que vem de fora e devolvê-la em novos contornos, aqueles que me interessam. É algo muito poderoso e de extrema autoestima, algo que precisamos recuperar na contemporaneidade”.

Imagem relacionada

Artista capixabamente universal, GUI CASTOR é um Querido desde sempre !

Outro aspecto a se destacar é a postura do artista Gui Castor como antropólogo do contemporâneo. O artista participa de uma tendência das artes atuais em buscar o convívio e o diálogo com o outro, de construir relações, encontros, tal como o approach de um antropólogo, que chega em uma tribo sem informações prévias e busca conhecer e evidenciar os fatos que vivencia, relacionando-se diretamente com seu objeto de estudo.

O curador Júlio Martins relembra uma frase de Cildo Meireles: “o artista, tal como o garimpeiro, vive de procurar o que nunca perdeu.” Assim, nessa postura de “artista como etnólogo”, como conceituou o crítico de arte Hal Foster, Gui Castor procura em seus trabalhos estabelecer encontros e relações com o outro. O artista define sua postura assim: Exercito um olhar aberto que recolhe, nos encontros rápidos e anônimos, a busca do contato com o outro”.

Gui e eu

Esta redatora e Gui Castor: sempre um encontro de ótimas energias !

SERVIÇO:

Daqui começo o mundo: fotografias, videos e livros de GUI CASTOR

Curadoria Júlio Martins

Galeria Homero Massena
Dia 29 de maio, TERÇA: lançamento do livro COLÔNIA com bate-papo entre Gui Castor e Júlio Martins

HORA e LOCAL: 19h, galeria Homero Massena – ENTRADA FRANCA

Uma resposta para “A antropofagia imagética de Gui Castor em diálogo com mestres da Fotografia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s