Arquivo do mês: julho 2020

Jornadas Namídia destacaram crônica, telenovela, carnaval e telejornalismo

NAMIDIA panfleto mini

As Jornadas NAMÍDIA são uma realização anual do grupo de pesquisa acadêmica da UFJF “Narrativas Midiáticas e Dialogias”, coordenado pela jornalista e professora Doutora Cláudia Thomé.

Neste 2020, a quarta edição das Jornadas de Mídia e Literatura NAMÍDIA aconteceram em versão online – por conta da pandemia que tomou de assalto o mundo -, e tiveram 6 sessões virtuais, no período de 6 a 11 de julho, via Youtube.

Intituladas Jornadas Namídia: narrativas em tempos de pandemia. Gratuito e aberto a quem se interessa pelas discussões propostas, o evento enfatizou o quanto este tempo de quarentena e confinamento privilegiou o olhar para as artes, em especial, o audiovisual.

Os seis dias das JORNADAS tiveram a seguinte configuração:

Na sessão de abertura, as Jornadas Namídia receberam as jornalistas Michele Ferreira (TV Integração) e Mariana Cardoso (TV Globo). A conversa teve mediação do jornalista Pedro Miranda (doutorando em Comunicação do PPGCOM/UFJF e membro do Namídia), e a pauta teve como foco os desafios e mudanças no fazer telejornalístico do período de pandemia.

Na segunda sessão, o convidado foi Victor Menezes (mestre em História Cultural pela Unicamp), que conversou com Vanessa Martins (mestranda em Comunicação do PPGCOM/UFJF e membro do Namídia) e Laura Sanábio (mestranda em Comunicação do PPGCOM/UFJF e membro do Namídia) sobre o universo fantástico de “Harry Potter” e Fake News.

Em seguida, na quarta (08 de julho), foi a vez do pesquisador Valmir Moratelli (escritor, poeta, jornalista, cineasta e doutorando em Comunicação PUC-Rio) abordar o tema da Teledramaturgia. O bate-papo teve como mediadora a atriz e jornalista Aurora Miranda Leão (esta que vos fala, que é doutoranda em Comunicação PPGCOM UFJF e membro do Namídia) e contou com o auxílio luxuoso do jornalista Pedro Miranda (doutorando em Comunicação PPGCOM/UFJF e membro do Namídia). Essa foi uma das conversas que rendeu mais audiência, evidenciando o quanto a telenovela é querida no país e o quanto o público se mantém fiel a essa forma de ecxpressão artística, mesmo em tempos de isolamento social. A atriz Rosamaria Murtinho foi uma das que acompanhou as Lives NAMÍDIA e postou vários comentários elogiosos.

Já na quarta sessão, o convidado foi o jornalista Maranhão Viegas, da TV Brasil, que conversou com a pesquisadora Cláudia Thomé (professora da Facom e da pós-graduação PPGCOM/UFJF, além de coordenadora do Namídia), tendo como mediadora a acadêmica Michele Pereira (doutoranda em Comunicação pela PUC-Rio e membro do Namídia). O tema foi a crônica audiovisual na TV e rendeu belos momentos de defesa da atividade jornalística com ênfase ao aspecto humanitário da profissão, à necessidade do profissional da Comunicação e às sutilezas poéticas da crônica televisiva num ambiente que exige tanta velocidade de produção e deixa pouco espaço para o lirismo. A audiência, atenta e emocionada com as palavras de Maranhão Viegas, acabou emocionando o colega da TV Brasil, que se declarou inteiramente imerso em afetividade e gratidão. 

Na penúltima sessão das #jornadasnamidia, o convidado foi o jornalista e comentarista da folia carioca, Bruno Filippo (Rádio BandNews FM). A conversa sobre Carnaval foi conduzida pelo também jornalista e pesquisador Marco Aurélio Reis (professor Unesa-RJ e vice-coordenador do Namídia) e pela pesquisadora Samara Miranda (mestranda em Comunicação PPGCOM/UFJF e membro do Namídia).

Para encerrar a semana de JORNADAS NAMÍDIA, o convidado super especial foi o pesquisador, carnavalesco e comentarista do Carnaval Globeleza, Milton Cunha. O bate-papo sobre as narrativas da Sapucaí foi conduzido pelos jovens pesquisadores Samara Miranda (mestranda em Comunicação PPGCOM/UFJF) e Rafael Rezende (doutorando em Comunicação PPGCOM/UFJF e membro do Namídia). 

A participação de Milton Cunha, que é mestre e doutor em Ciências da Literatura, PHD em História da Arte e coordenador-geral do Observatório de Carnaval da UFRJ, foi das mais festejadas e encerrou com brilhantismo esta quarta edição das Jornadas de Mídia e Literatura do grupo de pesquisa Narrativas Midiáticas e Dialogias.

Quem quiser rever, ou quem perdeu e gostaria de assistir às Jonadas NAMÍDIA, basta acessar o canal do grupo no Youtube:

https://www.youtube.com/channel/UCjsbXtrj4gCfB-5NrbPgQ2w

Para entrar em contato, basta seguir as redes sociais:

Grupo de Pesquisa Narrativas Midiáticas E-mail: grupo.namidia@gmail.com instagram.com/narrativasmidiaticas/ facebook.com/narrativasmidiaticasedialogias ufjf.br/narrativasmidiaticas/

NAMÍDIA convida para Jornada de Mídia e Literatura online

NAMIDIA panfleto mini

Grupo de Pesquisa Narrativas Midiáticas e Dialogias (NAMIDIA) – UFJF/CNPq – vai reunir profissionais e pesquisadores de diversas áreas da Comunicação em evento que acontece de 6 a 11 de julho

NAMIDIA Jornadas 20

O grupo Narrativas Midiáticas e Dialogias (NAMIDIA) pesquisa as mudanças na narrativa jornalística, buscando detectar e analisar os deslizamentos entre os gêneros e as plataformas midiáticas, e as estratégias de uma hibridização que é anterior à convergência midiática, mas que se acelera no contexto atual.

A velocidade com que a narrativa midiática contemporânea se altera e é atravessada por novas possibilidades de narrar, diante da convergência das mídias, acena para a necessidade de uma análise de gêneros que se hibridizam, no “deslizamento” de um meio a outro. As tecnologias digitais aceleraram esse fenômeno que, no entanto, não é tão novo.

Narrativas Midiáticas e Dialogias - Home | Facebook

O grupo NAMIDIA – certificado pelo CNPq e vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFJF -, abriga projetos de pesquisas sobre narrativas em mutação, estratégias narrativas no telejornalismo e seu diálogo com outros campos, cronismo audiovisual e novas funções e competências no jornalismo. Nessa configuração, incluem-se pesquisas sobre audiovisual, telenovelas, documentários, histórias em quadrinhos, crônicas, carnaval, crônicas e muitas outras.

O que se verá na quarta edição das JORNADAS promovidas pelo grupo de pesquisa do curso de Comunicação, a nível de pós-graduação, da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), converge para destacar as muitas pesquisas que acontecem no âmbito do NAMÍDIA, coordenado pela jornalista e profa Doutora Cláudia Thomé, que tem reuniões semanais na FACOM/UFJF.

E com a realização das Jornadas onlione que começam na próxima segunda, 06 de julho, cujas inscrições estão abertas, o NAMÍDIA prova que continua ativo e que sua capacidade de produção e intercâmbio não cessou com a pandemia. Muito ao contrário, o grupo de pesquisa Narrativas Midiáticas e Dialogias está produzindo em várias frentes através de participação em congressos, produção de oficinas (como a que está nas redes sociais sobre Fake News), realização de LIVES e produção de artigos científicos.

Grupo de Pesquisa Narrativas Midiáticas

Jornalista e Profa. Dra. Cláudia Thomé é a coordenadora do grupo NAMÍDIA.

As quartas Jornadas de Mídia e Literatura do NAMÍDIA vem confirmar o potencial de todos os pesquisadores envolvidos no grupo e a relevância de um trabalho coeso, disciplinado, intenso e prospectivo que reúne tantos estudantes de vários níveis de graduação e pós, e que neste momento tão difícil de isolamento continua irmanado em suas discussões acadêmicas e trocas filosóficas.

Quem quiser participar das Jornadas que começam dia 06 de julho, segunda, e prosseguem até dia 11 (sábado), deve inscrever-se no link abaixo 👇🏼 . Mas não perca tempo porque as inscrições são limitadas !

Acesse: https://www.sympla.com.br/jornadas-namidia-narrativas-em-tempos-de-pandemia__895329

claudiathome Instagram posts - Gramho.com

Grupo Namídia tem atuação constante em eventos acadêmicos.

 

Raimundo Rodriguez abre FIVE LIVE de Julho

Conversas ao vivo no Instagram @auroradecinema ganham impulso neste julho, que começa com o artista Raimundo Rodriguez e terá vários outros ao longo do mês

Ri e Gentileza

Raimundo Rodriguez é aquele artista magistral porque une talento, inteligência, disciplina e rebeldia para criar obra de arte. Cria maravilhas que encantam até o mais insensível dos mortais, e tudo parte de sua mania de colecionar e ressiginificar objetos.

Nestes difíceis dias de Quarentena forçada, que começaram em março, ele tem trabalhado sem cessar, ou seja: manteve a mesma rotina de sempre ou, por outra, aprofundou e multiplicou sua capacidade de trabalhar embelezando o mundo e dando novos sentidos ao usado, ao gasto, ao rechaçado, ao desprezado.

Cearense de Santa Quitéria, ele mora no Rio desde os 13 anos, e há décadas fixou residência numa bela casa da Baixada Fluminente, de onde não quer sair por nada. Ali mesmo construiu seu atelier, que há cerca de dois anos ganhou um espaço maior.

Raimundo Rodriguez diz que tem horror ao desperdício e que seu vício é o “Colecionismo”. E já que foi preciso ficar em isolamento por conta da pandemia, está criando a série de estêncil “Fique em casa mas em boa companhia”, que divulga em postagens diárias no Instagram e no Face.

ESTENCIL MACHADO

Machado de Assis é inspiração para a série de estêncil criada por Raimundo Rodriguez

A série é instigante: traduz uma homenagem do artista a ícones daArte e da Literatura Brasileiras, inspírações da vida inteira. Nomes como  Ariano Suassuna, Graciliano Ramos, Clarice Lispector, Bispo do Rosário, Machado de Asssis, Manoel de Barros, o conterrâneo Belchior, Carolina de Jesus e Garrincha estão na série. Nelson Sargento Grande Otelo e João do Valle serão alguns dos próximos a também ganhar versão em estêncil.

TVHITZ SÉRIE ESTENCIL, RAIMUNDO RODRIGUEZ - YouTube

 O ateliê de Raimundo Rodriguez na Baixada Fluminense.

Os insights de Raimundo para criar surgem de suas próprias vivências cotidianas. Colecionador obcecado, ele não joga nada fora e diz que “A arte contemporânea se mistura com a vida. Junto as coisas mais inúteis, sei que uma hora elas se encaixaram em algo. Quando dou um destino para esses objetos, me liberto”.

Raimundo Rodriguez recebe prêmio por sua atuação audiovisual ...

É como diz a pesquisadora Renata Gesomino, Doutora em História da Arte,

“As obras de Raimundo Rodriguez traduzem, desta maneira, um “fazer” primordial, juntamente com uma consciência espontânea de aproveitamento que se manifesta em meio a uma variedade caótica de elementos descartados, objetos errantes, recontextualizando-os e extraindo-os do vasto cenário urbano onde repousam os restos e as sobras do mundo. Esses idílicos fragmentos tornam-se atemporais. Serve para o artista toda matéria-prima que não sirva para mais ninguém”.

Raimundo Rodriguez chega ao horário nobre para enriquecer parceria ...

A cidade cenográfica da novela Meu pedacinho de chão é uma criação de Raimundo Rodriguez a partir de toneladas de lata e material reciclado…

* Para saber mais sobre Raimundo Rodriguez, acompanhe a FIVE LIVE do blog @auroradecinema que acontece hoje pelo INSTAGRAM, a partir das 17h.

Na programação das FIVE LIVE @auroradecinema deste JULHO que hoje começa, haverá conversas online com o roteirista e dramaturgo Alex Moletta, o ator/diretor e professor de Teatro,  Ricardo Guilherme, a atriz Teka Romualdo, o ator pernambucano Albert Tenório, o jornalista mineiro Luiz Felipe Falcão, os atores Tadeu Mello e José Araújo, e muitos outros.