Arquivo do autor:AURORA de Cinema

E no entanto é preciso sambar…

Documentário de Valmir Moratelli é libelo contra o racismo

*Aurora Miranda Leão

           Faltam 30 dias para o carnaval começar. O cenário é a capital carioca, berço mais popular do samba, e as verbas para fazer a folia desfilar como Rainha na cidade, tão decantada em verso e prosa, perigam não chegar para garantir a festa que leva milhares à Passarela do Samba e encanta retinas do mundo inteiro. Dezenas de comunidades que trabalham o ano inteiro para fazer a tristeza sucumbir em meio a lantejoulas, ritmistas, baterias, confetes, atabaques, passistas, brilhos e adereços, e ver a algazarra acontecer, vivem dias de ansiedade e aflição com a espera que parece não ter fim.

             Diante desse dilema, o jornalista Valmir Moratelli, de longa estrada na cobertura do carnaval das escolas de samba cariocas, cansado de ver diariamente o descaso que a prefeitura do Rio de Janeiro distribui, desavergonhadamente, para as festividades de Momo, toma uma decisão insólita – própria de quem sabe que a resistência é pedra fundamental entre os que pensam arte, defendem a vida e semeiam a igualdade -, inspirado pela incongruência política e incompetência dos gestores municipais.

            O ano é 2018 e a decisão de Moratelli foi convergente com sua sensibilidade: escancarar o descaso com a cultura egressa do povo, que ele tanto admira, aplaude e acompanha. Jornalista antenado e consciente das demandas sociais de seu tempo, capaz de compor um bailado rizomático de imagens poéticas, a opção de Valmir para exercitar seu direito de protestar contra as injustiças e arbitrariedades sociais foi fazer um registro audiovisual sobre essa peleja da cultura popular contra o assombroso descaso governamental com a maior festa coletiva do Brasil. Juntou alguns amigos, angariou parceiros para levar sua ideia adiante, partiu para uma vaquinha virtual e assim foram nascendo os primeiros atalhos na trilha do seu objetivo.

               Exatamente, um mês depois disso, estava pronto seu primeiro ensaio imagético sobre os dias difíceis, tensos, aflitivos e ansiosos que antecederam o carnaval carioca de 2019: TRINTA DIAS, um Carnaval entre a alegria e a desilusão !

            O documentário marca de forma auspiciosa a chegada de Valmir no arâmio audiovisual: TRINTA DIAS é muito mais que um desabafo contra o flagelo a que a desastrosa classe política do Rio de Janeiro vem submetendo o carnaval da terra do inesquecível Lalá, o monumental Lamartine Babo (compositor de todos os hinos dos clubes de futebol carioca).

             Com câmera sensível e competente nos registros; muito bem elaborada fotografia; produção que nem parece ter atuado movida apenas pelo gás da vontade de documentar; edição cuidadosa; roteiro que revela a competência jornalística de seu criador; depoimentos fortes, bonitos, emocionados e emocionantes, o filme perfaz um caminho narrativo simples, ideal para dar seu vigoroso recado contra o preconceito, a intolerância religiosa, a escravização vergonhosa de que este país é herdeiro, e a favor da pluralidade e da emergência de novos paradigmas sociais.

           “Saravá, meu povo/Saravá, pai Oxalá !”. Canta assim o refrão do samba-enredo da escola Alegria da Zona Sul, protagonista da narrativa audiovisual de Valmir Moratelli. Aguerrida, decidida, intrépida e disposta a estar na Marquês de Sapucaí com toda a garra, alegria e disposição dos milhares de componentes da escola, a Alegria saiu pra passarela do samba debaixo de uma enorme chuva. E é nesse ponto que o filme começa com a voz imponente de Camila Xavier (diretora da ala das baianas da escola) convocando todas as mulheres da agremiação a adentrarem a avenida dando seu melhor, algo como “Cada uma de nós será a outra desfilando em beleza, força e emoção. Cada uma dará a mão a outra, cada uma ajudando a outra a se vestir: aqui cada uma é todas nós ! Vamos, juntas o tempo todo, ser a voz e a alegria de cada uma, ecoando pela Sapucaí com toda a força da nossa emoção e do nosso samba. Agora a Alegria é o Carnaval e nós vamos sacudir a Sapucaí !”

           A voz pujante e impávida de Camila anuncia nas entrelinhas o que iremos ver, não apenas no Sambódromo construído por Brizola mas, sobretudo, na forma como a escola da Alegria vai desfilar na avenida fílmica de Moratelli. Tudo no documentário “Trinta Dias” é construído com tocante singeleza: os preparativos dos artesãos da escola, o dia da tradicional feijoada, os passos dos brincantes em genuína celebração da festa que trazem no berço de sua ancestralidade, a desesperança do diretor da escola, o desestímulo do presidente da liga do grupo de acesso da folia, mergulhado em revolta e tristeza ao constatar o desprezo a que foi relegada a maior festa da cultura popular do planeta.

           Não há dúvida: há um poeta do jornalismo conduzindo o enredo que mescla desilusão e alegria mas em nenhum ponto desequilibra. Há um comunicador que tem o dom da fala e a eloquência da imagem para conduzir o desassossego que é mote do seu coração quando se fala em povo, carnaval, Rio de Janeiro e Cultura.

               “Trinta Dias” poderia ser um filme pequeno, contando apenas 30 dias de uma lenta (e inconcebível) agonia. Mas não: é muito mais que um registro audiovisual de uma fase ignóbil do carnaval do Rio. Valmir Moratelli mostra que quando entra na cena é pra valer e agiganta de forma notável a temática que embasa seu constructo audiovisual. Os trinta dias de tensão e afligimento da escola de samba “Alegria da zona sul” se transformam em senha para a metanarrativa que ele quer levar adiante.

         Além de Camila abrindo o filme com uma legenda imaginária que escreve Negritude, Feminismo e Liberdade em letras garrafais, o filme traz também os depoimentos de Luiz Antônio Simas, Fábio Fabato, Felipe Ferreira e Carolina Rocha Silva. Todos num belo mosaico semiótico que vai sendo desenhado com cuidado e delicadeza para bradar contra o racismo, denunciar o preconceito, saudar o sagrado e o profano, misturar todas as etnias e celebrar a potência cultural brasileira.

            Um caloroso Parabéns a Valmir Moratelli e Fabiano Araruna (El Tigre Produções) pelo aguerrido trabalho, e um Viva à sua competente equipe: Vitor Kruter no som; Guilherme Bezerra, Pedro Villaim e Fabrício Menicucci na fotografia, e Artur de Carvalho no design.

        TRINTA DIAS é um libelo contra o preconceito e uma ode às nossas raízes afro-ameríndias. Precisa ser visto: é uma aula de história, apreço pelo carnaval e respeito pela Cultura Popular. Tem ademais uma bela fotografia, enquadramentos preciosos (como a chuva amanhecendo no viaduto da Sapucaí), depoimentos fortíssimos sobre nossas raízes, e críticas potentes à descabida equação do binarismo sagrado X profano.

Documentário pode ser visto online no canal Prime Box Brasil

        TRINTA DIAS é um belo e respeitável Documentário ! Vale a pena ser visto e revisto com atenção e carinho.

*Aurora Miranda Leão é jornalista, pós-graduada em Audiovisual em meios eletrônicos, doutoranda em Comunicação pela UFJF e editora do blog Aurora de Cinema.

Samba resiste, Alegria desfila na Sapucaí e é destaque em filme de Valmir Moratelli que estreia na TV

30 dias

Uma estreia muito aguardada do Cinema Brasileiro, o documentário 30 Dias, do jornalista, poeta e pesquisador Valmir Moratelli, estreia nesta quarta, 02 de setembro,  na sessão Prime.doc, do canal Primebox Brazil.

Destaque ano passado na mostra Première Brasil do Festival do Rio, o filme mostra a crise que o carnaval carioca vem sofrendo há algum tempo, e que se acentuou em 2019. Agora, “30 Dias – um carnaval entre a alegria e a desilusão” será exibido na televisão.

O documentário de Moratelli, que é um apaixonado pela folia e tem mais de uma década de cobertura de desfiles carnavalescos no Sambódromo do Rio de Janeiro, é uma narrativa sobre a saga de anônimos para colocar o bloco na rua e não ficar de fora do mais badalado carnaval do país. Assim, Valmir Moratelli fez um trabalho de fôlego, na base do “cinema do próprio bolso” e com ajuda de “vaquinha virtual” para registrar o esforço de brincantes, músicos, carnavalescos, costureiras, coreógrafos, artistas visuais, emfim, de toda uma comunidade, para estar presente – no peito, na garra e no gogó – ni desfile da maior festa popular do país em 2019.

Alegria

Documentário “30 dias” mostra resistência da escola de samba Alegria da Zona Sul…

É a dificuldade imensa das escolas do grupo de acesso ao desfile do carnaval carioca, aliada à paixão pela cultura popular, que Moratelli registra em seu belo documentário. A escola que simboliza toda a luta e empenho de brincantes para estar na Sapucaí é a Alegria da Zona Sul,  rebaixada na Série A em 2019, ano no qual foi feito o registro audiovisual.

“Fizemos esse filme sem recursos. Nosso objetivo é dar visibilidade ao grupo de Acesso, mas também discutir racismo e o preconceito com a cultura popular”, diz Moratelli. E vai mais além: “O filme mostra a perversidade do poder público com o carnaval carioca. É interessante perceber que, bem antes da crise trazida pela pandemia, já não se valorizava o que é popular. O carnaval vem sendo atacado por uma onda neopentecostal que domina a política fluminense”, afirma Valmir.

O trailler do filme você vê aqui: https://youtu.be/sszVuixp5hs

Valmir filme

Fabiano Araruna, Valmir Moratelli e o ator Romeu Evaristo no Festival do Rio 2019.

O documentário ’30 Dias – Um carnaval entre a alegria e a desilusão’, do diretor Valmir Moratelli, tem produção de Fabiano Araruna, da El Tigre Studio.

A exibição online do documentário de Valmir Moratelli será nesta quarta, 2 de setembro,  às 18h45, na sessão Prime.doc, do canal Primebox Brazil. O canal está disponível na Claro (canal 656 ou 156); Sky (canal 157); Vivo (canal 109) e Oi (canal 85). 

SERVIÇO

Estreia de Cinema na TV

O que: lançamento de filme online

Título: 30 Dias – Um carnaval entre a alegria e a desilusão

Diretor: VALMIR MORATELLI

Produção: El Tigre Studio

Quando: Quarta, 02 de setembro de 2020

Onde: sessão Prime.doc, do canal Primebox Brazil

Horário: 18:45h.

*O filme também pode ser visto na Claro (canal 656 ou 156); Sky (canal 157); Vivo (canal 109) e Oi (canal 85). 

*Depois da exibição, o diretor Valmir Moratelli vai participar de debate sobre o filme no Instagram @primeboxbrasil, com participação da pesquisadora Carolina Rocha, da Coordenadoria de Experiências Religiosas Afro-Brasileiras. Começa às 20:30h.

Jornadas Namídia destacaram crônica, telenovela, carnaval e telejornalismo

NAMIDIA panfleto mini

As Jornadas NAMÍDIA são uma realização anual do grupo de pesquisa acadêmica da UFJF “Narrativas Midiáticas e Dialogias”, coordenado pela jornalista e professora Doutora Cláudia Thomé.

Neste 2020, a quarta edição das Jornadas de Mídia e Literatura NAMÍDIA aconteceram em versão online – por conta da pandemia que tomou de assalto o mundo -, e tiveram 6 sessões virtuais, no período de 6 a 11 de julho, via Youtube.

Intituladas Jornadas Namídia: narrativas em tempos de pandemia. Gratuito e aberto a quem se interessa pelas discussões propostas, o evento enfatizou o quanto este tempo de quarentena e confinamento privilegiou o olhar para as artes, em especial, o audiovisual.

Os seis dias das JORNADAS tiveram a seguinte configuração:

Na sessão de abertura, as Jornadas Namídia receberam as jornalistas Michele Ferreira (TV Integração) e Mariana Cardoso (TV Globo). A conversa teve mediação do jornalista Pedro Miranda (doutorando em Comunicação do PPGCOM/UFJF e membro do Namídia), e a pauta teve como foco os desafios e mudanças no fazer telejornalístico do período de pandemia.

Na segunda sessão, o convidado foi Victor Menezes (mestre em História Cultural pela Unicamp), que conversou com Vanessa Martins (mestranda em Comunicação do PPGCOM/UFJF e membro do Namídia) e Laura Sanábio (mestranda em Comunicação do PPGCOM/UFJF e membro do Namídia) sobre o universo fantástico de “Harry Potter” e Fake News.

Em seguida, na quarta (08 de julho), foi a vez do pesquisador Valmir Moratelli (escritor, poeta, jornalista, cineasta e doutorando em Comunicação PUC-Rio) abordar o tema da Teledramaturgia. O bate-papo teve como mediadora a atriz e jornalista Aurora Miranda Leão (esta que vos fala, que é doutoranda em Comunicação PPGCOM UFJF e membro do Namídia) e contou com o auxílio luxuoso do jornalista Pedro Miranda (doutorando em Comunicação PPGCOM/UFJF e membro do Namídia). Essa foi uma das conversas que rendeu mais audiência, evidenciando o quanto a telenovela é querida no país e o quanto o público se mantém fiel a essa forma de ecxpressão artística, mesmo em tempos de isolamento social. A atriz Rosamaria Murtinho foi uma das que acompanhou as Lives NAMÍDIA e postou vários comentários elogiosos.

Já na quarta sessão, o convidado foi o jornalista Maranhão Viegas, da TV Brasil, que conversou com a pesquisadora Cláudia Thomé (professora da Facom e da pós-graduação PPGCOM/UFJF, além de coordenadora do Namídia), tendo como mediadora a acadêmica Michele Pereira (doutoranda em Comunicação pela PUC-Rio e membro do Namídia). O tema foi a crônica audiovisual na TV e rendeu belos momentos de defesa da atividade jornalística com ênfase ao aspecto humanitário da profissão, à necessidade do profissional da Comunicação e às sutilezas poéticas da crônica televisiva num ambiente que exige tanta velocidade de produção e deixa pouco espaço para o lirismo. A audiência, atenta e emocionada com as palavras de Maranhão Viegas, acabou emocionando o colega da TV Brasil, que se declarou inteiramente imerso em afetividade e gratidão. 

Na penúltima sessão das #jornadasnamidia, o convidado foi o jornalista e comentarista da folia carioca, Bruno Filippo (Rádio BandNews FM). A conversa sobre Carnaval foi conduzida pelo também jornalista e pesquisador Marco Aurélio Reis (professor Unesa-RJ e vice-coordenador do Namídia) e pela pesquisadora Samara Miranda (mestranda em Comunicação PPGCOM/UFJF e membro do Namídia).

Para encerrar a semana de JORNADAS NAMÍDIA, o convidado super especial foi o pesquisador, carnavalesco e comentarista do Carnaval Globeleza, Milton Cunha. O bate-papo sobre as narrativas da Sapucaí foi conduzido pelos jovens pesquisadores Samara Miranda (mestranda em Comunicação PPGCOM/UFJF) e Rafael Rezende (doutorando em Comunicação PPGCOM/UFJF e membro do Namídia). 

A participação de Milton Cunha, que é mestre e doutor em Ciências da Literatura, PHD em História da Arte e coordenador-geral do Observatório de Carnaval da UFRJ, foi das mais festejadas e encerrou com brilhantismo esta quarta edição das Jornadas de Mídia e Literatura do grupo de pesquisa Narrativas Midiáticas e Dialogias.

Quem quiser rever, ou quem perdeu e gostaria de assistir às Jonadas NAMÍDIA, basta acessar o canal do grupo no Youtube:

https://www.youtube.com/channel/UCjsbXtrj4gCfB-5NrbPgQ2w

Para entrar em contato, basta seguir as redes sociais:

Grupo de Pesquisa Narrativas Midiáticas E-mail: grupo.namidia@gmail.com instagram.com/narrativasmidiaticas/ facebook.com/narrativasmidiaticasedialogias ufjf.br/narrativasmidiaticas/

NAMÍDIA convida para Jornada de Mídia e Literatura online

NAMIDIA panfleto mini

Grupo de Pesquisa Narrativas Midiáticas e Dialogias (NAMIDIA) – UFJF/CNPq – vai reunir profissionais e pesquisadores de diversas áreas da Comunicação em evento que acontece de 6 a 11 de julho

NAMIDIA Jornadas 20

O grupo Narrativas Midiáticas e Dialogias (NAMIDIA) pesquisa as mudanças na narrativa jornalística, buscando detectar e analisar os deslizamentos entre os gêneros e as plataformas midiáticas, e as estratégias de uma hibridização que é anterior à convergência midiática, mas que se acelera no contexto atual.

A velocidade com que a narrativa midiática contemporânea se altera e é atravessada por novas possibilidades de narrar, diante da convergência das mídias, acena para a necessidade de uma análise de gêneros que se hibridizam, no “deslizamento” de um meio a outro. As tecnologias digitais aceleraram esse fenômeno que, no entanto, não é tão novo.

Narrativas Midiáticas e Dialogias - Home | Facebook

O grupo NAMIDIA – certificado pelo CNPq e vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFJF -, abriga projetos de pesquisas sobre narrativas em mutação, estratégias narrativas no telejornalismo e seu diálogo com outros campos, cronismo audiovisual e novas funções e competências no jornalismo. Nessa configuração, incluem-se pesquisas sobre audiovisual, telenovelas, documentários, histórias em quadrinhos, crônicas, carnaval, crônicas e muitas outras.

O que se verá na quarta edição das JORNADAS promovidas pelo grupo de pesquisa do curso de Comunicação, a nível de pós-graduação, da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), converge para destacar as muitas pesquisas que acontecem no âmbito do NAMÍDIA, coordenado pela jornalista e profa Doutora Cláudia Thomé, que tem reuniões semanais na FACOM/UFJF.

E com a realização das Jornadas onlione que começam na próxima segunda, 06 de julho, cujas inscrições estão abertas, o NAMÍDIA prova que continua ativo e que sua capacidade de produção e intercâmbio não cessou com a pandemia. Muito ao contrário, o grupo de pesquisa Narrativas Midiáticas e Dialogias está produzindo em várias frentes através de participação em congressos, produção de oficinas (como a que está nas redes sociais sobre Fake News), realização de LIVES e produção de artigos científicos.

Grupo de Pesquisa Narrativas Midiáticas

Jornalista e Profa. Dra. Cláudia Thomé é a coordenadora do grupo NAMÍDIA.

As quartas Jornadas de Mídia e Literatura do NAMÍDIA vem confirmar o potencial de todos os pesquisadores envolvidos no grupo e a relevância de um trabalho coeso, disciplinado, intenso e prospectivo que reúne tantos estudantes de vários níveis de graduação e pós, e que neste momento tão difícil de isolamento continua irmanado em suas discussões acadêmicas e trocas filosóficas.

Quem quiser participar das Jornadas que começam dia 06 de julho, segunda, e prosseguem até dia 11 (sábado), deve inscrever-se no link abaixo 👇🏼 . Mas não perca tempo porque as inscrições são limitadas !

Acesse: https://www.sympla.com.br/jornadas-namidia-narrativas-em-tempos-de-pandemia__895329

claudiathome Instagram posts - Gramho.com

Grupo Namídia tem atuação constante em eventos acadêmicos.

 

Raimundo Rodriguez abre FIVE LIVE de Julho

Conversas ao vivo no Instagram @auroradecinema ganham impulso neste julho, que começa com o artista Raimundo Rodriguez e terá vários outros ao longo do mês

Ri e Gentileza

Raimundo Rodriguez é aquele artista magistral porque une talento, inteligência, disciplina e rebeldia para criar obra de arte. Cria maravilhas que encantam até o mais insensível dos mortais, e tudo parte de sua mania de colecionar e ressiginificar objetos.

Nestes difíceis dias de Quarentena forçada, que começaram em março, ele tem trabalhado sem cessar, ou seja: manteve a mesma rotina de sempre ou, por outra, aprofundou e multiplicou sua capacidade de trabalhar embelezando o mundo e dando novos sentidos ao usado, ao gasto, ao rechaçado, ao desprezado.

Cearense de Santa Quitéria, ele mora no Rio desde os 13 anos, e há décadas fixou residência numa bela casa da Baixada Fluminente, de onde não quer sair por nada. Ali mesmo construiu seu atelier, que há cerca de dois anos ganhou um espaço maior.

Raimundo Rodriguez diz que tem horror ao desperdício e que seu vício é o “Colecionismo”. E já que foi preciso ficar em isolamento por conta da pandemia, está criando a série de estêncil “Fique em casa mas em boa companhia”, que divulga em postagens diárias no Instagram e no Face.

ESTENCIL MACHADO

Machado de Assis é inspiração para a série de estêncil criada por Raimundo Rodriguez

A série é instigante: traduz uma homenagem do artista a ícones daArte e da Literatura Brasileiras, inspírações da vida inteira. Nomes como  Ariano Suassuna, Graciliano Ramos, Clarice Lispector, Bispo do Rosário, Machado de Asssis, Manoel de Barros, o conterrâneo Belchior, Carolina de Jesus e Garrincha estão na série. Nelson Sargento Grande Otelo e João do Valle serão alguns dos próximos a também ganhar versão em estêncil.

TVHITZ SÉRIE ESTENCIL, RAIMUNDO RODRIGUEZ - YouTube

 O ateliê de Raimundo Rodriguez na Baixada Fluminense.

Os insights de Raimundo para criar surgem de suas próprias vivências cotidianas. Colecionador obcecado, ele não joga nada fora e diz que “A arte contemporânea se mistura com a vida. Junto as coisas mais inúteis, sei que uma hora elas se encaixaram em algo. Quando dou um destino para esses objetos, me liberto”.

Raimundo Rodriguez recebe prêmio por sua atuação audiovisual ...

É como diz a pesquisadora Renata Gesomino, Doutora em História da Arte,

“As obras de Raimundo Rodriguez traduzem, desta maneira, um “fazer” primordial, juntamente com uma consciência espontânea de aproveitamento que se manifesta em meio a uma variedade caótica de elementos descartados, objetos errantes, recontextualizando-os e extraindo-os do vasto cenário urbano onde repousam os restos e as sobras do mundo. Esses idílicos fragmentos tornam-se atemporais. Serve para o artista toda matéria-prima que não sirva para mais ninguém”.

Raimundo Rodriguez chega ao horário nobre para enriquecer parceria ...

A cidade cenográfica da novela Meu pedacinho de chão é uma criação de Raimundo Rodriguez a partir de toneladas de lata e material reciclado…

* Para saber mais sobre Raimundo Rodriguez, acompanhe a FIVE LIVE do blog @auroradecinema que acontece hoje pelo INSTAGRAM, a partir das 17h.

Na programação das FIVE LIVE @auroradecinema deste JULHO que hoje começa, haverá conversas online com o roteirista e dramaturgo Alex Moletta, o ator/diretor e professor de Teatro,  Ricardo Guilherme, a atriz Teka Romualdo, o ator pernambucano Albert Tenório, o jornalista mineiro Luiz Felipe Falcão, os atores Tadeu Mello e José Araújo, e muitos outros.

 

Miguel e a morte inafiançável

Morte de Miguel expõe o racismo estrutural por trás das ...

Diante da trágica morte do garoto pernambucano Miguel, vítima do descaso, racismo, indiferença e negligência de uma patroa (branca) de sua mãe, ficamos todos mudos e indignados.

O Poeta CARPINEJAR foi quem melhor traduziu toda a perplexidade, revolta, repulsa e aflição diante da evitável tragédia. A seguir, a crônica iluminada do notável escritor gaúcho:

DEUS NÃO ACEITA FIANÇA
Fabrício Carpinejar

Diante de Deus, você não terá direito a fiança, não terá desculpas, não terá influência, não terá advogados poderosos, não terá costas quentes, não terá tradição, não terá imóveis, não terá sobrenome, não terá barganha, não terá privilégios, não terá acesso a celulares de governantes.
Diante de Deus, você não será branca, rica, loira, olhos claros, primeira dama, viajada, culta, nada.
Diante de Deus, conhecerá uma inédita igualdade, uma surpreendente justiça, todos são iguais em Sua presença, o que aconteceria com a doméstica se ela fizesse isso com o seu filho realmente acontecerá com você.
Diante de Deus, pagará a conta de sua consciência, não poderá mentir, disfarçar, sonegar a verdade.
Ele sabe que andar apertou no elevador, Ele sabe que você não quis perder tempo com o filho da empregada, Ele sabe exatamente o que você pensou, Ele sabe quem você é, Ele sabe que você abriu a porta para a morte.
Diante de Deus, entenderá o que é um olhar demorado, o que é cuidar, aquilo que deixou de fazer por uma criança indefesa.
Diante de Deus, suas unhas pintadas não serão mais importantes do que a vida de um menino.
O inferno não é um lugar inventado, vem daqui da terra. De seu coração.

Carpinejar derrama poesia ao falar sobre a mãe

     “A decepção materna é a minha maior intuição”

Sesc convida Maria Carpi para debate sobre poesia - Guia21

A poetisaa gaúcha Maria Carpi, mãe do poeta e cronista Fabrício Carpinejar.

 

Outro dia, quase as lágrimas me invadem logo cedo ao ler crônica do poeta Carpinejar em que ele falava de Decepção.
Foi em sua galeria do Intagram e a foto era de sua mãe, a bela poetisa gaúcha Maria Carpi, aquela mãe exemplar que alfabetizou o filho em verso e prosa com delicadeza, disponibilidade, amor e dedicação invejável, tão logo recebeu do colégio a indicação de que deveria tirar o filho da escola pois ele não tinha condições de acompanhar o desenvolvimento da turma.
Ao que Maria prontamente virou as costas, fez ouvidos de mercador, e exerceu o mais sublime da maternidade: educar com sentimento, verdade, na trilha do bem, convidar para a alegria, abrir espaço para a emoção, estender os braços para a arte do convívio e da generosidade, celebrar as vitórias, sorrir de mãos dadas com o vento e enxergar o positivo em cada curva ou ribanceira do caminho. Dessa forma, ela legou ao filho um arsenal de empatia, amor e disponibilidade ao novo invejáveis.
Por saber de tudo isso é que a foto falando em decepção surpreendeu-me, mas apenas por segundos. Sabia que só poderia vir junto uma torrente de delicadeza e gratidão.
Deixo então você. leitor amigo, com a beleza cheia de ternura desta crônica de Fabrício CARPINEJAR, Poeta de minha maior Admiração !

VOCÊ SÓ DECEPCIONA QUEM É PRÓXIMO

* Fabrício Carpinejar

Para se decepcionar, você precisa ter intimidade.

Confundimos a decepção, que requer o contato constante, com o desapontamento, com o desencantamento. Não é a mesma coisa.

A decepção é feita depois do entendimento de como realmente é o outro. Depende de um longo convívio. Depende do julgamento das virtudes e dos defeitos. Depende de estar próximo para comparar o antes e o depois. Depende de experimentar a fundo a personalidade, ultrapassando as aparências da opinião.

Você decepciona pai e mãe, irmãos, filhos, namorado ou namorada, marido ou esposa, melhores amigos, não quem lhe conhece de fora.

Decepção é mágoa de uma transformação, aponta que rompeu alguma lealdade de origem. Deixou de ser fiel a si.


Tanto que sofro quando a minha mãe me censura dizendo “você não é assim”. Sei que mudei para pior, que estou mesquinho, egoísta, completamente equivocado.

A decepção materna é a minha maior intuição. Sou capaz de me enganar, jamais de enganá-la.

Ela me sabe de cor desde pequeno, meu jeito de fugir dos enfrentamentos, minhas manhas, minhas desculpas, minhas fugas. Não tem como convencê-la de que é só uma impressão. Guarda todas as minhas versões para perceber que me desviei da minha essência.

Ao ouvir sua reprimenda, paro tudo para reestabelecer a rota. Ainda que seja necessário recuar para en
direitar a minha estrada.
carpi e mãe

Aí essa crônica sobre decepção, me trouxe à lembrança outra pérola do Poeta, também dedicada à mãe, que é ANTOLÓGICA:

 

Mãe não tem fim – Fabrício Carpinejar

Minha mãe não tem igual.

Eu não dormia fácil de pequeno, com aquele resmungo de cólica. Minha mãe me carregava no colo, me segurava pela barriga, e não me aquietava. Recusava bico, leite, conforto espiritual. Desdenhava da cama, do móbile, do carrinho, do andador. Aflita, ela pegava o carro e me levava para passear de madrugada. Na terceira quadra, me entregava ao sono.

O carro foi meu segundo ventre. Até hoje quando sento no banco de trás, eu fecho docemente as pálpebras. É o único lugar em que fico em silêncio. Não me apresentei: sou o filho preferido de minha mãe. Meus irmãos também acham que são os filhos preferidos. Ela criou todo filho como se fosse único. Para cada um separava uma cantiga de ninar e um segredo. “Não conta para ninguém, tá?”, ela me alertou. Como eu não falei para meus irmãos, nem meus irmãos falaram para mim, ninguém sabe qual o segredo que é meu, qual o segredo que é deles. Vários segredos juntos formam um mistério.

É um problema quando estamos reunidos. Eu acho que ela cozinhou para mim, os outros também acham. É um problema quando estamos longe. Eu acho que ela só ligou para mim, os outros também acham.

Ela reclama imensamente de mim, nunca está satisfeita com o que eu faço. Penso que somente reclama de mim, reclama da família inteira na mesma proporção. Assim como divide um doce de forma igual. Assim como divide o pão em fatias gêmeas.

Mãe não tem dedos, tem régua. Reclamar é sua lista de chamada. Reclamar é um jeito disfarçado de sentir saudade. No fundo, torce para que eu me distraia de uma de suas regras. Ela aponta a louça para lavar, e logo limpa a pia. Ela pede uma carona, vou me arrumar, já tomou um táxi. Nunca pede duas vezes. Ou ela é rápida demais ou eu demoro. Na verdade, ela é rápida demais e eu demoro.

Mãe é gincana. É agora ou nunca. Nem invente de responder nunca para ela. Sua reclamação tem virtude, sua reclamação é um quarto privativo, reclama só para mim. Para os demais, me torna muito melhor do que sou. Não me elogia para mim porque não quer me estragar. Tem esperança de que não me estraguei.

Ela vibra quando encontra algo que não fiz. Inventa necessidades para ser reconhecida. Atrás da mínima palavra, pergunta se eu a amo. Ela escreve isso com os olhos, eu leio isso em seus lábios. O que a mãe mais teme é ser esquecida. Não tem como: mãe é a memória antes da memória. É a nossa primeira amizade com o mundo.

O que parece chatice é cuidado. Cuidado excessivo. Cuidado a qualquer momento. Cuidado a qualquer hora, ao atravessar a rua, ao atravessar um namoro. Para o nosso bem, repete conselhos desde a infância. Para o nosso bem.

Repetir o amor é aperfeiçoá-lo. Mãe não cansa de nos buscar na escola, mesmo quando não há mais escola. Mãe não cansa de controlar nossa febre, mesmo quando não há febre. Mãe não cansa de nos perdoar, mesmo quando não há pecado. Mãe não cansa de nos esperar da festa, mesmo quando já moramos longe. Mãe se assusta por nada e se encoraja do nada. Entende que o nosso não é um sim, que o nosso sim é talvez. Avisa para pegar o último bolinho, o último bife, em seguida arruma uma marmita para o lanche da tarde.

Mãe tem uma coleção de guarda-chuvas prevendo que perderemos o próximo. Está sempre com a linha encilhada na agulha e caixinha de botões a postos. Conserva nosso quarto arrumado como se houvesse uma segunda infância. Mãe passa fome no lugar do filho, passa sede no lugar do filho, passa a vida guardando lugar ao filho.

Mãe é assim, um exagero incansável. Adora chorar de felicidade nos observando dormir. Minha mãe chorava quando finalmente descansava no carro. Ela sussurrou o segredo, disse que eu era seu filho favorito. Não fofoquei para meus irmãos, não pretendia machucá-los. Eles também não me contaram que eram os favoritos dela.

Carpi frase

Depois da riqueza sentimental que são essas duas crônicas, lembro a você, leitor amigo, que está à venda o mais novo livro do CARPINEJAR:

COLO

“Adaptar-se nunca é uma derrota, é vencer por dentro.”

* Parte das vendas deste novo livro serão revertidas ao Hospital das Clínicas – SP, para ajudar no combate à Covid-19. Adquira seu exemplar num dos endereços a seguir:

“Colo, por favor! – Reflexões em tempos de isolamento”
Fabrício Carpinejar
176 páginas
@planetadelivrosbrasil
Amazon: https://bit.ly/ColoPorFavorAmazon2 (livro) ou https://bit.ly/AmazonColoPorFavor (ebook)
Submarino: https://bit.ly/ColoPorFavorSUB
Livrarias Curitiba: https://bit.ly/ColoCuritiba
Leitura: https://bit.ly/ColoLeitura
Americanas: https://bit.ly/ColoAmericanas
Livraria da Vila: https://bit.ly/ColoPorFavorVila

Quarentena: zero abraços e muitos livros

Clipe Livros

50 personalidades indicam livros como companhia na Quarentena

A ideia é ótima e se espalhou pelas redes, jornais, rádio, televisão e novas mídias. E como ideia boa não precisa ter exatamente um dono mas sim uma consequência, foi assim:

Tudo começou com lives culturais noturnas, no finalzinho de março. Quem tomou essa iniciativa e convidou o blog #auroradecinema foi o jornalista, roteirista, documentarista e escritor carioca Valmir Moratelli. Dos encontros virtuais com amigos, parceiros, colegas de profissão, artistas e pessoas interessantes de diversas áreas, nasceu a ideia de colocar todo mundo para fazer pequenos vídeos indicando livros para esta quarentena forçada.

Jornalista Laurentino Gomes lança livro no Recife sobre escravidão

E assim foi:: cinquenta pesso@s, de diferentes nichos – atrizes, atores, escritores, escritoras, engenheiros, advogados, jornalistas, médicos, professores/professoras – gravaram, de suas casas, evidenciando o livro como bom companheiro no isolamento. 

Escritor contumaz e grande amante da literatura, Valmir Moratelli não podia estar em lugar mais indicado que o de incentivador da leitura Num país onde o livro é tão caro e a população, de modo geral, é tão cartente de educação, a leitura é ingrediente ainda mais essencial. Foi esse o mote para a campanha comandada por Moratelli, cujo vídeo está disponível nas redes e na conta dele no Instagram: @vmoratelli.

Valmir e Ma João

Valmir Moratelli e a atriz portuguesa Maria João no lancamento de livro dele, no Rio.

A ação nas redes sociais objetiva também chamar atenção para o fato da venda online das livrarias estar despencando. Muitas delas dependem dessa venda para continuar pagando os funcionários nesta pandemia.

Amandha Lee estará na próxima novela da Record - TV & Novelas - iG

Amandha Lee, atriz e tri-atleta, também participa do clipe de incentivo à aleitura.

O clipe da campanha de INCENTIVO à LEITURA está nas redes sociais desde abril e conta com a participação das atrizes Cinnara Leal e Dandara Mariana, da autora Rosane Svartman, do advogado Ricardo Brajterman, da fotógrafa Nana Moraes, e de muitos outros. 

Romeu Evaristo revela ter superado depressão e comemora nova fase ...

Dandara Mariana e o pai, o também ator Romeu Evaristo, estão no clipe de incentivo à leitura para esta quarentena !

Livro Hibisco roxo - Chimamanda Ngozi Adichie | TAG Livros Como Deixar um Relogio Emocionado - 9788573200492 - Livros na ...

Livros de Ruth Manus | Estante VirtualMe Ajude a Chorar – Fabrício Carpinejar | Le Livros Amazon.com.br eBooks Kindle: Onde os porquês tem respostas ...O QUE AS TELENOVELAS EXIBEM ENQUANTO O MUNDO SE TRANSFORMA - 1ªED ...

Livro Vinícius Sem Ponto Final. João Carlos Pecci. Prim

Poesia, música, telenovela, feminismo e antirracismo estão entre os livros indicados !

Coronavírus escancarou preconceito com idosos que telenovela já havia mostrado

Jornalista Valmir Moratelli analisa cenário inóspito para idosos 

Leopoldo e Flora Mulheres Apaixonadas (Foto: CEDOC/ TV Globo)

Flora (Carmem Silva) e Leopoldo (Oswaldo Louzada) sofriam nas mãos da neta.

 

Novela Mulheres Apaixonadas, 2003*: Dóris (vivida por Regiane Alves) é uma menina minada, que despreza e humilha os avós, Flora e Leopoldo (interpretados por Carmem Silva e Oswaldo Louzada), com quem divide o apartamento no Leblon, na zona sul do Rio. Em uma das cenas, do primoroso texto de Manoel Carlos, Dóris assim se dirige aos avós: “Tem que ter um pouco mais de juízo e um pouquinho mais de consciência de que vocês atrapalham, gente! (…) Vocês dão muito trabalho, dão muita despesa também. Vovô agora com esses chiliques, só de remédio foi uma fortuna. (…) Não servem pra nada. Já pensaram quando morrer? Vão ser enterrados onde? Já pensaram nisso?”.

As fortes cenas de Dóris maltratando os avós chocaram o país, a ponto do Congresso ter aprovado, ainda em 2003, o Estatuto do Idoso. O que o Brasil ouve agora nos discursos de governantes e empresários já foi denunciado lá atrás, há 17 anos, pela nossa ficção televisiva. É o chamado “ageísmo” – que vem do inglês “age” (idade), e significa discriminação etária. Na verdade, a pandemia do coronavírus (covid-19) apenas escancarou o preconceito com idosos sempre emudecido no Brasil.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), idoso é todo indivíduo com 60 anos ou mais. O Brasil tem mais de 28 milhões de pessoas nessa faixa etária, o que representa 13% da população. A projeção é que, em 2031, o número de idosos (43,2 milhões) supere pela primeira vez o de crianças de 0 a 14 anos (42,3 milhões). Esses números reforçam que os idosos são parcela significativa de uma população que, mesmo ainda se enganando como jovem, envelhece em ritmo acelerado.

O presidente Jair Bolsonaro, ao minimizar a pandemia e contrário às orientações da OMS, fez a seguinte declaração: “Eles têm outras doenças, mas dizem que morrem de coronavírus. (…) Não é o coronavírus que mata os velhinhos, essas pessoas já estão debilitadas”. Ainda nas primeiras temerosas semanas de março, o empresário e apresentador de TV Roberto Justus teve um áudio vazado, no qual conversava com amigos: “Na favela (o vírus) não vai matar ninguém. Vai matar só velhinho e gente doente”. No mesmo período, o empresário curitibano Júnior Dorski, sócio de uma rede de restaurantes, gravou um vídeo afirmando que “não podemos (parar) por conta de 5 mil ou 7 mil pessoas”.

O coronavírus, entre tantas consequências nefastas, desnudou o ageísmo do Brasil. E por isso o texto de Manoel Carlos permanece tão atual. Só que agora quem fala que os idosos “não servem pra nada” e “dão muito trabalho” não é obra de ficção. A agressividade com que tratam a população idosa, diminuindo sua importância econômica e – mais violento – menosprezando sua humanidade, é reflexo de um país que não quer se enxergar no espelho. Mas já foi escancarado na telenovela.

O Brasil assiste em 2020 à continuação do discurso de Dóris. Se aquela jovem atroz vivesse nos tempos atuais, mandaria seus doces avós, Flora e Leopoldo, circularem livremente pela orla, e ainda diria para não se preocuparem com o vírus que já contaminou mais de três milhões de pessoas no mundo, pois “é só uma gripezinha”.

▷ Aurora Miranda Leao 📷🎬📺🎶🎭 (@auroradecinema) • Instagram ...

* Valmir Moratelli é autor do livro “O que as telenovelas exibem enquanto o mundo se transforma e doutorando em Comunicação pela PUC-Rio.

Antropóloga Miriam Goldenberg atua para dirimir preconceito com 3a idade

Referendando a percepção de Moratelli, a antropóloga Mirian Goldenberg, que há duas décadas pesquisa sobre envelhecimento, também revela preocupação com o momento atual. Para a pesquisadora, esse preconceito sempre existiu e foi intensificado pela pandemia:

“O que temos visto nesta pandemia são discursos que chamo de velhofóbicos se generalizando. Políticos, empresários e até o presidente da República já disseram que ‘não se pode deixar a economia parar’ e que os jovens ‘têm que voltar a trabalhar’. Ou até que os velhos vão morrer ‘mais cedo ou mais tarde’. Estamos assistindo horrorizados a discursos sórdidos, recheados de estigmas, preconceitos e violências contra os mais velhos. […] Os velhos sempre foram vistos como um peso para a sociedade, ou seja, já experimentam o que chamo de ‘morte simbólica’. O valor que se dá a essas pessoas mais velhas é quase nulo, socialmente e dentro de casa”.

E dá uma importante dica:

“Tenho tentado fazer as pessoas escutarem os mais velhos. Esse é meu propósito desde que começou essa pandemia. Não dá para ficar dando ordem. Precisamos compreender a a realidade deles e juntos com eles encontrar alternativas para amenizar essa situação, de forma que eles não vivam como se estivessem numa prisão.

Isso seria uma morte antecipada para eles.

Ligue para eles, faça atividades junto com eles. Faça com que eles se sintam vivos, úteis, amados, cuidados”.

Goldenberg e seu amigo, Guedes, de 97 anos

Mirian Goldenberg e Guedes, seu amigo de 97 anos…

“Todos caminham para a velhice”, alerta Miriam Goldenberg:

“É urgente que todos aprendam uma lição importante: a única categoria social que une todo mundo é ser velho. A criança e o jovem de hoje serão os velhos de amanhã. Os velhofóbicos estão construindo o seu próprio destino como velhos, e também o destino dos seus filhos e netos: os velhos de amanhã. Ou seja, muitas dessas pessoas não se enxergam como velhos. A velhice é associada à imobilidade, à doença, à incapacidade, à inutilidade. Por isso ninguém se reconhece como velho, nem os próprios velhos.”

*Com informações de Luis Barrucho, da BBC News Brasil

Veja mais em https://www.bbc.com/portuguese/brasil-52425735

Das coisas que aprendi nos discos…

  * Aurora Miranda Leão

Belchior: No presente a mente, o corpo é diferente E o ...

Cearense Querido
Criador Universal
Poeta
Das grandes Palavras
Artista Intemporal
Agiganta-se tua falta,
Conterrâneo
Nestes tempos
Em que tudo
É incerteza, medo, insegurança
Dias em que nossa
Alucinação
Perdeu qualquer
Parâmetro
E nosso delírio
É a inconsistência
Das coisas reais…

Não somos mais os mesmos
Nunca mais seremos
Mas talvez cantar agora
Como nossos pais
Ainda seja
A velha roupa
Colorida
Que tanto queremos
Assim como nossa
Eterna rede branca
Com o charme brasileiro
De alguém sorrindo a cismar

Hoje o perigo não está
Mais só na esquina
E na divina comédia humana
O braço, o lábio e a voz
Já não podem beijar nas ruas…

Belchior, esse desconhecido, hoje 'teria a mesma angústia que nós ...

Belchior: legado do compositor atravessa gerações e se consagra como eterno…

Sim, viver é melhor que sonhar
E o maior sonho se tornou
VIVER !