Arquivo da categoria: Olho na Tevê

Quando a programação televisiva é boa,
Nós Aplaudimos

Final de A LEI redime erros e deslizes da novela

Resultado de imagem para a lei do amor capítulo final

       *Aurora Miranda Leão

Quem gosta de acompanhar telenovelas, sente quando uma trama descamba para o inverossímil ou quando seus autores perdem o controle da ação e bailam na curva.

Os previsíveis desvios de rota, ou colisões mais ou menos sérias, tem chances de recuperação, sempre, e a melhor delas é introduzir indícios de real no material dramatúrgico. Assim, o telespectador de pronto faz suas próprias conexões e é levado, sutilmente, a se sentir partícipe da obra.

Foi assim com A LEI DO AMOR, encerrada ontem. A novela criou vários pontos de paridade com o real, mas uma cena especial do capítulo final, elevou essa equivalência a um nível emblemático. No momento em que escrevemos estas linhas, uma conversa no espaço vizinho, revela o quanto o final de A Lei mexeu com o imaginário popular…

A trama de Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari chegou ao fim com muito boa audiência, como é corrente nas ficções teleaudiovisuais das 21h, que mobilizam sempre a audiência, quer pelo lado da crítica ou pelo viés da adesão.

Ter uma história central forte com um conflito relevante, que faça esse ‘esqueleto’ perdurar com vigor por cerca de 6 a 8 meses – tempo corriqueiro para as telenovelas da TV Globo -, é fundamental para cativar a audiência. A Lei começou com sinais de que teria um thriller político como fio condutor.

Nós, que vínhamos de um mergulho sensório belo e profundo nas entranhas de Velho Chico (obra da notável parceria de Benedito Ruy Barbosa, Bruno Luperi e Luiz Fernando Carvalho com auxílio luxuoso de Raimundo Rodriguez), ressaltamos: desde a estreia, pareceu-nos ver em A Lei do Amor uma tentativa imagética e musical de revalidar sentidos estéticos desenhados (com imensa maestria) pelos artífices de Velho Chico (VC). Senão vejamos: o casal principal (Helô e Pedro) também havia sido separado por artimanhas de vilões que os fizeram ficar distantes por 20 anos (em VC, o afastamento de Teresa e Santo foi de 30 anos); os encontros mais felizes de Santo e Tereza se passavam à beira do famoso rio nordestino. Em A Lei, Pedro e Helô começam seu romance com viagens no veleiro do jovem apaixonado, e as tomadas iniciais (com o veleiro visto do alto e o mergulho do casal no mar) apontavam claras marcas indiciais de intercessão com a ambiência estética de VC. Nada demais: é salutar retomar caminhos que se mostraram belos e abriram janelas para uma bela construção sensorial. E a saudade da trama semeada às margens do São Francisco, referendada por um diálogo artístico com a obra anterior à LEI, também pode ser registrada através da grande ciranda de abertura da trama: pés correndo em direção a melhores oportunidades ou a novos enredos num chão de terra batida, por onde escorre um riacho, como a trazer de volta o sertão ressignificado por VC.

Também na trilha, essa subliminar sintonia com a história anterior se fez presente, submersa ou alicerçando a camada de sentidos principal: se em VC nomes de insuspeita qualidade musical eram também fio condutor do enredo (Elomar, Xangai, Maria Bethânia, Tom Zé, Caetano Veloso, Lenine), em A Lei do Amor também houve (com mais força nos primeiros meses) uma valoração de canções e compositores de reconhecido destaque no cancioneiro nacional, como Roberto Carlos (“À distância”), Raul Seixas (“Cowboy fora da lei”), Gonzaguinha (Grito de alerta); Dalto (Pessoa, sucesso dos anos 80 na voz de Marina Lima). E ainda na interpretação da notável Bethânia para a  belíssima canção Era pra Ser, de Adriana Calcanhotto, tema do casal Thiago e Isabela, que voltou com primorosa eloquência no capítulo final.

Resultado de imagem para magnólia de a lei do amor

Desfecho insólito para a terrível vilã Magnólia, a grande personagem de A Lei do Amor

Ao observar os muitos comentários sobre A LEI DO AMOR via imprensa e redes sociais, o que mais chamou-nos atenção foi o fato de ninguém reportar-se à direção da novela. E eu mesma me peguei surpresa ao pensar em quem assinava a direção: tive de ir pesquisar pois não lembrava o nome do diretor. Natália Grimberg e Denise Saraceni são as responsáveis.

Neste ponto, que é crucial e onde concentra-se grande parte do resultado de uma obra de ficção teleaudiovisual, registra-se a primeira clara distinção entre A LEI e Velho Chico, por exemplo. Enquanto em A LEI ninguém toca no nome do diretor ao comentar a obra, é impossível falar de VC sem citar Luiz Fernando Carvalho. Apenas uma ressalva relevante que reafirma o diretor como co-autor da obra, ainda quando existe apenas um roteiro a ser filmado (óbvio que, novela começada, há o elenco e toda uma grandiosa equipe que constroem juntos o êxito ou fracasso da obra).

Resultado de imagem para A LEI DO AMOR ultimo capitulo

Vera Holtz em mais uma atuação notável !

Feito esse adendo sobre a questão da direção, vamos aos acertos do capítulo final de A Lei do Amor:

  1. O final trágico de Magnólia, insólito, à altura da personagem, e trazendo o simbolismo da força do trem da vida, cantado na música-tema de Villa-Lobos e Ferreira Gullar, para o centro do desfecho;
  2. Não mostrar o enterro de Magnólia: a dona de vilania tão ostensiva e maléfica não merecia condescendência alguma, nem mesmo na diegese;
  3. A vitória do amor de Helô e Pedro com o nascimento do filho tão esperado: é corriqueiro mas não deixa de emocionar, sempre, a chegada do NOVO trazendo luz em qualquer ambiente, sobretudo ali, após o aflitivo sofrimento vivido pelo casal e suas famílias nos últimos capítulos;
  4. O final em aberto para a relação Isabela-Thiago: autores fizeram uma opção condizente para um casal complexo desde seu início, aludindo à contemporaneidade de um mundo quase perplexo ante mudanças tão rápidas e avanços comportamentais impensáveis décadas atrás;
  5. Boa solução para a punição de Tião Bezerra: um AVC que o deixa preso a uma cama de hospital (o todo-poderoso, com toda a fortuna que amealhou, completamente sozinho), remetendo a uma situação dos primórdios da novela, quando o personagem tinha tido um ‘apagamento’ de memória em plena ponte da cidade de São Dimas;
  6. Dois casais homossexuais leves e felizes em meio a uma festa promovida pela prefeita Salete. A ficção referendando cenários de tolerância e enfatizando a dimensão maior do amor, que corre por diversos atalhos: personagens de Maria Flor (Flávia) e de Raphael Ghanem (Gledson) curtindo plenamente com seus pares formados;
  7. Hércules e Aline, deploráveis vilões, elevados à categoria de mendigos em meio à invisibilidade cotidiana da metrópole;
  8. A surpresa, estendida ao máximo, para o par final de Letícia (Isabella Santoni), culminando por ser quem foi, o bem-humorado Antônio (Pierre Baitelle), seu eterno apaixonado.
  9. Ter citado a dor da tragédia de Mariana através do personagem de Gianecchini (Pedro, o rico bom moço e justiceiro) a cobrar punição para o terrível crime ambiental que vitimou a pequena cidade mineira;

10. A cena final, com viés acentuadamente político, promovendo uma imediata homogenia com o atual cenário político brasileiro. Neste ponto, a presença de Tony Ramos como o notório político do ‘rabo preso” que vai ascender à presidência, e terá ao seu lado a tradicional ‘loura burra’ (feita com esmerado requinte por uma convincente Grazi Massafera), foi triunfante ! Tony foi o intérprete perfeito para todas as ilações imediatas… e a comemoração das futuras vitórias políticas – em espaço luxuoso no qual dividem a mesma mesa, a corrupção, a imoralidade ética, a falta de escrúpulos, os desmandos com a coisa pública, os desvios de verbas, as prevaricações, a instrumentação religiosa, a desonestidade de propósitos, o desrespeito ao erário público, e o desprezo pelos que defendem e lutam por uma vida digna num país com tantos problemas colossais e quase insolúveis, foi um ganho excepcional da novela, através do qual se ‘perdoam’ ou tornam-se de somenos importância os muitos baixos e enganos do enredo.

Ainda que você não tenha visto o último capítulo, veja as imagens de sua cena final, e confirme: para bom entendedor, meia equivalência diz tudo, ainda que numa obra assumidamente de ficção.

Resultado de imagem para a lei do amor ultimo capitulo

Licença Poética ou ‘furos perdoáveis’

De onde apareceu o carro possante que Isabela dirigiu para levar Thiago à Ilhabela, ela que começara a estudar (antes de virar Marina), com ajuda financeira de Helô – num país em crise como o nosso, como explicar que Marina conseguiu, honestamente, arrumar tão rápido uma fonte de renda para lhe garantir a posse de um carro daquele nível ?

Resultado de imagem para tiago e marina de a lei do amor

Como Marina conseguiu a chave que lhe abriu as portas da casa de Ilhabela ?

A rapidez com que Letícia passou a achar o amado pai Tião um homem de ações deletérias;

A igualmente rápida mudança de atitude do apaixonado Pedro, que rapidamente abandonou o lar onde dividia o cotidiano com a amada Helô, ao descobrir uma filha de 4 anos com uma mulher que não via há tempos;

A acelerada mudança de atitude de Mileide, que de mulher com certas conexões paranormais, virou uma fina interesseira no enriquecimento e na ascensão econômica e política… mas a criação/instalação de sua Igreja Sincrética Circular pagou todos os atropelos com a verosimilhança !

Resultado de imagem para CLAUDIA ABREU E GIANNECCHINI NO ULTIM OCAPITULO

Helô e Pedro num final feliz como o público queria !

Marcelo ADNET e Marcius Melhem encharcam TV de Humor, Talento, Inteligência e Ironia !

*Aurora Miranda Leão

Resultado de imagem para marcelo adnet e  TÁ NO AR

O programa mais bacana da grade atual da TV Globo responde pelo sugestivo nome de Tá no Ar: A TV na TV !

Em sua quarta temporada, o programa assinado por Marcelo Adnet e Marcius Melhem  insere-se naquele grupo singular de programas que consegue ser sempre novo e melhor a cada edição.

Tá no Ar: a TV na TV é escrito por Alexandre Pimenta, Angélica Lopes, Daniela Ocampo, Leonardo Lanna, Marcelo Adnet, Marcius Melhem, Maurício Rizzo, Thiago Gadelha e Wagner Pinto e tem redação final de Marcelo Adnet e Marcius Melhem. A direção geral é de Mauricio Farias. No elenco, além de Adnet e Melhem, Danton Mello, Luana Martau, Carol Portes, Georgiana Goes, Marcio Vito, Maurício Rizzo, Renata Gaspar, Veronica Debom e Welder Rodrigues.

Resultado de imagem para A TV TÁ NO AR

Esta temporada de TÁ NO AR avaliza o quarto ano do programa como atração televisiva competente, importante e poderosamente inteligente: Marcelo Adnet, Marcius Melhem e companhia seguem criativamente instigantes, capazes de transmutar o tantas vezes combatido efeito zapping num mote para fazer rir com hilárias paródias da vida nacional, com as quais o público rapidamente sintoniza.

Seja simulando programas conhecidos, parodiando comerciais, ou simplesmente exercitando o melhor do besteirol, Tá no Ar segue como o melhor programa de humor da televisão brasileira na atualidade !

Resultado de imagem para A TV TÁ NO AR

Um dos quadros mais aguardados: Adnet como o revolucionário que detesta a TV Globo 

Com o contexto político nacional, onde assuntos espinhosos e tantas vezes vexatórios são cotidianos, os criadores do TÁ NO AR exercitam com maestria sua capacidade de fazer rir, criticar, informar, opinar, e fazer chacota com temas que o telespectador imediatamente sintoniza. Isso pôde ser visto logo na estreia da temporada 2017 com a chamada do filme “A Dama da Delação”, atração do “canal Brasília”,  cujo logo no canto da tela fazia alusão ao Canal Brasil e seu catálogo de chanchadas nacionais. No enredo, ações típicas do esquema de corrupção, tudo sendo gravado por uma moça, digamos, “nada recatada”. Fácil encontrar semelhança com a realidade brasileira. Outro esquete divertido parodiava o comercial de um supermercado carioca, no qual um animado garoto-propaganda anunciava demissões em massa num momento de crise. O TÁ NO AR aproveitou para colocar o dedo na ferida com sua costumeira eloquência, parodiando o comercial do Banco do Brasil, com o slogan “Branco no Brasil: há mais de 500 anos levando vantagem”. 

A cada terça, o programa parece vir ainda mais inspirado ! Pena que já está sendo anunciado o final desta temporada 2017: programa com a qualidade de TÁ NO AR deveria fazer parte da grade permanente da TV. Assim como OS NORMAIS, Casseta & Planeta, e MISTER BRAU, Tá no Ar sair da grade de programação provoca imediato mal-estar no público quando se aproxima seu fim indesejável.

Resultado de imagem para elenco de  TÁ NO AR

Luana Martau e Marcius Melhem em quadro hilário sobre música sertaneja…

No programa da terça, 14 de março, o quadro em que Marcius Melhem aparece sendo entrevistado como um estudioso do ritmo musical Sertanejo, dizendo que ele surgiu no século XIX, e já nasceu revolucionário, dando exemplos do ritmo bombando em várias partes do mundo – como aconteceu no final dos anos 50 – foi ANTOLÓGICO !!!

Naquele tempo, segundo o estudioso, o Sertanejo já fazia enorme sucesso em Cuba… Pense num gol de placa ! Sensacional ! Melhem era o estudioso, enquanto Marcelo ADNET aparecia protagonizando um clipe produzido em grande estilo. Vale ressaltar que, neste quadro, ADNET fazia sempre o vocalista dos vários grupos sertanejos mostrados. Sim, porque depois da passagem por Cuba, teve também uma amostragem do sucesso do Sertanejo na China… Hilárioooo !!!

Resultado de imagem para tá no ar a tv na tv

O ritmo Sertanejo já fazia muito sucesso em Cuba nos anos 50…

OUTROS DESTAQUES:

“Classificação indicativa é um pé no saco”

A Tosca Produções com suas super ofertas no comércio

O Cine México com patrocínio dos SHUFFLES

THE VOICE OF TRONES

Ambientalistas da Paixão a primeira novela inteiramente auto-sustentável dda TV Brasileira.

Resta a você, que por algum compromisso importante, desatenção ou sono, pode ter perdido o programa, o consolo de assistir ao insólito TÁ NO AR: A TV NA TV via GloboPlay – o aplicativo gratuito da TV Globo !

Imagem relacionada

Risada garantida: Rick Matarazzo e Tony Karlakian, presenças obrigatórias do Tá no AR !

 

 

Dois Irmãos: Luiz Fernando Carvalho faz Poesia da obra de Hatoum

Resultado de imagem para minissérie dois irmãos

Cauã Reymond, em papel difícil, reafirma imenso talento…

A minissérie que abriu o tradicional janeiro de grandes minisséries na TV Globo terminou ontem após 10 capítulos de uma produção com a assinatura prodigiosa e relevante de Luiz Fernando Carvalho (LFC).

DOIS IRMÃOS surge após a força dramático-imagética que foi a novela Velho Chico, também dirigida por Luiz Fernando, mas estava já gravada há 2 anos.

Trata-se de adaptação da obra homônima do escritor amazonense Milton Hatoum, adaptada por Maria Camargo. Conta a saga de uma família de libaneses residente em Manaus. O foco central da ação são os gêmeos Omar e Yaqub (vividos em 3 fases distintas pelos atores Lorenzo Rocha, Matheus Abreu e Cauã Reymond). Os gêmeos, desde garotos, vivem em disputa pela atenção dos pais, Halim (Antonio Caloni/Antonio Fagundes) e Zana (Juliana Paes/Eliane Giardini), e o amor da jovem Lívia (Monique Bourscheid/Bárbara Evans). Assim como no livro, a história é narrada por Nael (Ryan Soares e Irandhir Santos), filho de Domingas (Zahy Guajajara), um misto de agregada e empregada da família dos gêmeos.

Imagem relacionada

Quem acompanha o trabalho sempre instigante e competente de Luiz Fernando Carvalho já sabe: quando vem obra dele, vem produção esmerada, misto de beleza e reflexão, calmaria rítmica e avalanche emocional, músicas que evocam ou sublinham sentimentos que permeiam as emoções em relevo na trama, despertando uma polaridade que conjuga – com extrema delicadeza e pertinência – o claro e o escuro, o trágico e o alegre, o erótico e o rude, o avanço e retrocesso, o direito e o avesso, o sagrado e o profano, a beleza e o sombrio.

Em DOIS IRMÃOS – que a TV Globo lançou com o ótimo apelo “Assista a esse Livro !” – essa polaridade, ancestral e típica da vida, é moldura e conteúdo que Luiz Fernando Carvalho alcança e converte em refinada linguagem, traduzida em brilhante forma artística.

O duplo de cada personagem, das ações, dos acontecimentos, das reações, é dado precípuo da obra. Quem acompanhou com atenção, por certo lembrar-se-á dos momentos de pura euforia de Zana (a matriarca dividida entre Juliana Paes e Eliane Giardini), as nuances de Halim (Antônio Calloni e Antônio Fagundes), e o duelo permanente entre os gêmeos, com a recorrente polaridade evidenciando-se na eterna rivalidade entre irmãos, ademais sendo esses personalidades tão distintas, movidos por ódio e vingança desde muito cedo.

Resultado de imagem para minissérie dois irmãos irandhir santos

Trabalho de caracterização foi tão perfeito que levamos um ‘susto’ quando o personagem Nael cresceu e apareceu com Irandhir Santos: parecia tratar-se do mesmo ator em idade mais avançada… Sensacionallll !!!

O escritor Milton Hatoum, amazonense autor do livro, deve estar muito feliz: as vendas de seu livro tiveram expressivo aumento após a estreia da minissérie, e sua obra agora ganha visibilidade nacional. E quem pode concorrer com o alcance da Televisão ? Ganhou Hatoum, ganhamos nós com esta Jóia da Teledramaturgia que é a minissérie DOIS IRMÃOS.

Mesmo já considerando, há tempos, LFC como um dos mais relevantes e competentes diretores de Teledramaturgia do país – costumamos dizer que “Todos os outros fazem novela; só Luiz Fernando Carvalho faz obra de Arte” -, o diretor sempre nos surpreende – positivamente – a cada novo trabalho.

Resultado de imagem para minissérie dois irmãos

Que riqueza é assistir a uma obra assinada por LFC ! Que refinamento ele empresta a detalhes ! São pequenas pérolas encravadas em blocos de capítulos, perfazendo um total criativo cuja obra final deve equivaler mais que a um longa-metragem em esforço, trabalho e alcance, tal é o preciosismo na arquitetura cênico-imagética que facilmente identifica-se nas criações de LFC. O diretor é mestre na construção de um matelassê teleaudiovisual que evidencia uma enorme diversificação de intertextualidades, cujo acme é uma analogia constante, permanente, sutil e evidente entre as questões evocadas nas tramas e nas injunções que se desenrolam qual num tabuleiro de xadrez, complexo e inextricável, que esboça a realidade paradoxal e polarizada de um país perplexo ante tantas adversidades.

Em DOIS IRMÃOS é possível também identificar um diálogo com o clássico “O Tempo e os Conways”, do dramaturgo inglês J.B. Priestley, e ainda com O Jardim das Cerejeiras, do notável Anton Tchecov. Outros mais poderão ser aludidos. Esses me vêm à memória agora. O fato é: o sensório de Luiz Fernando Carvalho é pródigo em criar analogias, em promover diálogos, em promover alianças, mergulhando longe e fundo para emergir e iluminar a obra a qual ele está ‘construindo’ com matizes e texturas que apontam, insistentemente, para um universo multifário e poliédrico, pois assim esboça-se a sensibilidade do diretor, conforme o olhar mais atento pode perceber em suas notáveis criações artísticas. Nesse viés, Luiz Fernando Carvalho traz em seu arcabouço uma multiplicidade de influências, inspirações, estilos, e PERGUNTAS ( qual um garimpeiro, sempre em busca de novas pepitas preciosas) que o tornam um profícuo detonador de sentimentos e emoções aflorando em direções várias. É preciso ser muito tosco para não se sentir tocado pelos magnânimos quadros audiovisuais que LFC consagra às suas obras.

*Não sei o nome do clássico do cancioneiro mundial que encerrou a minissérie, mas que achado ! Mão na Luva, como diria Machado de Assis.

Assim, tendo essa ligação estreita e oxigenante com o dia-a-dia do país, é que Luiz Fernando – do alto de sua inquietação criativa – percebeu a ‘necessidade’ de alterar a edição dos capítulos finais de Dois Irmãos, ante a gravidade da rebelião de presídios acontecida em Manaus. Como disse o diretor em entrevista à colega Cristina Padiglione:

“Faz uns dez dias, estava editando a cena da morte de Halim, abatido sobre seu sofá cinza, mudo, cristalizado, perplexo diante das transformações que se iniciaram naqueles tempos, mas que chegam ao ápice nos dias de hoje! Na semana de estreia, assassinatos se multiplicaram nos presídios de Manaus, uma capital abandonada e praticamente esquecida, que entrou para o mapa mundi da tragédia da vida real e ficcional a um só golpe. Tudo se misturou na minha cabeça. Entendo a edição como algo móvel, dinâmico, como a vida. As improvisações continuam ali. Não trabalho com cartilhas. Meu olhar se interessa por estes acasos e espelhamentos. Os acontecimentos em Manaus modificaram a forma de editar os capítulos finais, sim. Senti a necessidade de incorporar à decadência, já posta no romance, a reflexão machadiana de que ‘o progresso já nasce em ruínas’. A edição se tornou mais crítica e política ao refletir o tempo que passa e sua ideia de progresso”.”

Um Viva muito grande e sonoro ao formidável elenco de DOIS IRMÃOS, no qual destacam-se as atuações de Juliana Paes, Antônio Calloni, Eliane Giardini, Antônio Fagundes, Irandhir Santos, e a criação impactante de Cauã Reymond, que esbanjou talento, sensibilidade e invejável profissionalismo.

*Bom rever Michel Melamed, Isaac Bardavid, Ary Fontoura, Maria Fernanda Cândido e Carmen Verônica.

Imagem relacionada

PARABÉNS ao maestro Luiz Fernando Carvalho e a toda a fabulosa equipe que com ele tornou possível a realização exponencial de DOIS IRMÃOS ! Uma obra que nos enche de admiração por sua riqueza como criação teleaudiovisual, e também por nos relembrar que, no Brasil, há sim motivos muitos para nos orgulharmos, conforme ficamos ao sermos partícipes de um tempo em que se produz obra tão digna em meio a tantas coisas que nos envergonham neste Brasil dos anos 2000.

Cidade dos Homens estreia hoje com Dja Marthins em participação especial

A competente atriz Dja Marthins, mais um talento de peso da cultura  baiana, conhecida por sua presença sempre forte e competente – seja no teatro, cinema ou televisão -, está de volta à telinha esta noite:
DJA participa do primeiro episódio de Cidade dos Homens, que estreia hoje uma nova versão, atualizada em 12 anos. Escrita por George Moura e Daniel Adjafre, a minissérie agora tem direção de Pedro Morelli.
“Faço uma mulher que ganha a vida consertando e recuperando os utensílios domésticos dos moradores de uma comunidade. Mas é uma participação pequenina”, avisa Dja. Apesar de lamentarmos que sua participação seja apenas no primeiro capítulo, é bom de todo modo rever Dja atuando, ainda mais numa minissérie com uma trajetória como a de Cidade dos Homens, que destaca a relação de amizade da famosa dupla Acerola e Laranjinha.
Imagem relacionada
Acerola e Laranjinha retornam e agora já tem filhos…
Em Cidade dos Homens, Dja contracena com os atores mirins Luan Pessoa (Davi) e Carlos Eduardo Jay (Clayton), que  encarnam os filhos de Laranjinha ( Darlan Cunha) e Acerola (Douglas Silva). Os intérpretes entram em cena para dar continuidade aos inesquecíveis personagens, numa passagem de 12 anos.
Resultado de imagem para musical PRAÇA ONZE direção Ernesto Piccolo
DJA Marthins iniciou a carreira através do importante  trabalho da Oficina de Espetáculos Calouste Gulbenkian, comandada pelos atores Ernesto Piccolo e Rogério Blat. Inscreveu-se mais tarde no curso de teatro da Universidade Estácio de Sá.
E foi através de um belíssimo espetáculo da dupla Picollo & Blat (que criaram e dirigiram diversos espetáculos bonitos e relevantes em aulas populares, as quais misturavam diversas etnias, gerações e classes sociais) que vi DJA pela primeira vez. Em cena, DJA atuava e cantava no inesquecível musical PRAÇA ONZE. O elenco era enorme, formado por alunos da oficina do Centro Cultural Calouste Gulbenkian, e não dava pra guardar nome e rosto de todos. Foi só quando vi DJA Marthins emprestando seu talento em #joiarara, que me encantei com sua atuação. E conversa vai, lembrança vem, e o musical PRAÇA ONZE nos fez recordar momentos lindos que ‘vivenciamos’ em dia de festa no palco.
Resultado de imagem para musical PRAÇA ONZE direção Ernesto Piccolo
 Cartaz do inspirado musical de Ernesto Piccolo e Rogério Blat, onde Dja Marthins atuou…
DJA Marthins é conhecida por vários trabalhos na televisão. Egressa do teatro baiano, a atriz estreou na telinha em 2002 com o Beijo do Vampiro, seguindo nas novelas Cobras & Lagartos (2006), Saramandaia,  Joia Rara (2013) e Haja Coração (2016), citando apenas algumas.
Resultado de imagem para dja marthins
Na última versão de Saramandaia, obra do também baiano Dias Gomes, o saudoso e notável dramaturgo criador de obras como O Bem Amado e O Santo Inquérito, ela fez  a empregada da personagem Candinha Rosado, vivida pela atriz Fernanda Montenegro, e conta que foi “um prazer enorme trabalhar com essa grande profissional”.
Imagem relacionada
José Araújo e Dja Marthins contracenando em Joia Rara, obra-prima de Duca Rachid e Telma Guedes…
A personagem de Cidade dos Homens é mais uma que evidencia o talento da atriz em trabalhos que destacam as comunidades cariocas. Na peça “Favela”, Dja mostrou nos palcos a vida da Dona Jurema, uma fofoqueira no cotidiano de quem mora no morro. Texto de Rômulo Rodrigues com direção de Marcio Vieira. Em “Áurea, a Lei da Velha Senhora”, de Jean Mendonça,  Dja encarnou a Negra Velha, encantando o público com sua atuação pujante.
Resultado de imagem para dja marthins
“Gosto de trabalhar na televisão, mas minha paixão é o teatro.  Estou ensaiando Bodas de Ouro, de Vicente Maiolino, com adaptação e direção de Wilson Caetano. Comigo no elenco está Ricardo Romão,  fundador e líder do grupo musical Saci Chorão”, conta a querida DJA.
No cinema, Dja Martins atuou nas produções “Através da Sombra”(Walter Lima Jr), “Polidoro”(Tiago Arakilian) e “Solteira Quase Surtando”(Caco Souza), além dos curtas-metragens “Safári”(Renata Di carmo) e “Vazio do Lado de Fora”(Eduardo Brandão Pinto). Esse último “é sobre o pessoal que foi desabrigado no autódromo”.
Resultado de imagem para dja marthins
Dja Martins: orgulho e força do Teatro Baiano, revelada ao país pela teledramaturgia.

Rosamaria Murtinho e Mauro Mendonça consagrados no Domingão do Faustão

Resultado de imagem para troféu mario lago 2016

O cobiçado Troféu Mário Lago, benfazeja iniciativa do programa Domingão do Faustão, reverencia e aplaude talentos artísticos de várias áreas.

A honraria foi criada em 2001 como Troféu Conjunto da Obra, tendo sido seu primeiro ganhador o saudoso Mário Lago – jornalista, radialista, ator, escritor, compositor. A partir de então, o troféu passou a chamar-se MÁRIO LAGO numa bela demonstração de apreço ao notável artista que nomina a honrosa estatueta.

Resultado de imagem para troféu mario lago 2016

Entregue anualmente a personalidades de destaque na área artística, o troféu já foi entregue a Laura Cardoso, Paulo José, Glória Menezes & Tarcísio Meira, Tony Ramos, Lima Duarte, Glória Pires, Gilberto Gil, Antônio Fagundes, Hebe Camargo, Regina Duarte, Roberto Carlos, Fernanda Montenegro, William Bonner, e Susana Vieira. Até 2007, o troféu era entregue no último domingo de cada ano, juntamente com a entrega do Troféu Melhores do Ano. Hoje, a entrega do Troféu Mário Lago é entregue no domingo seguinte ao Melhores do Ano, e cada vez há maior esmero na cerimônia de entrega. E o mais bacana: é o agraciado do ano anterior quem entrega o Troféu ao próximo vencedor.

Este ano, na edição de ontem do Domingão do Faustão, os vencedores foram Rosamaria Murtinho e Mauro Mendonça, que estão celebrando 60 anos de carreira e quase o mesmo tempo de união conjugal. E foi Susana Vieira, ganhadora do ano passado, quem entregou o Mário Lago a Rosamaria e Mauro.

Resultado de imagem para troféu mario lago 2016

E como dizia a canção popular, foi bonita a Festa !

Quando Mauro Mendonça entrou no palco do Domingão, o sentimento lhe saltava aos olhos. Ver aquele Ator notável, do alto de sua seriedade, competência e simplicidade, emoldurado pela emoção, foi já um espontâneo convite para aderir de alma e coração à justa homenagem anfitrionada pelo apresentador nosso de todos os domingos, o querido Faustão.

Rosamaria Murtinho e Mauro Mendonça somam 60 anos de duas vitoriosas carreiras, as quais aprendemos a admirar e aplaudir ao longo de décadas de personagens – nascidos de seus Talento, Profissionalismo, Carisma e Dedicação -, inscritos de forma sensível e inolvidável na história da Teledramaturgia Brasileira e, portanto, da Teledramaturgia Mundial, já que o Brasil (leia-se Rede Globo) faz a Melhor Telenovela de Primeiro Mundo do planeta.

Resultado de imagem para rosamaria murtinho e mauro mendonça

Rosinha & Maurão – como os chamamos os que com eles partilhamos amizade – são duas pessoas adoráveis. Temos a honra e alegria de dizer que nossa amizade com eles transcende os aspectos de nossa paixão comum pelo ofício do Representar e pela atuação em veículo tão poderoso quanto a TV.

Mauro e nós meu nat 96

Aurora Miranda Leão, Rosamaria Murtinho, João Paulo e Mauro Mendonça…

Para além dos dois ícones de alta envergadura que são, Rosamaria Murtinho e Mauro Mendonça – a ordem dos nomes não altera o bem-querer recíproco – são ”seres humaninhos” (plagiando o ótimo Mustafary de Marco Luque) arretados, cuja companhia e convivência são prazerosas e enriquecedoras. Conheço-os desde minha adolescência: bastou encontrar-nos uma vez e nunca mais nos desligamos. Há muitos anos, sou hóspede do querido casal quando vou à capital carioca, e a cada vez que estamos juntos, é como se nunca tivéssemos ficado distantes. E não ficamos mesmo. Porque a distância foi sempre só física: nossas energias sempre estiveram sintonizadas, nossas confluências se renovam como águas de cachoeira e nossas trocas sempre começam e se aprofundam em risos, conversas, abraços, comidinhas mineira e cearense, passeios, rodas de samba, música, filmes, enfim, como é bom ver, rever, estar, conviver com Mauro Mendonça e Rosamaria Murtinho.

Resultado de imagem para troféu mario lago 2016

Como foi auspicioso acompanhar a justíssima Homenagem do Domingão do Faustão ao emérito casal que a Teledramaturgia abraçou desde os seus primórdios, e que é um símbolo tão vivo e relevante da nossa produção teleaudiovisual. Emocionei-me por demais. Sobretudo os depoimentos de Natália Thimberg, Francisco Cuoco, Lima Duarte, Boni, Sílvio de Abreu, Tony Ramos, Vanessa Giácomo, Bárbara Paz, Denise Sarraceni, Jorge Fernando, e os três filhos do casal – os queridos João Paulo, Rodrigo e Maurinho -, tornaram a Homenagem ainda mais profunda, calorosa, e tocante. A começar pelo próprio Faustão ao lembrar de sua primeira entrevista, quando então iniciava como repórter numa rádio de Campinas (SP), e contava apenas 14 anos. E lá estava Rosamaria (à época, já em pleno sucesso na TV), que, valendo-se de sua natural simpatia e generosidade, não se fez de rogada e colaborou com o apresentador. Faustão fez questão de contar o fato e declarou: “Ela me ajudou completamente. Nunca esqueci disso: eu era apenas um repórter em início de carreira, sem experiência alguma, e ela foi de uma extrema delicadeza e coleguismo, e colaborou comigo inteiramente”.

Resultado de imagem para troféu mario lago 2016

A Homenagem a Rosamaria Murtinho e Mauro Mendonça ocupou a ‘faixa nobre’ do Domingão do Faustão – o horário em que o programa é mais visto, antes das tradicionais ‘Videocassetadas’ – abrindo espaço para um bonito resumo da carreira do casal mostrando cenas e imagens de trabalhos emblemáticos dos dois na TV e no Teatro.

Belo, oportuno, importante e necessário este Troféu Mário Lago. Agiganta-se o Domingão com essa série de Homenagens que costuma fazer aos artistas de nossa tão rica Teledramaturgia. É o apresentador Faustão, aliás, o melhor símbolo dessa figura dignificante e necessária que é a do Jornalista/Apresentador/Agitador Cultural que está à frente de uma atração televisiva que serve como o melhor canal para reconhecer talentos e aplaudir competências.

Resultado de imagem para troféu mario lago 2016

Ao destacar, elogiar, homenagear e dar vez e voz aos artistas que, diariamente, adentram milhões de lares brasileiros através da extensa e intensa produção teleaudiovisual do país, o apresentador Faustão insere-se, cada vez mais, no coração da audiência popular, se engrandece ao reverenciar o talento de seus pares, e dignifica-se ao ser o grande baluarte deste ato tão singelo quanto grandioso, que é reconhecer o mérito alheio, aplaudi-lo e tornar conhecido e admirado (ainda mais) pelo grande público aqueles a quem a emoção e o carisma já consagraram.

E os maiores exemplos disso são a entrega anual do Troféu Melhores do Ano (melhor e mais caprichada a cada edição) e do Troféu Mário Lago, momentos de reconhecimento maior ao enorme contingente de artistas e técnicos que tornam a nossa Música e Teledramaturgia produtos de exportação dos quais nos orgulhamos e aos quais aplaudimos com vigor !

Aliás, há muito Faustão e sua valorosa equipe de produção se desdobram na criação de interessantes quadros para a atração dominical. Antes, havia o emocionante Arquivo Confidencial, que fazia derramar lágrimas dos homenageados e em quem os assistia. Não sabemos porque o quadro acabou mas nada impede que volte. Assim como a prestigiada Dança dos Famosos não pode acabar !

Resultado de imagem para troféu mario lago 2016

Roberto Carlos entregou o Troféu Mário Lago a Fernanda Montenegro…

Por todos esses anos no comando das tardes-noites de domingo, pela louvável criação e permanência dos quadros de homenagens, e pela realização esmerada da entrega dos troféus, o caloroso #aplausoblogauroradecinema para Faustão e toda a equipe de produção do seu inoxidável Domingão.

Resultado de imagem para troféu mario lago 2016

Mauro Mendonça, Susana Vieira, Rosamaria Murtinho e Faustão no Domingão de Natal…

Resultado de imagem para troféu mario lago 2016

E aos ilustres e queridíssimos Rosamaria Murtinho e Mauro Mendonça, nossa Admiração sempre maior, e nossos aplausos envolvidos em lágrimas e sorrisos pela justeza e evidente acerto da gloriosa Homenagem. Vocês, Rosinha e Maurão, enriquecem e dignificam a história do Troféu Mário Lago !

ROBERTO CARLOS, essa Força Estranha que tanto amamos

Por Aurora Miranda Leão*

Resultado de imagem para roberto carlos especial

“Para que todos cantem na mesma voz esta oração…”

Os versos do clássico de 1970 de Roberto e Erasmo Carlos parecem entronizados no coração brasileiro, mas a oração que todos aprendemos a cantar juntos acontece anualmente é na frente da telinha, no sempre aguardado especial de fim de ano do REI Roberto Carlos.

É como se todos cantássemos, em uníssono, as canções que nos acompanham ao longo de décadas de uma carreira vitoriosa, de um artista magnânimo, que canta cada vez melhor, dono de um repertório que o faria REI em qualquer nacionalidade.

Bastaria ter um nome menos popular que Roberto Carlos, ou mais ‘estrangeirado’, e Roberto Carlos seria endeusado, como o são Frank Sinatra, Elton John e Charles Aznavour, para citar apenas alguns.

As músicas de Roberto Carlos, sejam elas criadas por ele, em parceria com Erasmo, ou apenas tornadas populares em sua voz, são dele também. Basta lembrar das belíssimas Ninguém vai tirar você de mim (de Édson Ribeiro e Hélio Justo), Não vou Ficar, de Tim Maia, e Amor Perfeito (de Michael Sullivan, Paulo Massadas, Linmcoln Olivetti e Robson Jorge). Por isso, há canções ‘robertocarlianas’ impregnadas no repertório musical de qualquer brasileiro. Quer o sujeito admita isso ou não. Ainda há muita gente que acha brega, cafona ou ultrapassado assumir que curte Roberto Carlos. Enquanto tentam fingir pra si mesmos, perdem a delícia que é ouvir uma música preferida e sair dançando e/ou cantando junto… Barbaridade, Tchê !

Resultado de imagem para roberto carlos especial

“Junto com você todos estamos, o tempo todo, como bem disse Gilberto Gil.

Felizmente, a leva de gente que admira o REI e faz questão de dizer isso, é imensa, e só torna mais ridículos os que insistem em negar a afinidade com o romantismo musical do qual Roberto Carlos é símbolo maior.

O especial “Simplesmente, Roberto Carlos”, exibido na madrugada deste 24 de dezembro de 2016, fez jus ao nome: um especial realmente muito simples, com participações já vistas anteriormente em outros especiais do Rei, mas nem por isso foi menos interessante.

Resultado de imagem para simplesmente roberto carlos

As presenças inéditas foram a de Rafa Gomes, a garotinha revelada no The Voice Kids, que cantou dois hits com o Rei (uma canção de Michael Jackson e outra do próprio Roberto), e o encontro de RC e Jennifer Lopez. O dois gravaram juntos a canção CHEGASTE, e a gravação em estúdio foi mostrada no especial. É uma linda canção e JLO se apresentou como grande admiradora do REI, estando muito à vontade e feliz ao cantar ao lado do artista.

Resultado de imagem para roberto carlos especial e jennifer lopez

Jennifer Lopez e Roberto Carlos em dueto inédito…

Uma canção bonita demais, que já-já vai ganhar ganhar as rádios, redes sociais, e deve entrar (com méritos) na trilha sonora de alguma telenovela. Merece !

Resultado de imagem para simplesmente roberto carlos

Milton Guedes abrilhantou o Especial com sua preciosa gaita…

O reencontro do REI com os amigos Caetano Veloso e Gilberto Gil reafirmou a auspiciosa sintonia dos três, os quais, juntos, cantaram “Coração Vagabundo”, de Caetano, e Marina, do saudoso Dorival Caymmi. Very nice !

Milton Guedes fez um solo lindíssimo de gaita e foi bem reverenciado pelo REI. Com Zeca Pagodinho, um flerte com o samba, mas a participação mais emocionante foi o dueto do Rei com Marisa Monte ! Que lindo verouvi-los cantar, sobretudo a inspirada “Ainda bem”… Notável !

Resultado de imagem para simplesmente roberto carlos

Marisa Monte e Roberto Carlos: ícones notáveis da canção romântica brasileira

E para dirimir dúvidas e espantar qualquer negatividade, o REI falou com cativante espontaneidade sobre sua badalada questão do TOC e disse ter revisto a decisão de não mais cantar algumas músicas do repertório. E mandou ver com graça e malemolência a histórica “Quero que vá tudo pro inferno”

Para encerrar, como acontece há anos e virou um belo momento de consagração ao Menino-Deus cujo nascimento celebramos hoje, JESUS CRISTO, a canção que nasceu eterna no substancial cancioneiro da dupla Roberto & Erasmo Carlos.

Resultado de imagem para simplesmente roberto carlos

Lindo demais !

Viva, Roberto Carlos !

E que venham muitos e muito outros belos especiais do REI para cantarmos juntos e desejar a todos, em dialeto musical, um FELIZ NATAL !

Resultado de imagem para simplesmente roberto carlos

“Para que todos cantem na mesma voz esta oração: JESUS CRISTO…”

Porque a saudade é o revés de um parto…

Velho Chico vive semana final marejando a tela de encanto, tristeza e saudade…

* Aurora Miranda Leão

Resultado de imagem para velho chico capitulos finais

Camila Pitanga, Gabriel Leone e Domingos Montagner: últimos momentos de uma sintonia que a ficção abraçou com beleza e emoção…

Fatalidade que nos tirou SANTO DOMINGOS Montagner dos ANJOS imortaliza VELHO CHICO como obra trágica em que ficção e realidade duelaram…

Resultado de imagem para velho chico Bento e Santo

VELHO CHICO, a prodigiosa novela de Benedito Ruy Barbosa, Bruno Luperi e Luiz Fernando Carvalho, entra em sua derradeira semana. E o capítulo da segunda que iniciou esta reta final foi de A R R E P I A R !!!

Inédita em telenovelas, a solução encontrada pelos autores foi um emocionante acerto.

Assim como aconteceu conosco, li várias pessoas comentando nas redes sociais que terminaram o capítulo em lágrimas. É preciso ser muito insensível para não se ter sentido com os olhos naufragados…

Resultado de imagem para velho chico TEREZA salva Santo da morte

A aura de SANTO Domingos pairou em todas as cenas do personagem com sua família: além do delicado e poético efeito da luz incidindo sobre as lentes de Alexandre Fructuoso, os corações do elenco (visivelmente entrelaçados) emprestaram ternura e cravaram saudade às cenas em que Santo está presente mas sem Domingos… a poesia latente entre colegas que a ficção tornou’família’, escancarou uma ausência que machuca profundamente, e contaminou o público.

E como é lindo constatar quando um artista acerta a mão em seu trabalho e consegue o máximo da sofisticação que é a beleza do simples – como tão bem imortalizou Leonardo da Vinci. Assim foi nesse já histórico capítulo da última segunda-feira de Velho Chico, 26 de setembro de 2016.

irandhir

Que riqueza de simbologia num único capítulo ! Quantos acertos  flagrados em filigranas da mais sublime homenagem que autores e direção resolveram prestar ao querido Domingos Montagner ! A título de ilustração, os antológicos destaques para o brinde à nova vida que será trazida por Miguel e Oliva com todos os atores olhando para a câmera (simbolizando Santo) com o corte para uma belíssima imagem do Rio em absoluto clarão). O hino que embala a oração de são Francisco antecedendo encontro da índia Ceci com a terra seca herdada por Miguel – e a primeira imagem que surge é um céu  explodindo na beleza de seu azul escaldante -, Bento chamando o “mano véio” para se arrumar para a festa de casamento da filha, a troca de olhares ente Olívia e o pai (feixes de luz formando anéis brancos a simbolizar  a alma de SANTO abençoando a filha), as lindas palavras do padre Benício na hora da celebração,  Miguel recebendo do pai um violão, e tocando para a amada a simetria do Dia Branco de Geraldo Azevedo.

Detalhes significativos demais, só capazes de imperar em almas prenhes de luz e inspiração !

Resultado de imagem para velho chico casamento olivia e miguel

Com o auxílio luxuoso de uma equipe que também marcou com a encantadora telenovela Meu Pedacinho de Chão – nela também constam os nomes de Raimundo Rodriguez, Tim Rescala, Thanara Schönardie, Rubens Libório, Myriam Mendes, Luisa Gomes Cardoso, Déborah Badauê, para citar apenas alguns -, Luiz Fernando Carvalho possibilitou  a construção de uma obra de arte do mais alto quilate, dando ao inteligente texto de Benedito Ruy Barbosa, Edmara Barbosa e Bruno Luperi, a dimensão de Obra-Prima da Teledramaturgia Mundial. Anotem aí, e ano que vem vamos conferir: VELHO CHICO ganhará incontáveis prêmios por sua excelência: seja pela belíssima estética de sua narrativa ou pela beleza de seu figurino delicado e atemporal; seja pela riqueza de uma trilha sonora que emprestou à narrativa um caráter de adágio, ou por sua fotografia primorosa; quer pela direção de arte ou pelas interpretações de um elenco notável. Por qualquer ângulo através do qual se queira analisar VELHO CHICO, a telenovela é um festival de acertos !

Resultado de imagem para velho chico Bento e Santo

Os irmãos Bento e Santo em trabalho soberbo de Irandhir Santos e Domingos Montagner

Orgulho de me inscrever entre a imensa legião de pessoas que acompanha a novela. Orgulho de profissionais que conseguem fazer de um extenuante trabalho cotidiano um painel riquíssimo, no qual se inscreve a Cultura Brasileira em sua multifária diversidade, e com o qual somos brindados diariamente, de graça, no conforto de nossas cadeiras ou no sofá preferido para nos desligarmos do mundo e embarcamos num mergulho antropofágico do quilate que é, sempre, uma obra que leva a assinatura de Luiz Fernando Carvalho.

Resultado de imagem para velho chico tereza e santo se reencontram após 30 anos

Doninha (Suely Bispo) e Cícero (Marcos Palmeira): fiéis servidores do Coronel Saruê…

VELHO CHICO entra para a história da Teledramaturgia como uma obra de notável narrativa e riquissíma produção de sentidos, símbolo de uma enorme rede de influências artísticas – que vão de Shakespeare a  J. B. Priestley e seu O Tempo e os Conways, passando por Ibsen e Albinoni, com mergulhos mesclando o Concerto de Aranjuez ao ritmo tradicional do forró pé-de-serra e às carrancas típicas do nordeste brasileiro, com ênfase para a riqueza da vertente africana de nossa ancestralidade, ou na direção poética que pulsa em manifestações como a Missa do Vaqueiro – que valeu à trama um capítulo antológico !

Outrossim, a novela de Benedito-Luperi-Luiz Fernando-Raimundo-Tim-Fagundes-Egrei-Irandhir-Pitanga entra para os anais da Teledramaturgia como uma narrativa na qual o clássico se misturou com o popular formando um crivo* precioso onde o único senão foi a intromissão – indevida, desnecessária, indesejável e corrosiva – da realidade na ficção.

*CRIVO é um bordado feito com o auxílio de bastidores, em que o pano é preparado com a retirada de alguns fios intercalados, formando furos que são contornados de pontos de linha, criando uma espécie de peneira.

praca

Miguel e Olívia: Gabriel Leone e Giullia Buscacio simbolizando um amor cheio de ternura…

Assim, ao falarmos de VELHO CHICO, sabemos estar diante de uma Obra-Prima porém perpassados por um profundo e lancinante silêncio, advindo de uma dor que insiste em latejar e nos açoita, dilacerante, a gritar nossa pequenez diante do Infinito.

tereza-e-santo-1

Descanse em PAZ, DOMINGOS Santo MONTAGNER dos Anjos !

Que Deus seja conforto e LUZ para todos os que com você partilharam a grandeza que foi sua vida e sua benfazeja presença em VELHO CHICO !

O caloroso #aplausoblogauroradecinema para todos os que integram a equipe da saga VELHO CHICO !

coronel

Como diria o saudoso cronista Artur da Távola,

Velho Chico seria uma obra popular de elite ou uma obra erudita de massas ?

VELHO CHICO crava assinatura contra machismo, opressão e preconceito racial

Em capítulo no qual Mariene de Castro brilha, Marcelo Serrado e Marcos Palmeira destacam-se com atuações primorosas…

ela

Mariene de Castro protagonizou cena forte em defesa das mulheres e contra o racismo

Velho Chico, apenas uma novela rural, centrada no sertão nordestino – como julgam apressadamente os que dizem que detestam novela (nunca entendi como de detesta uma coisa que não se conhece) – é, desde seu início, uma obra substancial, com uma estética claramente definida e nuances antropofágicas claras, importantes, bonitas e bem colocadas.

A novela já foi por nós abordada diversas vezes. Tem tantas qualidades que merecia um comentário diário. Mas o tempo nem sempre nos permite dedicar-nos exclusivamente ao que gostamos. A teleficção audiovisual me encanta desde garota, o que me fez seguir noveleira vida afora, e culminou com uma estreita e longa amizade nossa com o saudoso cronista Artur da Távola, o mais respeitado crítico de televisão, praticamente o pioneiro do ofício.

Dito isso, vamos ao capítulo de Velho Chico desse sábado, 24 de setembro: foi um capítulo crucial da grandiosa obra de Benedito Ruy Barbosa, Bruno Luperi e Luiz Fernando Carvalho. Nele foram exibidas as últimas cenas gravadas pelo ator Domingos Montagner, tragicamente vitimado logo após essas gravações em mergulho que terminou de forma infeliz no lendário rio São Francisco.

A exibição dessas cenas, por si só, já tornaram as principais sequências do capítulo arrepiantes. Ver um ator da dimensão cênica de um Montagner, cujas falas lhe saíam com tamanha espontaneidade, que pareciam sair-lhe do próprio coração, e não de roteiro que o ator decorava e aplicava seus conhecimentos técnicos para dar as falas à veracidade necessária a tornar o personagem crível. Por isso, quando um ator tem a magnitude de um Fagundes ou de um Montagner, o público mergulha de supetão na ficção e chega a “confundir” ator X personagem.

Teve destaque também a degradação existencial pela qual passa o coronel Saruê, que vive um dilema emocional com a perda da mãe, o abandono da filha e do neto, e a incerteza de seu único filho (com quem viveu às turras a vida inteira) ainda está vivo ou não. A situação do coronel, apesar de todas as ruindades que protagonizou, é digna de pena. E o diálogo do Coronel com seu capanga Cícero foi um primor ! Sobretudo pela meticulosa interpretação de Marcos Palmeira ! Que Ator Grandioso é este rapaz, filho do nosso conterrâneo, cineasta Zelito Vianna, e irmão da querida cineasta Betse de Castro.

palmeira

Marcos Palmeira é desses atores que trabalham “na dele”, sem nunca dar demonstrações de que pretender ser um Ator de grande Destaque… vai fazendo o trabalho dele, do jeitinho dele, meio que na “surdina”, mas como é grandioso em sua interpretação este garoto ! Com que riqueza de detalhes ele compôs este Cícero, sertanejo brabo, valentão, machista, iletrado, enciumado, defensor do patrão e bruto, que guardou por muitos anos uma paixão avassaladora pela filha do coronel, a bela Teresa.

Na conversa de hoje com o Coronel Saruê, Cicero foi de uma sinceridade desconcertante ao falar sobre a vida e tentar responder as questões existenciais que o coronel colocava. E com que riqueza de detalhes Palmeira fez a cena ! Que preciosismo de expressão, entre o ingênuo e o tosco, entre a pureza e a ignorância, entre o inculto e o selvagem… Que coisa linda ver um Ator trabalhar com tanto preciosismo, independente do tamanho do personagem que tenha nas mãos. Não custa lembrar que, recentemente, Marcos Palmeira fez o delegado da novela O Rebu e o prefeito corrupto de Babilônia, para citar apenas alguns, todos personagens completamente distintos, e aos quais o ator emprestou a mesma força de seu talento e a mesma pulsação de sua empatia. Um sonoro DEZ para Marcos Palmeira e seu ‘Cícero’ !

Mas, tirante o que citamos acima, o ponto alto do capítulo desse sábado de Velho Chico, foi o confronto de Dalva e do ex-deputado Carlos Eduardo, o “mofino” novo coronel Saruê, vivido com maestria pelo ator Marcelo Serrado. Dalva, papel que cabe à atriz e cantora Mariene de Castro (linda em toda a potência de sua vocação e grandiloquência de seu potencial artístico), resolvera deixar o trabalho na fazendo dos De Sá Ribeiro, cansada de ser tratada com grosserias e de ter de aguentar gritos e maus tratos do ‘novo coronel’, o terrível Carlos Eduardo. Ela então segue a vontade de libertar-se daquele julgo infame, lembra dos conselhos de Martim, e vai para o centro da cidade. Ali, entre um pensamento e outro, começa a cantar, e sua voz encanta Chico Criatura (Gésio Amadeo), e logo uma turma grande começou a chegar junto para ouvir Dalva cantar. E ela cantou e dançou bonito a noite toda, aplaudida e festejada por quem passava pelo bar de Chico Criatura.

serrado

Marcelo Serrado: primor como o famigerado e corrupto deputado Carlos Eduardo…

Dia seguinte, ele vai à fazenda conversar com Doninha (Suely Bispo), a amiga de longa data com quem dividia o trabalho na fazenda. E no meio da conversa, contente a dar gosto, surge Carlos Eduardo e começa a desfazer de sua vibração (vale um registro para a sonora e sarcástica risada do nojento e famigerado ex-deputado, um primor na criação de Marcelo Serrado !).

E é nessa cena que a tensão se eleva e Dalva escancara um sonoro repúdio ao preconceito racial, ao machismo, à opressão e à vilania do tal Carlos Eduardo. A palra foi forte e construída com esmero por Bruno Luperi (o neto de Benedito Ruy Barbosa que escreve a novela com o autor). Vale um estrondoso aplauso ao juntarmos a eloquência do diálogo e a fortaleza da interpretação de Mariene de Castro !

Resultado de imagem para velho chico marcelo serrado como coronel briga com Dalva

“A gente tem que olhar pra gente é com orgulho, orgulho de quem nós somos, orgulho de onde a gente veio, do fundo de nossa alma… orgulho de ser mulher, de ser negra, de ter sangue de reis e rainhas correndo em mim”

Ao que Carlos Eduardo responde chamando Dalva de “negra, imunda” e depois ainda ameaça matá-la,  caso ainda a encontre na fazenda.

Quem perdeu a cena, ou quer revê-la, aqui está o link: http://gshow.globo.com/novelas/velho-chico/videos/t/cenas/v/carlos-ameaca-dalva/5330507/

batore

O pernambucano Batoré, que faz o abominável Secretário de Segurança de Velho Chico…

  • No capítulo de ontem também, é mister ressaltar a ótima participação de Batoré (que faz o nefasto Secretário de Segurança Queiroz, pau-mandado de Carlos Eduardo): ator, nordestino, sempre visto apenas fazendo humor, Batoré vem mostrando como é bom no ofício, interpretando com extrema habilidade um personagem deplorável e que causa repulsa na audiência.
  • Destaque-se também a lindeza colossal do interior da fazenda dos Saruê, composição requintada e preciosa em riqueza de minúcias, fruto da sumidade inconteste do artista plástico Raimundo Rodriguez, notável em sua criação de ambiências cênicas multifárias e pertinentes em gênero, número e grau ao que propõe a diegese da obra.

Findamos deixando um enorme APLAUSO para todos os que fazem de VELHO CHICO esta obra-prima da Teledramaturgia Mundial, que nos enche a alma de emoção e já deixa a saudade a invadir nossas retinas.

Resultado de imagem para martim e tereza na fazenda Saruê

Os cenários de Raimundo Rodriguez com detalhes preciosos que colaboram de forma substancial para a estética referecial de Velho Chico

Resultado de imagem para miguel e tereza na fazenda Saruê

Antônio Fagundes, Camila Pitanga e Gabriel Leone em cena na fazenda Saruê…

Velho Chico e o imperscrutável: novela vira elegia em honra de Domingos SANTO Montagner

santo

Por Aurora Miranda Leão*

“Pregue que a vida é emprestado estado/Mistérios mil que desenterra enterra”

Velho Chico é uma obra acentuadamente marcada pela eloquência de muitas injunções. Estreou para suprir a demanda de audiência do horário, por isso foi tocada em tempo recorde e exigiu trabalho dobrado de sua equipe de pré-produção. A missão era hercúlea: colocar no ar uma novela apta a recuperar o público do horário nobre, e a intenção dos ‘autores’ Benedito Ruy Barbosa e Luiz Fernando Carvalho (LFC) era contar uma história para tocar fundo o coração do telespectador, tocando em temas caros aos sentimentos mais nobres e remontando às origens da formação do Brasil. A opção foi ambientar a saga das famílias De Sá Ribeiro e Dos Anjos no mais árido sertão nordestino, tendo o rio São Francisco – afetivamente codinominado Velho Chico -, como testemunha silenciosa e matriz emotiva onde se desaguassem dores, chorassem tristezas, e também se renovassem sonhos de melhoria para um país no qual a ética se sobreponha à politicagem, onde a terra seja produtiva para seus ribeirinhos, e onde o bem o bom e o belo terminem vencedores. Valorizar a importância do grande rio nordestino e servir como libelo para sua preservação sempre foi um subtexto notório.

Velho Chico foi alvo de vários comentários nossos, seja aqui neste blog, seja em nossas postagens diárias via Instagram, Face, Twitter e Flickr. Desde o início, a obra nos pegou com sua extrema beleza, referências artísticas prodigiosas, um texto de extrema eloquência, belos diálogos, atuações primorosas, uma fotografia deslumbrante, a estética belíssima e inconfundível do artista plástico Raimundo Rodriguez, e a condução admirável de Luiz Fernando Carvalho, um mago da Teledramaturgia de Escol.

Agora mesmo, quando a novela aproxima-se de seu final, já aparecem as vinhetas publicitárias da próxima novela. Faz-nos lembrar as chamadas antecedentes de Velho Chico (VC) bem como as de Meu Pedacinho de Chão. Não é preciso muito esforço para perceber quando a telenovela que vai ao ar leva a assinatura de Luiz Fernando Carvalho: é como se todas as outras fossem novelas. As obras assinadas por LFC estão noutra categoria: são Obra de Arte, é um outro nível. Sem desmerecer nenhum dos demais. Afinal, falo porque sou uma noveleira contumaz, e não tenho pudor algum em dizer isso. Ao contrário: orgulha-me ser de um país que faz a melhor Teledramaturgia do mundo, e onde o público tem acesso gratuito ao trabalho de um time espetacular de notáveis artistas, que se superam a cada nova obra. Basta citar alguns exemplos para confirmar nossas palavras: Avenida Brasil, Amores Roubados, O Canto da Sereia, Verdades Secretas,  AmorteAmo, Felizes para Sempre ?, Ligações Perigosas, Justiça…

camila-e-d

Teresa e Santo: um Romeu & Julieta encravado no sertão nordestino…

Voltando a Velho Chico: agora que a novela está em seus capítulos finais, e que fomos tristemente surpreendidos semana passada com a trágica morte do querido ator Domingos Montagner, cabe-nos agregar mais um dado insólito que torna a novela de Benedito-Bruno Luperi-Luiz Fernando Carvalho–Raimundo Rodriguez um marco divisor da Teledramaturgia Brasileira: a par de toda a qualidade da obra portentosa que é VELHO CHICO – que mescla de Shakespeare ao Tropicalismo, de Visconti à Cultura Popular, de Gregório de Mattos a José Miguel Wisnik, e da religiosidade típica do povo nordestino à espiritualidade indígena e aos mistérios da natureza aos talentos de Tim Rescala, Tom Zé, Vital Farias, e muitos outros -, gerando ademais o riquíssimo Barrococó Neoclássico assinado conjuntamente por “Raimundo Carvalho e Luiz Fernando Rodriguez” -, um marco épico da produção teleaudiovisual brasileira, a novela ganhou matrizes de autenticidade, inimagináveis e indesejadas, claro, mas que a inserem como transgressora do modelo paradigmático até então consolidado.

É a primeira vez, em todos os anos de nossa Teledramaturgia, que existe em formato diário desde 1963, que o herói morre, não na ficção, mas na vida real. Enquanto em vários outras obras o herói entristece o telespectador ao morrer – mas este sabe que logo depois o verá nas ruas ou em outras tramas -, no caso especial de VELHO CHICO, o herói permanece vivo na ficção mas foi tragado pelas águas sinuosas do rio São Francisco. Isso é de uma dor abissal.

Essa transgressão no correr ‘normal’ da narrativa está eivada de simbolismo: a mudança paradigmática que acometeu a narrativa ficcional criou uma intersecção indesejada e jamais imaginada entre os mundos real-ficcional-lúdico, conforme tão bem explicita o professor e pesquisador francês François Jost.

Resultado de imagem para santo renasce em ritual indigena em velho chico

Quem assiste à novela, sabe: semanas antes do trágico fim de Domingos, seu personagem morria na ficção, mas consegue voltar à vida, tempos depois, trazido pela força do amor da amada Teresa e por sintonias com rituais indígenas milenares. O tempo em que Santo esteve morto foi um tempo de muita tristeza na trama e a vibração na cidade de Grotas – quer entre seus moradores, bem como no seio das famílias do coronel e de Santo -, mudou radicalmente. Ali era só tristeza, revolta, desassossego. Não é difícil engendrar uma analogia com a situação real, arrepiante, que hoje é vivida no Projac entre os pares de Domingos. A todo instante, deve perpassar na emoção de todos: antevisão, premonição, atavismo cósmico ? Porquê ? Como dizia meu sábio avô, o médico pediatra Dr. Miranda Leão, “Os desígnios de Deus são imperscrutáveis”.

E olhemos a força que ganha a letra da música, de Paulo Araújo e João Filho:

Há um rio afogando em mim
Secando, secando, secando
Tem rompante os mistérios que já vi
Esperando, esperando, esperando o fim

Foi na margem do meu peito
Que você pisou e se fez dona
Só pra magoar minha ciranda
Que desanda, que desanda, se diz andar”

Infelizmente, a dolorosa e inaceitável morte que agora choramos não é a de SANTO e sim a do ator Domingos Montagner, que com a força de seu talento e carisma emprestou veracidade à trama de VC e conquistou inúmeros fãs por sua esmerada atuação, oxalá sendo um dos maiores responsáveis pelo êxito da novela que o tempo escreverá em seu histórico livro de ouro como uma das mais belas e relevantes de toda a produção teledramatúrgica brasileira.

A tristeza que devastou e assola a numerosa equipe de Velho Chico, contaminando o país pela perda de um ator tão querido, ainda jovem e no auge da carreira, nos remete a força da argumentação de Umberto Eco quando afirma “o texto é construído por emissor e receptor”. No caso específico de Domingos SANTO Montagner dos Anjos a afirmação resplandece com uma evidência solar.

Embora embevecida ante à beleza e a capacidade de prosseguir que assoma em Velho Chico, escrevemos cravejada de imensa saudade, tristeza e solidariedade. E queremos deixar aqui um enorme e carinhoso abraço a toda esta brava equipe que assina conjuntamente obra de tal magnitude, e um estrondoso aplauso de gratidão por nos encantarem cotidianamente com tanta verdade, beleza, dedicação e generosidade.

*E agora, “tudo em volta é só tristeza…”

Resultado de imagem para domingos montagner em cenas de velho chico

Resultado de imagem para domingos montagner em cenas de velho chico

d-e-m

 

Resultado de imagem para domingos montagner em cenas de velho chico

Resultado de imagem para domingos montagner em cenas de velho chico

Camila Pitanga, Gabriel Leone e Domingos Montagner após a últimas gravações do ator em Piranhas, no sertão de Alagoas…

Domingos Montagner: vida real invade a ficção e eterniza VELHO CHICO

        * Por Aurora Miranda Leão

dom-11

É ainda sob forte impacto e completamente mergulhada em tristeza e dor que escrevemos este post. Escrevemos sobretudo por causa de você, leitor amigo, e para que nossa solidariedade possa chegar ao coração de form mais contundente a toda a prodigiosa equipe que realiza, sob a batuta do maestro Luiz Fernando Carvalho, esta obra prima colossal que é VELHO CHICO.

Você que nos acompanha bem sabe de nossa imensa admiração pela telenovela, de nosso apreço pelas obras do autor Benedito Ruy Barbosa, e de nosso imenso carinho pelos trabalhadores, famosos e anônimos, que tornam possível a realização de uma obra de proporções tão gigantes como uma telenovela, sobretudo as do horário nobre – as mais difíceis, as mais vistas e também as mais atacadas pela crítica – ainda tão preconceituosa e assaz conservadora, mesmo em pleno terceiro milênio.

A notícia do trágico fim do ator Domingos Montagner, protagonista de Velho Chico,  deu-nos uma quinta-feira de perplexidade absoluta. Diante do imponderável,  o real invadiu nosso cotidiano de forma brutal e fomos jogados na vala fria e dolorosa de um desaparecimento  fatal, nefasto, inconcebível, inaceitável.

Enredados numa abjeta narrativa, infelizmente encharcada de realidade, dramaticamente infeliz, e dessa vez não engendrada por nenhum Coronel Saruê, a notícia do afogamento começou a chegar à redes sociais pouco depois das 14h. Passava um pouco das 16h quando li no site da Globo as primeiras informações. Mesmo sabendo dos riscos que é mergulhar e não voltar à superfície, acreditava em “Santo” em alguma paragem do São Francisco, salvo por algum ribeirinho. Confesso não ter pensado nunca no pior final.

Resultado de imagem para domingos montagner em cenas de velho chico

Mas ele veio, infelizmente. Foi a pior de todas as notícias do dia, aquela que você nunca quer ler, a consciência reluta em aceitar, o coração não quer acreditar, e que um jornalista jamais quer divulgar. Infelizmente, o pior do pior aconteceu, e foi na sempre eficiente Globo News que o desaparecimento funesto de Domingos Montagner foi confirmado, pouco depois das 18h.

Quem acompanha este #auroradecinema também no Instagram, Flickr, Twitter ou Facebook, sabe que, nessas redes, acompanhamos o desenrolar dessa tragédia inconcebível. E o que a torna ainda mais grave: a fatalidade era EVITÁVEL !

Segundo matéria do Jornal Nacional na noite desse sábado, 17 de setembro, a chamada “Prainha” onde Domingos mergulhou e foi colhido pela brava correnteza, era um lugar muito perigoso, proibitivo, e até pouco tempo, havia ali bóias sinalizadoras de que o local era proibido ao banho. Sabe-se lá porquê as bóias foram retiradas do lugar, e como aparenta ser muito tranquilo, por isso convidativo ao mergulho, o ator foi ali celebrar suas gravações finais do personagem “Santo dos Anjos” às margens do São Francisco.

Tivera a prefeitura e os órgãos competentes tido o necessário cuidado em manter os avisos de que aquela área era perigosa e não oferecia segurança ao banho, e nosso Domingos Montagner não teria sido vitimado. Quantos como ele não devem ter perdido a vida ali também, naufragados no descaso com a vida humana, na negligência com o respeito aos princípios básicos da civilidade ? Será preciso que um ator famoso perca a vida de forma tão brutal para que, finalmente, possamos pensar em cobrar das autoridades competentes (?) o devido cuidado com o que devia ser sua tarefa cotidiana  ?

dom-1

É URGENTE que o Ministério Público seja convocado a interpelar esse descaso, negligência, desleixo e execrável desrespeito à vida humana para que os responsáveis sejam devidamente punidos e acidentes iguais não venham mais a ocorrer !

d-ri

Que Domingos Montagner, nosso eterno Santo dos Anjos, possa agora correr livre nos vastos campos do céu, abençoado por Deus e guiado pelos mais belos anjos do Senhor !

Velho Chico está em suas semanas finais. A novela, obra-prima de Benedito Ruy Barbosa e Luiz Fernando Carvalho (os dois aqui representando a enorme equipe que torna possível a realização primorosa de VELHO CHICO) teve um desfalque no elenco em seus capítulos iniciais, quando o ator Umberto Magnani, que fazia o Padre Romão, sofreu um AVC e não mais se recuperou. Agora, em seus capítulos finais, Velho Chico perde – de forma dolorosa ao extremo -, o talento, o carisma, a força e a grandeza do talento de DOMINGOS MONTAGNER.

vaq

Se nada disso tivesse acontecido, Velho Chico continuaria sendo a obra-prima magistral que É ! Luiz Fernando Carvalho (LFC) reuniu a NATA DA NATA e esmerou-se na ousadia: partiu da Antropofagia Tropicalista e mergulhou em diversas inspirações artísticas definindo uma estética multifária, cheia de dissonâncias e belas sincronicidades. Mesclou a inteligência de suas muitas inspirações poéticas e casou suas percepções imagéticas e sensórias com a inventividade criativa do artista plástico Raimundo Rodriguez. Assim nasceu o Barrococó Neoclássico que encheu nossa telinha de vigor artístico e infinita beleza. A condução fotográfica de Alexandre Fructuoso (que assumiu seu lado fotógrafo graças ao impulso recebido de LFC) nos proporcionou, todas as noites, um mergulho num universo que estourava em beleza e convidava a uma sucessão de referências cognitivas e ressignificações para um cotidiano tão banal (?) como o da vida numa pequena cidade do interior nordestino.

Não tenho dúvida alguma de que o final de VELHO CHICO vai ser apoteótico, não no sentido de espetacularização, mas seguindo pelo viés que sempre conduziu a novela, entre o drama e a tragédia, com cores tantas vezes sombrias a esconder mistérios da família Saruê, e as influências de várias culturas que ali foram mostradas com igual respeito e a devida deferência.

Resultado de imagem para domingos montagner em cenas de velho chico

O final de VELHO CHICO vai coroar uma obra que foi majestosa do principio ao fim e que é um marco relevante e sui generis da Teledramaturgia Brasileira. 

Orgulho-me de ter visto e acompanhado a obra com a maior das atenções.

E acredito: quando um personagem com o nome de SANTO – com toda a fortaleza que o personagem de Domingos simbolizava para a trama – morre na vida real, e não na ficção, isso vai agregar um valor ainda maior à obra, da qual ela não carecia em sentido algum, mas que surge e se impõe com a força avassaladora de uma tragédia shakespereana, autor que Luiz Fernando tão grandiosamente homenageou com sua singular direção.

Resultado de imagem para domingos montagner em cenas de velho chico

Nos  400 anos da morte do dramaturgo considerado o Pai da Dramaturgia Mundial, Shakespeare, que foi colocado no centro da trama de VELHO CHICO através do personagem do coronel Saruê ( vivido com brilhantismo pelo magnânimo Antônio Fagundes, misto de Hamlet e Rei Lear), e o amor cheio de obstáculos de Teresa e Santo (Romeu & Julieta), o desaparecimento mórbido de Domingos Montagner (que partiu no auge da carreira e em plena felicidade com o papel de Santo) transforma-se numa narrativa de arrepiante interferência do real nas trilhas da ficção. Obviamente, sem propósito nem intenção, Shakespeare é agora o autor que assoma numa tragédia nordestinamente brasileira, ancorada às margens do São Francisco, rio fundador de nossa brasilidade (como afirmava o escritor Machado de Assis). Pois é completamente inimaginável deparar-nos com a morte de um personagem principal em pleno período de gravações. Nem a ficção ousou imaginar semelhante despautério.

dom-e-leone

Desde a infância, o aprendizado nos confidenciou um mistério que nos aliviava diante da ficção, fosse qual fosse: aprendemos (e como era reconfortante saber disso) que “personagem principal não morre”. E agora choramos a partida daquele que chamaremos eternamente de SANTO. Partida, morte ? Mas Santo é personagem principal, e principal não morre. SANTO é Anjo, no céu ou na terra. Como pode ? Sumiu no mundo sem nos avisar…

O SANTO de Domingos era a Fortaleza da família dos Anjos, o Pai amoroso e dedicado, o filho honrado, o homem do povo – honesto, justo, trabalhador – amado e admirado por seus pares. O SANTO que Benedito e Bruno Luperi entregaram a Domingos Montagner era pra ser um herói quase mitológico, com a força imbatível dos justos, a grandeza dos puros de alma, o fascínio indormido dos grandes heróis, a bravura indomável do rio São Francisco.

Sem o saber nem jamais imaginarem, Benedito Ruy Barbosa, Edmara Barbosa e Bruno Luperi legaram a Domingos Montagner um epíteto sacrossanto que só pode ter sido bendita e espiritualizada inspiração shakesperiana – e que emocionante que assim tenha sido.

d-e-c

Domingos SANTO Montagner dos ANJOS é uma espécie de herói mítico que une frações de personagens de Shakespeare, de Brecht, de Ibsen e de tantos clássicos da Dramaturgia Universal. Na versão tropicalista de Velho Chico, podemos dizer que SANTO seria (livremente inspirado em Péricles, o Príncipe de Tiro) nosso Príncipe Popular de Grotas.

Afinal, “Há mais coisas entre no céu e a terra do que possa sonhar nossa vã filosofia”.