Arquivo da tag: Academia Brasileira de Cinema

Um internacional FLERTE Brasileiro…

O curta-metragem FLERTE, que venceu a concorrida premiação da Academia Brasileira de Cinema como Melhor Curta de Ficção, é mais um concorrente brasileiro que estará na tela de Los Angeles em setembro.

O filme, produzido pelo ator e produtor Márcio Rosário, conta a história de dois homens que se conhecem numa festa e acabam a noite na casa de um deles. Dirigido por Hsu Chien Hsin, o filme deve estrear por aqui mês que vem mas a estreia internacional será em Los Angeles durante o festival LABRFF (Los Angeles Brazilian Film Festival), um dos mais concorridos dos Estados Unidos.

A seleção de FLERTE deixou toda a equipe muito feliz: “Todo mundo se dedicou muito para que o curta fosse realizado, pois fazer cinema no Brasil é difícil, ainda mais sem dinheiro”, afirma o produtor, Márcio Rosario. “É um filme com temática forte e com um tema delicado. Mas, independente disso, poderia ser uma história sobre um homem e uma mulher ou sobre a relação entre duas mulheres”, diz Marcio. 

MR e prêmio

Márcio Rosário e o troféu da ABC: FLERTE agraciado !

FLERTE também tem convites para participar de outros 3 festivais na Europa e outros dois na América do Norte.

Confira aqui o teaser de FLERTE:

FICHA TÉCNICA

Roteiro e Direção: Hsu Chien
Elenco: Vinícios Olivo, Pedro Ramoa, Paulo Campani e Rodrigo Fonseca 
Produtor: Marcio Rosario 
Diretor de Fotografia: Dante Bellutti 
Arte: Maria Villar Leite 
Montagem: Estevão Meneguzzo 
Som: Yuri Ludman 
Finalização: Keila Borges 
Realização: Três Tons Visuais e Gorila Filmes

MR esta

FLERTE: o produtor Márcio Rosário, o editor Estêvão Meneguzzo e o diretor Hsu Chien, vencedores da concorrida premiação da Academia Brasileira de Cinema na noite de 26 de agosto…

Alice Gonzaga Homenageada

ALICE GONZAGA, Primeira Dama do Cinema Brasileiro, recebeu merecida e bela homenagem pelos 80 da CINÉDIA da Academia Brasileira de Cinema em sua concorrida festa no início deste junho, dia 8.

Quem não viu a transmissão ao vivo do Canal BRasil, pode conferir pelo seguinte link:

 

Grande Prêmio Cinema Brasileiro

TONY RAMOS Vence como Melhor Ator

LÍLIA CABRAL é Melhor Atriz

Ana Muylaert, Melhor Diretora

É Proibido Fumar, Melhor Filme

O longa-metragem independente É proibido fumar, de Anna Maria Muylaert, foi o maior vitorioso no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, principal celebração da categoria no país.

O filme estrelado por Glória Pires e o titã Paulo Miklos levou os troféus Grande Otelo de longa-metragem de ficção, direção, roteiro original, trilha sonora e montagem de ficção.

Se eu Fosse Você 2, de Daniel Filho, recordista de bilheteria, ficou com a estatueta de MELHOR, concedida pelo júri popular.

Estes os resultados principais da festa de entrega do grande prêmio do Cinema Brasileiro, realizada ontem à noite no teatro João Caetano, no Rio.

Na solenidade, homenagens a Anselmo Duarte e a Alice Gonzaga pelos 80 da CINÉDIA.

Saiba mais: http://g1.globo.com ou www.jb.com.br

Festa da Academia de Cinema é AMANHÃ

Amanhã, 8 de junho, acontece a esperada festa de entrega do grande prêmio da Academia Brasileira  de Cinema.

Os HOMENAGEADOS deste ano são Anselmo Duarte (ator e produtor que deu ao Brasil a Palma de Ouro em 1962 com o filme O Pagador de Promessas, a partir da peça teatral de Dias Gomes) e ALICE GONZAGA, que receberá a estatueta em reconhecimento ao louvável trabalho que faz à frente da CINÉDIA.

A festa da Academia Brasileira de Cinema terá como cenário o Teatro João Caetano, localizado na praça Tiradentes, centro do Rio, e será transmitida ao vivo pelo Canal Brasil ( 66), com início às 21h.

Veja a lista de filmes que concorrem aos prêmios da Academia. Você também pode votar no seu preferido. Basta acessar http://telecine.globo.com/academiabrasileiradecinema/

* Saiba mais sobre ALICE GONZAGA:

Escritora, pesquisadora, produtora, diretora e empresária do ramo cinematográfico, Alice Gonzaga é filha de Adhemar Gonzaga, fundador da CINÉDIA que durante as décadas de 30 e 40 foi uma das principais produtoras do país, responsável por um dos maiores sucessos de público do cinema brasileiro, o melodrama O Ébrio (1946), de Gilda de Abreu.

Lábios sem Beijos, um dos clássicos da CINÉDIA

À frente da CINÉDIA, Alice Gonzaga desenvolve um importante trabalho de preservação e recuperação de clássicos da empresa, como Lábios sem Beijos (1930), de Humberto Mauro, e Alô. Alô. Carnaval! (1936), de Adhemar Gonzaga. Entre as numerosas realizações do estúdio estão 60 longas, 250 documentários, 700 cinejornais, como Mulher (1931), de Octávio Gabus Mendes, Ganga Bruta (1931/32), de Humberto Mauro, Bonequinha de Seda (1936), de Oduvaldo Vianna, Romance Proibido (1944), de Adhemar Gonzaga, 24 horas de Sonho (1941), de Chianca de Garcia, Anjo do Lodo (1950), de Luiz de Barros, obras fundamentais da cinematografia brasileira.

Cena de Alô, Alô Carnaval, clássico da CINÉDIA, com as irmãs Carmen e Aurora Miranda sob direção de Adhemar Gonzaga

Alice Gonzaga dirigiu os curtas-metragens Memórias do Carnaval, premiado no Festival de Brasília, e Folia. Publicou os livros 50 anos de Cinédia, Gonzaga por ele mesmo e Palácios e Poeiras – 100 anos de cinemas no Rio de Janeiro, a mais completa pesquisa sobre a história da exibição de cinema na cidade. Como presidente do Instituto para Preservação da Memória do Cinema Brasileiro, Alice Gonzaga desenvolve ações e projetos em prol da conservação de filmes e documentos relativos a atividade cinematográfica no país.

Alice Gonzaga recebe amanhã o Prêmio ACADEMIA BRASILEIRA DE CINEMA pelos relevantes serviços prestados à cultura cinematográfica brasileira

CineIpoema a partir do dia 20

Programação terá 43 filmes 

A CineIpoema, que acontece de 20 a 25 de abril, vai oferecer  filmes e shows em praça pública,  além de oficinas e seminário para qualificação e debates sobre a sétima arte. Toda a programação é inteiramente gratuita. 

De terça a domingo, Ipoema, distrito de Itabira, realizará sua primeira Mostra de Cinema. A programação é inteiramente gratuita e inclui exibição de filmes em praça pública, debates, seminário, oficinas e shows musicais (confira a programação completa logo abaixo). 

O Filme que abre a Mostra, no espaço Elke, é O contador de Histórias de Luiz Villaça, baseado na vida de Roberto Carlos Ramos.  Os longas Orquestra de Meninos, de Pedro Tiago, Alô, Alô Terezinha, documentário sobre a vida de Chacrinha do diretor Nelson Hoineff,  o filme Estrada real da cachaça, de Pedro Urano, Zuzu Angel, de Sérgio Rezende, Menino da Porteira de Jeremias Moreira e o filme Bem próximo do mal, de Sérgio Gomes, também fazem parte da programação.

Além desses, será exibido o longa de animação “O grilo feliz e os insetos gigantes” sobre a nova aventura do personagem criado por Walbercy Ribas e o filme Pequenas Histórias, de Helvécio Ratton, considerado o melhor longa infantil pela Academia Brasileira de Cinema. 

Elke Maravilha, conhecida por sua irreverência é a grande homenageada da Mostra. Elke nasceu na Rússia e aos seis anos de idade foi morar em Itabira do Mato Dentro, cidade à qual pertence o distrito de Ipoema.  A atriz atuou em diversos filmes como Quando o Carnaval Chegar e Xica da Silva, de Cacá Diegues, em que foi premiada com a Coruja de Ouro como melhor atriz coadjuvante.  Atualmente está trabalhando no teatro, com o musical Elke – do Sagrado ao Profano interpretando canções e textos, com direção geral de Rubens Curi e direção musical de Ian Bath. 

A Mostra, já em sua primeira edição, recebeu inscrições de norte a sul do país, com a participação de 10 estados, como Santa Catarina, Rio de Janeiro, Pernambuco, Espírito Santo, São Paulo, Bahia, Distrito Federal, Ceará, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. Além de conseguir trazer um pouco da diversidade audiovisual do Brasil, que é o tema central que permeia toda a programação, a CineIpoema tem se mostrado de grande importância para o distrito. Todos os segmentos da sociedade se envolveram para garantir que a Mostra fosse realizada.

“Reunimos os cidadãos, pousadas, restaurantes, hotéis em prol do festival. As pessoas abraçaram o projeto. É uma semente que vai crescendo com o apoio de todos”, destaca o Coordenador da Mostra, Cléber Camargos. A Mostra também vai contar com a participação de todas as escolas da região. “Vai abrir espaço a quem que não tem acesso ao cinema. Muitos alunos não têm nem televisão em casa.”, completa a Diretora do Museu do Tropeiro, Eleni Vieira.