Arquivo da tag: Ana Queiroz Ivone Hoffmann e Antônio dos Santos atuam com Emiliano Queiroz

Delícia de Sobremesa: Vida e atuação de Emiliano Queiroz viram espetáculo teatral

Em cartaz no Teatro dos Quatro, no Shopping da Gávea, Rio, o espetáculo Na Sobremesa da Vida cumpriu breve temporada em Fortaleza, e teve casa lotada todas as noites. Por isso, deve voltar à cena cearense em teatro que leva o nome do protagonista da peça, EMILIANO QUEIROZ.

Em 60 de carreira, são mais de 300 personagens em 60 filmes, 50 peças e inúmeras novelas. Emiliano Queiroz é um Mestre: conta a história da própria vida, encenando passagens marcantes, e revivendo personagens que marcaram a história da Dramaturgia Brasileira. E o faz com absoluto domínio da cena. Ao lado dele, Ivone Hoffmann – Patrimônio do nosso Teatro -, Antônio dos Santos e a neta Ana Queiroz compõem um belo quarteto, capaz de fazer rir, emocionar, e receber aplausos em cena aberta, várias vezes.

Julinha Lemmertz foi prestigiar a estreia de Emiliano no Rio…

Essa capacidade singular de EMILIANO de conquistar adesões e cativar seguidores é cada vez mais impressionante. A confirmação disso vem através de um teatro lotado nos 4 dias em que o espetáculo dirigido pelo querido e respeitado encenador Ernesto Piccolo esteve em Fortaleza: plateia lotada, estacionamento abarrotado, cadeiras extras e gente voltando da porta, todas as noites.

Cercado de fãs: foi assim que Emiliano Queiroz ficou ao terminar a temporada de ‘Na Sobremesa da Vida’ em sua terra natal…

Emiliano Queiroz, cearense de Aracati, é uma das figuras mais queridas do Teatro, Tv e Cinema Brasileiros. Já conta mais de 70 de vida e está comemorando no palco seus 60 de carreira artística.

Em cena, o texto é sua própria história, registrada de forma lúdica e poética pela companheira Maria Letícia, cineasta premiada, poetisa e escritora de belas pérolas literárias.

A trajetória de EMILIANO QUEIROZ, na qual vida e obra se entrelaçam -como é corriqueiro entre os Artistas vocacionados, para quem não existe separação entre Vida e Arte -, resultou num dos mais bem escritos e tocantes livros da Coleção APLAUSO – meritório projeto idealizado e coordenado pelo crítico Rubens Ewald Filho para a Imprensa Oficial de São Paulo (infelizmente, encerrado abruptamente, sem qualquer explicação).

Este livro – NA SOBREMESA DA VIDA -, que se inicia com os primeiros passos de Emiliano ainda na cidade litorânea de Aracati, chegou ao cinema, em curta-metragem dirigido por Maria Letícia e exibido em alguns festivais, e agora chega ao teatro, com competente direção do também ator Ernesto Piccolo. Ao lado de Emiliano, a neta Ana Queiroz, o conterrâneo Antônio dos Santos, e a grande Ivone Hoffmann.

Tive a oportunidade de ver o filme e assisti ao espetáculo na temporada de Fortaleza. E posso dizer: Na Sobremesa da Vida é um espetáculo encantador ! Merece ser visto, por atores, não atores, gente da classe, artistas, estudantes de teatro, fãs de Emiliano e gente que quer conhecer, com olhares de poeta, alguns escaninhos onde a vida se mistura com a Arte.

Aurora Miranda Leão, Ivone Hoffmann e Maria Letícia em noite de teatro…

O espetáculo de Emiliano Queiroz, Ernesto Piccolo e Maria Letícia emocionou-me. Como eu, eram muitos sentindo igual na plateia. NA SOBREMESA DA VIDA flui com leveza, humor inteligente, e os gostos próprios de quem se aventura pelas delícias de saborear o que vem depois de um bom prato. Exatamente assim.

Ernesto Piccolo, Ivone Hoffmann, Emiliano, Ana Queiroz e Antônio dos Santos…

Ao lado da alegria por rever um Ator Magnânimo no palco, um Conterrâneo mais que querido, e um artista admirável, Na Sobremesa da Vida marca porque vem embalada em profundo sentido humanitário, temperada com comovente sinceridade, e lapidada com o condão mágico de uma direção que alcança um nível elevado de emoção com simplicidade, coerência, e senso do melhor Teatro.

O diretor Ernesto Piccolo saudado por Cissa Guimarães…

Ernesto Piccolo, do alto de sua profícua e bela trajetória no teatro – dirigindo sempre espetáculos de grande beleza, profundidade e conhecimernto da carpintaria cênica -, consegue transformar a ‘simples contação de história’ da vida de Emiliano Queiroz num espetáculo de teatro eloquente, gostoso de ver, de extrema comunicação com a plateia, engraçado quando assim se faz necessário, e capaz de tocar – com sensibilidade e elegância – em feridas históricas importantes (que marcaram não só a carreira de Emiliano mas a de tantos colegas de Teatro, como é o caso do exemplo de Tônia Carrero, que recebe bela homenagem em cena) de forma nada panfletária e muito convincente.

Desde o início, Emiliano Queiroz cativa por sua capacidade suprema de interpretar, teatralizando a própria vida, passando dos 6 anos à idade atual com tamanha competência que quase chegamos a vê-lo criança querendo ‘convencer’  a mãe do desejo de ser padre, adolescente vendo o cinema até no serviço militar, e contaminado pelo vírus do Ator quando resolve se mandar para São Paulo em busca de aprender o ofício.

É belíssima a cena em que ele vai na boléia de um caminhão para Sampa, momento no qual uma bem arquitetada projeção dá ao público a impressão de viajar junto com o ator em busca do sonho de ganhar as telas. Nesta cena em especial, há momentos hilários e revela-se a fina sintonia entre atores e direção – Emiliano e Antônio dos Santos estão ótimos !

Na Sobremesa da Vida: Ana Queiroz, Emiliano e Antônio dos Santos em cena hilária com primorosa direção de Ernesto Piccolo…

Outra cena incrível é quando Emiliano resolve ir morar numa casa de praia e lá recebe a ‘visita’ de dois colegas hippies… Antônio dos Santos (outro ator cearense) está muito bem, assim como a jovem Ana Queiroz. Aliás, todo o elenco reveza-se em vários papéis, mostrando agilidade e capacidade de incorporar outros personagens. E todos o fazem com muita maestria, o que mais uma vez empresta dividendos à direção de Piccolo e assegura um espetáculo que merece ser visto.

Ana Queiroz e Aurora Miranda Leão embarcando Na Sobremesa da Vida

Bacana também quando Emiliano conta de sua incursão no mundo da televisão, quando a então escritora Glória Magadan o convida para escrever uma telenovela. A cena é engraçada porque engraçada é esta passagem na vida do ator. Mas o mais bacana é saber que a notável novelista Janete Clair tinha por Emiliano uma imensa admiração e carinho, que ele revela com orgulho e retribui destacando a importância da exímia teledramaturga em sua vida e na história da televisão.

Emiliano Queiroz e Maria Letícia: parceria da vida inteira…

Esse modo  de ser de Emiliano Queiroz – generoso, humano, amigo, afetuoso, pleno de gentilezas, e profundamente grato – perpassa todo o espetáculo. E aos méritos dele por cultivar sentimentos tão bonitos e dignificantes, junta-se o mérito da escritora Maria Letícia em conseguir traduzir isso pro papel com firmeza e objetividade, e o talento de Ernesto Piccolo para untar, com um tipo de polvilho que só o bom teatro consegue, as tantas passagens da vida de Emiliano, tornando acessíveis as alquimias que Emiliano Queiroz carrega consigo e que são as grandes responsáveis pelo Ator Magnânimo que o público aplaude e a crítica aprova. Um Ator cujo magnetismo está aí a revelar – mesmo sem o querer – o ser humano especial que é. Daí ser Emiliano Queiroz um semeador de grandes plateias e um encantador de almas.

Meu beijo carinhoso e o APLAUSO sincero e comovido deste AURORA DE CINEMA para Emiliano Queiroz, Ernesto Piccolo, e a querida amiga Maria Letícia !

Emiliano Queiroz recebe abraço de Aurora Miranda Leão no teatro…