Arquivo da tag: Arly Arnaud

INGRA LIBERATO e LEONARDO MACHADO encerram CINEMA DA FRONTEIRA

Festival que trouxe Helena Ignez e  Jean-Claude Bernardet  a Bagé, terá cerimônia de encerramento esta noite, no Museu Dom Diogo…

Atriz querida por onde passa, INGRA Liberato está em Bagé para participar da última confraternização de Cinema do ano no Brasil… 

Leonardo Machado, natural de Bagé, subirá ao palco simbolizando todos os artistas da Capital Pampeana do Cinema

Como acontece em todo festival de cinema, é hoje a noite mais esperada desta terceira edição do Festival de Cinema da Fronteira, aberto em Bagé (RS) no último dia 10, com destacada noite de teatro, música e falas oficiais no bosque do Palacete Pedro Osório (imponente sede da Secretaria de Cultura do Município).

Com comissões julgadoras formadas por Adriana Niemeyer, Catalina Moragues, Arly Arnaud e Mirela Meira – BINACIONAL -, e Sirmar Antunes, Miguel Ramos, Danny Gris, Beca Furtado, Ito Carvalho e Mariana Xavier – BAGÉ 200 Anos -, os concorrentes recebem logo mais, às 21h, em solenidade no belo Museu Dom Diogo de Souza, as estatuetas as quais farão jus os vencedores.

Telão na praça da Catedral: cinema de graça é realidade no Festival de Bagé… (foto J. Migliorin)

A solenidade consta de apresentações de coreografias por bailarinas e alunas de dança da cidade (Bagé é cenário onde a dança é fértil), seguindo-se a cerimônia de entrega de troféus, sob o comando de Ingra Liberato e Leonardo Machado; em seguida, show de Lisandro Amaral no Centro de Lazer Administrativo (antiga sede da Reffesa), com exibição de filmes da Mostra Lusófona.

Festival de Cinema da Fronteira: clima de congraçamento começou muito antes do encerramento… (foto Joba Migliorin)

Na sequência, uma grande festa de congraçamento entre todos os participantes e os funcionários da Secretaria de Cultura do Município, deverá tornar inesquecível esta terceira edição do Festival de Cinema da Fronteira.

Salve, Salve !

Que venha 2012 !

Intensidade e ALEGRIA, As Marcas do ComuniCurtas

ARRASTÃO COMUNICURTAS

 Sob a batuta de ANDRÉ COSTA, muito em breve, Festival será o mais concorrido do Norte e Nordeste

Acompanho de perto, há alguns anos, a realização do Festival Audiovisual ComuniCurtas, anualmente realizado na agradável Rainha da Borborema -como é carinhosamente conhecida a cidade paraibana – pela Universidade Estadual de Campina Grande (UEPB), tendo como maestro o encantador André da Costa Pinto.

Há sempre muito o que dizer, de bom, sobre o festival. E lembro que, assim como a história do nascimento do festival e a maneira com que André o conduz me fizeram aderir à idéia do ComuniCurtas de imediato, foi assim também com minha querida amigatriz Arly Arnaud, com Bete Mendes e Beth Formaggini, e com a jornalista Maria do Rosário Caetano, que lá esteve na edição passada.

 Mas o tempo é ouro e tenho pouco dele agora para escanear a memória inteira e sair contando de tudo um pouquinho… Vale a intenção de fazê-lo mas, por enquanto, registro os aspectos mais palpitantes.

   

Vejamos os pontos que mais se destacaram nesta sexta edição COMUNICURTAS:

A presença de Ingra Liberato e Elke Maravilha: as duas divas de nossa constelação artística causaram burburinho na cidade e contribuíram para o considerável aumento de público nas sessões.

Ana Célia, a doçura do Receptivo, a esfuziante ELKE e a atriz Arly Arnaud: QUERIDAS !

A quantidade e diversidade de filmes produzidos em diversas cidades paraibanas, sobretudo na própria Campina Grande.

A inclusão de uma Mostra de Cinema Argentino, que teve em seus idealizadores – Judith e Martin Ibarra – duas presenças inteligente e simpaticamente marcantes.

Curtas que apostaram na despretensão – como O Quinto Beatle, “Pedro Perilima”, Explícito, Estrelando José Sawlo, Cinema Americano, e Salete Cobra levaram a platéia às gargalhadas, destacando-se ainda A Fábrica de Gravatas, do inventivamente original Eric Medeiros.

A presença de nomes relevantes da cena cultural gaúcha e paulista, representadas por Gilberto Perin, Marcus Mello, Marcus Reolon, Felipe Matzembacher, e Luciana Androsina na composição de uma das comissões julgadoras, que tiveram ainda a presença já conhecida de Itamar Borges (Goiânia) e Luís Borges (responsável pelo Festival de Cuiabá).

Ressalte-se também a presença iluminada e iluminadora do gentleman Fábio Takahashi, idealizador da Mostra da Diversidade Sexual, que acontece todo ano em Rio Preto (SP).

A presença da atriz Eloína Ferreira Duvoisin, carinhosamente chamada de Dona Nina, impressionante destaque no filme A Fábrica, dirigido com a já conhecida competência do realizador curitibano Aly Muritiba.

A fala de saudação do Pró-Reitor de Planejamento da UEPB, professor Rangel Jr., enfatizando o apoio da UEPB ao festival e apontando para a criação de novos campi da Universidade, num dos quais irá funcionar o curso superior de Cinema.

A participação do artista Bruno Oliveira com sua hilária Chica Timbó, presença sempre benfazeja no ComuniCurtas.

Antes do show de VAL DONATO, Bruno (Timbó) Oliveira e Aurora Miranda Leão

As atrações noturnas no bar Opção – onde Val Donato reafirmou sua enorme vocação para o CANTO, esbanjando uma voz bela e poderosa, dominando as atenções da noite -, e no despachado ‘Tenebra” (o disputado bar Poco Loco), onde Elke Maravilha distribuiu simpatias na noite de terça e onde faltou espaço nas noites de sexta e sábado. Uma irreverência bem ao gosto dos descolados ! Aliás, sem uma noite no Tenebra, Campina Grande não tem a menor graça…

Na porta do Cine São José, fechado por falta de compromisso político sério com a atividade cultural: André Costa e Aurora Miranda Leão no movimento que reuniu inúmeros realizadores e imprensa na manhã sabatina do ComuniCurtas

Esta redatora entre as belas Thaíse Carvalho e Táyra Sódi no camarim do Teatro do SESC Campina Grande…

A singularidade das apresentadoras Thaise Carvalho e Táyra Sódi, a compenetrada e a ‘atrapalhada’, uma dupla cativante que André faz muito bem em manter no posto, desde a primeira edição. As duas meninas são um número à parte no festival, ambas inteiramente dedicadas ao que fazem.

A manhã de sábado em frente ao histórico prédio do Cine São José, retomando uma luta que André da Costa Pinto vem mantendo há anos (com sua aguerrida turma de seguidores) em defesa do privilegiado espaço para a Sétima Arte, situado no coração de Campina.

Foi uma manhã de apitos (doados por André), buzinaço, palavras de ordem e muitas emoções, irmanadas na defesa de uma sala de exibição digna. De Dona Nina (a atriz Heloína Duvoisin) a Fábio Takahashi, passando por Marcus Mello, Marcus Villar e Luciana Druzina, e chegando até a linda garotinha do exímio fotógrafo João Carlos Beltrão, juntamos muitas vozes em prol do Cinema !

 

A solenidade de encerramento conduzida por uma competente banda musical, que acompanhava, sempre fazendo um som diferente, toda a leitura da lista de vencedores, dando à noite um ar chic e original – bom demais !

A subida ao palco de toda a voluntária equipe que trabalha sob a batuta de André da Costa Pinto (cerca de 60 pessoas) e contribui para a beleza e competência do ComuniCurtas.

A presença simpática, desprendida, sem luxo nem aparato da professora Marlene Alves, Reitora da Universidade Estadual da Paraíba, de discurso singelo mas profundamente sintonizado com as coisas que dizem respeito à Cultura: Marlene ressaltou a importância do ComuniCurtas, garantiu a continuidade do Festival em 2012, saudou a todos os convidados, imprensa e participantes, e demonstrou imenso apreço e admiração pelo que André Costa vem fazendo em termos de Teatro-TV e Cinema na Paraíba, saudando-o como um novo Glauber Rocha !  De quebra, ainda pediu licença à mãe do querido produtor para dividir com ela a admiração pelo filho.

Naquele momento, Marlene Alves falou por todas nós que tanto admiramos, apoiamos e vibramos com as realizações de André da Costa Pinto, e queremos vê-lo indo muito mais longe, porque é muito extensa, complexa e profunda a trajetória do garoto que começou Revelando os Brasis e criou uma janela enorme para revelar, incentivar, fomentar e incrementar, ainda mais, a produção artística e audiovisual do país, contribuindo sobremodo para o surgimento e valorização de artífices culturais, os quais, sem sua visão multifária, dificilmente conseguiriam espaço qualificado para a exibição de suas obras.

Para encerrar, só deixar um muito obrigada pela possibilidade de fazer parte da família ComuniCurtas, um beijo muito caloroso pra André Costa, uma salva de palmas pra Reitoria/Decom/Proex da UEPB, um afetuoso abraço em toda a equipe realizadora, e em todos os realizadores, jurados e convidados que este ano fizeram do ComuniCurtas uma saudade muito viva em fotos e emoções. Até 2012 !

Na recepção do hotel, em tempo de despedida, Paulo Roberto, Marcel Karling, Luciana Druzina, André Costa, Aurora Miranda Leão e Kennel Rógis

André, Aurora e Kate em foto de Carol Torquato Ledo… ComuniCurtas é uma curtição !

Sessões lotadas e boas surpresas no VI COMUNICURTAS

Aberta na noite daa última semana de agosto, como acontece todo ano, a sexta edição do ComuniCurtas acontece em Campina Grande, sob o comando de André da Costa Pinto, e, mais uma vez, supera a edição anterior.

Festival promovido e incentivado o ano inteiro pela Universidade Estadual da Paraíba, através de seu departamento de Comunicação Social, o festival foi aberto este ano com homenagens e a exibição do curta RESTA UM, exercício audiovisual coletivo que tive a honra de conduzir , conseguindo unir os talentos de Ingra Liberato,  Rosamaria Murtinho, Sílvio Tendler, Miguel Jorge, Bruno Safadi, Henrique Dantas, Alex Moletta e Samuel Reginatto e Júlio Léllis, entre alguns outros.

Saudados pelas profícuas palavras do Pró-Reitor Antônio Guedes Rangel Jr. – que enfatizou a disposição da Universidade (UEPB) em incentivar cada vez mais a produção aduiovisual em Campina Grande -, a alegria estampada no rosto dos que todas as noites afloram ao amplo espaço do SESC, não deixa dúvidas: André da Costa Pinto idealizou, foi à luta e conseguiu realizar um dos mais carismáticos festivais de cinema do país, com tudo para tornar-se um pólo aglutinador dos mais concorridos do Nordeste, posto muito tempo alcançado pelo festejado GUARNICÊ de São Luís do Maranhão.

A presença de Ingra Liberato na abertura desta sexta edição foi um trunfo muito aplaudido – é fácil observar nas fotos que pipocam nas redes sociais, tendo a atriz entre fãs e admiradores de todas as idades. Com a elegância própria das mulheres que sabem se afirmar com simplicidade e simpatia, Ingra foi capa de todos os principais jornais da Paraíba entre domingo e segunda. Chegando em Campina, deu entrevistas, autógrafos, não se furtou a estar entre os flashes que A todo momento lhe alcançavam e subiu ao palco para falar da alegria de estar lançando o RESTA UM.

Afinal, foi aqui em Campina Grande o ‘batismo oficial’ do filme, já que foi a primeira vez que INGRA pôde acompanhar um lançamento, tendo ademais a grata sartisfação de ser acolhida por platéia lotada e acolhedora.

Antes da exibição de RESTA UM, o festival exibiu um vídeo em homenagem aos dois cineastas hjomenageados deste ano, os paraibanos Marcus Villar e Torquato Joel – o vídeo foi idealizado pelo jovem realizador Kennel Rógis, aliás, um dos fortes concorrentes do festival com seu belo filme de estréia , o doc Travessia, ambientado em sua Coremas natal.

Após Ingra e eu (que tive a honra de subir ao palco com esta fina flor do teatro-cinema- TV ) dividirmos com os campinenses a satisfação de realizar RESTA UM “porque o Resto é sempre maior do que o principal” -, a tela transformou-se num mosaico de filmes de todos os quadrantes, e tem sido assim toda noite, com uma diversidade de olhares e narrativas que muitas vezes surpreende pela qualidade do inusitado e a riqueza de sensibilidades, nem sempre alcançadas em painel tão eclético.

Aliás, vi aqui em Campina um curta do qual preciso ter uma cópia. Trata-se de instigante roteiro de Fernando Ventura, O Quinto Beatle, tão inusitado quanto interessante . Narrativa bem construída, de fácil absorção, a qual se acompanha com atenção e risos benfazejos até o final. Fernando deve ser mais um entre tantos fãs dos fantásticos de Liverpool. Pensando assim fica mais fácil entender como construiu o encontro insuspeito entre o eterno-Beatle Paul McCartney e um jovem paraibano, na pacata Campina Grande dos anos de 1960. Uma idéia poderosa, que mistura ficção e documentário (?) – vi muitas pessoas comentando a respeito e imaginando como foi a tal passagem de Paul por Campina) – e chega à tela de forma despretensiosa e criativa, com a eloquencia de um ator  de grande envergadura, que conduz o filme com precisão de ourives. Ele é Chico Oliveira, tão desconhecido da maioria de nós quanto fartamente competente. Este filme de Italo Brito e Fernando Ventura é um pitéu entre tantos curtas vistos este ano. Creio que vá rodar muitos festivais, não só pelo constante e crescente interesse que a a obra antológica dos Beatles desperta nas mais distintas platéias como por tratar-se de filme bem realizado, em todos os aspectos. E vem de Campina Grande, mais um curta realizado com o precioso apoio da UEPB (exemplo a ser seguido por Universidades do país inteiro) e o constante e vigoroso apoio que André Costa repassa aos que estão em seu entorno. Ah, André, você bem poderia ser dez….

Após a noite de estréia 2011 do ComuniCurtas, a coordenação promoveu uma acolhedora  recepção no bar Opção, onde uma roda de chorinho acompanhou conversas animadas e muita tietagem. Afinal, além da presença iluminadora de INGRA, ali estava outro doce de pessoa, que tem muito mais admiradores do que se possa imaginar: Elke Maravilha. 

ELKE no palco fala sobre o documentário com ela, feito por Júlia Rezende

Gal Cunha Lima, Gilberto Perin, Luís Carlos, borges, Itamar Borges, Ana Célia e o casal de realizadores argentinos Judith e Martin Barra, que trouxe uma Mostra Argentina ao ComuniCurtas

Aurora, Ingra Liberato e Arly Arnaud no brinde inaugural do ComuniCurtas… 

Em outro post, mais ComuniCurtas.

Balanço Imagético de Campina Grande

Maria do Rosário Caetano, amiga querida e jornalista-arquivo do Cinema Brasileiro, me envia CD repleto de fotos feitas em Campina Grande durante a edição 2010 do ComuniCurtas…

Vou publicando aos poucos…

Obrigada pelo cuidado, amizade e atenção à nossa produção audiovisual, ! Os curta-metragistas agradecemos… E um beijo da Aurora

* Saudades de Arly Arnaud, que aparece ao meu lado e também com o documentarista Bertrand Lira e Rosário Caetano antes da sessão competitiva no SESC de Campina Grande, sempre lotada.

Aurora, Arly, Bertrand e Rosário

Arly Arnaud e cineasta Marcus Villar

André Costa, artista querido, Cineasta de Primeira !

Nas Cordas de Herbert, Arly Arnaud e Aurora Miranda Leão

Arly Arnaud, Rosário Caetano e Marcus Villar

Tô devendo à equipe do ComuniCurtas um balanço desta edição sensacional, onde Zeca Brito, Arly Arnaud, Rosário Caetano, Marcus Villar e Rafael Trindade tiveram papel fundamental…

Um beijo aos que partilhamos estes momentos e até já !

ComuniCurtas Movimentou Campina Grande

Público chegando para as sessões sempre lotadas no cine-teatro SESC Campina Grande
 
Cineasta André da Costa Pinto apresenta mais uma edição do festival idealizado por ele
 
 
foto

 João Carlos Beltrão, fotógrafo homenageado desta edição, ao lado da graciosa filha

foto
Rafael Trindade, o capixaba que conquistou a todos com simpatia e inteligência
foto
As sorridentes apresentadoras no palco do cine-teatro do SESC …
foto
Aurora Miranda Leão, integrante do júri da Mostra Tropeiros da Borborema
foto
O animador carioca Marão apresenta seu curta, o premiado “Eu quero ser um Monstro”
 
foto
 
 Rômulo Azevedo e jornalista Maria do Rosário Caetano, que integrou o júri e lançou seu livro Cangaço – O Nordestern no Cinema Brasileiro
foto
Como em todas as noites, cinema brasileiro teve público garantido no Comunicurtas
Aurora Miranda Leão, Arly Arnaud, Bertrand Lyra e Maria do Rosário Caetano
foto
Agitadas noites do TENEBRA, onde Rosário Caetano encontrou melhor caldo de peixe da cidade
A inesquecível e animadíssima noite na cachaçaria: forró e MPB até a madruga …
Júlio Science, Aurora, Marão e Zeca Brito na curtição