Arquivo da tag: artes plásticas

Mariana Manhães, Contemporânea

 Convite para a abertura da programacao  Sala A Contemporanea no Centro Cultural Banco do Brasil - 2o andar                          Mariana Manhaes | Dentre Segunda-feira 9 de agosto 19h
Se

José Patrício: Matemática é Peça-Chave

O Centro Cultural Banco do Nordeste-Fortaleza vai abrir na próxima terça, 10, às 19 horas, a exposição individual O Número, do artista pernambucano José Patrício, com curadoria de Paulo Herkenhoff, dentro da programação do IV BNB Agosto da Arte.

Na abertura da mostra, acontecerá uma troca de idéias do artista e do curador com o público. Com entrada franca, a exposição fica em cartaz até 30 de setembro.

José Patrício, Um Artista do Número (* Paulo Herkenhoff)

José Patrício é um artista do Número. Com jogos de dominó e dados, quebra-cabeças ou grandes quantidades de objetos, como botões e contas de colar, ele cria sua linguagem do número. No entanto, é necessário olhar mais adiante. Estamos diante de jogos, de regras, códigos, quantidades, formas, sólidos geométricos, o zero e o ilimitado. A matemática organiza e até dirige a vida contemporânea. Na sociedade moderna, tudo é número: os cálculos de nossa vida, movimentos da sociedade são medidos (como a opinião), na política (o voto), sem falarmos da economia (a produção, o acúmulo etc.) e da ciência.

Esta exposição nos lança algumas questões: em termos da filosofia, qual a relação do número com a verdade? Os números mentem ou são os homens que mentem através da manipulação dos números?

Qual a relação, nos dominós, entre cor e número? Isso é pintura, quando a cor e o número formam um discurso se tornam signo da comunicação? Uma coleção de botões azuis e outra de botões vermelhos se referem ao Pastoril: como a cor pode ser um símbolo? Como percebemos o mundo através de nossos sentidos? Um trabalho com 46.872 pregos nos faz pensar no som ou nos convida ao toque? Como percebemos dominós em algumas obras se ali não existe qualquer pedra de dominó?

O que é o acaso e o controle em nossa experiência cotidiana, o que são jogos com números? O que é o caos dos números? O número nos oferece estabilidade? Quando colecionamos alguma coisa, esse movimento de juntar tem fim? Mesmo que a quantidade de uma coisa tenha fim, o número é infinito? Como experimentamos a ideia de infinitude em nossa existência? Seria isso uma relação com a vida e a morte?

Seria eu o Um, o Outro o Dois e mais um Outro o Três? O que isso significa na vivência do sujeito da linguagem? Onde está o Zero nesses jogos? O que é o Zero? É a ausência? A falta? Vivemos, como seres humanos, sempre uma ideia de falta? Seria a falta o que nos levou a construir a linguagem? É o que nos leva ao Outro? Seria a falta o próprio eu de cada um de nós? Em suma, entregar-se à obra de José Patrício é um convite ao jogo entre o olhar, a sensibilidade e a inteligência.

Obra de José Patrício reunindo 84 mil peças de dominó

A Beleza das Telas de Wilson Neto…

Alguns trabalhos da atual safra do artista WILSON NETO, inspirados em musas do cinema grego e paisagens desoladoras que lembram as paisagens do wong ka wah, entre outros.  

                                      Rainha da Mata

 

                                        Nipônico

 

                                             NIPÔNICOS

WILSON NETO diz que os trabalhos são  uma visão pessoal  da imagem do cinema, filtrada sempre pela arte digital.

Para conhecer mais sobre o trabalho do artista, acesse www.wilsonneto.com