Arquivo da tag: atriz

Susana, Fagundes e Solano brilham em Amor à Vida

Novela viveu noite de alta voltagem: trama chega a momento crucial com show de atores, diálogos fortes, situações verossímeis, e direção impecável

Susana Vieira: Pilar descobre a traição do marido com a Secretária…

Como diria o saudoso Artur da Távola, talvez a mais notória influência na forma de ver TV e comentar desta redatora: ‘Não são nada agradáveis as verdades ditas e as situações vivenciadas esta noite na novela Amor à Vida mas como são profundas, apropriadas, críveis e emocionalmente fortes’.

Mateus Solano que nem vinho: melhor a cada capítulo…

No capítulo levado ao ar esta noite, um dos melhores de toda a trama até aqui, quando já ultrapassa os 100, tudo saiu no capricho, do texto prodigioso – passando pela magistral atuação dos atores e uma trilha sonora adequadíssima à vibração do capítulo -, à irretocável direção com direito a banho de fotografia e enquadramentos adequados.

Susana Vieira roubou a cena em momento crucial para a personagem Pilar…

A noite na telinha foi de Susana Vieira – que desenhou sua atuação da noite pontuando as emoções da personagem Pilar em várias nuances, todas muito bem adequadas à situação vivida e ao glorioso texto assinado por Walcyr Carrasco (que tem uma penca de exímios colaboradores) -; Antônio Fagundes – ator merecidamente consagrado nos palcos, na telona e na telinha; Mateus Solano – que consegue melhorar a cada nova situação impingida ao seu ardiloso personagem Félix; Vanessa Giácomo – aproveitando com gloriosa competência o papel de cínica supostamente apaixonada pelo patrão; e Bárbara Paz – ótima atriz ‘descoberta’ num reality show, de talento esmerado e inegável vocação.

Vanessa Giácomo agarra com destreza o papel da cínica interesseira…

E. como dizem os que bem entendem de audiovisual, se fazer um curta-metragem é difícil, fazer uma novela equivale a fazer um curta-metragem por dia. No caso do capítulo de hoje de Amor à Vida, foram tantos curtas quanto foram os intervalos – 4 ou 5 -, todos feitos com igual competência, singular habilidade e estrondosa capacidade de alcançar a empatia da audiência.

Um DEZ enormeeee e comovido ao show que foi acompanhar Amor à Vida esta noite. Um gol de teledramaturgia digno de lance de MESSI em dia de jogo difícil e com estádio lotado.

Susana Vieira compôs uma Pilar de fácil identificação e com as necessárias nuances emocionais. todas muito bem construídas: a mãe esmerada, a amiga compreensiva, a filha dedicada, a mulher rejeitada, a esposa compreensiva e apaixonada… trabalho que conta com o luxuoso auxílio do preparador de elenco Sérgio Penna (!!!).

Felipe Brida e seu olhar de CINEMA

Acabo de saber e repasso em primeira mão pra você, leitor amigo deste Aurora de Cinema: o livro Cinema em Foco: Críticas selecionadas, do jornalista e professor de Cinema e Semiótica, Felipe Brida, acaba de sair da gráfica.

Segundo o autor, “O livro está saindo do forno depois de seis meses de elaboração, seleção, diagramação e muitos outros ‘ãos’. A HN Editora, de Rio Preto, irá me entregar assim que retornar de viagem, daqui a 10 dias. São 300 resenhas de minha autoria, criteriosamente selecionadas por mim, nesses 10 anos de críticas publicadas em jornais, sites e blogs variados, como E-pipoca, UOL, Colunas & Notas, jornal O Regional, blog Cinema na Web, boletim informativo da Unesp/Bauru e tantos mais. Ao todo 400 páginas de análises de filmes de gêneros e épocas diversas. Deixo uma amostra aqui da capa, cujo projeto gráfico é do amigo publicitário Rafael Martins (pelos encartes ao fundo vocês já podem ter noção do que vão encontrar pela frente!). A revisão dos textos é da competente jornalista Florence Manoel. E muitos amigos colaboraram com prefácio, comentários nas orelhas, apresentação e contra-capa, como o jornalista Marcelo Pestana Carlos Cirne, o diretor de cinema e produtor Walter Webb, a jornalista e atriz Aurora Miranda Leão, e a professora e semioticista Dinamara Garcia Rodrigues. O livro ficou um barato, segundo os poucos que já deram uma conferida no material bruto. Em breve coquetel de lançamento ! Espero que gostem !”

Neusa Borges, Aurora Miranda Leão e Felipe Brida no Festival de Anápolis…

Felipe Boso Brida é um dos jornalistas mais dedicados e antenados profissionais do meio de Cinema, um apaixonado pela Sétima Arte, amigo e parceiro querido de viagens de cinema, festivais e curtas-metragens (ele é um dos muitos que integram o curta O Sumiço de Alice, de minha autoria, rodado durante o I Festival de Cinema de Anápolis, criado e coordenado pela querida Débora Torres).

FELIPE BRIDA está chegando amanhã em Bagé, onde vai ser júri da Mostra Internacional do IV Festival de Cinema da Fronteira. Felipe é mais um que chega para abrilhantar o festival e contribuir com sua sempre judiciosa participação. Bem vindo, Brida, e PARABÉNS pelo livro !

Reta final de inscrições ao Cine Petrópolis

Abertas até dia 12 as inscrições ao 3º Festival Nacional de Cinema de Petrópolis, que acontecerá entre 10 e 17 de dezembro,  em Petrópolis, no Rio de Janeiro.

Serão exibidos, gratuitamente, diversos filmes entre longas e curtas-metragens de ficção, documentários, animações e experimentais.

Como nos anos anteriores, haverá exibição dos filmes concorrentes na Mostra Competitiva para os quais o público dá seu voto, elegendo o melhor filme, melhor direção, atriz, ator, fotografia, cenografia, figurino, som direto, edição, montagem e o melhor roteiro.

O público terá acesso ainda a debates abordando temas atuais ligados à cinematografia e à política cultural.

Sempre buscando ir ao encontro do público, o festival estará em até 4 bairros da cidade com unidades móveis de cinema. São estruturas equipadas com tela de cinema, projetor, aparato sonoro, cadeiras e equipe especializada.

As inscrições para a Mostra competitiva estão abertas pelo site www.festcinepetropolis.com.br.

Todos os filmes selecionados passarão por uma primeira seleção, quando sairão os filmes que comporão a mostra competitiva oficial.

Inscrições ao Festival de Petrópolis

Abertas até 12 de novembro inscrições ao 3º Festival Nacional de Cinema de Petrópolis, que acontecerá entre 10 e 17 de dezembro, na cidade de Petrópolis, no Rio de Janeiro.

Serão exibidos, gratuitamente, diversos filmes entre longas e curtas-metragens de ficção, documentários, animações e experimentais.

Como nos anos anteriores, haverá exibição dos filmes concorrentes na Mostra Competitiva onde o público vota para eleger o melhor filme, melhor direção, atriz, ator, fotografia, cenografia, figurino, som direto, edição, montagem e o melhor roteiro.

O público terá acesso ainda a debates, abordando temas atuais ligados à cinematografia e à política cultural.

Sempre buscando ir ao encontro do público, o festival estará em até 4 bairros da cidade com unidades móveis de cinema. São estruturas equipadas com tela de cinema, projetor, aparato sonoro, cadeiras e equipe especializada.

As inscrições para a Mostra competitiva estão abertas pelo site www.festcinepetropolis.com.br.

Todos os filmes selecionados passarão por uma primeira seleção, quando sairão os filmes que comporão a mostra competitiva oficial.

Djin Sganzerla e André Guerreiro Lopes em texto de Strindberg

Atriz paulista, filha dos cineastas Rogério Sganzerla e Helena Ignez, sobe ao palco em mais um grande texto, desta vez em mostra do SESC que homenageia o dramaturgo August Strindberg

De 10 a 14, sempre às 21h, no SESC Ipiranga…

Vamos ao Teatro !

DJIN SGANZERLA e ANDRÉ GUERREIRO LOPES são dois Artistas do Maior Quilate e um trabalho deles é sempre garantia de profissionalismo e bom espetáculo. este aurora de cinema recomenda.

O olhar 360 de Ingra Liberato sobre filme de Meirelles

Atriz escreve texto emocionado sobre novo filme do cineasta…

Oi, Fernando.

Estou te escrevendo porque muitas questões ficaram reverberando na minha cabeça e no meu coração. Realmente não precisa responder. É só uma necessidade minha de retribuir como espectadora. Sua história bateu fundo em mim. A possibilidade de escolha e a chance são meus temas preferidos.”Só temos uma vida. Quantas chances teremos?” é uma pergunta recorrente dentro de mim. Nesse momento, estou vivendo uma mudança de trajetória de vida das mais radicais. Sempre fiz isso quando senti que precisava me dar nova chance, mas quando se tem uma família com uma estrutura mais engessada, isso é quase impensável. Eu pensei. E realizei um movimento gigante.

O filme não tem muitos acontecimentos externos, mas internamente as pessoas estão vivendo um tsunami!! E esse movimento interno é violento e revolucionário na vida de cada um. Não consigo imaginar ações mais intensas do que as que o filme revela. Pensamentos em turbilhão e corações expostos. Você descreve com extrema simplicidade, delicadeza e profundidade esse momento chave onde nos deparamos com uma porta que ainda não tivemos a coragem de abrir. Uma porta que tem estado ali esperando a hora certa para ser aberta. Geralmente levamos muito tempo para fazer isso, mas é um tempo fundamental para que essa decisão tenha consistência. Muita gente passa toda uma vida trancado do outro lado da porta. Amei seu filme por expor essa coragem(cheia de fragilidade absolutamente humana) nos seus personagens. E o nome 360 parece ter a ver com o fato de ser um filme “redondo”, “giratório”, estranhamente bem acabado mas que ao mesmo tempo não acaba…continua respirando. Pra mim, leiga que sou, pareceu a obra de alguém que sabe tanto daquela composição chamada cinema, que em alguns momentos desafina de forma afinada. Parece que você deu um passo além. Depois de dirigir com tanta correção e genialidade, está desconstruindo o que é convencional com mais genialidade ainda. O filme soa estranho em alguns momentos e isso é excelente!!! É impressionante como você consegue essa partitura tão original!… Não vou mais tomar seu tempo. É que hoje acordei com esse filme pulsando muito e resolvi sentar pra te escrever. Já tinha falado bastante com a Ciça sobre a música, mas faltou falar contigo. Desculpe minha inquietação para fazê-lo.

Obrigada por mais esse filme.

Beijos ! Ingra

DJIN Sganzerla estreia O Belo Indiferente hoje no RIO

DJIN SGANZERLA tem atuação primorosa em espetáculo de HELENA IGNEZ e ANDRÉ GUERREIRO LOPES

Escrita originalmente para Edith Piaf, sucesso de crítica e público em São Paulo, O Belo Indiferente, de Jean Cocteau, chega ao Rio estrelado pela premiada atriz Djin Sganzerla, com direção de André Guerreiro Lopes e Helena Ignez, A estreia é esta noite,às 21 horas,  no histórico Teatro Ipanema.

“Djin circula pelo ambiente de atmosfera vintage como um misto de personagem de desenho animado (iluminada pela diversidade de cores) e heroína trágica prestes a dar cabo da própria vida”, analisa o crítico Dirceu Alves Jr., da Veja São Paulo.

“Preste atenção na atriz, de corpo e rosto de belezas angelicais, mas um furacão tecnicamente impecável na modulação do olhar clamoroso e da voz visceral ou dissimulada ao telefone”, recomenda o crítico Valmir Santos, da Revista Bravo!

“A montagem de O BELO INDIFERENTE é um acerto do começo ao fim. Impregnada do ritmo veloz destes nossos tempos, linkados em fruições de mil matizes, esta montagem ganha contornos de instalação visual, entrecortada por sons que dominam o ambiente, vindos de todos os quadrantes, dialogando com discursos visuais criados pela câmera ágil e sensível de André Guerreiro Lopes e o resultado não podia ser outro: O BELO INDIFERENTE é uma encenação inteligente e sensivelmente poderosa”.

* Trecho da crítica AURORA DE CINEMA sobre o espetáculo. A íntegra está em https://auroradecinema.wordpress.com/criticas-teatro-cinema-e-musica/

Reta final de inscrições ao BRAFFTV

A organização do BRAFFTV se prepara para a etapa de seleção dos filmes participantes da Mostra Competitiva, logo após o encerramento das inscrições, na próxima quarta, 25 de julho, às 23 horas e 59 minutos (hora Canadá). Os filmes poderão ser inscritos no link http://www.brafftv.com/brafft/regulamento.html

  

A mostra competitiva do BRAFFTV apresenta ao mercado canadense produções brasileiras realizadas nos últimos dois anos – documentário e ficção – longas, média e curtas-metragens. Os filmes premiados recebem o troféu Golden Maple para Melhor Público,  Ator, Atriz, Diretor e Filme nas  seguintes categorias:   “Curta/Média”  e  “Longa”. O Melhor Documentário também é contemplado. 
Este ano, a programação se estenderá por todo o mês de outubro, no Bloor Cinema, Carlton Cinema e TIFF Bell Lightbox, com atividades variadas em torno do mercado cinematográfico:
* Pré-BRAFFTV com apresentação gratuita na Biblioteca Pública de Toronto,
* Mostra Convidada e Competitiva,

* Mostra Brah-zoo-kah – filmes feitos por brasileiros que moram foram do país,

* Mostra Brazil through other eyes (O Brasil visto por outros olhos )– dedicada a cineastas internacionais que utilizam o Brasil como tema de suas obras,

* Encontro com profissionais da indústria cinematográfica canadense com o objetivo de fomentar negócios e  incentivar novas co-produções,

  * Visitas técnicas a estúdio de cinema e produtora canadense,

  * Vitrine Televisiva com a exibição de pilotos  para compradores de televisão e produtores canadenses,

  * Painel sobre mercado brasileiro para produtores canadenses,

* Seminários, palestras e oficinas profissionalizantes na Universidade
de Toronto,

* Feira permanente de produtos e serviços brasileiros no Carlton Cinema.

Os festivais filhotes gerados pelo BRAFFTV como o UpTo3′ – filmes transmídias de até 3 minutos – e o Pink Latino – mostra de filmes de diversidade e gênero – também acontecerão em outubro.

25 anos de imigração

Em 2012, comemora-se o aumento da grande leva de brasileiros no Canadá. Para marcar essa data, o BRAFFTV irá apresentar  diversas histórias na festa de lançamento, dia 3 de outubro, no Lula Lounge.   O assunto também será tema de debate na Universidade de Toronto. O  filme Under the Table (Toni Venturi),  rodado no Canadá, quando Toni estudou na Ryerson University, abrirá as discussões.

DJIN Sganzerla prossegue temporada de O Belo Indiferente

 
Hoje é sábado, dia de Teatro.
 
PORQUE HOJE É SÁBADO, é dia de ver DJIN SGANZERLA no TEATRO.
 
VAMOS AO TEATRO, porque O BELO é INDIFERENTE.
 
Vamos ao Teatro e vamos conferir DJIN SGANZERLA, a bela nada indiferente, em direção dupla comandada pela mãe, a querida e festejada atriz HELENA IGNEZ, e o ator e artista visual, ANDRÉ GURREIRO LOPES.
 
HOJE TEM DJIN SGANZERLA retornando ao palco do Teatro dos Satyros, em São Paulo, às 21h, com a aplaudida montagem de O Belo Indiferente, premiada ano passado pela excelência de sua montagem, que teve fundamental apoio do SESC de São Paulo. 
 
 
 
O espetáculo faz agora a sua terceira temporada por conta do mega sucesso que foi a primeira, ainda no ano passado. Por conta disso, DJIN ficou em cartaz também em janeiro, e agora volta na terceira temporada da peça, um clássico de Jean Cocteau. Um espetáculo de alta qualidade, conforme você pode conferir na crítica Aurora de Cinema: https://auroradecinema.wordpress.com/criticas-teatro-cinema-e-musica/djin-sganzerla-em-atuacao-primorosa/
 
 
 
A novidade boa é que, em agosto, O BELO INDIFERENTE fará temporada de 6 semanas no Rio de Janeiro.
 
Portanto, hoje é noite de Teatro com DJIN SGANZERLA e O BELO INDIFERENTE !
 
 
VAMOS AO TEATRO e VAMOS CONVIDAR OS AMIGOS !
 
 
TEATRO É BOM PARA QUEM FAZ e PARA QUEM ASSISTE !

No Passo do Birim evidencia cultura popular nordestina

Novo Documentário Aurora de Cinema mostra grupo de coco do interior do Ceará em projeto aprovado no edital BNB – BNDES…

No Passo do Birim é o novo curta-metragem da jornalista, atriz e produtora audiovisual, Aurora Miranda Leão – fruto de projeto aprovado no edital Cultura da Gente (parceria BNB-BNDES).

O curta-metragem tem formato digital, com 15m, e marca os 30 anos de atuação ininterrupta do Coco das Mulheres da Batateiras, grupo de cultura popular formado por mulheres, e atuante no interior do Estado do Ceará.

NO PASSO DO BIRIM está sendo lançado em instigante volume, reunindo um CD e um DVD, a partir de trabalho conjunto do selo Equatorial Produções e da produtora Aurora de Cinema (com finalização da Cabeça de Cuia Filmes) – com produção do músico e pesquisador cearense Calé Alencar e Aurora Miranda Leão, no qual é evidenciada a cultura popular nordestina através do grupo Coco das Mulheres da Batateiras.

Brincantes do folguedo no município do Crato (CE), as mulheres que integram o Coco das Mulheres da Batateiras estão no CD-DVD NO PASSO DO BIRIM em voz, ritmo e imagens.

A caixa conjunta reúne um CD com canções gravadas pelo Coco das Mulheres da Batateiras, e um DVD, contendo 5 trabalhos audiovisuais realizados por Aurora Miranda Leão, a saber, os curtas SantAlegria, A Casca Avoa e o Miolo Fica, Resta Um, No Passo do Birim e o videoclip Batuques & Bantos (sobre música homônima do compositor cearense Calé Alencar).

Por enquanto, ainda não há lançamento oficial agendado mas o Aurora de Cinema está organizando uma ida ao Crato para exibir o documentário para suas protagonistas, além de estar recebendo convites para lançar o trabalho em alguns festivais de cinema…