Arquivo da tag: Bahia

CAETANO: Declarações Polêmicas e Inteligência Afiada

Conquistadas as plateias no Brasil, América Latina, Estados Unidos e Europa, o show zii e zie, de Caetano Veloso, chega ao formato DVD, pela Universal, com o selo MTV Ao Vivo (a emissora vai exibi-lo às 21h30 de terça-feira, dia em que começam as vendas nas lojas). Amalgamado à jovem banda Cê – Pedro Sá na guitarra, Marcelo Callado na bateria e Ricardo Dias Gomes no baixo e no teclado -, ele reconstrói músicas da Tropicália para cá, seus “transambas” e “transrocks”, arranjadas a quatro.

Marcos de Paula/AE

Marcos de Paula/AEPaizão – O DVD de ‘zii e zie’ sai por insistência do filho Zeca, que assina a codireção

A gravação foi no Rio, há quatro meses. São 23 faixas. Sob a proteção da asa-delta que lhe serve de cenário, de inspiração carioca, Caetano, que ano que vem chega aos 70, conversa, pula, rebola. Hoje, não mais, lamenta, já que teve uma hérnia de disco, empecilho para pular o carnaval como gosta.

Nos extras, há bastidores interessantes das marcações de palco e da costura do repertório, como o nascimento do arranjo de Lapa, ponto alto de zii e zie, no estúdio, com os “meninos”. A música é uma das que foram testadas antes na série de shows Obra em Progresso, de maio de 2008. Estes também foram registrados e as imagens seguem num disco à parte, vendido numa edição especial, a R$ 49,90. O CD sai a R$ 29,90.

Na quinta-feira à noite, o compositor baiano falou ao Estado sobre esse e outros temas, da discussão sobre a relativização dos direitos autorais ao estilo Dilma de governar.

O DVD está saindo por insistência do seu filho Zeca, de 18 anos, que assina como codiretor. Mas hoje para você, como para tantos artistas, não tem sido um caminho natural CD virar DVD?

Acontece muito, mas o plano do escritório e da gravadora era nenhum. Quando as gravadoras podiam, antigamente, isso já vinha no pacote. Foi difícil pra Paulinha (Lavigne, produtora), porque ela não conseguia patrocinador. Ninguém se animou. Ela fez economias e fez por conta própria, organizando os trabalhos que eu tinha pra financiar esse, e procurando fazer da maneira mais barata possível.

O DVD começa com A Voz do Morto, uma música esquecida nos anos 60, seguida de Sem Cais, que é do repertório de zii e zie, e, depois, vem um clássico, Trem das Cores. Como se dá essa mistura?

Eu acho que é muito forte que um número alto de canções tropicalistas esteja tão sintonizado com o repertório novo. Todas elas se harmonizam muito bem. Deu um show mais agradável de assistir do que o Cê, embora eu ache o disco melhor, porque minhas composições são mais concentradas. O show do zii eu gosto mais, porque é mais fluido, mais palatável.

Depois de cinco anos e dois trabalhos, você vai continuar trabalhando com a banda Cê?

Quero fazer pelo menos mais um CD. Tenho mais ou menos claro uma ideia de como vai ser, mas não muito, porque estou totalmente dedicado a fazer o CD da Gal. Estou compondo todas as canções, coproduzindo as faixas, trabalhando com o Moreno (Veloso, seu filho mais velho), Kassin, Rabotnik.

Quais são os planos para o carnaval? Vai levar sua namorada argentina para ver os trios em Salvador?

Não sei. Tive uma hérnia de disco e a primeira coisa que a fisioterapeuta disse foi: “Não pule”. Então não vou pra rua na Bahia, como eu gosto. O Paraíso do Tuiuti (pequena escola de samba do Rio) me homenageia e eles me convidaram a participar…

Em sua coluna no jornal O Globo, você vem falando da questão dos direitos autorais e do Creative Commons, mas sem fechar questão. Sendo um dos maiores arrecadadores de direitos autorais do Brasil, e informado que está sobre o assunto, ainda não tem uma opinião formada?

Tenho desejo de fazer algum tipo de mediação, ajudar a manter a discussão num nível bom. Ninguém pode negar o conceito de direito autoral e ninguém pode negar a existência da internet. A briga não pode ser maluca. Há canções, como Minha Mulher Não Deixa Não, que ouvi na Bahia, que não são de ninguém. É interessante, mas isso não quer dizer que Garota de Ipanema não seja de Tom Jobim, que Saudade da Bahia não seja de Dorival Caymmi.

Você está na lista do Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad) de 2009, publicada em 2010, como o autor com terceiro maior rendimento do País.

Então eu acho que devo defender o Ecad… (risos)

Esse dado mostra que, em 2009, o primeiro lugar foi do Victor, da dupla Victor & Léo, depois vieram Roberto Carlos e você.

Eu adorei essa companhia, não sabia. É bom estar em terceiro lugar, é o lugar de Alegria, Alegria no festival (de 1967)… Ou terá sido quarto? (foi quarto)

Você diz que não “entende de dinheiro”. Não sabe quanto recebe de direitos?

Realmente não faço as contas, não pergunto, isso é muito ruim. Mas sei que o Ecad passou a arrecadar melhor nos últimos anos, todo mundo diz isso. Você vê que o Roberto Carlos se pronuncia nitidamente, chegou a dizer que faria uma passeata se quisessem acabar com o Ecad. Alguns dos que defendem o Creative Commons dizem que o Ecad é uma caixa preta, os outros, que o Ecad é transparente. A indústria são várias camadas que vão se acomodando, não se pode chegar como se fosse o anjo exterminador.

Em mais de 40 anos de carreira, o que lhe deu mais dinheiro: venda de disco ou show?

O que se diz é que se ganha mais dinheiro com show. Quando eu estava na Inglaterra (nos anos 70), o pessoal dizia: os Rolling Stones, The Who e Led Zeppelin gastam fábulas pra produzir um show, com o qual eles não ganham quase nada, para poder vender o disco. No Brasil, nessa época, já era pelo menos igual ou superior o que se ganhava em shows em relação aos discos. Ou seja, os brasileiros já estavam acostumados a isso. Aqui, o show de sucesso lotava a casa e você ganhava mais dinheiro do que com os discos. Ficou mais parecido com o que era no mundo de língua inglesa, e lá ficou mais parecido com o que nós éramos. É a brasilificação do mundo.

Li que você está “adorando” o governo Dilma.

O Lula era show business, e eu já sou muito show business. Há um alívio geral. Mesmo em quem adorava Lula, com o show permanente, eu noto isso. Não necessariamente desmerece Lula, porque são personalidades diferentes. O Lula encheu o saco, mas o Lula é maravilhoso. Esse período Fernando Henrique Cardoso-Lula foi auspicioso para o Brasil, era muito uniforme, um contínuo, embora os petistas digam que não. Eles terem chegado lá já é algo bom, mesmo que não tivessem conseguido resultados para a população. É por isso que a gente engole mensalão, compra de deputados para a reeleição de Fernando Henrique…

Você leu o texto de Antonio Risério, publicado no “Estado”, em que ele fala que Pernambuco está em fogo alto, e a Bahia, em banho-maria?

Ele está certo. Você chega ao Recife e sente que há uma ideia a respeito de como tratar a cidade. Em Salvador, não. Você não sabe se o prefeito conversa com o governador. Parece uma cidade abandonada, é feio, é triste. E o Recife está maravilhoso.

Diz-se, em tom de piada, que “Caetano opina sobre tudo”. Você dá muita entrevista, fala em todos os documentários sobre música. Sente-se superexposto?

Me chamam pra falar… Mas o Nelsinho Motta está em mais! Às vezes tenho vontade de parar, não falar. Eu gosto de dar entrevista, mas quando eu leio raramente gosto, e, muitas vezes, eu fico amargurado.

Roberta Pennafort / RIO – O Estado de S.Paulo

CARYBÉ e Esculturas: Novos Livros Imprensa Oficial

            

QUINTA, no Museu Afro Brasil, acontece o lançamento duplo de obras ligadas às artes visuais: “As Artes de Carybé” e “De Valentim a Valentim – a escultura brasileira – Século XVIII ao XX”, editados pela Imprensa Oficial do Estado de São Paulo e Museu Afro Brasil.  

As Artes de Carybé 

Famoso em todo o mundo como Carybé, o pintor, ilustrador, desenhista, ceramista, escultor, pesquisador, historiador e jornalista argentino Hector Julio Paride Bernabó tem sua genialidade associada à Bahia, cuja essência soube sintetizar em desenhos, aquarelas, esculturas e grandes murais. 

Argentino de nascimento e baiano por opção, Carybé foi um dos mais produtivos e inquietos artistas que a Bahia abrigou. Agora sua trajetória ganha um livro, As Artes de Carybé, editado pela Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, em parceria com os institutos Afro Brasil e Carybé. 

 

Organizada por Emanoel Araujo, diretor-curador do Museu Afro Brasil, a obra bilíngue – português e espanhol – apresenta reproduções de pinturas, desenhos e ilustrações e fotos de esculturas e murais, além de esboços que marcaram a arte brasileira do século XX. Os trabalhos apresentados no livro são entremeados por diversos textos de pessoas com quem conviveu, como Jorge Amado, Rubem Braga e José Cláudio da Silva. Há ainda uma poesia do imortal PoetaVinícius de Moraes, grande amigo de Carybé, em homenagem ao artista. As artes de Carybé traz toda a cronologia de vida e obra do artista e suas exposições individuais e coletivas.

Fotos: Lalo de Almeida
Cabeças do filho-de-santo Abia no rito de iniciação do candomblé e figura feminina de costas: traço telegráfico de CARYBÉ

 

De Valentim a Valentim 

A obra De Valentim a Valentim – a escultura brasileira – Século XVIII ao XX, de Mayra Laudanna e Emanoel Araujo, conduz o leitor a uma viagem por mais de 200 anos, do rococó carioca até a escultura geométrica, desde o mineiro Mestre Valentim, nascido em 1745, até o baiano Rubem Valentim (1922 a 1991). São registros que remontam à chegada da Missão Artística Francesa e percorrem fatos e momentos importantes como as atividades da Academia Imperial de Belas Artes e Liceu de Artes e Ofícios, as visitas de escultores italianos a São Paulo e o modernismo. A obra tem 448 páginas ricamente ilustradas. 

Fruto de intensa pesquisa, o livro tem textos sobre cada um dos escultores retratados. Alguns, encontrados em museus, acervos, bibliotecas ou em jornais de época, muitas vezes assinados pelos próprios artistas. Os outros, com breves cronologias, foram produzidos pelos autores. Como ilustração, as obras expostas no Museu Afro Brasil, em março de 2009, que retratam não só a história da escultura brasileira, mas também a de escultores europeus que estiveram no Brasil e por aqui deixaram sua marca. 

Os trabalhos pertencem hoje aos acervos do Museu Nacional de Belas Artes, Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro, Museu Mariano Procópio de Minas Gerais e a colecionadores particulares de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Há ainda fotografias de monumentos públicos e tumulares. No total, 350 obras estão fotografadas.  

Entre os outros escultores retratados estão Rodolfo Bernardelli, De Chirico, Nicola Rollo, Adolfo Rollo, Honório Peçanha, Arlindo Castellani, Menotti Del Picchia, Victor Brecheret, Antonio Gomide, Galileo Emendabili, Lelio Coluccini, Celso Antônio, Ernesto de Fiori, Francisco Brennand, Frans Krajcberg, Mario Cravo Júnior e Carybé.

FITINHAS da FÉ: Adesão Européia

Os corpos continuam bem encobertos por casacos pesados e luvas, em um inverno europeu com temperaturas glaciais. Mas, dentro de dois meses, quando os braços e pulsos estiverem mais à mostra nas principais capitais do continente, como Paris e Londres, um pequeno adereço estético, colorido e bem familiar, vai chamar a atenção dos brasileiros: fitinhas do Nosso do Senhor do Bonfim. Isso porque, a exemplo do fenômeno Havaianas, as pulseirinhas de tecido vêm se tornando um novo hit dos fashionistas e “brasilófilos” de plantão.

Os mais atentos à moda já perceberam a aparição das fitinhas. Evidentemente, não há estatísticas para explicar o fenômeno, mas a sensação de quem trabalha com acessórios, ou os admira, é taxativa. “Todo mundo usa”, sentencia a jornalista franco-americana Jenny Barchfield, especialista em moda da agência Associated Press em Paris. “Durante muitos anos, eu usava, mas não uso mais por causa disso. Tem “bobo” demais usando”, conta, valendo-se da expressão típica do francês para designar os parisienses “burgueses-boêmios”.

Outro indicativo do sucesso das fitinhas é o rumor de que elas estariam prestes a desembarcar em pelo menos dois templos fashionistas parisienses, uma grande loja de departamentos e uma butique – caríssima -, ponto de romaria dos “mais descolados” à Rue Saint-Honoré. Os paninhos baianos benditos, conhecidos na França como “porte bonheur”, acabaram supervalorizados por vendedores de lojinhas badaladas. Seu preço pode variar de ? 0,50 a ? 5. Customizadas, são vendidas com o apelo “desenho Saint-Tropez” em lojas como a Spirit Wire, na Côte D”Azur, por valores de ? 11 a ? 25.

Boa parte da propaganda das fitas é feita no boca a boca. A “tendência” é mais presente entre os familiares e amigos de brasileiros e entre quem já foi ao Brasil. É, de certa forma, um símbolo de distinção de quem conhece o país, cuja imagem é positiva na Europa. “São bonitinhas demais!”, derrama-se Mélanie Durand, de 27 anos, uma francesa aficionada por capoeira que conhece o litoral do Nordeste melhor que muitos brasileiros.

Entre algumas tribos, a fitinha é até polêmica. Há quem defenda o uso respeitando ritos baianos. “A fitinha não se compra, se ganha! Enfim, as que eu recebi em Salvador me foram todas doadas”, reitera Laure Nakara, de 29 anos. Alheia à polêmica, a arquiteta Cláudia Cerantola, proprietária do site de comércio online de produtos brasileiros Pur Suco, que comercializa desde 2006 o “Souvenir du Dieu de Bahia”, por meio euro, trata de aproveitar a onda. “Viraram acessório da moda. As vendas só aumentam.” Segundo ela, empresas francesas as estão copiando, produzindo e vendendo como fitas “tipo brasileiras”, e com a escrita que o cliente quiser.* Texto de Andrei Netto