Arquivo da tag: cineasta João Jardim

VIK MUNIZ Leva Lixo Extraordinário ao Oscar…

Documentário mostra trabalho de Vik Muniz com catadores do Jardim Gramacho (RJ), um dos maiores aterros sanitários do mundo

Trabalho singular e aplaudido de VIK MUNIZ: reconhecimento na festa mais badalada do cinema mundial 

O longa-metragem Lixo Extraordinário, com direção conjunta dos brasileiros João Jardim e Karen Harley e da britânica Lucy Walker, foi indicado ao Oscar de Melhor Documentário. O filme, produzido pela brasileira O2 Filmes e a inglesa Almega Projects, já ganhou cerca de 20 prêmios em festivais importantes como Sundance e Berlim. Está em cartaz no Brasil desde sexta passada, 21 de janeiro.

 

Os diretores e produtores brasileiros comemoram: “A indicação da Academia joga luz sobre o universo dos catadores e o trabalho de arte feito com material reciclável. A mistura do olhar estrangeiro com o olhar brasileiro deu força para o filme”, afirma João Jardim, co-diretor. “A indicação ao Oscar dará mais visibilidade à causa dos catadores, veio na hora certa, já que o aterro de Jardim Gramacho será fechado em 2012”, conta Karen Harley, co-diretora.

 

A produtora-executiva do filme, Andrea Barata Ribeiro, ressalta a importância dessa indicação para o Brasil: “É o reconhecimento do cinema nacional, mostra que estamos no caminho certo. A co-produção teve papel fundamental, permitiu juntar esforços para a realização do filme”, afirma Andrea.

 

Lixo Extraordinário mostra o trabalho do artista plástico Vik Muniz em um dos maiores aterros sanitários do mundo, o Jardim Gramacho, na periferia do Rio de Janeiro. Lá, ele fotografa um grupo de catadores de materiais recicláveis com objetivo inicial de retratá-los. No entanto, o trabalho com esses personagens revela a dignidade e o desespero que enfrentam quando sugeridos a reimaginar suas vidas fora daquele ambiente.

O próprio VIK em trabalho assinado por ele…

Vik Muniz, como não podia deixar de ser, está radiante com a indicação:

“Estou muito feliz, porque foi uma história que começou por acaso e virou um filme de grande importância, porque consolida um grupo social e mostra o verdadeiro valor do lixo”, disse artista em entrevista ao G1 por telefone, minutos após saber da indicação.

E agora sonha em levar para a festa de Hollywood um dos catadores retratados no filme: “Agora tenho outro desejo, que é levar o personagem do filme, o Tião, para Hollywood, para subir ao palco e receber o prêmio. Nada mais justo do que homenagear essas pessoas, que fazem deste filme um documento tão especial.”

Vamos ao Cinema ! Prestigiar o CINEMA BRASILEIRO !

Saiba mais: www.lixoextraordinario.net

 

FICHA TÉCNICA

 

Direção:  Lucy Walker,

Codireção: João Jardim, Karen Harley

Produção: Angus Aynsley, Hank Levine

Coprodução: Peter Martin

Produção Executiva: Fernando Meirelles, Miel de Botton Aynsley, Andrea Barata Ribeiro, Jackie de Botton

Música: Moby

Edição: Pedro Kos

Direção de Fotografia:  Dudu Miranda

Codireção de Fotografia: Heloisa Passos, Aa ron Phillips

Mixagem de Som: Aloysio Compasso, José Lozeiro

Duração: 99 minutos

Formato: RAIN

Som: Dolby Digital 5.1

Janela: 1:85

Ano de produção: 2009

Classificação Etária: Livre

Orçamento: US$ 1,5 milhões

Patrocínio: BB Seguro Auto, Ourocap, Eletrobrás

Viabilizado pela Lei do Incentivo ao Audiovisual (Art. 1º A)

PRÊMIOS E PARTICIPAÇÕES EM FESTIVAIS INTERNACIONAIS

SUNDANCE – Janeiro 2010

Prêmio do Público de Melhor Documentá rio Internacional

FESTIVAL DE BERLIM – Fevereiro 2010  

Prêmio da Anistia Inte rnacional (AI)

Prêmio do Público de Melhor Documentário – Mostra Panorama

FESTIVAL TRUE/ FALSE (EUA) – Março 2010

Seleção oficial

FULL FRAME DOCUMENTARY FESTIVAL (EUA) – Abril 2010 

Prêmio do Público de Melhor Documentário

DALLAS INTERNACIONAL FILM FESTIVAL (EUA) – Março 2010      

Prêmio Target Film Maker – Melhor Documentário

HOT DOCS (CANADA) – Maio 2010

Entre os 10 favoritos do público

PROVINCETOWN INTERNATIONAL FILM FESTIVAL (EUA) – Junho 2010

Prêmio HBO do Público – Melhor Documentário

SEATTLE FILM FESTIVAL (EUA) – Junho 2010

Prêmio Golden Space Nee dle – Melhor Documentário

MAUI FILM FESTIVAL (EUA) – Junho 2010

Prêmio do Público de Melhor Documentário Internacional

FESTIVAL DE PAULÍNIA (SP) – Julho 2010

Prêmio do Públic o de Melhor Documentário

Prêmio Especial do Júri

DURBAN INTERNATIONAL FILM FESTIVAL – Agosto 2010

Prêmio de Melhor Documentário

Prêmio do Público de Melhor Filme

Prêmio da Anistia Internacional (AI)

FESTIVAL DO RIO – Setembro 2010

Première Brasil Hors Concours

ECOFOCUS FILM FESTIVAL – Outubro 2010

Prêmio do Público de Melhor Longa-Metragem Documentário

TRINIDAD E TOBAGO FILM FESTIVAL – Outub ro 2010

P rêmio do Público de Melhor Documentário

FLAGSTAFF MOUNTAIN FILM FESTIVAL – Outubro 2010

Prêmio do Juri

VANCOUVER INTERNATIONAL FILM FESTIVAL – Outubro 2010

Rogers People’s Choice Award

MOSTRA INTERNACIONAL DE SÃO PAULO INTERNACIONAL – Novembro 2010

Prêmio Itamaraty de Melhor Documentário

AMAZONAS FILM FESTIVAL – Novembro 2010

Prêmio Especial do Júri

INTERNATIONAL DOCUMENTARY F ILM FESTIVAL AMSTERDAM – Novembro 2010

Prêmio do Público

STOCKHOLM FILM FESTIVAL – Novembro 2010

Silver Audience Award

INTERNATIONAL DOCUMENTARY ASSOCIATION’S AWARDS – Novembro 2010

Pare Lorentz Award

Céu Mineiro Ganha Brasília

 

O Céu sobre os Ombros é o Grande Vencedor do Festival de Brasília

Filme de Sérgio Borges foi escolhido como o MELHOR pelo júri oficial do 43º Festival de Brasília.

A produção embaralha ficção e documentário ao acompanhar a vida de três pessoas em Belo Horizonte.

O longa recebeu também o prêmio especial do júri, destinado aos personagens/atores, e os troféus de melhor diretor, roteiro e montagem.

Pelo júri popular, o escolhido foi o filme Amor?, dirigido por João Jardim.

Outros destaques foram os filmes “Os Residentes” (quatro Candangos) e “Transeunte” (três Candangos) e “A Alegria” (dois Candangos).

  Divulgação  
Cena do filme "O Céu sobre os Ombros"
Cena de O Céu sobre os Ombros, de Sérgio Borges: Melhor Filme do Festival de Brasília

Lista completa de Vencedores:

PRÊMIOS OFICIAIS – TROFÉU CANDANGO

Longa-metragem em 35mm

Melhor filme (júri oficial) – R$ 80.000,00: “O Céu sobre os Ombros”, de Sérgio Borges

Prêmio Especial do Júri – R$ 30.000,00: Aos personagens/atores do filme “O Céu sobre os Ombros”

Melhor direção – R$ 20.000,00: Sérgio Borges, por “O Céu sobre os Ombros”

Melhor ator – R$ 10.000,00: Fernando Bezerra, de “Transeunte”

Melhor atriz – R$ 10.000,00: Melissa Dullius , de “Os Residentes”

Melhor ator coadjuvante – R$ 5.000,00: Rikle Miranda , de “A Alegria”

Melhor atriz coadjuvante – R$ 5.000,00: Simone Sales De Alcântara, de “Os Residentes”

Melhor roteiro – R$ 10.000,00: Manuela Dias e Sérgio Borges por “O Céu sobre os Ombros”

Melhor fotografia – R$ 10.000,00: Aluizio Raulino, por “Os Residentes”

Melhor direção de arte – R$ 10.000,00: Gustavo Bragança, de “A Alegria”

Melhor trilha sonora – R$ 10.000,00: Andre Wakko, Juan Rojo, David Lanskylansky e Vanessa Michellis por “Os Residentes”

Melhor som – R$ 10.000,00 e ainda Prêmio Dolby: consiste na licença para usar o sistema de som dolby (equivalente a quatro mil dólares): Som Direto, Edicão de Som e Mixagem de “Transeunte”

Melhor montagem – R$ 10.000,00: Ricardo Pretti, de “O Céu sobre os Ombros”

Curta ou média-metragem em 35mm

Melhor filme (júri oficial) – R$ 20.000,00: “Acercadacana”, de Felipe Peres Calheiros

Premio especial do júri: “Braxília”, de Danyella Proença

Melhor direção – R$ 10.000,00: Gabriel Martins e Maurilio Martins, de “Contagem”

Melhor ator – R$ 5.000,00: Vinny Azar e Ícaro Teixeira, por “A Mula Teimosa e o Controle Remoto”

Melhor atriz – R$ 5.000,00: Dira Paes, de “Matinta”

Melhor roteiro – R$ 5.000,00: Danyella Proença, de “Braxília”

Melhor fotografia – R$ 5.000,00: Yuri Cesar, de “Cachoeira”

Melhor direção de arte – R$ 5.000,00: Maíra Mesquita, de “Fábula das Três Avôs”

Melhor trilha sonora – R$ 5.000,00: Puriki e índios do alto rio negro, de “Cachoeira”

Melhor som – R$ 5.000,00: Som Direto, Edicão de Som e Mixagem de “Matinta”

Melhor montagem – R$ 5.000,00: Paulo Sano de “Acercadacana”

Curta-Metragem Digital

Melhor Filme (Júri Oficial) – R$ 15.000,00: “Traz Outro Amigo Também” de Frederico Cabral

Melhor Direção R$ 10.000,00: Pablo Lobato, pelo filme “Queda”

Melhor Ator – R$ 5.000,00: Emanuel Aragão, por “Só Mais um Filme de Amor”

Melhor atriz – R$ 5.000,00: Ketellen Coutinho, por “Tempo de Criança”

Melhor Roteiro – R$ 5.000,00: Samir Machado de Machado, por “Traz Outro Amigo Também”

Melhor Fotografia – R$ 5.000,00: Carol Matias e Elias Guerra, por “Entrevãos”

Melhor Direção De Arte – R$ 5.000,00: Daniel Banda, por “O Filho do Vizinho”

Melhor Trilha Sonora – R$ 5.000,00: Lucas Marcier, por “Tempo de Criança”

Melhor Som – R$ 5.000,00: O Grivo, por “Queda”

Melhor Montagem – R$ 5.000,00: Alberto Feoli, por “Traz Outro Amigo Também”

PRÊMIO JÚRI POPULAR

Melhor longa-metragem em 35mm R$ 30.000,00 e ainda Prêmio exibição TV Brasil – R$ 30 mil ao melhor longa-metragem e o título premiado integrará a programação da emissora: “Amor?”, de João Jardim

Melhor curta-metragem em 35mm R$ 20.000,00 e ainda Prêmio Megacolor/ Estudios Mega – R$ 8.000,00 em serviços do Estudios Mega e R$10.000,00 em serviços do Megacolor: “Braxília”, de Danyella Proença

OUTROS PRÊMIOS

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL

Melhor longa em 35mm classificado em 1º lugar – R$ 75.000,00 e ainda Prêmio Quanta – R$ 10.000,00 em equipamentos de iluminação e maquinaria: “O Mar de Mário”, de Reginaldo Gontijo e Luiz F. Suffiati

Melhor longa em 35mm classificado em 2º lugar – R$ 35.000,00: SEM CONCORRENTE

Melhor média ou curta em 35mm classificado em 1º lugar – R$ 20.000,00 e ainda Prêmio Quanta – R$ 8.000,00 em equipamentos de iluminação e maquinaria: “Profana Via Sacra”, de Alisson Sbrana

Melhor média ou curta em 35mm classificado em 2º lugar – R$ 10.000,00: “Ratão”, de Santiago Dellape

Melhor filme Digital R$ 10.000,00 e ainda Prêmio Quanta – R$ 4.000,00 em equipamentos de iluminação e maquinaria: “A Menor Distância Entre Dois Pontos”, de Breno Nina e Elias Guerra

AQUISIÇÃO CANAL BRASIL

Cessão de um Prêmio de Aquisição, no valor de R$ 15.000,00, ao Melhor Curta 35mm selecionado pelo júri Canal Brasil: “A Mula Teimosa e o Controle Remoto”, de Hélio Villela Nunes

PRÊMIO DA CRÍTICA – TROFÉU CANDANGO

Melhor longa 35mm: “Transeunte”, de Eryk Rocha

Melhor curta em 35mm: “A Mula Teimosa e o Controle Remoto”, de Hélio Villela Nunes

PRÊMIO CONTERRÂNEOS

Melhor Documentário do Festival: “Zé[s]”, de Piu Gomes

PRÊMIO ABCV/ESTÚDIOSMEGA E MEGACOLOR

Melhor curta em 35mm: “Ratão”, de Santiago Dellape

PRÊMIO ABCV DF 2010

Argemiro Gomes de Andrade Jr.

PRÊMIO VAGALUME

Melhor Longa 35mm: “Amor?”, de João Jardim

Melhor Curta 35mm: “Café Aurora”, de Pablo Pólo

PRÊMIO SARUÊ

O elenco de “O Céu sobre os Ombros”: Everlyn Barbin, Lwei Bakongo e Murari Krishna

MARCO ANTÔNIO GUIMARÃES – TROFÉU CANDANGO

Filme que melhor utilizar material de pesquisa cinematográfica brasileira: “De Bem com a Vida – Carlos Elias e o Samba em Brasília”, de Leandro Borges

Filme de João Jardim Impressiona Brasília

Amor ? enfoca relacionamento marcado pela violência física, e recebe aplausos

 

Paixão de trapo e farrapo, que funciona a tapas e beijos? É mais ou menos o mote central de Amor?, de João Jardim, mix de ficção e documentário muito aplaudido pelo público do Cine Brasília. O diretor parte de uma pesquisa com pessoas que viveram relacionamentos marcados pela violência física e, a partir desses casos reais, faz atores e atrizes interpretarem as histórias. O modus operandi dialoga com o já clássico documentário de Eduardo Coutinho, jogo de cena, no qual atrizes interpretam relatos reais. ´Com a diferença de que o filme do Coutinho joga com a ambiguidade entre realidade e encenação, ao passo que no meu é dito que tudo é encenação, logo de início`, diz o diretor.


Foto: Heloisa Passos/Divulgação
 

Amor? tem momentos fortes, em especial graças à atuação de intérpretes como Angelo Antonio, Júlia Lemmertz, Silvia Lourenço e outros, que emprestam credibilidade e dramaticidade às falas. É um filme da fala. E do rosto do ator como tela das emoções. E no que consistem esses depoimentos? Em histórias nas quais as notas do amor e do desejo se entrelaçam com as da violência física.

Ao todo, são oito relatos, sete heterossexuais, apenas um relembrando a turbulenta relação entre duas mulheres. Esse caso de amor lésbico, com todas as suas complicações, paixões e preconceitos envolvidos, é um dos que atingem maior grau de densidade emocional em todo o conjunto de histórias. Silvia Lourenço e Fabíula Nascimento interpretam o casal.

Amor ? foi bem aplaudido no final, palmas que continuaram durante os créditos, quando são apresentados os intérpretes, muitos deles rostos conhecidos da televisão como Du Moscovis, Lilia Cabral e Mariana Lima.

Curtas

Os curtas da noite também foram bons, em especial A mula teimosa e o controle remoto, de Hélio Vilela Nunes (SP), história infantil deliciosa sobre a convivência de dois meninos, um da cidade outro do campo. Um tem problemas com a mula que empaca, o outro, o filho do patrão, traz como brinquedo uma maravilha tecnológica, um aviãozinho acionado por controle remoto. O encanto está na maneira como as duas realidades dialogam.

Café Aurora, de Pablo Polo (PE), investe num visual sofisticado para dar conta de um entrecruzamento de experiências Um garçom se encanta pelo mundo das esculturas, enquanto a artista plástica saboreia o ótimo café feito pelo garçom Refinado.

Os nomes dos contemplados saberemos hoje à noite quando forem distribuídos os Candangos, os troféus do Festival de Brasília, depois da exibição hors concours de Os deuses e os mortos, de Ruy Guerra, em cópia restaurada.

* Informações do Diário de Pernambuco