Arquivo da tag: cineasta Leo Tabosa

UNICAP promove Semana de Cinema Universitário em Recife

Mostra de Vídeos, promovida pela Universidade Católica de Pernambuco, demarca importante espaço da UNICAP como promotora da Cultura e incentivadora do labor audiovisual entre jovens universitários…

A 1ª Mostra de Vídeo Universitário da UNICAP é uma atividade integrada à programação de comemoração dos 60 anos de fundação da Universidade Católica de Pernambuco. O objetivo é incentivar a produção de audiovisual nas universidades e as atividades de extensão estudantil. A Mostra de Vídeo Universitário enfatiza a linguagem audiovisual como uma habilidade fundamental na formação profissional do universitário.

Os prêmios da Mostra serão outorgados por um Júri formado por estudantes e professores universitários, bem como profissionais da atividade cinematográfica, que participará de debate com os realizadores e público, logo após a exibição dos curtas.

O Júri Oficial concederá o Troféu Pavão nas seguintes categorias:

Melhor Curta Metragem – Ficção

Melhor Direção – Ficção

Melhor Roteiro – Ficção

Melhor Edição – Ficção

Melhor Ator

Melhor Atriz

Melhor Curta Metragem – Documentário

Melhor Direção – Documentário

Melhor Roteiro – Documentário

Melhor Edição – Documentário

Mellhor Curta Metragem – Animação

Mellhor Direção – Animação

Mellhor Roteiro – Animação

Mellhor Edição – Animação

Os responsáveis pela Mostra são o cineasta Leo Tabosa (idealizador e Diretor-Geral) e Ubiratan Costa, Cordenador …

E os concorrentes são:

A casa dos mortos – Débora Diniz (20’ / Documentário / Brasília – DF)

A céu aberto – Alexandre Kumpinski (8’ / Documentário / Porto Alegre – RS)

Abate – Luca Sá (14’ 10” / Ficção / São Luís – MA)

Abner, o papa zumbis – Marcus Guio (3’ 30” / Animação / São Paulo – SP)

Amor de Thanatos – Helena Guerra (6’ / Ficção / São Paulo – SP)

Brecha – Júlia Araújo e Nathália D’Emery (5’ 43” / Animação / Recife – PE)

Chapeuzinho – Rafael Jardim (7’ 39” / Ficção / Salvador – BA)

Circuito interno – Júlio Martí (13’ / Ficção / São Paulo – SP)

Cobertura 01 – Adriano Bidão (15’ 35” / Documentário / Rio de Janeiro – RJ)

Coisas do além e do Recife também – Marcela Alves, Mariana Lins e Rubens Carneiro ( 19’ 9” / Documentário / Recife – PE)

Confinado – Rafael Lobo ( 20’ / Ficção / Brasília – DF)

Cores & Botas – Juliana Vicente (15’ 50” / Ficção / São Paulo – SP)

Darluz – Leandro Goddinho (15’ / Ficção / São Paulo – SP)

Distantes – Bruno Peres ( 15’ / Ficção / São Paulo – SP)

Ela Só – Pâmela Hauber e Stefania Curti (9’ 52” / Ficção / Porto Alegre – RS)

Élégie à Rimbaud – Leo Pyrata (7’ / Ficção  / MG)

Eletrotorpe – Nalu Béco (15’ / Ficção / São Paulo – SP)

Espetáculo: o mágico e a domadora – Rafael Jardim (3’ / Animação / Salvador – BA)

Homem Ilha – Ana Paula Fernandes e Daniela Camila (10’ 50” / Ficção / Vila Velha – ES)

Lado B – Rafael Jardim (15’ / Documentário / Salvador – BA)

Mato Alto: pedra por pedra – Arthur Leite ( 15’ / Documentário / Quixeré – CE)

Meu amigo, meu avô – Renan Montenegro (12’ / Ficção / Brasília – DF)

Mute – Adolfo Sarkis ( 11’ / Ficção / Rio de Janeiro – RJ)

Nego – Armando Fonseca (10’ / Ficção / São Paulo – SP)

O obituário de Manny – Andre Wacemberg (20’ / Ficção / Recife – PE)

O que faz o Brasil, Brasil? – Wanderson Telles Guedes (12’ / Documentário / Rio de Janeiro – RJ)

O trabalho final – Felipe Mendonça Moraes (17’ / Ficção / Florianópolis – SC)

O vizinho da frente – Júlia Araújo e Nathália D’Emery (13’ 10” / Ficção / Recife – PE)

Pétala – Vitor Dourado (15’ / Ficção / São Paulo – SP)

Quarteto simbólico – Josias Teófilo ( 14’ / Documentário / Recife  – PE)

Rocco – Felipe Matzembacher (15’ 46” / Ficção / Porto Alegre – RS)

Silêncio, por favor – Filipe Matzembacher (7’ 6” / Documentário / Porto Alegre – RS)

Temporão  – Felipe Carrelli (19’ / Documentário / São Paulo – SP)

Um par – Lara Lima (8’ / Ficção / São Paulo – SP)

Velho Mundo – Armando Fonseca (13’ / Ficção / São Paulo – SP)

Verbena e Limão – Lucas Sá e Lucas Kurz ( 4’ 4” / Ficção / São Luís – MA)

Viagem à Lua – Daniel Pech (19’ / Ficção / Rio de Janeiro – RJ)

UNICAP divulga selecionados da Mostra Universitária

É com alegria que informamos a lista de selecionados para a I Mostra de Vídeo Universitário da Universidade CAtólica de Pernambuco (UNICAP), que vai acontecer de 19 a 22 de outubro. na capital pernambucana.

Quem coordena é o jornalista e cineasta LEO TABOSA e é dele a carta aos selecionados que publicamos a seguir por achá-la por demais elegante, oportuna e bem redigida, dando aos realizadores dos filmes que serão exibidos uma visão correta do processo seletivo.

Caríssimos realizadores, 

A quantidade de curtas inscritos nos obriga a fazer uma seleção. Na primeira edição da Mostra de Vídeo Universitário da Unicap foram inscritos 150 curtas de diversos estados brasileiros. E, dentre estes, escolhidos 37 para participarem da Mostra Competitiva.

Seguramente, os escolhidos não são necessariamente os melhores, mas os que, segundo a visão da curadoria, melhor se adequam à proposta da Mostra Universitária.

A Mostra ocorrerá no Recife, no auditório da Livraria Cultura e Espaço Executivo da Universidade Católica de Pernambuco, no período de 19 a 22 de outubro. 

Em breve enviaremos a programação da Mostra.

Obrigado pela participação e confiança, 

Um abraço,

 Leo Tabosa, Diretor da Mostra de Vídeo Universitária da Unicap

 

SELECIONADOS da 1ª Mostra de Vídeo Universitário da Unicap 

A casa dos mortos – Débora Diniz (20’ / Documentário / Brasília – DF)

A céu aberto – Alexandre Kumpinski (8’ / Documentário / Porto Alegre – RS)

Abate – Luca Sá (14’ 10” / Ficção / São Luís – MA)

Abner, o papa zumbis – Marcus Guio (3’ 30” / Animação / São Paulo – SP)

Amor de Thanatos – Helena Guerra (6’ / Ficção / São Paulo – SP)

Brecha – Júlia Araújo e Nathália D’Emery (5’ 43” / Animação / Recife – PE)

Chapeuzinho – Rafael Jardim (7’ 39” / Ficção / Salvador – BA)

Circuito interno – Júlio Martí (13’ / Ficção / São Paulo – SP)

Cobertura 01 – Adriano Bidão (15’ 35” / Documentário / Rio de Janeiro – RJ)

Coisas do além e do Recife também – Marcela Alves, Mariana Lins e Rubens Carneiro ( 19’ 9” / Documentário / Recife – PE)

Confinado – Rafael Lobo ( 20’ / Ficção / Brasília – DF)

Cores & Botas – Juliana Vicente (15’ 50” / Ficção / São Paulo – SP)

Darluz – Leandro Goddinho (15’ / Ficção / São Paulo – SP)

Distantes – Bruno Peres ( 15’ / Ficção / São Paulo – SP)

Ela Só – Pâmela Hauber e Stefania Curti (9’ 52” / Ficção / Porto Alegre – RS)

Élégie à Rimbaud – Leo Pyrata (7’ / Ficção  / MG)

Eletrotorpe – Nalu Béco (15’ / Ficção / São Paulo – SP)

Espetáculo: o mágico e a domadora – Rafael Jardim (3’ / Animação / Salvador – BA)

Homem Ilha – Ana Paula Fernandes e Daniela Camila (10’ 50” / Ficção / Vila Velha – ES)

Lado B – Rafael Jardim (15’ / Documentário / Salvador – BA)

Mato Alto: pedra por pedra – Arthur Leite ( 15’ / Documentário / Quixeré – CE)

Meu amigo, meu avô – Renan Montenegro (12’ / Ficção / Brasília – DF)

Mute – Adolfo Sarkis ( 11’ / Ficção / Rio de Janeiro – RJ)

Nego – Armando Fonseca (10’ / Ficção / São Paulo – SP)

O obituário de Manny – Andre Wacemberg (20’ / Ficção / Recife – PE)

O que faz o Brasil, Brasil? – Wanderson Telles Guedes (12’ / Documentário / Rio de Janeiro – RJ)

O trabalho final – Felipe Mendonça Moraes (17’ / Ficção / Florianópolis – SC)

O vizinho da frente – Júlia Araújo e Nathália D’Emery (13’ 10” / Ficção / Recife – PE)

Pétala – Vitor Dourado (15’ / Ficção / São Paulo – SP)

Quarteto simbólico – Josias Teófilo ( 14’ / Documentário / Recife  – PE) 

Rocco – Felipe Matzembacher (15’ 46” / Ficção / Porto Alegre – RS)

Silêncio, por favor – Filipe Matzembacher (7’ 6” / Documentário / Porto Alegre – RS)

Temporão  – Felipe Carrelli (19’ / Documentário / São Paulo – SP)

Um par – Lara Lima (8’ / Ficção / São Paulo – SP)

Velho Mundo – Armando Fonseca (13’ / Ficção / São Paulo – SP)

Verbena e Limão – Lucas Sá e Lucas Kurz ( 4’ 4” / Ficção / São Luís – MA)

Viagem à Lua – Daniel Pech (19’ / Ficção / Rio de Janeiro – RJ)

Porque os pássaros cantam e as pessoas gostam de ouvir histórias

Reitor da Universidade Católica de Pernambuco, o padre Pedro Rubens transforma em deliciosas leituras suas vivências no recôndito distrito cearense de Vazantes, onde nasceu e viveu sua infância

“O que as grandes e puras afeições têm de bom é que depois da felicidade de as ter sentido, resta ainda a felicidade de recordá-las”, disse um dia o dramaturgo Alexandre Dumas. Depois de ter tido a felicidade de reviver suas lembranças em forma de histórias entre amigos, o Reitor da Unicap, Padre Pedro Rubens, decidiu ampliar seu público e dividir essas histórias, que mesmo sendo particulares ganham caráter universal, em seu primeiro livro literário “Lugar onde os pássaros cantam e as pessoas contam histórias”, lançado na noite de terça, no Salão Receptivo da Católica.

Editado pela Confraria do Vento e impresso pela Fasa Gráfica, Lugar onde os pássaros cantam e as pessoas contam histórias traz sete histórias vivenciadas por Padre Pedro em sua cidade natal, Vazantes, no interior do Ceará. Curtas e com uma leitura dinâmica, essas histórias nos apresentam não só o homem Pedro, mas também personagens marcantes e elementos singulares das pequenas cidades do País. Em uma escrita que transita livremente e com propriedade entre o acadêmico e o poético, o clássico e o popular, Pedro nos relata o que também desejou o poeta pernambucano Manuel Bandeira “Não quero amar, não quero ser amado. Não quero combater, não quero ser soldado. Quero a delícia de poder sentir as coisas mais simples!” E dentro dessas coisas simples, Padre Pedro conseguiu apreender o importante daquele cotidiano.

“São histórias pitorescas, bem características do Ceará. É uma leitura leve, gostosa”, comentou Padre Sérgio Mendonça, professor do Centro de Ciências Biológicas e Saúde (CCBS) e amigo do Padre Pedro. Já a coordenadora do curso de Letras, Haidée Camelo, que escreveu com Padre Miguel Martins o prefácio do livro, ressaltou que a obra traz “histórias contadas por uma pessoa que tem profunda sensibilidade poética”. Karla Mello, da Editora Confraria do Vento e ex-aluna do curso de Filosofia da Unicap, destacou: “Pedro já lançou outros livros, mas esse é seu primeiro literário. Todos estão emocionados com a escrita poética dele.”

O lançamento  da terça passada, dia 16, no Salão Receptivo da Unicap, foi prestigiado por gestores, professores, funcionários, alunos e amigos do Padre Pedro, que autografou dezenas de  livros. 

Os interessados em adquirir um exemplar, poderão encontrá-lo na loja da Fasa, no térreo do bloco A, ao preço de R$ 30,00.

* Informações da Assessoria de Comunicação da Unicap, cujo comando é da jornalista Paula Losada e do webdesigner Kiko Secchim, os quais contam com preciosa colaboração do jornalista e cineasta Leo Tabosa.

Padre Pedro Rubens: as histórias de Vazantes agora serão lançadas no Rio de Janeiro

O distrito de Vazantes atualmente destaca-se pela presença de diversos projetos culturais e de inserção social através da Fundação Fé & Alegria, que chegou à localidade cearense pelas mãos do padre Pedro Rubens