Arquivo da tag: CineCE

Os vencedores do XXII CineCE

Termina 22° Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema (Foto: Divulgação)
Theatro José de Alencar: palco do CineCE – Festival Ibero-americano de Cinema
 
Após uma semana de debates, mesas-redondas, palestras, oficinas e muitas exibições gratuitas de filmes, chegou ao fim o 22° Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema. O longa “Violeta foi para o Céu”, do chileno Andrés Wood, e o curta-metragem “Os lados da rua”, do capixaba Diego Zon, foram premiados com o Troféu Mucuripe e  US$ 10 mil.

Criado este ano, o Prêmio Banco do Nordeste do Brasil (BNB) – melhor filme de temática nordestina – premiou com R$ 10 mil o longa “Rania” da diretora cearense Roberta Marques. Os outros prêmios foram distribuídos em áreas técnicas das produções.

OS VENCEDORES do CINE CEARÁ 2012:

Fiorella Mattheis na entrega do premio de melhor filme para "Violeta Foi Para o Ceu" (Foto: Divulgação)
Fiorella Mattheis entregou prêmio de Melhor
Filme para “Violeta Foi Para o Ceu”
 
Mostra Competitiva Ibero-Americana de Longa-Metragem
Melhor Direção: Cláudio Assis (PE), por “Febre do Rato”;
Melhor Fotografia: Gaizka Bourgeaud, por “Bertsolari” (de Asier Altuna-ESP);
Melhor Roteiro: Eliseo Altunaga, Rodrigo Bazaes, Guillermo Calderón e Andrés Wood
por “Violeta foi para o Céu” (de Andrés Wood-CHI);
Melhor Som: Nerio Barberis e Santiago Arroyo, no filme “Prazo de validade” (de Kenya Márquez-MEX);
Melhor Trilha Sonora Original: Jorge Du Peixe, por “Febre do Rato” (de Cláudio Assis-PE);
Melhor Direção de Arte: Juan Carlos Azevedo, por “Em nome da filha” (deTania Hermida-EQU);
Melhor Ator: Luis Ziembrowski, por “Um amor” (de Paula Hernández-ARG);
Melhor Atriz: Graziela Felix, por “Rânia” (de Roberta Marques-BRA);
Prêmio do Júri Oficial: “Prazo de validade”, de Kenya Márquez-MEX);
Prêmio Edição: Andrea Chignoli, por ‘Violeta foi para o Céu’, de (Andrés Wood-CHI);
Prêmio da Crítica Internacional: “Um Amor”, (de Paula Hernández-ARG).

Prêmio da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine)
“Prazo de Validade”, longa de Kenya Márquez (México): pelo roteiro engenhoso, pela evolução do arco dramático e pelo homogêneo trio de protagonistas;
“Dia estrelado”, curta de Nara Normande (PE): pela combinação rigorosa entre técnica e discurso, pelo diálogo feliz da fotografia com as artes plásticas.

Troféu Oscarito (Prêmio da Câmara Municipal de Fortaleza)
Longa de Claudio Assis (PE) por “Febre do Rato”

Prêmio da Crítica Internacional
Longa “Um Amor”, de Paula Hernández (Argentina)

Mostra Competitiva Brasileira de Curta-Metragem
Melhor Curta: “Os lados da rua”, de Diego Zon;
Melhor Direção: Roberval Duarte por “Santas” (RJ);
Melhor Roteiro: Luiza Favale, Marcus Vinicius Vasconcelos, Nádia Mangolini e Vanessa Reis por “Realejo” de Marcus Vinícius Vasconcelos;
Melhor Produção Cearense: “Querença” de Iziane Filgueiras Mascarenhas

Cláudio Assis faz vigorosa poesia imagética e arranca aplausos no CineCE

Cine CE chega ao fim hoje. Noite de conhecer vencedores de curta e longa-metragem. Cinema Brasileiro e Iberoamericano. Não acompanhei o festival de forma presencial desde o início pq estava no OLHAR DE CINEMA – Festival Internacional de Cinema de Curitiba -, mas acompanhei via Blog Aurora de Cinema e do programa Cultura & Música (toda segunda na Universitária FM).

Claudio Assis: Theatro José de Alencar lotou para ver Febre do Rato

O que vi do Cine CE na ida ao Theatro José de Alencar foram ótimos curtas exibidos na noite de ontem, e o premiado longa de Cláudio Assis – Febre do Rato.


Casa cheia, silêncio respeitoso, atenção colada na tela, aplausos ao final.
O filme foi o grande vencedor do Festival de Paulínia, em julho passado, e lembro que, à época, o diretor ganhou destaque na imprensa por conta de suas declarações sempre pertinentes e sua inteligência afiada.
Li comentários positivos a respeito do filme e meu querido amigo Rubens Ewald Filho também me falou muito bem do filme em Curitiba. Enfim, fui ver Febre do Rato já munida de muitos aspectos que me fazem renovar uma sintonia com mais um trabalho do arretado pernambucano Cláudio Assis.

Matheus e Irandhyr: atuações magnânimas em filme forte e necessário…

Ademais, o filme conta com dois Atores Espetaculares, queridos do coração: MATHEUS NACHTERGAELE e IRANDHYR SANTOS.

Ambos, são um capítulo à parte nesta obra vigorosa de Cláudio Assis…

FEBRE DO RATO – Um Filme para ser visto e recomendado.

As Santas de Roberval Duarte concorrem no Cine Ceará

SANTAS tem roteiro e direção de Roberval Duarte(muito premiado quando da trajetória de seu ‘Rota de Colisão”, em 1999, em festivais no Brasil e pelo mundo.SANTAStem colaboração no roteiro de Andreza Bittencourt e Suzana Nascimento, que na foto aparece ao lado de Mário André.

Curta de Roberval Duarte é um dos fortes concorrentes no CineCE e deve fazer boa carreira em festivais… 

Roberval Duarte é diretor na Associação Cultural Mundo Brasil, produtor de Circuitos na Programadora Brasil, e um dos sócios da 3 Tabela Filmes

O curta-metragem SANTAS (Brasil / 2012 / HD / 15 min.), dirigido por Roberval Duarte, traz no elenco Sérgio Medeiros, Renato Carrera, Cris Larin, Mario André Medella, Suzana Nascimento, Renato Livera, Marília Martins, Nathália Del Carmen, Renato Peres, Yuna Sá Sampaio, Andreza Bittencourt e Júlia Limaverde.

E após a ótima estreia do filme no festival cearense, Roberval Duarte informa: “Iremos participar, na próxima segunda, da mostra competitiva iberoamericana do Festival de Cine de Huesca (Espanha)”.

Daqui, este AURORA DE CINEMA deseja boa acolhida de público e crítica para SANTAS.

Saravá !!!

Cine Ceará será aberto esta noite no Theatro José de Alencar

 Mais uma edição do evento cultural mais importante do Ceará começa hoje

A agitação em Fortaleza é grande desde ontem no circuito aeroporto-orla. Começam a chegar convidados, realizadores, jornalistas e participantes de mais uma edição do Festival de Cinema que anualmente atrai dezenas de cinéfilos, estudantes, profissionais do setor e curiosos aos espaços onde diversos filmes são exibidos e a entrada é gratuita. Wolney Oliveira e Margarita Hernandez estão no comando.

Cantora chilena Violeta Parra, falecida em 1967, é tema do filme de abertura…

Cine Ceará começa às 20h com abertura solene na mais bela e tradicional casa de espetáculos da capital cearense e o filme a ser exibido hoje é Violeta Foi Para o Céu, abrindo oficialmente a mostra competitiva desta 22a edição. Na tela, a história de Violeta Parra, renomada cantora, compositora, ceramista, tapeceira, folclorista e artista plástica chilena. Co-produção Chile-Argentina-Brasil, o documentário tem direção de Andrés Wood, e foi rodado na Argentina e na França.

Antes da exibição, o ator MARCO NANINI receberá o Troféu Eusélio Oliveira como primeiro grande Homenageado do CineCE deste ano. 

Além disso, o festival vai promover, dias 4 e 5, o II Seminário Audiovisual e Desenvolvimento Sustentável, na Assembleia Legislativa e no Auditório A4 da Universidade de Fortaleza (Unifor).  O objetivo é discutir a criação de métodos mais eficazes e ágeis no processo de fomento a iniciativas culturais, em especial ao cinema brasileiro, e ser ponto de encontro de produtores, realizadores, incentivadores, além de estudantes e apreciadores do cinema brasileiro para dialogar sobre estratégias de desenvolvimento do Audiovisual nas regiões Norte/Nordeste.

O II Seminário Audiovisual e Desenvolvimento Sustentável vai reunir importantes nomes da área da Cultura, dos negócios e da gestão cultural, entre eles Ana Paula Dourado Santana, Secretária do Audiovisual do Ministério da Cultura (MinC), que vai falar sobre ‘A inovação das políticas culturais com vistas à sustentabilidade do audiovisual’.

PROGRAMAÇÃO

SEXTA – 1 de JUNHO

20h – Cerimônia de abertura, no Theatro José de Alencar. Exibição de “Herói Iluminado”. Animação. 5Min. 2012.

Marco Nanini : ator será primeiro grande Homenageado 

20h40 – Mostra competitiva ibero-americana de longa-metragem. Filme: “Violeta foi para o céu”, de Andrés Wood. Ficção. 110Min. 35mm. Chile. 2011.

Amanhã, dia 2/06

10h – Encontro com o realizador de “Violeta foi para o céu”. No Hotel Seara – Auditório Edhessa I.

10h às 13h / 14h às 18h – Workshop de interpretação para cinema, com o oficineiro Sérgio Penna, no Instituto de Cultura e Arte/Universidade Federal do Ceará

15h – Mostra Olhar do Ceará, no Auditório João Frederico Ferreira Gomes – Anexo II da Assembleia Legislativa – Centro Cultural do Parlamento. Filmes: “Jus”, de Marcelo Dídimo. Doc. 18´18″. 2011. “Mulheres da comuna”, de Daiana Gomes. Doc. 20´. 2012. “Próxima parada”, de Samuel Brasileiro. Ficção. 9´. 2011. “Gorgon”, de Felipe Kehdi. Animação. 2´23″. 2011. “Exilados”, de Ana Paula Teixeira. Doc. 20´. 2011. “Maracatucá”, de Vivi Rocha e Irene Bandeira. Doc. 16´. 2011. “Ela pode recorrer”, de Ronaldo Barbosa. Vários. 1´35″. 2011.

15h – Mostra Lucy Barreto, na Casa Amarela Eusélio Oliveira. Filme: “Amor bandido”, de Bruno Barreto. Ficção. 95Min. Brasil. 1981.

17h – Mostra Lutas Sociais na América Latina, na Casa Amarela Eusélio Oliveira. Filme: “É tudo verdade”, de Orson Welles, Bill Krohn, Myron Meisel, Richard Wilson e Norman Foster. Documentário. 89Min. França, EUA, Brasil. 1993.

19h  – Exibição especial, na Casa Amarela Eusélio Oliveira. Filme: “Antônio Conselheiro”, de Walter Lima Pinto. 80Min. 2009.

20h – Mostra competitiva ibero-americana de longa metragem, no Theatro José de Alencar. Filmes: “Distância”, de Sergio Ramirez. Ficção. 75Min. Guatemala. 2011.

“Futuro do pretérito: Tropicalismo now!”, de Ninho Moraes e Francisco César Filho. Documentário. 76Min. Brasil. 2011.

SERVIÇO

22º Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema
Data: 1º a 8 de junho de 2012
Local: Theatro José de Alencar – Fortaleza (CE)
Site oficial: http://cineceara.com / cineholliudy.wordpress.com

Febre do Rato é o longa mais aguardado do CineCE

Novo filme de Cláudio Assis será exibido no Theatro José de Alencar, com a presença do diretor e dos atores Matheus Nachtergaele, Mariana Nunes, Maria Gladys e Tânia Granussi

 

FEBRE DO RATO entra em cartaz dia 22 de junho em São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Belo Horizonte, Porto Alegre e Brasília. O filme participou do Paulínia Festival de Cinema – 2011 e conquistou 8 prêmios: Melhor Filme Ficção – Júri Oficial, Melhor Filme – Prêmio da Crítica, Melhor Ator (Irandhyr Santos), Melhor Atriz (Nanda Costa), Melhor Fotografia (Walter Carvalho), Melhor Montagem (Karen Harley), Melhor Direção de Arte (Renata Pinheiro), Melhor Trilha Sonora (Jorge Du Peixe).
Febre do Rato é uma expressão popular típica do nordeste brasileiro, que significa aquele que está fora de controle. É assim que Zizo, poeta inconformado e anarquista, denomina seu tablóide, publicado às próprias custas. Às voltas com seu universo particular, no qual saciar os desafortunados é uma mistura de benefício com altas doses de maldade, ele se depara com Eneida, consciência contemporânea e periférica, e todas suas convicções parecem ruir. Instaura-se o conflito entre o indivíduo e a coletividade.

Cláudio Assis e Irandhir Santos: presenças no CineCE, que vai movimentar Fortaleza a partir da próxima sexta…

Sobre o diretor Cláudio Assis

Desde o início da carreira como ator e cineclubista em Caruaru (PE) até a direção do primeiro longa, Amarelo Manga (2002), o diretor construiu uma trajetória que inclui a direção e produção de curtas, documentários e longas. Esses últimos são resultado de profunda reflexão sobre a linguagem cinematográfica e seus meios de produção. Sua obra dialoga entre si e constrói um discurso cinematográfico próprio, focado na reflexão do comportamento humano. Seus longas são projetos de baixo orçamento, e entre estes destacam-se Baixio das Bestas (2006), premiado nos festivais de Brasília, Roterdã, Miami e Paris; Amarelo Manga, premiado em Brasília, Toulose (França), Miami e Fortaleza; Chico Science – Retratos Brasileiros (2008), e Vou de Volta (2007).  

FEBRE DO RATO

Brasil, 2011, 110 min, 35mm, p&b, dolby digital
Direção: Cláudio Assis
Produção: Claudio Assis, Julia Moraes e Marcello Ludwig Maia
Produção: executiva Marcello Ludwig MaiaRoteiro Hilton Lacerda
Fotografia: Walter Carvalho
Montagem: Karen Harley

Elenco: Irandhyr Santos, Nanda Costa, Matheus Nachtergaele, Juliano Cazarré, Tânia Granussi, Conceição Camarotti, Mariana Nunes, Maria Gladys, Ângela Leal, Vitor Araújo, Hugo Gila.

Distribuição: Imovision

 

Francisco Lombardi no CineCE

Diretor, crítico, produtor de cinema e tv, o cineasta mais internacional e reconhecido do Peru, Francisco Lombardi nasceu em Tacna em 1949. Em 1968 foi para a Argentina estudar na Escola de Cinema de Santa Fé, fundada por Fernando Birri até sua intervenção pelo governo militar. Voltou a Lima para terminar seus estudos de direção cinematográfica, começando filmar seus primeiros curtas-metragens em 1974.

Em 1977, Lombardi estreou na direção de longas-metragens com Muerte al amanecer, um duro manifesto contra a pena de morte, cujo sucesso comercial e crítico lhe permitiu assumir rapidamente seu segundo longa Cuentos Inmorales. A partir dai Lombardi dirigiu outros 15 longas-metragens. La ciudad y los perros foi o filme que o tornou conhecido no âmbito ibero americano e fez dele um dos principais diretores hispânicos da década. Este filme marcou duas das principais características do seu cinema: o apoio a obras literárias de tema contemporâneo e sua obsessão por denunciar a repressão e as agruras da vida militar.Seu trabalho no cinema tem sido reconhecida em homenagens e retrospetivas em diversos fóruns internacionais, como nos festivais de Havana, Friburgo, Huesca, Trieste, entre outros.

 C:\Users\estacao5\Desktop\20CineCe_AnuncPágSIMPLES.jpg

Filmografia
Muerte al amanecer, 1977
Cuentos inmorales, 1978
Muerte de un magnate, 1980
Maruja en el infierno, 1983
La ciudad y los perros, 1985
La boca del lobo, 1988
Caídos del cielo, 1990
Sin compasión, 1994
Bajo la piel, 1996
No se lo digas a nadie, 1998
Pantaleón y las visitadoras, 1999
Tinta roja, 2000
Ojos que no ven, 2003
Mariposa negra, 2006
Un cuerpo desnudo, 2009
Ella, 2010

Conceição Senna: Livro no CineCE

CineCE Começa na Quinta

  

MURO DE BERLIM no

20º CINE CEARÁ

 

 A 20ª edição do Cine Ceará, a ser realizada de 24 deste a 1º de julho em Fortaleza, terá algumas mostras paralelamente à Mostra Competitiva de longa e curta-metragem. Uma delas é a Mostra Memórias do Muro, que vai retratar uma das fronteiras mais midiáticas da história, o Muro de Berlim, que foi sem dúvidas o símbolo mais visível da Guerra Fria e da divisão do mundo em dois blocos.

 

Com Lúcía Ramos como curadora, a mostra reúne 11 produções, dentre elas documentários e filmes de ficção, que abordam a temática sobre diversas perspectivas, enfocando aspetos da realidade cotidiana e refletindo os conflitos humanos numa cidade e num mundo dividido.

Entre os filmes documentos históricos das cinematografias da Alemanha oriental e ocidental, assim como sete produções inéditas no Brasil. (Confira a programação e as sinopses de cada filme no final deste release). Uma dessas produçõs inéditas é o filme Coelho à Berlinesa, de Bartek Konopka e Piotr Rosolowski, que foi indicado ao Oscar em 2010 na categoria de Melhor Documéntario de Curta-metragem.

 

Stefan Weinert, diretor do filme Contra o Muro, também inédito, é um dos convidados da mostra e tem presença confirmada no evento. Stefan se formou como ator em Colônia e Nova York e estudou cenografia na Escola Superior de Artes Aplicadas de Viena. Desde 2001 trabalha principalmente como ator em produções alemãs e internacionais. Como produtor e diretor realizou os curtas-metragens: Samstag Nacht (2000), The right one (2000) e Always Sergej (2002). O documentário Contra o Muro (Gesicht zur Wand, 2009) é seu primeiro longa-metragem. 

 

O 20º Cine Ceará é uma promoção da Universidade Federal do Ceará, através da Casa Amarela Eusélio Oliveira com apoio do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura e Desporto, e do Ministério da Cultura, através da Secretaria do Audiovisual. A Realização é da Associação Cultural Cine Ceará e conta com patrocínio de empresas públicas e privadas, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura (SIEC) e da Lei Federal de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet).

 

Sobre o Muro de Berlim

 

Levantado em 1961 sem prévio aviso, dividiu a cidade durante 28 anos, deixando um grande número de mortos, separando famílias e ocasionando grandes dramas pessoais. Construído pelo governo da Alemanha Oriental sob o nome de “Muro de Proteção antifascista”, com o objetivo de proteger a República Democrática Alemã da agressão ocidental, deixou a Zona Oriental praticamente isolada e não só tentou bloquear a influência capitalista mas também impediu a emigração dos próprios cidadãos. Sua queda em 1989 representaria o fracasso de uma ideologia e a desaparição de um mundo.

 

Do Muro de Berlim se conserva em pé pouco mais de um quilômetro. O resto virou uma linha de paralelepípedos que cruza a cidade como uma cicatriz quase imperceptível, mas as marcas que deixaram os 28 anos de Muro e os 40 anos da existência de dois estados tem tardado muito tempo em se apagar e evidentemente até hoje desapareceram completamente. À reunificação política de 1990 seguiu um longo processo de integração cultural que ainda não se concluiu. Muito além da divisão da Alemanha em dois sistemas políticos diferentes  foram as respectivas estruturas sociais e mentais que trouxeram consigo este choque cultural. Tanto assim que nos anos seguintes à queda do Muro muitos alemães orientais se sentiam estrangeiros no seu próprio país, e, sobretudo para estes, a reunificação desencadeou uma crise de identidade e uma necessidade de reafirmação semelhante à de um emigrante. Mais do que uma “reunificação” o que aconteceu foi uma quase total absorção do Oriente pelo Ocidente, do Socialismo pelo Capitalismo.

 

Como “perdedores” da Guerra Fria, foram os habitantes do lado socialista os que tiveram que se adaptar a um novo sistema. A velocidade vertiginosa com que aconteceu o desmantelamento da República Democrática Alemã fez que, de um dia para o outro, toda uma geração assistisse ao desaparecimento das suas referencias culturais e à substituição de todos os elementos identificatórios que constituíam sua identidade nacional e sociocultural.

 

PROGRAMAÇÃO MOSTRA MEMORIAS DO MURO

Espaço Unibanco de Cinema Dragão do Mar – sala 2

Sempre às 16h

Dia 25 de junho

PAISAGEM ORIENTAL / ÖSTLICHE LANDSCHAFT / PAISAJE ORIENTAL

INÉDITO
Eduard Schreiber.
Documentário. 13 Min. Alemanha. 1991

DEPOIS DA QUEDA / NACH DEM FALL / DESPUÉS DE LA CAÍDA

Frauke Sandig, Eric Black. Documentário. 85 Min. Alemanha. 1999

Dia 26 de junho

A FRONTEIRA / DIE GRENZE / LA FRONTERA

Franz Winzentsen. Animação. 2.20 Min. Alemanha. 1995

O OUTRO LADO /  DIE ANDERE SEITE / EL OTRO LADO

Ellie Land. Documentário animado. 5 Min. Inglaterra. 2007

 O PANORAMA / DIE AUSSICHT / EL PANORAMA

Kurt Krigar. Documentário. 10 Min. República Federal da Alemanha RFA. 1965

 

COELHO À BERLINESA / MAUERHASE / CONEJO A LA BERLINESA

INÉDITO
Bartek Konopka. Documentário. 39 Min. Polónia/Alemanha. 2009

Dia 27 de junho

CONTRA O MURO / GESICHT ZUR WAND / CONTRA EL MURO

INÉDITO

Stefan Weinert. Documentário. 85 Min.  Alemanha.  2009

 Dia 28 de junho

ADEUS LENIN! / GOOD BYE LENIN! / ADIOS LENIN

Wolfgang Becker. Ficção 121 Min. Alemanha. 2003

Dia 29 de junho

PELOS NOSSOS FILHOS / FLUCHT INS VATERLAND-DER KINDER WEGEN / POR NUESTROS HIJOS

INÉDITO                                                                                                          
Winfried Junge, Hans Kracht.
Documentário. 16 Min. República Democrática Alemã RDA.1965

 O DESTINO DE UM SOLDADO DE FRONTEIRA/ HELDENTOD – DAS SCHICKSAL EINES GRENZSOLDATEN/ EL DESTINO DE UN SOLDADO DE FRONTERA

INÉDITO

Britta Wauer. Documentário. 50 Min. Alemanha. 2001

 

Dia 30 de junho

E TEU AMOR TAMBÉM / UND DEINE LIEBE AUCH / Y TU AMOR TAMBIÉN

INÉDITO

Frank Vogel. Ficção. 92 Min. República Democrática Alemã RDA. 1962

Selecionados do CINE-CE

logo

O Cine Ceará – Festival Ibero-Americano de Cinema, chega à sua 20º edição levando ao público cearense uma parcela significativa da produção de cinema e vídeo ibero-americanos. O festival será realizado em Fortaleza de 24 de junho a 1 de julho, e das 109 produções inscritas, selecionou apenas oito para disputar a Mostra Competitiva de Longa-Metragem.

A lista de longas selecionados inclui três produções brasileiras as quais duas são totalmente inéditas. El último Comandante, de Vicente Ferraz e Isabel Martinez, é um longa de ficção produzido em parceira com a Costa Rica. Outro filme inédito é o documentário Memória Cubana, de Alice de Andrade e Iván Nápoles. 

Estrada para Ythaca, dirigido por Luiz Pretti, Ricardo Pretti, Guto Parente e Pedro Diógenes, diretores cearenses iniciantes, é o outro longa brasileiro que venceu a 13ª Mostra de Cinema de Tiradentes realizada em janeiro deste ano. Outros cinco longas de ficção da Argentina, Costa Rica, Espanha, México e Cuba também estão entre os selecionados. 

Os selecionados concorrem nas categorias de: Direção; Fotografia; Edição; Roteiro; Trilha Sonora Original; Som; Direção de Arte; Ator e Atriz. O vencedor receberá o Troféu Mucuripe e um prêmio no valor de US$ 10 mil (dez mil dólares). 

Longas-Metragens selecionados: 

El último comandante

Ficção. 35mm. 94´. Cor. Brasil/Costa Rica. 2010

Direção Vicente Ferraz e Isabel Martínez

 

Memória Cubana

Documentário. Beta Digital. 71 Min. Brasil/Cuba/França. 2010

Direção: Alice de Andrade e Iván Nápoles

 

Estrada para Ythaca

Ficção. HDV. 70´. Cor. Brasil. 2010

Direção Luiz Pretti, Ricardo Pretti, Guto Parente e Pedro Diógenes

 

O último verão de la Boyita / El último verano de La Boyita

Ficção. 35 mm. 86 Min. Cor. Argentina/França/Espanha. 2009

Direção: Julia Solomonoff

 

Do amor e outros demônios/ Del amor y otros demonios

Ficção. 35mm. 97 Min. Cor. Costa Rica/ Colômbia. 2009

Direção: Hilda Hidalgo

 

A mulher sem piano/ La mujer sin piano

Ficção. 35mm. 95 Min. Cor. Espanha/França. 2009

Direção: Javier Rebollo

 

Alamar/ Alamar

Ficção. HD/ 35mm. 73´. Cor. México. 2009

Pedro González Rubio

 

Lisanka/ Lisanka

Ficção. 35mm. 113 Min. Cor. Cuba/Venezuela/Rússia. 2009

Direção: Daniel Diaz Torres 

 

Para a Mostra Competitiva de Curtas-Metragens a organização do festival recebeu 398 inscrições e foram selecionadas 16 produções brasileiras as quais sete são de São Paulo, cinco do Ceará, duas de Pernambuco, uma do Rio de Janeiro e outra do Rio Grande do Sul. Os filmes selecionados concorrem nas seguintes categorias de: Melhor Curta; Direção; Fotografia; Edição; Roteiro; Som; Direção de Arte; Ator; e Atriz.

 

Curtas-Metragens selecionados:

 

Divino De repente – Fábio Yamaji – SP – ANI

Lugar Comum – Jonas Brandão – SP – ANI

Avós – Michael Wahrmann – SP – FIC

O Som do Tempo – Petrus Cariri – CE – FIC

Cidade Desterro – Gláucia Soares – CE – DOC

Supermemória – Danilo Carvalho – CE – DOC

Vento – Márcio Salem – SP – FIC

Fractais Sertanejos – Heraldo Cavalcanti – CE – DOC

Azul – Eric Laurence – PE – FIC

Ave Maria ou Mãe dos Sertanejos de Camilo Cavalcante – PE – DOC

Ensaios de cinema – Allan Ribeiro – RJ – FIC

Jardim do Beleléu – Ari Cândido – SP – FIC

OUIJA – Marcelo Galvão – SP – FIC

Dona Militana – Hermes Leal – SP – DOC

A Amiga Americana – Ivo Lopes – CE – FIC

Os Amigos Bizarros do Ricardinho – Augusto Canani – RS – FIC

 

Outro curta-metragem que não estará competindo, mas que merece destaque é o Los Minutos, Las Horas, da cearense Janaina Marques Ribeiro, que terá uma exibição Hors Concours no cine São Luis com data a ser definida. O curta é resultado da tese de  fim de curso da escola de cinema de Cuba e esteve na seleção oficial do Cinefondation do Festival de Cannes. 

Saiba mais: www.cineceara2010.com.br  

Mostras

 

Como nas edições anteriores, o Cine Ceará vai agregar às Mostras Competitivas uma programação de seminários, oficinas e mostras especiais, sempre voltadas para a produção do cinema ibero-americano, além de homenagear grandes ícones no cinema nacional e do exterior. 

MEMÓRIAS DO MURO 

Uma das fronteiras mais midiáticas da história, o Muro de Berlim, foi sem dúvida o símbolo mais visível da Guerra Fria e da divisão do mundo em dois blocos.  Sua queda em 1989 representaria o fracasso de uma ideologia e a desaparição de um mundo.

 

A mostra Memórias do Muro reúne um grupo de filmes documentários e de ficção que abordam a temática desde diversas perspectivas, enfocando sobre tudo aspetos da realidade cotidiana e refletindo os conflitos humanos numa cidade e num mundo dividido. Entre os filmes se encontram documentos históricos das cinematografias da Alemanhã oriental e ocidental, assim como produções recentes a maioria inéditas no Brasil. 

DIÁSPORAS: AS FRONTEIRAS DA IDENTIDADE

 

A humanidade viveu desde sempre enormes movimentos. De um continente ao outro, as diásporas tem se sucedido para criar um mundo cada vez mais multicultural. Desde seus primórdios, o cinema tem retratado esses movimentos, documentando-os e recriando-os, em todas as línguas e humores.  

Desde o curta The immigrant, feito por Charles Chaplin em 1917, possivelmente o primeiro filme sobre o tema, a figura do imigrante, o forasteiro, o refugiado, entrou no enorme repertório de personagens cinematográficos. Um resumo, talvez o mais dramático, do homem dos nossos séculos mais próximos: o sobrevivente que reconstrói sua vida longe do país natal.

 

Os documentários que compõem esta mostra transitam por alguns desses temas. A odisséia dos cubanos, jogando-se ao mar, em busca de sonhos, ou a reencontrar seres amados. A luta obstinada das trabalhadoras de Los Angeles, pelos seus direitos mais básicos. A imensa perda cultural e humana na Argentina da Ditadura, devido ao exílio forçoso de seus intelectuais e cientistas. O resumo cósmico da infinita São Paulo, cidade de imigrantes por excelência. A desaparição de algumas fronteiras e a crescente hostilidade de outras. Um mundo onde a identidade cultural a cada passo se questiona, enriquece e reconsidera. Um mundo cada vez mais necessitado de paz, tolerância e aceitação de diferenças. Em suma, um mundo novo.

 

Os Homenageados desta edição:

José Wilker, Patrícia Pillar, Ruy Guerra, um dos mais respeitados cineastas do Brasil, e o peruano Francisco J. Lombardi, premiado diretor conhecido internacionalmente.

Inscrições ao Cine Ceará

As inscrições para as mostras competitivas “Ibero-Americana de Longa-Metragem” e “Brasileira de Curta-Metragem” do XX Cine Ceará podem ser feitas através do site oficial até o dia 30 de abril. O resultado da seleção será divulgado em 15 de maio.

O festival Ibero-americano de cinema é uma iniciativa da Universidade Federal do Ceará que acontece anualmente  em Fortaleza e este ano será realizado de 24 de junho e 1º de julho.

A categoria destinada aos longas acolhe trabalhos em 16mm, 35mm ou vídeo com no mínimo 700 linhas de resolução com duração mínima de 70 minutos, concluídos a partir de junho 2008 por produtores e/ou nativos de países da América Latina, Caribe, Portugal e Espanha.
O melhor filme vai receber prêmio de R$10 mil. Também serão avaliadas as seguintes categorias: direção, fotografia, edição, roteiro, som, trilha sonora original, direção de arte, ator e atriz e prêmio da critica ao melhor filme.

A competição de curtas é aberta a produtores e/ou diretores brasileiros ou radicados no Brasil há mais de três anos. Os filmes devem ter duração máxima de 20 minutos e respeitar os formatos exigidos na categoria de longa. Os trabalhos devem ter sido concluídos a partir de junho de 2008 e não terem participado de processos seletivos nas edições anteriores do Festival.

Para mais informações: site oficial.