Arquivo da tag: Cinema Brasileiro é no #BlogAuroradeCinema

Silvio Tendler lança novo filme e é homenageado na Mostra Ecofalante

Resultado de imagem para mostra ecofalante 2019

O cineasta carioca Silvio Tendler é o grande homenageado da 8ª Mostra Ecofalante, a ser aberta dia 29 (sessão para convidados) e com exibições gratuitas de 30/05 a 12 de junho, em São Paulo. 

Conhecido por documentários de grande repercussão e por retratar personalidades – como os ex-presidentes João Goulart e Juscelino Kubitschek, o cineasta Glauber Rocha e  Milton Santos, considerado como um dos maiores geógrafos do mundo -,Tendler já produziu e dirigiu mais de 80 títulos, entre longas, médias e curtas-metragens, além de séries televisivas.  Temos a honra de ter o mestre Sílvio em participação especial no nosso curta-metragem Resta Um, lançado em 2011. Nesse curta, com roteiro e direção de Aurora Miranda Leão, Sílvio Tendler dá um belo depoimento em defesa do Cinema !

Resultado de imagem para silvio tendler

Na Mostra Ecofalante, que começa na quarta, serão exibidos onze de seus filmes mais  marcantes. 

A programação inclui Dedo na Ferida” (Brasil, 2017, 91 min), grande vencedor da  Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental na categoria ‘Longas’ da Competição Latino-Americana. O filme trata do fim do estado de bem-estar social e da interrupção dos sonhos de uma vida melhor para todos num cenário em que a lógica homicida do capital financeiro inviabiliza qualquer alternativa de justiça social. 

Sílvio Tendler assina duas das maiores bilheterias do cinema documental brasileiro de todos os tempos, presentes na programação. Tendo alcançado 800 mil espectadores nas salas comerciais, “Os Anos JK – Uma Trajetória Política”(Brasil, 1980, 110 min) retrata a eleição de Juscelino Kubitschek, o nascimento de Brasília e o golpe militar. Tem ainda Jango” (Brasil, 1984, 114 min), que refaz a trajetória política de João Goulart, o 24° presidente brasileiro, deposto por um golpe militar nas primeiras horas de 1º de abril de 1964. A obra chegou à impressionante marca de um milhão de espectadores. 

O filme O Fio da Meada (Brasil, 2019, 77 min) estreia no festival. Neste filme, o foco é a luta de povos tradicionais brasileiros contra a urbanização opressora, denunciando a violência no campo e nas comunidades tradicionais. No filme, caiçaras, quilombolas e indígenas lutam para sobreviver e tentar impedir que suas reservas naturais sejam destruídas pelo processo de urbanização. 

O Veneno Está na Mesa (Brasil, 2011, 50 min) retrata como o Brasil é o país que mais consome agrotóxicos no planeta, com 5,2 litros por ano por habitante. Muitos desses herbicidas, fungicidas e pesticidas que consumimos estão proibidos em quase todo o mundo pelo risco que representam à saúde pública.Após impactar o Brasil mostrando as perversas consequências do uso de agrotóxicos, sua continuação, O Veneno Está na Mesa 2” (Brasil, 2014, 70 min), apresenta uma nova perspectiva, na qual atualiza e avança na abordagem do modelo agrícola nacional e suas danosas consequências para a saúde pública.

O filme apresenta experiências agroecológicas empreendidas, com alternativas viáveis de produção de alimentos saudáveis, que respeitam a natureza, os trabalhadores rurais e os consumidores. Por sua vez, “Agricultura Tamanho Família” (Brasil, 2014, 58 min) focaliza como no Brasil, dos quase cinco milhões de estabelecimentos rurais, 4,5 milhões correspondem a iniciativas de agricultura familiar, que se utilizam de estratégias de produção em pleno acordo com o meio ambiente, produzindo a maior parte dos alimentos que chegam à mesa dos brasileiros. Ao lado de “O Veneno Está na Mesa” e “O Veneno Está na Mesa 2”, este filme forma a “Trilogia da Terra” do diretor Sílvio Tendler. 

Quando o mundo estava pautado pelo pensamento único da globalização, o professor Milton Santos foi a voz discordante denunciando as perversidades do que chamou de “globaritarismo”, sistema econômico que provoca a concentração de riqueza entre os ricos e que distribui mais pobreza para os desfavorecidos. O longa-metragem Encontro com Milton Santos ou O Mundo Global Visto do Lado de Cá (Brasil, 2006, 90 min) apresenta a última entrevista do geógrafo, na qual ele traça um painel das desigualdades entre o Norte rico e o mundo do Sul saqueado, apresentando alternativas e um prognóstico otimista sobre o futuro da humanidade.

Resultado de imagem para silvio tendler filmess

Documentário sobre a vida e a morte de Glauber Rocha, o polêmico cineasta baiano que revolucionou o cinema, Glauber o Filme, Labirinto do Brasil (Brasil, 2003, 97 min) traz imagens do seu enterro: depoimentos de quem acompanhou sua trajetória, seu pensamento e idéias, explodem na tela num filme-tributo à memória de um artista que idealizava um cinema independente e libertário. O filme integrou a competição oficial do Festival de Cannes. 

Finalmente, Utopia e Barbárie (Brasil, 2009, 120 min) é um road movie que passa pela Itália, EUA, Brasil, Vietnã, Cuba, Uruguai, Chile, entre outros, documentando lugares e protagonistas da história, a fim de reconstruir uma narrativa do mundo a partir da Segunda Guerra Mundial. Mas tão importante quanto os temas retratados é o olhar do diretor, que vai-se construindo à medida em que o filme vai acontecendo, de maneira a dar voz a diferentes personagens, independentemente de suas orientações político-partidárias, com o objetivo de chegar a um rico painel de nossa época. 

Silvio Tendler e eu EDIT

Jornalista Aurora Miranda Leão e Sílvio Tendler durante festival de cinema em Anápolis

A programação da 8ª Mostra Ecofalante de Cinema ainda traz um ciclo sobre as utopias e o cinema militante pós-68 (com obras assinadas por grande diretores do cinema), o Panorama Internacional Contemporâneo, a Sessão Infantil e o 2º Seminário de Cinema e Educação, além dos novos programas Mostra Brasil Manifesto e Realidade Virtual. 

As atividades da Mostra Ecofalante de Cinema podem ser acessadas através dos seguintes links:

facebook.com/mostraecofalante

twitter.com/MostraEco

instagram.com/mostraecofanlate

www.ecofalante.org.br

 Serviço

8ª Mostra Ecofalante de Cinema

de 30/05 a 12/06

Abertura: 29/05

www.ecofalante.org.br

 

Mercado Audiovisual Nordeste: reta final de inscrição

AUD MAN

Seguem até sexta as inscrições ao 4º MAN – Mercado Audiovisual do Nordeste, que será realizado em Fortaleza de 25 a 28 de junho. Podem participar empresas produtoras, realizadores de trabalhos audiovisuais de todo o país. Os interessados podem inscrever até três projetos para as Rodadas de Negócios, dois para os Pitchings abertos e um para o Encontro Ibero-americano de Coprodução.

Estão confirmados os players: Canal Brasil, GloboNews, Arte 1, Globo Filmes, Canal Curta, TV Record, Boutique Filmes, NBC Universal, Elo Company, Giros, 44 Toons, Bananeira Filmes e Glaz, que tem entre suas realizações o filme “Cine Holliúdy 2”.

Resultado de imagem para mercado audiovisual nordeste

A participação das empresas produtoras e realizadores no 4º MAN é oportunidade para apresentação de novos projetos audiovisuais – como séries e filmes, de uma única vez -, para representantes de vários canais ou plataformas online de exibição durante os Pitchings, de viabilizar novos contratos nas Rodadas de Negócios, e novas parcerias no Encontro Ibero-americano de Coprodução. A curadoria é de Alfredo Manevy, ex-presidente da Spcine e ex-Secretário Executivo do Ministério da Cultura.

Informações e fichas de inscrição estão disponíveis em www.mercadoaudiovisual.com.br. O Iate Plaza Hotel está com tarifa promocional para os participantes. Confira também no site do MAN.

O 4º MAN é apresentado pelo Ministério da Cidadania – Secretaria Especial da Cultura e BRDE. É realizado pela Bucanero Filmes com apoio institucional da Agência de Desenvolvimento do Ceará – ADECE, da Câmara Setorial Audiovisual – CSA e da Universidade Federal do Ceará através da Casa Amarela Eusélio Oliveira. Conta com parceria da BRAVI.

SERVIÇO

4º MAN – Mercado Audiovisual do Nordeste – Inscrições até 24 de maio. O MAN será de 25 a 28 de junho de 2019 na sede do BNB, em Fortaleza (Av. Dr. Silas Munguba, 5700, Passaré – Fortaleza/CE). Informações: www.mercadoaudiovisual.com.br. Contatos: organizacao@mercadoaudiovisual.com.br

As Duas Irenes traduz a verve de um contador que faz história para saudar o feminino !

Irenes 2

As Duas Irenes, filme que levou 4 Kikitos em Gramado e foi aplaudido na concorrida mostra Berlinale do festival de cinema alemão, estreou na quinta em todo o país. Hoje ele será exibido no cinema do Centro Dragão do Mar, em Fortaleza, e, após a sessão, haverá debate com a presença do diretor e de suas duas atrizes, Priscila Bittencourt e Isabela Torres.

O filme tem direção, roteiro e produção (junto com Diana Almeida) de Fábio Meira. As garotas da história são filhas do mesmo pai, mas pertencem a diferentes famílias. Uma descobre a outra e é o primeiro passo para uma aproximação. As duas tem a mesma idade e atravessam as mesmas etapas de vida: o primeiro beijo, o primeiro namorado.

Resultado de imagem para as duas irenes

A história que inspirou Fábio Meira é real: o avô do diretor tinha duas filhas com o mesmo nome. Sua tia nunca quis conhecer a meia-irmã. Ele conta que descobriu a história aos 13 anos, e por volta dos 30 começou a imaginar um roteiro de cinema – E se as duas se encontrassem, o que ocorreria ? Passaram-se 7 anos até que Fábio se decidisse a tornar a história literatura e conseguisse levá-la à telona:

“Na verdade, o filme trata de identidade. Desde a infância, a gente se transforma muito, acho que isso acontece com todo mundo. Então, a Irene que vai em busca da irmã pode ser, ao mesmo tempo, várias Irenes, porque ela vai se transformar, e está se transformando intensamente naquele momento da vida”, afirma Fábio Meira.

Resultado de imagem para as duas irenes

Duas protagonistas, a maioria de coadjuvantes, a diretora de fotografia, a diretoria de arte, a montadora. Foi assim, cercado de mulheres, que Fábio Meira produziu e realizou seu aplaudido As Duas Irenes. “Não foi intencional. Fui criado em uma família de mulheres muito fortes e interessantes. Isso é muito orgânico. Sempre convivi mais com mulheres do que com homens. Não escolhi essa equipe por ser formada por mulheres”, afirma o diretor.

Fábio e elas

Fábio Meira e suas atrizes: “As Duas Irenes é um filme feminista, mas de forma natural, sem querer ser panfleto.”

Fábio Meira diz ainda que As Duas Irenes “é uma história muito íntima, mas é também uma história que depende muito do entorno. No filme uma das casas é aconchegante, colorida, e a outra tem poucas cores e é muito estéril. Acho que o formato ajuda a pensar essa relação delas com o espaço. Isso era muito importante pra mim, porque a gente é um reflexo da casa onde a gente nasce, da família onde a gente nasce. Com certeza o espaço é decisivo na nossa formação de identidade.”

irenes 3

O resultado dessa história que Fábio Meira conheceu na adolescência e transformou em ficção, e desse ajuntamento de mulheres num set de cinema, está num filme belo, forte e poético que você, leitor fiel do #blogauroradecinema, precisa conhecer.

E deve ir ao cinema logo, pois filme brasileiro que não faz um número X de espectadores na primeira semana, sai de cartaz. Portanto, não deixe para amanhã este filme que você pode (e deve) ver hoje !

Resultado de imagem para as duas irenes

Fábio Meira: consagrado em Gramado, diretor assina roteiro e produção de Duas Irenes e coleciona críticas positivas em todo o país !

“Interessante que algumas pessoas da minha família, que estão vendo o filme agora, não sabiam que meu avô teve duas filhas, com mulheres diferentes, e colocou o mesmo nome nelas”, diz Fábio, citando a influência do notável dramaturgo russo Anton  Tchecov: “Ele aborda muito a questão das coisas que não são ditas, e que fazem os tabus perpetuarem.”

No elenco de As Duas Irenes, Priscila Bittencourt, Isabela Torres, Marco Ricca, Suzana Ribeiro, Inês Peixoto, Teuda Bara, Marcela Moura, Ana Reston e Maju Souza.

Resultado de imagem para as duas irenes

Fábio Meira ladeado por mulheres: equipe celebra KIKITOS de As Duas Irenes.

SERVIÇO:

Exibição do filme As Duas Irenes, de Fábio Meira

Onde: Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura

Horário: 19h         #VamosaoCinema !

Confira o trailler: https://www.youtube.com/watch?v=gMkcei9ADQA

Euclides Moreira Neto autografa hoje livro-homenagem aos 40 do Guarnicê !

Euc livro Guarnecendo Memórias. Este é o título do livro-homenagem que o professor/cineasta/pesquisador Euclides Moreira Neto autografa esta noite no Centro de Criatividade Odylo Costa Filho, no aconchegante centro histórico de São Luis, a partir das 18h.  A noite de autógrafo integra a programação dos 40 anos do Festival Guarnicê de Cinema, do qual o professor Euclides Moreira foi o mais profícuo dos coordenadores.

O livro foi lançado no último dia 2 de junho com apoio da Universidade Federal do Maranhão e do Instituto Guarnicê por ocasião da solenidade de abertura do Festival Guarnicê.

Guarnecendo Memórias é assinado pelo jornalista, Mestre em Comunicação Social e doutorando em Estudos Culturais pela Universidade de Aveiro (Portugal), Euclides Moreira Neto, que participou efetivamente das 31 primeiras edições do referido festival, como concorrente e coordenador, posteriormente. O livro Guarnecendo Memórias reúne 26 depoimentos primorosos de protagonistas do festival audiovisual maranhense, os quais relatam experiências e momentos singulares propiciados pelo Festival Guarnicê. Entre os colaboradores, nomes muitos atuantes no meio cultural maranhense e brasileiro, tais como Alice Gonzaga, Joaquim Haickel, Murilo Santos, Cecília Leite, Aurora Miranda Leão, Amélia Cristina, João Ubaldo de Moraes, Breno Ferreira, Nerine Lobão e Mário Cella.

Falando sobre o livro, o Chefe do Departamento de Comunicação Social da UFMA, Protássio Santos, afirma: “A cada ‘capítulo’ o tempo salta e envolve o leitor, ‘levando-o a reviver todo um diálogo onde o autor e os demais convidados, que violaram suas memórias dando depoimentos primorosos, são protagonistas e narradores”. O professor Doutor Protassio diz ainda que os relatos descritos em Guarnecendo Memórias nos dão a certeza de que o que aconteceu em São Luís por conta do Guarnicê – nas décadas de 70, 80 e 90 do século passado e nos primeiros anos deste século -, “não são coisas do passado e sim a história viva e aguerrida de grande significado atual para nós que vivemos e fazemos a cultura deste estado”.

Euclides e eu 15 ago 15 - Cópia

Aurora Miranda Leão e Euclides Moreira Neto: amizade nascida no Guarnicê…

E conclui: “Euclides Moreira Neto nos permite, com suas lembranças e “outros  testemunhos férteis”, ver a vida como “uma peça em andamento”, e “fazer o hoje melhor do que o ontem que não conseguimos realizar”. O livro Guarnecendo Memórias nos faz confrontar sentimentos e lutas que ainda habitam em nós, finaliza o professor Protássio Santos, titular do DCSo/UFMA.

RESGATE E HOMENAGEM

Euclides Moreira Neto conta que quando decidiu escrever o livro, o sentimento que lhe moveu foi o de trazer à tona lembranças de fatos e acontecimentos que vivenciou durante sua trajetória na comunidade acadêmica, a qual ele dedicou toda sua competência como gestor público, fazendo da UFMA uma referência no campo cultural nas décadas de 1980, 1990 e nos primeiros anos dos anos 2000, quando aquela Instituição de Ensino Superior era vista como vanguarda no movimento cultural maranhense e do Nordeste.

Euc autog

Euclides Moreira Neto faz importante resgate histórico do cinema no Maranhão…

Além disso, Euclides diz ter se sentido provocado a prestar contas de sua atuação como gestor e das cumplicidades vividas no campo acadêmico com pessoas de todas as áreas de atuação. Por isso, ao convidar tantos amigos para expressarem suas impressões em relação ao Guarnicê, Euclides também se viu imbuído da ideia de homenagear aqueles tantos com quem partilhou momentos, alegrias, ideias e projetos audiovisuais, eles todos irmanados como construtores de sonhos.

Quando o festival Guarnicê foi criado, em 1977, só havia 2 universidades no Maranhão, a UFMA e a UEMA, e em nenhuma dessas havia cursos ligados ao audiovisual, por isso o festival assumiu um papel vital para manter vivo o movimento audiovisual em terras maranhenses.

Guarnicendo Memórias, lançado pelo selo da editora da UFMA (EDUFMA), tem 376 páginas, e sua primeira edição está sendo impressa na Gráfica Minerva com prefácio do também jornalista e pesquisador de cultura popular, Herbert de Jesus Santos, que afirma em seu depoimento: “Desejamos que Guarnecendo Memórias atinja a culminância traçada pelo seu idealizador, já ele, por assim dizer, sabatinado nos versos do alteroso “I-Juca-Pirama”, ou o monumental poema épico americano, de Gonçalves Dias, colocando voz no chefe Timbira para o guerreiro Tupi: “(…) Dize-nos quem és, teus feitos canta,/ou se mais te apraz, defende-te! (…)”, ou, no popularizado e, também, demasiadamente, repetido, por nós: “Diga com quem andas, e eu te direi quem és!”.

Para Herbert, há muitos outros ditos da coleção maranhense nos quais se pode encaixar, perfeitamente, este entusiasta e reluzente Guarnecendo Memórias, de Euclides Moreira Neto. Mesmo ele, modestamente, avisando aos navegantes que “O tema não se encerra com essa narrativa, porém, que ela seja motivadora, para que outras narrativas venham à tona e delas surjam frutos benéficos para outros se inspirarem”. E arremata: “O Mundo é minha provocação!”.

*O conteúdo do novo livro de Euclides Moreira Neto já está disponibilizado ao público pela plataforma digital da Editora EDUFMA.

Theatro lotado menor

Theatro Arthur Azevedo, Patrimônio do Maranhão, lotado em noite de Cinema na edição Guarnicê 2008…

SERVIÇO 

O QUÊ: Noite de autógrafos do livro Guarnecedendo Memórias

QUANDO: 09 de junho de 2017, às 18 horas

ONDE: Centro de Criatividade Odylo Costa Filho – Centro Histórico de São Luís.

Com depoimentos de: Alice Gonzaga, Amélia Cristina, Aurora Miranda Leão, Arly Arnaud, José Guterres Filho, Joaquim Haickel, Mário Cella, Murilo Santos, Cecília Leite, Luís Carlos Cintra, Bertrand Lira, Breno Ferreira, Joaquim Santos, Miguel Veiga, Francisco Colombo, Nerine Lobão, João Ubaldo de Moraes, Fábio Eneas, José Maria Eça de Queiroz, Raimundo Nonato Medeiros, Renato Alexandre Ferreira, Frederico Machado, Ralf Tambik, Wilson Chagas, Celso Brandão, Isa Albuquerque e outros.

ENTRADA FRANCA

 

Um internacional FLERTE Brasileiro…

O curta-metragem FLERTE, que venceu a concorrida premiação da Academia Brasileira de Cinema como Melhor Curta de Ficção, é mais um concorrente brasileiro que estará na tela de Los Angeles em setembro.

O filme, produzido pelo ator e produtor Márcio Rosário, conta a história de dois homens que se conhecem numa festa e acabam a noite na casa de um deles. Dirigido por Hsu Chien Hsin, o filme deve estrear por aqui mês que vem mas a estreia internacional será em Los Angeles durante o festival LABRFF (Los Angeles Brazilian Film Festival), um dos mais concorridos dos Estados Unidos.

A seleção de FLERTE deixou toda a equipe muito feliz: “Todo mundo se dedicou muito para que o curta fosse realizado, pois fazer cinema no Brasil é difícil, ainda mais sem dinheiro”, afirma o produtor, Márcio Rosario. “É um filme com temática forte e com um tema delicado. Mas, independente disso, poderia ser uma história sobre um homem e uma mulher ou sobre a relação entre duas mulheres”, diz Marcio. 

MR e prêmio

Márcio Rosário e o troféu da ABC: FLERTE agraciado !

FLERTE também tem convites para participar de outros 3 festivais na Europa e outros dois na América do Norte.

Confira aqui o teaser de FLERTE:

FICHA TÉCNICA

Roteiro e Direção: Hsu Chien
Elenco: Vinícios Olivo, Pedro Ramoa, Paulo Campani e Rodrigo Fonseca 
Produtor: Marcio Rosario 
Diretor de Fotografia: Dante Bellutti 
Arte: Maria Villar Leite 
Montagem: Estevão Meneguzzo 
Som: Yuri Ludman 
Finalização: Keila Borges 
Realização: Três Tons Visuais e Gorila Filmes

MR esta

FLERTE: o produtor Márcio Rosário, o editor Estêvão Meneguzzo e o diretor Hsu Chien, vencedores da concorrida premiação da Academia Brasileira de Cinema na noite de 26 de agosto…