Arquivo da tag: cinema brasileiro em Cannes

Palma de Ouro: Walter Salles e Nelson Pereira dos Santos em Cannes

Com o novo filme, Na estrada, diretor vai competir com David Cronenberg e Ken Loach.

O festejado cineasta brasileiro Walter Salles, com o filme Na estrada, disputará a Palma de Ouro do 65º Festival de Cannes, que começa dia 16 de maio.

Na estrada tem no elenco Sam Riley, que dá vida ao alter ego de Jack Kerouac, Garret Hedlun, que encarna Dean Moriarty, inspirado no escritor Neal Cassady, Kristen Stewart (a estrela da saga “Crepúsculo”), que interpreta a esposa de Moriarty, Kirsten Dunst e Viggo Mortensen.

Criador de Terra Estrangeira, Central do BrasilAbril DespedaçadoDiários de motocicleta, Walter Salles é um colecionador de prêmios mundo afora:  venceu o Urso de Ouro em Berlim e acumula diversas outras estatuetas. Na Estrada começou a ser rodado em 2010, inspirado no clássico beatnik “Pé na estrada” (“On the road”). A adaptação do livro de Kerouac relata uma viagem pelos Estados Unidos no fim dos anos 40, repleta de drogas, sexo, álcool e aventuras.

Walter Salles já tinha experiência com um road movie, pois retratou a viagem do jovem médico Erneto Che Guevara pela América Latina em “Diários de motocicleta”, também exibido em Cannes, em 2004.

O cineasta Francis Ford Coppola (“O Poderoso chefão”, “Apocalypse Now”) comprou os direitos do livro de Kerouac em 1979 e tentou diversas vezes filmar a obra, que definiu a geração beat dos Estados Unidos, mas o projeto nunca encontrava financiamento. Depois de assistir Diários de motocicleta, Coppola escolheu Walter Salles para dirigir o filme.

O roteirista de Na estrada é o portorriquenho José Rivera, que trabalhou com Salles em “Diarios de Motocicleta”.

O diretor brasileiro Walter Salles e o ator Viggo Mortensen conversam no set do longa 'Na estrada' (Foto: Divulgação)
Walter Salles e o ator Viggo Mortensen conversam no set de ‘Na estrada’ (Foto: Divulgação)

Além do filme de Walter Salles, o cinema do Brasil será o convidado de honra do 65º Festival de Cannes, anunciaram os organizadores do evento.

O filme mais recente de Nelson Pereira dos Santos, A música segundo Tom Jobim, será exibido em sessão especial, como parte da presença de honra brasileira no Festival.

Outro cineasta latino-americano, o mexicano Carlos Reygadas, também disputará a Palma de Ouro, com o filme “Post tenebras lux”.

Entre os 20 filmes que integram a mostra principal do maior festival de cinema do mundo, estão “Like someone in love”, do iraniano Abbas Kiarostami, “Cosmopolis”, do canadense David Cronenberg e com o astro do momento Robert Pattinson, e “Mud”, do americano Jeff Nichols, assim como “Amour”, do austríaco Michael Hanek.

Ator Viggo Mortensen em cena do filme 'Na estrada' (Foto: Divulgação)
Ator Viggo Mortensen em cena do filme ‘Na estrada’
(Foto: Divulgação)

O britânico Ken Loach, que já apresentou 16 filmes em diversas mostras de Cannes, competirá pela Palma de Ouro com “The angel’s share”.

A Itália estará presente com “Big house” de Matteo Garrone, que foi premiado em Cannes em 2008 com “Gomorra”. O presidente do júri da mostra oficial, Nanni Moretti, pode ser sensível ao tema do longa-metragem: a televisão italiana sob Berlusconi.

Três filmes franceses também foram selecionados: “Vous n’avez encore rien vu”, de Alain Renais, “De rouille et d’os”, de Jacques Audiardy, e “Holly motors”, de Leos Carax .

Walter Salles: mais uma vez no Festival de Cannes…

O filme de Wes Anderson “Moonrise kingdom” (Edward Norton, Bruce Willis, Bill Murray, Frances McDormand e Tilda Swinton) abrirá o Festival, onde será exibido fora de concurso o filme de animação “Madagascar 3″”.

Entre os atores esperados na Riviera estão Nicole Kidman, Brad Pitt e a francesa Marion Cotillard.

“Thérèse Desqueyroux”, que o francês Claude Miller concluiu pouco antes da morte, no início de abril, encerrará o festival, dia 27 de maio.

Amor e Abandono Voltam ao Foco de Karim

 KARIM AÏNOUZ Lança O ABISMO PRATEADO em CANNES 

Foto: Mauro Pinheiro Jr. / Divulgação
 
A sala completamente cheia do Palais Stephanie teve poucas desistências durante a projeção de “O Abismo Prateado”, do brasileiro Karim Aïnouz, exibido na tarde desta terça-feira (17), na Quinzena dos Realizadores, mostra paralela do Festival de Cannes 2011. E olha que o filme ousa na estrutura, basicamente abdicando de uma narrativa clássica e colando na protagonista Violeta durante a hora e meia de projeção.

Inspirado na canção Olhos nos Olhos, de Chico Buarque, uma carta de uma mulher para o homem que a abandonou, Aïnouz construiu uma narrativa bastante visual sobre as horas dessa mulher (Alessandra Negrini), depois de receber um recado do marido no celular dizendo que quer se separar.

O diretor faz o espectador embarcar em uma jornada pelos estados emocionais de Violeta. Primeiro revoltada, depois numa aflição contida para confrontar o homem e só bem mais tarde finalmente caindo em prantos, o filme é um diálogo de Violeta com si mesma, como ela lida com o abandono durante essa noite e como descobre um horizonte.

Negrini luta com o personagem nos momentos de revolta e aflição contida e vai melhor quando a personagem admite sua perda. Diretor de “Madame Satã”, “O Céu de Suely” e “Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo”, em parceria com Marcelo Gomes, Aïnouz faz um filme pequeno, mas cheio de significado.

 

Cena de “O Abismo Prateado”

O diretor falou ao iG após a projeção.

iG: É interessante como o choro demora a vir para a personagem.
Karim Aïnouz:
Violeta é uma mulher corajosa. Ela não teve a chance de olhar no olho do marido, ele deixa um recado no celular. Eu não queria que o filme fosse de historinha, queria apreender esse personagem, que o público sentisse suas ondas, suas sensações. Ela começa indignada, fica com raiva, depois desespero. O choro vem depois. Era muito importante para mim que fosse uma mulher forte, não uma vítima.

iG: Essa coragem seria um contraponto ao marido, que tem uma atitude covarde?
Karim Aïnouz:
Sim. Mas também não tem bem e mal. Eu tenho dificuldade de escrever vilões. As histórias amorosas podem acabar e, às vezes, a gente lida com graça, às vezes, de forma ruim. Ele não deu conta. Quis ainda discutir a masculinidade. Homem de verdade não faz isso, é uma atitude de garoto. Quis falar de uma masculinidade latina específica.

iG: Quando a Violeta encontra a menininha no banheiro da praia, e ela sai com o pai, dá a impressão de que algo errado está acontecendo ali, que ele é um pedófilo, algo assim.
Karim Aïnouz:
Fiz de propósito! Quis brincar com o espectador, mostrar que nem tudo vai dar merda, que a vida pode ser OK. Não digo que o filme seja otimista, mas quando comecei estava com saudade daquela magia misteriosa, de uma aura de encantamento, que existe em filmes como “Noites de Cabíria”. Quis experimentar, que o filme tivesse ar. Não é um “happy end”, mas queria tentar recuperar isso para o cinema brasileiro. Para mim sempre foi importante o impacto político. Mas agora queria deixar esse ar de possibilidade, de otimismo. Acho que é um reflexo de certo estado de coisas. Também queria que fosse um filme de 2011, menos narrativo. É uma história banal, meu interesse é que as pessoas entrem num fluxo com o personagem.

iG: Todas essas coisas vão influenciar seu próximo filme, “Praia do Futuro”?
Karim Aïnouz:
Com certeza. Estou mais interessado na ação física. Cinema é tempo, espaço, som e ação. Estou revendo todo o roteiro, porque cinema falado é do século passado. Gostei desse filme “destramado”, em que nenhuma cena é essencial, mas juntas criam um tom.

* Mariane Morisawa, enviada especial a Cannes