Arquivo da tag: cinema e literatura

ARGENTINA: Cinema e Literatura em mostra no CCBB carioca

 Antologia Visual da Argentina: Cinema e Literatura reúne série de 15 filmes 
O Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro, em parceria com a Embaixada da Argentina, vai exibir de 28 deste a 2 de setembro, a mostra Antologia Visual da Argentina: Cinema e Literatura, uma série de filmes que apresenta a relação entre filmes argentinos e clássicos da literatura deste País.
 
A mostra destina-se a fornecer uma visão ampla da rica e variada relação entre literatura e cinema argentinos, dividida em três temas: clássicos do cinema argentino, documentários sobre quatro escritores emblemáticos (Borges, Cortazar, Puig e Sábato) e um panorama sobre o cenário atual do cinema contemporâneo.
 
Na seção de clássicos argentinos, destaca-se o filme Rosaura a Las Diez, de Mauro Soficci, considerado pela crítica um dos melhores filmes argentinos de todos os tempos. Soficci ficou conhecido por narrar as histórias apresentando os diversos pontos de vista de cada personagem.
 
 
 
Dentro da retrospectiva histórica, destaca-se ainda o filme No Habra mas Penas Ni Olvidos, adaptação da novela homônima do escritor argentino Osvaldo Soriano. A história propõe um olhar crítico e humorístico da realidade política argentina. Este filme recebeu vários prêmios internacionais, entre eles o Urso de Prata – Prêmio especial do Júri no Festival de Cinema de Berlim em 1984.
A mostra conta também com série de cinco documentários sobre reconhecidos autores argentinos: Borges, Cortazar, Puig e Sábato.
 
 
 
No recorte contemporâneo da mostra, serão exibidos os filmes Ernesto Sábado, Mi Padre e Dormir ao Sol, que ainda não estrearam no Brasil. Haverá também sessões do filme Las Viudas de Los Jueves, um dos filmes recentes com a maior bilheteria do cinema argentino.
 
Outro destaque da mostra é o filme Mentiras Piadosas, de Diego Sabanés, que recebeu Menção Especial do Júri no Festival Cinesul pela “sua excelência na encenação e sua capacidade de diálogo com a tradição narrativa latino-americana”.
 
Clássicos do Cinema Argentino
 
Rosaura a las diez, de Mario Soficci (1958, 100 mim, Livre) – Camilo é um pensionista tímido e pouco atraente envolvido com uma misteriosa mulher chamada Rosaura. Um assassinato perturba esta relação, contado pela ótica de vários personagens. Um dos melhores filmes do cinema argentino, baseado no romance homônimo de Marco Denevi.
 
La cifra impar, de Manuel Antin (1962, 85 min, Livre) – Um filme, baseado em contos de Cortázar, que trata do presente atrelado a um passado latente, alem de traições e morte como pano de fundo.
 
Juan Moreira, Leonardo Favio (1973, 105 min, 14 anos) – Juan Moreira é um bom gaucho trabalhador abusado pelos poderosos, o que levou a transformar-se em um “mau gaucho” despertando ódio e admiração na Argentina do final do Século XIX. Baseado no romance de Eduardo Gutierrez.
 
No habrá más penas ni olvidos, de Hector Oliveira (1984, 80 min, 18 anos) – Na fictícia localidade de Colônia Vela, a luta entre peronistas de esquerda e direita tem imprevistas consequências. Uma deliciosa comedia dramática escrita por Osvaldo Soriano.
 
Ultimos dias de la víctima, de Rodolfo Aristarain (1982, 90 min, 18 anos) – Um assassino cumpre uma nova missão, porém se envolve com a vítima de forma obsessiva. Baseado em romance homônimo de José Pablo Feinmann.
 
 
 
Grande escritor argentino Jorge Luiz Borges é tema de documentário…
 
 
Documentários: Visão do escritor Borges y nosotros, Omar Quiroga (2007, 40 min, Livre) – O documentário indaga, através de diferentes testemunhos, os diversos aspectos da vida do escritor, dentro e fora do âmbito literário.
Cortázar, de Trístan Bauer (1994, 60 min, livre) – Documentário sobre o escritor argentino Julio Cortázar com abundante material de arquivo, protagonizado pelo próprio escritor.
Ernesto Sábato, mi padre, de Mario Sábato (2011, 101 min, Livre) – É um retrato íntimo, comovedor e único do escritor Sábato, realizado por seu filho: o cineasta Mario Sábato.
 
 
Grande ícone mundial, o argentino Che Guevara também está na tela…
Los libros y la noche, Trístan Bauer (2011, 78 min, Livre) – Uma aproximação do universo de Borges através da recriação de alguma de suas obras magistrais, e a cinematografia de vários aspectos de seus brilhantes pensamentos e sua própria vida.
Puig, paisajes de voces, de Silvia Hopenhayn e Marcello Laccarino (1998, 52 min, livre) – Retratos íntimos de Manuel Puig, autor de O beijo da mulher aranha, com as vozes de seus vizinhos de seu povoado natal.
 
Cinema Contemporâneo
La mirada invisible, de Diego Lerman (2010, 97 min, 16 anos) – Em Buenos Aires, durante os dias prévios à guerra das Malvinas, vemos o ponto de vista de uma professora que persegue um aluno desobediente e pouco a pouco faz disso um hábito obscuramente excitante. Baseado no romance Ciencias Morales de Martin Kohan.
Las viudas de los jueves, de Marcelo Piñero (2009, 122 min, 16 anos) – Num condomínio fechado e aparentemente perfeito, três cadáveres aparecem flutuando na piscina. Certezas começam a desmoronar-se, desmentindo a crença de que a prosperidade é eterna e de que a abundância equivale à felicidade. Baseado no romance homônimo de Claudia Piñeiro.
Dormir al sol, Alejandro Chomsky (2011, 84 min, 14 anos) – Um relojoeiro e sua mulher internada num Instituto Psiquiátrico. O real se confunde com o imaginário, o sonho com a vigília e a loucura com a lucidez até culminar com um desconcertante final. Baseado no romance homônimo de Adolfo Bioy Casares.
 
Paulo Autran e Gael Garcia Bernal em cena de O Passado, de Hector Babenco…
El pasado, de Hector Babenco (2007, 114 min, 14 anos) – Logo após uma separação, um homem terá erráticas tentativas para recompor sua vida sentimental. Cada uma das mulheres que aparecerão em seu caminho será forçada a distanciar-se dele. Baseado no romance homônimo de Alan Pauls.
Mentiras piadosas, de Diego Sabanés (2008, 100 min, 14 anos) – Um irmão desaparece em Paris. Seus irmãos o reinventam. É a história de uma casa que vai sendo desmantelada para sustentar um sonho. É, de algum modo, uma história de fantasmas. Baseado em contos de Cortázar.
 
Rio de Janeiro 28.08 a 02.09      
 
28/08 – terça
15h Los Libros y la Noche (el universo de Jorge Luis Borges)  Direção de Tristán Bauer (78 min)  LIVRE
17h Rosaura a las diez    Direção: Mario Soficci (100 min)   LIVRE
19h La mirada invisible  Direção: Diego Lerman  (97 min) 16 anos
21h Mentiras piadosas    Direção: Diego Sabanés  (100 min) 13 anos
29/08 – quarta
15h Cortázar   Direção:Tristán Bauer  (60 min)    LIVRE
17h La cifra impar     Direção: Manuel Antin  (85 min)   LIVRE
19h El pasado  Direção: Héctor Babenco   (114 min)  13 anos
21h Las viudas de los jueves  Direção: Marcelo Piñeiro  (122 min) 16 anos
30/08 – quinta
15h Ernesto Sábato, mi padre Direção: Mario Sábato (101 min)    LIVRE         
17h Juan Moreira  Direção: Leonardo Favio  (105 min)            14 anos
19h Mentiras piadosas    Direção: Diego Sabanés  (100 min) 13 anos
21h El pasado  Direção: Héctor Babenco   (114 min)  13 anos
31/08 – sexta
15h Dormir al sol  Direção: Alejandro Chomsky  (84 min)    13 anos           
17h No Habra mas penas ni Olvidos   Direção : Héctor Olivera (80 min) 18 anos
19h Las viudas de los jueves  Direção: Marcelo Piñeiro  (122 min) 16 anos
01/09 – sábado
16h Puig, paisajes de voces    Direçao: Silvia Hopenhayn e Marcello Iaccarino (52 min) LIVRE
17h Ultimos dias de la víctima     Direção: Rodolfo Aristarain (90 min)     18 anos
19h Dormir al sol       Direção: Alejandro Chomsky  (84 min)    13 anos           
21h Las viudas de los jueves  Direção: Marcelo Piñeiro  (122 min) 16 anos
02/09 – domingo
16h Borges y nosotros Direção: Omar Quiroga   (40 min.)   LIVRE   
17h Rosaura a las diez    Direção: Mario Soficci (100 min)   LIVRE
19h La mirada invisible  Direção: Diego Lerman  (97 min) 16 anos
21h Puig, paisajes de voces Direçao: Silvia Hopenhayn e Marcello Iaccarino (52 min) LIVRE

Elza Soares, Beirute e Chico Anysio nas letras de Miguel Jorge

O escritor, poeta, roteirista e homem de todas as Letras, MIGUEL JORGE, amigo de quem tenho sempre saudades, escreve e conta-me o que anda fazendo, apesar das dificuldades que a turma trabalhadora da área cultural vem enfrentando, e parece que cada dia mais, no mesmo passo em que aumentam os casos escabrosos de corrupção no país.

Pois olhe que, apesar de todos os senões, o danado de meu querido e irrequieto Miguel Jorge vem fazendo uma porção de coisas, ou melhor, vem criando uma série de ilhas culturais incríveis, como ele me conta via e-m. Vejam só:

Oi Aurora, também com muitas saudades de você, dos nossos encontros, dos nossos filmes relâmpagos, somente você pode fazer tais coisas.

….. Mas, em todo caso, vou fazer, em setembro, talvez no dia 20, no Shopping Bougainville, o lançamento do meu romance Minha Querida Beirute, e no dia 18 de outubro, no mesmo Bougainville, faço a estréia do meu musical Elza Soares: Você Sabe Sambar, com grande elenco, cantoras e músicos. Terminei de escrever, a pedido do humorista Juquinha: Chyco Anizio: Sou, espetáculo em homenagem ao gênio do humor – o Juquinha pretende fazer a estréia no Rio de Janeiro, no próximo ano,  é o que posso fazer neste momento, grande abraço.

Miguel Jorge
 
 

MIGUEL JORGE é uma criatura tão ímpar, um criador de tanta capacidade, competência, sensibilidade e inquieta capacidade criativa, que costuma afinar-se muito rápido com qualquer ideia onde ele sinta vicejar possibilidades artísticas.

Foi por isso que ele se dispôs prontamente a participar de dois curtas-metragens AURORA DE CINEMA, rodados em Goiânia e em Anápolis, em 2010 e 2011.

Assim, eu tenho a honra de contar com a participação sempre incisiva, libertária e fluentemente criativa deste Poeta MIGUEL JORGE nos curtas RESTA UM e O SUMIÇO DE ALICE, roteiro e direção da jornalista Aurora Miranda Leão que redige estas linhas.

 
 
Miguel Jorge e grande turma na sexta edição do FestCine Goiânia, novembro de 2010…
 

O RESTA UM, que nasceu de uma ideia repentina que tive na segunda noite do Festival de Goiânia, em 2010, quando tentávamos encontrar um lugar pra papear e tomar um vinho – eu, INGRA LIBERATO, o ator Samuel Reginatto e o cineasta Júlio Lélis, ganhou imediata adesão de MIGUEL JORGE, tão logo lhe contei como seria o roteiro. O escritor na mesma hora pensou em adereços e cenários para compor a trama. E, na última noite do festival (porque não houve tempo hábil antes disso), ainda nos deu um depoimento incrível, coroando de beleza e sensibilidade o nosso RESTA UM.

 
 

Já no curta O SUMIÇO DE ALICE, a participação de MIGUEL JORGE foi ainda mais espontânea e inusitada. Eu estava há dias rodando em Anápolis um curta que nasceu de nosso passeio a Pirenópolis… e todos que foram ao passeio toparam dar ‘depOiMentos’ para a história na qual todos estão à procura de uma Alice…

 Atriz Zezeh Barbosa tem participação afetiva em O Sumiço de Alice
 
Pois não é que na última noite da primeira edição do Festival de Cinema de Anápolis, encontro MIGUEL JORGE no Teatro Municipal – onde haveria a solenidade de encerramento e uma Homenagem ao escritor –  e ele então me pergunta que filme estou ‘inventando’ no momento.
 
Pois foi só eu dizer da ALICE  que todos estavam procurando e MIGUEL JORGE imediatamente pediu pra dar seu depoimento também. E assim foi.
 
Procuramos um lugarzinho no entorno do Teatro de Anápolis, e, tão logo liguei a câmera, MIGUEL JORGE começou a dizer uma poesia versando sobre Alice, criada de sopetão, naquele exato momento em que ouviu eu falar na história do ‘inesperado sumiço de Alice’.
 
E eu fiquei então, mais uma vez, positivamente ‘espantada’ com a capacidade criativa do escritor e Poeta Miguel Jorge, que mostrou, naquele momento, ser também um craque no improviso e no ‘manuseio’ das palavras.
 
Pra grande honra e enorme alegria deste AURORA DE CINEMA, o escritorMIGUEL JORGE está no curta-metragem O SUMIÇO DE ALICE – ao lado de ALICE GONZAGA, DÉBORA TORRES, GUIDO CAMPOS, ZEZEH BARBOSA, MALLU MORAES, DILA GUERRA, SELVA ARETUZA, MANAÍRA CARNEIRO, FELIPE BRIDA, CID NADER, JOÃO BATISTA DE ANDRADE – com tanta propriedade que parece dizer um texto decorado há tempos.
 

Por essas e outras é que este aurORA DE CINEMA repete: 

“É MELHOR SER ALEGRE QUE SER TRISTE, A ALEGRIA É A MELHOR COISA QUE EXISTE “… 

Pode haver alegria maior e mais festiva do que ter Amigos do quilate de MIGUEL JORGE ?

* Quem quiser conferir O SUMIÇO DE ALICE, pode acessar

http://www.youtube.com/watch?v=L2cjkEsehQA e http://www.youtube.com/watch?v=bNdlPDmvHSY

Inscrições ao Festival Literatura em Vídeo

Vídeos-aula e oficinas virtuais com nomes do cinema nacional já estão online  

O Festival Literatura em Vídeo 2012, realizado pelas editoras Ática e Scipione, com apoio da MTV , da produtora Buriti Filmes e do portal Tela Brasil, está com inscrições abertas até 30 de setembro. Voltado para educadores e alunos do Ensino Fundamental II e Ensino Médio das redes pública e privada de todo o país, o concurso tem como objetivo incentivar o hábito pela leitura e estimular a criatividade. 

Para esta edição, foram criadas novas categoria de premiação. Além das tradicionais Júri Técnico, Júri Popular e Destaques Regionais, o Festival conta agora com Melhor direção de arte, Melhor Roteiro, Melhor Fotografia e Melhor Som

Outro diferencial deste ano é a parceria com a Buriti Filmes, uma das maiores produtoras de audiovisual do país. O site http://www.literaturaemvideo.com.br apresenta uma série de vídeos-aula e oficinas, objetivando dar apoio técnico para professores e alunos produzirem suas adaptações de até 5 minutos, baseados em uma das obras dos catálogos de literatura juvenil das Editoras.

Esses vídeos, que trazem como protagonistas profissionais renomados como Laís Bodanzky, Luiz Bolognesi e Walter Carvalho, fazem parte do acervo do Tela Brasil – projeto da Buriti Filmes que estimula produção de curtas metragens  –  e agora estão à disposição também no site do Festival Literatura em Vídeo

Todos os vídeos enviados até 30 de setembro serão avaliados por uma equipe técnica, formada por assessores pedagógicos das Editoras Ática e Scipione, pela equipe da MTV e pela Buriti Filmes. Os vencedores serão escolhidos pelo Júri Técnico, e os vídeos vencedores do concurso serão veiculados na grade da programação da MTV.

Mais Informações: www.literaturaemvideo.com.br 

Programe-se para o Festival Literatura em Vídeo 2012 

Inscrições

Até 30 de setembro

Divulgação dos destaques regionais, destaques das categorias e finalistas / Início das votações online

15 de outubro 

Fim das votações online

28 de outubro 

Divulgação dos vencedores no evento de premiação

8 de novembro 

Divulgação dos vencedores no site

9 de novembro 

Vídeos-aulas no site 

Luiz Bolognesi fala sobre roteiro 

Daniel Rezende fala sobre montagem cinematográfica  

Bráulio Mantovani fala sobre roteiro 

Walter Carvalho fala sobre direção de fotografia 

Geraldo Ribeiro fala sobre som direto 

Antônio Pinto fala sobre trilha sonora

Mês da Literatura no Centro Cultural Banco do Nordeste

Este mês é pródigo em datas comemorativas relacionadas ao livro: dia 2 foi o dia internacional do livro infanto-juvenil, dia 18 comemora-se o dia nacional do livro infantil, e dia 23 é o dia mundial do livro.

Por isso, neste mês, o Centro Cultural Banco do Nordeste-Fortaleza realiza o Abril para Literatura, evento multimídia e gratuito reunindo diversas atividades em torno da leitura e do livro: palestras em seminário avançado com os escritores José Castello, Ronaldo Correia de Brito e Marisa Lajolo; Dia Manuel Bandeira (dia 19); gincana literária sobre vida e obra de Monteiro Lobato; peça de teatro de Federico Garcia Lorca; curso sobre a poesia erótica de Carlos Drummond de Andrade; debates; reuniões do Clube do Leitor; oficinas de fanzines e de cordel; exposição de fanzines; Tenda Poética; encontros de apreciação e difusão literária; e lançamento de livro. As atividades têm início na próxima terça, 10, e prosseguem até 28 de Abril.

A programação começa com o curso de apreciação de arte intitulado Poesia sem vergonha, cujo objetivo é conhecer a poesia erótica de Carlos Drummond de Andrade, não revelada na mídia pedagógica, desconhecida do grande público admirador da produção artística do poeta. Os textos serão trabalhados de forma suave e plena, como os relacionamentos íntimos, sem  conotação pornográfica. O curso acontecerá de 10 a 13 de abril, das 14h às 17h, com o professor Francisco Feitosa Chaves, de Juazeiro do Norte (CE). São 100 as vagas disponíveis.

Também dia 10, às 18 horas, será discutido, no âmbito do programa Troca de Ideias, o tema Edição, arranjo, encontro: pensar o Livro no Século XXI, apresentado pelo escritor e editor Sérgio Cohn. Sérgio Cohn é editor da revista Azougue desde 1994, e em 2011 criou a Azougue Editorial. É autor de “Lábio dos afogados” (Nankin, 1999), “Horizonte de eventos” (Azougue, 2002) e “O sonhador insone” (Azougue, 2006). Mora atualmente no bairro do Horto, no Rio de Janeiro.

No decorrer de Abril, haverá quatro reuniões do Clube do Leitor – em duas terças, dias 10 e 24, de 12h às 13h; e em dois sábados, dias 14 e 28, de 16h às 17h. O Clube do Leitor é um programa onde as pessoas se encontram para participar de um grupo e compartilhar novas leituras e conhecimentos. As reuniões acontecem na biblioteca Inspiração Nordestina, do CCBNB-Fortaleza.

Outra edição do programa Troca de Ideias acontecerá dia 11, quarta, às 18h. O tema é o conteúdo do livro Ensaios de literatura e cinema e será apresentado pelo autor Régis Frota, com mediação de Odilon Camargo. O livro (e respectivo debate) abordarão obras canônicas que vão desde “São Bernardo”, de Graciliano Ramos, a clássicos da literatura francesa, como “O amante”, de Marguerite Duras.

Imprimindo um olhar contemporâneo à releitura dessas obras – como aos filmes de Glauber Rocha e outros cineastas clássicos, e suas narrativas cinematográficas, o livro “Ensaios de literatura e cinema” aborda questões cruciais, como reflexividade, autoconsciência, poesia, vanguardismo etc., oferecendo um panorama histórico do cinema e da literatura, destinando-se àqueles que desejam conhecer as relações da literatura com o fenômeno cinematográfico.

Uma gincana literária, destinada ao público infantil, tematizando a obra de Monteiro Lobato, acontecerá dias 11 e 12 (quarta e quinta), das 13h30 às 16h30. Serão duas tardes com atividades literárias voltadas à temática do mês da Leitura: um Quiz sobre a obra e a vida de Monteiro Lobato, Tabuleiro Literário, Caixa Surpresa e muitos brindes para a criançada.

O teatro e a dança também se associam à programação do Abril para Leitura. É o espetáculo Diwan de Lorca, com texto do autor espanhol Federico Garcia Lorca e apresentação da Cia. Palmas Produções Artísticas. A atriz Francinice Campos assina a adaptação, direção, figurino, adereços, maquiagem, coreografia, cenário, concepção de luz e sonoplastia.

Amor, agonia e morte situam derradeiramente esta obra de Lorca, no ponto de confluência entre estas três linhas de força, assumindo uma forma cada vez mais contida e depurada, caracterizada por um acentuado sentido rítmico, com a claridade crepuscular no seu horizonte poético, a assunção pessoal, modificada e onírica. Classificação indicativa: 14 anos.

O Ciclo do livro: da criação à edição será o assunto conversado pelos escritores e editores Nilto Maciel, Jorge Pieiro e Kelsen Bravos, com mediação de Paula Izabela, no próximo dia 14 (sábado), às 17h. Cada passo, cada degrau, cada momento que configura o ciclo do livro, será amplamente debatido por esses três escritores que transitam com desenvoltura no mercado editorial. Após o debate, será lançado o livro O outro dono do fim do mundo, do escritor Jorge Pieiro.

A programação infantil de Abril também compreende duas atividades sobre a leitura: uma peça teatral e uma contação de histórias. A peça é Os brinquedos no Reino da Gramática, em cujo enredo o reino da gramática está de pernas para o ar: Um rei louco, um cowboy inteligente, um porco faminto por palavras, estão envolvidos nesta fantástica e atraente história vivida por brinquedos que lutam contra o analfabetismo. Conseguirá o povo libertar as palavras que estão em posse de um rei analfabeto ? A gramática será um país onde novamente o prazer da leitura se tornará um hábito saudável para todos ? Neste espetáculo, os brinquedos têm vida e o maior tesouro é o saber. Com texto de Fernando Lira, a peça será apresentada aos domingos, dias 15, 22 e 29, em duas sessões: 14h e 16h.

Por sua vez, a contação de histórias se intitula Zip Zap contos e canções, com José Jacinto de Matos Medeiros, também dias 15, 22 e 29, às 17 horas. Histórias contadas para fazer sonhar, encantar, voar nas asas da imaginação; de vez em quando ser uma borboleta ou uma gaivota, mas na volta pisar firme num solo qualquer.

A oficina Produção de cordel: origem, identidade e importância na cultura nordestina visa à despertar o interesse do público em desenvolver seu potencial para a arte de fazer cordel, preservando esse tipo de literatura. A literatura de cordel é um indispensável caminho de incentivo à leitura, por contar nossa história de forma geral, e descrever religiosidade, costumes e folclore. A oficina contará com carga horária de 16 horas-aula, e será realizada de 17 a 20 de abril (terça a sexta), de 14h às 18h. O instrutor da oficina será Raul Poeta, de Juazeiro do Norte (CE).

Uma exposição e uma oficina de fanzines também integram a programação do Abril para Leitura, dias 17 e 18. A exposição Zineteca contará com a presença da Zineteca Móvel. O objetivo é apresentar o fanzine (ou zine) como veículo de comunicação, seu contexto histórico e diferentes modos de criação. A exposição acontecerá de 10h às 17h, nos dois dias. Já a oficina de fanzine produzirá coletivamente um Fanzine sobre temas ligados ao cotidiano de leitura e escrita dos participantes (livros preferidos, relatos de cenas vividas em bibliotecas etc.). Acontecerá de 14h às 18h, nos dois dias. São 20 vagas.

Também dia 17, às 18h30, o programa Troca de Ideias aborda o tema A educação por vir: fabulações a partir do cinema, com o professor Júlio Groppa. Ele é livre-docente da faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, com mestrado e doutorado em Psicologia Escolar pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, bem como pós-doutorado pela Universidade de Barcelona. Pesquisador do CNPq, Júlio Groppa vem desenvolvendo trabalhos de pesquisa voltados à apropriação do pensamento foucaultiano na pesquisa educacional brasileira, bem como à problematização dos processos de governamentalização educacional em curso na atualidade, especialmente aqueles em torno das práticas de escrita.

Manuel Bandeira: um Dia para se conhecer mais a sua obra…

Com produção da professora Fernanda Coutinho, o Dia Manuel Bandeira: um poeta da vida inteira, dia 19, de 10h às 19h, será a data na qual o CCBNB-Fortaleza homenageará um dos principais criadores do Modernismo brasileiro, o poeta Manuel Bandeira (Recife, 1886-1968), que participou da Semana de Arte Moderna de 1922, tendo seu poema “Os sapos”, lido no Teatro Municipal de São Paulo. Bandeira contribuiu também para a revista Klaxon, um das revistas baseadas em ideias revolucionárias perante a situação política que dominava o País naquela época, colaborando para vários jornais e traduzindo peças teatrais propagadoras dos ideais modernistas em voga. Esta primeira fase do Modernismo, que completa 90 anos, se caracteriza pela radicalidade das propostas de rompimento de todas as estruturas do passado.

O seminário avançado Abril Literário traz como palestrantes os escritores José Castello (RJ), Ronaldo Correia de Brito (CE/PE) e Marisa Lajolo (SP), com mediação das professoras Sarah Diva Ipiranga (UECE) e Andreia Turolo (UFC), e da jornalista Regina Ribeiro. O seminário acontecerá de 24 a 26 de Abril (terça a quinta), de 14h às 18h.

A Tenda Poética e o CCBNB-Fortaleza realizam juntos uma programação intitulada Poesia desse chão, repleta de poesia, rodas de leitura, oficinas de criação literária, performances, videopoemas, contação de histórias e a mostra de Poesia Falada. Para apresentar um poema na mostra, basta se inscrever no Centro Cultural Banco do Nordeste ou no site do grupo Templo da Poesia (www.templodapoesia.org). A Tenda Poética será armada dias 26 e 27 (quinta e sexta), de 14h às 18h.

Já no sábado, dia 28, às 18 horas, o grupo Templo da Poesia apresentará o tema Poesia para mudar o mundo, dentro do programa Literatura em Revista. Os artistas do Templo da Poesia – coletivo de poetas e literatos que organizam e movimentam um espaço cultural há quase três anos em Fortaleza – utilizam o gênero poético em performances para trabalhar a arte em torno de duas de suas principais funções: deleitar e instruir.

Portanto, baseados no tema de Ítalo Rovere (“o amor de todo mundo para mudar o mundo”), Talles Azygon, Reginaldo Figueiredo, Gervana Nobre, Carlos Arruda e Carlos Amaro utilizam a força e a expressividade da palavra  para tentar modificar o mundo. Assim, em toda essa perspectiva, eles misturam vários elementos como brinquedos, instrumentos musicais e utensílios em geral para encantar públicos de todas as idades, e também para falar de cidadania e direitos humanos.