Arquivo da tag: cinema em Anápolis

Grandes nomes no Festival de Cinema de Anápolis, que começa dia 3

Rubens Ewald Filho, David Cardoso, Neila Tavares, Flávio Guarnieri, Flávio Galvão, Sílvio Tendler e Mayara Magri são algumas das personalidades que viverão Semana de Cinema em Anápolis

Lançamento do Festival de Anápolis 2013 em coletiva com o Secretário da Cultura, Augusto César (ao microfone) e Débora Torres (primeira à direita)…

Débora Torres, incansável batalhadora e aguerrida produtora, no comando dos preparativos finais de mais um Anápolis Festival de Cinema…

A cineasta e produtora-executiva Débora Torres idealizou um festival de cinema para a cidade de Anápolis, convidou Rubens Ewald Filho (o mais reverenciado crítico de cinema do país) para assinar a Curadoria, e o Festival de Anápolis chega este ano à sua terceira edição, numa trajetória que a cada ano se firma com maior organização e profissionalismo.

???????????????????????????????

David Cardoso, Carlos Alberto Riccelli e Rubens Ewald Filho na edição 2012…

O Festival tem sua principal mostra competitiva merecidamente batizada com o nome do pioneiro, e grande timoneiro do Cinema Brasileiro, jornalista Adhemar Gonzaga.

Fundador da CINÉDIA e grande baluarte do Cinema Brasileiro, Adhemar Gonzaga dá nome a principal mostra competitiva do Anápolis Festival…

Alice pra Catálogo

Sua filha, a produtora/pesquisadora/cineasta Alice Gonzaga é quem está em Anápolis todos os anos encantando com sua presença simpática e vigorosa, representando o pai e prestigiando a Mostra que leva o nome dele. Este ano, 6 premiados filmes estarão em competição, entre esses Febre do Rato, de Cláudio Assis, e O Som ao Redor, de Kléber Mendonça.

Mayara Magri é presença confirmada na comissão julgadora de Longas…

Flávio Galvão é outra presença ilustre no júri da mostra Adhemar Gonzaga…

O júri oficial de Longas-Metragens é formado pelo ator e produtor David Cardoso, pela atriz Mayara Magri, pelos atores Flávio Galvão e Flávio Guarnieri, e pelo cineasta Silvio Tendler.

Ator Flávio Guarnieri integra o júri da mostra competitiva oficial…

No júri de curtas-metragens anapolinos e do centro-oeste, a atriz Neila Tavares, o cineasta e produtor Carlos Del Pino, o crítico Fabrício Cordeiro, o diretor Evandro de Freitas, e a professora de Roteiro e Leitura Crítica das Mídias, Jô Levy.

A atriz Neila Tavares integra o júri e vai receber justa Homenagem pelo conjunto de trabalhos…

Um lembrete: as inscrições de curtas anapolinos e do centro-oestre termina NESTA QUARTA.

A ficha de inscrição deve ser preenchida, impressa e enviada para a coordenação geral da terceira edição do Anápolis Festival de Cinema. Junto com a ficha, o candidato deve mandar fotos e cartazes do filme, e imagens em película ou DVD.

O prefeito Antônio Gomide recebeu os convidados da edição passada para geneeroso café da manhã na sede da Prefeitura de Anápolis…

O melhor curta-metragem do Centro-Oeste, em qualquer gênero, vai ser premiado com R$ 7.500,00. Na categoria curtas anapolinos, o vencedor vai levar R$ 30 mil e verá sua produção exibida na abertura da quarta edição do Anápolis Festival de Cinema. Uma novidade é que, nesse ano, também serão premiados, entre os competidores anapolinos, melhor roteiro e melhor direção, com R$ 7.500,00 cada um.

O documentarista Sílvio Tendler, um dos grandes Homenageados desta edição…

Na lista de homenageados, os cineastas Sílvio Tendler, Walter Carvalho, Ugo Giorgetti, Carlos Del Pino e Cláudio Assis; o ator Irandhir Santos; e a querida atriz Neila Tavares.

???????????????????????????????

Na edição 2012, Irandhir Santos e a redatora Aurora de Cinema…

Para saber mais, acesse: http://anapolisfestivaldecinema.com.br

Festival de Anápolis, novo capítulo

AURORA DE CINEMA na cobertura do Festival de Anápolis

Prefeito recebe artistas em café da manhã

A sexta amanheceu animada: a turma convidada do festival, teve café da manhã especial com o prefeito Antônio Gomide, o qual recebeu artistas, jornalistas e realizadores, ao lado do Secretário Augusto César de Almeida. A essa altura o que já começava a dominar o coração de todos era a saudade de dias tão amenos e felizes no município goiano. Daí, por iniciativa de Alice Gonzaga, Foi agendado o café como forma de agradecer oficialmente todo o apoio recebido da prefeitura de Anápolis e parabenizar pela iniciativa da realização do II Festival.

Entre sucos, chocolate, chás e café com leite, pães, biscoitos e deliciosas iguarias, a conversa entre artistas, realizadores, jornalistas e o prefeito Antônio Gomide aconteceu de forma bem simples e espontânea: os convidados do Festival foram muito mais para agradecer e dizer da importância do festival para a cidade e para o cinema brasileiro como um todo, enquanto o prefeito falou de sua satisfação com a realização do evento, que naquela semana foi o grande assunto nas redes sociais, além de estar também nas páginas dos jornais, programas de rádio e TV.

Parque Ambiental Ipiranga, um dos cartões postais de Anápolis…

Sendo Anápolis um eixo entre Brasília e Goiânia, a intenção da prefeitura é cada vez mais integrar o cinema ao investimento nas ações de Cultura e Educação que vem sendo implementadas ali, integrando audiovisual, cultura, lazer e educação. Assim, Gomide enumerou as muitas ações nessa direção, reiterando sua disposição de investir cada vez mais no binômio Cultura e Educação por acreditar que assim se constrói uma cidade com mais qualidade de vida.

Rubens Ewald Filho, o Curador: presença festejada em Anápolis

Expondo suas ideias e ações em prol de formar novas mentalidades em defesa da cultura em Anápolis, Antônio Gomide destacou o Centro de Educação Fundamental, onde grandes investimentos vem sendo feitos em escolas do ensino fundamental, o que gerou matéria de página inteira do jornal O Globo no último dia 11 de março. O jornal carioca destacou a importante construção de um anfiteatro em escola da periferia com 340 lugares, onde também haverá creche e acesso aos cuidados básicos com a saúde. Ações de fato auspiciosas, sobretudo quando se fala num município que não é a capital do Estado. Essa escola é uma que fica no conjunto Filósofo Machado: “A ideia é não é fazer por fazer mas fazer de forma consequente, capaz de gerar frutos e prospectar um futuro com mais qualidade de vida”, disse o prefeito. E assim, reportando-se ao que a prefeitura vem fazendo, Antônio Gomide reforçou o entusiasmo dos ilustres convidados e reafirmou o interesse em que o festival continue, expandindo-se em diversas edições, independente de quem esteja à frente do comando da municipalidade.        

Bruna Chiaradia, Giselle Motta e Erom Cordeiro: ‘celebridades’ em Anápolis…

Aliás, não é difícil constatar: Anápolis tem características e expressão de metrópole, e está num ótimo momento de sua história, figurando entre os 20 melhores municípios brasileiros para investir e viver, segundo pesquisa da revista Veja.

O município goiano tem alguns pontos cruciais de extrema relevância: por exemplo, é lá que fica o segundo maior pólo farmacêutico da América Latina, o marco zero da ferrovia Norte-Sul, as fábricas da Hyundai e da Ambev, e está sendo construído um grande aeroporto de cargas.

Um caça Mirage na praça Cônego Trindade, presente da Base Aérea à cidade…

Como bem relata o vice-prefeito João Batista Gomes Pinto, “Pesquisas apontam que o Corredor GAB (Goiânia-Anápolis-Brasília), será um gigantesco pólo de desenvolvimento, em 2030. Com 7 milhões de habitantes, este eixo já é o maior mercado do País depois de São Paulo e Rio de Janeiro. Entre duas grandes capitais, Anápolis desponta neste aglomerado pela performance de sua economia alicerçada na produção industrial. Os números indicam que a cidade não está apenas à beira do caminho, mas é o eixo deste corredor. Em maio, alcançou o segundo lugar em arrecadação de impostos federais na 1a. Região Fiscal, na frente de Goiânia, Campo Grande, Cuiabá e todo o Tocantins, atrás apenas do Distrito Federal”.

Anápolis é conhecida como a cidade das praças bonitas…

Anápolis tem o segundo maior PIB de Goiás e é lá onde está o DAIA (Distrito Agroindustrial de Anápolis), maior complexo industrial do Centro-Oeste, com quase 15 mil vagas de trabalho e mais de 200 indústrias.

Carlos Alberto Riccelli troca ideias de Cultura com o prefeito Antônio Gomide…

Na oportunidade do encontro com o prefeito Antônio Gomide, todas essas questões foram abordadas, e os convidados falaram com entusiasmo do crescimento do Festival de Cinema na cidade e do quanto isso é importante para o crescimento do audiovisual, não só de Anápolis, mas também do mercado cinematográfico brasileiro.  Observaram ainda que o público do Festival cresceu e que, com os investimentos que a Prefeitura vem fazendo, Anápolis poderá ganhar um destaque ainda maior nessa área.

Estavam no café da manhã, além do Secretário Municipal de Cultura, Augusto César de Almeida, a produtora-executiva do evento, Débora Torres, a pesquisadora Alice Gonzaga, os cineastas Walter Webb, João Batista de Andrade e Vladimir Carvalho, o professor e roteirista Alex Moletta (que ministrou oficina de realização de vídeo digital), o realizador Antônio Balbino, os jornalistas Cid Nader e Aurora Miranda Leão, o embaixador do Brasil, Lauro Barbosa da Silva Moreira, e o ator David Cardoso.

Público lotou sessões e participou dos debates no Teatro Municipal Anápolis… 

O prefeito Antônio Gomide falou sobre a satisfação em receber especialistas na área do cinema, o que só engrandece ainda mais o evento promovido pela Prefeitura. “Temos um planejamento do que queremos para a cidade para levar os benefícios para todos e em todas as áreas”.

Antônio Gomide: prefeito aposta na Cultura como fator de Qualidade de Vida

Antônio Gomide declarou ainda que Anápolis tem um potencial expressivo: “A cidade tem uma importância muito grande devido à sua localização e reconhecemos isso. Estamos em um momento em que o crescimento econômico de Anápolis é real e isso é só o começo. O sucesso do Festival é um resultado integrado. Queremos trazer isso aos nossos jovens e a toda a população”.

Que venha o III Festival de Cinema de Anápolis !

Arrastão ANÁPOLIS, em capítulos…

Breves anotações sobre os dias de Cinema, bom papo, música e afetividades em Anápolis… 

Bruna Chiaradia, Giselle Motta e Erom Cordeiro apresentam O Palhaço

A ida a Goiás para a realização do II Festival de Cinema de Anápolis foi boa desde o convite. Débora Torres, este dínamo em forma de mulher (idealizadora e coordenadora-geral do Festival),nos convidou ainda em dezembro e, presente à primeira edição, sabia de antemão como seria recebida, e que iria ter muito o que fazer, trocar e conversar no promissor município goiano.

E assim foi: de 19 a 26 de março deste 2012, ancorei minhas ideias e energia em Anápolis, e tudo correu ainda muito melhor do que esperava.

O Festival teve um crescimento admirável e desta vez já deu para sentir logo de início que a cidade abraçou o acontecimento como realização sua. Mérito da Prefeitura, trunfo da Secretaria de Cultura, e aplausos ao esforço e empenho indormidos de Débora Torres.

Débora Torres, incansável na realização de grandes festivais, amiga-irmã querida, cineasta e produtora de exímia competência …

O II Festival de Cinema de Anápolis, cujas exibições acontecem no Teatro Municipal (com reprise todos os dias em algum bairro da periferia da cidade), contou com casa cheia todas as noites, mobilizou jovens de todas as idades e viu o cinema brasileiro contaminar célere e certeiro o coração de novos interessados em adentrar no fascinante mundo audiovisual.

Irandhir Santos, representando o filme Olhos Azuis, levou o troféu de Melhor Ator…

O Prefeito Antônio Gomide e o Secretário Augusto César Almeida reiteraram diversas vezes a satisfação com os resultados obtidos com o investimento no festival, e afirmaram que, independente de quem seja o vencedor na próxima eleição, o Festival já está consolidado e não ha mais como deter seus passos rumo a novas e melhores edições. 

Rubens Ewald Filho, o renomado Curador, sempre cercado de fãs…

NA ESTÂNCIA 

O resort Estância Park, que mais parece uma enorme chácara encravada no mais verde dos habitats de Anápolis, é o pouso feliz de quem participa como convidado do Festival de Anápolis. Impossível é não sucumbir, como diria o menestrel alagoano Djavan. E é mesmo. Como não se enfeitiçar por aquela tranquilidade em forma de imersão sensorial absoluta da Estância, onde a Paz fez morada e os dias tranquilos se sucedem entre tempos nublados, muito sol, calor, chuva e lindas paisagens, recheadas de belas flores e um verde contagiante ?

Difícil querer sair de lá pra ir a qualquer lugar – a não ser quando se pronuncia o nome El Hajj, o ótimo restô árabe onde almoçamos todos os dias… delícias em forma de pratos e guloseimas.

A Estância é tão agradável que dá vontade de ficar ali o dia inteiro conversando amenidades, tomando suco, desfilando alegrias e contando historias. Pra tudo ficar perfeito, só falta mesmo umas belas e generosas redes espalhadas por entre as belezas de seus jardins. 

ENCONTROS 

Débora Torres, Aurora Miranda Leão e a Princesinha Rafaella…

Os encontros em Anápolis são sempre tão agradáveis que a gente já chega lá revestido de saudade porque sabe: na hora da despedida, vai deixar muita coisa boa pra trás. Essa sensação tomou conta desta redatora logo da minha primeira estada ali, em 2011. E foi por isso que nasceu o curta-metragem O Sumiço de Alice, uma tentativa, talvez, de deter aqueles dias de calmaria, prosa farta e boa convivência no coração do município de Anápolis. Ou talvez uma forma de carregar sempre consigo a recordação de um tempo feliz, cercada de  verde e pessoas que gostam das mesmas coisas, ou ainda uma forma de espalhar aos quatro ventos o quão é saudável, bom e revitalizador estar num lugar propicio, em boa companhia e fazendo o que se gosta.

Nesse clima, foi ali onde conheci, na edição passada, a carismática e inesquecível figura do produtor Walter Webb, baiano que vive na ponte São Paulo-Los Angeles, cuja prosa flui aos borbotões e faz a tristeza passar longe.

Walter Webb entre as lindas Bruna Chiaradia e Giselle Motta…

Um encanto de pessoa, assim como também a querida poetisa Selva Aretuza, meiga e acolhedora, que também figura no curta rodado em Anápolis. E ainda o encontro mágico com Dila Guerra, Manaíra Carneiro, Felipe Brida, Alex Moletta, Eduardo Cardoso (‘amigo novo, parceiro novo’, como diria o mestre Vinícius de Moraes), Bianca Menti, o embaixador Lauro Moreira, Alberto Araujo, Pedro Pinheiro, Marcus Annolli, Serina Raruá e Almir Torres, alem da sintonia imediata com a leveza carismática e  simpatia contagiante de Zezeh Barbosa.

Carlos Alberto Riccelli, Aurora e Rubens Ewald Filho: encontro cheio de prosa…

Leandro Firmino da Hora e Aurora Miranda: reencontro feliz…

Sem esquecer do reencontro com o querido Mestre Rubens Ewald Filho (!), a querida Alice Gonzaga, Guido Campos, Mallu Moraes, Laurinha Pires e Ed Cajazeira, Ângela Torres, Miguel Jorge, João Batista de Andrade, Lucília e Vladimir Carvalho, e Itamar Borges.

Alice Gonzaga, Débora Torres e Cid Nader: Cinema, produção e jornalismo…

Aurora e o casal Babu Santana e Bruna Barros: cinema e teatro nas conversas…

Os encontros este ano foram em maior número, umas das confirmações do crescimento inconteste do festival. Ingra Liberato, Carlos Alberto Riccelli, Leandro Firmino da Hora, Babu Santana e Bruna Barros, David Cardoso, Fernando Alves Pinto, Wandi Doratiotto, Erom Cordeiro, Gustavo Machado, Flavia Rodrigues, Zózimo Bulbul, Edward e Betina Vianny, Elisa Tolomelli, Lucília e Vladimir Carvalho, Alice Gonzaga, Walter Webb, Serina Raruá, Ângelo Lima, Alex Moletta, Antônio Balbino, e em especial Germano Pereira e as lindas Giselle Motta e Bruna Chiaradia, inauguraram uma nova página em minhas afetividades.

Germano Pereira, Alice Gonzaga, Rubens Ewald Filho e Aurora Miranda Leão…

Enquanto Rubens Ewald Filho, o ilustre Curador, reforçou mais uma vez o tanto que merece de carinho, aplauso e adesão. Lembrando ainda de citar os que se fizeram queridos logo de cara como Delvo Simões, Walace Oliveira, Julliana Pinheiro, Rafaela Torres, Thalyane e Rebeca Romero. Estes também foram mais que especiais para tornar a estada em Anápolis ainda mais prazerosa, contribuindo sobremodo para fazer chegar ao meu escaninho emotivo-imagético a ideia de um novo curta-metragem. Para este, com título provisório de Take 2, já gravaram Rubens Ewald Filho, Walter Webb, Bruna Chiaradia, Débora Torres e Alice Gonzaga.

Quarteto feminino: Giselle Motta, Flávia Rodrigues, Bruna Chiaradia e Aurora Miranda Leão…

Delvo Simões e Alice Gonzaga: ele coordenu o júri e fez a diferença; ela espalhou alegria…

‘Estômago’ e ‘Olhos Azuis’, os grandes vencedores de Anápolis

AURORA DE CINEMA direto do Festival de Anápolis:

Foi bonita e com platéia lotada a noite de encerramento do II Festival de Cinema de Anápolis, realizada no Teatro Municipal da cidade.

Walace Oliveira, Débora Torres e Aurora Miranda Leão: Anápolis é de Cinema !

Tudo começou antes das 19h com apresentação de banda de música no espaço contíguo ao teatro.  Às 20 horas, o apresentador Guido Campos subia ao palco para dar início à solenidade, que começou com uma apreentação de dança e seguiu com a exibição de O Sumiço de Alice.

O curta, da jornalista Aurora Miranda Leão, ganhou rápido a adesão da platéia, a qual se reconhecia na tela através dos ‘personagens’ que aparecem no doc-ficção, todos convidados e participantes da primera edição do Festival de Cinema de Anápolis.

Quem mais chamou a atenção da platéia foi a atuação convincente de Débora Torres, produtora, cineasta, idealizadora e coordenadora-geral do Festival de Anápolis, que surpreendeu porque também revela em O Sumiço de Alice seus fartos dotes interpretativos.

Alice Gonzaga e o protagonista do curta anapolino, KITE

Foi uma alegria para a produtora Aurora de Cinema poder ganhar elogios para O Sumiço de Alice do músico André Moraes, da figurinista Biza Vianna, e da atriz Bruna Chiradia.

Após a exibição do curta, vieram as homenagens, e só depois então começou a divulgação dos nomes dos vencedores do Festival de Cinema de Anápolis.

Babu Santana: atuação vencedora, unanimidade entre júri e platéia…

Entre os vencedores, os que mais conquistaram a adesão da platéia foram os troféus e prêmios para o filme Estômago, de Marcos Jorge, escolhido o melhor da competição, levando também os prêmios para Melhor Ator e Atriz Coadjuvantes.

Babu Santana e Fabíula Nascimento foram os coadjuvantes vencedores, enquanto Ana Paula Arósio e Irandhir Santos ganharam como Melhor Atriz e Ator.

Ana Paula Arósio, símbolo de beleza e elegância, é atriz pra ninguém botar defeito e foi, disparado, a Melhor Atriz em Anápolis… Como esquecer Arósio ?

Anápolis vai consolidando Festival de Cinema com competência e profissionalismo

AURORA DE CINEMA, DIRETO DO FESTIVAL DE ANÁPOLIS

É estimulante perceber as importantes melhoras no Festival de Cinema de Anápolis…

Estive aqui na primeira edição e por isso posso afirmar com conhecimento de causa: o Festival de Cinema de Anápolis cresceu consideravelmente nesta segunda edição e já é um dos mais fortes do primeiro semestre no circuito de festivais de cinema brasileiro.

Débora Torres e sua competente equipe estão de Parabéns !

Erom Cordeiro, Bruna Chiaradia, Giselle Mattos e a videasta goiana Flávia no debate pós-sessão de O Palhaço

Público participou ativamente dos debates no festival de Anápolis…

Antônio Leão autografa Dicionário de Curtas e Médias para a cineclubista Carol Paraguassu, uma querida…

Betina Vianny autografa livro sobre o pai para a atriz Ingra Liberato…

Cinema por mulheres: Gisella Motta, Flávia, Bruna Chiaradia e Aurora Miranda Leão

Murilo Rosa e Elisa Tolomelli apresentam filme Como Esquecer

Ingra Liberato concede entrevista para o videomaker Carlos César…

O Sumiço de Alice encerra esta noite II Festival de Anápolis

Com homenagens a diversos nomes do Cinema Brasileiro e entrega de prêmios aos vencedores, será encerrada esta noite a segunda edição do Festival de Cinema de Anápolis, em Goiás

Curta-metragem reunindo os participantes do I Festival de Anápolis será exibido esta noite…

Depois de uma semana intensa no agradável clima de fazenda da Estância Park – encantador resort de Anápolis- , numa convivência onde o cinema foi o pontapé das conversas e encontros, a noite de hoje será de alegria, festa e celebração, mesmo embalada numa crescente aura de saudade…

O AURORA DE CINEMA está na área conferindo e guardando momentos singulares. Confira estas imagens:

O cenário paradisíaco da Estância que hospeda os convidados do festival…

Germano Pereira, Alice Gonzaga, Rubens Ewald Filho e Aurora Miranda Leão…

Erom Cordeiro, Aurora, Leandro Firmino e Guido Campos…

Encontro feliz em Anápolis: Aurora Miranda Leão, Babu Santana e Bruna Barros…

O Sumiço de Alice será atração na festa de encerramento do Festival de Anápolis

 

O Sumiço de Alice, mais recente curta-metragem Aurora de Cinema Produções, foi escolhido para abrir a solenidade de encerramento da segunda edição do Festival de Cinema de Anápolis, que começa no próximo dia 19 e prossegue até dia 26.

Alice Gonzaga, grande inspiradora e homenageada com o curta de Anápolis…

Rodado em Anápolis (GO), durante o I Festival de Cinema de Anápolis (idealizado e coordenado pela cineasta Débora Torres), realizado em abril de 2011 no município goiano, o curta é um trabalho experimental que agrega diversos nomes importantes do cinema nacional. 

A inspiração veio numa visita à bucólica cidade de Pirenópolis, em passeio proporcionado pela organização do festival, reunindo diversos realizadores, produtores e artistas. 

Berço de tantos filmes brasileiros (como “Simeão, o boêmio”, primeiro filme dirigido pelo goiano João Bennio; O Tronco, de João Batista de Andrade; O Leão do Norte, de Carlos Del Pino; e o curta Borralho, do maranhense Arturo Sabóia de Almada), Pirenópolis é um município tombado pelo Patrimônio Histórico, a atrair, durante todo o ano, um enorme fluxo de turistas por conta de suas belezas naturais, sua tranqüilidade e suas festas populares, como as tradicionais Cavalhadas.

 

Selva Aretuza estreia como atriz em atuação descontraída…

Gravado em formato digital, com imagens captadas em mini DV, o curta O Sumiço de Alice é mais uma produção Aurora de Cinema, finalizada em parceria com a Cabeça de Cuia Filmes (da fotógrafa e cineasta cearense Lília Moema). 

Guido Campos, ator goiano, tem participação destacada em O Sumiço de Alice…

O processo de produção resume-se a 3 dias de filmagens no circuito Teatro Municipal-Estância Park de Anápolis, mas, apesar do pouco tempo, o filme conta com elenco estelar, onde despontam o talento vibrante de Zezeh Barbosa, a criatividade singular dos goianos Deborah Torres e Guido Campos, a expressividade da atriz Dila Guerra, a criatividade do escritor Miguel Jorge, a descontração do cineasta e produtor Walter Webb, a simpatia de Alice Gonzaga, o tom descontraído de Mallu Moraes, a seriedade na estréia de Selva Aretuza e Manaíra Carneiro, além da inteligente participação dos jornalistas Cid Nader e Felipe Brida.

 

Mallu Moraes, Guido Campos e Dila Guerra: trio é pura descontração …

Um belo plano-seqüência gravado em Pirenópolis responde pela abertura de O Sumiço de Alice. O filme vai-se desenvolvendo e, ao longo de seus 20 minutos, uma sucessão de imagens e depoimentos insólitos vão mapeando a intrincada história do inopinado e misterioso sumiço de Alice.

 

Débora Torres: produtora revela dimensão de seu talento como atriz…

Até o final, paira no ar a pergunta que não quer calar: como e porquê Alice sumiu  

* O Sumiço de Alice terá sua  exibição pública no II ANÁPOLIS FESTIVAL DE CINEMA, às 19h, abrindo a solenidade de encerramento. 

A  ótima Zezeh Barbosa é destaque com participação cativante e bem humorada…

FICHA TÉCNICA 

Argumento, Roteiro, Fotografia e Direção: Aurora Miranda Leão

Produção: Aurora de Cinema e Cabeça de Cuia Filmes

Apoio de Set: Pedro Pinheiro e Ângela Torres

Assistente de produção: Itamar Borges, Mallu Moraes e Luziany Gomes

Direção de Platô: Laura Pires

Trilha sonora  – Carmina Burana, de Mozart (versão remix)

                                 Capricho, de Villa Lobos

 (Antônio Meneses, violoncelo – Cristina Ortiz, piano)

                            

Edição: Aurora M. Leão e Lília Moema

Still: Edvaldo Cajazeira e Laura Pires

Elenco:  ALICE GONZAGA

                ZEZEH BARBOSA

                DÉBORA TORRES

                GUIDO CAMPOS

                WALTER WEBB

                MIGUEL JORGE

                SELVA ARETUZA               

                DILA GUERRA

                MALLU MORAES

                JOÃO BATISTA DE ANDRADE

                MANAÍRA CARNEIRO

                CID NADER

                FELIPE BRIDA

                SERINA RARUÁ

                ITAMAR BORGES

                LAURA PIRES

                ED CAJAZEIRA

 

Sai o edital do II Festival de Cinema de Anápolis

 

EDITAL N° 01/2012 do II ANÁPOLIS FESTIVAL DE CINEMA

 

Nome:

PREFEITURA MUNICIPAL DE ANÁPOLIS

Modalidade:

 

C o n c u r s o
Local:

 

 

 

Praça Bom Jesus, nº101 – Centro – Anápolis – GO

CEP: 75025 – 050

Tel: 3902–1074 / 3902-1077

 

Site:  

www.anapolis.go.gov.br/anapolisfestivaldecinema

 

 

Horário:

 

Atendimento: 09h às 12h e 14h às 18h.

 

Objeto: Consiste na realização de mostras competitivas ADHEMAR GONZAGA de filmes de longas-metragens brasileiros de ficção convidados e que tenham sido premiados em festivais de cinema nacionais ou internacionais; de curtas-metragens documentários do Centro-Oeste e de curtas-metragens anapolinos a serem selecionados na forma deste Edital, e exibidos no 2º ANÁPOLIS FESTIVAL DE CINEMA, no período de 19 a 26 de março de 2012, no Teatro Municipal de Anápolis.

 

Inscrições de curtas documentários do Centro-Oeste e de curtas anapolinos:

De 1º de fevereiro a 13 de março de 2012 no site do festival.

 

Premiação “BETO LEÃO”:

R$ 143.750,00 (cento e quarenta e três mil e setecentos e cinqüenta reais) a serem distribuídos em três categorias, a saber: longa-metragem de ficção brasileiro, curta-metragem documentário do Centro-Oeste e curta-metragem anapolino de todos os gêneros.

 

PREÂMBULO

 A Prefeitura Municipal de Anápolis, por intermédio da Secretaria Municipal de Cultura, torna público que realizará o 2º Anápolis Festival de Cinema, doravante denominado 2º ANÁPOLIS FESTIVAL, regido pela Lei Federal nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e alterações posteriores, na modalidade Concurso no período de 19 a 26 de março de 2012, no Teatro Municipal de Anápolis. 

01. OBJETO 

Consiste na realização de mostras competitivas de filmes de longa-metragens brasileiros de ficção convidados e de curtas-metragens documentários do Centro-Oeste e de curtas-metragens anapolinos, inscritos e selecionados conforme Edital n° 01/2012 e seus anexos, e exibidos no 2º ANÁPOLIS FESTIVAL DE CINEMA, no período de 19 a 26 de março de 2012.  

02. DA ORGANIZAÇÃO  

O 2º ANÁPOLIS FESTIVAL será realizado na cidade de Anápolis, Estado de Goiás, no período de 19 a 26 de março de 2012, sob a Coordenação Geral da Secretaria Municipal de Cultura-Prefeitura de Anápolis. 

03. DA PROGRAMAÇÃO 

Será composta das “MOSTRAS COMPETITIVAS ADHEMAR GONZAGA DE CINEMA BRASILEIRO” de longas-metragens de ficção convidados; de curtas documentários do Centro-Oeste e de curtas-metragens anapolinos de todos os gêneros, festival infantil, encontros, oficinas, debates, palestras, mesas redondas, homenagens, lançamentos de livros, exposições, solenidades de abertura e de premiação. 

04. DA EXECUÇÃO 

A execução do 2° ANÁPOLIS FESTIVAL DE CINEMA caberá à Secretaria Municipal de Cultura-Prefeitura Municipal de Anápolis.  

05. DA INSCRIÇÃO DAS MOSTRAS COMPETITIVAS “CURTA-DOCUMENTÁRIO DO CENTRO OESTE E DE CURTA-METRAGEM ANAPOLINO: 

I. As inscrições para os curtas documentários do Centro-Oeste e de curtas metragens anapolinos estarão abertas de 1º de fevereiro a 13 de março de 2012, via Internet pelo site: www.anapolis.go.gov.br/anapolisfestivaldecinema

II. devendo a ficha de inscrição preenchida ser enviada juntamente com o material para a Coordenação Geral do Festival, na sede da Secretaria Municipal de Cultura de Anápolis, situada na Praça Bom Jesus, nº 101, Centro, Anápolis, Goiás.

 

II. A ficha de inscrição, Anexo I, o Termo de Cessão de Direitos Autorais, Anexo II e o Regulamento, Anexo III do Edital n° 01/2012 estarão disponíveis no site: www.anapolis.go.gov.br/anapolisfestivaldecinema

 

III. No ato da inscrição, os interessados deverão, obrigatoriamente, apresentar a ficha de inscrição devidamente preenchida e a cópia do filme em DVD.

 

IV. Somente poderão participar da mostra competitiva em 35 mm e/ou digital os filmes brasileiros de longa-metragem de ficção convidados, que tenham sido produzidos ou concluídos a partir do ano de 2008 e premiados em festivais nacionais ou internacionais.

 

V. Somente poderão participar das mostras competitivas de curtas-metragens documentários do Centro-Oeste e de curtas-metragens anapolinos filmes que tenham sido produzidos ou concluídos a partir do ano de 2008, e que tenham sido inscritos via internet e selecionados.

 

06. DAS MOSTRAS COMPETITIVAS ADHEMAR GONZAGA DE LONGAS-METRAGENS BRASILEIROS DE FICÇÃO CONVIDADOS; DE CURTAS-METRAGENS DOCUMENTÁRIOS DO CENTRO-OESTE E DE CURTAS- METRAGENS ANAPOLINOS DE TODOS OS GÊNEROS:

 

I. As mostras competitivas serão realizadas simultaneamente no período de 20 a 25 de março, sendo exibidos 06(seis) filmes de longa-metragem brasileiros de ficção convidados que tenham sido premiados em festivais de cinema nacionais e/ou internacionais.

 

II- Serão selecionados 06 filmes de curta-metragem documentários do Centro-Oeste para a mostra competitiva “Curta Documentários do Centro-Oeste”.

 

III- Serão selecionados 06 filmes de curta-metragem Anapolinos de todos os gêneros para a mostra competitiva “Curta Anápolis”. 

IV. Os responsáveis pelos filmes de longa-metragem de ficção convidados pela Curadoria do festival deverão encaminhar à Coordenação Geral do Festival o seguinte material para divulgação: 

a) Fotos e cartazes do filme; e

b) Imagens em película e/ou DVD, ou digital DVCAM.*

* O formato de exibição será definido pela Coordenação do 2º ANÁPOLIS FESTIVAL DE CINEMA após a seleção oficial dos filmes. 

V- Os responsáveis pelos filmes de curta-metragem documentário do Centro-Oeste e de curtas-metragens anapolinos selecionados deverão apresentar: 

a) Fotos e cartazes do filme; e

b) Imagens em película ou DVD. 

VI. Os filmes das mostras competitivas Adhemar Gonzaga de longa-metragem brasileiro de ficção convidados e de filmes de curta-metragem documentários do Centro-Oeste e de curtas-metragens anapolinos serão re-exibidos ao grande público, em praça pública, com programação e local a serem definidos pela Secretaria Municipal de Cultura de Anápolis. 

07. DA COMISSÃO DE PRÉ-SELEÇÃO DE FILMES DAS MOSTRAS COMPETITIVAS ADHEMAR GONZAGA 

Os filmes das mostras competitivas de longas-metragens de ficção convidados, de curtas-metragens documentários do Centro-Oeste e de curtas-metragens anapolinos, serão selecionados por Comissão específica de Pré-Seleção e posteriormente julgados pela Comissão de Premiação Oficial (JÚRI) constituída de profissionais do cinema brasileiro, designada por ato do Secretário de Cultura.

 08. DA PREMIAÇÃO OFICIAL DO II ANÁPOLIS FESTIVAL DE CINEMA 

I. Serão conferidos o Prêmio “BETO LEÃO” e “Troféu Anápolis” (criação do artista plástico NAPEPHI) aos vencedores e “Troféu Anápolis Homenagem”(conjunto representativo de obras) a nomes significativos do cinema brasileiro.

 

II. Os Prêmios Oficiais –“BETO LEÃO” e “Troféu Anápolis” serão conferidos aos filmes de longa-metragem brasileiros de ficção convidados; aos curtas metragens documentários do Centro-Oeste e aos curta-metragens anapolinos, conforme abaixo indicado:

 

a) – Filme brasileiro de longa-metragem de ficção:

 1) PRÊMIO BETO LEÃO: 

1.1 – Melhor Filme de Ficção – R$ 25.000,00 (vinte e cinco mil reais) mais troféu;

1.2 – Melhor Direção – R$ 12.500,00 (doze mil e quinhentos reais) mais troféu;

1.3 – Melhor Ator –R$ 6.250,00 (seis mil duzentos e cinquenta reais) mais troféu;

1.4 – Melhor Atriz –R$ 6.250,00 (seis mil duzentos e cinquenta reais) mais troféu;

1.5 – Melhor Ator Coadjuvante – R$ 6.250,00 (seis mil duzentos e cinquenta reais) mais troféu;

1.6 – Melhor Atriz Coadjuvante – R$ 6.250,00 (seis mil duzentos e cinquenta reais) mais troféu;

1.7 – Melhor Roteiro – R$ 6.250,00 (seis mil duzentos e cinquenta reais) mais troféu;

1.8 – Melhor Fotografia – R$ 6.250,00 (seis mil duzentos e cinquenta reais) mais troféu;

1.9- Melhor direção de Arte- R$ 6.250,00 (seis mil duzentos e cinquenta reais) mais troféu;

1.10-Melhor Montagem– R$ 6.250,00 (seis mil duzentos e cinquenta reais) mais troféu;

1.11-Melhor Som– R$ 6.250,00 (seis mil duzentos e cinquenta reais) mais troféu;

1.12Melhor trilha Sonora– R$ 6.250,00 (seis mil duzentos e cinquenta reais) mais troféu; 

c) – Filme de curtas-metragens documentários do Centro-Oeste 

2) PRÊMIO BETO LEÃO 

2.1 – Melhor curta-metragem documentário do Centro-Oeste –– R$ 6.250,00 (seis mil duzentos e cinquenta reais) mais troféu;

 

c) – Filme de curtas-metragens anapolinos de todos os gêneros

 

2) PRÊMIO BETO LEÃO 

3.1 – Melhor curta-metragem Anapolino – Prêmio Incentivar Secretaria Municipal de Cultura à Produção de curta-metragem que será destinado à produção de um novo curta-metragem a ser produzido na região de Anápolis e exibido na abertura do 3º ANÁPOLIS FESTIVAL DE CINEMA – R$ 37.500,00 (trinta e sete mil e quinhentos reais) mais troféu;

 09.DAS COMISSÕES DE PREMIAÇÃO OFICIAL (JÚRI) DO 2º ANÁPOLIS FESTIVAL 

I. Será constituída uma Comissão Julgadora Oficial (Júri) para premiação dos filmes de longa-metragem em 35 mm e/ou digital de ficção convidados, de curta-metragem documentários do Centro-Oeste e de curtas-metragens anapolinos selecionados, composta de membros nacionais e/ou goianos, todos escolhidos entre cineastas, produtores, críticos, pesquisadores e artistas, convidados e designados por ato do Secretário da Cultura. 

II. As Comissões de Pré-Seleção e de Premiações (Júri) são soberanas em suas decisões a serem lavradas em atas e serão dissolvidas tão logo sejam divulgados os resultados. 

III. Caberá recurso quanto aos critérios aplicados ao deferimento ou não das inscrições do curta-metragem documentários do Centro-Oeste e de curtas-metragens anapolinos selecionados, o qual deverá ser obedecido o que rege o artigo 109 da Lei nº8666/93. 

IV. Quanto à seleção do curta-metragem documentários do Centro-Oeste e de curtas-metragens anapolinos não caberá recurso. 

10. DA ENTREGA DOS TROFÉUS E PRÊMIOS 

Os troféus das mostras competitivas serão conferidos aos vencedores no dia 26 de março, às 20h, em solenidade de encerramento no Teatro Municipal de Anápolis, sendo que o Prêmio “BETO LEÃO” será entregue no mesmo ato, em forma de cheque representativo. 

11. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS 

I. Os filmes convidados e selecionados não poderão ser retirados do certame, não cabendo qualquer recurso e/ou pedido de indenização. 

II. Os prêmios “BETO LEÃO” serão pagos mediante apresentação da documentação exigida, expedida pelas pessoas físicas (Cópia da Identidade, do CPF, do Título Eleitoral e do Comprovante de endereço, Número da conta corrente em nome do premiado, PIS/PASEP/NIT,) ou jurídicas (Cópia do Contrato Social, do Cartão do CNPJ, Número da conta corrente em nome do premiado) contempladas e deverão ser encaminhadas completas, até, no máximo, 30(dias) dias após o encerramento do 2º ANÁPOLIS FESTIVAL DE CINEMA, resguardando o seu direito. Caso não seja atendido em tempo hábil o Município exime-se de sua responsabilidade. 

III. O pagamento da premiação será efetuado obedecendo-se os trâmites legais. 

IV. A alíquota de 20%, calculada sobre o valor total da premiação, referente ao imposto de renda é de responsabilidade do premiado, sendo que seu recolhimento será retido na fonte conforme legislação vigente. 

V. A inscrição do candidato implicará o conhecimento e a tácita aceitação das normas e condições estabelecidas neste Edital nº 01/ 2012, seus Anexos I, II e III, em relação às quais não poderá alegar desconhecimento. 

VI. Os casos omissos serão resolvidos pela Comissão Organizadora do Festival. 

VII. A divulgação do resultado será no dia 16 de março de 2011 e estará disponível no Site: e www.anapolis.go.gov.br/anapolisfestivaldecinema na imprensa de um modo geral. 

Anápolis, 25 de janeiro de 2012 

 

Antônio Roberto Otoni Gomide

Prefeito de Anápolis 

Augusto César de Almeida

Secretário Municipal de Cultura

Vem aí o II Festival de Cinema de Anápolis…

Com coordenação-geral de débora torres, Cidade goiana prepara nova edição de seu concorrido Festival

 

Na próxima semana, será divulgado o Edital do Festival, o qual este ano terá mais uma mostra competitiva: a de CURTAS DOCUMENTÁRIOS do CENTRO OESTE, além da principal Mostra – que reverencia a memória do pioneiro ADHEMAR GONZAGA – com exibição de LONGAS METRAGENS BRASILEIROS DE FICÇÃO PREMIADOS e curtas anapolinos de todos os gêneros.
 
 
 
Débora Torres envia um carinhoso convite, no qual reafirma seu propósito de realizar um amplo painel audiovisual e aprofundar os laços afetivos, a partir do fazer cinematográfico:
 
 
Conto com a presença de todos vocês! Alguns como convidados, outros como jurados, ou ainda como homeageados. Mas,sempre com grande prazer.
E VIVA O CINEMA BRASILEIRO !!!
 
 
 
Aurora Miranda Leão, Walter Webb e Débora Torres curtindo a primeira edição do Festival de Cinema de Anápolis…
 

ARRASTÃO ANÁPOLIS !

Aurora de Cinema na cobertura do Festival 

 Bela Semente em Prol do Cinema Brasileiro

 

Anápolis, o segundo mais desenvolvido e promissor município de Goiás, bem próximo à bela e hospitaleira Goiânia, acolheu em abril passado um bom bocado do cinema brasileiro. A prefeitura deu chance e Débora Torres, uma mulher aguerrida, dedicada às produções que assina, competente, forte, solidária e disposta, semeou mais um terreno em Goiás, que deverá gerar belos e imponentes galhos para açambarcar todo o variado painel que, cada vez mais, o cinema brasileiro descortina.

Aurora Miranda Leão, Débora Torres, Ed Cafezeira e Almir Torres no resort ESTÂNCIA

O I Festival de Cinema de Anápolis, de 12 a 18 de abril, foi um momento precioso de encontro entre gente que faz cinema – nos bastidores, nos palcos, nas platéias, por trás das câmaras e nas telas dos quatro cantos do mundo.  Estive por lá, com muita honra, como jornalista convidada, e fiquei encantada.

Desde a acolhida no aeroporto, onde três jovens da equipe de Débora já me esperavam há algum tempo – Pedro Pinheiro, Tatiana Lopes e a bela Jéssica – . Ali, reencontrei o simpático casal Laura Pires e Edvaldo Cafezeira, dois queridos de longa data. Assim, tudo foi muito convidativo, desde o início.

Aurora recebe caloroso abraço de Débora Torres na chegada a Anápolis…

O trajeto Goiânia-Anápolis é feito em estrada com boa manutenção e se faz ligeiro. Chegar e dar de cara com o precioso espaço do resort Estância Park foi outra boa surpresa. Foi lá que revi minha querida amiga Débora, idealizadora e coordenadora-geral do Festival que seria aberto àquela noite. Ela vinha acompanhada do irmão Almir, outro que deu a maior força para o êxito do Festival.

Fomos almoçar no amplo e vem servido resto da Estância e lá reencontrei o colega de batente, Cid Nader, outro cujo astral sempre favorece momentos aprazíveis.

Quando a noite começou a se insinuar, nos trouxe junto o abraço da querida Alice Gonzaga, grande baluarte do nosso Cinema, feliz por estar acompanhando a meritório Homenagem ao pai, que nomina a mostra competitiva de longas-metragens.

Aurora Miranda, Selva Aretuza e Alice Gonzaga: companheiras de cinema em Anápolis

A abertura foi no Teatro Municipal: noite festiva, platéia lotada e a primeira exibição pública do filme Hollywood no Cerrado, de Tânia Montoro e Armando Bulcão, um documentário revelador para o quão Anápolis tem a ver com parte da história do cinema, sobretudo o de Hollywood: afinal, no município goiano que agora envereda pelas trilhas do audiovisual, viveu e floresceu muita gente de prestígio no cinema norte-americano, como Joan Lowell, Mary Martin, Larry Hagman, Gilbert Adrian.

Nesta noite, a atriz francesa Eliane Lage – grande diva do cinema brasileiro nos anos 50 (há três décadas, feliz moradora de Pirenópolis), reencontrou-se, depois de tantos anos, com os amigos Walter Webb e Alice Gonzaga. Um belo encontro, abonado em frente ao palco do Teatro Municipal de Goiânia.

Débora Torres, cineasta Alberto Araújo e Tânia Montoro em noite de cinema em Anápolis

A platéia anapolina adorou se ver na tela: suas reações de aprovo eram indisfarçáveis, e ouviam-se muitos risos durante algumas passagens. Oxalá o filme tenha boa visibilidade pelas telas do país e chegue também em solo americano. A comunidade anapolina merece.

O festival teve duas mostras competitivas: a de Longa-Metragem de Ficção Brasileiro, adequadamente chamada Adhemar Gonzaga, num justo e belo preito ao jornalista pioneiro da indústria cinematográfica no Brasil, e a mostra Curta Anápolis, para dar visibilidade à produção anapolina, de todos os gêneros. O Troféu Anápolis, criado pelo artista plástico Napefi, foi entregue a personalidades como Vladimir Carvalho, Miguel Jorge, Tizuka Yamazaki, Ingra Liberato, Murilo Rosa, Luiz Carlos Vasconcellos e Mallu Moraes, além de ter sido entregue aos representantes dos filmes vencedores.

A programação também disponibilizou seu foco para as crianças da rede municipal de ensino – tendo sessões super concorridas – e proporcionou o I Encontro de Cineclubes do Centro-Oeste – com direito à oficina cineclubista coordenada por Carol Paraguassu, e a presença muito intensa de cineclubistas da região.

Edvaldo Cafezeira, Aurora Miranda, Walter Webb e Débora Torres…

Em Anápolis também aconteceram diversas oficinas – alvitres da agilidade mental e disposição para o trabalho que Débora Torres demonstra a todo momento, mesmo quando não se dá conta disso – com aulas de roteiro, produção e direção ministradas pelo baluarte Walter Webb.

Walter Webb distribui simpatia entre Eliane Lage e Alice Gonzaga: trio-Patrimônio

Aliás, sobre esta figura é preciso um parêntese especial: Walter Webb foi presença das mais solicitadas e encantadoras em Anápolis, a todos dedicando uma palavra especial, uma atenção calorosa, um bom fio de enriquecedora conversa, em qualquer direção. Uma enorme alegria conhecê-lo e privar de seu convívio.

Aurora Miranda Leão e a alegria de reencontrar ator Guido Campos

Falando nisso, o que não faltou em Anápolis foi a convivência  com pessoas do mais significativo quilate… ainda estou por descobrir se isso é fruto da energia revitalizante que emanava da acolhedora Estância Park (o belo resort que nos serviu de cenário e aconchego por uma semana) ou se esses “presentes” se configuram no espaço a cada vez que minha irmã querida Débora Torres toma a colcheia e toca pra frente uma enorme caravana de holofotes em direção aos artistas do Cinema e ao cinema dos Artistas Brasileiros.

Serina Raruá e Aurora Miranda Leão: Sétima Arte acontecendo em Anápolis

Desta vez, ela nos trouxe a delicadeza e prestatividade de Serina Raruá, além da disponibilidade sempre atenta de Ângela Torres e a presença sempre benfazeja de Guido Campos e Rubens Ewald Filho, este Homem-Cinema sempre a encantar com sua simplicidade, simpatia, riqueza de memória e conhecimento abalizado sobre tantos temas, um mestre na arte de seduzir e encantar porque nele notoriedade, prestígio, desafetação, riqueza espiritual e carisma são um só trevo de cinco folhas.

E por falar nele, Rubens destacou o quanto a história de Anápolis revela uma espécie de predestinação para o cinema, uma vez que ali viveram, entre os anos 40 e 50, Janet Ganyor – atriz principal do grande clássico do cinema, o filme Aurora, de Murnau -, e seu marido Gilbert Adrian (um dos grandes estilistas de Hollywood). E citou também a presença de Mary Martin, atriz de grandes musicais da Broadway, em cuja biografia há uma marcante passagem pela cidade. “Com uma história dessas, com certeza já estava escrito nas estrelas que Anápolis está diretamente ligada ao cinema”

Secretário Augusto César, Débora Torres, Rubens Ewald Filho e o prefeito Gomide

E assim, divididos entre ricos papos sobre a Sétima Arte, piadas e generosos encontros nos espaços da Estância Park, de dia, e filmes, debates e fartos churrascos noturnos, transcorreu aquele adorável período do festival de cinema de Anápolis.

Neusa Borges, Aurora Miranda Leão e Felipe Brida: respirando cinema em Anápolis

Churrascaria Los Pampas foi ponto de encontro todas as noites… Haja churrasco !

A cada noite, um debate após os filmes, comandados ora por Débora ora por Guido, reunia público e realizadores num importante intercâmbio de idéias artísticas e disponibilidade para a informação. Toda noite também o entorno do Teatro Municipal acolhia o público, imprensa e convidados com um barzinho agradável e de preços convidativos, aliado a um bom momento musical com artistas da cidade.

Aurora Miranda Leão e Laura Pires na noite-lançamento biografia Roberto Pires

Em Anápolis, também havia uma janela para livros sobre cinema: ali foram lançados o ótimo livro do amigo Alex Moletta – “Criação de Curta-Metragem em Vídeo Dgital” -, o histórico livro de Beto Leão sobre os 100 Anos do Cinema Goiano, e a biografia do cineasta baiano Roberto Pires, que sua viúva Laura Pires autografava emocionada, junto ao lançamento da cópia restaurada do filme Redenção, título iniciático da carreira de Roberto e primeiro longa-metragem baiano.

O festival possibilitou também que, a cada noite, os filmes exibidos no dia anterior pudessem ser vistos por maior número de pessoas, sendo então ofertados em algumas praças de Anápolis, e a equipe comandada pelo elétrico Itamar Borges registrava tudo em making-of.

Débora Torres e o Secretário Augusto César abraçam necessidade do Festival

Os filmes concorrentes eram: Orquestra de Meninos, representado por Murilo Rosa (homenageado com o Troféu Anápolis) – seguido por uma legião de fãs que o acompanhou o dia inteiro em Anápolis: o ator arrebatou uma multidão ao belo parque Ypiranga numa tarde em que diversas orquestras da cidade tocaram em sua homenagem.

Aurora M. Leão e Felipe Brida: jornalistas também tietaram o premiado Murilo Rosa

Murilo foi atencioso e simpático com todos, não se furtando a posar para fotos, dar autógrafos e espalhar beijinhos e abraços entre as tietes. Na visita ao parque municipal, Murilo Rosa (sempre acompanhado dos pais) foi recebido pelo prefeito Antônio Gomide, o secretário de Cultura, Augusto César de Almeida, a diretora municipal de Políticas Públicas, Agueda Maria Zimmer, a coordenadora do programa Criar e Tocar, Marisa Espíndola, e por professores da rede municipal de ensino.

Ator, que passou infância em Anápolis, recebeu bela homenagem do Festival

Dila Guerra e Manaíra Carneiro apresentam o premiado  Cinco Vezes Favela…

Cinco Vezes Favela, o emblemático filme produzido por Cacá Diegues, foi representado por uma das diretoras do primeiro episódio, a pulcra e simpática Manaíra Carneiro, e por Dila Guerra, atriz do último episódio do filme – que Rubens me avisou logo tratar-se de “grande atriz”. As duas foram iluminadas presenças no festival e participaram ativamente do debate pós-exibição.

Darlene Glória em cena de Feliz Natal, longa de Selton Mello

Feliz Natal, o impactante filme de Selton Mello, foi representado por sua mãe, a elegante Selva Aretuza, e pelo ator Leonardo Medeiros. Obra colecionadora de prêmios em festivais pelos quatro cantos, o filme de estréia de Selton é ainda melhor do que esperava, digno mesmo de todas as honrarias: aponta um diretor vigoroso, criador de um roteiro instigante (parceria com Marcelo Vindicatto), enriquecido por uma fotografia (Lula Carvalho) em plena sintonia com o leitmotiv do argumento, com enquadramentos belos e inusitados – há pelos menos três momentos em que isso é patente: na vertigem de Mércia (personagem de Darlene) rodando entre luzinhas decorativas do Natal; na cena do personagem Caio (Leo Medeiros) deitado em posição fetal no meio da rua; e na cidade que nos é dada ver se descortinando em seu anoitecer por trás de um muro alto, branco – lindo a mais não poder…

Leonardo Medeiros e Selva Aretuza apresentando Feliz Natal, de Selton Mello

Selton é dono de invejável sensibilidade, evidenciada sobretudo pelos artistas que convoca para trabalhar com ele, dando qualificado destaque ao trabalho de artistas como Darlene Glória, Lúcio Mauro, Emiliano Queiroz, e Paulo Guarnieri. Supimpa este Selton ! Exponencial ator e um diretor de envergadura.

A cineasta Anna Luíza Azevedo entre Eduardo Cardoso e Bianca Menti

Dia seguinte, a cineasta Anna Luíza Azevedo, e os jovens atores gaúchos Eduardo Cardoso e Bianca Menti representaram o filme Antes que o Mundo Acabe, título que fez daquela a noite mais positivamente energizada do festival.

Bianca Menti e Pedro Tergolina em Antes que o mundo acabe

Filme sensível, onde desponta o talento promissor de Pedro Tergolina (de rara beleza), muito bem aproveitado em cenas ao lado de Eduardo e Bianca, Elisa Volpatto e Murilo Grossi. Roteiro caprichado, assinado a quatro mãos por Paulo Halm, Jorge Furtado, Giba Assis Brasil e a própria Anna Azevedo.  Antes que o Mundo Acabe findou por sagrar-se vencedor em diversas categorias e na mais importante delas, Melhor Filme. Um justo reconhecimento a uma obra eivada de méritos, pronta para ser vista, revista e sair encantando, a cada vez em que for exibida.

Já na madruga, Aurora, Eduardo Cardoso, Bianca Menti e Cid Nader em papo de cinema

Fiquei fascinantemente impressionada com mais este belo exemplar do cinema gaúcho e me enchi de saudades de Porto Alegre (o filme tem ademais este mérito, de mostrar a capital gaúcha como uma cidade que precisa ser visitada, fartamente cultural, tranqüila e acolhedora).

Ana Carbatti: mais um prêmio ao talento, premiada por Os Inquilinos

O último filme em competição, Os Inquilinos, do sempre polêmico Sérgio Bianchi, também recebeu vários troféus, incluindo Melhor Atriz e Atriz Coadjuvante (respectivamente, Ana Carbatti e Cássia Kiss).

 

Murilo Rosa (ao lado de Débora Torres) cumprimenta prefeito Antônio Gomide

Necessário salientar: merece parabéns o prefeito Antônio Gomide e a equipe de sua Secretaria de Cultura (na pessoa do secretário Augusto César de Almeida), que apostaram num projeto de suma relevância, não só para a cidade de Anápolis mas pra todo o estado goiano e para os muitos que, diariamente, precisam acordar com a certeza de que vale a pena investir no sonho de fazer Arte no Brasil e prosseguir criando, construindo um cinema que, a par de todas as dificuldades, se mantém ativo e pulsante, cotidianamente.

Murilo Rosa encantou Anápolis e contribuiu com brilhantismo para sucesso do Festival

Idealizado pela cineasta e produtora-executiva Débora Tôrres, o I Festival de Cinema de Anápolis foi organizado pela Secretaria Municipal de Cultura/Prefeitura Municipal de Anápolis em parceria com a ACAA – Associação Cultural e Artistica de Anápolis – , o Cineclube Xícara da Silva, e o Pontão de Cultura Tenda Jovem.

E pra encerrar, vou tentar lembrar de todos com quem estive nestes tão agradáveis dias em Anápolis. É difícil mas vou tentar não esquecer ninguém.

Murilo Rosa foi Melhor Ator por Orquestra de Meninos e encantou em Anápolis

Primeiro a alegria de reencontrar Rubens Ewald Filho e Alice Gonzaga, além de Laura Pires, Edvaldo Cafezeira, Ângela Torres e Itamar Borges. Na última noite, o abraço que não podia faltar, no querido escritor Miguel Jorge, poeta de aguçada sensibilidade. Depois a beleza e simpatia de Manaíra Carneiro, carioca estreando muito bem na direção de longa com Cinco Vezes Favela, acompanhada de outra carioca que também se tornou querida: a super simpática Dila Guerra, participante antenada de debates e conversas sobre cinema.

Dila Guerra, Manaíra Carneiro, Itamar Borges, Mallu Moraes, Felipe Brida, Aurora Miranda Leão e Alice Gonzaga em noite de confraternização em Anápolis

Escritor Miguel Jorge e roteirista Alex Moletta também abrilhantaram festival

E ainda a tranqüilidade pacificadora de Cid Nader e o jeito bem-vindamente  solícito de Felipe Brida, boa-praça de carteirinha.  Sem esquecer de Mallu Moraes, João Batista de Andrade, o embaixador Lauro Medeiros, além de Neusa Borges, Umberto Magnani, Sérgio Bianchi, Selva Aretuza, os atores Leonardo Medeiros, Guido Campos, Eduardo Cardoso e Bianca Menti;  o casal Lucília e Vladimir Carvalho, e a presença sempre bem-vinda de Walter Webb e do querido amigo Alex Moletta.

Documentarista paraibano de Brasília, Vladimir Carvalho, homenageado com Troféu Anápolis, fez contundente discurso ao recebê-lo

E teve ainda o Paulo e o Marcos, conduzindo com simpatia e bom humor todo mundo pra qualquer lugar, e a Serina Raruá, misto de elegância, pragmatismo e disponibilidade. Ficando pro final quem chegou por último: o charme alegremente cativante da esplendorosa Zezeh Barbosa, que chegou no finalzinho mas não precisou nem de cinco minutos pra conquistar a simpatia e adesão de todos. E ainda gravou eloqüente participação no curta O Sumiço de Alice, que virá na seqüência, fruto dos dias ensolarados e prolíficos em solo anapolino.

E para celebrar a última noite do I Festival de Cinema de Anápolis, não podia faltar uma animada festa, que aconteceu na boate Nobel, onde dancei à beça, ao lado de curtidores da noite – como Débora, Serina, Mallu, Itamar, Ângela, Guido e Zezeh –, e na qual precisei “assumir” as pick-ups várias vezes pois o DJ (o simpático Nelsinho) não tinha sequer uma música do “trio fantástico” (Paralamas), nem tampouco uma faixa dos Beatles… a noitada foi inesquecível mas resolvi, a partir de então, assumir meu lado DJ.

Vencedores da mostra de curtas: ator Marcus Annoli e equipe do filme “Entre”

Que venha o Anápólis 2012 !

Dila, Laurita, Mallu Moraes, Aurora Miranda e Zezeh Barbosa: noite final em Anápolis

Um beijo carinhoso a todos que desfrutaram comigo estes divertidos dias em Anápolis e um agradecimento muito forte e sincero a Débora Torres e toda a sua equipe.

* Fotos de Anápolis são de Ed Cafezeira, Aurora Miranda Leão e Felipe Brida

SARAVÁ !!!

Até 2012, se Deus quiser !