Arquivo da tag: cinema em Fortaleza

FOR RAINBOW ABRE INSCRIÇÕES

ENSAIOS DE CINEMA, HOJE, na Oboé

Para “ler” o Cinema

Um dos críticos de cinema mais conhecidos fora do eixo Rio-São Paulo, o cearense L.G de Miranda Leão lança Ensaios de Cinema (Banco do Nordeste, 2010, 282 páginas, R$ 20,00), novo livro de críticas, hoje à noite, no Centro Cultural OBOÉ, na Aldeota, às 19:30h.

  

Dificilmente uma sequência costuma fazer jus ao seu filme original. Na contramão dessa tendência, o crítico de cinema L. G de Miranda Leão lança hoje sua primeira e bem-sucedida “continuação”, o livro Ensaios de Cinema – extensão da primeira obra do autor, Analisando Cinema.

Nos dois títulos, L.G. reúne críticas e ensaios publicados ao logo de mais de 50 anos de carreira. O primeiro, lançado em 2006 pela Imprensa Oficial de São Paulo, torna-o o único cearense, residente em Fortaleza, a ser publicado na prestigiada Coleção Aplauso.

Agora, em Ensaios de Cinema, o especialista traz uma visão mais ampla da produção cinematográfica de países como Alemanha, EUA, República Checa e Suécia. Na lista de cineastas abordados estão grandes nomes como François Truffaut, Stanley Kubrick, André Bazin, Ingmar Bergman, Martin Scorsese e Orson Welles.

A obra, que já foi lançada no FestCine Goiânia e no V Festival de Cinema e Vídeos dos Sertões (Floriano-PI), tem apresentação do colega Rubens Ewald Filho, que tece elogios ao rigor do trabalho do autor.

“Ao lançar ´Analisando…´, notei o entusiasmo de muita gente, alunos, amigos e colegas. Isso me animou a escrever um segundo livro”, comemora L.G. “Assim, comecei a reunir novas críticas e ensaios”. Os textos apresentados no novo trabalho cobrem pelo menos meio século de trajetória da sétima arte, ao abordar temas e gêneros como a Nouvelle Vague, o cinema americano nos anos 70, filmes de guerra, entre outros temas.

Carreira

Frente a um recorte tão grande e à considerável produção acumulada, o autor recorreu ao critério de afinidade para selecionar o material. “Escolhi textos sobre diretores e filmes com os quais tenho mais afinidade”, ressalta. “Truffaut, Kubrick, Bergman e Welles, por exemplo, sempre estiveram à frente de seu tempo”. O livro foi organizado com a ajuda da filha do crítico, Aurora Miranda Leão, que também trabalha com cinema. Na orelha da publicação, a caçula lembra as matinês do Cine São Luís, no Centro de Fortaleza, onde assistiu, na companhia do pai, aos primeiros exemplares de sua filmoteca pessoal.

Para o próprio L.G., a paixão também vem de família – no caso, graças à influência do pai, o médico e cinéfilo João Valente de Miranda Leão. “Ele nos levava ao cinema com frequência”, recorda o crítico.

Uma experiência em particular marcou o crítico. “Na década de 40, Welles veio ao Ceará para filmar cenas de It´s all true, no Mucuripe. Meu pai tinha sido apresentado ao Welles, e nós fomos assistir à uma gravação. Vi o diretor deitado no chão, com a câmera apontada em contra-plano. Ao seu lado havia uma caixa preta, parecido com um decodificador de TV, que ele manipulava com cuidado. Meu pai foi perguntar o que era aquilo e Welles respondeu que era um gravador de som direto, algo que fomos ter no Ceará apenas nos anos 80″, conta, entusiasmado. Na ocasião, L.G. tinha dez anos de idade. “A partir daí, cinema passou a ser paixão”, confessa o crítico. Não por acaso, Orson Welles está na lista de seus cineastas favoritos.

Alguns anos depois, o crítico conheceu outra figura cuja influência foi fundamental em sua carreira – o jornalista e também crítico de cinema Darcy Costa (1923 – 1986), criador do Clube de Cinema de Fortaleza (um dos clubes de cinema pioneiros no País). “Foi na inauguração do Clube, em fevereiro de 1949. Na ocasião conheci e fiz amizade com Darcy Costa, um grande conhecedor do cinema. Foi quando vi que, além de ver filmes, precisava estudá-los”.

Os primeiros artigos publicados de L.G, em 1953, foram justamente sobre o Clube de Cinema de Fortaleza. Ao longo dos anos, inúmeros filmes e diretores passaram pelo crivo do autor, que costuma assistir ao mesmo título várias vezes antes de escrever sobre ele.

Função

Em relação ao seu ofício, L.G. acredita que o papel do crítico de cinema é abrir horizontes de entendimento e de conhecimento para espectador, “porque nem todo mundo estuda o tema com profundidade”, ressalta. “No mercado, talvez o crítico contribua para melhorar o nível das produções”, opina.

Para ilustrar melhor a função, o autor cita o filme Morangos Silvestres, clássico do sueco Ingmar Bergman. “Na história, um professor de 78 anos vai receber uma homenagem. Antes da cerimônia, sonha que está andando na rua e vê um relógio sem ponteiros”, destaca. Segundo o crítico, trata-se de uma referência à morte, a representação do tempo esgotando-se na vida do personagem.

Aposentado do Banco do Nordeste e da Universidade Estadual do Ceará, L.G. ministrou diversos cursos voltados ao cinema. É justamente esse interesse por passar o conhecimento adiante que atualmente inspira seu próximo projeto. “Quero preparar um manual prático de ´ler´ cinema, voltado à compreensão dos significantes visuais. É um desafio grande. Talvez, depois dele, não faça mais nada”, brinca o crítico.

ADRIANA MARTINS
Repórter do Caderno 3/Diário do Nordeste

Direitos Humanos na Tela

 De 8 a 14 próximos, Fortaleza sediará a 5º Mostra de Direitos Humanos.

A realização é da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República,  produção da Cinemateca Brasileira e patrocínio da Petrobras, a Mostra Cinema e Direitos Humanos na América do Sul é dedicada a obras que abordam questões referentes aos direitos humanos, produzidas na região.
 
Nesta sua quinta edição, o evento atinge 20 capitais brasileiras e a programação reúne 41 filmes,
representando dez países sul-americanos. A programação destaca Homenagem ao ator argentino Ricardo Darin, a retrospectiva Direito à Memória e à Verdade e uma seção de títulos contemporâneos, vários deles inéditos no Brasil. 

A Mostra em Fortaleza irá acontecer no Casa Amarela Eusélio Oliveira e no Centro Cultural Bom Jardim. 

 

  www.cinedireitoshumanos.org.br

Cine Benjamin Abrahão da Casa Amarela Eusélio Oliveira – UFC
(85) 3366-7772                        Av.da Universidade , 2591

ENTRADA FRANCA


09/11 – TERÇA-FEIRA

16h

A VERDADE SOTERRADA – Miguel Vassy (Uruguai/ Brasil, 56 min, 2009, doc)

ROSITA NÃO SE DESLOCA – Alessandro Acito, Leonardo Valderrama (Colômbia/ Itália, 52 min, 2009, doc)

18h

A BATALHA DO CHILE II – O GOLPE DE ESTADO – Patricio Guzmán (Chile/ Cuba/ Venezuela/ França, 90 min, 1975, doc)


20h
VIDAS DESLOCADAS –
João Marcelo Gomes (Brasil, 13 min, 2009, doc)
PERDÃO, MISTER FIEL – Jorge Oliveira (Brasil, 95 min, 2009, doc)
 

10/11 – QUARTA-FEIRA
14h – Audiodescrição

AVÓS – Michael Wahrmann (Brasil, 12 min, 2009, fic)
ALOHA – Paula Luana Maia, Nildo Ferreira (Brasil, 15 min, 2010, doc)

CARRETO – Marília Hughes, Claudio Marques (Brasil, 12 min, 2009, fic)

EU NÃO QUERO VOLTAR SOZINHO – Daniel Ribeiro (Brasil, 17 min, 2010, fic)

* Sessão com audiodescrição para público com deficiência visual.


18h
DIAS DE GREVE –
Adirley Queirós (Brasil, 24 min, 2009, doc)

PARAÍSO – Héctor Gálvez (Peru/ Alemanha/ Espanha, 91 min, 2009, fic)

20h

CARNAVAL DOS DEUSES – Tata Amaral (Brasil, 9 min, 2010, fic)

MEU COMPANHEIRO – Juan Darío Almagro (Argentina, 25 min, 2010, doc)

LEITE E FERRO – Claudia Priscilla (Brasil, 72 min, 2010, doc)
Classificação indicativa: 16 anos

11/11 – QUINTA-FEIRA
14h – Audiodescrição

PRA FRENTE BRASIL – Roberto Farias (Brasil, 105 min, 1982, fic)

* Sessão com audiodescrição para público com deficiência visual.

18h
A CASA DOS MORTOS –
Debora Diniz (Brasil, 24 min, 2009, doc)

CLAUDIA – Marcel Gonnet Wainmayer (Argentina, 76 min, 2010, doc)

20h
GROELÂNDIA –
Rafael Figueiredo (Brasil, 17 min, 2009, fic)
MUNDO ALAS –
León Gieco, Fernando Molnar, Sebastián Schindel (Argentina, 89 min, 2009, doc)

 12/11 – SEXTA-FEIRA
16h

ENSAIO DE CINEMA – Allan Ribeiro (Brasil, 15 min, 2009, fic)

108Renate Costa (Paraguai/ Espanha, 91 min, 2010, doc)

Classificação indicativa: 12 anos

18h
A HISTÓRIA OFICIAL –
Luis Puenzo (Argentina, 114 min, 1985, fic)

Classificação indicativa: 12 anos

20h
XXY –
Lúcia Puenzo (Argentina/ França/ Espanha, 86 min, 2006, fic)

Classificação indicativa: 16 anos

 

13/11 – SÁBADO
16h
HALO –
Martín Klein (Uruguai, 4 min, 2009, fic)
ANDRÉS NÃO QUER DORMIR A SESTA – Daniel Bustamante (Argentina, 108 min, 2009, fic)

Classificação indicativa: 12 anos

18h
MARIBEL –
Yerko Ravlic (Chile, 18 min, 2009, fic)

O QUARTO DE LEO – Enrique Buchichio (Uruguai/ Argentina, 95 min, 2009, fic)
Classificação indicativa: 14 anos

20h
O FILHO DA NOIVA –
Juan José Campanella (Argentina/ Espanha, 124 min, 2001, fic)

Classificação indicativa: livre


14/11 – DOMINGO

16h

DOIS MUNDOS – Thereza Jessouroun (Brasil, 15 min, 2009, doc)
AMÉRICA TEM ALMA –
Carlos Azpurua (Bolívia/ Venezuela, 70 min, 2009, doc)

18h

CARRETO – Marília Hughes, Claudio Marques (Brasil, 12 min, 2009, fic)
BAILÃO –
Marcelo Caetano (Brasil, 17 min, 2009, doc)

DEFENSA 1464 – David Rubio (Equador/ Argentina, 68 min, 2010, doc)

20h

EU NÃO QUERO VOLTAR SOZINHO – Daniel Ribeiro (Brasil, 17 min, 2010, fic)

IMAGEM FINAL – Andrés Habegger (Argentina, 94 min, 2008, doc)
Classificação indicativa: 12 anos

CineCE Começa na Quinta

  

MURO DE BERLIM no

20º CINE CEARÁ

 

 A 20ª edição do Cine Ceará, a ser realizada de 24 deste a 1º de julho em Fortaleza, terá algumas mostras paralelamente à Mostra Competitiva de longa e curta-metragem. Uma delas é a Mostra Memórias do Muro, que vai retratar uma das fronteiras mais midiáticas da história, o Muro de Berlim, que foi sem dúvidas o símbolo mais visível da Guerra Fria e da divisão do mundo em dois blocos.

 

Com Lúcía Ramos como curadora, a mostra reúne 11 produções, dentre elas documentários e filmes de ficção, que abordam a temática sobre diversas perspectivas, enfocando aspetos da realidade cotidiana e refletindo os conflitos humanos numa cidade e num mundo dividido.

Entre os filmes documentos históricos das cinematografias da Alemanha oriental e ocidental, assim como sete produções inéditas no Brasil. (Confira a programação e as sinopses de cada filme no final deste release). Uma dessas produçõs inéditas é o filme Coelho à Berlinesa, de Bartek Konopka e Piotr Rosolowski, que foi indicado ao Oscar em 2010 na categoria de Melhor Documéntario de Curta-metragem.

 

Stefan Weinert, diretor do filme Contra o Muro, também inédito, é um dos convidados da mostra e tem presença confirmada no evento. Stefan se formou como ator em Colônia e Nova York e estudou cenografia na Escola Superior de Artes Aplicadas de Viena. Desde 2001 trabalha principalmente como ator em produções alemãs e internacionais. Como produtor e diretor realizou os curtas-metragens: Samstag Nacht (2000), The right one (2000) e Always Sergej (2002). O documentário Contra o Muro (Gesicht zur Wand, 2009) é seu primeiro longa-metragem. 

 

O 20º Cine Ceará é uma promoção da Universidade Federal do Ceará, através da Casa Amarela Eusélio Oliveira com apoio do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura e Desporto, e do Ministério da Cultura, através da Secretaria do Audiovisual. A Realização é da Associação Cultural Cine Ceará e conta com patrocínio de empresas públicas e privadas, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura (SIEC) e da Lei Federal de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet).

 

Sobre o Muro de Berlim

 

Levantado em 1961 sem prévio aviso, dividiu a cidade durante 28 anos, deixando um grande número de mortos, separando famílias e ocasionando grandes dramas pessoais. Construído pelo governo da Alemanha Oriental sob o nome de “Muro de Proteção antifascista”, com o objetivo de proteger a República Democrática Alemã da agressão ocidental, deixou a Zona Oriental praticamente isolada e não só tentou bloquear a influência capitalista mas também impediu a emigração dos próprios cidadãos. Sua queda em 1989 representaria o fracasso de uma ideologia e a desaparição de um mundo.

 

Do Muro de Berlim se conserva em pé pouco mais de um quilômetro. O resto virou uma linha de paralelepípedos que cruza a cidade como uma cicatriz quase imperceptível, mas as marcas que deixaram os 28 anos de Muro e os 40 anos da existência de dois estados tem tardado muito tempo em se apagar e evidentemente até hoje desapareceram completamente. À reunificação política de 1990 seguiu um longo processo de integração cultural que ainda não se concluiu. Muito além da divisão da Alemanha em dois sistemas políticos diferentes  foram as respectivas estruturas sociais e mentais que trouxeram consigo este choque cultural. Tanto assim que nos anos seguintes à queda do Muro muitos alemães orientais se sentiam estrangeiros no seu próprio país, e, sobretudo para estes, a reunificação desencadeou uma crise de identidade e uma necessidade de reafirmação semelhante à de um emigrante. Mais do que uma “reunificação” o que aconteceu foi uma quase total absorção do Oriente pelo Ocidente, do Socialismo pelo Capitalismo.

 

Como “perdedores” da Guerra Fria, foram os habitantes do lado socialista os que tiveram que se adaptar a um novo sistema. A velocidade vertiginosa com que aconteceu o desmantelamento da República Democrática Alemã fez que, de um dia para o outro, toda uma geração assistisse ao desaparecimento das suas referencias culturais e à substituição de todos os elementos identificatórios que constituíam sua identidade nacional e sociocultural.

 

PROGRAMAÇÃO MOSTRA MEMORIAS DO MURO

Espaço Unibanco de Cinema Dragão do Mar – sala 2

Sempre às 16h

Dia 25 de junho

PAISAGEM ORIENTAL / ÖSTLICHE LANDSCHAFT / PAISAJE ORIENTAL

INÉDITO
Eduard Schreiber.
Documentário. 13 Min. Alemanha. 1991

DEPOIS DA QUEDA / NACH DEM FALL / DESPUÉS DE LA CAÍDA

Frauke Sandig, Eric Black. Documentário. 85 Min. Alemanha. 1999

Dia 26 de junho

A FRONTEIRA / DIE GRENZE / LA FRONTERA

Franz Winzentsen. Animação. 2.20 Min. Alemanha. 1995

O OUTRO LADO /  DIE ANDERE SEITE / EL OTRO LADO

Ellie Land. Documentário animado. 5 Min. Inglaterra. 2007

 O PANORAMA / DIE AUSSICHT / EL PANORAMA

Kurt Krigar. Documentário. 10 Min. República Federal da Alemanha RFA. 1965

 

COELHO À BERLINESA / MAUERHASE / CONEJO A LA BERLINESA

INÉDITO
Bartek Konopka. Documentário. 39 Min. Polónia/Alemanha. 2009

Dia 27 de junho

CONTRA O MURO / GESICHT ZUR WAND / CONTRA EL MURO

INÉDITO

Stefan Weinert. Documentário. 85 Min.  Alemanha.  2009

 Dia 28 de junho

ADEUS LENIN! / GOOD BYE LENIN! / ADIOS LENIN

Wolfgang Becker. Ficção 121 Min. Alemanha. 2003

Dia 29 de junho

PELOS NOSSOS FILHOS / FLUCHT INS VATERLAND-DER KINDER WEGEN / POR NUESTROS HIJOS

INÉDITO                                                                                                          
Winfried Junge, Hans Kracht.
Documentário. 16 Min. República Democrática Alemã RDA.1965

 O DESTINO DE UM SOLDADO DE FRONTEIRA/ HELDENTOD – DAS SCHICKSAL EINES GRENZSOLDATEN/ EL DESTINO DE UN SOLDADO DE FRONTERA

INÉDITO

Britta Wauer. Documentário. 50 Min. Alemanha. 2001

 

Dia 30 de junho

E TEU AMOR TAMBÉM / UND DEINE LIEBE AUCH / Y TU AMOR TAMBIÉN

INÉDITO

Frank Vogel. Ficção. 92 Min. República Democrática Alemã RDA. 1962