Arquivo da tag: cinema no Rio de Janeiro

Até quando a realidade é uma mentira ?

A Forma Filmes comunica:

Os jovens diretores Rodrigo Oliveira e Marcelo Luiz de Freitas participarão do 6ºCurta Cabo Frio – Festival de Audiovisual da Costa do Sol (RJ) com o documentário Até quando a realidade é uma verdadeira mentira ?

O festival acontecerá de 1 a 9 de setembro e esta será a primeira exibição do curta em festivais. O documentário incita a discussão sobre o poder que a propaganda, no caso de cerveja, exerce sobre as pessoas.

Até quando a realidade é uma verdadeira mentira ? concorrerá na mostra competitiva de curtas digitais.

Trailer oficial e outros trabalhos de Marcelo Luiz de Freitas e Rodrigo Oliveira, acesse http://formafilmes.wordpress.com http://marceloluizdefreitas.wordpress.com

Mas a FORMA FILMES estará em Cabo Frio com outros 2 trabalhos: Dadashow volume 2, e Doméstico 365 de Marcelo Luiz de Freitas.

Doméstico 365 concorrerá na mostra competitiva de curtas realizados com câmera fotográfica/celular.

Dadashow volume 2 concorre junto ao Doc Até quando a realidade é uma verdadeira mentira ? na mostra competitiva de curtas digitais.

“O Voo da Fênix” em Festival no Tempo Glauber

Jornalista LEO TABOSA Vai Exibir Novo Doc em Festival no Rio de Janeiro 

O jornalista e gestor cultural da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), Leo Tabosa, terá seu novo documentário O Voo da Fênix exibido no festival carioca  Noite Contemporânea Cine Fest.

O festival será de 11 a 17 de outubro no Tempo Glauber, em Botafogo, no Rio de Janeiro. Na abertura, haverá homenagem ao ator Tonico Pereira. O  Voo da Fênix será exibido dia 15 de outubro, às 19h.

Este documentário é o segundo do jornalista. As imagens foram captadas em 2008, quando ainda era aluno de Jornalismo da Unicap. Na época, produziu uma matéria especial sob orientação da professora e atual Pró-reitora Acadêmica, Aline Grego. Com o amadurecimento profissional, uma total ausência de preconceitos em matéria de linguagem cinematográfica e a vontade de contar uma história e que essa história fosse compreensível, Leo Tabosa pegou todo o material bruto da época (6 fitas MiniDv) e reeditou O Voo da Fênix, mantendo o mesmo título da matéria especial produzida em 2008.

Festa da Academia de Cinema é AMANHÃ

Amanhã, 8 de junho, acontece a esperada festa de entrega do grande prêmio da Academia Brasileira  de Cinema.

Os HOMENAGEADOS deste ano são Anselmo Duarte (ator e produtor que deu ao Brasil a Palma de Ouro em 1962 com o filme O Pagador de Promessas, a partir da peça teatral de Dias Gomes) e ALICE GONZAGA, que receberá a estatueta em reconhecimento ao louvável trabalho que faz à frente da CINÉDIA.

A festa da Academia Brasileira de Cinema terá como cenário o Teatro João Caetano, localizado na praça Tiradentes, centro do Rio, e será transmitida ao vivo pelo Canal Brasil ( 66), com início às 21h.

Veja a lista de filmes que concorrem aos prêmios da Academia. Você também pode votar no seu preferido. Basta acessar http://telecine.globo.com/academiabrasileiradecinema/

* Saiba mais sobre ALICE GONZAGA:

Escritora, pesquisadora, produtora, diretora e empresária do ramo cinematográfico, Alice Gonzaga é filha de Adhemar Gonzaga, fundador da CINÉDIA que durante as décadas de 30 e 40 foi uma das principais produtoras do país, responsável por um dos maiores sucessos de público do cinema brasileiro, o melodrama O Ébrio (1946), de Gilda de Abreu.

Lábios sem Beijos, um dos clássicos da CINÉDIA

À frente da CINÉDIA, Alice Gonzaga desenvolve um importante trabalho de preservação e recuperação de clássicos da empresa, como Lábios sem Beijos (1930), de Humberto Mauro, e Alô. Alô. Carnaval! (1936), de Adhemar Gonzaga. Entre as numerosas realizações do estúdio estão 60 longas, 250 documentários, 700 cinejornais, como Mulher (1931), de Octávio Gabus Mendes, Ganga Bruta (1931/32), de Humberto Mauro, Bonequinha de Seda (1936), de Oduvaldo Vianna, Romance Proibido (1944), de Adhemar Gonzaga, 24 horas de Sonho (1941), de Chianca de Garcia, Anjo do Lodo (1950), de Luiz de Barros, obras fundamentais da cinematografia brasileira.

Cena de Alô, Alô Carnaval, clássico da CINÉDIA, com as irmãs Carmen e Aurora Miranda sob direção de Adhemar Gonzaga

Alice Gonzaga dirigiu os curtas-metragens Memórias do Carnaval, premiado no Festival de Brasília, e Folia. Publicou os livros 50 anos de Cinédia, Gonzaga por ele mesmo e Palácios e Poeiras – 100 anos de cinemas no Rio de Janeiro, a mais completa pesquisa sobre a história da exibição de cinema na cidade. Como presidente do Instituto para Preservação da Memória do Cinema Brasileiro, Alice Gonzaga desenvolve ações e projetos em prol da conservação de filmes e documentos relativos a atividade cinematográfica no país.

Alice Gonzaga recebe amanhã o Prêmio ACADEMIA BRASILEIRA DE CINEMA pelos relevantes serviços prestados à cultura cinematográfica brasileira