Arquivo da tag: Cissa Guimarães

De Onde Vem a Força de Cissa ?

Impressionante, comovente,  forte a imagem de CISSA GUIMARÃES exibida na Tv Globo semana passada, na madrugada em que seu filho Rafael recebeu justa e bela homenagem dos amigos cariocas, no túnel onde o jovem músico foi vitimado.

Todos viram Cissa chegar ao local afogada em dor, lágrimas, tristeza, alma dilacerada. Mas também vimos um número enorme de amigos de Rafael, de Cissa, da família Guimarães-Mascarenhas solidários na dor, irmanados no mesmo sentimento e crença de que Rafael agora está num lugar reservado aos Anjos, puros de alma e coração.

Depois do improvisado show, onde até o pai de Rafael, o músico Raul Mascarenhas, se aliou aos amigos do filho dele e de CISSA para entoar canções para Rafael e outras feitas pelo próprio Rafael e seus parceiros de banda, todos vimos a estóica CISSA, mergulhada em lágrimas, ainda ter forças para afirmar: “Tenho muito orgulho de meu filho, ele era iluminado… Obrigada, Rafael !… Eu vou voltar a sorrir …”

Roberto Filho/AgNews 

“Agora eu entendo tudo de estrela. Tenho a minha própria. Me emocionei muito. Principalmente porque tenho outra estrela que está no palco falando da outra estrela que está no céu”, disse CISSA na estréia da peça do filho João em teatro de Ipanema

Dias antes, na missa de Sétimo Dia do filho caçula, a atriz havia dito na igreja para a amiga Maitê Proença:

“Não tenho vontade, estou à deriva, me chama, me leva, me conduz porque eu não sei de nada. Quem é que vou ser agora? A peça eu vou retomar, mas ali é mais simples, tem o texto a guiar. Qual o texto que vou usar pra vida? Como ir pra rua e olhar os olhares de quem me olha com a morte do meu filho no pensamento? Como seguir?”

Ontem, sábado (31), João Velho (o filho do meio) estreou a peça Joaquim e as Estrelas, no Teatro Oi Futuro, em Ipanema, Zona Sul do Rio de Janeiro. “Esta é a quarta peça infantil que eu faço. Sou o Joaquim, um garoto que conversa com as estrelas. Este é um momento bastante propício para o papel, depois da morte do meu irmão, Rafael [Mascarenhas], porque dizem que depois que as pessoas morrem, viram estrelas, e tenho certeza que o Rafael virou… Meu irmão querido, de uma personalidade fantástica… A gente gosta de acreditar que ele está no céu. Eu achei que não ia conseguir atuar, porque estou muito triste, mas vou usar minha tristeza como inspiração”, disse.

João Velho em cena com a peça “Joaquim e as Estrelas”

“Eu volto ao teatro pelo pelo meu irmão e o imagino sentado na plateia me assistindo. Minha família está passando por uma metamorfose em casa. No momento, eles não estão percebendo a situação. Isso deve acontecer daqui a alguns anos, até. Peço para que as pessoas rezem pela gente. Fico triste quando falam que este caso só está tendo repercussão, porque é de filho de famoso. Peço para que respeitem este momento de dor. Minha mãe quer voltar na próxima quinta-feira (4), mas está com medo. Sou assistente de direção da peça e neste momento, mais do que nunca, vou estar ao lado dela. Agora eu a estou amparando. É um fardo para nossa família, mas muito mais para ela. Minha mãe é uma guerreira. Está fazendo a terapia do luto”, ainda conta.

João Velho: tristeza se transforma em inspiração na estreia da peça infantil
João Velho e os amigos Peter Boos e Márcio Freitas, do elenco de “Joaquim e as Estrelas”

Silvia Buarque chegou ao teatro na companhia da filha Irene. “Eu não frequentava muitas peças infantis, mas comecei depois do nascimento da minha filha”. Sobre a perda de Rafael, ela comenta: “Foi um grande susto. Todos gostamos muito da Cissa, mas a vida continua e temos que dar força pra ela.”

Silvia Buarque e Irene; Silvia parabeniza João Velho pela atuação

Toda a solidariedade do Blog Aurora de Cinema a CISSA GUIMARÃES, a RAUL e aos irmãos de Rafael, Thomaz e João Velho.

Que DEUS abençoe esta família e os ajude a superar com força e FÉ momento tão difícil.

TRIBO DO TEATRO na Roquette-Pinto

Primeira audição foi ontem mas você pode acessar a Roquette-Pinto FM (94,1) a qualquer momento pelo site www.94fm.rj.gov.br

   

O programa que recomendamos é o  

Tribo do Teatro,

comandado pelo ator e jornalista Sérgio Fonta   

 

 
* Entrevista: Sergio Fonta conversa com a atriz e cantora Laila Garin, que faz sucesso no espetáculo Eu te amo mesmo assim (Teatro das Artes).
  
* Dica da semana:   Especial: nota para Cissa Guimarães.
 
* Dionysos também lê:  Arquitetura do espetáculo (teatro e cinemas na formação da Praça Tiradentes e Cinelândia), de Evelyn Furquim.
  
 
Contato: Rádio Roquette-Pinto FM / Arte em Movimento / Tribo do Teatro (Av. Erasmo Braga, 118 / 11º)
 
 
 

Vá ao teatro !

 

Você precisa de teatro e o teatro precisa de você !

 

 

Solidariedade a Cissa Guimarães

A impunidade é a mãe de todas as bandalhas 

A tragédia envolvendo o jovem Rafael Mascarenhas é sintomática de um Rio que não respeita as leis. Não sou vidente,mas tenho quasde certeza de que a atitude dos jovens, que furaram o bloqueio do túnel, não foi a primeira – e nem será a última – irregularidade entre os túneis Acústico e Dois Irmãos. Ontem mesmo, ouvi de minhas fontes relatos de que o local é usado como área de lazer pelos moradores do Minhocão e que há também uma turma que o frequenta para outras coisitas… Absurdo é perceber que, mais uma vez, a tranca só será posta após o arrombamento da casa.

O atropelador que me perdoe o pré-julgamento, mas ao contornar o túnel por um acesso fechado, cometeu uma irregularidade. E tem de pagar por isto e por sua consequência – a morte por atropelamento do filho de Cissa Guimarães. Um pena que outros diversos atropelamentos que acontecem pela cidade não recebam a mesma atenção das autoridades. A morte do jovem comprova que as irregularidades continuam a acontecer a qualquer hora do dia – ou da noite. Ainda mais quando ficamos sabendo que a polícia os abordou e liberou, mesmo com o carro apresentando sinais evidentes do atropelamento na sua lataria.

É aquela coisa: a impunidade, a sensação de impunidade, gera mais e mais irregularidades. O Rio é cercado de delitos e há a imensa (e honesta) sensação de que sequer as autoridades se importam com isso. Vivemos tempos de ‘farinha pouca, meu pirão primeiro’.

* O texto é de  André Balocco
 
Rafael com o irmão João e a mãe Cissa Guimarães
Durante toda a terça-feira, artistas visitaram Cissa no apartamento em que ela morava com o filho caçula, na Gávea. Os atores Lilia Cabral, Miguel Falabella, Nívea Stelmann, a cantora Preta Gil e a mãe, Sandra Gadelha, saíram de lá emocionados. Desolada, a atriz repetiu aos amigos diversas vezes: “Isso não está acontecendo, não está acontecendo”.

Ela passou a tarde sob efeitos de calmantes e não vai se apresentar neste fim de semana com a peça ‘Doidas e Santas’, no Teatro do Leblon. Na segunda-feira, será decidido se ela segue ou deixa o elenco do espetáculo. João Velho adiou a estreia de sua peça infantil ‘Joaquim e as estrelas’, no Oi Futuro, devido ao falecimento do irmão, e passou a tarde no Instituto Médico-Legal para liberar o corpo. “Rafael era o bebê da Cissa. Ela está muito mal”, revelou Katiuscia Canoro, a Lady Kate, que acompanhou João Velho no IML.

Rafael Mascarenhas era músico como o pai Raul

A rua onde Rafael morava na Gávea foi ocupada por 50 amigos que fizeram um grafite para homenageá-lo. O assunto fez o nome de Cissa Guimarães tornar-se o termo mais comentado do Twitter no mundo todo. A própria Cissa usou o microblog para se manifestar. “Em Luto”, escreveu às 12h, além de trocar sua imagem de exibição por foto em que aparece com o filho. Ela recebeu apoio da autora Gloria Perez, que perdeu a filha Daniella Perez em 1992: “Tudo o que queria era botar a Cissa no colo. Força, amiga! Te abraço em silêncio”. Além dela, famosos como o jogador Ronaldo prestaram solidariedade no Twitter.

“Isso não está acontecendo, isso não está acontecendo. Onde eu vou arranjar forças para seguir em frente?”
CISSA GUIMARÃES

“Dor tamanha, que não tem fim. Por que ele, meu Deus? Por que meu anjo? Nunca senti dor assim… ”
MARIANA BELÉM

“Tudo o que queria era botar a Cissa no colo. Força, amiga! Te abraço em silêncio”
GLÓRIA PEREZ

“Deixo aqui meu abraço solidário e o de toda a minha família à Cissa”
WILLIAM BONNER

“ Rafael era um grande amigo, um menino lindo de todas as maneiras. Estamos arrasados”
PRETA GIL 

Rafael, Cissa e Thomaz brindando em momento feliz…

Doidas e Santas…

Estréia hoje no Teatro do Leblon a peça Doidas e Santas, comédia romântica de Regina Antonini, livremente inspirada no livro homônimo da jornalista Martha Medeiros, com direção de Ernesto Piccolo com Cissa Guimarães, Giuseppe Oristanio e Josie Antello.

A peça conta a história de Beatriz (Cissa Guimarães), uma mulher moderna, psicanalista atuante, e casada com Orlando (Giuseppe Oristanio), um marido tradicional, usuário de terno nos dias úteis e amante de cervejinha com futebol, nos finais de semana. Beatriz e Orlando são pais da adolescente Marina (Josie Antello) e, estão juntos há 20 anos, num relação rotineira, sem grandes eventos.

Beatriz não se sente feliz, acredita que sua história com Orlando já acabou, que a relação perdeu o frescor e que estão juntos somente por acomodação. A partir de uma conversa com sua irmã, a solteirona Berenice (Josie Antello), Beatriz decide se separar de um previsível mas, inconformado Orlando.

Livre e desimpedida, Beatriz se se lança à vida e diverte-se, ouve seus discos, faz todos os passeios que deseja, engata um romance com um jovem rapaz, e finalmente crê estar feliz. Seu sossego é interrompido pelas ocasionais visitas da delirante D. Elda (Josie Antello) , sua mãe, que vive às turras com a neta Marina.

O tempo passa, a nova vida de Beatriz parece seguir como ela sempre sonhou, até que um dia Orlando volta a procurá-la, e o que tem a lhe dizer muda mais uma vez seus planos.

Doidas e Santas  Texto: Regiana Antonini Direção: Ernesto Piccolo Com: Cissa Guimarães, Giusepe Oristanio e Josie Antello

Cenário: Sérgio Marimba Figurino: Helena Araujo e Djalma Brilhante Luz: Jorginho de Carvalho Direção musical: Rodrigo Penna Patrocínio: Bradesco Seguros e Previdência e Silimed

Teatro do LeblonSala Tônia Carrero – Rua Conde de Bernadotte, 26 – Leblon Tel.: (21) 2529-7700