Arquivo da tag: Coração Iluminado

Hector Babenco Restaurado em Coleção

COLEÇÃO HECTOR BABENCO chega às lojas HOJE

 

Nesta segunda, 29 de novembro, a COLEÇÃO HECTOR BABENCO chega às lojas, físicas e virtuais do Brasil com preço sugerido de R$ 229,00. A caixa contém oito DVDs, embalados em digistak, com os filmes: O Rei da Noite (1975), Lucio Flávio, o Passageiro da Agonia (1977), Pixote, A Lei do Mais Fraco (1980), O Beijo da Mulher Aranha (1985), Brincando nos Campos do Senhor (1991), Coração Iluminado (1996), Carandiru (2003), O Passado (2007). Esta é a primeira vez que os filmes O Rei da Noite; Pixote, A Lei do Mais Fraco e O Beijo da Mulher Aranha chegam ao mercado de DVD.

O próprio diretor cuidou do restauro e da remasterização dos títulos mais antigos. Pixote, A Lei do mais Fraco e O Beijo da Mulher Aranha foram restaurados digitalmente quadro a quadro em Los Angeles, tendo o som remasterizado passando para Dolby Digital. Já O Rei da Noite e Lucio Flávio, o Passageiro da Agonia foram enviados para a Deluxe, no Canadá, onde passaram pelo processo de Digital Wash (limpeza digital da imagem).

 

Hector Babenco nasceu em Buenos Aires. Faz parte de uma geração que não cresceu assistindo à televisão e que tinha no cinema a referência de como outras culturas distantes contavam suas histórias. Em 1975, Hector fez seu primeiro filme, O Rei da Noite, com Paulo José e Marília Pêra. Dois anos depois, naturaliza-se brasileiro para fazer um filme que, pela primeira vez, em plena ditadura militar, narrava as impunidades das atividades do Esquadrão da Morte carioca e das relações corruptas entre polícia e marginais. Lúcio Flávio, o Passageiro da Agonia cativou o grande público ao contar uma história de cunho social de maneira simples e direta. Com 5,4 milhões de espectadores, Lúcio Flávio torna-se a quarta maior bilheteria da história do cinema brasileiro.

 

O seu filme seguinte, Pixote, a Lei do Mais Fraco (1980), ao ser exibido no MoMA de Nova York, na mostra New Films, New Directors, repercutiu na imprensa americana. Pixote é considerado o melhor filme estrangeiro de 1981 pelas associações de críticos de Los Angeles e de Nova York. No final dos anos 80, Pixote é eleito pela revista Première o terceiro melhor filme estrangeiro da década, atrás de Fanny & Alexander, de Ingmar Bergman, e de RAN, de Akira Kurosawa. O DVD de Pixote, a Lei do Mais Fraco, inclui o documentário Pixote in Memorian, de Felipe Briso e Gilberto Topczewski, exibido nos Festivais É Tudo Verdade e III Paulínia Festival de Cinema.

O reconhecimento de Pixote no mercado internacional fez com que o projeto seguinte do diretor fosse em inglês. O Beijo da Mulher Aranha, baseado no romance de Manuel Puig, com William Hurt, Raul Julia e Sônia Braga, foi rodado em 1984. O Beijo da Mulher Aranha é apontado como a primeira produção independente do cinema em língua inglesa. O Beijo recebeu 4 indicações para o Oscar®: diretor, filme, roteiro adaptado e ator. William Hurt, protagonista do filme, levou a estatueta de Hollywood e a Palma de Ouro no Festival de Cannes. O filme foi visto por mais de 10 milhões de espectadores em todo o mundo. O DVD do filme traz um making of totalmente novo e inédito.

 William Hurt interpreta Luis Molina no clássico O Beijo da Mulher Aranha

O produtor de Um Estranho no Ninho e Amadeus, Saul Zaentz, tentava há 30 anos filmar Brincando nos Campos do Senhor, romance do americano Peter Matthiessen, sobre a ocupação da Amazônia, a partir dos anos 50, pelos missionários religiosos americanos. Babenco escreveu o roteiro a quatro mãos com o francês Jean-Claude Carrière, roteirista de A Bela da Tarde e outros filmes de Buñuel. Entre pré-produção e filmagem de Brincando nos Campos do Senhor (1990), Babenco passou três anos na floresta amazônica. O diretor conseguiu reunir um elenco internacional com Kathy Bates, Tom Waits, Tom Berenger, Daryl Hannah, John Lithgow e Aidan Quinn para filmar durante 160 dias em locação.

Em 1998, Babenco realizou Coração Iluminado, com Xuxa Lopes e Maria Luisa Mendonça, rodado na Argentina. O roteiro foi escrito com Ricardo Piglia e traz referências autobiográficas de um primeiro amor da adolescência. Coração Iluminado foi o primeiro longa que Babenco realizou em seu país natal.

Carandiru é de 2003. O filme é uma adaptação para o cinema do best-seller do Dr. Drauzio Varella, Estação Carandiru, com histórias de internos contadas ao médico na Casa de Detenção de São Paulo, instituição na qual 111 presos foram mortos durante invasão da Tropa de Choque da Polícia Militar, em 1992. O filme foi assistido por mais de 5 milhões de espectadores apenas no Brasil.

 

Gael Garcia Bernal e Babenco no set de O Passado

O seu filme mais recente é baseado no romance O Passado, do argentino Alan Pauls, uma história sobre a permanência do amor depois da separação. Filmado em 2006, em Buenos Aires e São Paulo, O Passado conta a história de um jovem casal, Rimini (Gael García Bernal) e Sofia (Analía Couceyro), que depois de 12 anos juntos resolve se separar.“O filme lida com as conseqüências que um grande amor do passado pode ter no presente”, diz o cineasta. 

Este ano, Hector dirigiu a peça teatral HELL,  protagonizada pela atriz Bárbara Paz e em cartaz em S.Paulo. O texto da peça foi baseado no livro HELL,  escrito pela  francesa  Lolita Pille, e adaptado por Babenco e Marco Antonio Braz.

Os filmes da COLEÇÃO HECTOR BABENCO:

 

O REI DA NOITE

Brasil, 1975, 97 min, cor, Fulscreen 4×3, 18 anos

Áudio: Português 2.0

Legendas: Espanhol,Inglês e Português

Elenco: Paulo José e Marília Pêra.

Na São Paulo dos anos 1940, um homem galanteador e boêmio inicia um caso amoroso com duas jovens irmãs. O problema é que elas são filhas da melhor amiga da mãe dele. E o Don Juan paulista acaba se casando com uma mulher com quem ele vive brigando.

Prêmios:

Vencedor do Festival de Brasília – Melhor Ator – Paulo José

 

LÚCIO FLÁVIO, O PASSAGEIRO DA AGONIA

Brasil, 1977, 120 min, cor, Fulscreen 4×3, 18 anos.

Áudio: Português 2.0
Legendas: Espanhol, Inglês e Português

Elenco: Reginaldo Farias, Milton Gonçalves, Paulo César Peréio, Ana Maria Magalhães, Grande Otelo, Lady Francisco, Ivan Cândido, Stepan Nercessian

A trajetória do ladrão de bancos que monopolizou as manchetes da crônica policial do país com seus assaltos audazes e suas fugas espetaculares. Pouco antes de morrer, ele revelou a um repórter detalhes sobre o envolvimento da polícia com o mundo do crime. Baseado no livro de José Louzeiro.

Prêmios:

Vencedor do Prêmio de Melhor Filme da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo – Júri Popular

Vencedor do Kikito – Festival de Cinema de Gramado – Melhor Ator para Reginaldo Farias

Vencedor do Kikito – Festival de Cinema de Gramado –  Melhor Ator Coadjuvante para Ivan Cândido

Vencedor do Kikito –  Festival de Cinema de Gramado –  Melhor Fotografia

Vencedor do Kikito – Festival de Cinema de Gramado –  Melhor Montagem

Indicado ao Prêmio  Kikito de Melhor Filme

 

PIXOTE – A LEI DO MAIS FRACO

Brasil, 1982, 128 min, cor, Fulscreen 4×3, 18 anos.

Áudio: Português 2.0

Legendas: Espanhol, Inglês e Português

Elenco: Fernando Ramos da Silva, Marília Pêra, Jardel Filho, Jorge Julião, Gilberto Moura, Tony Tornado, Elke Maravilha

Após ser recolhido a um reformatório em São Paulo, um menino de rua foge em meio a uma rebelião, vivendo de pequenos assaltos no submundo.

Prêmios:

Indicado ao Globo de Ouro de Melhor Filme Estrangeiro

Vencedor do Prêmio de Melhor Filme da Associação de Críticos de Filmes de Boston

Vencedor do Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro da Associação de Críticos de Los Angeles

Vencedor do Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro no Festival de Biarritz

Vencedor do Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro pelo Círculo/Associação de Críticos de Filmes de Nova York

Vencedor do Leopardo de Prata para Hector Babenco do Festival Internacional de Filmes de Locarno – Suíça – categoria melhor filme estrangeiro.

Vencedor do Prêmio de Melhor Atriz para Marília Pêra pela Associação Nacional de Críticos dos Estados

Vencedor do Prêmio de Melhor Atriz para Marília Pêra da Associação de Críticos de Filmes de Boston

Vencedor do Prêmio de Menção Honrosa para Hector Babenco do Festival Internacional de Filmes de San Sebástian – Espanha

 

O BEIJO DA MULHER-ARANHA

Brasil/EUA, 1985, 120 min, cor, Widescreen Anamórfico, 16 anos.

Áudio: Inglês 2.0
Legendas: Português, Espanhol e Inglês
Elenco: William Hurt, Raul Julia, Sonia Braga, José Lewgoy, Milton Gobçalves, Miriam Pires, Nuno Leal Maia, Fernando Torres, Patrício Bisso, Herson Capri, Antônio Petrin, Miguel Falabela, Claudio Curi

Em uma prisão na América do Sul, dois prisioneiros dividem a mesma cela. Um é homossexual e está preso por comportamento imoral e o outro é um prisioneiro político. O primeiro, para fugir da triste realidade que o cerca, inventa filmes cheios de mistério e romance, mas o outro tenta se manter o mais politizado possível em relação ao momento que vive. Mas esta convivência faz com que os dois homens se compreendam e se respeitem.

Prêmios:

Vencedor do Prêmio de Melhor Ator para William Hurt do National Board of Review

Vencedor da Palma de Ouro de Melhor Ator para William Hurt – Festival de  Cinema de Cannes

Vencedor do Oscar de Melhor Ator para William Hurt

Indicado ao Oscar de Melhor Roteiro Adaptado

Indicado ao Oscar de Melhor Filme

Indicado ao Oscar de Melhor Diretor

Vencedor do Prêmio BAFTA de Melhor Ator para William Hurt – Prêmio da Academia Britânica de CInema

Indicação à Palma de Ouro para Hector Babenco – Festival de  Cinema de Cannes

Vencedor do Prêmio David di Donatello de Melhor Ator Estrangeiro para William Hurt

Indicado ao Globo de Ouro de Melhor Filme

Indicado ao Globo de Ouro de Melhor Ator para William Hurt

Indicado ao Globo de Ouro de Melhor Ator para Raul Julia

Indicado ao Globo de Ouro de Melhor Atriz Coadjuvante para Sonia Braga

Vencedor do Independent Spirit Award, Prêmio Special Distinction

Vencedor do Prêmio de Ator do Ano para William Hurt do Círculo/Associação de Críticos de Filmes de Londres

Vencedor do Prêmio de Melhor Ator para William Hurt da Associação de Críticos de Filmes de Los Angeles

Vencedor do Prêmio de Melhor Filme do Festival Internacional de Cinema de Toronto

Vencedor do Prêmio de Melhor Filme do Festival Internacional de Cinema de Seattle

Vencedor do Festival Internacional de Filmes de Tokyo  para Hector Babenco

 

BRINCANDO NOS CAMPOS DO SENHOR

Brasil, 1991, 186 min, cor, Fulscreen 4×3, 16 anos.

Áudio: Inglês 2.0
Legendas: Português, Espanhol e Inglês

Elenco: Tom Berenger, Tom Waits, Daryl Hannah, Kathy Bates, John Lithgow, Aidan Quinn, Stênio Garcia, Nelson Xavier, José Dumont

Um casal de evangélicos e seu filho pequeno embrenham-se na selva amazônica brasileira para catequisar índios ainda arredios à noção de Deus. Martin Quarrier (Aidan Quinn) é sociólogo e termina sendo motivado pelas experiências de outro casal, os Huben. As intenções religiosas e a harmonia entre brancos e índios no local ficam instáveis devido à presença de Lewis Moon (Tom Berenger), um mercenário descendente dos índios americanos.

Prêmios:

Vencedor do Prêmio de Melhor Trilha Sonora pela Associação de Críticos de Filmes de Los Angeles 91

Indicado ao Globo de Ouro de Melhor Trilha Sonora 92

 

CORAÇÃO ILUMINADO

França/Brasil/Argentina, 1996, cor, Letterbox 4×3, 16 anos.

Áudio:Espanhol 2.0

Legendas: Português, Espanhol e Inglês

Elenco: Miguel Ángel Solá, Maria Luisa Mendonça, Walter Quiroz, Xuxa Lopes, Norma Aleandro, Villanueva Cosse, Oscar Ferrigno Jr., Alejandro Awada, Carlos Briolotti, Daniel Fanego, Luis Luque, Arturo Maly, Mariano Marín, Guillermo Pfening

Após 20 anos, Juan (Miguel Angel Solá) retorna a Buenos Aires para visitar seu pai que está morrendo. Lá, tenta encontrar Ana (Maria Luísa Mendonça), seu antigo amor, e conhece Lilith (Xuxa Lopes), uma mulher com quem revive a mesma paixão.
Filme autobiográfico de Hector Babenco, cineasta argentino naturalizado brasileiro. Participou da Mostra Competitiva do Festival de Cannes em 1998.

Prêmios:

Indicado a Palma de Ouro para Hector Babenco, pelo Festival de Cinema de Cannes

Indicado ao Condor de Prata de Melhor Atriz para Maria Luiza Mendonça pela Prêmio da Associação de Críticos de Cinema da Argentina

Indicado ao Prêmio de Melhor Diretor para Hector Babenco pelo Grande Prêmio de Cinema do Brasil

Indicado ao Prêmio de Melhor Atriz para Maria Luiza Mendonça pelo Grande Prêmio de Cinema do Brasil

Indicado ao Prêmio de Melhor Fotografia  pelo Grande Prêmio de Cinema do Brasil

 ImageShack, share photos, pictures, free image hosting, free video hosting, image hosting, video hosting, photo image hosting site, video hosting site

Wagner Moura é um dos destaques de CARANDIRU…

CARANDIRU

Brasil, 2003, 146 min, cor, Letterbox 4×3, 16 anos.

Áudio:Português 2.0

Legendas: Português, Espanhol e Inglês

Elenco: Rodrigo Santoro, Maria Luisa Mendonça, Wagner Moura, Lázaro Ramos, Caio Blat, Luiz Carlos Vasconcelos, Milton Gonçalves, Ivan de Almeida , Ailton Graça, Aida Leiner, Rita Cadillac, Gero Camilo, Júlia Ianina, Sabrina Greve, Floriano Peixoto

A história começa quando o médico Drauzio Varella resolve fazer um trabalho de prevenção à AIDS no maior presídio da América Latina: a Casa de Detenção de São Paulo. Ali, toma contato com o que, aqui fora, temos até medo de imaginar: violência, superlotação, instalações precárias, falta de assistência médica e jurídica, falta de tudo. O Carandiru, com seus mais de sete mil detentos, merece sua fama de “inferno na terra”. Porém, nosso personagem logo percebe que, mesmo vivendo numa situação limite, os internos não representam figuras demoníacas. Ao contrário, ele testemunha solidariedade, organização e, acima de tudo, uma grande disposição de viver. Não é pouco e é o suficiente para que ele, fascinado, resolva iniciar um trabalho voluntário. O oncologista famoso, habituado à mais sofisticada tecnologia médica, vai praticar medicina como os antigos: com estetoscópio, olhar sensível e muita conversa.

Prêmios:

Escolhido para a Seleção Oficial da Palma de Ouro, pelo Festival de Cinema de Cannes

Vencedor do Prêmio de Melhor Som da ABC da Cinematografia

Indicado ao Prêmio de Melhor Filme pelo Festival Internacional de Filmes de Bangkok

Vencedor do Prêmio de Melhor Filme pelo Festival de Filmes de Cartágena

Indicado ao Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante pelo Festival de Filmes de Cartágena (para 19 atores do filme)

Vencedor do Prêmio de Melhor Diretor para Hector Babenco pelo Grande Prêmio de Cinema do Brasil

Vencedor do Prêmio de Melhor Roteiro Adaptado pelo Grande Prêmio de Cinema do Brasil

Indicado ao Prêmio de Melhor Ator para Rodrigo Santoro pelo Grande Prêmio de Cinema do Brasil

Indicado ao Prêmio de Melhor Atriz para Maria Luisa Mendonça pelo Grande Prêmio de Cinema do Brasil

Indicado ao Prêmio de Melhor Filme pelo Grande Prêmio de Cinema do Brasil

Indicado ao Prêmio de Melhor Direção de Arte pelo Grande Prêmio de Cinema do Brasil

Indicado ao Prêmio de Melhor Fotografia pelo Grande Prêmio de Cinema do Brasil

Indicado ao Prêmio de Melhor Figurino pelo Grande Prêmio de Cinema do Brasil

Indicado ao Prêmio de Melhor Montagem pelo Grande Prêmio de Cinema do Brasil

Indicado ao Prêmio de Melhor Maquiagem pelo Grande Prêmio de Cinema do Brasil

Indicado ao Prêmio de Melhor Trilha Sonora pelo Grande Prêmio de Cinema do Brasil

Indicado ao Prêmio de Melhor Som pelo Grande Prêmio de Cinema do Brasil

Indicado ao Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante pelo Grande Prêmio de Cinema do Brasil para Sabotage

Indicado ao Prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante pelo Grande Prêmio de Cinema do Brasil para Leona Cavalli

Vencedor do Prêmio de Público para Hector Babenco pelo Festival de Filmes de Havana

Vencedor do Prêmio Glauber Rocha  para Hector Babenco pelo Festival de Filmes de Havana

Vencedor do Prêmio Casa das Américas  para Hector Babenco pelo Festival de Filmes de Havana

Vencedor do Prêmio OCIC  para Hector Babenco pelo Festival de Filmes de Havana

Vencedor do Prêmio Rádio Havana para Hector Babenco pelo Festival de Filmes de Havana

Vencedor do Prêmio Saul Yelín para Hector Babenco pelo Festival de Filmes de Havana

Vencedor do Prêmio de Voto Especial do Júri para Hector Babenco pelo Festival de Filmes de Havana

Indicado ao Prêmio Melhor Filme para Hector Babenco pelo Festival de Filmes de Mar Del Plata

Indicado ao Prêmio Paz pela Associação Política de Filmes dos EUA

O PASSADO

Argentina/Brasil, 2007, 112 min, cor, Letterbox 4×3, 16 anos.

Áudio:Espanhol 2.0

Legendas: Português, Espanhol e Inglês
Elenco: Gael García Bernal, Mabi Abele, Mariana Anghileri, Mimí Ardú, Paulo Autran, Ana Celentano, Analía Couceyro, Marta Lubos, Miriam Odorico, Gustavo Pastorini, Claudio Tolcachir

Rimini é um jovem tradutor que termina o casamento de 12 anos com Sofia, sua primeira namorada. O acontecimento faz com que ele se envolva com outras mulheres, mas sua vida amorosa sempre acaba sendo conduzida pela presença de Sofia.

Julho de Cinema em Paulínia

Paulínia divulga seleção oficial

Com R$ 650 mil em prêmios e um pólo cinematográfico cheio de oportunidades, a cidade de Paulínia caminha para mais um festival de cinema no período de 15 a 22 de julho. Na edição 2010, serão exibidos 27 filmes, dos quais 12 longas e 13 curtas-metragens, sendo seis deles da região Metropolitana de Campinas.

A seleção oficial foi feita por uma comissão formada pelo Secretário de Cultura do município, Emerson Alves, pelo diretor do Festival, Ivan Melo, e pelo crítico de cinema, Rubens Ewald Filho. Um sexto longa-metragem será anunciado na próxima semana.

Na abertura do festival, será exibido o filme O Beijo da Mulher Aranha, de Hector Babenco, homenageado do festival. Dois títulos completam a homenagem ao diretor: “Pixote In Memorian”, de Felipe Briso e Gilberto Topczewski, e “Coração Iluminado”, também dirigido por Babenco. Os dois filmes serão exibidos na Mostra Paralela.

O encerramento do festival acontece dia 22 de julho, a partir das 19h, em cerimônia para convidados, com a exibição do longa 400contra1 – Uma História do Crime Organizado, de Caco Souza.

De 16 a 21 de julho, às 16h, serão exibidos, no Theatro Municipal de Paulínia, cinco longas já lançados no circuito comercial e também Cabeça a Prêmio, de Marco Ricca. Completando a Mostra Paralela o Festival exibe dois filmes infantis inéditos: “Eu e Meu Guarda Chuva”, de Toni Vanzolini e “Gui, Estopa e a Natureza”, de Mariana Caltabiano, respectivamente nos dias 17 e 18 (sábado e domingo) às 14h.

Abaixo a lista completa dos filmes da Seleção Oficial do Festival, assim como da mostra paralela:

Longas de Ficção

1. “Malu de Bicicleta”, de Flávio Tambellini (RJ)

2. “Desenrola”, de Rosane Svartman (RJ)

3. “Broder”, de Jeferson De (SP)

4. “Dores e Amores”, de Ricardo Pinto e Silva (SP)

5. “5 X Favela, Agora Por Nós Mesmos”, de Manaíra Carneiro e Wagner Novaes; Rodrigo Felha e Cacau Amaral; Luciano Vidigal; Cadu Barcellos; Luciana Bezerra (RJ)

Documentários

1. “Sobre Leite e Ferro”, de Claudia Priscilla (SP)

2. “São Paulo Cia de Dança”, de Evaldo Mocarzel (SP)

3. “Lixo Extraordinário”, de Lucy Walker, João Jardim e Karen Harley (RJ)

4. “Uma Noite Em 67”, de Renato Terra e Ricardo Calil (RJ)

5. “Programa Casé”, de Estevão Ciavatta (RJ)

6. “As Cartas Psicografadas de Chico Xavier”, de Cristina Grumbach (RJ)

Curtas Nacionais

1. “Retrovisor”, de Rogério Zagallo (SP)

2. “Estação”, de Marcia Faria (SP)

3. “Eu Não Quero Voltar Sozinho”, de Daniel Ribeiro (SP)

4. “Quem vai comer minha mulher? (Who’s Gonna F… My Wife?)”, de Rodrigo Bittencourt (RJ)

5. “Tempestade”, de César Cabral (SP)

6. “1:21”, de Adriana Câmara (PE)

7. “Ensolarado”, de Ricardo Targino (RJ)

Curtas Regionais

1. “Depois do Almoço”, de Paula Pripas (Campinas)

2. “Nicolau e as Arvores”, de Lucas Hungria (Campinas)

3. “Meu Avô e Eu”, de Cauã Nunes (Campinas)

4. “Um Lugar Comum”, de Victor Canela (Sumaré)

5. “Dona Tota e o Menino Mágico”, de Adriana Meirelles

6. “Só Não Tem Quem Não Quer”, de Hidalgo Romero

Mostra Paralela

1. “Pixote in Memmorian”, de Felipe Briso e Gilberto Topczewski

2. “Coração Iluminado”, de Hector Babenco

3. “É Proibido Fumar”, de Anna Muylaert

4. “Chico Xavier – O Filme”, de Daniel Filho

5. “Salve Geral”, de Sérgio Rezende

6. “Cabeça a Prêmio”, de Marco Ricca

Especial Infantil

1. “Eu e Meu Guarda Chuva”, de Toni Vazolini

2. “Gui, Estopa e a Natureza”, de Mariana Caltabiano

Prêmios

O Festival distribuirá, por meio de sua premiação oficial, um total de R$ 650 mil aos vencedores das diversas categorias, como segue:

 

Filmes de longa metragem
Melhor Filme ficção: R$ 150.000
Melhor Documentário: R$ 50.000   
Melhor Diretor ficção: R$ 35.000   
Melhor Diretor Documentário: R$ 35.000   
Melhor Ator: R$ 30.000   
Melhor Atriz: R$ 30.000   
Melhor Ator coadjuvante: R$ 15.000   
Melhor Atriz coadjuvante: R$ 15.000   
Melhor Roteiro: R$ 15.000   
Melhor Fotografia: R$ 15.000   
Melhor Montagem: R$ 15.000   
Melhor Som: R$ 15.000   
Melhor Direção de arte: R$ 15.000   
Melhor Trilha Sonora: R$ 15.000   
Melhor Figurino: R$ 15.000   
Especial Júri: R$ 35.000  

Filme de curta-metragem – Nacional
Melhor filme: R$ 25.000   
Melhor Direção: R$ 15.000   
Melhor Roteiro: R$ 10.000  

Filme de curta-metragem – Regional
Melhor filme: R$ 25.000   
Melhor Direção: R$ 15.000   
Melhor Roteiro: R$ 10.000  

Júri Popular
Melhor longa ficção: R$ 25.000   
Melhor documentário: R$ 15.000   
Melhor curta metragem nacional: R$ 5.000   
Melhor curta-metragem regional: R$ 5.000  

 

Atividades paralelas

O Paulínia Festival de Cinema – 2010 traz ainda:

– Debates

– Seminários

– Realização do III Encontro Roteiro em Questão.

– Lançamento de livros e dvds

 

Realização e Patrocínios

Realização – Prefeitura Municipal de Paulínia, através da Secretaria Municipal de Cultura.

Patrocínio – Quanta.

Apoio InstitucionalImprensa Oficial do Estado de São Paulo.

Apoio – Vitoria Hotéis (o Hotel Oficial do Festival).