Arquivo da tag: costa pinto

INTERIORES: Cinema diversificado na tela de Rio Preto

Encerrada ontem a segunda edição da Mostra INTERIORES, que movimentou o SESC Rio Preto durante 4 dias exibindo mais de 30 filmes de curta-metragem brasileiros e dois longas estrangeiros.

A programação incluiu filmes do Ceará, Campina Grande, São Paulo, Rio de Janiro, Espírito Santo, Goiás, enfim, a Mostra INTERIORES reverteu-se num belo e diversificado painel da produção audiovisual recente.

Idealizada e coordenada por Fábio Takahashi, a INTERIORES teve a seguinte fica técnica:

Curadoria: André da Costa Pinto e Aurora Miranda Leão

Assessoria Técnica: Guilherme Lamenha

Projeto gráfico: André Luís Martins

Tradução: Kléber Garcia

Assessoria de Imprensa: Harlen Félix

Produção e edição: Tiago Landin

Auxiliar de Produção: Gilberto Alves

Fotografia: Walter Antunes

Luama Sócio: Assessoria de Arte e Comunicação

E veja em fotos como transcorreu a segunda edição da Mostra INTERIORES da Diversidade Sexual de Rio Preto, no interior de São Paulo.

Fábio Takahashi e Aurora Miranda Leão na última noite da Mostra INTERIORES…

Sete modelos de folder, num panorama criativo, como manda a Diversidade…

Rubya Bittencourt, que abrilhantou as duas primeiras noites…

SESC Rio Preto na Mostra INTERIORES: plateia atenta e participativa…

Harlen Félix, responsável pela divulgação da INTERIORES…

Debate focou em Possibilidades e Pluralidades, na ficção e na realidade…

Aurora Miranda Leão e Wagner Pina no debate da Mostra INTERIORES…

E a programação social da Mostra INTERIORES também foi intensa, diversificada e cheia de alegria, como você pode conferir nas próximas imagens:

Mais sobre a Mostra em http://mostrainteriores.blogspot.com.br/

E até 2013 com a terceira edição da MOSTRA INTERIORES da Diversidade Sexual de Rio Preto…

O que diz a Curadoria da Mostra INTERIORES

A Mostra De cinema dA DIVERSIDADE SEXUAL – INTERIORES, que começa no próximo dia 25 em Rio Preto, interior de São Paulo, foi idealizADA PELO FOTÓGRAFO E PRODUTOR CUTURAL, FÁBIO TAKAHASHI.

Realização do GADA – Grupo de Amparo ao Doente de Aids e Hepatites Virais -, em parceria com o SESC – RIO PRETO, a MOSTRA tem como Curadores os JORNALISTAS e CINEASTAS, ANDRÉ DA COSTA PINTO e AURORA MIIRANDA LEÃO.

E é assim que pensa a curadoria: 

Aceitar o convite para assinar uma curadoria como esta da mostra INTERIORES é um desafio pra lá de agradável. Não só porque se trata de cinema, ver filmes e definir os que deverão ficar acessíveis ao público durante os quatro dias nos quais a mostra acontece, mas sobretudo porque sabemos da relevância singular da qual se reveste esta programação audiovisual idealizada por Fábio Takahashi.A diversidade de gênero como matriz condutora de um painel audiovisual traz em seu bojo a liberdade de expressão, a alternativa de muitos caminhos, o poder transformador da alternância de atalhos e a possibilidade de revolução emocional através das luzes apontadas para novos paradigmas. Enxergar coisas e fatos a partir da oferta de vários olhares é benéfico e enriquecedor. É esta a proposta da mostra de Rio Preto. E esta é uma saudável e meritória opção. 

Assinar a curadoria da mostra INTERIORES significa apoiar, reverberar, impulsionar, instigar, fomentar e defender a proliferação de novos sentidos, outros olhares e múltiplas probabilidades através do audiovisual e, através dele, referendar uma postura libertária, transformadora e humanitária diante de questões tão corriqueiras e urgentes que perpassam o cotidiano comum de todos os povos, qualquer cidade, em todos os continentes e onde quer que haja um território.

Ademais este ano, com a salutar inclusão de filmes abordando a temática heterossexual, a mostra INTERIORES se renova e amplia a reflexão acerca da tão polemizada questão das múltiplas escolhas de parcerias sexuais, criando novos laços e outros alcances através de um viés amplificador do panorama audiovisual proposto pelo GADA para Rio Preto, provando que os idealizadores e realizadores da mostra têm fôlego para avançar muito mais e sabem como fazê-lo. Porque como dizia Oscar Wilde, “O único dever que temos com a história é reescrevê-la.”  

Olhar de Cinema termina hoje e tem ótimos filmes na disputa

AURORA DE CINEMA direto do Festival de Curitiba

Como se não bastasse acontecer na adorável capital curitibana, há ótimos filmes em competição no Festival OLHAR DE CINEMA – cuja solenidade de encerramento acontece esta noite -, todos foram exibidos em sessões gratuitas e a programação foi bem recebida pelo público, acontecendo em vários espaços diferentes.

O imponente edifício do SESC Paço da Liberdade, palco do Seminário e debates

Com Assessoria de Comunicação a cargo da Planeta Tela (leia-se Celso Sabadin), o festival idealizado e comandado por Aly Muritiba, Mirela Merlo e Antônio Júnior, arregimentou vários profissionais e movimentou espaços culturais diversos para abrigar a polpuda grade de programação desta primeira edição, que contou com patrocínio da Volvo, Scheweppes e Copel; apoio da RPC-TV, Sesi, Sesc, Shopping Crystal e outras empresas.

Dentre os jornalistas, estamos por aqui, abrigados no Hotel Slaviero Slim – bem no coração do centro histórico – o Aurora de Cinema, o Cinequanon (com Cid Nader), Sérgio Alpendre, Eduardo Antunes, Diego Benevides, Carlos Alberto Mattos e Rubens Ewald Filho – perdão se algum nome me escapa…

Entre realizadores, pesquisadores e estudiosos da Sétima Arte, podemos citar Hernani Heffner, Evaldo Mocarzel, Lina Chamie, Leonardo Cata Preta, Fernando Severo, Eduardo Kishimoto, Eduardo Nunes, Frederico Machado, Cláudia da Natividade, Sandra Zawadzki, é Cássia Hauari, para citar apenas alguns.

Filme de André da Costa Pinto: potência que vem de Campina Grande…

O Festival nasceu da disposição de um trio ‘parada dura’ em busca de fomentar o cinema e alavancar a produção audiovisual em Curitiba: os diretores Aly Muritiba, Marisa Merlo e Antônio Júnior não se intimidaram na hora de arregaçar as mangas e fazer o festival de cinema acontecer na capital paranaense. Durante um ano, foram à luta para produzi-lo.

Assim, foram 7 dias, nos quais o OLHAR DE CINEMA exibiu 72 filmes de 22 países e diversas cidades brasileiras. Segundo Antônio Jr., a realização do festival partiu de ideias bem definidas: “Escolhemos esses espaços onde os filmes foram exibidos porque eles já são conhecidos do público que busca assistir a algo que fuja do formato norteamericano. A ideia era justamente essa: exibir filmes que trouxessem alguma coisa a mais, além do cinema de  Hollywood.

Mesmo sendo a primeira edição, o festival recebeu mais de 1500 inscrições de mais de 80 países. O critério de escolha dos filmes foi justamente “escolher produções independentes que não teriam espaço na programação das cadeias de cinema ou porque possuem uma baixíssima distribuição, ou porque não despertam o interesse mercadológico dos cinemas locais. São filmes que dificilmente chegariam ao público, não fosse pelo festival.” 

Sudoeste é um dos fortes concorrentes…

Diante da lista de filmes exibidos, da plena participação do público em todos os espaços e atividades – até mesmo nas oficinas ofertadas – prova o acerto da organização do Festival e aponta para novas edições, com bastante fôlego para se firmar no calendário dos grandes festivais do país.

A solenidade oficial de encerramento acontece esta noite, a partir das 20h, no Teatro Guairinha.

O AURORA DE CINEMA acompanha tudo com um OLHAR DE CINEMA… 

Casa cheia para ouvir Hernani Heffner e André da Costa Pinto

AURORA DE CINEMA direto de CURITIBA

Acabando de chegar de mais uma mesa de boa prosa no belíssimo prédio do SESC Paço da Liberdade, centro de Curitiba. REALIZAÇÃO CRIATIVA é o tema central do I Seminário de Cinema Contemporâneo, promovido pelo festival internacional Olhar de Cinema. O tema de hoje foi ‘Diretor, Linguagens e os Modos Alternativos de Produção’.

Na mesa, dois ‘feras’ do tema, mediados pelo cineasta Aly Muritiba, um dos criadores do Festival Olhar de Cinema: o professor e pesquisador Hernani Heffner (Curador da Cinédia e da Cinemateca do MAM/RJ), e o jovem produtor e cineasta paraibano, André da Costa Pinto.

Ressalte-se o alto nível das colocações, a imensa platéia que lotou a sala e ficou até o fim, contribundo com intervenções, e as palavras férteis, assimiláveis e judiciosas dos dois abalisados conferencistas.
Parabéns a Hernani, André, Aly Muritiba e ao OLHAR DE CINEMA !

Um papo pra lá de bom !

* Mais detalhes num próximo post

Sganzerla abre programação do Festival OLHAR DE CINEMA

Filmes premiados do mundo inteiro se encontram no Festival Internacional de Curitiba, que começa esta noite

O Melhor Filme no Festival Fantasporto de 2012, o Young Critics Awards em Cannes 2011, o vencedor do Grande Prêmio do Júri no Festival de Miami, o ganhador do  Prêmio Especial do Júri no Festival do Rio, o Melhor Filme no Montreal Festival of New Cinema, a Palma de Ouro de Melhor Curta em Cannes de 2011, a Melhor Ficção no Festival de Biarritz e mais, muito mais filmes aplaudidos, elogiados e consagrados no mundo inteiro poderão ser vistos na primeira edição do Olhar de Cinema 2012 – Festival Internacional de Curitiba. 

Foram selecionados 24 longas internacionais, 8 longas nacionais, 12 curtas internacionais e 14 curtas nacionais num total de 58 filmes compondo a seleção oficial do evento. Além das 9 vídeo-arte da mostra Multiolhares, haverá ainda 5 longas de John Cassavetes compomdo a mostra Olhar Retrospectivo, totalizando assim 72 filmes de 22 países nesta primeira edição do Olhar de Cinema 2012 – Festival Internacional  de Curitiba. 

Filme Tudo que Deus criou, de André da Costa Pinto, será exibido na sexta

Além da exibição dos filmes, o Olhar de Cinema também promoverá o I SEMINÁRIO DE CINEMA CONTEMPORÂNEO DE CURITIBA, uma série de palestras, mesas e debates que discutirão os novos caminhos da produção, distribuição e exibição do audiovisual brasileiro.  

O tema “Realização Criativa” é a espinha dorsal deste I SEMINÁRIO DE CINEMA CONTEMPORÂNEO DE CURITIBA, composto por quatro mesas e um workshop. Em cada uma das ações, profissionais e pensadores do cinema discorrem sobre temas específicos, tais como produção, distribuição, venda, limitações orçamentárias, sempre tendo como linha mestra o conceito de Realização Criativa, no sentido de que, para se fazer/exibir cinema independente, é preciso encarar todos os processos da cadeia produtiva como uma atividade criativa e intrinsecamente artística, mesmo aquelas mais burocráticas. 

Importante: toda a programação é gratuita.

Logo mais, você confere aqui a programação completa.

André Costa revela Tudo que Deus criou… e faz bonito pelo Cinema em Campina Grande

 
Aproxima-se o grande dia do lançamento: o super aguardado filme de André da Costa Pinto – Tudo que Deus criou – tem pré-estreia nacional neste sábado, na paraibana Campina Grande, onde foi filmado.
 
As primeiras cenas foram rodadas ainda em 2009, tendo a Universidade Estadual de Campina Grande como realizadora. Tudo que Deus Criou é o primeiro longa-mentragem do cineasta, produtor, professor de Cinema e idealizador do Festival ComuniCurtas, André da Costa Pinto, dos premiados curtas Amanda e Monick e A Encomenda do Bicho Medonho.
 
A produção é fruto de uma parceria entre o diretor André da Costa Pinto e o produtor Adriano Lírio – ambos bastante premiados nos últimos anos por seus trabalhos na área audiovisual.
 
O elenco tem nomes de vasta estrada na cena artística nacional: Letícia Spiller, Guta Stresser, Maria Gladys, Paulo Vespúcio e Cláudio Jaborandy. Mas vale ressaltar: a maior parte do elenco é composta por atores da própria Campina Grande, todos eles ex-alunos de Aandré Costa, como o estreante Paulo Phillipe, que faz o protagonista Miguel.
 
Letícia Spiller em grande momento de atuação…
 
Amor, tristeza, dor, melancolia e momentos de extrema delicadeza compõem o filme, que tem roteiro do próprio André Costa. O filme é uma parceria da Medonho Produções com a Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), que vem sendo pródiga em fomentar o audiovisual em suas hostes, sobretudo depois da chegada revolucionante de André da Costa Pinto aos quadros da UEPB.
 
Tudo que Deus criou foi inteiramente rodado em Campina Grande, principalmente nas ruas João Pessoa e Félix Araújo, no centro da cidade, e tem a aplaudida assinatura de João Carlos Beltrão na fotografia, e a da cantora e compositora Val Donato na trilha sonora.
 
 
A pré-estreia nacional acontece este sábado no Hotel Garden, em Campina Grande, às 20h, com sessão especial para convidados da UEPB e imprensa, contando com a participação de todo o elenco. Dia seguinte (26), no mesmo local, haverá duas sessões especiais, às 15 e às 17h, gratuitas e abertas a todos os interessados.
 

André da Costa Pinto mostra TUDO QUE DEUS CRIOU em Campina Grande

No próximo dia 25, será lançado o primeiro longa-metragem inteiramente rodado em Campina Grande. A direção é de André da Costa Pinto com produção da Universidade Estadual da Paraíba

Letícia Spiller: papel antológico no filme de André da Costa Pinto

ANDRÉ DA COSTA PINTO é ex-aluno da Universidade Estadual da Paraíba, onde fez jornalismo, teatro e cinema, e de lá criou o Festival COMUNICURTAS, hoje um dos mais importantes festivais de curtas-metragens do país.

De aluno a professor, André ganhou o carinho, o apoio e a cumplicidade de uma legião de amigos, que o acompanham e fazem coro com suas múltiplas e meritórias iniciativas culturais. Na UEPB, André ministrou diversos cursos de Teatro, criou cursos para ensinar como se produz para cinema, ensinou a criação de documentários, educou o olhar e a sensibilidade de muitos jovens que hoje seguem os passos do indormido mestre. Contou, muitas das vezes, com o apoio e a solidariedade da professora Marlene Alves, que veio a ser Reitora da UEPB e no ComuniCurtas do ano passado saudou André como “O Glauber Rocha de Campina Grande”.

Ano passado, foi um ano decisivo e André conseguiu o compromisso oficial da Reitoria da UEPB (através de entusiásticas palavras da Reitora Marlene Alves no palco do SESC, na noite de encerramento do VI ComuniCurtas) de que a Universidade iria implantar o Curso Superior de Cinema. E assim foi: o edital para as inscrições ao concurso para professor estão abertas.

André conversa com Guta Stresser durante as filmagens, sob o olhar atento de Maria Gladys…

Agora, André da Costa Pinto caminha para dar um de seus mais importantes passos: o lançamento oficial de seu primeiro longa-metragem, roteiro assinado por ele e baseado em fatos reais.

Inteiramente rodado em Campina Grande, Tudo que Deus criou teve suas filmagens iniciadas em 2009 com a presença de nomes do quilate de Letícia Spiller, Guta Stresser, Maria Gladys, Cláudio Jaborandy, e Paulo Vespúcio. O longa marca também a estreia do jovem Paulo Phillipe no cinema. A fotografia é assinada por João Carlos Beltrão, conhecido bam-bam-bam paraibano do métier.

Letícia Spiller interpreta personagem cega no filme (Foto: Iramaya Rocha/Divulgação)
Letícia Spiller interpreta personagem cega no filme
(Foto: Iramaya Rocha/Divulgação)

A primeira exibição de TUDO QUE DEUS CRIOU será especial para convidados e está marcada para 25 de fevereiro, no Garden Hotel. No dia seguinte, serão promovidas duas exibições gratuitas para a população, às 15h e às 17h.

Paulo Vespúcio, Letícia Spiller e André da Costa Pinto num intervalo das filmagens…

Segundo André, a trama é baseada na história real de um jovem que, entre dificuldades e traumas, precisa ajudar a sustentar a família. A maior parte das cenas foi ambientada no bairro Rosa Mística.

André da Costa Pinto ficou nacionalmente conhecido quando roteirizou e dirigiu o curta-metragem A Encomenda do Bicho Medonho, aprovado na primeira edição do edital do projeto Revelando os Brasis. Em seguida, André realizou Amanda e Monick, firmando seu nome definitivamente entre os precoces iluminados no gramado do audiovisual. Os dois trabalhos foram bem premiados em festivais e com Amanda & Monick André revelou ao mundo sua inteligência refinada e a singular sensibilidade para transformar em cinema uma história simples mas cercada de preconceitos e barreiras no cotidiano da pequena cidade de Barra de São Miguel (a terra natal do diretor, no interior paraibano).

André da Costa Pinto: com acentuada vocação artística, diretor vai marcar o panorama do Cinema de forma muito intensa com Tudo que Deus criou

Agora ANDRÉ DA COSTA PINTO convida para o lançamento de TUDO QUE DEUS CRIOU.

E podemos antecipar: Em Tudo que Deus Criou, onde as luzes se acendem para iluminar o Infinito e criar ilusões de Cinema, há sempre uma energia muito luminosa, forte, intensa e poderosa que vem lá de Campina Grande, e atende pelo nome de André da Costa Pinto.