Arquivo da tag: Curta SE

Sergipe é uma curtição de Cinema…

  A 12a edição do Festival Iberoamericano de Cinema de Sergipe (Curta-SE) continua recebendo inscrições. Até 13 de abril, os realizadores podem inscrever suas produções através do site www.curtase.org.br

Podem ser inscritos curtas de até 15 minutos, compreendidos nas categorias vídeo iberoamericano, vídeo de bolso (celular), vídeo sergipano, 35mm (que também serão exibidos em formato digital). Além disso, há a mostra competitiva de longas a partir de 70 minutos.

Uma das novidades do festival comandado por Rosângela Rocha este ano é a inclusão de mais uma categoria: Videoclipe. A partir da solicitação de diversos músicos e bandas, a direção do Curta-SE decidiu incluir esta categoria. Além das mostras competitivas, o Curta-SE traz também as mostras informativas, exibidas em espaços alternativos e em cidades do interior sergipano.

Rosângela Rocha: preparando uma extensa programação pro Curta-SE 12…

O festival Curta-SE, um dos mais concorridos do país, promove também seminários, oficinas e workshops gratuitos, abertos ao público. A 12ª edição do Curta-SE acontecerá de 17 a 22 de setembro.

Um dos melhores do país, CURTA-SE abre inscrições…

As inscrições ao 12º Festival Iberoamericano de Cinema de SergipeCurta-SE começaram dia 30 de janeiro e seguem até 13 de abril.

Segundo a Coordenadora, Rosângela Rocha, a novidade para esta edição é a inserção de uma nova categoria para a mostra.

A partir deste ano, os videoclipes se juntam aos curtas-metragens de até 15 minutos, distribuídos nas categorias 35mm, vídeo (DVD, internet, CDrom) e vídeo de bolso (celular), vídeos sergipanos.  Os realizadores também podem inscrever filmes de longa-metragem, a partir de 70 minutos. As inscrições seguem até 13 de abril.

Como tradição, o festival exibe 5 curtas na mostra curta-se cineclubista.

Serão selecionados 20 vídeos iberoamericanos, dez vídeos sergipanos, dez vídeos de bolso, cinco longas, dez em 35mm e dez videoclipes. Os vídeos de cada categoria passarão pela análise de três jurados.

Além das mostras competitivas, o Curta-SE traz também as mostras informativas, exibidas em espaços alternativos e em cidades do interior sergipano. O festival promove também seminários, oficinas e workshops gratuitos abertos ao público.   

A 12ª edição do Curta-SE acontecerá de 17 a 22 de setembro.

A lista de selecionados deve ser divulgada na segunda semana de julho. Mais informações: www.casacurtase.org.br.

Por causa de Sergipe, bate em meu peito…

Desde adolescente, nutria uma espécie de namoro à distância com Sergipe. Um amigo, egresso das minhas andanças teatrais, me dissera sobre o quanto a graça de Aracaju o tinha encantado. E desde ntão fiquei com aquela vontade guardada de conhecer a capital sergipana.

Acabei demorando anos pra chegar em mais este ponto do Nordeste. Mesmo parecendo incrível, ir a Segipe, partindo do Ceará, é, no mais das vezes, mais caro que ir ao Rio Grande do Sul. E quase sempre tive de optar por um custo menor.

Comecei a escorregar do teatro para o cinema por conta da profissão de repórter: até tornar-me editora de Arte & Cultura, cobri para a imprensa escrita muitos eventos ligados ao teatro, à música, às artes plásticas. Depois, as ações na área do cinema passaram a ser maiores e mais constantes.

E foi indo ao Festival de Cinema do Maranhão, a convite de meu querido amigo Euclides Moreira Neto (!!!), que cheguei, por acaso, mais perto de Sergipe. Porque foi lá no Guarnicê – o encantador festival multicolorido da encantadora São Luís, comandado por Euclides décadas alvissareiras – onde conheci Rosângela Rocha, cineclubista e guerreira na vontade de incluir Sergipe no mapa do audiovisual brasileiro.

Eu, Rosângela e Celso Sabadin fomos jurados de videoclip numa das edições do lendário Festival Guarnicê de Cinema, a convite de Euclides. Tornei-me, a partir dali, assídua frequentadora do Guarnicê e amiga de Sabadin, a quem encontro com razoável frequência em festivais de cinema. Com Rosângela, os encontros foram mais esparsos, mas mesmo assim sempre benfazejos: encontrei-a algumas vezes em festivais em Goiânia, João Pessoa e outros tantos. Havia sempre um amável convite para conhecer Aracaju, mas alguma coisa sempre adiou este encontro.

Quando comecei a mergulhar com mais afinco na Cultura Popular, descobri o quanto Sergipe é rico na sua formação e o quanto tem de singular e múltiplo em suas matrizes culturais. Quando vi pela tevê a dança do Parafuso, típica do município de Lagarto, fiquei tomada de vontade de ver aquilo de perto. E, sobretudo, fiquei doida pra entrar na dança com os brincantes sergipanos. 

Mesmo descobrindo ser o Parafuso uma manifestação onde só dançam homens – todos vestidos de branco e com o rosto pintado de branco -, o que tenho vontade até hoje é de cair na dança rodando, rodando, como fazem os sábios brincantes do bailado tão original. Porque dançar é uma delícia e dançar rodando, então, nem há como definir.

   

“Quem quiser ver o bonito/Saia fora e venha ver/Venha ver os parafusos/A torcer e a distorcer”…

Pra quem não sabe, o Parafuso é uma dança criada pelos escravos, que fugiam das senzalas à noite para ter um pouco de alívio, e dançar. E para não serem reconhecidos por seus senhores, usavam branco e saíam rodando pelas fazendas para dar a impressão, a quem os visse de longe, que eram lençóis balançando ao vento. Daí o branco, dos rostos e das vestes.

Grupo de “parafusos” em foto de Álvaro Villela…

Sacada de mestre !

Essa história me fascina desde que a descobri. E como sou meio João Moreira Salles – “gosto de filmes ao contrário” – eu alimento a vontade de entrar nessa dança, toda de branco, rodando, rodando, parafusando…pra fugir sei lá de quem…

Ponte João Alves, ligando Aracaju à ilha de Santa Luzia…  

Mas essa digressão é apenas pra exemplificar o quanto Sergipe me despertava interesses vários, há tempos. Desde a vontade de conhecer a bonita e simpática Aracaju até a vontade de ir mais fundo nas profundezas culturais de um país enorme, desconhecido da maioria de seus habitantes, e cheio de histórias mirabolantes a revolver em seu redemoinho de crenças, simbolismos, etnias, manifestações artísticas e culturais, sons/cores/formas e gestos de seu imaginário.

A Ponte do Imperador, visitada em 1860 por D. Pedro II – O nome “Sergipe” tem origem na língua tupi e significa “no rio dos siris”…

Este ano, finalmente, deu certo ir a Sergipe. Passei uma adorável semana em Aracaju, a convite da aguerrida Rosângela Rocha.

A semana na capital sergipana foi motivada pela realização do CURTA-SE, um diversificado, importante, alegre e competente festival de Cinema, este ano em sua décima-primeira edição e com uma cartela de vídeos e filmes ibero-americanos.

Aguardem um próximo post onde falarei mais sobre o CURTA-SE.

Carta de Amor a Maria do Rosário Caetano

MISSIONÁRIA DA CELULOSE E DO CELULÓIDE 

Reproduzimos para você, leitor amigo do Aurora de Cinema,  texto-homenagem do jornalista LUIZ FERNANDO ZANIN ORICCHIO (*) para Maria do Rosário Caetano, por conta da homenagem que esta receberá em Sergipe, quando da realização do Curta-SE.

Vejam que primor !  Rosário merece !

Se ela pudesse, leria todos os jornais do mundo. Como não pode, contenta-se com os três que recebe em casa todas as manhãs e mais alguns “de todos os Brasis”, que compra  quando vai aos muitos cinemas  que circundam a Avenida Paulista. Maria do Rosário Caetano é assim. Uma vocação de jornalista como nunca vi igual. Fascinada pela notícia, fissurada pelo dia-a-dia, fanática pelo papel, usa a internet de maneira frenética, porém com um saudável pé atrás. Leitura, para ela, só na velha e boa celulose. Haja florestas para abastecer tanta fome.

Pois foi desse jeito, lendo e colecionando os papeis que ela não joga fora (para meu desespero), que Rô se tornou a mais bem preparada jornalista cultural do País – em especial quanto a um tema, o cinema, e o cinema brasileiro em particular, que ela acompanha de perto há décadas.

E, claro, acompanha não como leitora, mas como repórter, participante e testemunha. A Rosário pode ser vista e ouvida nos debates de uma infinidade de festivais brasileiros. É a rainha dos debates e moderadora de muitos deles. Parece conhecer todos os diretores, todos os atores, os figurinistas, maquiadores, os contra-regras e pode chamar, pelo nome, do mais badalado produtor ao anônimo que segura as lâmpadas no set, que a gente chama de “pau de luz”. Nada e nem ninguém do cinema brasileiro parece lhe ser estranho.

Por um simples motivo: Rô ama o cinema brasileiro porque ama o Brasil acima de tudo. É nacionalista, não no sentido estreito de ignorar o resto do mundo ou pregar patriotada. É nacionalista porque não se considera cidadã de segunda categoria por ter nascido no Brasil, em Minas Gerais, numa cidade chamada Coromandel. Pelo contrário. Orgulha-se de sua origem. Sente-se igual a todos, alemães, portugueses, norte-americanos, vietnamitas ou chineses. Pratica um nacionalismo do tipo que a coloca na altura dos olhos dos seus semelhantes. Nem acima e nem abaixo. No mesmo nível.

Por isso mesmo, sente-se particularmente solidária com os que sempre foram considerados “inferiores” pelos supostos donos do mundo (e às vezes por si mesmos): os brasileiros e todos os irmãos latino-americanos – nossos vizinhos de continente, em geral tão ignorados aqui mesmo no Brasil, cuja elite tem como modelos ora os europeus ora os americanos do norte.

Foi pensando nisso que Rosário escreveu seu livro mais importante, o pioneiro “Cineastas Latino-Americanos” (Estação Liberdade, 1997), uma série de entrevistas e perfis biográficos com os principais diretores do continente. É leitura obrigatória para quem se interessa pelo assunto.

Como são obrigatórios os livros que produziu para a coleção Aplauso, com perfis de cineastas e atores como Fernando Meirelles, João Batista de Andrade e Marlene França. Esses textos aliam a argúcia da entrevistadora, sempre bem documentada sobre o assunto ou o personagem, ao texto trabalhado e límpido, fruto de quem frequenta os melhores autores da literatura. Sim, a Rosário, além de formada em jornalismo, concluiu o curso de Letras, ambos na UnB, em Brasília, cidade para onde foi depois de sair de Coromandel, e onde passou a juventude, casou-se, teve filhos, trabalhou e deixou enorme número de amigos e admiradores quando de lá saiu, em 1994, para viver em São Paulo.

Rosário durante muitos anos trabalhou nas redações de jornais como Correio Braziliense e Jornal de Brasília, como repórter, repórter especial ou editora de cultura. Tornou-se correspondente do JBr em São Paulo quando para lá se mudou. Ao deixar o jornalismo diário, depois de muitos anos de atividade, passou a atuar na internet. “Analfabeta digital”, como ela mesma se define, tirou do nada um boletim que batizou de “Almanaque”. Uma publicação artesanal, que ela envia manualmente para três mil pessoas e lhe valeu uma tendinite crônica no braço direito.

Em pouco tempo, o “Almanaque”, que é mensal, e o “Almanakito”, um derivativo diário, tornaram-se referência nacional no meio cinematográfico e não é raro que paute e seja citado por jornalões tradicionais. Algumas revelações do Almanakito se tornaram reportagens escritas nos jornais de primeira linha do País. Rosário é prova viva do alcance e das possibilidades do jornalismo na internet. Com seu “Almanakito”, ela multiplicou seus correspondentes e amigos pelo Brasil afora e mesmo no exterior (um dia, para minha supresa, ela veio me falar de uma “amiga russa”, Elena Beliakova, que havia conhecido na rede e era fã de Jorge Amado). Criou uma rede de dependentes do Almanakito, viciados que se informam e se orientam pela leitura desse boletim e se queixam quando eventualmente são esquecidos nas remessas.

Aos 55 anos, a Rô continua em atividade febril. Percorre vários festivais de cinema ao longo do ano e já até perdeu medo de avião, menos por mérito que por necessidade. Quando está em casa, consome seu dia lendo, fazendo contatos e abastecendo edições sucessivas do Almanakito. Tornou-se ponto de referência de informação quente e de credibilidade, coisas raras na internet. É uma jornalista em tempo integral.

O encontro de uma pessoa com sua vocação não se dá sem problemas. Rô se queixa de dores de cabeça recorrentes, típicas de quem vive o tempo todo no olho do furacão. Ainda acha que pode pegar o mundo com as mãos, esse mundo que teima em crescer em escala exponencial e a lhe fugir do controle. Leva tudo a sério, com o fanatismo dos santos e dos devotos. Por isso às vezes lhe falta o humor, que tanto ajuda a relativizar as coisas. Pensando bem, tudo isso está interligado e faz parte de um sistema: quem se acha imbuída de uma missão não se permite descanso nem brincadeiras. Para a Rô, o cinema não é uma diversão, nem mesmo uma arte – é uma causa. E ela a defende com o rigor de uma revolucionária. São defeitos ou qualidades? Depende do ponto de vista. Há quem ache a sua dedicação ao trabalho excessiva, roubando tempo e atenção que poderiam ser empregados de outra forma. Existe quem pense que nada existe de mais bonito que uma paixão como essa, levada às últimas consequências.

Como julgar de maneira objetiva, ainda mais quando se ama a personagem?

        (*) Luiz Fernando Zanin Oricchio é jornalista e crítico de Cinema do jornal O Estado de S. Paulo (Estadão), autor dos livros “Cinema de Novo – Um Balanço Crítico da Retomada”, “Guilherme de Almeida Prado” (Coleção Aplauso) e “Fome de Bola – Cinema e Futebol no Brasil”, além de companheiro, há quase duas décadas, de Maria do Rosário.

Três Queridos na Seleção Curta-SE

O Festival Iberoamericano de Cinema de Sergipe (Curta-SE) divulga lista dos selecionados a participar da 10ª edição do festival. Foram selecionados 20 curtas em 35 mm, 20 vídeos, 5 vídeos de bolso e 10 vídeos sergipanos. Os cinco longas selecionados serão divulgados ainda esta semana. 

Esta ano, 430 trabalhoss foram inscritos nas 5 categorias, número superior ao do ano passado, quando 403 produções passaram pela seleção. Mais uma vez, a categoria ‘vídeo’ foi a que teve mais inscrições (290), seguido de curta 35 mm (99). São Paulo é o estado que mandará mais realizadores: 111, ao todo. Sergipe teve 23 inscritos. 

Para comemorar 10 anos do festival, a organização do Curta-SE vai premiar com R$ 10 mil os três primeiros colocados sergipanos. A premiação será de R$ 5 mil para o 1º lugar, de R$ 3 mil e R$ 2 mil para os 2º e 3º lugares respectivamente. “Além desta premiação, estamos trabalhando para fechar outras parcerias e garantir mais prêmios para os sergipanos”, frisou Deyse.

Este ano, o CURTA-SE acontece de 14 a 18 de setembro nas cidades de Aracaju, São Cristóvão, Estância e Laranjeiras. 

 

OS SELECIONADOS

Vídeos

Vanja, mulher rendeira  

Juliana Major, 2010, Cor, Documentário, 18’55’’, Rio de Janeiro – RJ  

La Culpa el Outro  

Iván Ruiz Flores, 2009, Cor, Ficção, 19’, Madri – ESP  

Silêncio, Por Favor  

Filipe Matzembacher, 2009, Cor, Documentário, 7’11’’, Porto Alegre – RS  

Timing  

Amir Admoni, 2009, Cor, Ficção, 8’15”, São Paulo – SP  

Dois Mundos  

Thereza Jessouroun, 2009, Cor, Documentário, 15’, Rio de Janeiro – RJ  

Aziz  

Alê Camargo, 2009, Cor, Ficção, 4’47’’, Brasília – DF  

Incordia  

Pablo Polledri, 2010, Cor, Animação, 10’17’’, Buenos Aires – ARG  

Os anjos do meio da praça  

Alê Camargo e Camila Carrossine, 2010, Cor, Animação, 10’12’’, São Paulo – SP  

300 Dias  

Felipe Wenceslau, 2010, Cor, Ficção, 15’, Salvador – BA  

Bom Dia, Meu Nome é Sheila ou Como Trabalhar em Telemarketing e Ganhar um Vale-Coxinha  

Angelo Defanti, 2009, Cor, Ficção, 15’, Rio de Janeiro – RJ  

Até o fim do dia  

Gustavo Brandão, 2009, Cor, Ficção, 15’, São Paulo – SP  

Copia –A-  

Gervasio Rodriguez Traverso e Pablo A. Diaz, 2009, Cor, Animação, 5’40’’, Buenos Aires – ARG  

A Terra a Gastar  

Celina Kurihara e Cassia Mary Itamoto, 2009, Cor, Animação, 5’44’’, São Paulo – SP  

Sildenafil  

Raul Doria, 2009, Cor, Ficção, 15’, São Paulo – SP  

Hr. Kleidmann de Marcos Fausto  

Marcos Fausto, 2010, Cor, Ficção, 15’, São Paulo – SP  

A Profecia de Asgard  

Giu Jorge, 2010, Cor, Ficção, 14’, Niterói – RJ  

Último Retrato  

Abelardo de Carvalho, 2010, P&B, Documentário, 9’36’’, Rio de Janeiro – RJ  

Ouija  

Marcelo Galvão, 2010, Cor, Ficção, 13’, São Paulo – SP  

Poliamor  

José Agripino, 2009, Cor, Documentário,14’ 23”, São Paulo – SP  

As aventuras de Seu Euclides: Chegança   

Marcelo Roque Belarmino, 2009, Cor, Ficção, 15’, Aracaju – SE  

35 mm

 

O Divino, De Repente  

Fábio Yamaji, 2009, Cor, Animação, 6’20″, São Paulo – SP  

Amona Putz!  

Telmo Esnal, 2009, Cor, Ficção, 9’, San Sebastian – ESP  

Quando as cores somem  

Luciano Lagares, 2009, Cor, Animação, 15’, São Paulo – SP  

5 Recuerdos  

Alejandra Marquez e Oriana Alcaine, 2009, Cor, Ficção, 12’, Cidade do México – MEX  

El nunca lo haria  

Anartz Zuazua, 2009, Cor, Ficção, 15’, San Sebastian – ESP  

Um Lugar Comum  

Jonas Brandão, 2009, Cor, Animação, 9’53”, São Paulo – SP  

Aos pés  

Zeca Brito, 2009, Cor, Ficção, 18’, Porto Alegre – RS  

Musa Divinorum  

Carlos Eduardo Nogueira, 2010, Cor, Animação, 13’30’’, São Paulo – SP  

Revertere Ad Locum Tuum  

Guilherme Fiúza, 2010, Cor, Ficção, 15’, Belo Horizonte – MG  

Mie²  

Iván Ruiz Flores, 2010, Cor, Ficção, 20’, Madri – ESP  

Reconhecimento  

Ítalo Cajueiro, 2009, Cor, Animação, 12’, Brasília – DF  

Alguém tem que honrar essa derrota!  

Leonardo Esteves, 2009, P&B, Experimental, 7´30″, Rio de Janeiro – RJ  

Aranceles  

Melo Viana, 2009, Cor, Experimental, 15’, Curitiba – PR  

Ahate Pasa  

Koldo Almandoz, 2009, Cor, Documentário, 13’, San Sebastian – ESP  

Zé[s]  

Luiz Antônio Gomes, 2010, Cor, Documentário, 15’, Rio de Janeiro – RJ  

Depois do Almoço  

Rodrigo Diaz, 2009, Cor, Ficção, 13’, São Paulo – SP  

Rendez-vous  

Fernanda Teixeira, 2009, Cor, Ficção, 17’, Rio de Janeiro – RJ  

Senhoras  

Adriana Vasconcelos, 2010, Cor, Ficção, 10’30’’, Taguatinga – DF  

Azul  

Eric Laurence, 2009, Cor, Ficção, 10’, Recife – PE  

Formigas  

Caroline Fioratti, 2009, Cor, Ficção, 18’, São Paulo – SP  

Vídeos Sergipanos 

As aventuras de Seu Euclides: Chegança  

Marcelo Roque Belarmino, 2009, Cor, Ficção, 15’, Aracaju – SE  

Arrastada  

Gabriela Caldas, 2010, Cor, Ficção, 4’30’’, Aracaju – SE  

5 min  

Hildegarden Andrade de Sá, 2009, Cor, Ficção, 6’, Aracaju – SE  

Grávido  

Ítalo Lucas de Melo, 2010, Cor, Ficção, 15’, Aracaju – SE  

Cacuete – a incrível performance de Crendices  

Maycira Leão, 2010, Cor, Documentário, 15’, Aracaju – SE  

Dona Josefa: A Guia da Serra  

Rita Simone, 2010, Cor, Documentário, 14’, Aracaju – SE  

Antonin  

Gabriela Caldas, 2009, Cor, Experimental, 6’35’’, Aracaju – SE  

Festa do Mastro 2009  

Rubens Carvalho, 2010, Cor, Documentário, 10′ 27”, Aracaju – SE  

Akiles  

Gilberto Bruno de Carvalho, 2010, P&B, Experimental, 14’, Aracaju – SE  

Oh! Patrícia  

José Gonçalves de De La Cierva, 2009, Cor, Ficção, 15’, Aracaju – SE  

Vídeos de Bolso 

Novos Velhos  

Rafael Jardim, 2010, Cor, Ficção, 2’, Salvador – BA  

You Bitch Die!!!  

Lucas Sá, 2009, Cor, Ficção, 2’49”, São Luís – MA  

Nostalgia  

Yuri Ledesma de Moraes, 2010, Cor, Ficção, 1’30”, Sorocaba – SP  

Sangre  

Cris Ventura, 2009, Cor, Experimental, 3’, Belo Horizonte – MG  

Sede e Saudade  

Marlon Delano, 2010, Cor, Ficção, 1’30’’, Itabaiana – SE 

* Os concorrentes cujos criadores são amigos desta redatora são:

Quando as cores somem, de Luciano Lagares, de Sampa (com desenhos de Jairo Rodrigues)

You Bitch Die!!! , de Lucas Sá, de São Luís (MA)

e 300 Dias, de Felipe Wenceslau, de Salvador (BA)

Desde já, PARABÉNS a vocês, amigos de outros festivais, pra todos os tempos ! SARAVÁ !

Saiba mais: http://curtase.org.br

CURTA-SE: Inscrições até dia 7

Abertas até dia 7 inscrições para o Festival Iberoamericano de Cinema de Sergipe – Curta-SE 10, para curtas, com até 15 minutos de duração, e longas-metragens, a partir de 70 minutos de duração.

Inscrições: www.curtase.org.br

Os filmes em língua espanhola e em português de Portugal devem estar, obrigatoriamente, legendados em português do Brasil. O Curta-SE 10 será realizado em Aracaju, de 14 a 18 de setembro.

Mais informações: mostras@curtase.org.br / (79) 3302-7092.

Inscrições para Festivais e Prêmios

CURTA-SE
Abertas inscrições ao Festival Iberoamericano de Cinema de Sergipe – Curta-SE 10, para curtas  com até 15 minutos de duração, e longas metragens, a partir de 70 minutos de duração. Os trabalhos devem ser inscritos até 7 de maio através do site www.curtase.org.br, e os filmes em língua espanhola e em português de Portugal devem estar, obrigatoriamente, legendados em português do Brasil. O Curta-Se 10 será realizado em Aracaju, de 14 a 18 de setembro em Aracaju.

Mais informações: mostras@curtase.org.br / (79) 3302-7092.

PRÊMIO DE PESQUISA MEMÓRIAS REVELADAS
Até 30 de julho

Abertas inscrições ao Prêmio de Pesquisa Memórias Reveladas. O concurso de monografias com base em fontes documentais referentes ao período do regime militar no Brasil (1964-1985), está aberto a qualquer pessoa, que pode inscrever, no máximo, 01 (uma) monografia, individualmente ou em grupo. Ao todo serão selecionados três projetos, que serão editorados e publicados, com tiragem de 1000 (hum mil) cópias. O envio das monografias e dos documentos de inscrição deverá ser realizado até 30 de julho. Mais informações: http://www.memoriasreveladas.gov.br ou http://www.arquivonacional.gov.br.


GILBERTO FREYRE
Até 15 de dezembro

Aberto o período de recebimento de trabalhos para o 4o Concurso Nacional de Ensaios, promovido pela Fundação Gilberto Freyre. Este ano o tema abordado é a Alimentação na obra de Gilberto Freyre, tendo como referência obras como Açúcar, Nordeste, Casa Grande & Senzala, Sobrados e Mucambos, entre outras. Os trabalhos podem ser entregues até o dia 15 de dezembro de 2010. Confira: www.fgf.org.br.

CINEMA, JUVENTUDE E DIVERSÃO
Abertas até 1° de abril  as inscrições ao Festival Internacional de Cinema para crianças e jovens (Divercine), que acontece de 12 a 18 de julho em Montevidéu, capital do Uruguai, e em diversos países da América do Latina. Confira: http://www.cultura.gov.br/site/2010/01/29/19%C2%B0-divercine/.

PITCHING SOCIAL FUTURA

Canal Futura abre novo espaço para a produção audiovisual independente com a realização do 1º Pitching Social do Canal. A seleção irá premiar dois programas de TV, com 20 minutos de duração e temática livre. Um deverá ser produção de uma ONG, OSCIP ou Instituto e Associação, e o outro de uma TV Universitária. O Pitching, que recebe inscrições até o dia 09 de abril, contemplará cada um dos selecionados com R$ 30 mil reais. Para baixar regulamento e ficha de inscrição, acesse: www.futura.org.br.

INCENTIVO À LEITURA
Até 23 de abril a Casa da Leitura do Programa Nacional de Incentivo à Leitura (Proler), no Rio de Janeiro, recebe propostas de cursos voltados para formação continuada (prioritariamente) de professores e bibliotecários da rede pública, e outros mediadores de leitura. As propostas de cursos encaminhadas deverão privilegiar as Políticas públicas de incentivo à leitura e à escrita: caminhos de cidadania; as Bibliotecas comunitárias e escolares: formação de mediadores de leitura; e as Leituras literárias do Brasil. Para saber mais acesse www.bn.br. Maiores informações podem ser obtidas via e-mail casadaleitura@bn.br ou telefone (21) 2557- 7437.

AFRICANIDADES E AFRODESCENDÊNCIA

De 11 a 14 de maio será realizado o II Seminário Nacional Africanidades e Afrodescendência na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), em Vitória.

Com o tema Formação de professores e histórias de vida”, o encontro visa a estimular a discussão crítica sobre as políticas educacionais. Inscrições abertas www.multieventos-es.com.br/africanidades ou no blog do Núcleo de Estudos Afro-brasileros da Ufes http://neabufes.blogspot. com/.

MÚSICA REGIONAL
Até 20 de abril, estão abertas inscrições para a seleção de músicas do Festival Regional de Jaboatão dos Guararapes. Os compositores e intérpretes interessados em participar devem enviar e-mail para secev.festivaldemusica@hotmail.com solicitando o envio do regulamento e da ficha de inscrição. O evento, promovido pela Prefeitura de Jaboatão, através da Secretaria de Cultura e Eventos, acontecerá nos dias 19, 20, 21 e 22 de maio. www.jaboatao.pe.gov.br.

IV MOSTRA TEATRAL EU SOU DAQUI
Abertas  inscrições à IV Mostra Teatral Eu Sou daqui, de Teresina, Piauí. Interessados podem enviar material até 09 de abril, serão aceitos materiais de teatro de todo país. Também poderão participar iniciativas em grupos e individuais, nas categorias teatro adulto ou infantil. O regulamento está disponível no site: http://www.luzesciacenica.blogspot.com/. Mais informações: luzesciacenica@hotmail.com e producaoeusoudaqui@hotmail.com ou (89) 9921 2568.