Arquivo da tag: Daniel de Oliveira

Cine Ceará em Destaque

21º Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema apresenta este sábado a seguinte programação:

 Às 17 horas, o documentarista Eduardo Coutinho estreia em Fortaleza o filme Moscou, no Espaço Unibanco de Cinema Dragão do Mar 2, onde filmes do cineasta serão exibidos até dia 14. A partir de 18h30, o festival leva ao palco do Theatro José de Alencar o ator Daniel de Oliveira para a entrega do Trofeu Eusélio Oliveira. Após a homenagem, tem início a Mostra Competitiva de Curta-Metragem, reunindo os seguintes filmes:

“O acaso e a borboleta”, de Tiago Américo (PR) e “Julie, agosto, setembro”, de Jarleo Barbosa (GO). Os longas-metragens “Assalto no cinema”, de Iria Gomez (México) e “Todos teus mortos”, de Carlos Moreno (Colômbia) também são destaques da programação e encerram o quarto dia de evento. 

Eduardo Coutinho: homenagem e filmes em Mostra Especial no Cine Ceará

Até a próxima terça, são realizadas exibições diárias gratuitas de filmes em longa e curta metragens – numa ampla programação de mostras competitivas e paralelas. O Cine Ceará será encerrado na noite da próxima quarta, dia 15, com a solenidade de premiação dos vencedores do Festival. Ao longo dos próximos dias, o público cearense e convidados internacionais e nacionais do universo do audiovisual estão desfrutando de um dos festivais de cinema mais consagrados do País.

O Festival acontece pela primeira vez em duas sedes e traz o tema Religião e Religiosidade no Cinema, homenageando os 100 anos de emancipação política de Juazeiro do Norte, conquistada por meio do trabalho social, religioso e político realizado pelo Padre Cícero na região do Cariri, sul do Ceará. A programação tem entrada gratuita em Fortaleza até dia 14. Em Juazeiro do Norte, o Cine Ceará acontece até 16 de junho, no Memorial Padre Cícero e no Centro Cultural Banco do Nordeste – Cariri, com uma parte da programação de Fortaleza.

Daniel de Oliveira recebe homenagem do Cine Ceará

O Cine CE traz ao público cearense e visitantes mais de 100 (cem) produções de cinema e vídeo brasileiras e ibero-americanas, promovendo intercâmbio entre profissionais de audiovisual e abrindo espaço aos que querem ingressar na área. O festival promove as Mostras Competitivas de Curta e Longa-metragem e ainda seminários, oficinas e mostras especiais, além de homenagear profissionais e personalidades de renome nacional e internacional na área do audiovisual.

Novo de Flávio Frederico na Mostra de Sampa

BOCA DO LIXOum dos Destaques da 34ª MOSTRA INTERNACIONAL de CINEMA

 O longa-metragem estrelado por Daniel Oliveira que interpreta Hiroito de Moraes Joanides, um dos bandidos mais procurados na década de 60, fala da Boca do Lixo, região de prostituição no centro de São Paulo nos anos 50. 

Vencedor dos prêmios de Melhor Fotografia e Melhor Montagem no Festival do Rio 2010

 

SESSÃO NA MOSTRA INTERNACIONAL:

 

DIA 26 DE OUTUBRO, TERÇA-FEIRA, às 22h10, NO UNIBANCO ARTEPLEX

BOCA DO LIXO narra a história de Hiroito de Moraes Joanides, o rei da Boca do Lixo (Daniel de Oliveira). Adaptado da biografia escrita por ele próprio, este longa retrata a atmosfera de São Paulo dos anos 50 e 60. Apesar de existir uma grande dose de violência nas façanhas e histórias, muitas vezes elas parecem românticas perto das supersofisticadas organizações criminosas atuais. Tratava-se de uma marginalidade diferente da dos dias de hoje. Poucas armas de fogo circulavam e o tráfico de drogas começava a se estabelecer na região, que no futuro se transformaria na  conhecida Cracolândia.

No filme, aparecem detalhes sobre o quadrilátero que nasce em São Paulo, logo após o fechamento das zonas de prostituição nas ruas Itabocas e Aimorés, no bairro do Bom Retiro. A  Boca do Lixo era o principal ponto de encontro de boêmios, malandros, prostitutas e outros personagens que formavam o universo noturno da época.

“Não tivemos o objetivo de fazer uma adaptação fiel ao romance, muito pelo contrário; a partir de um determinado momento da pesquisa resolvemos nos libertar dos personagens originais e transformá-los em outros. Apenas o personagem de Hiroito manteve maiores semelhanças com o verdadeiro”, comenta o diretor.
O filme retrata o período de 1952 a 1963, desde a adolescência de Hiroito até sua prisão definitiva em 1963. Paralelamente, traça um retrato da história da Boca do Lixo, desde o fechamento da Zona Aberta até a criação da Boca nos Campos Elíseos com as mudanças nas formas de prostituição e o surgimento de bares, boites e retaurantes. Mostra a decadência pela qual a região passou quando é tomada pelo tráfico de drogas e a polícia fecha o cerco aos principais criminosos.

 

Ficha Técnica 

BOCA DO LIXO

Direção: Flavio Frederico

Brasil – 2010 – 100min – 16 anos

Gênero: Drama

Roteiro: Mariana Pamplona/Flavio Frederico

Elenco: Daniel de Oliveira, Hermila Guedes,Milhem Cortáz, Paulo César Pereio, Jeferson Brasil, Maxwell Nascimento, Camila Leccioli, Juliana Galdino, Claudio Jaborandi ,Leandra Leal

Produtores: Flavio Frederico / Pablo Torrecillas / Rodrigo Castellar

Diretora de Produção: Beatriz Polati

Diretor de Fotografia: Adrian Teijido

Diretor de Arte: Alberto Grimaldi

Sinopse: Adaptado da autobiografia de Hiroito de Moraes Joanides (Daniel de Oliveira), o filme retrata a atmosfera noturna da Boca do Lixo, região de prostituição no centro de São Paulo nos anos 50 e 60. Oriundo de uma família de classe media alta, Hiroito frequentava a Boca apenas como boêmio em busca de aventuras sexuais, até que uma tragédia pessoal provoca uma mudança em sua vida. Seu pai é violentamente assassinado e Hiroito é acusado pelo crime. Dois meses depois deste acontecimento, Hiroito compra dois revólveres e se muda para a Boca, tornando-se rapidamente um dos bandidos mais procurados pela polícia. 

Exibições na 34ª Mostra Internacional de São Paulo:

Dia 26/10 (terça-feira)

Local: Unibanco Arteplex – Shopping Frei Caneca

Sala 1

Horário: 22h10

Dia 30/10 (sábado)

Local: Cinemateca Brasileira

Sala BNDES

Horário: 14h30

Dia 31/10 (domingo)

Local: Multiplex Marabá

Sala 2

Horários: 20h30

Sobre o diretor 

Flavio Frederico é carioca. Estudou Arquitetura e Cinema na Universidade de São Paulo. Em 1998 co-produziu seu terceiro curta, “Todo Dia Todo” com a Superfilmes. O filme foi premiado em Bilbao, Barcelona, Montecatini, San Francisco, Odense e Munich. No Brasil recebeu os prêmios principais na Jornada de Cinema da Bahia e no Festival do Rio. Esteve na seleção oficial do Festival de Cinema de Nova York, Sundance, Rotterdam, entre outros. Em 1999, seu primeiro curta documental, “Copacabana”, foi premiado em Gramado, Brasília, Recife, Curitiba e no Festival “É Tudo Verdade”. Esteve também  nos festivais de Rotterdam, Oberhausen, Vila do Conde e no London Film Festival/00.

Seu  primeiro longa, Urbânia, com apoio fianceiro do Fundo Hubert Bals da Holanda, foi lançado em 2001 tendo sido premiado em Gramado e na Jornada da Bahia. Foi selecionado para os festivais de Rotterdam, Montreal, Mannheim-Heidelberg, NY Latin Beat, Mar del Plata entre outros. Comercialmente foi lançado em salas de São Paulo, Rio, Porto Alegre e Vitoria. Em 2002, o curta “Ofusca”, teve sua estréia mundial no Festival de Oberhausen e foi premiado nos Festivais de Recife, Cuiabá e no festival Luso Brasileiro. Em 2003 e 2004 lança dois documentários para tv: “Serra”, e “São Paulo – retratos do mundo”, ambos selecionados para o festival “É Tudo Verdade”. Seu último curta metragem “Red”(2005), recebeu os prêmios de melhor filme pelo júri popular, melhor direção e melhor fotografia no Festival de Cuiabá, melhor direção no Festival de Vitória e melhor roteiro no Festival de Belém.

Em 2006, Caparaó, um documentário de longa-metragem, venceu a competição brasileira do Festival É Tudo Verdade e levou os prêmios principais do Recine 2006. Foi lançado em salas comerciais de 13 cidades brasileiras em 2007. Fez também a produção executiva dos longa metragens; “Seja o que Deus quiser”(2002) e “Nome Próprio”(2007) de Murilo Salles e “Árido Movie”(2005) de Lírio Ferreira. Em 2008, lançou no Festival “É Tudo Verdade” seu quinto documentário: “Quilombo, do Campo Grande aos Martins”, premiado no Festival Guarnicê, Mostra Etnográfica do Rio, Recine/09 e no Reel Sisters

Filme de NACHTERGAELE no CANAL BRASIL

A FESTA DA MENINA MORTA, o impactante filme  de estréia de MATHEUS NACHTERGAELE na direção, será exibido na programação do CANAL BRASIL este mês:

Segunda, dia 31/05, às 22h e sábado, dia 05/06, às 23h

Filme traz atuações estupendas de DANIEL DE OLIVEIRA e CÁSSIA KISS e a participação especialíssima de Paulo José.

Saiba mais sobre o filme: www.auroradecinema.com.br

Comando Vermelho é 400 contra 1

O filme 400 contra 1 – A História do Comando Vermelho“, de Caco Souza, tem lançamento agendado para  7 de agosto.

Baseado no livro homônimo de William da Silva Lima, o Professor, um dos fundadores do Comando Vermelho e hoje foragido da Justiça, o filme, assim como o aguardado Tropa de Elite 2 vai narrar os bastidores da violência no Rio de Janeiro.

Enquanto Tropa deve estrear em outubro, contando uma história contemporânea focada na corrupção policial e  nas milícias, o longa de Caco Souza vai mostrar na tela o surgimento da maior facção criminosa do Brasil, no final da década de 70.

No filme, Daniel de Oliveira é o próprio William, o narrador da trama. Daniela Escobar vive Teresa, companheira do protagonista. O elenco conta ainda com Fabricio Boliveira, Negra Li, Lui Mendes e Branca Messina.

O título do filme é uma referência ao episódio que é, até hoje, considerado o mais longo tiroteio na história policial carioca, ocorrido no início da década de 80 no Conjunto dos Bancários, na Ilha do Governador. 

Orçado em R$ 4,8 milhões, o filme foi rodado no presídio de Ahu, em Curitiba, desativado desde 2006, e no próprio Presídio de Ilha Grande, no Rio de Janeiro, onde o Comando Vermelho nasceu.