Arquivo da tag: disco Canções Brasileiras de Leda Dias

A brasilidade brejeira das canções na voz de Leda Dias

Por força do ofício, ando ganhando uma porção de presentes culturais super bacanas, de extremo bom gosto e com asas pra fazer um belo vôo cultural pelas riquezas artísticas do país.

Alguns desses ganhei no comecinho do ano, mas a agenda se avolumou de tal modo que acabei sem divulgá-los aqui. Agora vou começar a fazê-lo, aos poucos, pois os presenteadores merecem este retorno.

E vou começar de trás pra frente: há coisa de duas semanas, na rádio Universitária FM, ganhei  do paraibano de Recife, Paulo Vanderley Tomaz – funcionário de carreira do BB e homem profundamente ligado à Cultura Nordestina – uma penca de ótimos mimos: um DVD comemorando os 70 anos do sanfoneiro e compositor Dominguinhos, um bloco de notas (cuja capa estampa foto histórica do Rei do Baião, Luiz Gonzaga), e um belíssimo CD da cantora Leda Dias.

Paulo Vanderley é autor dos sites de Luiz Gonzaga e de Dominguinhos, além de ser emérito pesquisador da obra de Gonzagão, a quem conheceu pessoalmente por conta da amizade que o pai travava com o compositor Rei do Baião, quando – em meio a muitas mudanças de domicílio – acabaram por ir morar na cidade pernambucana que ganhou fama, sobretudo por ser a terra de Gonzaga: Exu, na fronteira Ceará-Pernambuco.

Bom papo, e grande entusiasta de suas raízes nordestinas, Paulo Vanderley é tão encantado com seus quereres, que acaba por nos contagiar. E aproveito o espaço para parabenizá-lo pelas expressivas iniciativas de criação dos sites (há em preparo também o site do Gonzaguinha) e, sobretudo, para agradecê-lo por me ofertar esta obra supimpa que é o CD de Leda Dias, cantora pernambucana de agradável voz, cujo disco Canções Brasileiras é uma pérola de altíssimo bom gosto.

O disco encanta pela embalagem preciosa. Ana Rios assina o belíssimo projeto gráfico e Anselmo Alves a produção executiva. A eles, Leda deve a beleza deste lançamento. E, é claro, aos músicos que a acompanham com maestria. A própria Leda, Kiko Chagas, Zé da Flauta e Anuacy Fontes respondem pelos arranjos, que tem pérolas como o clássico Serra da Boa Esperança (do inesquecível Lalá) com arranjo de Kiko Chagas, que responde também pelos violões e um matreiro cavaquinho (!); Noite cheia de estrelas, de Cândido das Neves; Oito Baixos, de Dominguinhos e Climério; Sertaneja, de René Bittencourt; e as belas Tecelã (Xico Bizerra e Maria Dapaz), e Triste Berrante, de Adauto Santos.

Palavras de Caetano Veloso abrem o encarte do CD: “Não sei onde aprendi a cantar/ Só sei que não consigo esquecer/ Cantiga vem do céu/ Vem do mato e vem do mar/ Faz o meu coraçãozinho doer”… o trabalho é dedicado à memória de Chiquinha do Acordeom, e é ilustrado com aquarelas, desenhos e pinturas da artista Guita  Charifker, que concede ao disco um dos mais belos e artísticos encartes dentre tantos lançados diariamente. Vale demais conhecer este trabalho de Leda Dias, não fora ademais a delicada voz da cantora, o repertório selecionado com esmero e os arranjos emoldurando com preciosismo as belas canções, só a beleza do material gráfico já valeria a aposta nestas Canções Brasileiras de Leda Dias.

Leda Dias em estúdio: mais uma cantante qualificada do Nordeste…

O CD foi gravado nos estúdios Studium Produções, de Natal;Ideiaria Estúdio e ZRG Studio de Recife, tendo sido mixado e masterizado entre novembro de 2009 e janeiro de 2010 neste último.

Triste Berrante, última música do disco, tem arranjo sublime, de Kiko Chagas, que também dedilha os violões de aço, com a colaboração de Carlos Zens nas flautas, uma sanfona tri legal de Zé Hilton, percussão de Wagner Tsé, baixo de Zé Fontes e teclados de Daniel Macedo. A faixa é dedicada “aos que levam na alma os sertões do Brasil”.

Pois que os sertões do Brasil se façam muitos, longos e perenes nestas Canções Brasileiras que Leda Dias nos oferece com maviosa voz, belos arranjos para um repertório bem selecionado, e uma deliberada vontade de encantar pela ternura e a força contagiante de quem aposta no afeto e na sensibilidade.

Obrigada, Paulo Vanderley, pela riqueza do presente ofertado.