Arquivo da tag: entenda a relação cinema e literatura

ARGENTINA: Cinema e Literatura em mostra no CCBB carioca

 Antologia Visual da Argentina: Cinema e Literatura reúne série de 15 filmes 
O Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro, em parceria com a Embaixada da Argentina, vai exibir de 28 deste a 2 de setembro, a mostra Antologia Visual da Argentina: Cinema e Literatura, uma série de filmes que apresenta a relação entre filmes argentinos e clássicos da literatura deste País.
 
A mostra destina-se a fornecer uma visão ampla da rica e variada relação entre literatura e cinema argentinos, dividida em três temas: clássicos do cinema argentino, documentários sobre quatro escritores emblemáticos (Borges, Cortazar, Puig e Sábato) e um panorama sobre o cenário atual do cinema contemporâneo.
 
Na seção de clássicos argentinos, destaca-se o filme Rosaura a Las Diez, de Mauro Soficci, considerado pela crítica um dos melhores filmes argentinos de todos os tempos. Soficci ficou conhecido por narrar as histórias apresentando os diversos pontos de vista de cada personagem.
 
 
 
Dentro da retrospectiva histórica, destaca-se ainda o filme No Habra mas Penas Ni Olvidos, adaptação da novela homônima do escritor argentino Osvaldo Soriano. A história propõe um olhar crítico e humorístico da realidade política argentina. Este filme recebeu vários prêmios internacionais, entre eles o Urso de Prata – Prêmio especial do Júri no Festival de Cinema de Berlim em 1984.
A mostra conta também com série de cinco documentários sobre reconhecidos autores argentinos: Borges, Cortazar, Puig e Sábato.
 
 
 
No recorte contemporâneo da mostra, serão exibidos os filmes Ernesto Sábado, Mi Padre e Dormir ao Sol, que ainda não estrearam no Brasil. Haverá também sessões do filme Las Viudas de Los Jueves, um dos filmes recentes com a maior bilheteria do cinema argentino.
 
Outro destaque da mostra é o filme Mentiras Piadosas, de Diego Sabanés, que recebeu Menção Especial do Júri no Festival Cinesul pela “sua excelência na encenação e sua capacidade de diálogo com a tradição narrativa latino-americana”.
 
Clássicos do Cinema Argentino
 
Rosaura a las diez, de Mario Soficci (1958, 100 mim, Livre) – Camilo é um pensionista tímido e pouco atraente envolvido com uma misteriosa mulher chamada Rosaura. Um assassinato perturba esta relação, contado pela ótica de vários personagens. Um dos melhores filmes do cinema argentino, baseado no romance homônimo de Marco Denevi.
 
La cifra impar, de Manuel Antin (1962, 85 min, Livre) – Um filme, baseado em contos de Cortázar, que trata do presente atrelado a um passado latente, alem de traições e morte como pano de fundo.
 
Juan Moreira, Leonardo Favio (1973, 105 min, 14 anos) – Juan Moreira é um bom gaucho trabalhador abusado pelos poderosos, o que levou a transformar-se em um “mau gaucho” despertando ódio e admiração na Argentina do final do Século XIX. Baseado no romance de Eduardo Gutierrez.
 
No habrá más penas ni olvidos, de Hector Oliveira (1984, 80 min, 18 anos) – Na fictícia localidade de Colônia Vela, a luta entre peronistas de esquerda e direita tem imprevistas consequências. Uma deliciosa comedia dramática escrita por Osvaldo Soriano.
 
Ultimos dias de la víctima, de Rodolfo Aristarain (1982, 90 min, 18 anos) – Um assassino cumpre uma nova missão, porém se envolve com a vítima de forma obsessiva. Baseado em romance homônimo de José Pablo Feinmann.
 
 
 
Grande escritor argentino Jorge Luiz Borges é tema de documentário…
 
 
Documentários: Visão do escritor Borges y nosotros, Omar Quiroga (2007, 40 min, Livre) – O documentário indaga, através de diferentes testemunhos, os diversos aspectos da vida do escritor, dentro e fora do âmbito literário.
Cortázar, de Trístan Bauer (1994, 60 min, livre) – Documentário sobre o escritor argentino Julio Cortázar com abundante material de arquivo, protagonizado pelo próprio escritor.
Ernesto Sábato, mi padre, de Mario Sábato (2011, 101 min, Livre) – É um retrato íntimo, comovedor e único do escritor Sábato, realizado por seu filho: o cineasta Mario Sábato.
 
 
Grande ícone mundial, o argentino Che Guevara também está na tela…
Los libros y la noche, Trístan Bauer (2011, 78 min, Livre) – Uma aproximação do universo de Borges através da recriação de alguma de suas obras magistrais, e a cinematografia de vários aspectos de seus brilhantes pensamentos e sua própria vida.
Puig, paisajes de voces, de Silvia Hopenhayn e Marcello Laccarino (1998, 52 min, livre) – Retratos íntimos de Manuel Puig, autor de O beijo da mulher aranha, com as vozes de seus vizinhos de seu povoado natal.
 
Cinema Contemporâneo
La mirada invisible, de Diego Lerman (2010, 97 min, 16 anos) – Em Buenos Aires, durante os dias prévios à guerra das Malvinas, vemos o ponto de vista de uma professora que persegue um aluno desobediente e pouco a pouco faz disso um hábito obscuramente excitante. Baseado no romance Ciencias Morales de Martin Kohan.
Las viudas de los jueves, de Marcelo Piñero (2009, 122 min, 16 anos) – Num condomínio fechado e aparentemente perfeito, três cadáveres aparecem flutuando na piscina. Certezas começam a desmoronar-se, desmentindo a crença de que a prosperidade é eterna e de que a abundância equivale à felicidade. Baseado no romance homônimo de Claudia Piñeiro.
Dormir al sol, Alejandro Chomsky (2011, 84 min, 14 anos) – Um relojoeiro e sua mulher internada num Instituto Psiquiátrico. O real se confunde com o imaginário, o sonho com a vigília e a loucura com a lucidez até culminar com um desconcertante final. Baseado no romance homônimo de Adolfo Bioy Casares.
 
Paulo Autran e Gael Garcia Bernal em cena de O Passado, de Hector Babenco…
El pasado, de Hector Babenco (2007, 114 min, 14 anos) – Logo após uma separação, um homem terá erráticas tentativas para recompor sua vida sentimental. Cada uma das mulheres que aparecerão em seu caminho será forçada a distanciar-se dele. Baseado no romance homônimo de Alan Pauls.
Mentiras piadosas, de Diego Sabanés (2008, 100 min, 14 anos) – Um irmão desaparece em Paris. Seus irmãos o reinventam. É a história de uma casa que vai sendo desmantelada para sustentar um sonho. É, de algum modo, uma história de fantasmas. Baseado em contos de Cortázar.
 
Rio de Janeiro 28.08 a 02.09      
 
28/08 – terça
15h Los Libros y la Noche (el universo de Jorge Luis Borges)  Direção de Tristán Bauer (78 min)  LIVRE
17h Rosaura a las diez    Direção: Mario Soficci (100 min)   LIVRE
19h La mirada invisible  Direção: Diego Lerman  (97 min) 16 anos
21h Mentiras piadosas    Direção: Diego Sabanés  (100 min) 13 anos
29/08 – quarta
15h Cortázar   Direção:Tristán Bauer  (60 min)    LIVRE
17h La cifra impar     Direção: Manuel Antin  (85 min)   LIVRE
19h El pasado  Direção: Héctor Babenco   (114 min)  13 anos
21h Las viudas de los jueves  Direção: Marcelo Piñeiro  (122 min) 16 anos
30/08 – quinta
15h Ernesto Sábato, mi padre Direção: Mario Sábato (101 min)    LIVRE         
17h Juan Moreira  Direção: Leonardo Favio  (105 min)            14 anos
19h Mentiras piadosas    Direção: Diego Sabanés  (100 min) 13 anos
21h El pasado  Direção: Héctor Babenco   (114 min)  13 anos
31/08 – sexta
15h Dormir al sol  Direção: Alejandro Chomsky  (84 min)    13 anos           
17h No Habra mas penas ni Olvidos   Direção : Héctor Olivera (80 min) 18 anos
19h Las viudas de los jueves  Direção: Marcelo Piñeiro  (122 min) 16 anos
01/09 – sábado
16h Puig, paisajes de voces    Direçao: Silvia Hopenhayn e Marcello Iaccarino (52 min) LIVRE
17h Ultimos dias de la víctima     Direção: Rodolfo Aristarain (90 min)     18 anos
19h Dormir al sol       Direção: Alejandro Chomsky  (84 min)    13 anos           
21h Las viudas de los jueves  Direção: Marcelo Piñeiro  (122 min) 16 anos
02/09 – domingo
16h Borges y nosotros Direção: Omar Quiroga   (40 min.)   LIVRE   
17h Rosaura a las diez    Direção: Mario Soficci (100 min)   LIVRE
19h La mirada invisible  Direção: Diego Lerman  (97 min) 16 anos
21h Puig, paisajes de voces Direçao: Silvia Hopenhayn e Marcello Iaccarino (52 min) LIVRE

Crítico LG de Miranda Leão disseca as relações Cinema x Literatura

Da ficção para o real

O diretor chama atenção do operador para o enquadramento de Catherine Deneuve em O Último Metrô, um dos mais instigantes exercícios de Truffaut com signos visuais, sabendo-se como o cineasta conhece bem sua tipologia e o poder das imagens

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Como vimos, a realização cinematográfica de ficção, naturalmente distinta do filme documentário, baseia-se em três fontes distintas: o livro, o drama teatral e uma história inventada ou inspirada no todo ou em parte em eventos reais. Esta deixa maiores opções e asas para a criação dos “screenplayers” ou do próprio diretor, pois não há amarras a limitar realizadores independentes. Lembramo-nos, por exemplo, de um filme como “O Último Metrô” (Le Dernier Metro) escrito diretamente para a tela por François Truffaut (1980), figura ímpar do cinema. Indicado para o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, “O Último Metrô” foi um marco na carreira do cineasta ao enfocar o drama verossímil de um judeu diretor teatral escondido no porão de um prédio onde se encenavam as peças.

A trama

Escondia-se para fugir da perseguição implacável dos nazistas durante a França ocupada na II Guerra. A tensão nasce do temor da descoberta, pois os agentes inimigos suspeitam de algo estranho no teatro, enquanto um dos atores se apaixona pela mulher do diretor. O desfecho é dos mais inteligentes e consentâneos com o desenvolvimento do drama vivido pelos atores da peça como, então, pelo drama pessoal de cada um.

RE – leituras

Poderíamos citar a propósito dezenas de filmes feitos com base em história original, inventada parcial ou totalmente, mas todas coerentes e verossímeis, pois o cinema nada tem a ver com a verdade e sim com a verossimilhança, o provável de acontecer, tudo quando poderia ter decorrido num drama de caráter realístico. Um deles, por exemplo, “Depois das Horas (After Hours), de Martin Scorsese (1985), no qual uma série de acasos desfavoráveis da vida real leva sua “vítima” a contar seus infortúnios de uma sexta-feira aziaga a um amigo e este lhe teria dito: “Não fale mais, isso dá um filme e tudo quanto aconteceu com você, naturalmente com algumas alterações, estará incluído. “Posso, então, contar seus azares para um roteirista competente?”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nasce um filme

Assim, os apontamentos para o roteiro chegaram ao roteirista Joseph Minion e daí a Scorsese. Este se interessou pelo tema do jogo de acasos inesperados e perturbadores na vida das pessoas e criou com Minion todo um enredo: um programador e seu encontro com jovem neurótica com todos os percalços gerados numa única noite, além do final irônico e surpreendente, só suscetível de ocorrer num filme. Será? Da abertura com um plano-sequência dos mais efetivos chegamos ao terço final inusitado, após o desespero do personagem perdido em plena madrugada de um bairro nova-iorquino e gritando pelas ruas desesperado: “Que fiz eu para merecer tudo isso?”, enquanto a trilha sonora engrandece o sentido da cena enriquecida pela interpretação do ator (Griffin Dunne), pela fotografia do mestre alemão Michael Baulhaus e pela direção precisa de Scorsese.

Os frutos

Enfim, alto cinema nascido fora dos livros, mas de incidentes vividos por um personagem da vida real. Quem ainda não assistiu a “Depois das Horas”, poderá alugá-lo numa locadora. Muito elogiado até por críticos da estrutura de Roger Ebert, Prêmio Pulitzer de Literatura, para quem “o filme de Scorsese é tão original, tão particular, a ponto de o espectador não ter certeza de, instante a instante, exatamente, como reagir a ele” …

Bons e maus filmes

No fim de contas, o espectador pode dizer se gostou ou não de determinado filme ou de sua adaptação para o écran. Mas isso não é problema: há bons filmes dos quais não se gosta ou fitas bobas das quais saímos leve pelas duas horas de entretenimento … Há também os filmes esquecíveis, incapazes de enriquecer-nos de algum modo. De qualquer forma, um lembrete para nossos prezados cinéfilos: O cinema pode, sem prejuízo da própria linguagem, lidar com o texto literário de outra maneira que não a de simplesmente tomá-lo como um provedor de enredos para ilustração.

Um vanguardista

A frase não é nossa, mas do cineasta britânico Peter Greenway, realizador de vanguarda e também pintor, ilustrador e autor de romances. Ganhou destaque internacional com filmes como “O Cozinheiro”, O Ladrão, Sua Mulher e o Amante” (The Cook, The Thief, His Wife and her Lover) (1989), “A Última Tempestade” (Prospero´s Books) (1991) e “O Bebê Santo de Macon” (The Baby of Macon) (1993), para só citarmos estes vindos à memória.

Do livro para a tela

Não devemos esquecer o fato de haver obras literárias de difícil transposição para o écran. Basta lembrar como Joseph Losey e Luchino Visconti levaram anos estudando e relendo “A La Recherche de Temps Perdu”, de Proust, e não conseguiram concretizar a filmagem desse texto memorialista do talvez maior romance do século XX.

Duas criações

Tempos depois, com muitos anos de estudo, o chileno-francês Raoul Ruiz pôde levar a essência do romance à tela, num filme admirável de uma recriação da Paris de Proust, enquanto o cineasta alemão Volker Schlondorff preferiu filmar apenas “Un Amour de Swan”, mas ambos conseguiram reconstituir um clima de época com diálogos inteligentes e a tensão subjacente aos conflitos delineados ao longo do processo narrativo. São dois filmes de primeira ordem e não nos cansamos de recomendá-los, mesmo aceitando a possibilidade de os acharem longos ou cansativos e não sentirem afinidade alguma com casos de amor passados nos anos 20…

Os desafios

Não esquecer também como é difícil representar visualmente signos verbais como, por exemplo, “o amor que poderia ter sido e não foi” ou um drama de teor psicológico, como um “Crime e Castigo”, de Dostoievsky”, o qual nunca atinge a essência da obra literária original, apesar das tentativas levadas a efeito nesse sentido por cineastas de categoria. Por outro lado, é preciso levar em conta as diferenças fundamentais que se estendem entre literatura e cinema.

Dos elementos

De um lado temos palavras, frases, diálogos, exclamações, parágrafos etc, de outro, imagens filmícas e conceituais, imagens-rosto, imagens-sonho, sons, olhares, expressões, tempos mortos, silêncios, conotações, imagens significantes (o elemento ausente da cena, como o relógio sem ponteiros da praça, visto no sonho do personagem central de “Morangos Silvestres” (Wild Strawberries) (1957), filme excepcional do mestre Ingmar Bergman, para citar apenas um dos seus trabalhos mais representativos.

Por fim, não esqueçamos o elemento-chave da chamada linguagem cinematográfica, o plano, também denominado “shot” ou “take”, ou seja, o trecho filmado ou focalizado numa única tomada e na qual a posição da câmara determina a aproximação ou o afastamento da imagem; os ângulos de tomada (câmara baixa, câmara alta; em inglês, respectivamente, “low angle” e “high angle”, e em francês, “plongée” e “contre-plongée”.

Um detalhe

Não esquecer também a escala dos planos e o plano-sequência (“sequence shot” ou “plan-sequence”), igualmente chamado plano-longo, ou seja, aquele que abrange toda uma sequência filmada e montada sem cortes.

Dos planos

Há muitos outros planos, como o plano de detalhe, o plano de fundo, mas os citados aqui bastam para ilustrar alguns pontos importantes da chamada planificação, ou seja, a escolha dos planos, angulações, sua ordem de duração. Noutras palavras, os ângulos de tomadas e os movimentos de câmara, completados com os cenários, a fotografia, o vestuário, os efeitos especiais constitutivos dos chamados elementos técnico-artísticos do filme. “São técnicos por natureza”, como lembra Maurício Rittner em suas aulas, “mas artísticos por finalidade”. Não esquecer a importância da luz no cinema, em cores ou em preto e branco. Em p&b, para citar apenas um exemplo, “Silêncio nas Trevas”, de Robert Siodmak, logra resultados inesquecíveis com a iluminação de interiores, sabendo-se da presença de um psicopata assassino de mulheres com algum tipo de deficiência física.

SAIBA MAIS

BRAIT, Beth. A personagem. São Paulo: Ática, 1985

DIMAS, Antônio. Espaço e romance. São Paulo: Ática, 1986

MESQUITA, Samira Nahid de. O enredo. São Paulo: Ática, 1986

MOISÉS, Massaud. A análise literária. São Paulo: Cultix, 1987

NUNES, Benedito. O tempo na narrativa. São Paulo: Ática, 1988